Santos 0 x 0 Palmeiras

Data: 29/02/2020, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 8ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.371 presentes (18.662 pagantes e 1.709 não pagantes)
Renda: R$ 752.580,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Alex Ang Ribeiro.
Cartões amarelos: Felipe Jonatan, Lucas Veríssimo e Sanchez (S); Felipe Melo (P).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Luiz Felipe); Alison (Jobson), Carlos Sánchez e Diego Pituca (Arthur Gomes); Yuri Alberto, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira

PALMEIRAS
Weverton; Gabriel Menino, Felipe Melo, Gustavo Gomez e Viña (Diogo Barbosa); Bruno Henrique, Zé Rafael e Raphael Veiga (Gabriel Veron); Dudu, Willian e Luiz Adriano (Rony).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos e Palmeiras fazem jogo franco no final, mas ficam no empate

O Estádio do Pacaembu recebeu um clássico com poucas emoções até o final do segundo tempo na tarde deste sábado, pelo Campeonato Paulista. Santos e Palmeiras fizeram uma disputa franca nos últimos minutos, mas o duelo que marcou a esperada estreia de Rony terminou com empate por 0 a 0.

Com 12 pontos, três a mais do que o Água Santa, o Santos permanece na liderança do Grupo A do torneio estadual. Já o Palmeiras desperdiçou a chance de estabelecer a melhor campanha e, com 17 pontos, fica no segundo posto do Grupo B, dois atrás do Santo André.

O jogo:

Palmeiras e Santos fizeram um primeiro tempo sem grandes oportunidades de gol no Estádio do Pacaembu. Após vacilo de Felipe Jonatan na saída de bola, Zé Rafael poderia ter acionado Luiz Adriano livre pela direita, mas preferiu chutar em cima da marcação.

Pouco depois, foi Bruno Henrique quem falhou na saída de bola e proporcionou um momento de perigo ao Santos. Soteldo recebeu de Yuri Alberto e, de frente para o gol, chutou de fora da área. A bola, porém, não saiu muito forte e passou à direita de Weverton.

Em mais uma chegada do Santos, Yuri Alberto sofreu falta de Felipe Melo na entrada da área. Sanchez bateu direto e Weverton defendeu. O time alvinegro dominou durante a maior parte do primeiro tempo, mas o Palmeiras conseguiu equilibrar nos minutos finais.

Colocado no lugar de Luiz Adriano, o estreante Rony recebeu lançamento longo de Weverton logo no começo do segundo tempo e tentou dominar. A bola bateu no braço de Pará dentro da área e o árbitro pensou em marcar pênalti, mas o assistente apontou impedimento do atacante palmeirense de forma equivocada.

O Santos contou com vacilo de Diogo Barbosa para responder. Ao cortar lançamento de Sanchez para Soteldo, o lateral esquerdo, colocado no lugar de Viña, acabou ajeitando na entrada da área. Atento, Sasha completou e a viu a bola passar à direita do gol defendido por Weverton.

Com Dudu como articulador desde a entrada de Gabriel no Veron no lugar de Raphael Veiga, o Palmeiras cresceu. Na melhor chance da partida, Willian recebeu do camisa 7 pela esquerda e bateu cruzado, com muito perigo. O clássico foi aberto nos minutos finais, mas não teve gols.

Soteldo se vê mais protagonista em 2020 e diz que Santos ganhou confiança no clássico

O Santos ficou apenas no empate com o Palmeiras neste sábado, porém a avaliação da comissão técnica e do elenco foi positiva. Além de Jesualdo ter elogiado a performance da equipe, Soteldo destacou a confiança que o Peixe ganhou após o clássico e ressaltou que não ficou surpreso pelo Alvinegro ter encarado o Alviverde de igual para igual.

“Não surpreendeu. Gostei, porque a gente conseguiu um pouco do ano passado. Para mim foi bom, apesar do 0 a 0, o que o time mais precisava era ganhar confiança”, afirmou o atacante.

Neste sábado, Soteldo atuou aberto pela direita. O atacante fez questão de demonstrar que está disposto a jogar em posições diferentes, além de dizer que ganhou um maior protagonismo em 2020.

“Estou pegando mais na bola. Agora sou mais protagonista do que no ano passado, quando jogava mais aberto. Tenho que me adaptar às posições de cada jogo”, completou.

Com o resultado deste sábado, o Santos chegou aos 12 pontos, ainda na liderança do grupo A do Paulistão.

Sánchez enxerga mudanças após semana de trabalho e vê Santos no caminho certo

Com uma semana inteira livre para se preparar após a derrota para o Ituano, o Santos apresentou uma melhora no desempenho neste sábado, no clássico com o Palmeiras. Para Carlos Sánchez, o Peixe teve uma postura diferente durante os dias que antecederam a partida e essas mudanças tiveram impacto na performance contra o Alviverde.

“Nessa semana, já tivemos uma mudança muito grande em relação ao que vínhamos fazenda. Trabalhamos muito ligados, com todos concentrados, sabendo do que queríamos. Acho que hoje foram vistas as mudanças da semana”, afirmou o uruguaio.

Sánchez lamentou o fato do Santos não ter saído do Pacaembu com os três pontos, porém acredita que a equipe está evoluindo.

“Fizemos um grande clássico. Não conseguimos chegar à vitória, que era muito importante, mas sabemos que temos coisas importantes pela frente. Temos que manter a tranquilidade, porque estamos no caminho correto”, finalizou.

Jesualdo rebate críticas recebidas no Santos: “Atingem os jogadores”

Desde que chegou ao Santos, Jesualdo Ferreira ainda não conseguiu tornar o Santos regular em campo e, por conta do desempenho abaixo do esperado, já recebeu diversas críticas. Apesar de ser o grande alvo das reclamações, o treinador prefere mostrar preocupação com o impacto delas nos jogadores.

Na entrevista concedida após o empate com o Palmeiras, destacou que as críticas atrapalham o desenvolvimento técnico do elenco, que acaba perdendo confiança.

“Eu tenho que ficar com aquilo que a gente faz e com aquilo que os jogadores fazem. Porque essas críticas não me atingem, atingem os jogadores. Eles sofrem com as críticas e acabam tendo menos tranquilidade para jogarem no nível em que são capazes”, afirmou o treinador.

Jesualdo avaliou positivamente seu trabalho à frente do Santos até o momento. Além disso, o técnico condenou a avaliação feita apenas focada nos resultados obtidos pela sua equipe.

“Só tenho que olhar para o meu trabalho. Estou feliz, acho que fizemos um grande trabalho até agora, com boa capacidade de adaptação. Estamos trabalhando com jogadores que não conhecíamos, assim como não conheciam a gente”, pontuou Jesualdo.

“Pouca gente se lembra das dificuldades que enfrentamos desde o início do ano, das ausências dos jogadores. Fico feliz quando fazemos o jogo que fizemos hoje, apesar de analisarem apenas os resultados. Já percebi que ganhar, empatar ou perder gera sempre críticas negativas”, completou.