Cruzeiro 1 x 1 Santos

Data: 11/06/2011 – 18h30
Competição: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, MG.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ).
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa/RS) e Roberto Braatz (Fifa/PR).
Cartões amarelos: Dudu, Pablo e Henrique (C); Vinicius e Richely (S).
Cartão vermelho: Vinicius (S).
Gols: Montillo (09-2) e Borges (44-2).

CRUZEIRO
Fábio; Vitor (Dudu), Léo, Gil e Gilberto; Marquinhos Paraná, Fabrício (Pablo), Henrique (Leandro Guerreiro) e Montillo; Wallyson e Anselmo Ramon.
Técnico: Cuca.

SANTOS
Aranha, Bruno Aguiar, Rafael Caldeira, Vinícius e Alex Sandro; Charles, Rodrigo Possebon e Roger (Felipe Anderson) Gaúcho; Rychely, Borges e Tiago Alves (Walace).
Técnico: Muricy Ramalho.



Com um a menos, Borges salva, e Santos arranca empate do Cruzeiro

Jogando com seus reservas e com um homem a menos desde o início do segundo tempo, o Santos sofreu diante do Cruzeiro, mas contou com nova atuação decisiva do recém-contratado Borges. Depois de estrear com dois gols na vitória sobre o Avaí, o jogador balançou as redes aos 44min do segundo tempo para evitar a derrota diante do Cruzeiro e definir empate por 1 a 1, pelo Campeonato Brasileiro.

O resultado obtido pelo Santos apesar da expulsão de Vinícius, aos 6min do segundo tempo, mantém a série ruim do Cruzeiro. O time mineiro ainda não venceu no Campeonato Brasileiro, com apenas dois pontos em quatro jogos. Nem mesmo a estreia de seu terceiro uniforme ajudou. Nas cores verde e branca, relembra a fundação da equipe, que nasceu em 1921 com o nome de Societá Sportiva Palestra Itália. Os paulistas, por outro lado, têm sete pontos em 12 disputados.

Depois deste sábado, o Santos ganha uma folga no Campeonato Brasileiro: só vai voltar a campo em 26 de junho, contra o Figueirense. Os duelos com Corinthians e América-MG, pela quinta e sexta rodadas, foram transferidos por conta da disputa da final da Copa Libertadores. Na quarta-feira, o time pega o Peñarol em Montevidéu, no Uruguai. Na semana seguinte, decide no Pacaembu.

Já o Cruzeiro, equipe que teria entrado no caminho do Santos na competição continental se tivesse passado pelo Once Caldas, vai continuar em busca de reação após o começo ruim no Brasileiro. A próxima rodada será de clássico mineiro: terá pela frente o América-MG, às 21h do sábado, quando o Cruzeiro atuará como visitante – com a interdição do Mineirão, os times da capital não têm onde mandar seus confrontos.

Apesar de atuar com os reservas, o Santos não deixou o Cruzeiro dominar o jogo no primeiro tempo. Ambos os times tiveram atuação monótona, com poucas chances de gol e muita marcação. O goleiro do time paulista, Aranha, foi mais exigido: defendeu chute de Anselmo Ramon aos 5min, espalmou boa finalização da intermediária feita por Wallyson, aos 18min, e desviou chute certeiro de Montillo, pela lateral, aos 33min.

O Santos, por sua vez, teve sua melhor chance aos 32min, quando Borges tocou para Roger na área. O jogador emendou forte chute de dentro da área, espalmado por Fábio. Logo aos 5min, a inexperiência começou a pesar para o Santos. Em uma disputa de bola no meio-campo, Vinícius usou força desproporcional sobre Dudu e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo expulso pelo árbitro.

Para corrigir a equipe taticamente, Muricy Ramalho tirou o meia Tiago Alves e colocou em campo outro atleta jovem: o zagueiro Wallace, 18 anos. Em seu primeiro lance, o defensor deu o bote em Anselmo Ramon dentro da área, quando outros dois marcadores estavam cercando o lance. O árbitro anotou pênalti, devidamente convertido por Montillo. A série de erros desequilibrou o Santos no confronto.

O Cruzeiro partiu para cima, acuou o Santos no campo de defesa e por muito pouco não ampliou aos 14min, quando Dudu bateu da entrada da área. Wallace se esticou e fez desvio providencial, fazendo a bola passar rente ao poste direito de Aranha. O goleiro defendeu bem aos 33min, quando Alessandro tabelou com Anselmo e bateu com força, cruzado. Quando não alcançou, o santista teve sorte: aos 36min, Montillo arriscou de longe e acertou o travessão.

Apesar da postura defensiva, o Santos ainda chegou bem e quase empatou o duelo. O lance foi polêmico: Felipe Anderson levantou a bola na área em cobrança de falta e Borges dominou sozinho para tocar na saída de Fábio. A arbitragem considerou um desvio do ataque santista na disputa pela bola e anotou impedimento, o que irritou o técnico Muricy Ramalho.

Ao final do jogo, Borges conseguiu o gol: completou cruzamento e salvou o Santos, deixando os jogadores do Cruzeiro abatidos e a torcida irritada. O time segue sem vencer na competição, apesar de ter mostrado boa atuação dentro de casa.