Data: 06/04/2011
Competição: Copa Libertadores – Grupo 5 – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.871 pagantes
Renda: R$ 537.295,00
Árbitro: Roberto Silvera (URU), auxiliado por Maurício Espinosa (URU) e Marcelo Costa (URU).
Cartão vermelho: Neymar, Zé Eduardo e Elano (S); Scotti e Jorquera (CC)
Cartões amarelos: Neymar, Elano, Ganso, Rafael (S), Wilchez, Magallanes, Cabión, Cabrera (CC)
Gols: Elano (34-1), Danilo (35-1); Neymar (07-2), Jerez (36-2) e Rúbio (41-2).

SANTOS
Rafael, Pará (Bruno Aguiar), Dracena, Durval e Léo; Adriano, Danilo, Elano e Ganso (Alex Sandro); Neymar e Zé Eduardo.
Técnico (interino): Marcelo Martelotte

COLO-COLO
Castillo, Magallanes, Cabrero, Scotti e Jerez; Mena (Cabión), Salcedo (Gazale), Fuenzalida (Rubio), Wilchez e Jorquera; Miralles
Técnico: Américo Gallego



Santos vive drama em vitória para Muricy, respira, mas perde Elano e Neymar expulsos

A noite, aparentemente, de festa para a torcida santista se transformou em drama e apreensão futura. O Santos passeava em campo na Vila Belmiro, nesta quarta-feira, e vencia o Colo-Colo por 3 a 0, pela Libertadores, sob os olhares de Muricy Ramalho, presente no camarote presidencial.

No entanto, Neymar, autor de um golaço no início do segundo tempo, foi expulso ao comemorar usando uma máscara de propaganda pessoal com o seu rosto. A situação mudou, o adversário marcou dois gols, assustou, e ainda contou com a infantil expusão de Elano por atirar uma toalha para o campo quando estava no banco de reservas. A vitória foi garantida, mas o meia e o jovem atacante estão fora da partida considerada decisiva na Libertadores, diante do Cerro Porteño, na próxima semana, no Paraguai.

Minutos depois de perder Neymar, Zé Eduardo também foi expulso juntamente com o zagueiro rival Scotti após desentendimento entre ambos. Antes disso, o Santos já havia garantido uma certa tranquilidade na partida com os gols de Elano e Danilo na primeira etapa.

Como se não bastasse a situação dramática desenhada por Elano e Neymar, o Santos ainda viu Paulo Henrique Ganso ser substituído ao sair de campo na maca, reclamando de dores.

Com o triunfo, o Santos ainda não entra na zona de classificação às oitavas-de-final, permanece na terceira posição do grupo 5, agora com cinco pontos, mas cumpre a primeira etapa do “reinício” na competição, após três jogos sem vitória.

O Colo-Colo caiu para a vice-liderança, com seis pontos, enquanto o Cerro Porteño assumiu a ponta, com 8. O lanterna é o Deportivo Táchira, da Venezuela, com apenas 2.

O próximo duelo santista na Libertadores, diante do Cerro Porteño, no Paraguai, quinta-feira, dia 14 de abril tem ares de decisão, pois uma derrota pode resultar na eliminação do Santos. Isso vai acontecer se, também, o Colo-Colo vencer o Deportivo Táchira, na Venezuela. Algo que parece simples.

O Santos entrou em campo contagiado pela animação da torcida e impôs uma imensa pressão ao adversário, mesmo que de maneira desordenada. Danilo era o único santista com liberdade para percorrer pelo campo, e aproveitava os espaços para aparecer na grande área. Foi dele o primeiro lance de perigo, logo aos 2 minutos.

O Colo-Colo optou por deixar o centroavante Miralles isolado na frente, e não conseguia encaixar os perigosos contra-ataques apresentados no duelo em Santiago.

Tanto que a melhor chance da equipe chilena na primeira etapa foi de bola parada. Aos 26 minutos, Wilchez tentou cruzar a bola na área, acabou pegando errado nela, e viu a tentativa terminar no travessão de Rafael.

A partir deste lance, a torcida santista passou a sentir angustia no estádio. O gol estava demorando a sair. O momento tão esperado só aconteceu aos 33 minutos, quando Elano acertou uma linda cobrança de falta de média distância no ângulo esquerdo de Castillo.

A torcida, santista, aliviada, voltou a empurrar o time com veemência, e foi recompensada dois minutos depois com o gol de Danilo, novamente, o elemento surpresa na grande área do adversário.

Apesar do resultado adverso, o Colo-Colo não optou por modificar a maneira de jogar, e passou o restante da primeira etapa esperando pacientemente por um bom contra-ataque. Algo que não aconteceu.

O Santos levou uma bela vantagem para o segundo tempo, e rapidamente aumento com o golaço de Neymar, aos 6 minutos. A festa só não foi grande, pois a expulsão do jovem na comemoração baqueou os torcedores.

O alvinegro sentiu o peso em campo, e se limitou a tocar a bola, esperando o tempo passar. O Colo-Colo diminuiu com Jerez, aos 36 minutos, e Diego Rubio, aos 41 minutos. Apesar do resultado, o desfecho da partida parece ter feito aumentar o drama santista na Libertadores.