Guarani 1 x 2 Santos

Data: 27/01/2020, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, SP.
Público: 9.130 pagantes
Renda: R$ 174.973,00
Árbitro: Vinicius Furlan
Auxiliares: Fabrini Bevilaqua Costa e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Romércio (G); Pará e Luiz Felipe (S).
Cartão vermelho: Lucas Abreu (G).
Gols: Arthur Gomes (21-1); Rafael Costa (22-2) e Pablo (47-2, contra).

GUARANI
Jefferson Paulino; Pablo, Bruno Silva, Romércio e Bidu; Deivid, Lucas Abreu, Lucas Crispim (Marcelo) e Giovanny (Bruno Sávio); Júnior Todinho e Rafael Costa (Matheusinho).
Treinador: Thiago Carpini

SANTOS
Everson; Pará, Luan Peres, Luiz Felipe e Felipe Jonatan; Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca (Uribe); Arthur Gomes (Jean Mota), Raniel (Tailson) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos sofre, mas bate o Guarani com gol contra nos acréscimos

No sufoco, o Santos conquistou sua primeira vitória no Campeonato Paulista. Na noite desta segunda-feira, o Peixe visitou o Guarani no Estádio Brinco de Ouro da Princesa. Mesmo com um jogador a mais durante toda a segunda etapa, a equipe de Jesualdo Ferreira sofreu para vencer por 2 a 1. Depois que Arthur Gomes inaugurou o marcador, Rafael Costa deixou o dele. Nos acréscimos, Pablo chutou contra o próprio patrimônio.

Esse é a primeira vitória do Alvinegro Praiano no Paulistão. Com isso, o time assumiu a liderança do Grupo A. Do outro lado, o Bugre conheceu sua primeira derrota e segue na segunda colocação.

O jogo

Assim como na estreia diante do Bragantino, o Santos começou a partida com pouca intensidade. Apesar da superioridade em posse de bola, os comandados por Jesualdo Ferreira pecavam na criação das jogadas.

Enquanto isso, o Bugre estudava o adversário. Com um meio-campo extremamente lento, os donos da casa insistiam pelos lados do campo, mas sem sucesso.

Depois de 20 minutos nessa tônica, o Peixe se organizou e passou a tomar conta do jogo. Eduardo Sasha fez boa jogada individual e serviu Felipe Jonatan. O lateral-esquerdo, que foi muito acionado e correspondeu às expectativas, cruzou na medida para Arthur Gomes subir no terceiro andar e colocar a bola no fundo das redes.

Sempre explorando o espaço deixado pelos avançados laterais do Guarani, o Alvinegro Praiano trabalhava com mais precisão e velocidade. E Diego Pituca desperdiçou uma grande chance. O volante aproveitou a visão de jogo de Eduardo Sasha, porém, o chute subiu muito.

Em nova do participação do incansável Felipe Jonatan, o Santos quase ampliou antes do segundo tempo. De primeira, o defensor mostrou recurso, finalizou de três dedos, e tirou tinta da trave.

Na volta do vestiário, o Guarani, que já não fazia uma boa apresentação, teve um jogador expulso. Sem qualquer escrúpulo, Lucas Abreu entrou com a sola da chuteira no tornozelo de Luiz Felipe.

A baixa foi registrada logo no primeiro minuto, mas, curiosamente, o Guarani começou a criar as melhores oportunidades. Com Giovanny e Bidu, o Bugre exigiu boas defesas de Everson. Até que a rede balançou aos 19 minutos. Bem posicionado na segunda trave, Rafael Costa explorou o cruzamento e deixou tudo igual.

O Santos esboçou uma reação, contudo, voltou a esbarrar na falta de criatividade e erros de passe. A melhor chance surgiu dos pés de Raniel, que obrigou Jefferson Paulino se esticar todo para salvar o Guarani.

No apagar das luzes, aos 47 minutos, o Santos desempatou. Jean Mota cobrou falta com muita maestria e acertou no travessão. De maneira catastrófica, o Pablo tentou afastar e acabou chutando contra a própria meta.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo diz não se irritar com comparação a Sampaoli, mas pede “respeito”

A atuação não convenceu, mas Jesualdo Ferreira venceu sua primeira partida à frente do Santos. Em entrevista coletiva concedida no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, na noite desta segunda-feira, o português evitou a comparação com o ex-comandante do Peixe, Jorge Sampaoli.

“Isso não me irrita. Só é preciso respeitar todos os treinadores, porque ninguém é igual. Muitos treinadores que são campeões não têm os mesmos métodos”, comentou.

Questionado a respeito da falta de intensidade no seu estilo de jogo, Jesualdo, assim como aconteceu após o jogo contra o Bragantino, pediu calma e destacou o curto período de tempo que teve para trabalhar com o elenco.

“Eu tenho dois jogos. Não sei o que vai acontecer. Meu time não vai ser igual, os jogadores não são os mesmos. Eu vou preparar a minha equipe. A equipe vai jogar no nível de alguns jogos do ano passado, mas em outras terá mais dificuldades, como todas as equipes. Como você quer jogar com intensidade em dois jogos? Só se joga de maneira intensa quando tem capacidade para jogar com intensidade. Você não me conhece há um ano, só há quinze dias”, finalizou.

Jean Mota pede calma com Jesualdo no Santos: “Está tentando se adaptar”

O Santos venceu a sua primeira partida sob o comando de Jesualdo Ferreira. Após uma estreia ruim diante do Red Bull Bragantino, o Peixe visitou o Guarani e, apesar do triunfo, não convenceu. Envolvido na origem do lance que deu números finais ao jogo, Jean Mota pediu calma com o treinador português durante o período de adaptação.

“A proposta de jogo dele é diferente. Ele está tentando se adaptar ao futebol brasileiro o mais rápido possível. E nós, do outro lado, estamos trabalhando para encaixar com a estratégia dele. Tenho certeza que isso vem com o decorrer dos jogos”, comentou.

O lance do gol foi, no mínimo, curioso. Sem ângulo, o meio-campista cobrou a falta direto e a bola explodiu no travessão. De maneira catastrófica, o atacante Pablo tentou afastar, mas acabou chutando contra o próprio patrimônio.

“A bola bateu na trave e depois bateu no chão. Ele tentou tirar, mas acabou mandando para o fundo do gol. Nosso time está de parabéns. Cometemos um erro e acabamos tomando gol com mais um jogador a mais em campo. No entanto, o importante é a vitória. Precisamos continuar com o mesmo foco para o restante da competição”, finalizou.