Santos 0 x 0 Red Bull Bragantino

Data: 23/01/2020, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.412 pagantes
Renda: R$ 511.705,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Risser Jarussi Corrêa e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Carlos Sánchez (S); Ligger, Edimar, Barreto e Artur (B).

SANTOS
Everson; Felipe Jonatan, Luan Peres, Luiz Felipe e Pará; Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca; Marinho (Derlis González), Kaio Jorge (Raniel) e Eduardo Sasha (Arthur Gomes).
Técnico: Jesualdo Ferreira

RED BULL BRAGANTINO
Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Edimar; Barreto (Vitinho), Bruno Tubarão (Thonny Anderson), Uillian Correa e Claudinho (Morato); Artur e Ytalo.
Técnico Vinicius Munhoz



Santos joga mal e só empata com o Red Bull Bragantino na estreia do Paulistão

O Santos não estreou bem no Campeonato Paulista. Na noite desta quinta-feira, o Alvinegro Praiano recebeu o Red Bull Bragantino na Vila Belmiro. Após um primeiro tempo com poucas chances para os dois lados, o Braga foi melhor na segunda etapa, mas o Peixe conseguiu segurar o 0 a 0.

Como o Guarani venceu na estreia e a Ferroviária empatou, o Massa Bruta está na terceira colocação do Grupo D. O Peixe, por sua vez, foi a única equipe que somou pontos no Grupo A.

O jogo

O Red Bull Bragantino começou o jogo com muita intensidade, atacando principalmente pela direita, com Artur. Do outro lado, as duas linhas de quatro do Santos mostraram muita solidez defensiva. Quando tinha a bola, a equipe de Jesualdo Ferreira tentava, mas não conseguia furar ao bloqueio do Massa Bruta.

Aos poucos, o Braga começou a esperar o Santos, que valorizava mais a posse de bola, porém, pecava muito na criação. A válvula de escape era Marinho, atleta responsável pela maioria das jogadas de perigo do Peixe. Apesar do apoio de Carlos Sánchez, o atacante não teve muito sucesso pelo lado direito.

Depois de 25 minutos sem qualquer chute na direção do gol, o Bragantino saiu em um rápido contra-ataque e a bola chegou em Claudinho. O meio-campista encheu o pé da entrada da área e obrigou uma bela defesa do goleiro Everson.

A resposta do Santos veio faltando sete minutos para o fim do primeiro tempo, com Sánchez. De três dedos, o uruguaio tentou vencer o Júlio César, que só olhou a finalização passar perto do gol.

Na volta do vestiário, Jesualdo promoveu a entrada de Raniel no lugar de Kaio Jorge, pouco acionado no jogo. Enquanto o Peixe se preocupava em arrumar o sistema ofensivo, o Red Bull Bragantino continuou com a mesma intensidade e criou a primeira oportunidade.

Em uma das suas primeiras participações, Ytalo recebeu dentro da área, girou para cima do zagueiro e chutou firme, mas só bateu na rede pelo lado de fora. Após a chance de Pará, que completou 200 jogos com a camiseta do Santos, exigir boa defesa de Júlio César, o camiseta 9 desperdiçou uma chance cara a cara com Everson.

Aos 24 minutos, Ytalo, sempre ele, quase inaugurou o marcador. Thonny Anderson, substituto de Bruno Tubarão, encontrou o companheiro livre de marcação. O atacante invadiu a grande área e, de cavadinha, mandou a bola no travessão.

Nos momentos finais da partida, o Santos foi ao ataque. No entanto, a boa defesa do Bragantino garantiu o placar zerado no confronto.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo explica estratégia e analisa postura do Santos na estreia

Após 12 dias de preparação, o Santos sofreu para empatar com Red Bull Bragantino, em partida válida pelo Campeonato Paulista. Depois da estreia no comando do Peixe, Jesualdo Ferreira concedeu entrevista coletiva na Vila Belmiro e passou suas primeiras impressões sobre o elenco.

“Vocês conhecem os jogadores melhores que eu. Jogamos em casa, primeiro jogo. Eles ainda têm muitas coisas na cabeça. No entanto, em grande parte do jogo, eles foram capazes de jogar da forma que eu quero. O intuito é dar pouco espaço para o adversário, ser rápido na troca de passes e explorar a velocidade dos atacantes. A segunda fase do jogo, que é chegar ao gol adversário, manter a bola, em alguns momentos fizemos”, analisou.

O treinador português também explicou a opção por escalar Alison, capitão do time na noite desta quarta-feira, como primeiro volante. Sob a visão dele, o camiseta 5 tem mais vigor físico em comparação com Diego Pituca, jogador com características mais ofensivas.

“Eu gosto mais do Alison nessa posição do que o Pituca. O Pituca tem uma capacidade importante que é de entrar em zonas ofensivas. Isso é mais importante. O Alison tem mais poder físico, capacidade de poder, quando a equipe abaixa, fazer um tampão. Não se esqueça que do lado direito tem o Carlos”, completou.

Por fim, Jesualdo destacou mais um defeito do Santos contra o Bragantino.

“Ainda falta intensidade para jogar no ritmo que eu quero”, finalizou.

Jesualdo Ferreira destaca defesa e elege o maior defeito do Santos

Apesar do Red Bull Bragantino ter criado as melhores oportunidades na partida desta quarta-feira, pelo Campeonato Paulista, Jesualdo Ferreira vê pontos positivos na estreia, uma vez que o Santos teve pouco tempo de preparação. No entanto, o técnico também destacou o principal defeito do Peixe, em entrevista concedida após o duelo.

“Depois de doze dias, estava pronto, não tinha outra alternativa, tinha que jogar. A equipe foi capaz, durante algum tempo, de deixar o adversário com pouco espaço. Não foi fácil para o Red Bull ganhar espaços para atacar. Mas não conseguimos fazer aquilo que acho importante, que é ter clareza no momento de decidir. A equipe jogou muito depressa. Acho que esse foi nosso problema maior. Agora temos que trabalhar”, analisou.

O comandante ainda destacou a presença do público na Vila Belmiro. Segundo o português, a torcida pode ser o trunfo do Santos em 2020.

“Quando torcedores vieram? 12 mil? Fantástico. Vou agradecer aos torcedores do Santos por terem comparecidos por essa capacidade de apoiar durante os 90 minutos. Se conseguirmos ter sempre uma presença dessa, dentro dos 12 ou 15 mil, vamos ter um ambiente muito bom ao nosso favor. Emocionou um pouco, me tocou, por isso o agradecimento”, completou.

Jesualdo elogia base do Santos e pede calma: “Ver como encaram o jogo”

Logo na sua partida de estreia pelo Campeonato Paulista, o Santos contou com a ausência de Yeferson Soteldo, que foi convocado pela seleção da Venezuela para a disputa do Pré-Olímpico. No lugar de uma das principais peças da temporada passada, Jesualdo Ferreira promoveu a escalação de Kaio Jorge. Já na segunda etapa, o comandante colocou outra joia da casa em campo, Arthur Gomes.

Em entrevista coletiva concedida após o duelo na Vila Belmiro, o técnico português elogiou a base do Peixe e pediu calma com os jovens.

“O elenco do Santos tem muitos jovens. É uma riqueza do clube. No entanto, como são jovens, nem sempre as coisas acontecem como o esperado. Nós, como vocês viram em termos defensivos, conseguimos resolver os problemas em alguns momentos. Mas eles puderam marcar em duas oportunidades. O mais importante era ver como encaram o jogo”, comentou.

Questionado sobre o motivo pelo qual Kaio Jorge foi substituído, Jesualdo revelou que o atacante sentiu um desconforto no tornozelo esquerdo. Sem o jogador da Seleção Brasileira Sub-20 em campo, o treinador explicou como armou o time.

“O Kaio Jorge jogou mais pelo corredor. O Marinho ficou mais aberto. São dois jogadores que tem essa característica. O Kaio teve uma entorse no pé e acabou saindo por isso. A tentativa de colocar um central não funcionou. Por conta disso, voltamos ao 4-3-3, que garantiu mais consistência”, finalizou.

Após empate, Alison fala sobre ritmo de jogo do Santos e exalta Bragantino

O Santos teve uma atuação abaixo das expectativas na estreia do Campeonato Paulista. Na noite desta quinta-feira, o Peixe recebeu o Red Bull Bragantino e viu o adversário criar as melhores chances de gol na Vila Belmiro. Após o duelo, o volante Alison, capitão do Alvinegro Praiano, falou sobre o ritmo do elenco.

“Claro que ainda nos falta um pouco de ritmo. Na minha visão, isso é natural. Vamos adquirindo ao longo do campeonato. Temos que continuar trabalhando forte para chegar no nosso auge o mais rápido possível”, destacou.

O camiseta 5 ainda elogiou o adversário e, apesar do Santos ter chutado apenas duas vezes na direção da meta do Bragantino, viu uma melhora na segunda etapa.

“Queríamos a vitória, pois sabíamos o quanto isso seria importante. Tentamos, lutamos e até melhoramos no segundo tempo. Infelizmente, não conseguimos o resultado positivo. Acho que o Red Bull Bragantino também teve méritos”, completou.

Santos confirma lesão no tornozelo esquerdo de dois atletas

Um dos jogadores mais acionados do Santos no empate diante do Red Bull Bragantino, pela estreia do Campeonato Paulista, Marinho sentiu um desconforto e foi substituído ainda no segundo tempo. Momentos depois do apito final, o clube confirmou que o atacante sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo. Kaio Jorge, de 18 anos, também foi diagnosticado com o mesmo problema.

A informação é que os atletas já iniciaram o tratamento e serão reavaliados na reapresentação do elenco, prevista para a tarde desta sexta-feira.

Na temporada passada, Marinho foi uma das principais peças do setor ofensivo santista. Em parceria com Eduardo Sasha e Soteldo, o atacante atuou em 40 partidas e mandou 12 bolas para a rede, média de 0,30 gol por jogo.

Com ou sem os jogadores à disposição, o Santos, líder do Grupo A, volta a campo já nesta segunda-feira. Em busca de primeira vitória sob o comando de Jesualdo Ferreira, o Peixe enfrenta o Guarani, às 20 horas (de Brasília), no Estádio Brinco de Ouro da Princesa.