Santos 1 x 2 Atlético-MG

Data: 06/06/2019, quinta-feira, 20h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 16.857 torcedores
Renda: R$ 828.709,00
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Michael Correia (ambos do RJ).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ).
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo, Jean Lucas e Soteldo (S); José Welison, Adilson e Fábio Santos (A).
Gols: Gustavo Henrique (05-1) e Chará (36-1); Chará (39-2).

SANTOS
Everson, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Jean Mota), Gustavo Henrique e Jorge; Jean Lucas; Victor Ferraz, Carlos Sánchez (Soteldo), Diego Pituca e Marinho; Uribe (Eduardo Sasha).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-MG
Victor, Patric, Rever, Igor Rabello, Fábio Santos; José Welison (Adilson), Elias, Cazares e Luan (Geuvânio); Chará e Ricardo Oliveira (Alerrando).
Técnico: Rodrigo Santana



Atlético-MG vira, avança na Copa do Brasil e Santos é eliminado pela 3ª vez no Pacaembu em 2019

O Atlético-MG venceu de virada o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, e avançou para as quartas de final da Copa do Brasil. Os gols foram marcados por Chará, duas vezes. O do Peixe foi de Gustavo Henrique.

Essa foi a terceira eliminação do Santos no Pacaembu em 2019. Antes, o Peixe caiu para River Plate na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

As equipes voltam a se enfrentar no domingo, dessa vez pelo Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, às 19h (de Brasília). O jogo é válido pela oitava rodada.

O jogo

O começo de jogo do Santos foi eletrizante. Com Marinho “on fire”, o Peixe pressionou o Atlético-MG e abriu o placar logo aos cinco minutos. Marinho cobrou escanteio com perfeição, na cabeça de Gustavo Henrique. O goleiro Vitor nem saiu do lugar.

O Alvinegro seguiu em cima e teve chance de ampliar com Diego Pituca, Jorge, Marinho e Sánchez, mas não o fez. E o Galo equilibrou o jogo.

Com Cazares cheio de espaço, o Atlético ensaiava o gol. Os lançamentos paravam em cortes providenciais da defesa santista. Até que Gustavo Henrique cochilou, Chará escapou e aproveitou saída equivocada de Everson para marcar.

Cada time ficou com uma “metade” da etapa inicial. O Atlético-MG foi para o vestiário com o empate e mais perto da virada do que do desempate do Santos.

Aos dois minutos, o árbitro fez a torcida comemorar ao expulsar José Welison por deixar o braço em Marinho. A decisão, porém, foi alterada depois da consulta no VAR e a cor do cartão mudou para amarelo.

A alteração de Jorge Sampaoli, tirar Aguilar para colocar Jean Mota, tornou o jogo ainda mais aberto. Aos 15, Cazares recebeu na área e buscou o ângulo – a bola passou com perigo. No minuto seguinte, Marinho e Jean Lucas levaram perigo em chutes da intermediária.

Quando o placar marcava 20 minutos jogados, Ricardo Oliveira recebeu um bolão de Cazares e bateu forte, mas no meio do gol, e Everson espalmou com segurança. E aos 25, mais uma chance atleticana: Luan bateu da entrada da área, Everson rebateu para frente e Chará se atrapalhou no rebote, quase na pequena área.

Aos 37, começou um momento decisivo do jogo. Lucas Veríssimo cabeceou muito perto do gol depois de cruzamento de Soteldo. Na sequência, Marinho recebeu na entrada da área, não viu Victor Ferraz sozinho e chutou no meio. E veio o castigo.

Jean Mota tentou chute improvável da intermediária, a bola bateu na defesa e o Galo puxou o contra-ataque. De Geuvânio, para Cazares, para Chará. De novo. Linha de passe na exposta defesa do Peixe no Pacaembu.

Todo aberto, o Santos buscou a reação, mas foi o Atlético-MG quem quase fez o terceiro, com Geuvânio. Everson salvou. No fim das contas, Galo nas quartas de final e a terceira eliminação do Peixe no Pacaembu em 2019.

Sampaoli evita desculpas, mas contesta diretoria do Santos por preço alto e decisão no Pacaembu

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, evitou dar desculpas para a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil diante do Atlético-MG, mas não poupou críticas à diretoria.

O Peixe não conseguiu transferir o mando de campo para a Vila Belmiro e colocou preço alto no Pacaembu, com arquibancadas a R$ 90. O resultado foi público total de 16.857.

“Jogamos domingo passado contra 60 mil pessoas do Ceará. Hoje estádio não estava de acordo para uma decisão. Dirigentes colocaram esse preço, a gente não é ouvido. Minha predileção pela Vila eu sempre disse, mas não creio que seja uma forma de esconder análise desportiva ou eliminação, mas sim tentar analisar o motivo do público do Santos não ir aos estádios”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sobre o jogo, o treinador santista viu injustiça em mais uma eliminação. Antes, o Peixe caiu para River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Santos foi quem propôs mais, principalmente no segundo tempo. Tivemos muitos ataques, chutes e possibilidades não concretizados. Perdemos injustamente no contra-ataque, futebol é assim. A chave é o nervosismo para definir. Tiveram dois contra-ataques no segundo tempo depois de falhas na direito e depois na esquerda. Temos que ter tranquilidade quando gol vem, sem perder a forma. E isso ocorreu em outros jogos. A vontade tem que ser com fúria, mas com organização”, analisou.

Questionado sobre a ausência de Rodrygo, Sampaoli contemporizou. A CBF não desconvocou o atacante da seleção olímpica e o impediu de atuar.

“A federação tomou medida que correspondia. Se não pode jogar, não pode jogar. Não entendo, não posso criticar uma decisão pré-estabelecida”, concluiu.

Victor Ferraz vê falta de “capricho” e “competência” do Santos em eliminação

Capitão do Santos, Victor Ferraz viu falta de “capricho” e “competência” na derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG nesta quinta-feira, no Pacaembu, com a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Essa foi a terceira queda do Peixe no Pacaembu em 2019. Antes, o Alvinegro foi derrotado para o River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Acho que a gente voltou melhor (para o segundo tempo), conseguimos pressionar. A gente sabia que eles iam jogar buscando o contra-ataque. Acho que faltou capricho na frente, faltou acertar na tomada de decisão”, disse Victor Ferraz, ao Premiere.

“Não fomos competentes, deixamos a desejar e deixamos escapar uma classificação importante. É levantar a cabeça, domingo tem de novo”, completou o lateral-direito.

Presidente do Santos dispara contra CBF: “Conseguiu o que queria, fomos desclassificados”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, disparou contra a CBF na noite desta quinta-feira, depois da eliminação para o Atlético-MG nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Peres disse que a confederação conseguiu o que queria por dois motivos: não permitir a decisão na Vila Belmiro e não desconvocar Rodrygo da seleção olímpica para o Torneio de Toulon, já em andamento na França.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, disse Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito, qual é a razão de não desconvocar?”, completou.

O presidente do Santos ainda disse que pode indenizar a CBF. Com a eliminação, o Peixe deixou de receber R$ 3,1 milhões.

“Se não tiver explicação plausível, é indenizar. Nos tiraram a classificação, que nos daria uma boa fatia (de dinheiro)”, concluiu.

Peres minimiza preço do ingresso em eliminação do Santos: “Não justifica 16 mil”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, minimizou o preço dos ingressos para a partida que culminou na eliminação do Santos na Copa do Brasil, com a derrota de 2 a 1 para o Atlético-MG no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

A entrada mais barata custava R$ 40 (inteira), no tobogã. As arquibancadas custaram R$ 90. O resultado foi o público total de 16.857 no Pacaembu, com renda de R$ 828.709,00.

“Um grande time vence em qualquer lugar, na Vila Belmiro ou no Maracanã. Grande público não compareceu hoje. Existe uma crise, mas não justifica 16 mil”, disse o presidente.

“Quem paga salário? Temos que ter time forte. Sabia que teríamos dificuldades, adaptação, sistema diferente. Essa reclamação não cabe (do valor)”, completou.

O Santos, com Campeonato Brasileiro como competição restante em 2019, voltará a enfrentar o Atlético-MG, domingo, na Vila Belmiro, pela oitava rodada. Dessa vez a arquibancada (portões 1/2, 7/8 e 26) custa R$ 60. A geral santista está por R$ 40.

De “corretíssima” à “culpada” por eliminação: Santos racha com a CBF após elogios

O presidente do Santos, José Carlos Peres, mudou completamente o discurso sobre a CBF entre o dia 27 de maio, em reunião do Conselho Deliberativo e 6 de junho, com a eliminação na Copa do Brasil para o Atlético-MG.

Em meio ao aparente ruído entre o Peixe e a confederação, Peres fez elogios e minimizou a briga pela desconvocação de Rodrygo da seleção olímpica. Dias depois, foi para cima e rachou a com a confederação.

“Sub-23 não é Data FIFA. Não é oficial. Não quero puxar saco da CBF, mas tem sido corretíssima comigo. Não dá para comparar Rodrygo com outros liberados. Se é convocado para a seleção principal, ok, é diferente, mas eu perdi jogadores várias vezes por causa do Sul-Americano. Sou generoso. Pedi para liberar, não liberaram, mas era oficial. Agora o próprio jogador demonstrou que não quer ir. Iria para a principal, oficial, só isso. Não foi nenhuma afronta com a CBF. Eu trabalhei na gestão do Marco Polo (Del Nero) por seis anos na Federação Paulista. Quem almoçava comigo? (Rogério) Caboclo, então gerente financeiro, e o (Walter) Feldman. Presidente e secretário-geral. Estamos bem, mas cada um defende seu pedaço. Entendo, de coração, mas não posso ser prejudicado mais uma vez”, disse o presidente.

Após a eliminação, porém, o tom foi outro. Além de não poder escalar Rodrygo, Peres lembrou da confusão pelo mando de campo. A CBF chegou a anunciar a Vila Belmiro para as oitavas de final, mas voltou atrás e manteve o Pacaembu.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, afirmou Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito (no Torneio de Toulon), qual é a razão de não desconvocar?”, concluiu.

Por meio do SJTD, o Santos ainda tentará ter Rodrygo novamente contra o Atlético-MG e também diante do Corinthians, ambos os jogos na Vila Belmiro pelas rodadas 8 e 9 do Campeonato Brasileiro. Se não obtiver êxito, o camisa 11 pode ter se despedido diante do Internacional sem saber.