Ferroviária 0 x 0 Santos

Data: 16/02/2020, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 6ª rodada
Local: Estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara, SP.
Público: 6.904 presentes
Renda: R$ 255.810,00.
Auxiliares: Alberto Poletto Masseira e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Luiz Felipe (S); Max (2), Lucas Mandes e Mazinho (F).
Cartão vermelho: Max (F).

FERROVIÁRIA
Saulo; Lucas Mendes, Max, Elton e Bruno Recife; Mazinho, Tony e Claudinho; Felipe Ferreira (Patrick), Henan (Yuri) e Hygor (Léo Artur).
Técnico: Sérgio Soares

SANTOS
Everson; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca (Jean Mota) e Carlos Sánchez; Raniel (Arthur Gomes), Soteldo e Eduardo Sasha (Kaio Jorge).
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos sofre para segurar empate com a Ferroviária

Em uma atuação sofrível na noite deste domingo, o Santos segurou o empate por 0 a 0 com a Ferroviária pela sexta rodada do Campeonato Paulista. A equipe da casa pressionou e mereceu os três pontos na Fonte Luminosa, mas a trave e Everson impediram o triunfo dos mandantes em Araraquara.

O resultado levou o Peixe aos 11 pontos, na ponta do Grupo A. Já a Ferroviária segue na lanterna do Grupo D, com cinco pontos.

O jogo

Jesualdo Ferreira promoveu o retorno de Everson ao gol e, com a sombra de Vladimir, o goleiro mostrou serviço ao treinador português. Isso porque o Santos foi amassado pela Ferroviária durante todo o primeiro tempo.

Hean, Felipe Ferreira e Hygor perderam chance atrás de chance e o intervalo chegou para o alívio dos santistas.

Na etapa final, os visitantes até conseguiram ficar mais tempo com a bola. Ainda assim, com apenas nove minutos, Patrick acertou a trave de Everson depois de linda caneta em cima da Pará.

Nos minutos finais, Max foi expulso e o Santos conseguiu impor pressão. Jean Mota por pouco não marcou.

E acabou assim, sem gols. E vaia para os dois times oriundas das arquibancadas.

Sánchez admite que faltou atitude ao Santos contra a Ferroviária

O Santos ficou no 0 a 0 com a Ferroviária neste domingo. O placar, por si só, já não é bom, mas o desempenho do Peixe em campo foi pior ainda. Carlos Sánchez admitiu, na saída de campo, que a equipe praiana ficou devendo em Araraquara.

“Faltou atitude. Com time grande isso não pode acontecer, temos que trabalhar, fizemos uma partida difícil hoje. Temos que trabalhar e não ter desculpas, porque ainda faltam coisas. São pontos que às vezes valem muito. É levantar a cabeça, apesar de não ter saído com a vitória”, disse, ao Premiere.

No intervalo do confronto, Sánchez fez pelo menos a alegria de um torcedor santista que levou uma grande faixa ao estádio, escrita em espanhol, e que pedia uma camisa do uruguaio.

“Sim, com coisas pequenas fazemos crianças, torcedores, muito felizes. Eles sabem que podemos dar mais e assim temos de seguir trabalhando”, concluiu.

Jesualdo fala em pior jogo do Santos e não consegue explicar o motivo

Jesualdo Ferreira não escondeu sua insatisfação pelo desempenho do Santos na noite deste domingo, no empate com a Ferroviária por 0 a 0. Em entrevista coletiva ainda no estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara, o técnico português não conseguiu explicar o motivo dos santistas terem jogado tão mal.

“Foi nosso pior jogo, eu esperava que fosse a continuação do jogo anterior e a verdade é que isso não aconteceu. Muitas vezes não consigo explicar muito bem, os jogadores não conseguem explicar como as coisas aconteceram. Não começamos bem o jogo e depois não tivemos a capacidade para fazer o gol e controlar as situações, como vínhamos fazendo”, avaliou.

“Acabamos por ter um resultado que não é positivo para nós. É um jogo para nós conversarmos, tentar encontrar as razões. Muitas vezes as coisas não acontecem na lógica que queremos. Foi um jogo fora da lógica em função do que fizemos lá atrás”,
Agora, o Santos vai visitar o Ituano, sábado que vem. E Jesualdo espera que a resposta seja imediata.

“Jogamos mal, isso acontece, mas vamos trabalhar para o próximo jogo já, se possível, que as coisas sejam melhores”, concluiu.

Sánchez revela discussão no vestiário do Santos após empate com a Ferroviária

Após o empate do Santos em 0 a 0 com a Ferroviária, pela 6ª rodada do Campeonato Paulista, Carlos Sánchez deu uma entrevista polêmica na saída do gramado, dizendo que faltou atitude da equipe e que isso não poderia acontecer em um time grande. Nesta terça-feira, em entrevista coletiva, o meio-campista voltou a comentar sobre o tema e revelou que teve cobrança no vestiário.

“A discussão foi grande no vestiário. Era um jogo que não podíamos deixar de jogar o que havíamos planejado. Foi difícil. Um primeiro tempo muito ruim de todos, em que não conseguimos achar a forma, atuar como estávamos nas outras partidas”, disse.

Em Araraquara, o Peixe não fez uma boa partida e graças a boa atuação do goleiro Everson, o time de Jesualdo Ferreira não conheceu sua segunda derrota no estadual.

Apesar da crítica, Sánchez fez questão de frisar que não faltou entrega dos companheiros e reconheceu que é necessária uma melhora para a sequência.

Sánchez freia empolgação com Jesualdo e culpa jogadores por não apresentar melhor futebol

O futebol do Santos segue sendo alvo de críticas. Com o pouco tempo de trabalho, Jesualdo Ferreira ainda não conseguiu implementar sua ideias de jogo. Carlos Sánchez acredita que os principais responsáveis pelas atuações do Peixe são os próprios jogadores.

“Ainda não encontramos a forma de jogar, mas isso é nossa culpa, por ainda não se adaptar ao estilo de Jesualdo. Vamos trabalhar melhor, concentrar mais para que não aconteça lá na frente o que aconteceu domingo contra a Ferroviária”, comentou.

O uruguaio não poupou críticas ao futebol apresentado pelo Santos no empate do último domingo, em Araraquara. Na saída do gramado, o meio-campista alegou que faltou atitude ao time e que isso não deveria se repetir.

Apesar da falas contundentes, Sánchez acredita que o momento se deve pelo período de adaptação do novo treinador à frente do Alvinegro da Vila Belmiro. Evitando comparações, o atleta de 35 anos lembrou o começo de Sampaoli, em que a equipe também recebeu críticas e depois deslanchou.

“Todo início tem um período de adaptação. No começo do Sampaoli, nós também não conseguíamos fazer tudo que ele pediu e foi um bom amadurecimento. Agora acontece a mesma coisa. São sistemas diferentes, formas diferentes de se trabalhar, sem querer fazer comparação”, disse.

Em seis jogos, Jesualdo tem 61,1% de aproveitamento, com três vitórias, dois empates e uma derrota. O próximo desafio será diante do Ituano, em Itu, no sábado, às 16h30.