Santos 2 x 1 Peñarol

Data: 22/06/2011, quarta-feira, 21h50.
Competição: Copa Libertadores – Final – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 40.157 pessoas (37.984 pagantes e 2.173 não pagantes)
Renda: R$ 4.266.670,00
Árbitro: Sergio Pezzotta (ARG).
Auxiliares: Ricardo Casas e Hernán Maidana (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Neymar e Zé Eduardo (S); González e Corujo (P).
Gols: Neymar (01-2), Danilo (23-2) e Durval (34-2, contra).

SANTOS
Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro); Adriano, Arouca, Elano e Paulo Henrique Ganso (Pará); Neymar e Zé Eduardo.
Técnico: Muricy Ramalho

PEÑAROL
Sosa; González (Albín), Valdéz, Guillermo Rodríguez e Darío Rodríguez; Corujo, Aguiar, Freitas e Mier (Urretaviscaya); Martinuccio e Olivera.
Técnico: Diego Aguirre



Santos novamente conquista a América: tricampeão

O torcedor santista por muitos anos foi rotulado de “viúva de Pelé” por torcidas rivais. A geração liderada por Neymar e Paulo Henrique Ganso provou mais uma vez nesta quarta-feira contra o Peñarol que a chacota não faz sentido e que o clube a quase uma década vai muito além de Pelé. Voltou a ser vencedor e conquistar muitos títulos. Com o Pacaembu lotado, o time alvinegro venceu por 2 a 1 em jogo dramático e conquistou o tricampeonato da Libertadores.

Logo depois do apito final, os jogadores dos dois times começaram uma pancadaria generalizada dentro de campo. Até mesmo o atacante Neymar entrou no quebra-quebra, recebendo e desferindo golpes contra os atletas do Peñarol.

Os gols aconteceram na segunda etapa. Neymar marcou em uma jogada que contou com lindo passe de letra de Ganso. Danilo completou a festa santista no Pacaembu. Durval, contra, fez o gol do Peñarol.

O feito consagra a atual geração dos Meninos da Vila, que já havia conquistado dois Paulistas e uma Copa do Brasil. O Santos voltou a faturar a Libertadores após 48 anos. As duas outras estrelas sobre o escudo santista foram obtidas na era Pelé. O ex-camisa 10, aliás, conferiu a decisão do camarote do Pacaembu.

O título credenciou o Santos ao Mundial de Clubes, que acontece em dezembro no Japão. O Barcelona, campeão europeu, também assegurou presença na competição.

De volta após mais de um mês ausente em virtude de uma grave lesão muscular, Ganso ditou o ritmo do time no primeiro tempo, mas tinha dificuldade para criar as jogadas.

Quando Ganso encontrava um santista se infiltrando, os uruguaios paravam com falta. E sobraram oportunidades para Elano nas bolas paradas na primeira etapa. Na principal delas, Sosa fez ótima defesa, espalmando para escanteio.

O Peñarol deixou claro sua intenção de jogo: três zagueiros, com marcação individual em Neymar e busca de contragolpes certeiros. Rafael foi pouco incomodado nos 45 min iniciais.

Léo perdeu a melhor chance do primeiro tempo. Dentro da área, o lateral chutou para fora.

O segundo tempo começou como o Santos queria. Logo com 1 min, Ganso encaixou lindo passe de letra para Arouca. O volante viu Neymar se aproximando. O camisa 11 chutou rasteiro, rente a trave. Gol do Santos!

Bem marcado na etapa inicial, Neymar chamou o jogo no segundo tempo. O camisa 11 fez gol, se soltou em campo, arriscando dribles e retornava para roubar a bola dos adversários.

Obrigado a sair depois do gol santista, o Peñarol sentia a falta de criatividade. Adriano colecionou desarmes. Já o Santos passou a investir em contra-ataques. Mas Zé Eduardo insistia em estragar contragolpes alvinegros no segundo tempo.

Em jogada individual, Danilo fez o segundo do Santos. O lateral driblou o marcador, invadiu a área e chutou de esquerda. Do camarote, Pelé e o presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro comemoravam juntos.

O Peñarol descontou aos 34 min. Durval desviou erradamente cruzamento de Estoyanoff e fez contra.

A partida ficou dramática. O Santos recuou. O time uruguaio abusou do chuveirinho. Neymar quase fez o terceiro. Elano fez o possível para segurar o jogo e aguardar o apito do juiz.