Guarani 1 x 1 Santos

Data: 02/09/1998, quarta-feira, 15h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas, SP.
Público: 6.741 pagantes
Renda: R$ 60.600,00
Árbitro: Jorge dos Santos Travassos (RJ).
Cartões amarelos: Dauri (G); Élder e Claudiomiro (S).
Cartões vermelhos: Silvinho (G) e Narciso (S).
Gols: Ânderson Lima (40-1) e Robson Ponte (38-2).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Claudiomiro e Gustavo Nery; Narciso, Élder, Jorginho e Messias (Adiel); Lúcio (Aristizábal)(Fernandes) e Viola.
Técnico: Emerson Leão

GUARANI
Pitarelli; Luciano Baiano, Luis Cláudio, Sorlei e Rubens Cardoso; Marcelinho Paulista, Renatinho (Silvinho), Dauri (Derlei) e Paulo Isidoro; Samuel (Camanducaia) e Robson Ponte.
Técnico: Osvaldo Alvarez



Santos empata e deixa escapar liderança

O Santos desperdiçou a chance de retornar à liderança do Brasileiro ao empatar com o Guarani em 1 a 1, ontem, em Campinas. O time dirigido por Emerson Leão vencia o rival até os 37min do segundo tempo, mas, pressionado, tomou o gol de empate.

Com o resultado, o Corinthians continua em primeiro lugar, com 23 pontos, seguido pelo Santos, que agora soma 21.

A equipe santista continua sem vencer na “sessão da tarde” às quartas-feiras. Foram até agora três empates -Atlético-PR (1 a 1), Atlético-MG (4 a 4) e Guarani (1 a 1). Em todas as outras partidas, obteve vitórias.

O jogo

As duas equipes entraram em campo pouco inspiradas. No primeiro tempo, houve apenas dois lances que deram emoção aos torcedores presentes. Os primeiros 30 minutos foram de muita marcação. Em uma partida truncada, as defesas tinham predomínio sobre os ataques.

Aos 33min, o Guarani conseguiu sua primeira chance de gol. Robson Pontes, pela direita, driblou o zagueiro Claudiomiro na área e chutou forte, cruzado. A bola passou rente à trave esquerda de Zetti.

Cinco minutos depois, o Santos teve outra chance. O meia Messias arriscou de fora da área, Pitarelli espalmou, e a bola sobrou para Viola, que desperdiçou.

A partida de ontem foi a segunda mais faltosa do Brasileiro-98. As duas equipes cometeram juntas 70 infrações -o jogo mais faltoso foi entre Inter e Ponte Preta (71).

E foi em uma delas, aos 40min, que Ânderson abriu o placar para o Santos. Em cobrança na entrada da área, o lateral-direito bateu colocado, no ângulo esquerdo de Pitarelli. Foi o terceiro gol de Ânderson em três jogos -dois deles em excursão à Europa.

O gol santista foi o 100º da equipe de Emerson Leão neste ano, em 48 jogos disputados.

No segundo tempo, o Guarani voltou mais ofensivo e começou a pressionar o time santista em busca do empate. Logo aos 2min, em uma falha do lateral Ânderson, Samuel chutou de dentro da área, mas a bola saiu prensada.

O Santos, com a vitória parcial, passou somente a se defender. Tanto que ficou 32 minutos sem finalizar ao gol de Pitarelli, dos 8min aos 40min da segunda etapa.

O time campineiro tinha o domínio do jogo, mas não conseguia criar chances de gol. Aos 35min, o ex-santista Camanducaia, que enfrentou o seu ex-time pela primeira vez, recebeu e chutou, cara a cara com Zetti, no canto esquerdo. O goleiro santista fez grande defesa.

Aos 37min, a bola sobrou para o lateral-direito Luciano Baiano, que chutou forte. Zetti mais uma vez evitou o empate.

O gol do Guarani parecia cada vez mais próximo. Aos 38min, o zagueiro Sorlei arriscou forte de longe, para defesa de Zetti.

E um minuto depois Robson Pontes empatou. Em uma jogada confusa dentro da área, a bola sobrou para o atacante, que bateu forte, no ângulo esquerdo, sem defesa para o goleiro.

Depois do gol, o Santos passou a pressionar. Viola teve a chance de fazer o segundo aos 45min, mas Pitarelli defendeu, depois de cabeçada do centroavante.

Para técnico, o placar foi justo

O técnico do Guarani, Oswaldo Alvarez, o Vadão, afirmou que o Santos não teve a supremacia na partida e considerou o resultado justo. “O primeiro tempo foi equilibrado, e nosso time conseguiu ter uma boa função defensiva”, disse o treinador.

Para Vadão, que permanece no cargo mesmo após o empate, a pressão da torcida é natural. “Os mesmos que aplaudiram agora estão cobrando o resultado, o que é normal”, disse. O time campineiro tem nove pontos no Brasileiro.

O treinador disse que só vai decidir possíveis alterações no time que enfrentou o Santos na reapresentação do elenco, marcada para acontecer hoje.

“A fase negativa do Guarani tem prejudicado a equipe, pois os jogadores entram na partida sem confiança”, disse Vadão.

Para ele, o jogo contra o Santos foi o melhor entre os últimos do Campeonato Brasileiro.

Jogadores do Guarani disseram que faltou tranquilidade à equipe no primeiro tempo. Eles atribuíram à falta de tranquilidade o mau desempenho durante a primeira etapa da partida de ontem. Segundo o atacante Camanducaia, ex-Santos, o time iniciou o jogo nervoso e tenso.

Para o zagueiro Sorlei, apesar de o time ter marcado bem os adversários, a intranquilidade impediu o Guarani de obter melhores resultados no torneio.



‘Rixa’ anima Santos contra Guarani ( Em 02/09/1998 )

A fase positiva do Santos no Brasileiro (vice-líder, com seis vitórias e dois empates) está gerando uma competição entre jogadores pelas vagas no time titular.

A equipe que o técnico Emerson Leão colocará em campo hoje contra o Guarani, em Campinas (SP), é a nona formação diferente. Em nenhuma das oito partidas anteriores, o Santos repetiu a mesma escalação no início dos jogos.

Embora mantenha uma base ao longo da competição e tenha sofrido mudanças devido a cartões e contusões, muitas das alterações são motivadas pelo melhor momento de um ou outro atleta.

A disputa por posições na equipe se reflete nos treinamentos, em jogadas ríspidas envolvendo jogadores dos times titular e reserva.

No treino de ontem, pelo menos duas vezes os médicos do Santos tiveram de entrar em campo para atender atletas que se chocaram em disputas de bola.

Se não estimula a competição entre os jogadores, Leão sinaliza que ninguém tem lugar assegurado na equipe. “Não diria que não há titulares, mas eles têm de se manter sempre alertas. Temos algumas variações possíveis, e eu não gosto de esquecer os atletas que não estão jogando”, afirmou.

A prova disso, segundo Leão, é o “leque de opções simples, mas eficientes” que ganhou ao apostar no lançamento de atletas até então pouco conhecidos, como Adiel, Fernandes, Gustavo e Messias.

Na vitória por 2 a 0 sobre o Inter-RS no último domingo, ele surpreendeu ao colocar no setor ofensivo o novato Messias, recém-chegado ao clube para ser submetido a um período de testes.

No jogo de hoje, Messias será mantido como titular, e o atacante colombiano Aristizábal ficará na reserva, depois de ter se recuperado de uma contusão muscular.

Na zaga, o técnico manteve improvisado o volante Claudiomiro.

Na lateral esquerda, o ex-júnior Gustavo, 21, ocupará o lugar de Athirson, que está suspenso. Dutra, titular da posição no Paulista e na Copa do Brasil, fica de fora. Ele ainda não atuou no Brasileiro.

Aristizábal perde posição para Messias

O meia-atacante Adailton Pereira dos Santos, o Messias, 24, vai atuar hoje pela segunda vez consecutiva como titular no Santos, apesar da recuperação do “dono” da posição, Aristizábal.

Indicado ao técnico Leão pelo ex-jogador do Vasco Roberto Dinamite, Messias tem o passe vinculado ao Madureira (RJ) e está emprestado até dezembro.

Se quiser adquirir o passe, o Santos terá de pagar R$ 500 mil ao clube carioca ao final do empréstimo.

Na vitória por 2 a 0 sobre o Internacional, Messias se mostrou desinibido, apesar da estréia, cobrando escanteios e faltas.

Nascido em Caatiba (BA), com passagens pelo Poções (BA), Bahia, Santa Cruz (PE) e Madureira, ele chegou credenciado por elogios dos colegas Athirson e Lúcio, que o enfrentaram quando defendiam o Flamengo.

Anfitriã aposta em novato

O Guarani aposta na entrada do meia Renatinho, 19, para tentar derrotar o Santos hoje, em Campinas. Ele vai jogar na frente dos zagueiros Sorlei e Luís Cláudio.

Segundo o técnico do Guarani, Oswaldo Alvarez, o Vadão, Renatinho conquistou a vaga no time pela sua boa atuação na partida contra o Corinthians, no último sábado. “Ele jogou muito bem. Além de saber marcar, tem um bom toque de bola.”

Renatinho está no Guarani desde 94. Ele disse que espera ajudar o time a conseguir uma vitória. “Esperamos vencer, mas a atenção da equipe terá de ser constante. Precisamos atacar com seriedade e não dar espaço no meio-campo”, afirmou.

O zagueiro Marcelo Sousa, que teve uma lesão na coxa direita contra o Corinthians, está fora.

Ontem pela manhã, mais um atleta se contundiu no Guarani. Marco Antonio sentiu dor na coluna durante treino recreativo e ficará fora da partida. O Guarani não contará também com Jean Carlo, Gilson Batata e Vaguinho.

Outra novidade pode ser a entrada de Pichetti na equipe. Vadão não confirmou a informação.

O treinador esperava pela decisão do julgamento de Marcelinho Souza. O jogador seria julgado ontem à noite pelo tribunal da CBF pela expulsão contra o Vasco.

Para Vadão, o Santos será um grande obstáculo, mas uma vitória sobre o vice-líder da competição dará maior motivação ao Guarani.