Data: 02/03/2011
Competição: Copa Libertadores
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.735 pagantes
Renda: R$ 475.300,00
Árbitro: Hector Baldasse, auxiliado por Ricardo Casas e Alejo Castany (trio argentino)
Cartões amarelos: Elano, Léo, Zé Eduardo, Neymar (S); Formica, Burgos, Diego Barreto, César Benítez (CP).
Gols: Elano (10-2) e Nanni (47-2).

SANTOS
Rafael, Jonathan, Edu Dracena, Durval e Léo; Rodrigo Possebon (Adriano), Danilo, Elano e Diogo (Alex Sandro); Neymar e Zé Eduardo (Keirrison).
Técnico: Marcelo Martelotte

CERRO PORTEÑO
Diego Barreto, Ivan Piris, Pedro Benítez, Luis Cardozo (Bareiro), César Benítez; Jorge Nuñes, Luis Cáceres (Júlio dos Santos), Burgos e Formica (Torres); Nanni e Iturbe.
Técnico: Blas Cristaldo



Santos joga mal, sofre empate do Cerro no fim e entra em risco na Libertadores

O Santos voltou a apresentar um fraco futebol e sofreu um castigo merecido diante do Cerro Porteño, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, no segundo jogo da Libertadores, o primeiro em casa. O Cerro marcou o gol de empate por 1 a 1 no último minuto do jogo, e deixou o alvinegro na terceira posição do grupo 5, com dois pontos – o líder é o próprio Cerro, com quatro.

A equipe santista sofreu com o mesmo problema apresentado nos últimos jogos da era-Adilson Batista, a falta de criatividade, e só saiu na frente no placar graças ao gol de pênalti de Elano, aos 10 minutos. Da mesma forma, o Cerro empatou com Nani, aos 47 minutos.

Agora, o Santos soma dois pontos no grupo 5, e ainda vê o Colo Colo-CHI, o próximo adversário, dia 16, no Chile, à frente, com três. O lanterna é o Deportivo Táchira-VEN, que tem apenas um.

Além do futebol ruim, o Santos sofreu com a Vila vazia contra o Cerro. Apenas 6.735 torcedores pagaram o caro ingresso para comparecer ao jogo. Antes da partida, fanáticos protestaram contra o valor da entrada.

Sem Adilson Batista, a esperança do torcedor santista era a de ver a equipe melhorar a produção ofensiva, em queda nos últimos jogos. No entanto, os problemas na criação das jogadas foram novamente apresentados, e Neymar passou em branco pela quarta vez na temporada.

O jovem santista não conseguiu igualar o duelo direto contra a estrela argentina Juan Iturbe, apelidado de ‘novo Messi’. O atacante do Cerro havia vencido o santista no embate Brasil x Argentina no Sul-Americano sub-20.

O primeiro tempo passou sem o Santos executar nenhuma finalização perigosa. O alvinegro dava sinais de cansaço desde o início do jogo, e o tão cobrado esquema 4-3-3 não surtiu o efeito desejado.

Neymar arriscou poucas jogadas individuais, sofreu com a marcação dura do adversário, e teve as diversas reclamações ignoradas pelo árbitro argentino Hector Baldassi.

Já o rival direto do jovem santista, Juan Iturbe, foi mais incisivo na primeira etapa. A opção de velocidade para os contra-ataques do Cerro criou a melhor chance do primeiro tempo, aos 37 minutos, em jogada rápida pela direita da área, e cruzamento na cabeça Nuñes, que concluiu para fora.

O Santos foi para o intervalo do jogo deixando uma impressão ruim, mas, ao menos, foi poupado pela pouca torcida presente. Os fanáticos não vaiaram os jogadores, e tímidos gritos de apoio foram ouvidos.

Horas antes da partida, o departamento médico do Santos vetou Maikon Leite por conta de um inchaço apresentado no joelho direito. Opção de velocidade santista para o segundo tempo no banco de reservas era inexistente. O drama ia aumentando consideravelmente com o passar do tempo.

Com as mesmas peças em campo, Martelotte procurou dar velocidade ao time, trouxe Diogo para o meio, e jogando neste setor do campo ele deu o passe para Zé Eduardo no lance em que sofreu o pênalti do goleiro Diego Barreto. Elano cobrou no canto direito e abriu o placar.

O Cerro Porteño não mostrou nenhum poder de reação. A equipe paraguaia continuou à espera de contra-ataques, e como teve poucos, os santistas poucos sofreram enquanto estiveram em vantagem.

Mesmo assim, o castigo no minuto final ainda foi merecido. O Cerro empatou o jogo e prolongou a presença na liderança do grupo, agora com quatro pontos. O Santos se vê obrigado a pelo menos ganhar um jogo fora de casa para sonhar com a classificação.