Santos 3 x 0 América-SP

Data: 08/02/1995, quarta-feira.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 1º turno – 2ª rodada
Local: Estádio Ulrico Mursa, em Santos, SP.
Público: 2.993 pagantes
Árbitro: José Aparecido de Oliveira
Cartões vermelhos: Pestana e Cléber (A).
Gols: Marcelo Passos (05-1); Jamelli (13-2) e Giovanni (40-2).

SANTOS
Edinho; Ronaldo (Silva), Marcelo Moura, Maurício Copertino e Marcos Paulo; Cerezo (Gallo), Carlinhos, Giovanni e Marcelo Passos; Macedo (Demétrios) e Jamelli.
Técnico: Joãozinho Rosa

AMÉRICA-SP
Neneca; Ednan, Renato Carioca, Davi e Robinson (Renato Cruz); Serginho Carioca, Pestana, Negão (Sandrinho) e Flávio (Roberto Alves); Cléber e Cacaio.
Técnico: Júlio César Leal



Santos chega à segunda vitória consecutiva ao golear América

O Santos venceu ontem o América por 3 a 0 no estádio Ulrico Mursa, da Portuguesa Santista.

Os gols foram marcados no segundo tempo. É a segunda vitória consecutiva do time, que só conseguiu jogar bem no segundo tempo.

Durante o primeiro tempo, o meio-campo do Santos —considerado pelo técnico Joãozinho como o ponto forte do time— não conseguiu armar nenhuma jogada ofensiva.

Na frente, Jamelli e Macedo receberam forte marcação. Macedo procurou jogar também pela esquerda, aproveitando que o número 11 do Santos, Marcelo Passos, atuou no meio-campo.

Sem criatividade e perdido na marcação do América, Giovanni foi o destaque negativo do time. Em razão disso, o Santos ficou sem força ofensiva, não levando perigo algum ao goleiro Neneca.

Aproveitando a falta de entrosamento do Santos, o América conseguiu duas boas chances de gol no primeiro tempo. Edinho garantiu o empate na primeira fase.

No segundo, Joãozinho substituiu o volante —meia com característica defensiva— Cerezo por Gallo e o lateral-direito Ronaldo por Silva.

Com as mudanças, a equipe santista dominou todo o segundo tempo. O primeiro gol foi marcado por Marcelo Passos, o seu terceiro no campeonato.

Em desvantagem, o América abriu o seu setor defensivo, permitindo que o ataque do Santos aproveitasse a velocidade de Jamelli e Macedo.

Em uma cobrança de falta, Jamelli marcou o seu primeiro gol no Santos.

No final do jogo, Giovanni —que perdeu um pênalti aos 8min do segundo tempo— desviou cruzamento rasteiro da esquerda e de calcanhar marcou o último gol do Santos.

Para o técnico Joãozinho, o resultado serviu para demonstrar que a defesa santista —sem tomar gols em dois jogos— é um setor “confiável”, enquanto o ataque, com mais entrosamento, tem “tudo para ser destaque no campeonato”.

Gramado apresenta bom estado

O gramado do estádio Ulrico Mursa, da Portuguesa Santista, acabou surpreendendo os jogadores. A chuva fraca que atingiu Santos ontem fez com que o campo não apresentasse grandes poças de água.

“O gramado melhorou muito e não comprometeu em nada o andamento do jogo”, afirmou o goleiro Edinho, do Santos.

Depois de sofrer três gols, o goleiro Neneca, do América, disse que o estado do gramado não foi o motivo pela derrota de seu time. Mesmo assim, as laterais e o meio campo, no segundo tempo, ficaram enlameados. Por causa disso, o jogo se concentrou pelo meio da grande área, tanto do Santos quanto do América.

“No segundo tempo, ficou difícil jogar tanto pela direita quanto pela esquerda do campo”, disse o atacante Macedo, do Santos.

Para o administrador do estádio da Portuguesa Santista, Pedro Anísio, o campo iria se transformar em um “completo lamaçal”, se a chuva tivesse sido forte.

“A sorte foi que choveu muito pouco hoje (ontem)”, disse.



Santos e América correm o risco de ter o seu confronto cancelado

Santos e América jogam hoje no gramado alagado do estádio Ulrico Mursa. Fortes chuvas atingem a região de Santos desde sexta-feira.

Apesar do estado do gramado, a Federação Paulista de Futebol confirmou, ontem à tarde, a partida.

O administrador do estádio (da Portuguesa Santista), Pedro Anísio, disse que o campo “está completamente alagado”. O jogo deveria ser realizado na Vila Belmiro, mas o gramado, em reforma, só ficará pronto dentro de 15 dias.

Segundo ele, às 16h de ontem o campo do Ulrico Mursa estava “com água pela canela”. Para Anísio, caso o gramado não fique 24 horas sem receber chuvas, não haverá condições de o jogo ser realizado.

Ontem, o administrador do Santos, Antônio Gaia de Oliveira, disse que a diretoria entraria em contato com a Federação Paulista para comunicar o problema.

O presidente do Santos, Samir Abdul Hak, afirmou que a realização da partida “deverá depender da vistoria do árbitro, momentos antes do jogo”.

Para o técnico santista Joãozinho, o estado do gramado do Ulrico Mursa “favorece o time do América, que jogará retrancado”. Em razão das chuvas, o time do Santos não treina coletivamente há dez dias.

“Isso é péssimo. Estamos no começo do campeonato e o time precisa ganhar entrosamento. Sem treinos, isso fica impossível”, afirmou.

Joãozinho confirmou que o time para enfrentar o América é o mesmo que deveria pegar o Corinthians, no último domingo —o clássico foi cancelado devido a problemas no gramado do Pacaembu.

A única alteração na equipe, em relação àquela que estreou vencendo o União São João, é a entrada de Moura no lugar de Narciso, que cumprirá suspensão.

O técnico terá no banco de reservas Gallo e Silva, que renovaram seus contratos. Joãozinho disse que eles não começam jogando “por estarem fora de forma”.

Este ano, o lateral Silva só participou de um treino coletivo. “Mesmo assim, acho que estou pronto para atuar”, afirmou.

O meia Marcelo Passos —artilheiro do time com dois gols— disse que gosta de jogar em gramados molhados. “Tenho um chute forte e, em campo molhado, a vida do goleiro fica difícil”, disse o jogador.