Fluminense 4 x 1 Santos

Data: 07/12/1995, quinta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – Semifinais – Jogo de ida
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 38.678 pagantes
Renda:
Árbitro: Sidrack Marinho (SE)
Cartões amarelos: Giovanni, Vágner (S); Sorlei, Valdeir e Cadu (F).
Cartões vermelhos: Robert e Jamelli (S).
Gols: Giovanni (21-1), Renato Gaúcho (04-2), Ronald (24-2), Leonardo (44-2) e Cadu (46-2).

FLUMINENSE
Wellerson; Ronald, Lima, Sorley (Gaúcho) e Cássio; Vampeta, Otacílio, Aílton e Rogerinho (Leonardo); Renato Gaúcho e Valdeir (Cadu).
Técnico: Joel Santana

SANTOS
Edinho; Marquinhos Capixaba (Macedo), Narciso, Ronaldo Marconato e Marcos Adriano; Gallo, Vágner, Robert e Marcelo Passos (Pintado); Jamelli e Giovanni.
Técnico: Cabralzinho



Fluminense goleia Santos de virada

O Fluminense goleou ontem o Santos por 4 a 1, de virada, na primeira semifinal do Campeonato Brasileiro. Foi a maior goleada da equipe carioca no torneio.

A partida marcou o duelo entre o melhor ataque da competição, o santista (45 gols feitos), e a melhor defesa, a do Fluminense (17 gols sofridos).

O Santos agora precisa vencer o Fluminense por três gols de diferença, no próximo domingo, em São Paulo, para se classificar.

O time paulista terá que buscar a vaga na final sem três titulares: Robert, Jamelli (expulsos) e Vágner (terceiro cartão amarelo).

Já o Fluminense não terá Sorlei, zagueiro por quem o Palmeiras formalizou interesse ontem.

“Não há motivos para baixar a cabeça. Fomos guerreiros até o final. Vamos buscar o resultado no fim-de-semana”, disse o técnico Cabralzinho, ao final do jogo.

O Santos entrou ontem em campo com uma formação ofensiva. Sem Carlinhos e Narciso, suspensos, Cabralzinho optou por surpreender o adversário.
Colocou o volante Pintado no lugar do zagueiro Narciso. O meia ofensivo Marcelo Passos substituiu Carlinhos. Vágner foi recuado para a posição de segundo volante.

A inovação deu certo no início. O time dominou o meio-campo e não permitiu que o ataque do Fluminense criasse uma única chance de gol na primeira etapa.

A marcação à distância exercida pelos meio-campo adversário facilitava a tarefa santista, dando espaço para que a equipe paulista dominasse a bola com tranquilidade e armasse as jogadas.

O gol santista saiu aos 21min. O meia-atacante Giovanni tabelou com Robert, recebeu diante do goleiro Wellerson e tocou com calma no canto esquerdo.
Para o segundo tempo, o técnico Joel Santana pediu que sua equipe apertasse a marcação.

O gol de empate saiu logo aos 4min, em falha da improvisada defesa santista. Numa cobrança de escanteio pela esquerda, a bola sobrou na pequena área para Renato Gaúcho. O atacante dominou e rapidamente tocou para a rede.

O empate entusiasmou o Fluminense e enervou os santistas.

Marcando melhor, o time carioca impediu que o rival repetisse o domínio da primeira etapa. Após perder duas chances, aos 11min e aos 18min, fez o segundo gol.

Aos 23min, Valdeir, em jogada pela esquerda, entrou na área e foi derrubado por Ronaldo. O lateral Ronald converteu o pênalti.
O gol desestruturou a equipe paulista, que, dois minutos depois, sofreu novo revés.

O meia Robert, que recebera cartão amarelo por reclamação, fez falta violenta e foi expulso.

Cabralzinho fez então uma opção arriscada. Tirou o lateral Marquinhos e pôs o atacante Macedo.

O Fluminense passou a dominar com facilidade. O goleiro Edinho acabou sendo o destaque santista.

O time paulista teve uma última oportunidade aos 36min, quando Wellerson pegou uma perigosa cabeçada de Giovanni.

Aos 43min, outra expulsão abalou o Santos. Jamelli foi punido após fazer falta por trás no atacante Leonardo.

Um minuto depois, na cobrança da falta, o zagueiro Lima cabeceou, Edinho rebateu e Leonardo marcou de cabeça o terceiro.

Já nos descontos, o meia Cadu, que acabara de entrar, aproveitou falha do volante Gallo e penetrou na área para fechar a goleada.

Camanducaia crê na vitória

O atacante Camanducaia, 20, surge como a grande esperança do Santos no jogo de amanhã, no Pacaembu.

Ele não enfrentou o Fluminense porque estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo, recebido na partida contra o Guarani, e volta com a missão de levar o time à vitória por três gols de diferença. “Vamos explorar sua velocidade”, disse o técnico Cabralzinho.

Folha – Como é voltar ao time em um jogo onde só uma vitória por três gols de diferença interessa?
Camanducaia – É muita responsabilidade. Mas acredito no time. Se todos correrem e pegarem na marcação, dá para classificar.
Temos um dos melhores ataques do Brasil e podemos fazer três gols no Fluminense se formos para cima com tudo, desde o início.

Folha – O grupo realmente está acreditando nisso?
Camanducaia – Falo por mim. Pego o exemplo do Palmeiras, que tinha que bater o Grêmio por 5 a 0 e quase conseguiu. Fez 5 a 1.

Folha – E a torcida? Ainda acredita?
Camanducaia – Acho. Hoje (ontem), um dia após a derrota para o Fluminense, um grupo de torcedores veio ao Pacaembu (cerca de 50) e nos incentivou. Gritaram o meu nome. Isso é a prova de que acreditam.

Folha – Você acha que o Renato Gaúcho pode desequilibrar em favor do Fluminense novamente?
Camanducaia – Ele não desequilibrou na primeira partida.
Apenas jogou a torcida contra o juiz, que não deu cartão amarelo a ele, que estava pendurado e tentou cavar três pênaltis.
O Cabralzinho reclamou muito do juiz e com razão.

Treinador ainda acredita; Pelé incentiva time

O técnico Cabralzinho tenta convencer o time, desde ontem, que tem condições de vencer o Fluminense por três gols de diferença, amanhã, no Pacaembu, e obter a classificação à final.

“Não há nada perdido. Temos mais 90 minutos para descontar a diferença. Somos um time valente e vamos à luta”, afirmou.

Ontem, o grupo de jogadores recebeu a visita do ministro dos Esportes, Pelé, na concentração do time, em um flat de São Paulo.

Pelé, que não foi ao jogo contra o Fluminense, fez questão de cumprimentar todos os jogadores, na tentativa de motivar o time.

“Que história é essa de ficar todo mundo comendo de cabeça baixa? Vocês só perderam de quatro porque chegaram às semifinais. Vamos levantar a cabeça, que tem mais um jogo”, disse o ministro aos jogadores durante o almoço.

“Ainda tem outro jogo e, se o Fluminense foi capaz de fazer 4 a 1, o Santos também é”, afirmou.

Na partida de amanhã, o Santos não contará com os meias Jamelli, Vágner e Robert, todos suspensos. O meia Giovanni, que recebeu o segundo cartão amarelo contra o Fluminense, está “pendurado”.

Em compensação, Cabralzinho contará com as voltas do zagueiro Narciso, do volante Carlinhos e do atacante Camanducaia.

O técnico santista ainda não definiu a equipe, mas deve escalar Marcelo Passos, Camanducaia e Whelliton no lugar dos suspensos.

Cabralzinho quer mais atenção do time no jogo de amanhã. “No Maracanã, tomamos um gol de escanteio (o primeiro do Fluminense), o que não havia acontecido, até então, durante a campanha.”

“Temos que ver o teipe do jogo contra o Fluminense 50 vezes, para a vergonha bater na cara”, disse o goleiro Edinho.

Equipe opta por reservas ofensivos

A principal dificuldade tática que o Santos terá que enfrentar na semifinal contra o Fluminense será fazer a ligação do meio-campo com o ataque.
Com as ausências de Vágner, Jamelli e Robert, o técnico Cabralzinho mudará a forma de jogo, para impedir que Giovanni fique isolado à frente, no meio da sólida zaga do time carioca.

O treinador terá que optar por três substitutos ofensivos para reverter a vantagem de três gols da equipe do técnico Joel Santana.

Vágner levou o terceiro cartão amarelo anteontem, no primeiro jogo das semifinais. Jamelli e Robert foram expulsos.
Nos lugares dos três, devem entrar Whelliton, Marcelo Passos e Camanducaia.

Com a entrada de Camanducaia, o time ganha mais força pelas pontas. Pela direita, o atacante leva perigo ao gol adversário quando fecha pelo meio, em jogadas com Giovanni.

Pela esquerda, o lateral Marcos Adriano apóia bem o ataque e pode tabelar com Marcelo Passos, que tem uma função mais ofensiva que o titular Robert.
Na defesa, o Santos deve ter a volta de Narciso, que cumpriu suspensão, no lugar de Pintado.