Santos 1 x 2 Internacional

Data: 02/11/2014, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.907 pagantes
Renda: R$ 170.950,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA).
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos e Luiz Carlos Silva Teixeira (ambos da BA).
Cartões amarelos: Cicinho e Edu Dracena (S); Alisson, Alan Patrick, Fabrício e Jorge Henrique (I).
Gols: Aránguiz (24-1); Gabriel (17-2) e Aránguiz (35-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Edu Dracena, Bruno Uvini e Mena; Arouca, Alison (Renato) e Lucas Lima; Gabriel (Leandro Damião), Robinho e Rildo (Jorge Eduardo).
Técnico: Enderson Moreira

INTERNACIONAL
Alisson; Cláudio Winck, Alan Costa, Ernando e Fabrício; Willians, Aránguiz, Alan Patrick (Bertotto), Jorge Henrique e D’Alessandro (Welington Paulista); Nilmar (Ygor).
Técnico: Abel Braga



Internacional vence Santos na Vila pela 1ª vez na história e volta ao G4

Com dois gols do chileno Aránguiz, equipe gaúcha sobe para a terceira colocação e fica três pontos do vice-líder São Paulo

O Internacional conseguiu quebrar um tabu histórico neste domingo. A equipe colorada visitou o Santos na Vila Belmiro e venceu por 2 a 1, resultado que representa o primeiro triunfo dos gaúchos no estádio santista. Além disso, a equipe comandada por Abel Braga segue firme na briga pelo G4 do Campeonato Brasileiro , enquanto os paulistas voltam a focar nas semifinais da Copa do Brasil.

Para dar o importante passo em busca de uma vaga na Libertadores da próxima temporada, Internacional contou com a qualidade de seus jogadores sul-americanos. No primeiro gol, Aránguiz marcou depois de receber passe açucarado do argentino D’Alessandro. No segundo tempo, depois de sofrer o empate, o chileno voltou a aparecer para garantir o triunfo.

A vitória deixou o Internacional na terceira colocação, ainda mais perto de garantir uma vaga na competição continental. O time colorado agora soma 56 pontos, com seis rodadas para o fim, e tem um compromisso fundamental no próximo final de semana. No domingo, às 17 horas (de Brasília), a equipe de Abel Braga faz o clássico diante do Grêmio, que também sonha com Libertadores.

O Santos, por sua vez, permanece com 46 pontos, apenas na oitava colocação, e volta suas atenções à Copa do Brasil, caminho escolhido pela equipe para chegar à Libertadores. Na próxima quarta-feira, às 22 horas (de Brasília), o Peixe recebe o Cruzeiro, na Vila Belmiro, pela segunda partida das semifinais da Copa do Brasil. O desafio é reverter a vantagem dos mineiros, que venceram por 1 a 0 em BH.

O jogo

Mesmo com a decisão contra o Cruzeiro na próxima quarta-feira, Enderson Moreira preferiu escalar o time titular. O Inter, por sua vez, sabia da importância do resultado para seguir firma na briga pela Libertadores. Desta forma, a partida na Vila Belmiro foi movimentada desde os primeiros minutos. O time da casa tinha mais presença no ataque, porém falta objetividade para definir as jogadas.

Os espaços deixados pelo Santos eram bem aproveitados pelo Inter, que quase chegou ao primeiro gol logo aos oito minutos, mas Nilmar não alcançou o cruzamento rasteiro. D’Alessandro também deu trabalho aos 12, em chute de fora da área que obrigou boa defesa de Aranha. No lance seguinte, Robinho apareceu livre na cara do goleiro e chutou à esquerda da meta colorada.

Aos 14, o Santos carimbou o travessão com Bruno Uvini, e Gabriel chegou a balançar as redes. O atacante, no entanto, foi flagrado em posição de impedimento. Sem marcar, o time da Vila foi castigado. Lucas Lima errou o passe no meio de campo, D’Alessandro ligou o contra-ataque, encontrou Aránguiz livre na área, o chileno levou para a perna esquerda e abriu o placar aos 24.

O gol colorado não mudou a cara do jogo. O Internacional seguiu com a sua estratégia de permanecer no campo de defesa, esperando o momento certo para atacar, enquanto o Santos tinha dificuldades para chegar efetivamente com perigo. Os donos da casa ainda mostravam maior desorganização em campo, mostrando que Enderson Moreira teria trabalho nos vestiários para buscar a virada.

O treinador alvinegro tentou dar mais qualidade ao meio de campo no segundo tempo. Renato entrou na vaga de Alison, mas a presença de um jogador mais experiente não acalmou os ânimos do time santista. Edu Dracena foi amarelado logo aos quatro minutos e Arouca, na sequência, cometeu falta perigosa que quase originou o segundo gol colorado.

Com o passar do tempo, o Santos conseguiu se organizar. O time da casa, que já trabalhava a bola no meio de campo durante o primeiro tempo, passou a transformar a posse de bola em chances de gols. Aos 13, Robinho recebeu no lado esquerdo, saiu da marcação ao dominar no peito, invadiu a área com liberdade, mas errou o chute, sem levar perigo à meta de Alisson.

Abel Braga não escondia sua irritação com a postura defensiva do Colorado. O treinador temia pelo empate, o que não demorou a acontecer. Aos 17, Cicinho saiu livre no lado direito, arrumou espaço para o cruzamento, Gabriel se antecipou à marcação já na pequena área e apareceu para desviar ao fundo das redes, deixando tudo igual na Vila Belmiro.

O empate fez o Santos crescer na partida. O Inter já não conseguia ligar os contra-ataques e o final de jogo foi dominado pelo time da casa. Robinho recebeu de Lucas Lima, saiu na cara de Alisson, mas foi travado bno momento do chute. Na sequência, Edu Dracena desviou de cabeça no meio da área, Rildo ficou livre na pequena área, porém conseguiu chutar para fora.

Apesar do amplo domínio, o Santos novamente pecava no momento da finalização e acabou sendo castigado. Ao dividir uma bola na intermediária, Mena jogou para trás, Aranha pegou com as mãos e o árbitro marcou o recuou, para a irritação dos jogadores alvinegros. Na cobrança do tiro indireto, Aránguiz bateu rasteiro com força, o chute passou por baixo da barreira e balançou as redes.

Robinho ameniza derrota do Santos na Vila: “Estamos preocupados com quarta”

Jogador exaltou volume de jogo do time e espera não perder chances de gol diante do Cruzeiro, pela semi da Copa do Brasil

Pela primeira vez na história, o Santos perdeu para o Internacional na Vila Belmiro. Apesar de reencontrar o Cruzeiro na quarta-feira, pelo segundo jogo das semifinais da Copa do Brasil, Enderson Moreira não quis dar descanso aos seus jogadores, colocou o time titular, mas não evitou o revés por 2 a 1. O pensamento dos atletas, no entanto, era diferente. Logo após o apito final, Robinho deixou o gramado alegando que o foco é na decisão contra os mineiros.

“A gente criou muito e jogamos bem. Agora, espero que os gols que não saíram hoje possam sair na quarta-feira. Estamos preocupados com a quarta-feira. Tenho certeza que a bola vai entrar”, declarou o atacante, que desperdiçou chances claras, principalmente no segundo tempo, que poderia mudar o resultado do confronto na Vila.

O Santos teve maior presença de ataque ao longo dos 90 minutos, saiu atrás no placar, mas buscou o empate e dominava o adversário no segundo tempo. Robinho ficou livre dentro da área, teve espaço para o chute, porém chutou longe da meta do time gaúcho. Na sequência, o atacante ainda saiu na cara de Alisson e foi travado pela marcação.

Rildo também teve a chance de virar a partida e jogou pela linha de fundo, mas as chances desperdiçadas ainda foram amenizadas pelos santistas. Mesmo com o segundo gol do Internacional e a confirmação da vitória colorada na Vila Belmiro, o discurso do capitão Edu Dracena também ressaltou a importância do duelo contra o Cruzeiro, na próxima quarta-feira.

“Quarta-feira é o jogo mais importante na temporada. Espero que a bola possa entrar na quarta. Gostaria de aproveitar para pedir a paciência do torcedor desde o início, pois será um jogo tão difícil como foi hoje. Quero pedir para o torcedor vir à Vila e cantar até o final”, destacou o defensor santista.

Aranha questiona critério de árbitro em lance crucial na derrota do Santos

Suposto recuo de bola originou tiro livre indireto dentro da área do Santos na partida contra o Inter que acabou em gol

O lance crucial na derrota do Santos para o Internacional, domingo, gerou muita dúvida e discussão no clube paulista. O árbitro Jaílson Freitas assinalou tiro livre indireto, dentro da área, ao interpretar que o goleiro Aranha não poderia ter agarrado com as mãos a bola recuada por Mena. Na cobrança, o Inter marcou o gol da vitória.

“Perguntei a todos sobre o recuo e ninguém me disse com certeza. A regra deixa uma interrogação, no meu entendimento. Se está bem especificado, não tem o que falar”, comentou Aranha, nesta segunda-feira, ao ser questionado sobre a jogada.

O goleiro disse também que não viu o lance na televisão, pois evita assistir programas esportivos, e também não conversou com o lateral chileno após o jogo. Na jogada, Mena deu um alto do meio-campo em direção ao gol santista.

“A bola veio, esperei o quique e peguei. O juiz tomou a decisão dele. Fui para pegar com a mão, ia segurar um pouco, não sei se está certo, ninguém tem certeza. O Mena muito menos. Não foi a intenção dele recuar”, explicou o camisa 1.

Técnico do Santos discute com repórter em pergunta sobre eliminação na quarta

Enderson Moreira não gostou de ser questionado sobre a desvantagem da equipe na semifinal da Copa do Brasil

A simples menção de que o Santos pode ser eliminado na próxima quarta-feira já é capaz de irritar Enderson Moreira. Neste domingo, ao ser questionado sobre o futuro da equipe na temporada em caso de queda para o Cruzeiro nas semifinais da Copa do Brasil, o treinador não escondeu o seu descontentamento, desviou o foco da resposta e discutiu com o repórter responsável pela pergunta.

Na entrevista coletiva após a derrota para o Internacional , o comandante santista falava sobre a compreensão demonstrada pela torcida até o momento, mesmo com mais um resultado negativo na Vila Belmiro. Desta forma, Enderson Moreira foi questionado se haveria a mesma paciência nas arquibancadas caso o time alvinegro fosse eliminado na quarta.

“Você está colocando que se não ocorrer a classificação, vai acontecer uma tragédia. Você está incitando a violência?”, respondeu o treinador, sem pensar na possibilidade de eliminação. A questão, entanto, abordava o futuro da equipe na temporada, já que a queda para o Cruzeiro deve minar o sonho do torcedor alvinegro de chegar à Libertadores na próxima temporada.

Logo na sequência, após um claro desconforto na sala de imprensa da Vila Belmiro, o treinador voltou a mostrar irritação com mais questão. Após o apito final e a confirmação da derrota, o time se reuniu no centro do gramado, com o próprio treinador, e teve uma última conversa antes de entrar para o vestiário, recebendo o reconhecimento da torcida pela entrega.

Enderson, então, foi questionado se a atitude havia sido combinada antes do jogo. “Ensaiar? A gente não ensaia comemoração, não ensaia reunir todo mundo no final, é uma questão de todo grupo. Estamos focados, o time jogou com inspiração, transpiração, não podemos falar absolutamente nada, são resultado que acontecem”, rechaçou o treinador.

Escalação

No meio do confronto semifinal da Copa do Brasil, Enderson Moreira deu indícios de que poderia atuar com um time misto neste domingo, contra o Internacional, na Vila Belmiro. O treinador, no entanto, surpreendeu a todos no anúncio da escalação. Sem se preocupar com o jogo na quarta-feira, colocou em campo todos os titulares à disposição.

“A gente não pode abandonar o Campeonato Brasileiro. Hoje era um confronto direto, poderíamos diminuir a distancia, então não poderíamos desistir disso. Todos os jogadores mostraram recuperação plena para o jogo de hoje, assim não se justificava a retirada de algum deles por causa do desgaste físico” justificou o treinador do Santos, que agora está a oito pontos do G4.