Athletico-PR 1 x 0 Santos

Data: 04/12/2019, quarta-feira, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada (penúltima)
Local: Arena da Baixada, em Curitiba, PR.
Público: 29.746 pagantes (31.988 total)
Renda: R$ 931.620,00
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: Leirson Peng Martins e Michael Stanislau (ambos do RS).
VAR: Daniel Nobre Bins (RS)
Cartões amarelos: Léo Pereira e Márcio Azevedo (A); Luan Peres, Diego Pituca, Gustavo Henrique, Marinho e Jorge Sampaoli (S).
Cartão vermelho: Luan Peres (S).
Gols: Marco Ruben (02-2).

ATHLETICO-PR
Santos; Jonathan (Madson), Thiago Heleno, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Camacho, Wellington e Lucho González (Adriano); Marcelo Cirino (Bruno Guimarães), Rony e Marco Ruben.
Técnico: Eduardo Barros

SANTOS
Everson; Pará, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Luan Peres; Alison (Felipe Jonatan), Evandro (Eduardo Sasha) e Diego Pituca; Marinho, Soteldo e Jean Mota (Carlos Sánchez).
Técnico: Jorge Sampaoli



Athletico-PR melhora no segundo tempo e vence o Santos na arena

O Athletico-PR venceu o Santos por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, na Arena da Baixada, pela 37ª e penúltima rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Marco Ruben.

O Peixe fez primeiro tempo melhor, mas viu o Furacão voltar diferente do intervalo. Ruben abriu o placar aos dois minutos da etapa final. A situação piorou para o Alvinegro com a expulsão de Luan Peres, aos 23. A saída de Evandro ainda no primeiro tempo por problema muscular prejudicou o desempenho santista.

Bruno Guimarães, Marco Ruben e Marcelo Cirino se despediram da torcida. Bruno vai para o Atlético de Madrid (ESP), enquanto os atacantes não renovarão o contrato.

O Athletico, classificado antecipadamente para a Libertadores da América por causa do título da Copa do Brasil, sobe para a quarta colocação, com 63 pontos. O Santos, com 71, segue na vice-liderança.

O jogo

Athletico-PR e Santos fizeram jogo de muita marcação e poucas chances criadas. O Peixe começou e terminou melhor a etapa final, mas pecou no último passe. Enquanto isso, Everson não foi exigido.

A melhor oportunidade do Alvinegro ocorreu com Eduardo Sasha, em finalização cruzada sem força depois de passe de Soteldo. Jean Mota e Diego Pituca também assustaram de fora da área.

O Athletico só ofereceu algum perigo quando pressionou Everson e os defensores santistas. O time de Jorge Sampaoli insistiu em não dar chutão e obteve êxito na maior parte dos lances.

E depois de passar a etapa inicial inteira sem fazer Everson trabalhar, o Athletico foi letal na primeira chegada. Rony cruzou, Marco Ruben se antecipou a Aguilar e cabeceou bonito para abrir o placar aos dois minutos.

O Santos não demorou a responder. Soteldo cruzou bonito e Marinho acertou a rede, mas pelo lado de fora, no quinto minuto. Na sequência, porém, o Athletico se ajustou e o Peixe ficou travado no meio-campo. A saída de Evandro ainda no primeiro tempo se mostrou uma má opção de Sampaoli. A situação piorou ainda mais aos 23, quando Luan Peres recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

O Athletico-PR aproveitou a vantagem numérica, se defendeu bem e não foi ameaçado até o minuto final. 1 a 0 para os donos da casa.

Sampaoli vê derrota injusta do Santos para o Athletico: “Rival fez pouco”

O técnico Jorge Sampaoli classificou como “injusta” a derrota do Santos por 1 a 0 para o Athletico-PR na noite desta quarta-feira, na Arena da Baixada, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe fez bom primeiro tempo, não aproveitou as chances e piorou na etapa final. Marco Ruben marcou no segundo minuto e Luan Peres foi expulso aos 23.

“Jogo que em nenhum momento fomos superados, tivemos mais chances. Rival fez pouco. Ações de arbitragem nos prejudicaram em jogo equilibrado, não aproveitamos chances e domínio do primeiro tempo. Derrota dói, jogadores se esforçaram até com 10 em campo difícil. Não considero justo o resultado”, disse Sampaoli, antes de avaliar a temporada.

“Feliz pelo grupo, por transcender inquietudes diferentes do costume e por terem assimilado. Hoje viemos a ganhar, como em todos os jogos. Faltou pontaria, rival converteu a única chance. Hoje jogamos como o primeiro do torneio e isso me deixa feliz. Ano de aprendizado, de trabalhar cultura do jogo, que não estavam acostumados. Nos desenvolvemos, começamos em janeiro e terminamos em dezembro. Isso é quase impossível no Brasil, cheio de processos quebrados”, completou.

Sampaoli chama especulações de filme: “Não falarei com ninguém antes do presidente do Santos”

O técnico Jorge Sampaoli voltou a dar declarações fortes diante das especulações sobre o futuro de sua carreira após a derrota do Santos para o Athletico-PR na noite desta quarta-feira, na Arena da Baixada, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli afirmou que não conversou com nenhum clube e nem conversará antes do presidente do Peixe, José Carlos Peres. Há quem dê o treinador como fechado no Palmeiras.

“É um filme que não posso responder. Penso no jogo de domingo (contra o Flamengo). Tenho contrato e não falei com o clube sobre minha situação. Tudo que vocês contam são especulação sem procedimento. Não falei com ninguém e não falarei antes do presidente do Santos”, disse Sampaoli.

“Não tenho tempo para atender ninguém, tenho que atender o time. Jogamos em três dias com o campeão e temos que tentar ganhar na Vila. É o que mais me preocupa”, completou.

Jorge Sampaoli foi questionado sobre a possibilidade do torcedor santista sonhar com a sua permanência. E foi duro na resposta.

“Torcedores do Santos têm obrigação e direito de pedir o que querem. Mas precisam pedir que o Santos seja cuidado como merece. Ter equipe ano que vem para ser campeão. “Libertadores, Brasileirão, Paulista… Processo tem que ter base para o que venha. Que se aproveite o que foi feito neste ano”, concluiu.

Sampaoli tem contrato até 31 de dezembro de 2020, mas a multa rescisória de R$ 10,5 milhões só tem validade até o fim deste ano. O argentino está na mira do Palmeiras e do Racing.

Felipe Jonatan chama árbitro de ladrão e é expulso; Santos pode ter Jorge contra o Flamengo

Felipe Jonatan foi expulso após o apito final na derrota do Santos por 1 a 0 para o Athletico-PR nesta quarta-feira, na Arena da Baixada, pela 37ª e penúltima rodada do Campeonato Brasileiro.

De acordo com a súmula assinada pelo árbitro Anderson Daronco, Felipe o chamou de ladrão: “Parabéns, seus ladrões. Conseguiram o que queriam”.

Depois da partida, por meio de sua assessoria, o jogador negou que tenha ofendido o árbitro.

“Tenho mais de 60 partidas como profissional e até hoje só havia recebido um cartão amarelo na minha carreira. Ao término da partida, apenas aplaudi a arbitragem. Não falei em nenhum momento o que foi divulgado na súmula. Desafio a ter qualquer imagem que me mostre chamando alguém de ‘ladrão’. Isso não é da minha índole. É preciso ter responsabilidade, mais respeito e, principalmente, jamais faltar com a verdade”, declarou.

Sem Felipe e Luan Peres, também expulso em Curitiba, o técnico Jorge Sampaoli pode utilizar Jorge, fora da equipe desde a agressão contra Eduardo Sasha no clássico contra o São Paulo, em 16 de novembro. A alternativa é improvisar Diego Pituca. Evandro sentiu a coxa esquerda e é dúvida.

O Peixe enfrentará o campeão Flamengo no domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela despedida no Brasileirão. O Alvinegro precisa de vitória simples para garantir o segundo lugar independentemente dos resultados do Palmeiras.

Santos não cumpre promessa e joga uma vez em SP no Brasileirão; veja histórico

O Santos não cumpriu a promessa de dividir pela metade os jogos entre Baixada Santista e São Paulo. E a situação é ainda pior com base nos mandos do Campeonato Brasileiro.

O Peixe só atuou uma vez na capital durante o Brasileirão – vitória sobre o Vasco, no Pacaembu. Nenhuma no segundo turno, com todas as partidas na Vila Belmiro.

Em novembro, o presidente José Carlos Peres disse à Gazeta Esportiva que 2020 será diferente e haverá uma “regra” por jogos em São Paulo, independentemente da comissão técnica. Jorge Sampaoli pediu publicamente para atuar em Santos nesta temporada. Mesma solicitação havia sido feita por Cuca.

A média de público do Santos em 2019 é de 11.853 – 15.558 no Pacaembu (10 jogos) e 10 mil na Vila Belmiro (20 partidas). A arrecadação total é de R$ 13 milhões.

Veja abaixo o histórico de jogos do Santos em São Paulo no Campeonato Brasileiro com pontos corridos:

2003 = 0
2004 = 6
2005 = 4
2006 = 2
2007 = 0
2008 = 0
2009 = 2
2010 = 3
2011 = 4
2012 = 2
2013 = 4
2014 = 4
2015 = 0
2016 = 3
2017 = 6
2018 = 7
2019 = 1