São Caetano 0 x 3 Santos

Data: 12/12/2004, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 45ª rodada (penúltima)
Local: Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul, SP.
Público: 11.616
Renda: R$ 144.414,00
Árbitro: Rodrigo Martins Cintra (Fifa-SP)
Cartões amarelos: Gustavo, Lúcio Flávio, Marco Aurélio, Marcinho e Triguinho (SC); Mauro, Leonardo, Fabinho, Bóvio e Deivid (S).
Cartão vermelho: Marcelo Mattos (SC).
Gols: Elano (32-1); Ricardinho (07-2, de pênalti) e Basílio (16-2).

SÃO CAETANO
Silvio Luiz; Paulo Miranda, Thiago Martinelli, Gustavo e Triguinho; Mineiro, Marcelo Mattos, Marco Aurélio (Éder) e Lúcio Flávio; Marcinho e Warley (Neto Mineiro).
Técnico: Péricles Chamusca

SANTOS
Mauro; Paulo César, Ávalos, Leonardo e Léo; Fabinho, Preto Casagrande (Bóvio), Ricardinho e Elano (Marcinho); Deivid e Basílio (William).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos vence o São Caetano e fica a uma vitória do título do Brasileiro-2004

A vitória de 3 a 0 sobre o São Caetano, neste domingo, no estádio Anacleto Campanella, no ABC, deixou o Santos na liderança e muito próximo do título do Campeonato Brasileiro-2004, quando resta apenas uma rodada para o final da competição.

O time da Baixada, dirigido por Vanderlei Luxemburgo, chegou aos 86 pontos na tabela de classificação, um a mais do que o Atlético-PR, que também neste domingo perdeu para o Vasco, 1 a 0, no Rio.

Na última rodada, dia 19, o Santos, que perdeu o mando de jogo, enfrentará o Vasco, em São José do Rio Preto (SP). Com uma vitória, será campeão sem depender do resultado dos paranaenses. Em Belo Horizonte, o São Caetano jogará contra o Atlético-MG.

O time do ABC entrou em campo tentando esquecer o julgamento no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) que lhe tirou 24 pontos no caso da morte do zagueiro Serginho. Sua diretoria recorreu e, caso recupere os pontos, voltará a ter chances de classificação na Taça Libertadores-2005. Atualmente, tem 53 pontos.

No início da partida, as primeiras chances de gol foram criadas pelo São Caetano. Aos 16min, o zagueiro Marco Aurélio, impedido, abriu o placar, mas o gol foi corretamente anulado pelo árbitro Rodrigo Martins Cintra.

Aos 23min, em sua melhor chance na etapa inicial, o time do ABC quase abriu o placar com o meio-campista Lúcio Flávio, que acertou a trave de Mauro numa cobrança de falta. Pouco depois, Mineiro avançou pela direita e chutou forte, assustando o goleiro santista.

O Santos, no entanto, foi mais eficiente quando chegou ao ataque. O meio-campista Elano, de volta à equipe depois de se recuperar de uma contusão no tornozelo direito, abriu o placar aos 32min. Ele pegou uma sobra de bola dentro da área adversária e chutou forte, sem defesa para Silvio Luiz.

Aos 38min, Elano quase ampliou num chute cruzado, no último lance de perigo da etapa inicial.

Logo aos 7min da etapa final, o Santos tratou de consolidar a vitória. Léo invadiu a área do São Caetano e foi derrubado por Marco Aurélio. Ricardinho cobrou com categoria e ampliou o resultado.

Aos 16min, Léo escapou pela esquerda e cruzou para Basílio desviar de cabeça. Depois, o Santos administrou o resultado com uma adversário que mostrou pouca força ofensiva.

Santos forte

Por quatro rodadas o Santos perseguiu o Atlético-PR sem sucesso. A uma jornada do fim do torneio, atropelou o São Caetano, contou com a ajuda do Vasco, ultrapassou os paranaenses e colocou a mão na taça do Brasileiro.

O time de Vanderlei Luxemburgo viveu um domingo perfeito. Marcou 3 a 0 no São Caetano fora de casa, vibrou ao ver o então ameaçado Vasco brecar o Atlético-PR, festejou o fim do sonho são-paulino e agora depende apenas de seus pés diante, também, do Vasco, para chegar a seu segundo troféu brasileiro.

No domingo que vem, o Santos pode sair com o título de São José do Rio Preto até com uma derrota -basta que o Atlético-PR tropece diante do desesperado Botafogo na Arena da Baixada.

Contra o Vasco, Luxemburgo tenta aumentar sua invejável lista de recordes. Tetracampeão brasileiro, pode ampliar a dianteira como o técnico mais premiado do país -Rubens Minelli e Ênio Andrade levaram três vezes a taça.

O treinador santista pode ainda conquistar seu segundo título seguido e ver sua equipe superar o recorde de gols obtido pelo seu Cruzeiro em 2003.

Na ponta de baixo da tabela, cinco equipes ainda lutam para escapar do rebaixamento.

Técnico espera conquista “mais difícil” da vida

“Vou trabalhar para que esse título fique com o Santos. Com certeza vai ser a conquista mais difícil da minha carreira. Não vou deixar essa chance escapar.”

É com esse pensamento que o técnico Vanderlei Luxemburgo vai preparar a equipe para o último jogo do Brasileiro, no próximo domingo, contra o Vasco, em São José do Rio Preto, para ficar com o título.

Após a vitória de ontem no estádio Anacleto Campanella, Luxemburgo já traçou a sua estratégia de trabalho e disse que vai cobrar ainda mais de seus comandados. “O comprometimento agora vai ter de ser total. Quem tiver alguma diferença com o outro vai ter de superar porque cumprimos o nosso objetivo de chegar na última rodada dependendo só da gente. E sem clima de já ganhou. A vitória sobre o Vasco e o título vão refletir tudo o que fizemos durante o campeonato.”

E nem mesmo a informação divulgada pelas TVs dizendo que Eurico Miranda iria colocar um time misto para jogar contra o Santos em Rio Preto o fez desviar do foco. “Vou preparar o time para pegar o Vasco. E tenho certeza de que a torcida vai nos apoiar e vai tomar a cidade de Rio Preto para nos ajudar”, completou o técnico.

Ricardinho lidera time e cai nas graças da torcida

Número 8 às costas da camisa branca do Santos e faixa de capitão no braço esquerdo, Ricardinho deixou o estádio Anacleto Campanella como o mais celebrado jogador da equipe.

Com a conversão do pênalti sofrido por Léo, o meia marcou pela décima vez com a camisa do Santos e se tornou o autor do 100º gol da equipe da Vila Belmiro neste Brasileiro.

“Pênalti é sempre uma grande responsabilidade. Ainda mais hoje [ontem] porque estava só 1 a 0”, disse ele, que liderou a comemoração após os dois últimos gols e teve seu nome gritado pela torcida.

Próximo de conquistar seu terceiro título nacional – o primeiro fora do Corinthians-, o meia se destacou ontem. Ele foi o jogador mais acionado do Santos, com 30 bolas recebidas e teve o melhor aproveitamento de passes: 88,6%. O meia destacou-se ainda nos cruzamentos (sete), nos lançamentos (dois) e na marcação, com cinco desarmes.

O desempenho de Ricardinho marca sua volta por cima após a passagem pelo São Paulo, de onde saiu, em 2004, com sua imagem arranhada e seu futebol contestado e uma obscura passagem pelo Middlesbrough (ING).



Zé Elias relembra quando Luxemburgo irritou-se e deixou o treino por conta dos jogadores por 3 dias

Em 26/09/2019, durante o programa da ESPN, o ex-volante Zé Elias contou uma curiosidade sobre a semana que antecedeu esta partida.

Zé Elias relembrou que alguns jogadores do Santos cometeram atos de indisciplina que irritaram Luxemburgo. Irritado, o técnico então deixou os treinamentos sob responsabilidade dos jogadores por 3 dias, na reta final do Brasileirão de 2004, e ameaçou jogar o ocorrido para a imprensa caso eles não correspondessem em campo.

O Santos atropelou o São Caetano no Anacleto por 3 a 0 na penúltima rodada, tomou a liderança do Atlético-PR e acabou conquistando o título. Veja o vídeo abaixo.

Santos inicia seu mata-mata particular

Vitória na “partida de ida” no ABC credenciará time a enfrentar o Vasco com chances de chegar ao título nacional

O Brasileiro é de pontos corridos, mas para o Santos o campeonato ganhou em suas duas últimas rodadas circunstâncias de um mata-mata valendo o título.

O time de Vanderlei Luxemburgo encara o São Caetano hoje, às 16h, no Anacleto Campanella, dependendo só de si para ter o que fazer diante do Vasco, na última rodada, em São José do Rio Preto.

“É um mata-mata, só que a gente vai ter que vencer o São Caetano para ter o direito de fazer o jogo de volta contra o Vasco”, afirmou o meia Ricardinho, na concentração do time num hotel em Atibaia, interior paulista.

Se vencer, a equipe do litoral empurra a decisão do Brasileiro para a última rodada. Hoje, está a dois pontos do Atlético-PR e sabe há muitas rodadas que esperar tropeços de Washington e companhia é tarefa ingrata.

O único desfalque certo é o atacante Robinho (artilheiro da equipe com 21 gols, ao lado de Deivid), que enfrenta problemas particulares. Elano pode voltar à equipe depois de passar quase um mês fora por lesão no tornozelo. Ricardinho e Basílio, que sentiam dores musculares, devem atuar.

Se confirmar esse trio ao lado de Deivid, Luxemburgo terá em campo os responsáveis por 58 dos 98 gols do Santos no Brasileiro, o que aumenta as chances de a equipe alcançar a marca dos cem tentos no Anacleto Campanella.

Só não pode deixar um azulão pousar de novo em sua sorte. O Santos nunca venceu o São Caetano pelo Brasileiro. Até hoje, só um empate foi bom negócio para o atual vice-líder, em cinco jogos.

No retrospecto total, a balança ainda pende para o São Caetano. Em 13 jogos, foram cinco vitórias azuis contra quatro santistas.

Neste ano, a equipe do ABC foi particularmente cruel com o Santos. Em casa, eliminou-o do Paulista com uma goleada de 4 a 0 e, no primeiro turno do Brasileiro, venceu por 1 a 0 na Vila Belmiro, gol de Fabrício Carvalho.

Ricardinho, contudo, não tem medo do ocorrido contra o São Caetano. “Não são as partidas do passado que vão determinar se a gente vai ganhar ou perder. Tabu é uma palavra criada para falar de algo que vai ser quebrado. Pode demorar mais ou menos, mas uma hora acaba”, afirma o meia.

Diante do rival, Luxemburgo assume uma postura respeitosa. “O São Caetano é possivelmente a equipe que contratou melhor neste ano. Os caras vão jogar sem cinco titulares e, quando você olha o time deles, ainda vê uma equipe competitiva”, declarou o técnico.

O time do ABC, que disputava vaga na Taça Libertadores até perder 24 pontos no STJD na semana passada pelo caso Serginho, não terá Ceará, Dininho, Euller e Fabrício Carvalho, suspensos, e Anderson Lima, lesionado.

Os desfalques mais sentidos serão os dois últimos, já que a combinação das bolas paradas de Anderson Lima com o jogo aéreo de Fabrício Carvalho era a principal arma ofensiva do time de Péricles Chamusca. As novidades são a volta de Silvio Luiz ao gol, recuperado de lesão na coxa, e Warley e Marcinho atuando no ataque.