Santos 1 x 0 Delfín-EQU

Data: 10/03/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo G – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: portões fechados (punição Conmebol).
Árbitro: Kevin Ortega (PER)
Auxiliares: Michael Orue e Jesus Sánchez (ambos do PER).
Cartões amarelos: Luan Peres, Jobson, Lucas Veríssimo, Felipe Jonatan e Jesualdo Ferreira (S); Cangá, Calderón e Alaníz (D).
Gol: Lucas Veríssimo (29-1).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Evandro); Kaio Jorge (Yuri Alberto), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira

DELFÍN SC (EQU)
Baroja; Jonathan González, Luis Canga, Agustín Ale, Nazareno; Noboa, Calderón (Benítez), Martin Alaníz, Rojas (Cifuentes), Corozo (Valencia) e Garcés.
Técnico: Carlos Ischia



Santos joga para o gasto e vence Delfín com gol de Veríssimo na Vila vazia

Nesta terça-feira, o Santos derrotou o Delfín-EQU por 1 a 0 e manteve o 100% de aproveitamento na Libertadores após duas rodadas disputadas. Respeitando a punição da Conmebol, o Peixe atuou sem o apoio de sua torcida e não precisou de uma atuação de destaque para bater os equatorianos. O único gol da partida foi marcado por Lucas Veríssimo.

O Alvinegro Praiano não contou com sua torcida, já que foi punido pela Conmebol com portões fechados por conta da confusão no Pacaembu em 2018, na eliminação da competição continental para o Independiente-ARG.

Com o resultado, o Santos se isolou na liderança do grupo G, com seis pontos somados. Na próxima rodada, a equipe recebe o Olímpia, na Vila Belmiro, na terça-feira que vem, às 21h30. Enquanto isso, o Delfín permaneceu com apenas um ponto, na terceira colocação. O próximo compromisso dos equatorianos será contra o Defensa y Justicia, na Argentina.

O jogo

O Santos iniciou a partida explorando principalmente o lado esquerdo, com Soteldo. A primeira chance perigosa do Peixe saiu dos pés do venezuelano, que levantou na cabeça de Kaio Jorge e o atacante testou pouco acima do travessão.

Aos 29 minutos da primeira etapa, o Santos abriu o placar com Lucas Veríssimo. Sánchez bateu falta pela esquerda e Veríssimo aproveitou a saída atabalhoada do goleiro do Delfín para cabecear para as redes.

Após balançar as redes, o Peixe teve duas boas oportunidades para ampliar. Primeiro, Sánchez puxou contra-ataque e encontrou Pituca, que finalizou de fora da área e exigiu defesa de Baroja. Na sequência, depois de jogada pela esquerda, Sánchez recebeu de frente para o gol e finalizou, parando novamente no goleiro. No entanto, o Delfín também assustou: após rebote de escanteio, Alaníz soltou a bomba e a bola tirou tinta da trave.

O Santos voltou em ritmo lento no segundo tempo e tomou um susto logo no início. Nazareno cruzou na entrada da área e Alaníz chegou batendo de primeira à direita da meta defendida por Everson. O meia voltou a assustar em novo chute de frente para o gol, dessa vez parando no goleiro do Peixe.

A primeira chance de gol do Santos na segunda etapa veio nos pés de Yuri Alberto, que entrou no lugar de Kaio Jorge no intervalo. Soteldo desceu pela esquerda e encontrou o atacante dentro da área, que finalizou cruzado de esquerda e a bola passou próxima da trave. Na sequência, Sánchez tentou cruzamento pela esquerda, ninguém tocou na bola e Baroja teve que cair para evitar o gol do Alvinegro.

O Delfín ensaio uma pressão no final da partida, porém não conseguiu ser efetivo e o Peixe saiu de campo com os três pontos, apesar de uma atuação apagada.

Bastidores – Santos TV:

Veríssimo minimiza atuação sem brilho do Santos e destaca 100% de aproveitamento

O Santos não esteve em uma de suas noites mais inspiradas, porém conseguiu vencer o Delfín por 1 a 0, na Vila Belmiro, com um gol marcado por Lucas Veríssimo. O zagueiro marcou de cabeça ainda no primeiro tempo, após cruzamento de Sánchez.

Na opinião do defensor, o mais importante neste momento é a pontuação do Peixe. Veríssimo reconhece que o Alvinegro Praiano “pode mais”, porém destaca o 100% de aproveitamento da equipe na Libertadores.

“Buscamos a vitória do início ao fim do jogo, infelizmente não fizemos uma grande exibição, mas o que importa na Libertadores é vencer. Conseguimos somar seis pontos em dois jogos, acredito que seja importante para a sequência do campeonato. A gente sabe que a equipe pode mais, vamos trabalhar para melhorar”, afirmou o zagueiro.

“Não em termos de concentração, mas perde a graça. O torcedor é muito importante, principalmente dentro de casa, mas infelizmente aconteceu de não poder vir. A gente entrou concentrado, mas infelizmente não fizemos um grande jogo”, completou.

Com o resultado, o Santos se isolou na liderança do grupo G, com seis pontos somados. Na próxima rodada, a equipe recebe o Olímpia, na Vila Belmiro, na terça-feira que vem, às 21h30. Antes disso, o Peixe visita o São Paulo, pelo Campeonato Paulista, no sábado, às 19h.

Lucas Veríssimo cita propostas e cobra “valorização” no Santos

Lucas Veríssimo foi o responsável por garantir a vitória do Santos sobre o Delfín, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. O zagueiro marcou o único gol do Peixe na partida, completando de cabeça cruzamento de Sánchez em batida de falta.

Após o jogo, o defensor foi perguntado sobre um suposto interesse do Atlético-MG em sua contratação, já que Jorge Sampaoli assumiu o comando dos mineiros. Veríssimo não negou a sondagem do Galo, citou propostas já recebidas desde que passou a se destacar pelo Peixe e aproveitou para reivindicar uma valorização no clube.

“Trabalhei com o professor (Jorge Sampaoli), trabalhei bem. Ouvi esses rumores, a única coisa que peço é uma valorização, já tive propostas aqui no clube e ainda não fui valorizado. Digo isso diretamente para o Peres, mas aqui quero falar sobre o jogo”, afirmou o zagueiro ao Premiere.

Desde que se firmou na zaga do Santos, Veríssimo recebeu propostas do futebol europeu em 2017 e 2018. No entanto, o clube esperava receber ofertas vantajosas pelo jogador no final do ano passado, o que não aconteceu. Dessa forma, o defensor permaneceu no plantel do Peixe.

Luan Peres critica exposição desnecessária do Santos ao fim da partida

Se por um lado a vitória sobre o Delfín nesta terça-feira foi importante para o futuro do Santos na Libertadores, por outro o Peixe apresentou um futebol sem brilho na Vila Belmiro. Além de Jesualdo Ferreira, Luan Peres também reconheceu que o Alvinegro Praiano não mostrou o brilho dos últimos jogos.

O zagueiro concedeu entrevista coletiva ao lado do treinador e destacou a exposição desnecessária do Santos ao fim da partida desta terça. Mesmo com a vantagem de 1 a 0 no placar, o Peixe cedeu espaços para contra-ataques do Delfín na reta final do jogo.

“É um ponto que tocamos no jogo, estávamos cobrando o meio-campo. Não podemos tomar contra-ataque aos 40 minutos do segundo tempo em Libertadores. Estávamos mais preocupados em fazer o gol do que defender faltando pouco tempo. Faltou um pouco de equilíbrio, experiência, não precisava se expor. E faltando cinco minutos seria difícil”, analisou o zagueiro.

“Cansaço bateu também, claro, mas terminamos inteiros para a próxima partida. É o detalhe de ter mais experiência, são lances capitais. Professor colocou o Evandro para dar mais substância, ganhamos mais o meio-campo. Tentamos segurar a bola com Arthur e Yuri, mas era difícil, defesa forte, e no próximo jogo vamos entrar mais ligados”, completou.

Jesualdo destaca falta de controle e reconhece jogo abaixo da média do Santos

O Santos chegou a sua terceira vitória consecutiva ao derrotar o Delfín por 1 a 0, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. Apesar do bom momento vivido pelo Peixe, a equipe não teve uma atuação de destaque e jogou apenas o suficiente para bater os equatorianos.

Na entrevista após a partida, Jesualdo Ferreira reconheceu que o Santos não esteve em uma noite inspirada e vitou a falta de controle como o principal problema na apresentação do Peixe na Vila Belmiro.

“Equipe nunca teve o jogo controlado, não controlou a bola como fizemos em outros jogos. Então passamos por problemas. Houve falta de controle e isso nós fazemos bem. Mas é preciso destacar a importância da vitória e a liderança do grupo”, pontuou o treinador.

Jesualdo destacou o cansaço acumulado das últimas partidas e a ausência de torcedores na Vila Belmiro como fatores que dificultaram a vida do Santos contra o Delfín.

“São três jogos a ganhar. Copo cheio ou vazio… São três vitórias. Não foi um jogo fácil, não atingimos o nível de outros jogos, com nossa qualidade. Jogadores sentiram uma pressão muito grande, com responsabilidade do jogo. Se sentiram mais à vontade na Argentina. Mas uma vitória, mais uma e num espaço curto de três dias, há o cansaço, claro, e outra parte que tem a ver com a pressão. Tenho experiência de jogar sem público e não é bom. É um campo neutro, sem pressão”, comentou o técnico.

Apesar do descontentamento com a atuação de sua equipe, Jesualdo ressaltou a boa pontuação do Santos nas duas competições que disputa nesta temporada. O treinador ainda lembrou que tem sofrido com desfalques nas últimas partidas.

“É nosso 11º jogo, Santos lidera o Campeonato Paulista e a Libertadores. Isso que é importante valorizar. Outra coisa: perdemos opções para mexer, valorizar os jogadores e ganhar até por mais. Tivemos que nos sujeitar ao jogo, e isso não é bom, mas fica a vitória. Tempo curto, difícil recuperar e estamos próximos de situação muito boa na Libertadores e Paulista. Tenho que dar os parabéns aos jogadores pela forma que trabalharam, lutaram, sofreram, nesse e em outros jogos. Sabem o quanto admiro e quanto espero que essa equipe pode chegar e fazer”, finalizou.