Objetos atirados por rivais levam STJD a punir de novo vice-líder do Brasileiro, que só poderá jogar mais uma na Vila

O Santos só vai voltar a jogar na Vila Belmiro a sua última partida no Brasileiro. Ontem à noite, a Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) tirou mais um mando de campo do clube do litoral por causa do comportamento da torcida no empate em 1 a 1 com o Corinthians, em 6 de outubro.

O mais curioso, porém, é que desta vez o castigo não foi motivado pela atitude de torcedores do próprio Santos, mas pela dos fãs do Corinthians -que atiraram sinalizadores e moedas na direção do goleiro Fábio Costa.

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva prevê punição para o clube que deixar de tomar providências capazes de prevenir desordens em seu estádio.

Foi o terceiro revés relativo a mando de campo sofrido pelo Santos neste Brasileiro por causa de incidentes em seu campo. Graças a um copo d’água que atingiu o então técnico do Vitória, Hélio dos Anjos, em setembro, o vice-líder do Nacional perdera o direito de atuar em casa em dois jogos. Contra o Goiás, jogou em Presidente Prudente; diante do Fluminense, em São José do Rio Preto. Em setembro, pegou o Figueirense em Mogi Mirim, por causa de um rojão lançado na Vila em clássico contra o São Paulo.

Agora, o Santos terá que jogar longe de casa contra o Grêmio, no dia 5. Só poderá atuar na Vila em 19 de dezembro, contra o Vasco.

O time -que não joga em casa pelo Nacional desde 16 de outubro- também foi punido ontem com uma multa de R$ 50 mil.

O Santos pode recorrer da decisão, mas o encaminhamento depende de uma reunião do presidente Marcelo Teixeira com o departamento jurídico, amanhã.

A decisão não foi por unanimidade. Um auditor chegou a votar pela absolvição do clube depois que soube que os objetos haviam sido atirados por corintianos.

A decisão esquentou ainda mais a “guerra de estádios” que assola o Brasileiro-04. Só no mês passado, Atlético-MG, Atlético-PR, Grêmio e Juventude, além do próprio Santos, foram punidos pelo STJD por incidentes em estádios e obrigados a jogar fora de casa.

No episódio mais polêmico, o Botafogo foi punido pela Comissão Disciplinar com a perda de um mando, mas o presidente do STJD, o botafoguense Luiz Zveiter, cassou depois a suspensão.

Ontem o STJD puniu também o Figueirense com perda de um mando e multa de R$ 50 mil -um copo foi atirado no gramado do Orlando Scarpelli em jogo contra o São Paulo.