Santos 1 x 1 Portuguesa

Data: 18/10/1998, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 19ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.013 pagantes
Renda: R$ 127.030,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS).
Cartões amarelos: Ânderson Lima, Sandro e Adiel (S); Fabrício (P).
Gols: Maezono (22-2) e Aílton (32-2).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Jean, Sandro e Athirson; Élder, Narciso, Eduardo Marques e Messias (Maezono); Alessandro (Adiel) e Viola.
Técnico: Emerson Leão

PORTUGUESA
Fabiano; Émerson, Fabrício, Émerson, César e Augusto; Simão, Carlinhos, Alexandre e Evandro; Leandro Amaral (Aílton) e Evair.
Técnico: Candinho



Santos empata e deixa escapar liderança

Com gol do japonês Maezono time fica no 1 a 1 com a Lusa; equipe do técnico Candinho cai para 4º lugar

O Santos deixou escapar uma vitória com gol do estreante japonês Maezono, vindo do Verdy, e acabou empatando ontem com a Lusa em 1 a 1, na Vila Belmiro.

Escapou também a liderança do Brasileiro-98, ultrapassando o Palmeiras. Já a Lusa, com o resultado e a vitória do Corinthians, caiu para a quarta colocação do torneio.

Por fim, o Santos deixou escapar a chance de ser o primeiro “grande” paulista a vencer os quatros clássicos estaduais em 28 anos do Campeonato Brasileiro.

O time local dominou todo o primeiro tempo, deixando para a Lusa apenas uma oportunidade de gol isolada aos 26min.

O campo molhado e a marcação forte no meio-campo feita pelo time do técnico Émerson Leão fizeram a Lusa se limitar a defender -teve até de mudar seu esquema tático com três defensores e recuar seu lateral-esquerdo Augusto.

A pressão do Santos começou no primeiro minuto, com uma finalização do meia Carlinhos para fora.

Seguiu, aos 3min, em uma cobrança de falta de Messias, e aos 5min, com jogada pessoal e chute a gol de Eduardo Marques que o goleiro Fabiano interceptou.

No minuto seguinte, o lateral Ânderson cruzou, Viola desviou de cabeça e Fabiano espalmou para fora. Aos 15min, quem cruzou foi o outro lateral do Santos, Athirson, para uma cabeçada para fora de Viola.

A pressão era tanta que, em um lance na área, o atacante Alessandro se contundiu e foi substituído por Adiel, aumentando a lista de machucados (Aristizábal, Jorginho, Claudiomiro e Argel). Outro jogador, o meia Lúcio, rompeu os ligamentos do tornozelo direito no empate (3 a 3) com o América e não joga mais nesta temporada.

Aos 25min, Athirson arriscou um chute de fora da área para nova defesa de Fabiano, principal figura da equipe do técnico Candinho.

A Lusa levou o único perigo ao gol de Zetti aos 26min, em jogada de Alexandre e Evair que o meia Carlinhos chutou no canto esquerdo para a defesa do goleiro.

A partir da metade da primeira etapa, o ritmo da partida diminuiu, mas com domínio santista.

Aos 35min, Viola caiu na área pedindo pênalti, e o juiz Carlos Eugênio Simon acabou por repreender o jogador.

Além das duas cobranças de falta do zagueiro Sandro, o Santos chegou com chances de gols aos 40min, com um chute do volante Narciso.

O segundo tempo começou com apenas uma modificação entre os jogadores. Candinho trocou a formação do ataque, com Aílton no lugar de Leandro -artilheiro da Lusa com 11 gols no campeonato.

O Santos, porém, novamente começou mais forte atrás do gol, com chances reais aos 2min, com Narciso, e, aos 4min, com Adiel.

A Lusa só levava algum perigo em cruzamentos e escanteios. Já o Santos tinha suas melhores chances em faltas, como com Ânderson, aos 15min.

Até que, aos 20min, o meia japonês Maezono entrou no lugar de Messias. Ainda com a torcida gritando “Uh, Japonês”, Adiel passou na entrada da área para Maezono, que dominou e chutou para o gol. A bola ainda tocou na zaga antes de entrar.

O atacante japonês, há quase dois meses no clube, teve confirmada sua inscrição para atuar no Brasileiro há poucos dias.

Empolgado, o Santos quase chega ao segundo gol aos 22min, com um chute para fora de Eduardo Marques.

A Lusa, porém, freou a animação santista com o gol de Aílton, aproveitando cruzamento de Augusto, aos 31min.

Ao final, a Lusa se lançou ao ataque, e Aílton teve oportunidade aos 41min e 44min. Assim terminou a partida que começou com um minuto de silêncio pela morte do pai do goleiro santista Zetti.

Gol ‘japonês’ causa delírio

“Uh japonês, uh japonês”, gritou a torcida santista na Vila Belmiro durante a fase final do jogo Santos e Portuguesa ontem.

O atacante japonês Maezono, 24, estreou na equipe de Leão com toda a sorte do mundo. Entrou aos 20min do 2º tempo e, um minuto depois, em sua primeira participação efetiva na partida, fez o seu primeiro gol no futebol brasileiro.

Ele mesmo iniciou a jogada. Tocou para Adiel, correu em direção à área e recebeu o passe. A bola bateu no zagueiro César e entrou. Festa para os santistas e também para dez japonesas que vieram ao estádio da Vila Belmiro para ver Maezono. As jovens estão fazendo um curso de comissária de bordo da Varig para trabalhar na linha Brasil-Japão. Elas são todas de Tóquio. Ao saberem que Maezono poderia estrear no Santos, resolveram acompanhar a estréia do ídolo.

Apesar do gol, Maezono não ficou satisfeito. “Não estou satisfeito porque não ganhamos o jogo. Preferia ter deixado o campo com a vitória”, disse o jogador, que não fala português.

“Não esperava marcar logo na estréia. Isso dá tranquilidade para a sequência do trabalho”, disse Maezono, ou “Maizena”, como foi chamado pela torcida.

Leão reclama de ‘boicote’ da arbitragem

O técnico do Santos, Emerson Leão, reclamou muito ontem após o jogo do que chamou de “boicote” à sua equipe. Ele se referia ao árbitro gaúcho Carlos Simon, que, segundo Leão, teria prejudicado o Santos.

“Nojo” foi um dos adjetivos utilizados pelo técnico santista para denunciar o que considera uma perseguição ao seu time.

Repórter – Como você analisa esse empate com a Lusa?
Emerson Leão – Merecíamos a vitória porque fomos prejudicados pela arbitragem. Estou ficando enojado com o que vem acontecendo com o Santos.

É a quarta ou a quinta vez que esse árbitro (Carlos Eugênio Simon) vem aqui e prejudica o Santos. Quando acabou o jogo disse para ele: “Você tem de ficar no Rio Grande do Sul, não precisamos de você aqui’. Será que o Santos é tão pequeno assim para merecer tanto boicote?

Repórter – Mais uma vez o seu time deixa o campo com um jogador titular machucado. Essa série de contusões tira o favoritismo do Santos ao título?
Leão – Problema de contusão é apenas um detalhe. O Santos vem jogando bem mesmo desfalcado. Não sei mais o que falar, armo a equipe e os jogadores se esforçam em campo, mas outras coisas prejudicam o Santos, e sempre a surpresa é negativa.

Repórter – Na quarta-feira o Santos decide o título da Conmebol com o Rosário Central na Argentina. Acredita que poderá contar com Alessandro?
Leão – Não sei. O jogador levou uma pancada muito forte na coxa. Ele está em observação, não sei se ele vai jogar.

Repórter – Como você avalia a estréia de Maezono?
Leão – O jogador já está treinando algum tempo com o grupo. Só não havia estreado por problemas na sua documentação. Assim que a sua situação ficou regularizada, ele estreou. É um jogador de predicados e que soube aproveitar a chance.

Equipe joga desfigurada na Argentina

Cheio de problemas, o Santos viaja amanhã para a Argentina, onde disputa a final da Copa Conmebol na quarta-feira.

Além dos suspensos Viola e Jean, o Santos não contará com uma lista de contundidos, que ganhou ontem mais um integrante, o atacante Alessandro.

O time espera até amanhã a confirmação da vinda do atacante Róbson Luis e do meia Marquinhos, do Bahia, para reforçar a “equipe enxuta”, como diz o treinador Leão. Mas esses jogadores estão integrados ao Bahia, que ainda espera a resolução da confusão que está a Série B do Brasileiro.

Na Argentina, os santistas ficarão hospedados em um hotel de Buenos Aires, só indo a Rosario no dia da partida. O Santos precisa só do empate para ganhar o título sul-americano.

Para Candinho, jogar fechado é segredo

A Lusa saiu da Vila Belmiro com um ponto ganho e seu técnico não esconde o segredo para ter suportado tanta pressão santista.

“Nossa tática hoje foi algo como dez defensores e um goleiro”, brincou Candinho. “Mas podíamos ter vencido”, completou.

Na verdade, ele escalou três zagueiros e recuou boa parte do meio-campo, deixando só Leandro no ataque. O resultado foi muito trabalho para o goleiro Fabiano, que foi o destaque da equipe paulistana.

Mas Fabiano só reclamou dos objetos lançados pela torcida do Santos em sua direção. “Isso de jogar relógio e linguiça na minha cabeça é demais”, disse o goleiro.

Já o autor do gol da Lusa, Aílton, creditou o lance decisivo ao lateral Augusto que cruzou a bola. “Treinamos muito essa jogada, e acabou saindo bem”, afirmou.

Rodada anormal embola o Brasileiro

Depois de cinco jogos sem vencer, o Corinthians bateu o Atlético-PR; Palmeiras é derrotado após seis vitórias

A “quebra da normalidade” na rodada do final de semana embolou a luta pelas primeiras colocações do Campeonato Brasileiro.

A vitória do Corinthians sobre o Atlético-PR, após cinco jogos sem vencer no Brasileiro, e a derrota do Palmeiras para o Botafogo, depois de vencer seis partidas consecutivas na competição, fizeram com que a diferença entre os times que ocupam as primeiras colocações na tabela diminuísse.

Para colaborar com a situação, Santos e Lusa ficaram no empate no clássico disputado na Vila Belmiro. Com isso, a equipe santista deixou escapar a chance de ser o primeiro “grande” paulista a vencer os quatros clássicos estaduais em 28 anos do Brasileiro.

O Palmeiras permanece líder da competição, com 38 pontos -aproveitamento de 70,37%.

O Santos continua na vice-liderança, com 37 pontos -diminuiu em um ponto a distância para o líder- com aproveitamento de 64,91% dos pontos disputados.

O Corinthians subiu para a terceira colocação, com 36 pontos (aproveitamento de 63,16%). A Lusa passou para o quarto lugar, com 35 pontos (aproveitamento de 61,40%).

Tranquilidade Além de se aproximar da liderança, a vitória sobre o Atlético-PR deve valer para os corintianos um período de tranquilidade. Na semana passada, os muros do estádio do Parque São Jorge amanheceram com pichações contra o técnico Wanderley Luxemburgo.

“Essa vitória nos aproximou do Palmeiras e do Santos. Vamos esperar um tropeço deles para tentarmos buscar de novo a primeira colocação. Estamos no calcanhar deles”, disse o técnico.

O bom clima parece ter deixado o Palmeiras. Após a derrota para o Botafogo, no sábado, o técnico Luiz Felipe Scolari fez várias críticas para os seus atletas.

“Do jeito que estávamos em campo nem mesmo Jesus Cristo salvaria o time. Não é assim que se joga futebol. É necessário ter aplicação. Vi muitas coisas que não gostei e não vou admitir que se repitam no Palmeiras”, afirmou o treinador palmeirense.

Na outra ponta da tabela, o América-RN piorou sua situação no Brasileiro e está virtualmente rebaixado para a segunda divisão. A equipe foi derrotada, em casa, pelo Atlético-MG por 3 a 1 e continua na última colocação da competição.

Artilharia O meia Marcelinho foi o grande destaque do Corinthians na vitória sobre o Atlético-PR. O jogador marcou dois gols e voltou a brigar pela artilharia do Campeonato Brasileiro. O corintiano agora tem 15 gols -o mesmo número de Valdir, do Atlético-MG. Viola continua o artilheiro da competição, com 16 anos.

A novidade nessa briga é o atacante Romário, do Flamengo. A equipe carioca superou o Vitória, na casa do adversário, por 4 a 1. Romário marcou três gols na partida.

Corinthians e Santos têm o melhor ataque do Brasileiro, com 39 gols marcados na competição -média -2,05.

O Palmeiras, cujo artilheiro é Oséas (com 12 gols), tem a melhor média -2,11 gols por partida. O time de Luiz Felipe Scolari tem uma partida a menos do que seus concorrentes pela liderança.



Santos busca hoje ‘Grand Slam’ inédito ( Em 18/10/1998 )

Time pode ser o primeiro entre grandes com vitórias em todos os clássicos paulistas na história do Brasileiro

O Santos pode se tornar hoje o primeiro “grande” paulista a vencer os quatro clássicos estaduais em 28 anos de história do Campeonato Brasileiro, fechando o “Grand Slam” do futebol de São Paulo.

O termo “Grand Slam” é usado no tênis, para designar os quatro principais torneios do esporte -os Abertos da Austrália, Estados Unidos, França e Wimbledon, no Reino Unido.

Depois de vencer Palmeiras, São Paulo e Corinthians, o time enfrenta a Lusa, na Vila Belmiro, com chances de conseguir 100% de aproveitamento contra seus rivais no Estado.

Nas 28 edições já realizadas do Campeonato Brasileiro, em 13 aconteceram todos os clássicos estaduais paulistas.

No segundo torneio disputado, em 72, ainda com Pelé no time, o Santos também venceu Corinthians, São Paulo e Palmeiras, só perdendo para a Lusa.

Nos três clássicos que já disputaram em 98, os santistas marcaram seis gols e sofreram apenas um.

A Lusa, que venceu apenas um dos três jogos que fez contra os outros “grandes” do Estado, também fez história na sua única vitória em clássicos.

Contra o São Paulo, o time venceu por 7 a 2, a maior goleada da história do time em Brasileiros. Foi também a maior derrota do São Paulo na competição.

Santos e Lusa são os dois únicos times “grandes” paulistas que ainda não conquistaram o principal título nacional. O melhor resultado das duas equipes foi o segundo lugar -o Santos em 83 e 95, e a Lusa em 96, quando perdeu a final para o Grêmio, em Porto Alegre.

Nos últimos anos, a Lusa vem conseguindo os seus melhores resultados na competição. Desde o Brasileiro-93 o time termina o torneio entre os dez primeiros colocados. Além da Lusa, só o Palmeiras conseguiu esse feito no período.

Nos torneios estaduais, Santos e Lusa clubes também amargam um longo período sem títulos. Os santistas não comemoram um Campeonato Paulista desde 84, quando venceram o Corinthians na final.

A Lusa está ainda pior. Seu último título estadual aconteceu em 73, em um campeonato dividido com o próprio Santos. Além desse, foi bicampeã em 35 e 36.

Classificação

Além das marcas históricas, o clássico de hoje vale pela segunda colocação do Brasileiro-98.

O Santos tem 36 pontos, dois a mais do que a Lusa. Quem vencer, além de praticamente garantir a classificação, vai se credenciar para disputar o primeiro lugar da tabela com o Palmeiras.

“Nosso principal objetivo, que é ficar entre os oito primeiros, está próximo. Depois vamos tentar chegar entre os quatro”, diz o atacante Evair, que já conquistou o Brasileiro três vezes -duas pelo Palmeiras e uma pelo Vasco.

O jogo de hoje também é um duelo entre o único time que ainda não perdeu em casa -o Santos- contra uma das equipes com melhor retrospecto fora de casa -a Lusa, com apenas uma derrota jogando fora da cidade de São Paulo.

Para conseguir o “Grand Slam” e continuar com a invencibilidade caseira, o Santos não terá vários titulares contra a Lusa. O principal desfalque é o meia-atacante Lúcio, que sofreu grave contusão, contra o América-MG. Além dele, estão fora o meia Jorginho e o volante Claudiomiro.

A Lusa, em compensação, terá todos os seus titulares para o clássico, fato inédito nas últimas quatro partidas do clube.

Outro que pode marcar um recorde para o Santos é o atacante Viola, atual artilheiro da competição, com 16 gols marcados. Caso mantenha a liderança até o final do torneio, ele será o terceiro artilheiro de Campeonatos Brasileiros na década de 90 pertencente ao Santos, o recorde da competição em uma só década.

O artilheiro da Lusa, Leandro, tem 11 gols até agora. Caso chegue ao primeiro lugar na lista dos que mais marcaram, será o primeiro jogador da história do time a conseguir esse feito.

Leão arma sua equipe com “sobreviventes’

O técnico Emerson Leão terá novamente de contar os “sobreviventes” do último jogo do Santos (3 a 3 contra o América-MG) para escalar a equipe que enfrentará a Lusa.

O rodízio de jogadores machucados e suspensos tem sido quase permanente. A “vítima” mais recente é o meia-atacante Lúcio, peça essencial no esquema do treinador. Ele rompeu os ligamentos do tornozelo direito, foi operado e só deverá voltar a jogar futebol em 99.

Hoje, com a volta de três suspensos (Ânderson, Élder e Sandro) e a inscrição confirmada do japonês Maezono, Leão viverá uma situação um pouco mais confortável.

Ele poderá escolher entre 18 jogadores para compor o time titular e o banco de reservas. Para enfrentar o América-MG, só tinha 15.

Caso o zagueiro Argel, que se recupera de um problema no joelho esquerdo, ganhe condição de jogo, as alternativas do técnico se ampliam um pouco mais.

Marcos Bazílio, expulso contra o América-MG, está fora do jogo de hoje. A lista dos ausentes inclui outros machucados -Claudiomiro, Jorginho, Aristizábal.

Além de tentar sustentar o padrão de jogo mesmo com as frequentes trocas de jogadores na equipe titular, Leão procura evitar que a sequência de lesões se transforme em fator psicológico negativo para os “remanescentes”.

“Acidentes de trabalho acontecem. Infelizmente, aconteceram dois gravíssimos contra nós, e perdemos dois jogadores excelentes (Lúcio e Aristizábal)”, disse Leão.

A fase negativa, porém, é atenuada pela posição que a equipe na ocupa na tabela de classificação. O time é o vice-líder do Brasileiro, com 36 pontos.

“Já estamos quase classificados”, disse Leão, que, apesar disso, considera mais seguro somar 38 para garantir de vez a vaga entre os oito que estarão na próxima fase.

Para recompor o elenco, a diretoria do Santos montou uma operação de emergência para fazer contratações. A urgência deve-se ao prazo para inscrições de jogadores no Campeonato Brasileiro, que se encerra na próxima terça-feira.

A prioridade de Leão é um jogador veloz, característica semelhante à de Lúcio. Um dos nomes cotados é o de Euller (ex-Palmeiras), que já foi pretendido pelo Santos.



Fonte: Estadão