Corinthians 2 x 0 Santos

Data: 02/02/2020, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Arena Corinthians, o Itaquerão, em São Paulo, SP.
Público: 40.669 pagantes (40.935 total)
Renda: R$ 2.355.356,04
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Janderson, Tiago Nunes e Cássio (C); Jobson (S).
Cartão vermelho: Janderson (C, 03-2)
Gols: Everaldo (01-1) e Janderson (01-2).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Gil e Sidcley; Camacho (Gabriel) e Cantillo; Everaldo (Mateus Vital), Luan (Lucas Piton) e Janderson; Boselli.
Técnico: Tiago Nunes

SANTOS
Everson; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson (Uribe), Diego Pituca e Sandry (Evandro); Kaio Jorge (Jean Mota), Eduardo Sasha e Raniel.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Corinthians joga bem e vence o Santos com gols de Everaldo e Janderson

Com um gol no inicio de cada tempo, o Corinthians venceu o Santos por 2 a 0, na manhã deste domingo, na Arena. Everaldo e Janderson balançaram as redes para o Timão, que voltou a vencer depois de dois tropeços no Campeonato Paulista. Os mandantes dominaram um frágil Peixe, que pouco conseguiu assustar, mesmo com o jogador a mais durante praticamente todo o segundo tempo.

Com a vitória, o Corinthians chegou aos sete pontos, alcançando a liderança do grupo D. Enquanto isso, o Santos estacionou nos sete pontos, ainda na primeira posição da chave A. O próximo compromisso do time é contra o Botafogo-SP, no dia 10, na segunda-feira, às 20h.

O jogo

O Corinthians pressionou o Santos desde o apito inicial e conseguiu abrir o placar antes mesmo do segundo minuto da partida. Cantillo fez bela inversão para Fagner, que trouxe para a esquerda e cruzou na área. A bola ficou oferecida para Everaldo, que dominou e chutou cruzado para vencer Everson. O atacante do Timão chorou na comemoração.

O Timão não diminuiu o ritmo e quase ampliou logo em seguida. Janderson desceu pela direita e cruzou na cabeça de Luan, que testou à direita do gol. Outro que perdeu grande chance para o Timão foi Sidcley. Outra vez Fagner apareceu bem pela direita e cruzou rasteiro até o lateral-esquerdo, que desperdiçou oportunidade incrível debaixo do gol.

O roteiro do início do segundo tempo foi igual ao da primeira metade. Antes do segundo minuto, Boselli recebeu a bola pela esquerda e lançou grande bola por cima da zaga até encontrar Janderson, que dominou e finalizou cruzado para ampliar. Na comemoração, o atacante subiu na plataforma que dá acesso à arquibancada para celebrar com a torcida. Como já tinha amarelo, recebeu o segundo cartão e foi expulso.

A primeira chance de perigo do Santos na partida veio em um escanteio. Pará bateu pela direita, Luan Peres cabeceou e a bola passou muito perto da trave. Mesmo com um a mais, o Peixe pouco conseguiu construir no ataque. O Corinthians voltou a levar perigo, dessa vez com Gabriel, que aproveitou sobra de bola dentro da área e finalizou rasteiro, exigindo defesa de Everson.

O Santos até chegou a balançar as redes com Uribe, mas o árbitro assinalou falta de Sasha em disputa com Fagner na origem da jogada. A partida terminou com o Corinthians controlando tranquilamente as ações defensivas.

Jesualdo mostra preocupação com intensidade do Santos e exalta marcação do Corinthians

Neste domingo, o Santos foi derrotado pelo Corinthians. Após o revés por 2 a 0, que marcou o fim da invencibilidade do Peixe no Campeonato Paulista, o técnico Jesualdo Ferreira concedeu entrevista coletiva na Arena em Itaquera e comentou a respeito de mais uma atuação discreta da sua equipe.

“Primeiro porque o Corinthians é uma boa equipe. Marcou o gol muito cedo e isso tem um peso muito grande, claro. Foram duas equipes que se encontraram em dois momentos diferentes. Sobre a intensidade, esse é um problema para a gente tratar internamente. Clássico é assim. Muito jogo ofensivo do Santos foi parado pela boa marcação do Corinthians”, comentou.

O comandante português ainda explicou o motivo pelo qual optou por escalar o Santos com três volantes.

“Minha intenção, em função do elenco, era aproveitar o melhor de cada um. Nós tivemos um dificuldade em um nível muito grande. Não se trata só dos três médios (Sandry, Diego Pituca e Jobson). Não houve nenhuma intenção que não fosse recuperar a bola no tempo certo e atacar”, destacou.

Com o resultado, o Santos está ameaçado na liderança do Grupo A. Isso porque a Ponte Preta, vice-líder, tem um ponto a menos que o Alvinegro Praiano e ainda não entrou em campo pela quarta rodada do Paulistão.

Everson elege ponto fraco do Santos na derrota para o Corinthians

Neste domingo, o Santos visitou o Corinthians e perdeu sua invencibilidade no Campeonato Paulista. Mesmo com os gols sofridos, Everson foi importante para garantir que a partida não terminasse com uma vantagem ainda maior para o Timão. Após a derrota, o goleiro elegeu o ponto fraco do Peixe durante o Clássico Alvinegro.

“Não suportamos a pressão. A gente sabia que o Corinthians pressionar bastante. Conseguiram fazer gol com um minutos e meio e isso dificultou todo o esquema tático na partida. Perder clássico é ruim, mas agora é levantar a cabeça e trabalhar para que no próximo a gente possa vencer”, comentou.

Mais uma vez, o técnico Jesualdo Ferreira não teve à disposição todos os atletas do elenco. Carlos Sánchez e Soteldo, dois dos principais jogadores, foram desfalques. Questionado a respeito do tema, o arqueiro minimizou.

“Não podemos encostar a cabeça ou colocar a desculpa que eles não jogaram. Temos um elenco, todos estão tendo oportunidades. Infelizmente não conseguimos fazer um bom jogo e agora é tirar um aprendizado desse clássico para que nos próximos não se repita os erros e possamos ganhar, porque é importante ganhar em clássicos”, destacou.

Raniel analisa derrota no Clássico Alvinegro: “Desestabilizou nossa equipe”

Depois de duas vitórias consecutivas, contra Guarani e Inter de Limeira, o Santos perdeu a sua invencibilidade no Campeonato Paulista diante do Corinthians. A equipe de Jesualdo Ferreira até teve mais posse de bola durante a segunda etapa do Clássico Alvinegro, mas pouco agrediu o Timão.

Após a derrota por 2 a 0, o atacante Raniel analisou a atuação do Santos.

“A gente sabe que aqui eles pressionam bastante, tem um bom ritmo de jogo, a gente tomou dois gols no início, querendo ou não, isso desestabiliza a nossa equipe. Infelizmente não foi o resultado que nós queríamos, mas agora é trabalhar e erguer a cabeça porque tem muita coisa pela frente”, destacou.

Com o resultado, o Santos está ameaçado na liderança do Grupo A. Isso porque a Ponte Preta, vice-líder, tem um ponto a menos que o Alvinegro Praiano e ainda não entrou em campo pela quarta rodada do Paulistão.

Luan Peres admite superioridade do Corinthians no Clássico Alvinegro

Apesar da derrota por 2 a 0 diante do Corinthians, o principal destaque do Santos foi Luan Peres. O zagueiro não só foi importante para dar consistência na saída de bola, como também evitou que o Timão fosse para o vestiário com uma vantagem ainda maior.

Em entrevista concedida na zona mista da Arena em Itaquera, o defensor admitiu que o rival foi merecedor do resultado.

“No primeiro tempo eles foram muito superiores a nós. Eles fizeram um a zero no começo, e isso foi total falta de atenção da nossa equipe. No segundo tempo tivemos mais posse de bola, mas era óbvio, estávamos com um jogador a mais, tínhamos que fazer isso”, comentou.

Questionado a respeito da escalação do técnico Jesualdo Ferreira, Luan Peres evitou polêmicas.

“O Jobson tem muita qualidade na saída. O Evandro também equilibra o meio campo e tem experiência e isso conta porque é clássico, mas as alterações foram opção do professor”, completou.

Everson defende trabalho de Jesualdo no Santos e comenta comparação com Sampaoli

Titular absoluto da meta do Santos, Everson sofreu dois gols na derrota do Peixe diante do Corinthians, mas foi importante para evitar que o placar fosse ainda mais elástico. O revés marcou a primeira derrota de Jesualdo Ferreira, que vem sendo criticado por alguns torcedores.

Em entrevista concedida na zona mista da Arena em Itaquera, o arqueiro saiu em defesa do treinador e projetou uma semana importante para o elenco assimilar suas ideias. Isso porque o Alvinegro Praiano só volta a campo na outra segunda-feira, às 20 horas (de Brasília), contra o Botafogo-SP.

“A próxima semana será muito importante para nós, porque teremos toda a semana para trabalhar, entender cada vez mais as ideias do professor Jesualdo e reproduzir nos jogos. As ideias dele são atuais, ele tem uma comissão técnica qualificada, todos os auxiliares dele também tem ideais novas de futebol. Só hoje que não conseguimos impor nossa metodologia de hoje, mas o trabalho dele é muito bom”.

Na noite em que Jesualdo conquistou a sua primeira vitória à frente do Santos, o treinador se incomodou quando foi comparado ao ex-comandante do Peixe, Jorge Sampaoli. Assunto esse que também foi abordado com o goleiro.

“Isso pode irritar ele, mas é impossível evitar. Foi um ano bom que nós tivemos, mas isso vem mais de vocês. Para nós jogadores não incomoda. Nós somos profissionais, tentamos nos adaptar o mais rápido possível à uma filosofia nova”, comentou.

Jesualdo explica ausências de Soteldo e Sánchez contra o Corinthians

A primeira derrota de Jesualdo Ferreira no comando do Santos foi justamente contra o Corinthians, neste domingo, na Arena em Itaquera. Como tem sido desde a sua chegada, o treinador português novamente não pôde contar com todos os atletas à sua disposição.

Após o revés, Jesualdo falou a respeito das ausências de dois dos seus principais destaques da equipe, Carlos Sánchez e Soteldo.

“Soteldo voltou recentemente da disputa do Pré-Olímpico e disse que estava muito cansado, que não tinha condições de jogar. Por conta disso, falei para ele ir descansar. Há momentos que é muito melhor preservar o jogador, que pode sofrer com uma lesão grave. Com o Sánchez foi a mesma coisa. A vida do clube não acabou hoje. Isso é futebol. Futebol também é relacionamento, conversa e entendimento”, comentou.

Sob a visão de Jesualdo, a condição física dos jogadores do Santos deve melhorar com o passar do tempo.

“Temos praticamente três semanas. Quando jogamos, também é parte do trabalho físico e tático da equipe. O trabalho que estamos fazendo não é para agora, é pensando na Libertadores e outras competições. Nesta semana cheia vamos focar na questão física, além da questão tática. Também vamos trabalhar o emocional e a confiança”, completou.