Santos 3 x 1 Araçatuba

Data: 02/04/1995, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.991 pagantes
Renda: R$ 47.688,00
Árbitro: Antonio de Pádua Sales
Cartão vermelho: Admílson (A).
Gols: Garrinchinha (09-2), Macedo (15-2), Camanducaia (19-2) e Giovanni (45-2).

SANTOS
Edinho; Ronaldo (Camanducaia), Marcelo Fernandes, Marcelo Moura (Cerezo) e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Giovanni e Marcelo Passos (Demétrios); Macedo e Jamelli.
Técnico: Joãozinho Rosa

ARAÇATUBA
Alexandre; Garrinchinha, Vladimir, Lúcio Surubim e Admílson; Paulo Afonso, Toninho, Adriano (Tuta) e Adil (Wallace); Helinho e Mazinho Loyola (Vaguinho).
Técnico: Osvaldo Alvarez



Santos começa perdendo, mas faz 3 a 1 no Araçatuba

O Santos venceu de virada ontem o Araçatuba por 3 a 1, na Vila Belmiro. Todos os gols foram feitos no segundo tempo.

No primeiro tempo, o Santos não soube superar o forte esquema defensivo armado pelo Araçatuba. Sem objetividade no ataque, o Santos quase foi surpreendido nos contra-ataques.

O goleiro santista Edinho foi obrigado a sair da área para cortar dois ataques do Araçatuba, em duas falhas de posicionamento da defesa.

Nos últimos dez minutos do primeiro tempo, o Araçatuba levou perigo ao gol santista, em toques curtos e rápidos. Helinho e Garrinchinha perderam boas oportunidades, sempre pela esquerda da defesa do Santos.

Quase no final do primeiro tempo, em cobrança de escanteio, Giovanni, de cabeça, desperdiçou a melhor chance de gol da equipe.

No começo do segundo tempo, o Santos voltou levando perigo ao gol do Araçatuba -novamente com Giovanni-, mas foi surpreendido pelo gol do adversário, marcado pelo lateral Garrinchinha.

Com a vantagem, o Araçatuba recuou. O Santos pressionou e marcou o gol de empate, com Macedo, numa falha da zaga e do goleiro Alexandre.

Aos 17min, o técnico Joãozinho, do Santos, tirou o fraco lateral-direito Ronaldo e colocou o atacante Camanducaia. Dois minutos depois, em jogada de Giovanni, Camanducaia marcou o segundo gol do Santos.

A vantagem no placar deu tranquilidade à equipe santista, que continuou a pressionar.

O ataque do Santos ainda perdeu diversas chances de marcar o terceiro gol, que saiu aos 44min, em jogada individual de Giovanni.

Vitória traz alívio a santistas

O clima era de alívio no vestiário do Santos. Após duas derrotas consecutivas fora de casa, o time conseguiu a recuperação jogando na Vila Belmiro.

“Foi um grande susto, um jogo muito difícil. Mas superamos os erros e vencemos com méritos”, avaliou o técnico Joãozinho.

O treinador do Araçatuba, Oswaldo Alvarez, o Vadão, concordou com a opinião de Joãozinho. “Erramos muitos contra-ataques e o time falhou na defesa. Mérito do Santos, que soube aproveitar nossas falhas”, disse.

Joãozinho criticou o “excesso de passes errados”. Para ele, a equipe esteve “intranquila”, principalmente na defesa.

“A defesa não atravessa um bom momento, mas eles têm a minha confiança”, disse.

Para o zagueiro Marcelo Fernandes, o fraco desempenho da defesa se deve ao desentrosamento dos jogadores do setor.

“Jogamos desfalcados de três titulares. É difícil manter uma regularidade com a defesa sendo modificada jogo após jogo”, disse o zagueiro.



Santos tenta convencer a torcida contra Araçatuba ( Em 02/04/1995 )

Técnico Joãozinho pede que o time sufoque o adversário desde o início

Após duas derrotas consecutivas, o Santos volta a jogar na Vila Belmiro, enfrentando o Araçatuba, às 16h, com a obrigação de vencer e convencer a torcida.

O técnico da equipe, Joãozinho, afirmou que o time “irá jogar no ataque”. Com o retorno do artilheiro Giovanni, o Santos volta a ter hoje todo o seu ataque titular.

Jogadores e o técnico reconhecem que o time não vem se apresentando bem nos jogos em casa. Preocupado com a queda de rendimento dos atletas, o treinador retomou o discurso do início da competição.

“O Santos ainda é um time em formação. Nós precisamos de calma. Estamos apenas no começo do trabalho”, afirmou.

O time volta a ter muitos desfalques na defesa. Dos titulares, apenas o lateral-esquerdo Marcos Paulo vai compor o setor.

Silva e Maurício Copertino, machucados, estão fora da partida. Narciso foi julgado segunda-feira e suspenso do jogo de hoje. No lugar de Silva na lateral, começa jogando Ronaldo. A zaga será formada por Marcelo Fernandes e Moura.

A ordem no Santos é “vencer ou vencer”, como falou o zagueiro Moura.

O atacante Marcelo Passos foi liberado da função de auxiliar o setor de marcação no meio-campo. Ele, Jamelli e Macedo devem exercer forte marcação na saída de bola da defesa do Araçatuba.

“A idéia é sufocar o adversário no seu campo defensivo. Se depender da gente, o time deles não passará do meio-campo”, afirmou Macedo.

O Araçatuba, que ocupa a sétima posição, não empatou nenhum jogo no campeonato até aqui. A equipe venceu seis partidas e perdeu outras seis.

O técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, pretende aproveitar a possível pressão da torcida do Santos contra a equipe local para enervá-la e vencer o jogo.

Passos justifica individualismo

O atacante Marcelo Passos acha que o Santos precisa jogar “mais unido.” Para hoje, ele pede calma aos torcedores santistas. “Muitas vezes, a pressão da torcida acaba ajudando o adversário”, afirmou.

Repórter – Por que você caiu de produção nos últimos jogos?
Marcelo Passos – Todo o time se desestabilizou. O Santos precisa voltar a jogar como no início, quando atuava mais unido.

Repórter – Está havendo excesso de individualismo?
Marcelo Passos – Está, mas é natural. O time é formado por jovens que querem aparecer.

Repórter – A equipe fica nervosa quando atua em casa?
Marcelo Passos – Existe uma pressão muito forte na Vila. A gente entra em campo com a responsabilidade de vencer, marcar um gol logo no começo e dar espetáculo. A torcida nos ajudaria muito se tivesse calma, mesmo nas jogadas erradas.