San José 2 x 1 Santos

Data: 19/03/2008, 21h50
Competição: Copa Libertadores
Local: estádio Jesus Bermudez, em Oruro, Bolívia.
Árbitro: Samuel Haro (EQU)
Auxiliares: Daniel Salazar e Carlos Herrera (ambos do EQU)
Cartões amarelos: Domingos, Pereira, Salles (S), Palácios (SJ)
Gols: Kléber Pereira (07-1), Cerruti (11-1); Garcia (16-2).

SAN JOSÉ
Daniel Vaca; Enrique Parada, Luis Palacios, Carlos de Castro e Alvarenga; Garcia (Moreon),Coelho, Alex da Rosa, Peña (Saucedo) e Ribeiro; Cerruti (Rojas)
Técnico: Marcos Ferrufino

SANTOS
Fábio Costa; Adriano, Betão, Domingos e Kléber; Marcinho Guerreiro (Salles, depois entrou Tripodi), Rodrigo Souto e Molina, Kléber Pereira, Wesley e Sebastián Pinto (Evaldo)
Técnico: Emerson Leão



Santos se retrai e sofre virada do San José na Libertadores

O Santos começou melhor, abriu o marcador contra o San José e deu a impressão de que conseguiria vitória até de forma tranqüila, mas permitiu a virada do time boliviano, por 2 a 1, em Oruro, estacionando na vice-liderança do grupo 6 da Libertadores.

Dono das principais ações ofensivas no 1º tempo, o Santos, porém, teve seu posicionamento tático radicalmente modificado por Emerson Leão no segundo tempo. Saiu Sebastián Pinto e entrou o zagueiro Evaldo. A mudança reduziu drasticamente o poder ofensivo da equipe e permitiu avanços do San José.

Mesmo mais cauteloso na etapa final, o Santos reclamou de pênalti não marcado sobre Kléber Pereira.

Apesar da derrota, o Santos segue na vice-liderança da chave, tendo agora o mesmo de pontos que os rivais de Oruro, quatro pontos. O líder é o Cúcuta, com cinco pontos. O Chivas soma três pontos.

Equipe brasileira que mais vezes enfrentou times da Bolívia na história da Libertadores, o Santos não impôs seu ótimo retrospecto diante de clubes desse país, que era de sete vitórias e apenas uma derrota.

Acostumado a jogos nas alturas, o San José aproveitou o ar rarefeito para abusar de chutes de longa distância, dando trabalho para Fábio Costa em pelo menos três lances perigosos. Vendo a necessidade de poupar o ar em Oruro, o Santos também priorizou tabelas e tiros de fora da área.

O gol santista ocorreu no começo do jogo. Cruzamento de Sebastián Pinto na cabeça de Kléber Pereira, que se desvencilhou facilmente do zagueiro rival, aos 7 min.

Um minuto depois, o San José chegou a marcar, com De Casto, mas o árbitro equatoriano Samuel Haro assinalou falta em Rodrigo Souto. No entanto, o San José igualou placar em jogada de velocidade. Cerruti invadiu a área e finalizou no contrapé de Fábio Costa.

Uma cena atípica logo após o apito do árbitro nos 45 min iniciais. O médico do Santos, Jorge Merouço, distribuiu balões com oxigênio aos jogadores, que sentiram os 3.700m de altitude.

Com três zagueiros na etapa complementar, o time da Vila viu o San José criar mais oportunidades. Numa bobeada do zagueiro Domingos, que cedeu espaço para o meia García, o Santos levou a virada no marcador, aos 16 min.

Insatisfeito com a entrada de Salles no segundo tempo, Leão sacou o zagueiro/volante e colocou Tripodi, voltando ao esquema 4-3-3.

O Santos foi seriamente prejudicado pela arbitragem, que não assinalou pênalti em Kleber Pereira, puxado pela camisa dentro da área. Para piorar, o atacante santista ainda recebeu o amarelo por ter reclamado do lance.