Santos 1 x 1 São Paulo

Data: 16/11/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 33ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 14.062 pagantes
Renda: R$ 602.192,50
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP) e Alex Ang Ribeiro (SP).
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira de Amaral (SP)
Cartões amarelos: Felipe Jonatan (S); Pablo, Vitor Bueno e Bruno Alves (SP).
Gols: Carlos Sánchez (07-1) e Daniel Alves (08-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Jorge; Alison (Jean Mota), Evandro (Tailson) e Carlos Sánchez; Felipe Jonatan (Diego Pituca), Sasha e Marinho.
Técnico: Jorge Sampaoli

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Juanfran, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Jucilei (Liziero); Daniel Alves (Gabriel Sara), Igor Gomes, Tchê Tchê e Vitor Bueno; Pablo.
Técnico: Fernando Diniz



Com presença de Bolsonaro, Santos e São Paulo empatam na Vila Belmiro

Deu empate no clássico San-São deste sábado. Recebendo o São Paulo na Vila Belmiro com direito à presença do presidente Jair Bolsonaro, o Santos até dominou o primeiro tempo e abriu o placar, mas acabou sofrendo o empate na etapa complementar, quando o time de Fernando Diniz melhorou consideravelmente, e teve de se conformar com a igualdade em 1 a 1 no marcador, em partida válida pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol do Peixe foi marcado por Carlos Sánchez, de pênalti. Daniel Alves balançou as redes para o Tricolor.

Com o resultado, o Santos perdeu a oportunidade de assumir a vice-liderança provisória da competição, já que, se ganhasse, empataria com o Palmeiras em número de pontos, mas teria uma vitória a mais – o Verdão entra em campo neste domingo, contra o Bahia, na Fonte Nova. Já o São Paulo desperdiçou a chance de encostar no Grêmio na briga por uma vaga no G4.

O jogo

O São Paulo mal teve tempo para se aclimatar ao jogo e já sofreu um duro golpe. Logo aos seis minutos, Jucilei errou um passe no meio-campo e deu o contra-ataque de presente para o Santos. Evandro recebeu em profundidade, chegou antes de Arboleda e acabou sendo derrubado pelo zagueiro dentro da área. O juiz não teve dúvidas e prontamente marcou pênalti. Carlos Sánchez foi para a cobrança e não desperdiçou, abrindo o placar na Vila Belmiro.

Em dia nada inspirado, o São Paulo só foi responder aos 18 minutos, e não necessariamente com uma jogada de perigo. Daniel Alves recebeu por elevação e, ao tentar se livrar de Gustavo Henrique, foi tocado pelo zagueiro dentro da área, indo ao chão. Mas, desta vez, o árbitro não apontou para a marca da cal, mandando o jogo prosseguir.

Sem demonstrar qualquer tipo de agressividade dentro de campo, o São Paulo parecia cada vez mais entregar o jogo de bandeja para o rival. Aos 36 minutos, o Santos só não ampliou porque faltou sorte a Carlos Sánchez. Daniel Alves foi desarmado ao tentar chapelar um adversário no meio-campo, e Marinho foi acionado em velocidade. Ligado no lance, Tiago Volpi saiu do gol para afastar o perigo, mas acabou entregando a bola nos pés de Sánchez, que tentou encobri-lo, mas mandou para fora.

Antes de as equipes irem para o intervalo, o Peixe ainda teve outra ótima oportunidade para ficar ainda mais confortável na partida, mas novamente desperdiçou. Aos 42, Sasha recebeu pela direita e cruzou rasteiro, para trás, encontrando Evandro, que chegou batendo de primeira, mas mandou por cima do gol.

Com Liziero na vaga de Jucilei, o São Paulo voltou para o segundo tempo mais ligado, só que foi o Santos quem chegou com perigo pela primeira vez. Aos sete minutos, Sasha aproveitou bate-rebate dentro da área para ficar com a sobra do carrinho de Arboleda e bateu cruzado, forçando Tiago Volpi a fazer grande defesa.

Se o Santos não aproveitou a grande oportunidade logo no início da etapa complementar, melhor para o São Paulo. Aos nove minutos, Vitor Bueno fez boa jogada individual para cima de Sánchez e cruzou rasteiro, na medida para Daniel Alves, que teve toda a calma do mundo para, na cara do gol, dominar e bater forte, empatando o jogo na Vila Belmiro.

Após o empate, o São Paulo se empolgou e só não chegou à virada graças ao goleiro Everson. Aos 11 minutos, Pablo recebeu dentro da área, se livrou do primeiro marcador, driblou outro e bateu de canhota, rasteiro, mas fraco. Ainda assim, pela proximidade do arremate, o santista fez ótima defesa. Depois aos 17, o camisa 9 recebeu excelente cruzamento de Daniel Alves, mas não pegou em cheio na bola.

Antes do apito final, o Tricolor ainda teve mais duas chances de acabar com o jejum de mais de 1000 dias sem vencer um clássico fora de casa, mas faltou sorte. Primeiro, aos 36, Arboleda ficou com a sobra do cruzamento na área e bateu em cima de Victor Ferraz, à queima-roupa. Depois, aos 42, Igor Gomes cabeceou no cantinho, mas Everson se esticou todo para fazer a defesa. Desta maneira, coube às duas equipes se conformarem com o empate em 1 a 1 na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Ferraz vê San-São equilibrado e quer buscar campanha histórica do Santos

O San-São foi equilibrado e o placar final de 1 a 1 representou bem o que foi visto na Vila Belmiro neste sábado. Na saída de campo, o capitão do Santos, Victor Ferraz, analisou a partida e declarou que a equipe não vai desanimar após ter a sequência de quatro jogos com vitórias quebrada.

“A gente fez um primeiro tempo muito bom, mas no segundo eles fizeram mudanças táticas e encaixaram melhor. Sendo bem justo, foi um tempo para cada lado. Eles foram melhor no segundo tempo, mas é clássico, a gente jogou bem e teve chance de fazer mais gols”, disse Ferraz aos canais Premiere.

O Peixe vinha de quatro jogos seguidos com vitórias, mas ainda assim a equipe de Jorge Sampaoli continua com uma sequência de seis jogos sem derrota.

Ferraz ainda falou sobre a campanha do Santos e deixou claro que o objetivo é continuar pontuando para até quebrar recordes no clube.

“Estamos com seis jogos de invencibilidade, vínhamos de quatro vitórias consecutivas. A gente tem feito um grande campeonato. Infelizmente o Flamengo está fora da curva, mas a nossa pontuação é uma das maiores da história do clube. A gente tem condições de passar os maiores times que disputaram os pontos corridos aqui, como a geração de Neymar, de Robinho. Temos objetivo de pontuar o máximo possível e vamos continuar tentando”, declarou.

O empate garante o Santos ao menos na Pré-Libertadores de 2020. A equipe ocupa a terceira colocação com 65 pontos. Os comandados de Sampaoli voltam a campo no próximo sábado, às 21h, quando recebe o Cruzeiro na Vila Belmiro.

Santos garante vaga na Pré-Libertadores em 2020

O Santos garantiu a vaga na Pré-Libertadores em 2020 ao empatar com o São Paulo por 1 a 1 neste sábado, na Vila Belmiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com 67 pontos, o Peixe não pode mais sair do G-6. Se vencer o Cruzeiro no próximo sábado, de novo na Vila, o Alvinegro terá a vaga confirmada na frase de grupos da competição continental.

O Santos segue na terceira colocação do Brasileirão, agora a nove pontos do Grêmio, mas dois a menos que Palmeiras e a 13 do líder Flamengo.

O Peixe não disputou a Libertadores deste ano e foi eliminado da primeira fase da Sul-Americana pelo River Plate (URU).

Sampaoli confirma reunião com Autuori para definir futuro no Santos

A campanha “Fica, Sampaoli” ganha cada vez mais força entre os torcedores do Santos. No empate contra o São Paulo, neste sábado, foi possível ouvir os gritos na Vila Belmiro pedindo a permanência do treinador, quando ele entrou em campo.

Após a partida, Sampaoli confirmou que fará uma reunião na próxima semana com o superintendente Paulo Autuori para definir o seu futuro no clube.

“Sobre 2020 e planejamento, antes do clássico adiamos reunião com o Paulo Autuori. Para ele manifestar seu ponto de vista e eu o meu, analisando o ano para saber se há possibilidade de estarmos juntos no projeto do Santos 2020. Devemos ter a reunião na próxima semana. Ideia é se classificar para a Libertadores, objetivo importante para clube e cidade. Veremos se essa semana teremos reunião para ver algo.”, declarou.

Sampaoli ainda definiu o que espera para poder continuar no Peixe no ano que vem.

“Clube tem que definir a postura para meu segundo ano. Não posso estar pendente de um sonho sem outorgar o que a torcida quer. Se posso me erradicar onde gosto e tenho projeto bom, não há motivo para não ficar. Depende do planejamento e se coincide. Amanhã esse carinho se transformará em ódio se não ganharmos. Não quero que digam que sou mal, por isso temos que ganhar sempre, ou ao menos com jogadores baseados num estilo. Se não posso dar o que a torcida quer, não posso ficar”, disse o argentino.

A campanha com Sampaoli no Campeonato Brasileiro coloca o Santos na terceira colocação com 65 pontos até aqui. O Peixe volta a campo no próximo sábado, às 21h, quando recebe o Cruzeiro na Vila Belmiro.

Venda de cativas funciona, e Santos tem maior público e renda na Vila em 2019

O Santos teve o maior público e renda de 2019 na Vila Belmiro no empate em 1 a 1 com o São Paulo no último sábado, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe esgotou os ingressos na terça-feira e recebeu 14.062 torcedores no clássico, com arrecadação bruta de R$ 602.192,50.

“O que me deixou feliz foi o público de hoje… Mais de 14 mil. Melhor público do Santos na Vila nos últimos anos”, disse o presidente José Carlos Peres, à Gazeta Esportiva.

O Alvinegro comercializou cerca de 1000 cadeiras e potencializou o setor social do estádio. A medida de colocar no sistema de vendas as cativas inadimplentes surtiu efeito.

Sampaoli comenta visita de Bolsonaro à Vila e defende democracia

A presença de Jair Bolsonaro na Vila Belmiro, para assistir ao clássico entre Santos e São Paulo, causou polêmica. Entre notas de repúdio das torcidas organizadas e pedido de respeito do presidente José Carlos Peres, o técnico Jorge Sampaoli também comentou sobre o tema.

Auto-declarado como de “centro-esquerda” no espectro político, Sampaoli falou que não poderia proibir a presença de Bolsonaro no estádio. O treinador colocou as diferenças políticas de lado e entendeu o direito do Presidente comparecer ao jogo.

“É democracia. Temos que defender liberdade e democracia. Sou treinador. Não sei em que cabeça cabe que posso proibir a presença do Bolsonaro, vindo de outro país é até uma falta de respeito”, iniciou o treinador.

Sampaoli voltou a falar sobre defender a democracia. O argentino foi ativista político na sua juventude, nos tempos de ditadura militar no país vizinho, e relembrou a época, fazendo um paralelo com a situação política na Bolívia.

“Mais do que pensamentos políticos, temos que defender a democracia. Vivi ditadura no país e nunca deixarei de defender a democracia. Olhem a Bolívia. O que eu mais desejo é não voltar a um lugar de execução como vivi na minha infância”, finalizou.

Bolsonaro chegou à Vila Belmiro minutos antes da bola rolar. O Presidente visitou o Memorial das Conquistas do clube, passou pelas cativas, onde tirou fotos com alguns torcedores, e assistiu a partida no camarote da presidência, com a camisa do Santos.

“Minha vontade era ter dado um soco na cara dele”, diz Sasha após confusão com Jorge ( Em 18/11/2019 )

Eduardo Sasha foi sincero em coletiva realizada nesta segunda-feira. Quando questionado sobre o desentendimento com Jorge no clássico com o São Paulo, o atacante do Santos revelou que passou por sua cabeça dar um soco no companheiro e ainda disse que perdeu o respeito pelo defensor.

No primeiro tempo, Jorge optou por finalizar uma jogada a gol em vez de tocar para Sasha, que reclamou da opção do defensor. O lateral foi em direção ao centroavante e colocou o dedo no rosto do companheiro durante a confusão.

“Admito que fiquei muito chateado pela situação que aconteceu, por eu ser um cara que respeito muito as pessoas, principalmente meus companheiros. Confesso que a minha vontade foi de, na hora, ter dado um soco na cara dele, mas o profissionalismo falou mais alto, porque eu sabia que se eu reagisse da forma que eu quisesse, ou de cabeça quente, eu ia acabar prejudicando demais a equipe. Depois do jogo ele me pediu desculpas, para os companheiros, mas o carinho e o respeito que eu tinha por ele acabou naquele momento”, disse Sasha.

“No meu ponto de vista, eu poderia estar errado na hora do jogo. Eu estava sozinho e ele poderia ter efetuado o passe para eu ter a oportunidade de finalizar. Não foi o que aconteceu, reclamei, normal do jogo, mas ele se excedeu”, completou.

Sasha ainda refletiu sobre a postura de não prolongar a discussão, uma vez que o atacante saiu de perto do lateral. “Se eu tivesse tido a mesma atitude de reagir no calor do jogo, todo o grupo seria prejudicado. O juiz acabaria expulsando os dois. Eu tive calma. Com o tempo eu aprendi que a gente deve bem pensar antes de falar alguma coisa. Pensando bem, foi a melhor coisa que eu fiz”, analisou.

Por fim, o atacante afirmou que o desentendimento não prejudicará a equipes no decorrer da temporada, revelou que Jorge pediu desculpas pela atitude e declarou Sampaoli não interviu na situação mesmo depois da partida.

“Não (vai afetar a equipe), até porque, se eu consegui me controlar naquele momento que estava de cabeça quente e não atrapalhou muito, daqui para frente não acontecerá mais nenhum incômodo dessa postura que aconteceu no jogo”, ponderou.

“Muita gente acabou nem vendo. Apenas algumas pessoas, não sei se na hora do intervalo ele (Sampaoli) estava ciente da situação. Ele (Jorge) me pediu desculpa particularmente, depois na frente do grupo. Como sou uma pessoa tranquila e tenho respeito, aceitei a desculpa. Já passou, mas o respeito que eu tinha por ele acabou naqueles segundos que ele tomou a atitude”, finalizou.