Portuguesa 1 x 2 Santos

Data: 22/04/1995, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo, SP.
Público: 12.721 pagantes
Renda: R$ 127.069,00
Árbitro: Oscar Roberto de Godói
Pedido de tempo: Santos (2º tempo)
Cartões amarelos: Ildo, Jorginho, Capitão e Edinho (P); Gallo (S).
Cartão vermelho: Jorginho (P)
Gols: Betinho (11-1), Marcelo Passos (32-1, de pênalti) e Marcos Paulo (41-1).

PORTUGUESA
Paulo César; Edinho, Jorginho, Ildo e Zé Roberto; Norberto, (Jorge Andrade), Capitão, Betinho e Zinho (Roque); Flávio e Paulinho McLaren.
Técnico: Candinho

SANTOS
Edinho; Silva, Cerezo, Narciso, (Marcelo Moura) e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Giovanni e Marcelo Passos (Ranielli); Macedo (Camanducaia) e Jamelli.
Técnico: Joãozinho Rosa



Santos permanece invicto em clássicos no Paulista

A vitória de 2 a 1 sobre a Portuguesa, sábado, no Canindé, manteve a invencibilidade do Santos em clássicos disputados no Campeonato Paulista deste ano.

No primeiro turno, o time da Vila Belmiro empatou com Palmeiras (2 a 2), Portuguesa (1 a 1), Corinthians (0 a 0) e São Paulo (1 a 1). No próximo domingo, a equipe recebe o Corinthians na Vila.

O técnico Joãozinho afirmou após o jogo que o Santos fez “a sua melhor apresentação no campeonato”. “Foi um grande jogo e vencemos uma das equipes mais bem estruturadas do Paulista”, disse Joãozinho. Ele reservou elogios especiais ao meia Giovanni, considerado o destaque da partida.

“O Giovanni foi brilhante. Nos últimos jogos, ele não vinha aparecendo muito para a torcida, apesar de estar realizando uma função tática muito importante.”

Para o atacante Jamelli, o Santos ainda apresenta falhas que precisam ser corrigidas nos próximos jogos. “Continuamos perdendo cerca de cinco ou seis chances de gol por jogo. Felizmente, contra a Portuguesa, fizemos dois e conseguimos a vitória.”

No jogo de sábado, o Santos chutou três vezes a bola na trave no segundo tempo e poderia ter ampliado o placar.

O time volta a jogar na quinta-feira, contra o Guarani, na Vila Belmiro. Os zagueiros Narciso e Maurício Copertino, ambos contundidos, são as dúvidas do técnico Joãozinho.

Giovanni cria jogadas de gol

O meia Giovanni justificou a sua convocação para a seleção brasileira com uma grande exibição no jogo de sábado, contra a Portuguesa.
O jogador foi o responsável pelos dois gols do Santos -sofreu o pênalti que originou o primeiro e fez a jogada do segundo.

Repórter – O técnico Joãozinho disse que você fez a sua melhor partida no campeonato. Concorda?
Giovanni – Sim. Estamos no caminho certo. O segredo é a união do grupo, que cresce a cada dia.

Repórter – Mas você discutiu asperamente com um colega (Marcelo Fernandes) durante um jogo…
Giovanni – Isso acontece no calor de uma partida. Mas não restou qualquer ressentimento e o Marcelo continua sendo meu amigo.

Repórter – Qual foi a sua principal virtude na partida diante da Portuguesa?
Giovanni – Explorei o meu forte, que é partir de trás, com a bola dominada. Os dribles, eu herdei dos tempos de futebol de salão.

Candinho descarta abatimento

A derrota para o Santos, sábado, acabou com uma invencibilidade de 38 partidas da Portuguesa no Canindé. O time não perdia em seu estádio desde setembro de 1993.

Apesar disso, o técnico Candinho disse que o resultado não irá prejudicar a campanha do time, nem o desempenho dos jogadores.

“Desde o primeiro turno eu vinha preparando o espírito dos jogadores para quando esse momento chegasse. Nenhum time consegue permanecer tanto tempo invicto”, disse Candinho.

O zagueiro Jorginho concordou: “Agora que perdermos no Canindé, vamos poder jogar com mais tranquilidade.”

Candinho disse “ter certeza” que a Portuguesa estará entre os sete times classificados para a fase final do campeonato. “Para isso, precisamos somar mais uns 15 pontos.”

O treinador disse que o Santos mereceu a vitória anteontem, mas lamentou as ausências do zagueiro Gilmar e do meia Caio, ambos suspensos.

“Eles são os meus ‘engenheiros’, comandam a equipe e fizeram falta”, afirmou.

‘Ele desequilibra’, afirma Capitão

Os jogadores da Portuguesa reconheceram após a partida de anteontem que o meia Giovanni foi o grande responsável pela vitória do Santos.

“Demos espaço e ele mais uma vez desequilibrou”, afirmou o volante Capitão.

Segundo o goleiro Paulo César, “faltou atenção” ao time para as jogadas individuais de Giovanni quando a Portuguesa ainda ganhava a partida por 1 a 0.

“Tínhamos que apertar um pouco mais na marcação e esperar o momento certo para dar os contra-ataques.”

O treinador Candinho endossou os elogios ao camisa 10 do Santos. “O Giovanni é um grande jogador, que pode se tornar um craque se mantiver esse desempenho”, disse.

A Portuguesa volta a jogar pelo Paulista na quarta-feira, contra o Rio Branco, em Americana. O desfalque será o zagueiro Jorginho, expulso na partida contra o Santos. Ele será substituído por Ildo.

O meia Caio e o zagueiro Gilmar, que já cumpriram suspensão automática, estão confirmados no time. Zé Roberto e Carlos Roberto disputam a lateral-esquerda. O meia Betinho pode assumir a vaga de Zinho na equipe titular.



Canindé tem clássico dos ‘invictos’ ( Em 22/04/1995 )

As equipes de Portuguesa e Santos possuem objetivos diferentes na partida de hoje, às 16h, no estádio do Canindé. Além da vitória, os times querem manter dois tipos de invencibilidade no Campeonato Paulista.

A Portuguesa não perde em seu estádio (Canindé) desde 15 de setembro de 1993, quando foi derrotada pelo América mineiro, por 2 a 1, no Campeonato Brasileiro.

No total, contando os jogos dos Campeonatos Paulistas de 94/95 e Campeonatos Brasileiros de 93/94, são 38 partidas invictas.

Já o Santos ainda não foi derrotado nas partidas envolvendo os grandes times do campeonato (Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Portuguesa e Santos). Até agora, o time de Joãozinho empatou os quatro clássicos.

No 1º turno do Paulista ficou no 1 a 1 com o São Paulo e com a própria Portuguesa, atuando no estádio da Vila Belmiro, em Santos. Diante do Corinthians novo empate, sem gols, no Pacaembu. Contra o Palmeiras, no Parque Antarctica, foi 2 a 2.

“As invencibilidades não são eternas. Mas espero que não percamos hoje”, disse o técnico Candinho, da Portuguesa. O seu companheiro Joãozinho não concorda.

“Jogamos bem em todos os clássicos. Está faltando só um pouco mais de sorte”, afirmou o treinador santista.

Além das “invencibilidades”, os times possuem quatro jogadores com dois cartões amarelos. O jogador que recebe três cartões amarelos fica impedido de disputar a partida seguinte.

Pelo Santos estão “pendurados” o goleiro Edinho, o lateral Silva, o zagueiro Marcos Paulo e o atacante Macedo.

Na Portuguesa, o goleiro Paulo César, o zagueiro Jorginho, o lateral Carlos Roberto e o atacante Paulinho estão ameaçados.

Joãozinho quer Santos ofensivo

O técnico Joãozinho, 39, faz segredo sobre o esquema tático que o Santos adotará para tentar vencer a Portuguesa, hoje, às 16h, no estádio do Canindé, em São Paulo.

O treinador diz somente que quer o time ofensivo e exige jogadas em velocidade dos jogadores de ataque, principalmente Giovanni e Macedo.

“A estratégia que vou utilizar dependerá de como a Portuguesa vai atuar”, disse.

O time foi praticamente confirmado por Joãozinho. Ele só tem dúvidas na zaga, já que não pode contar com Marcelo Fernandes (suspenso por cartões amarelos) e Marcelo Copertino (machucado).

Marcelo Moura é o mais cotado para atuar na zaga, ao lado de Narciso. Mas o treinador tem outras três opções: Cerezo, Rogério e o aspirante Jean, de 17 anos.

A preparação para o jogo de hoje não incluiu treinamento coletivo, que estava marcado para ontem. O coletivo foi cancelado devido às chuvas e o grupo de jogadores fez apenas um bate-bola na quadra do ginásio da Vila Belmiro.

O Santos vem de três empates consecutivos -contra São Paulo e Novorizontino em casa e diante do Bragantino, fora- pelo mesmo placar (1 a 1).

“A sequência de empates é perfeitamente normal. Nós estamos lutando pela classificação e não importa se estamos conseguindo apenas um ponto por jogo”, afirmou Joãozinho.

Segundo o técnico, a produção ofensiva da equipe é satisfatória. “Em 17 jogos, deixamos de marcar gols em apenas dois ou três.”

Para os jogadores, o time necessita de uma vitória para voltar a ter moral no campeonato. “Temos de ganhar da Portuguesa para manter nossa perspectiva de classificação”, afirmou o atacante Macedo.

Jamelli, o seu companheiro de ataque, também aposta na vitória. Segundo ele, um resultado positivo vai dar tranquilidade para a equipe obter a classificação.

“Deixamos de ganhar pontos importantes dentro de casa e fora dela”, disse Jamelli. “A situação do Santos não é difícil -ao contrário-, mas uma vitória será bem oportuna”, disse.

Segundo Jamelli, a equipe está conseguindo fazer o mais difícil, que é criar as jogadas. O problema, segundo ele, está nas finalizações. “É falta de sorte”, afirmou Jamelli.

No primeiro turno do Campeonato Paulista, Santos e Portuguesa empataram em 1 a 1, no estádio da Vila Belmiro, em Santos. Flávio, para a Portuguesa, e Ranielli marcaram os gols. Neste jogo, o juiz Márcio Resende de Freitas anulou um gol regular da equipe da Portuguesa.

Giovanni está ‘ansioso’

O meia Giovanni não quer ser apenas uma experiência no grupo convocado por Zagallo para o amistoso da seleção brasileira, dia 27, contra o Valencia, da Espanha.

“Vou fazer de tudo para jogar e não ficar somente no banco”, disse o jogador.

Repórter – É o jogo que antecede sua estréia na seleção. Está nervoso?
Giovanni – Não. Estou somente ansioso.

Repórter – Você acredita que poderá ficar com a vaga na seleção?
Giovanni – Lutarei muito para não ficar somente no banco de reservas.

Repórter – Por que o Santos tem marcado poucos gols?
Giovanni – Estamos errando passes e finalizações.

Repórter – Contra o Bragantino, na quarta-feira, você e o Marcelo Fernandes (zagueiro do Santos) teriam se agredido.
Giovanni – Errei uma jogada e ele me pediu explicações. Nós só discutimos.

Candinho usa psicologia para manter ritmo

O trauma por não conquistar um título há 22 anos (última conquista foi o Paulista de 1973) causa um trabalho extra para o técnico Candinho, da Portuguesa para o clássico de hoje contra o Santos.

“Tenho que mostrar aos jogadores que algumas derrotas seguidas não irão impedir nossa classificação”, afirmou o treinador.

Candinho disse que, após a derrota para o Palmeiras, por 3 a 0 na primeira partida do returno, surgiram alguns comentários “venenosos”no Canindé.

“Falsos torcedores e a própria imprensa queriam saber o que havia acontecido com a Portuguesa? Nada.”, afirmou Candinho. “Por isso entramos para enfrentar o Santos com a tranquilidade de quem foi a primeira colocada no turno inicial e que está em primeiro lugar no campeonato”, completou.

Segundo o treinador, o time precisa de 15 pontos -além dos 31 já conquistados- no returno do campeonato para assegurar uma vaga no octogonal final.

“O mais importante é que estamos mantendo uma regularidade durante o campeonato. Estamos conseguindo somar pontos em quase todas as partidas”, disse o atacante Paulinho.

A Portuguesa só perdeu dois jogos no Paulista. Para o Guarani, 1 a 2, e para o Palmeiras, 0 a 3.

No jogo de hoje, o técnico Candinho poderá contar com os retornos do goleiro Paulo César e do atacante Flávio, recuperados de contusão. Outro que volta é o lateral-direito Edinho, que cumpriu suspensão na partida diante do América, na quarta-feira.

O zagueiro Gilmar e o meia Caio, suspensos, estão fora. Ildo e Betinho são os substitutos.