Santos 1 x 1 El Nacional

Data: 16/04/2003, quarta-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 3 – 6ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Oscar Sequeira (ARG).
Cartões amarelos: Nenê, Diego (S) e Bran (N).
Gols: Ricardo Oliveira (18-1) e Chalá (12-2).

SANTOS
Fábio Costa; Elano, Preto, André Luís e Léo; Alexandre (Daniel), Fabiano (Wellington), Diego e Nenê (Rubens Cardoso); Robinho e Ricardo Oliveira.
Técnico: Emerson Leão

EL NACIONAL
Sánchez; Bran (Erick De Jesús), Franklin Anangonó, Jorge Guagua e Luis Checa; Juan Carlos Burbano, David Quiroz, Édison Méndez e Cléber Chalá (Lara); Ángel Fernández e Carlos Grueso.
Técnico: Paulo Massa



Santos encerra 1ª fase da Libertadores com empate com o El Nacional

O Santos encerrou sua participação na primeira fase da Taça Libertadores da América com um empate com o El Nacional por 1 a 1, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro.

O time paulista saiu na frente com Ricardo Oliveira, aos 18min do primeiro tempo (foi o sexto gol do atacante no torneio). O El Nacional igualou com Chalá, aos 12min da etapa final.

A equipe equatoriana foi a única que os santistas não venceram em sua campanha no Grupo 3. No jogo de ida, em Quito, as duas equipes haviam ficado no 1 a 1.

O atual campeão brasileiro terminou invicto a fase inicial (venceu duas vezes o 12 de Octubre e o América de Cali) e nas oitavas-de-final enfrenta o Nacional.

O time uruguaio garantiu hoje sua classificação ao empatar com o Universitario por 2 a 2, em Lima (Peru). O Santos terá a vantagem de decidir em seu estádio.

A outra vaga do Grupo 3 ficou com o América de Cali, que ganhou do 12 de Octubre por 4 a 1, em Assunção. A equipe colombiana terminou com dez pontos, quatro atrás do Santos.

Oliveira marca e vira goleador da Libertadores

O jogo do Santos contra o El Nacional, pela Libertadores, foi um presente para o atacante Ricardo Oliveira.

Foi dele o gol do empate por 1 a 1 com os equatorianos. O resultado só ratificou a liderança do Santos, que chegou a 14 pontos no Grupo 3 da Libertadores. Agora, os santistas enfrentarão o Nacional (URU) nas oitavas-de-final.

Pivô de uma polêmica durante a semana envolvendo seu contrato com o Santos, Oliveira temia que a divulgação de uma suposta cláusula que prevê bônus para gols marcados e artilharia pudesse prejudicar o relacionamento com seus companheiros.

Ele, que chegou a confirmar a existência de tal cláusula, recuou anteontem e disse que só receberá um adicional caso seja artilheiro.
Ontem, o atacante foi o mais acionado do ataque santista. Com o gol, chegou a seis na competição e é um dos artilheiros do torneio ao lado de Róbson, do Paysandu.

A solidariedade a Oliveira foi um pedido do próprio técnico Emerson Leão aos seus jogadores.

“Vamos ajudá-lo a ser artilheiro e acabar com insinuações de que não estão passando a bola para ele”, afirmou o treinador.

E a ajuda veio logo no início do jogo, mas foi do goleiro Sànchez. Ricardo Oliveira aproveitou falha em reposição de bola, passou por um defensor e chutou cruzado. O goleiro equatoriano conseguiu se redimir do erro e fez a defesa.

A letargia do time adversário, que precisava da vitória para ter chance de se classificar para as oitavas-de-final, fazia com que o time santista atacasse, em doses homeopáticas, mas com muita tranquilidade. E foi assim que o Santos abriu o placar, aos 19min.

Ricardo Oliveira recebeu na entrada da área e chutou forte, à meia altura, no canto esquerdo do goleiro Sànchez.

Os equatorianos se enervaram ainda mais após o gol. Os santistas aproveitaram. Ricardo Oliveira, Alexandre e Robinho quase ampliaram para o time da casa.

Do outro lado, Fábio Costa apenas observava o jogo. O goleiro do Santos não fez uma defesa sequer no primeiro tempo. O máximo que o El Nacional conseguiu foi um chute de Mendéz na trave.

Enquanto isso, Sànchez continuava fazendo defesas, e Ricardo Oliveira perdendo gols.

No segundo tempo, porém, os santistas parecem ter perdido o interesse pela partida. Como consolo para a equipe equatoriana, Chalá empatou o jogo aos 13min.