Santos 0 x 1 Cruzeiro

Data: 27/05/2018, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 7ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 10.670 presentes (8.504 pagantes e 2.166 não pagantes).
Renda: R$ 349.730,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Auxiliares: Pedro Martinelli Christino e Luciano Roggenbaum (ambos do PR).
Cartões amarelos: Diego Pituca (S); Henrique, Egídio e Robinho (C).
Gol: Bruno Silva (30-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Gustavo Henrique, David Braz e Dodô; Diego Pituca (Bruno Henrique), Renato (Léo Cittadini), Jean Mota; Rodrygo, Gabriel e Eduardo Sasha (Yuri Alberto).
Técnico: Jair Ventura

CRUZEIRO
Fábio; Edílson (Lucas Romero), Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho, Thiago Neves (Raniel); Rafael Sobis e Sassá (Bruno Silva).
Técnico: Mano Menezes



Vanderlei opera milagre, mas não evita derrota do Santos para o Cruzeiro

As quase 11 mil pessoas presentes no Estádio do Pacaembu viram uma atuação do Santos nada muito diferente das últimas partidas. Com dificuldades para criar, o time comandado por Jair Ventura pouco fez ofensivamente, principalmente no segundo tempo, e viu Vanderlei em mais uma grande tarde. O goleiro, porém, não evitou a derrota do Peixe por 1 a 0 para o Cruzeiro, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

O primeiro tempo teve dois cenários bem distintos. Os 20 minutos inciais foram de muita intensidade, com ambos os times em busca do gol e criando boas chances. Aos poucos, o ritmo foi caindo e a posse de bola passou a ser a prioridade do Cruzeiro, que tentava conter a velocidade do Santos. Assim, porém, o Peixe criou sua melhor chance, no contra-ataque, com Gabigol, que foi interceptado por Dedé de forma providencial. Do lado cruzeirense, Rafael Sobis foi quem criou mais perigo.

A intensidade de parte dos 45 minutos iniciais não foi repetida em um minuto sequer do segundo tempo. Mesmo em casa, o Santos adotou uma postura cautelosa e passou a ter o contra-ataque como trunfo para sair com os três pontos. Do lado do Cruzeiro, a posse de bola era a estratégia e com ela saiu o gol da vitória. Aos 30 minutos, Bruno Silva aproveitou o desvio de Raniel no escanteio e colocou para o fundo da rede.

Nos minutos finais, o Santos tentou pressionar e Bruno Henrique por pouco não conseguiu o empate. Porém, a Raposa também esteve perto de ampliar a vantagem, com Rafael Sóbis. No fim do jogo, o time da casa saiu de campo sob vaias da torcida.

O jogo

Como um jogo entre dois times que precisam do resultado, o início foi de bastante intensidade, com os dois ataques obrigando muito trabalho dos goleiros. Logo no primeiro minuto, Rafael Sobis tentou surpreender Vanderlei, mas teve o chute desviado. Na sequência, a resposta do Santos veio com Jean Mota, que tentou um arremate bonito no cruzamento de Dodô, mas concluiu nas mãos de Fábio.

A rápida movimentação do trio de ataque do Peixe formado por Gabriel, Rodrygo e Sasha é sempre uma preocupação para os adversários e atenção redobrada é a palavra de ordem. Porém, Léo se complicou na saída de bola e tocou nos pés do camisa 10 santista, que cortou para o meio e testou o goleiro do Cruzeiro, providencial para espalmar. A resposta mineira, aos 11 minutos, foi com Sobis, que bateu rasteiro e sem grande perigo para Vanderlei.

Aos poucos, a partida perdeu em intensidade e o Cruzeiro passou a ser melhor. Se Léo quase entregou do lado mineiro, Gustavo Henrique fez questão de “retribuir” o presente. O zagueiro errou o passe na saída de bola e deixou com Robinho, que acionou Rafael Sobis na entrada da área. O atacante pegou firme e obrigou grande defesa do arqueiro santista.

Jogando em casa, o Santos voltou a sofrer com a falta de criatividade e continuou apostando nos flancos do campo para as jogadas mais promissoras. Uma das mais perigosas, porém, veio em uma grande jogada de Rodrygo, que atuou mais centralizado no primeiro tempo. Aos 35 minutos, o “raio” acionou Gabriel para sair sozinho em direção à Fábio, mas o camisa 10 não contava com a recuperação de Dedé. O zagueiro alcançou o rival e deu o bote preciso antes do chute.

A intensidade do primeiro tempo ficou no vestiário assim que os times foram para o intervalo. Na segunda etapa, as propostas estavam bem definidas e, enquanto o Cruzeiro tinha a bola e trocava passes em busca de espaço, o Santos apostava na boa aplicação defensiva e nos contra-ataques para assustar Fábio.

As chances, sem grande perigo, criadas pela Raposa nos 20 minutos iniciais fizeram Jair Ventura atender às solicitações dos torcedores presentes no Pacaembu que, desde o intervalo, pediam a entrada de Bruno Henrique. O atacante, em sua reestreia na temporada depois de problemas físicos e clínicos, conseguiu uma boa arrancada logo em seu primeiro lance, mas acabou perdendo o ângulo para conclusão.

Aos 29 minutos, o Cruzeiro conseguiu sua melhor chance na partida. Raniel aplicou um grande chapéu e encontrou o caminho livre para avançar, mas abriu grande bola do lado direito para Robinho. O meia saiu cara a cara com Vanderlei e tentou encobrir o goleiro santista, que operou um milagre e pôs para escanteio. Na cobrança do tiro de canto, porém, a grande intervenção do arqueiro do Peixe pouco adiantou. Bruno Silva aproveitou o desvio e testou para as redes.

Atrás no placar, o Santos ensaiou uma pressão na reta final da partida e abriu espaços para o contra-ataque do Cruzeiro. Bruno Henrique quase marcou em sua reestreia na temporada e Sobis, do outro lado, fez tudo certo, mas a bola saiu rente à trave de Vanderlei.

Bastidores – Santos TV:

Rodrygo condena falta de pontaria do Santos e diz entender vaias

O Santos não conseguiu se impor diante do Cruzeiro neste domingo, no Pacaembu, e somou mais uma derrota no Campeonato Brasileiro, a quarta em sete jogos. Atuando diante de seus torcedores, os comandados de Jair Ventura pouco criaram, mas as chances limitadas pararam nas finalizações ruins, problema principal do time na tentativa de um melhor resultado.

A insatisfação dos torcedores com a atuação do time foi externada assim que dado o apito final. Todos os jogadores, assim como Jair, saíram de campo vaiados, fato que Rodrygo tratou como natural diante dos recentes resultados ruins. “Pode ter certeza que eu estou mais revoltado que eles. Eles são torcedores, eu sou jogador e também torcedor do Santos, então entendo”, disse o jovem ao canal Premiere.

Apesar de algumas jogadas criadas, o Santos pouco criou perigo à meta de Fábio. Ainda no primeiro tempo, Gabriel teve a principal chance do time santista na partida, mas acabou desarmado por Dedé. Já nos 45 minutos finais, os flancos do campo se tornaram a principal válvula de escape, por onde Bruno Henrique quase conseguiu deixar o seu. Para o mais novo “raio” da Vila Belmiro, porém, a as finalizações ruins determinaram o revés.

“Aconteceu hoje a mesma coisa do jogo passado. A gente pressionou, pegamos uma equipe mais forte também, tomamos um gol no erro de marcação”, avaliou. “Claro que uma derrota pesa muito, mas a gente precisa manter a tranquilidade e seguir com nosso trabalho, porque as coisas vão voltar a dar certo. O gol está faltando em todos os últimos jogos. Precisamos parar de tomar e voltar a fazer”, finalizou Rodrygo.

Jair lamenta nova derrota e clama por reforços no Santos

As vaias ao apito final dizem muito a respeito da paciência da torcida do Santos com Jair Ventura. Neste domingo, o treinador viu uma atuação regular de seu time, mas novamente uma derrota. Desta vez, diante de pouco menos de 11 mil pessoas, o time da Vila Belmiro acabou vendo o Cruzeiro criar boas chances, mais uma boa atuação de Vanderlei, mas o revés por 1 a 0.

Após a partida, Jair teve dar explicações sobre o mais recente resultado negativo, o quarto em sete rodadas do Campeonato Brasileiro. A opção do treinador foi pelo discurso firme, cobrando uma recuperação rápida de seus jogadores para voltarem a dar alegria ao torcedor santista.

“O jogo foi aberto, de muitas chances criadas e muito equilíbrio. As duas equipes tentaram jogar, qualquer uma poderia vencer, mas acabamos punidos em uma jogada de bola parada. A gente fica triste,claro, mas não dá para abaixar a cabeça, porque só nós somos responsáveis por isso. Para reverter a gente precisa trabalhar e fazer mais, dar uma resposta o mais rápido possível. A torcida precisa voltar a sorrir”, disse o treinador.

Logo no aquecimento, Jair Ventura teve de mudar sua estratégia inicial. Não pela forma do time jogar, mas com as peças. Gustavo Henrique entrou em campo para substituir Veríssimo, vetado pelo departamento médico. O exemplo foi o utilizado pelo treinador para justificar o elenco enxuto e a necessidade de reforços.

“A gente sabe da necessidade de reforços, mas entendemos as dificuldades financeiras. Não é uma questão de achar que não precisa, é das dificuldades. Hoje a gente nem tinha jogador para completar a lista de suplentes no banco, com tantas lesões. A torcida não quer saber, ela quer vitória. Temos de dar um jeito em meio a todas as dificuldades”, ressaltou.

Jogadores do Santos isentam Jair de culpa e pedem “resposta rápida”

“Resposta rápida” e “recuperação” são as palavas de ordem ouvidas nos bastidores do Santos para findar a sequência ruim pela qual o time vem passando recentemente. Apesar da classificação na Libertadores, o Peixe soma quatro derrotas em sete jogos no Campeonato Brasileiro, sendo a mais recente delas para o Cruzeiro, no último domingo, por 1 a 0.

A repercussão da derrota teve seus primeiros desfechos logo após o apito final contra a Raposa, onde os pouco menos de 11 mil presentes não pouparam o time e a comissão técnica de vaias. Após a partida, Jair Ventura prometeu um trabalho ainda mais intenso para reencontrar o caminho das vitórias e o treinador teve seu discurso corroborado pelos atletas.

“Temos que manter a calma e recuperar a boa fase logo, dar a resposta. A gente treina bola parada quase sempre e acabamos tomando um gol assim. Não podemos culpar o Jair, porque é a gente que está em campo”, disse Gabriel na zona mista. Sobre as vaias, o atacante diz ser normal diante dos recentes resultados. “É normal a torcida fazer isso. Eles querem que a gente ganhe. Estamos criando chances e uma hora a bola vai entrar”, completou.

Apesar da derrota, o ponto positivo foi a boa reestreia de Bruno Henrique com a camisa do Peixe. O atacante ganhou alguns minutos em campo e quase conseguiu o gol que daria o empate contra o Cruzeiro. Seguindo a mesma linha dos companheiros, alertou para a necessidade de uma recuperação e comentou sobre sua condição física.

“Fico feliz por estar de volta, pelo apoio da torcida que pediu minha entrada. Mas a gente fica triste pela derrota. Quinta-feira temos a chance de nos recuperarmos e a vitória é importante demais. Temos que focar e responder logo para voltar a dar alegrias, trabalhando para que a bola volte a entrar”, revelou Bruno Henrique, que passou por uma sequência de problemas físicos e clínicos no início da temporada.

Desde que assumiu o comando do santos no início de 2018, Jair Ventura já esteve à beira do campo em 30 jogos. São 12 vitórias, seis empates e 12 derrotas, retrospecto que conta negativamente. O treinador, porém, se mostrou ciente da pressão e da responsabilidade.

“A vida do treinador é de pressão contínua. Estamos trabalhando, mas não está sendo o suficiente. Temos de assumir a responsabilidade, sabemos que a torcida está chateada e com razão, porque os resultados não estão aparecendo. Vamos fazer mais para voltar a vencer”, concluiu Jair.

Vice-presidente do Santos banca continuidade de Jair: “Ele segue”

Dentro de campo, o Santos saiu derrotado para o Cruzeiro no Estádio do Pacaembu. Fora dele, as vaias foram a tônica das arquibancadas e Jair Ventura saiu como principal culpado para os pouco menos de 11 mil presentes, principalmente pela falta de criatividade e efetividade do time nos últimos jogos. Após a partida deste domingo, porém, o treinador teve sua permanência no cargo garantida pelo vice-presidente Orlando Rollo.

“O treinador segue no comando, o Jair (Ventura) segue”, disse rapidamente o dirigente na zona mista.

A presença do vice para dar justificativas é explicável, já que o presidente do clube, José Carlos Peres, está com a Seleção Brasileira, como chefe da delegação em Londres.

Diretoria do Santos vai ao CT para apoiar o técnico Jair Ventura (Em 28/05/2018)

O vice-presidente Orlando Rollo e Andres Rueda e José Carlos de Oliveira, integrantes do Comitê de Gestão do Santos, foram ao CT Rei Pelé na tarde desta segunda-feira para demonstrar apoio ao técnico Jair Ventura. Vale lembrar que o presidente José Carlos Peres, chefe da delegação brasileira, ficará em Londres até o dia 3. Rollo é o mandatário interino.

Na conversa com Jair, algumas críticas sobre o comando do elenco foram feitas, mas, em geral, o tom foi de prestígio ao treinador, admitindo-se a necessidade de reforços e as dificuldades financeiras e políticas do clube. Os dirigentes também se reuniram e cobraram o elenco.

Com a derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro, no Pacaembu, no último domingo, o Peixe tem 48% de aproveitamento em 2018. Ou seja, mais perde do que ganha pontos. No total, são 12 vitórias, 12 derrotas e seis empates.


Santos 0 x 0 Real Garcilaso-PER

Data: 24/05/2018, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 6 – 6ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.016 pagantes
Renda: R$ 119.075,00
Árbitro: Alexis Herrera (VEN)
Auxiliares: Luiz Murillo e Jorge Urrego (ambos da VEN).
Cartões amarelos: Daniel Guedes e Lucas Veríssimo (S); Morales, Cóssio e Arismendi (RG).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Diego Pituca (Copete), Jean Mota (Renato) e Vitor Bueno (Yuri Alberto); Gabriel, Rodrygo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jair Ventura

REAL GARCILASO
Morales; Arismendi, Dulanto, Lojas e Cóssio; Kontogiannis, Tragodara (Mendoza), Archimbaud, Ramúa (Pérez) e Landauri (Santillán); Vidales.
Técnico: Tabaré Silva



Santos decepciona, só empata com o Garcilaso, mas avança como líder

Em dia de greve dos caminhoneiros e de filas quilométricas nos postos de gasolina, faltou combustível ao Santos na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, no empate em 0 a 0 com o Real Garcilaso-PER.

Diante de uma equipe fraca e já eliminada, o Peixe penou. Sem inspiração, abusou dos cruzamentos e ouviu vaias ao apito final. A única boa notícia foi a classificação como líder do Grupo 6 e a vantagem de decidir as oitavas de final da Libertadores da América em casa. O Estudiantes-ARG venceu o Nacional-URU e avançou como segundo.

Em baixa e longe do futebol ofensivo pregado pelo técnico Jair Ventura, o Santos voltará a campo no domingo para enfrentar o Cruzeiro, no Pacaembu, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

O jogo

O Santos teve 75% da posse de bola no primeiro tempo, girou o jogo de um lado para o outro a todo tempo, mas não criou como poderia. Longe disso.

Foram duas chances claras, uma com Rodrygo, aos 16 minutos, depois de lançamento de Jean Mota, e outra em boa finalização de Eduardo Sasha, aos 37′. No rebote, Vitor Bueno, com pouco ângulo, desperdiçou na pequena área.

Na saída para o intervalo, os poucos torcedores presentes na Vila Belmiro se dividiram entre aplausos e vaias. Uma das organizadas gritou: “Não é mole não, jogando com vontade ninguém ganha do Peixão”.

Nas primeiras ações do segundo tempo, o Santos até pareceu que seria um time diferente, mas não foi assim. Depois de certa pressão, o Peixe voltou a ser monótono.

Posse de bola sem objetividade, desorganização e excesso de cruzamentos. Nada muito trabalhado e noite sem inspiração de pilares da equipe, como Eduardo Sasha, Rodrygo e Gabigol. Diego Pituca, estreante em Libertadores, se destacou.

Nos minutos finais, o técnico Jair Ventura confirmou o discurso de ofensividade, que só fica na teoria, e colocou Yuri Alberto e Copete nas vagas de Vitor Bueno e Pituca, respectivamente. Sim, o Peixe terminou com um meia e cinco atacantes.

O 4-1-5 deu certo? Não. No desespero, o alvinegro ainda assustou o fraco Garcilaso em alguns momentos, porém, merecidamente, o zero não saiu do placar. E a bola comemorou o apito final.

E na Argentina, o Estudiantes virou sobre o Nacional-URU, venceu por 3 a 1 e se classificou como segundo colocado do Grupo 6. O Santos venceu a equipe de La Plata na Vila Belmiro e também em Quilmes.

Bastidores – Santos TV:

Jair fala ‘verdades’ para defender o Santos: “Não podemos apagar a luta”

O Santos tem sido cobrado pelo desempenho ruim nos últimos jogos. E depois do empate em 0 a com o Real Garcilaso-PER nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, o técnico Jair Ventura se defendeu com “verdades”.

“O treinador fica confortável com os dois, nunca só com o resultado (também o desempenho). Os objetivos são objetivos. Queremos dar show também. E vamos trabalhar para dar alegria à torcida. Podemos ser campeões sem jogar melhor futebol, mas vamos trabalhar para isso. Podemos melhorar, estamos trabalhando para isso. Ano de pilares no Santos, a troca de gestão, troca de comando técnico e troca de elenco. Saíram 16 jogadores. É desculpa ou verdade? Ainda mais com Copa e pré-temporada curta. Não estamos alcançando o futebol objetivo, mas que bom que estamos conseguindo os objetivos. E agora é transformar isso em situações ainda melhores. Agora é mata-mata. Santos foi eficiente, queremos alcançar os objetivos e alcançar o futebol vistoso. Não podemos apagar a entrega do grupo, perdemos mais um machucado, o terceiro seguido, Pituca saiu com cãibras e nem foi pra oração, estava desgastado. Torcida tem toda razão quando só conquistamos objetivos e não jogamos bonito. Mas Santos está vivo. São poucas vivas em três competições”, disse Jair, em entrevista coletiva.

O treinador explica a formação tática e o excesso de cruzamentos – mais de 50 na partida. O discurso foi de valorizar a classificação em primeiro lugar do Grupo 6 para as oitavas de final.

“Jogamos no 4-2-4 sem cara de área, trazendo Rodrygo e Gabriel para flutuar e ganhar um meio. É um subsídio (cruzamento), não algo que treinou. Treinamos a valorização da posse, aproximação, comunicação entre linhas e entrar com toques rápidos. Com as dificuldades, usamos os cruzamentos e chutes de fora da área. Não treinamos assim. O que menos treinamos foram cruzamentos. Usamos como subsídio. Foram mais de 20 finalizações no total”, explicou.

“Quando vamos encontrar time com linha de cinco e linha de quatro na frente, tem que alternar o jogo. Cruzamos muito, sim, mas chutamos muito de média e longa distância, uma situação contra a retranca. Tivemos dificuldade de entrar, se defenderam bem. Não podemos tirar a vontade que os jogadores tiveram, a entrega, jogamos no campo deles, mas não fomos eficientes pela vitória. Torcida queria a vitória, tudo que eu falar pode soar como desculpa, queremos a vitória também, todos nós, fizemos o nosso melhor para conseguir, mas hoje não conseguimos. Não dá para apagar a luta, acabamos com cinco atacantes, tentando. Talvez um gol num momento melhor abre situação até para goleada. Ficamos tristes pela não vitória, mas com chave difícil, 10 títulos envolvidos, fomos superior e nos classificamos com duas rodadas de antecedência. Pelo jogo hoje, foi ruim, temos obrigação de vencer, mas no somatório total, em grupo difícil, passamos em primeiro. E isso não dá para esconder”, completou.

Dodô pede ajuda à torcida do Santos: “Meninos sentem as vaias”

O clima ficou hostil na Vila Belmiro depois do empate do Santos em 0 a 0 com o Real Garcilaso-PER na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro. Após o apito final, a torcida organizada gritou frases como: “Ou joga por amor ou joga por terror” e “Se domingo não ganhar, o pau vai quebrar”.

Diante desse cenário, Dodô pediu ajuda aos santistas. O lateral-esquerdo afirma que a ansiedade atrapalhou o Peixe pela Libertadores e garante que as vaias prejudicam os mais jovens.

“Sobre a ansiedade, pode ser um pouco, principalmente mais jovens. Rodrygo tentou muito de fora da área. Todos queremos vencer e ficamos ansiosos, mas mostrou que estávamos incomodados. Eu trabalhei na Sampdoria com um treinador que me fez crescer muito. E dizia que eu tinha que ser menos brasileiro, menos bonito. Não estimulava jogo plástico e bonito. E aqui é o contrário. Ele incentiva o Rodrygo e a todos pelos lances plásticos. Eu mesmo protagonizei alguns. De fora, parece que ele tem cobrado não fazermos. E é o contrário. Eu tinha que ser menos brasileiro possível e isso me deixava triste. Não jogava do jeito que queria. Faz parte da adaptação. A mensagem que quero deixar é que temos estimulado o jogo bonito. Torcedor do Santos, não queremos jogo feio. Pelo contrário. Temos protagonizado lances bonitos durante o ano. E melhor ainda é alcançar objetivos. Sabemos o momento político e financeiro do Santos. No começo do ano, poucos de vocês apontavam o Santos como favorito. E saímos como primeiro depois de seis jogos. Temos que valorizar, sim. Temos dado o máximo. Torcedor quer 3 ou 4 a todo jogo, mas é impossível. Grêmio, melhor da América, não goleia sempre. Temos procurado evoluir”, disse Dodô.

“E dentro do DNA Ofensivo, essa busca por ele, queremos apoio do torcedor no momento ainda mais difícil da Libertadores. Foi triste hoje, estádio vazio. Contra o Estudiantes estava uma atmosfera fantástica, talvez o melhor jogo no ano. E hoje, com menos gente, com atmosfera um pouco menos bonita, a mensagem que eu quero deixar é: precisaremos de vocês. Juntos podemos alcançar o objetivo de passar para as quartas. Meninos têm sentido as vaias. Peço apoio. Juntos podemos passar. Separados, será difícil. Meninos têm ficado ansiosos com as vaias. E queremos deixar eles livres para fazer o jogo que o Santos merece”, completou.

Rodrygo, um dos destaques do time, não foi bem nesta quinta. Yuri Alberto, que entrou no segundo tempo, também foi discreto. O Santos terminou a partida com Jean Mota no “meio-campo” e cinco atacantes: Rodrygo, Yuri, Sasha, Gabigol e Copete.

Com lesão de grau 2, Vitor Bueno só voltará ao Santos depois da Copa

Vitor Bueno só voltará a jogar pelo Santos depois da Copa do Mundo na Rússia, em julho. O meia sofreu uma lesão de grau 2 após entorse no tornozelo esquerdo no empate em 0 a 0 com o Real Garcilaso-PER na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela Libertadores. A informação foi inicialmente publicada pelo GloboEsporte.com.

Bueno foi substituído no segundo tempo da partida e saiu de campo carregado por um companheiro ao apito final. O prazo de recuperação é de um mês, quando as competições no Brasil já estarão paralisadas por conta da Copa.

Vitor Bueno ganhou a vaga de titular do Peixe com o técnico Jair Ventura e buscava reeditar a boa fase de 2016, quando foi revelação do Campeonato Brasileiro. A lesão, porém, o impede de ter sequência. No ano passado, ele passou por cirurgia no joelho.

Sem Bueno, o Santos segue com dificuldades na saga por um armador. Com o retorno de Bruno Henrique, Jair deve optar por quatro atacantes e Rodrygo mais recuado, com Gabigol e Sasha na frente.


São Paulo 1 x 0 Santos

Data: 20/05/2018, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 6ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 40.465 pagantes
Renda: R$ 954.725,00.
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kleber Lúcio Gil e Neuza Inês Back (ambos de SC).
Cartões amarelos: Anderson Martins (2), Militão, Reinaldo, Hudson (SP); Yuri Alberto e David Braz (S).
Cartão vermelho: Anderson Martins (SP).
Gols: Diego Souza (10-2).

SÃO PAULO
Sidão; Militão, Anderson Martins, Bruno Alves e Reinaldo (Edimar); Jucilei, Hudson, Marcos Guilherme, Everton (Liziero) e Nenê; Diego Souza (Tréllez).
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison (Jean Mota), Renato e Vitor Bueno (Yuri Alberto); Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha (Copete).
Técnico: Jair Ventura



Diego Souza marca, São Paulo bate o Santos e salta na tabela

O São Paulo entrou em campo nesse domingo na 10ª colocação, mas vai terminar o fim de semana em 5º lugar, a um ponto do Palmeiras (10 e 11), primeiro membro do G4 no Campeonato Brasileiro depois de seis rodadas disputadas. Tudo por causa de uma vitória contundente, apesar do placar de 1 a 0, em cima do Santos, diante de 40.465 torcedores no Morumbi. Já são nove jogos de invencibilidade e o fim da série de quatro empates seguidos.

E os três pontos no clássico podem mais uma vez caírem na conta de Diego Souza. O camisa 9 fez as pazes de vez com a torcida tricolor ao marcar o terceiro gol pela terceira vez consecutiva na casa são-paulina.

O passe veio de Everton, da ponta de esquerda, pelo alto. Diego Souza, como digno centroavante, ganhou de David Braz e contou com tarde pouco inspirada de Vanderlei para estufar as redes. Agora são seis gols em 21 partidas do artilheiro do São Paulo na temporada. Detalhe que só um foi marcado longe do Cícero Pompeu de Toledo.

O tento dos mandantes aos 10 minutos da etapa final liquidou um jogo pragmático e de muita falta de criatividade pelo lado santista, principalmente no primeiro quando, quando os comandados de Jair Ventura limitaram-se a se defender.

O próprio Diego Souza, além de Nenê, Militão e Reinaldo tiveram chances claríssimas para abrir o placar antes do intervalo. Nenê, aliás, carimbou a trave do Peixe em chute de longe.

O Santos dependia exclusivamente dos lampejos do menino Rodrygo, que não se escondeu, mas esbarrou na marcação quase sempre dupla de seus marcados. Gabriel, Vitor Bueno e Sasha praticamente não foram vistos em campo.

Quando teve de correr atrás o prejuízo, o Alvinegro Praiano até assustou em chute de longa distância de Jean Mota, defendido por Sidão, e depois com Yuri Alberto, dessa vez por causa de falha do goleiro do São Paulo, que não encaixou uma bola fácil na saída do gol. Nem mesmo a expulsão de Anderson Martins nos minutos finais serviu para os visitantes exercerem alguma pressão em busca do empate.

De qualquer forma, foi pouco para o Peixe, que depois de perder para o Luverdense com muitos reservas, foi para o Morumbi com o que tinha de melhor e não fez frente ao São Paulo. Com seis pontos, o Santos cai para a 14ª colocação na tabela de classificação.

Bastidores – Santos TV:

Jair resume derrota no San-São em “detalhes” e não vê time retraído

Jair Ventura usou a velha frase dos “clássicos decididos em detalhes” para resumir a derrota do Santos por 1 a 0 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico valorizou o rival, citou a posse de bola santista (55×45%) e já pediu pela reação na Libertadores – o Peixe enfrentará o Real Garcilaso-PER, quinta-feira, na Vila Belmiro, para vencer e terminar a primeira fase na liderança do Grupo 6.

“Aquela velha máxima que o clássico é decidido em detalhes. E o São Paulo marcou o gol em uma bobeira nossa. Sabemos que clássico é assim, com torcida empurrando. O São Paulo é o único invicto no Brasileiro. O Santos é o único a ganhar do São Paulo aqui no ano e hoje infelizmente não conseguimos. Importante trabalhar para na Libertadores ficar com a primeira colocação do grupo”, disse Jair, em entrevista coletiva.

“A gente não tem conseguido jogar fora de casa. O Santos teve mais posse de bola, então não fomos retraídos, e sim foi uma derrota”, completou.

O Santos teve menos posse de bola do que o São Paulo enquanto esteve atrás do placar. A partir dos 10 minutos do segundo tempo, com o gol de Diego Souza, o Peixe foi ao ataque e ensaiou uma pressão, mas não surtiu efeito.

Jair volta a pedir um 10, descarta Bruno Henrique e comenta pressão no Santos

A derrota do Santos por 1 a 0 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, voltou a mostrar a deficiência do Santos na armação. Vitor Bueno foi mantido e não foi bem. Jean Mota entrou e não melhorou o time. No fim das contas, o atacante Rodrygo foi quem terminou o clássico na função.

O técnico Jair Ventura voltou a pedir por um camisa 10 e afirmou que está procurando soluções no elenco enquanto esse atleta não chega.

“Estamos buscando esse homem de ligação, já que não adianta ter muito atacante só. Hoje, não temos esse camisa 10 no elenco e crio alternativa. O Vitor Bueno faz essa função, mas não tenho opção. Rodrygo e Sasha já improvisaram e será assim enquanto não acharmos um camisa 10 no mercado. Mas temos de dar solução. Nem sempre vamos conseguir, principalmente quando perde. Bueno está com mais chances e vamos buscar. de repente, vamos jogar com esse 10. É uma carência como falamos desde o primeiro jogo. Mas competições não param e estamos vivos em todas, apesar de não ganhar fora. No Brasileiro, temos um jogo a menos e não tem nem um quarto do campeonato. Incomoda não vencer em casa, nós nos cobramos bastante por isso, e tentamos não ficar agoniados e com ânsia de vencer fora. E não podemos perder 100% em casa. Temos de vencer em casa e fora para brigar lá em cima”, disse Jair, em entrevista coletiva.

O treinador ainda descartou Bruno Henrique para a partida contra o Real Garcilaso-PER, quinta-feira, na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Com o camisa 11 a disposição, Jair pensa escalar quatro atacantes e Rodrygo mais recuado.

“Ele volta a treinar com bola nesta semana, fica muito em cima, requer adaptação ao campo e companheiros., Infelizmente, não joga na quinta. Perdemos Arthur, hoje Alison, e perdemos mais dois agora. Vamos extraindo, tirando o máximo para alcançar nossos objetivos, mesmo sem ser fácil. É lógico que não jogamos o melhor futebol do Brasil, mas temos as nossas responsalidades e faremos sempre o máximo para levar o Santos na frente, como temos feito”, explicou.

Por fim, o comandante do Santos analisou a pressão no comando após resultados ruins. Em 2018, mesmo com a eliminação na semifinal do Campeonato Paulista e as classificações para as oitavas de final da Libertadores e quartas da Copa do Brasil, são 11 derrotas em 28 jogos, além de 12 vitórias e cinco empates.

“Eu já temia meu futuro antes de chegar. A vida de técnico sempre está em xeque, faz parte da nossa profissão. O percentual é baixo, mas as classificações foram alcançadas. O Santos junto com outros times está fazendo frente em todos os campeonatos. O melhor percentual do Paulista não foi campeão (Palmeiras), então o aproveitamento não vai te levar aos seus objetivos. O Santos está alcançando seus objetivos”, concluiu.

Presidente do Santos banca Jair e quer reavaliá-lo após reforços

O Santos é o clube da Série A do Campeonato Brasileiro com mais derrotas em 2018. O Peixe não perdia 11 vezes em 28 jogos desde 1954. Mesmo assim, o técnico Jair Ventura segue prestigiado no alvinegro depois do último tropeço – 1 a 0 para o São Paulo, no Morumbi, em clássico no último domingo.

O presidente José Carlos Peres entende que Jair faz o possível com as opções disponíveis no elenco. A ideia é trazer contratações importantes durante o período da Copa do Mundo na Rússia, entre junho e julho, e reavaliá-lo após os reforços.

Depois da goleada por 5 a 1 para o Grêmio, em Porto Alegre, o Comitê de Gestão se reuniu e votou pela permanência de Jair Ventura. A opinião do colegiado é importante, mas a prerrogativa de admitir ou demitir é do presidente Peres. O dirigente busca apenas o aval dos oito demais membros.

O Santos contratou três reforços em 2018 – os titulares Dodô, Eduardo Sasha e Gabigol. Sem grandes recursos financeiros, o Peixe aposta na criatividade para gastar pouco e não errar. A prioridade é por atletas para o ataque, principalmente um novo camisa 10.

Em entrevista coletiva depois da derrota para o São Paulo, o técnico Jair Ventura afirmou que se sente pressionado desde antes de assumir o cargo em janeiro.

“Eu já temia meu futuro antes de chegar. A vida de técnico sempre está em xeque, faz parte da nossa profissão. O percentual é baixo, mas as classificações foram alcançadas. O Santos junto com outros times está fazendo frente em todos os campeonatos. O melhor percentual do Paulista não foi campeão (Palmeiras), então o aproveitamento não vai te levar aos seus objetivos. O Santos está alcançando seus objetivos”, explicou.

Maior derrotado da Série A, Santos não perdia tanto desde ano da estreia de Pepe

Com a derrota para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, o Santos se tornou a equipe da Série A do Campeonato Brasileiro com mais resultados negativos em 2018. O Peixe perdeu 11 vezes em 28 jogos na temporada – mesmo número de Vasco e Vitória, porém, os times têm 30 e 34 partidas, respectivamente. O alvinegro ainda tem 12 vitórias e cinco empates.

O alto número de derrotas em compromissos oficiais não é comum na vitoriosa história do Santos. O último ano com tantos revezes foi o de 1954 – 12 em 28 oportunidades. O período marcou a estreia de dois ídolos bicampeões mundiais pelo Peixe: o atacante José Macia, o Pepe, em maio, e o técnico Lula, em junho.

Mesmo com tantas derrotas, o alvinegro se classificou para as oitavas de final da Libertadores da América com uma rodada de antecedência, está nas quartas de final da Copa do Brasil e foi eliminado apenas na semifinal do Campeonato Paulista. No Brasileirão, após cinco jogos (um a menos), o clube da Vila Belmiro ocupa a 14ª colocação.

Veja abaixo o levantamento feito pela Gazeta Esportiva:

2018 – 11 derrotas em 28 jogos
2017 – 8 derrotas em 28 jogos
2016 – 4 derrotas em 28 jogos
2015 – 4 derrotas em 28 jogos
2014 – 3 derrotas em 28 jogos
2013 – 3 derrotas em 28 jogos
2012 – 6 derrotas em 28 jogos
2011 – 4 derrotas em 28 jogos
2010 – 4 derrotas em 28 jogos
2009 – 6 derrotas em 28 jogos
2008 – 9 derrotas em 28 jogos
2007 – 1 derrota em 28 jogos
2006 – 4 derrotas em 28 jogos
2005 – 4 derrotas em 28 jogos
2004 – 7 derrotas em 28 jogos
2003 – 4 derrotas em 28 jogos
2002 – 8 derrotas em 28 jogos
2001 – 9 derrotas em 28 jogos
2000 – 7 derrotas em 28 jogos
1999 – 7 derrotas em 28 jogos
1998 – 4 derrotas em 28 jogos
1997 – 5 derrotas em 28 jogos
1996 – 10 derrotas em 28 jogos
1995 – 5 derrotas em 28 jogos
1994 – 6 derrotas em 28 jogos
1993 – 7 derrotas em 28 jogos
1992 – 6 derrotas em 28 jogos
1991 – 8 derrotas em 28 jogos
1990 – 5 derrotas em 28 jogos
1989 – 6 derrotas em 28 jogos
1988 – 8 derrotas em 28 jogos
1987 – 4 derrotas em 28 jogos
1986 – 10 derrotas em 28 jogos
1985 – 8 derrotas em 28 jogos
1984 – 6 derrotas em 28 jogos
1983 – 4 derrotas em 28 jogos
1982 – 9 derrotas em 28 jogos
1981 – 7 derrotas em 28 jogos
1980 – 5 derrotas em 28 jogos
1979 – 9 derrotas em 28 jogos
1978 – 10 derrotas em 28 jogos
1977 – 8 derrotas em 28 jogos
1976 – 7 derrotas em 28 jogos
1975 – 10 derrotas em 28 jogos
1974 – 6 derrotas em 28 jogos
1973 – 5 derrotas em 28 jogos
1972 – 9 derrotas em 28 jogos
1971 – 5 derrotas em 28 jogos
1970 – 8 derrotas em 28 jogos
1969 – 7 derrotas em 28 jogos
1968 – 4 derrotas em 28 jogos
1967 – 5 derrotas em 28 jogos
1966 – 7 derrotas em 28 jogos
1965 – 6 derrotas em 28 jogos
1964 – 5 derrotas em 28 jogos
1963 – 4 derrotas em 28 jogos
1962 – 4 derrotas em 28 jogos
1961 – 5 derrotas em 28 jogos
1960 – 8 derrotas em 28 jogos
1959 – 3 derrotas em 28 jogos
1958 – 6 derrotas em 28 jogos
1957 – 8 derrotas em 28 jogos
1956 – 3 derrotas em 28 jogos
1955 – 9 derrotas em 28 jogos
1954 – 12 derrotas em 28 jogos


Luverdense 2 x 1 Santos

Data: 17/05/2018, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Municipal Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde, MT.
Público e renda: N/D
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ).
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Daniel do Espirito Santo Parro (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Paulo Renê (L); Copete e Daniel Guedes (S).
Gols: Paulinho (15-1, contra) e Paulo Renê (31-1); Itaqui (01-2).

LUVERDENSE
Diogo Silva; Itaqui, Kaique, André Ribeiro e Paulinho; Diogo Sodré (Élton), Moisés (Rubinho) e Lorran; Lucas Braga, Rafael Silva e Paulo Renê (Ariel).
Técnico: Luizinho Vieira

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Jean Mota; Yuri (Gabriel Calabres), Vecchio (Vitor Bueno) e Diego Pituca; Arthur Gomes, Copete (Eduardo Sasha) e Yuri Alberto.
Técnico: Jair Ventura



Santos reserva perde para o Luverdense, mas se classifica na Copa do Brasil

O Santos perdeu por 2 a 1 para o Luverdense nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, mas se classificou para as quartas de final da Copa do Brasil depois dos 5 a 1 na Vila Belmiro, na semana passada.

Com o time reserva, o Peixe começou bem e abriu o placar com o gol contra de Paulinho, porém, recuou e viu o LEC melhor em quase toda a partida. Os donos da casa empataram com Paulo Renê e viraram com Itaqui, criaram outras chances e viram o alvinegro acuado.

Não houve um grande destaque individual no Santos. Vanderlei falhou, a defesa ofereceu espaços, o meio-campo não funcionou e a bola não chegou no centroavante Yuri Alberto. No fim das contas, a boa notícia foi apenas a classificação.

O jogo

O Santos reserva driblou o entrosamento e começou bem o jogo. Aos seis minutos, Yuri quase fez de longe. Na sequência, o xará Alberto driblou dois e obrigou o goleiro Diogo a fazer boa defesa. A pressão surtiu efeito e, aos 15, Daniel Guedes foi à linha de fundo e cruzou para Paulinho, contra, fazer antes de Copete empurrar.

Depois dos 5 a 1 na Vila e o 6 a 1 no agregado, o Peixe tinha tudo sob controle, mas optou por recuar após abrir o placar. Os donos da casa se animaram e passaram a assustar Vanderlei. Aos 20, Paulo Renê chutou para o goleiro espalmar. E aos 31, em nova tentativa do atacante, o camisa 1 falhou e a bola entrou. 1 a 1.

Com o empate, o alvinegro acordou e administrou o resultado até o intervalo. Arthur Gomes e Copete tiveram chances, porém, não deram continuidade nas boas jogadas criadas por Yuri Alberto.

Logo no primeiro minuto da segunda etapa, o Luverdense virou. Itaqui, que já havia marcado na Vila, bateu falta no ângulo de Vanderlei. O goleiro, dessa vez, ficou sem reação e viu a bola morrer na rede.

O LEC, então, precisava de mais três gols e teve duas oportunidades em sequência para ampliar. Na primeira, Vanderlei espalmou chute de Lucas Braga. Na segunda, Paulo Renê desperdiçou, sozinho, chance na pequena área.

Depois do susto, o Santos se resguardou e passou a sofrer menos. Em contrapartida, não ofereceu mais perigo ao goleiro Diogo. Vecchio, Arthur Gomes e Copete foram inoperantes e a bola não chegou em Yuri Alberto. Gabriel Calabres, Vitor Bueno e Eduardo Sasha entraram, mas foram discretos.

O Luverdense só voltou a pressionar nos minutos finais. Aos 36, Vanderlei falhou de novo e soltou cabeceio fraco de Rafael Silva. No rebote, com o gol vazio, a arbitragem assinalou corretamente o impedimento.

Os donos da casa seguiram em cima, mas a reação parou. E aos 43 minutos, o Santos quase empatou. Primeiro com Vitor Bueno, em boa defesa de Diogo em chute cruzado. E no rebote, Yuri Alberto não pegou bem na bola e chutou para fora. Nas últimas movimentações, Vanderlei espalmou duas em finalizações de fora da área. No fim das contas, 2 a 1 para o Luverdense, mas classificação santista.

Jair ‘esquece’ derrota para valorizar “classificação excelente” do Santos

Jair Ventura não se abalou após a derrota do time reserva do Santos por 2 a 1 para o Luverdense nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O técnico prefere ressaltar o placar agregado e a classificação entre os oito na competição nacional.

“Eu avalio o jogo em 180 minutos, onde o Santos fez vantagem muito boa em casa e teve o privilégio de poupar. No somatório, foi 6 a 3. Classificação excelente. Agora é pensar no clássico no domingo”, disse Jair, em entrevista coletiva.

O treinador optou por não fazer avaliações individuais no Peixe depois do revés. Dos titulares, só Vanderlei e Jean Mota saíram jogando. A maior preocupação está na entorse no tornozelo de Arthur Gomes.

“Queremos vencer sempre, claro, mas não vou chegar para todo o Brasil e expor. Vamos ver o jogo de novo para fazer uma avaliação interna”, afirmou.

“Mais positivo a classificação. Importante. Mais negativo a lesão do Arthur, o que mais jogou comigo, titular ou entrando. Perda vai ser muito significativa. Temos elenco enxuto e não temos essa característica. Isso preocupa bastante a gente para o clássico e o restante da temporada se for mesmo uma lesão no tornozelo esquerdo”, completou Jair.

Bastidores – Santos TV:

Jair segue prestigiado no Santos: “Sintonia com o clube”, diz presidente

Depois da goleada por 5 a 1 para o Grêmio, falou-se sobre o risco de demissão de Jair Ventura no Santos. A diretoria prestigiou o técnico e descartou a possibilidade. E o cenário não muda após a derrota por 2 a 1 para o Luverdense, no Mato Grosso. Depois dos 5 a 1 na Vila Belmiro, o Peixe perdeu para o LEC, da Série C, com o time reserva, e se classificou para as quartas de final da Copa do Brasil nesta quinta-feira.

“Muito pelo contrário (se perdeu a paciência com o técnico). Jair trabalha em sintonia com o clube. Isso é o mais importante. A gente sabe que precisa de reforços, mas sem dinheiro não contratamos. Vou atrás. Quanto? E não temos”, disse o presidente José Carlos Peres, em entrevista ao canal SantosPlay.

O aproveitamento de Jair não é bom, são 12 vitórias, cinco empates e dez derrotas, ou 50,6% dos pontos. A diretoria entende, no entanto, que só pode cobrar o treinador quando reforçar o elenco. E a forma de trabalhar do profissional, evitando reclamar e procurando soluções, é motivo de elogios internamente.

Para Sasha, derrota contra o Luverdense não desmotiva o Santos antes de clássico

O Santos se classificou, mas perdeu por 2 a 1 para o Luverdense, da Série C do Campeonato Brasileiro, nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, pelo segundo jogo das oitavas de final da Copa do Brasil. Para Eduardo Sasha, o resultado não desmotivará o Peixe antes do clássico contra o São Paulo, domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi, pela sexta rodada do Nacional.

“Sempre ruim perder, independentemente dos titulares ou reservas. Não queríamos esse resultado, mas aconteceu. Agora é descansar para o clássico. Não é bom perder, todo mundo quer a vitória, mas hoje as coisas não aconteceram. Mesmo assim, vamos confiantes para o clássico”, disse Sasha, à Fox.

Eduardo Sasha foi um dos 10 jogadores poupados pelo técnico Jair Ventura – só Vanderlei e Jean Mota, dos titulares, atuaram desde o começo. O atacante entrou na metade final da segunda etapa e foi discreto, sem evitar a derrota no Mato Grosso.

Para o clássico, além dos poupados, Santos contará com os retornos de David Braz e Léo Cittadini. Bruno Henrique seguirá no departamento médico.

Arthur Gomes deixa campo chorando e preocupa o Santos

Arthur Gomes sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo e deixou o campo chorando nos minutos finais da derrota do Santos por 2 a 1 para o Luverdense, nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, pelo jogo de volta das oitavas de Copa do Brasil.

O departamento médico iniciou a recuperação com o gelo no local e o atacante será avaliado em São Paulo, nesta sexta-feira. O Peixe irá do Mato Grosso para a capital paulista e já iniciará a concentração para o clássico contra o Tricolor, domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

Antes mesmo da avaliação médica, o técnico Jair Ventura demonstrou preocupação e já previu uma lesão no tornozelo de Arthur Gomes.

“Mais positivo a classificação. Importante. Mais negativo a lesão do Arthur, o que mais jogou comigo, titular ou entrando. Perda vai ser muito significativa. Temos elenco enxuto e não temos essa característica. Isso preocupa bastante a gente para o clássico e o restante da temporada se for mesmo uma lesão no tornozelo esquerdo”, disse o treinador.

Vanderlei despista sobre falhas e minimiza ausência na Seleção

Vanderlei não vive seu melhor momento pelo Santos. Unanimidade nos últimos anos, o goleiro não demonstra a mesma segurança. Na eliminatória contra o Luverdense – com 5 a 1 na Vila e 1 a 2 em Lucas do Rio Verde -, o camisa 1 falhou em pelo menos dois gols.

Nesta quinta-feira, a bola bateu nele e entrou depois de chute de Paulo Renê. No segundo gol, Itaqui bateu direto no ângulo e arqueiro nem teve reação. Vanderlei, porém, quer rever os lances para analisar se falhou ou não.

“Tenho que rever os lance, gramado ruim, escuro, bola desviou e pegou na ponta do meu dedo. A falta eu nem vi onde entrou. Poderíamos ter evitado esse resultado, mas temos que enaltecer a classificação. Descansamos alguns para o clássico. Agora é descansar”, disse Vanderlei, à Fox Sports.

“Poupamos praticamente o time inteiro, é difícil, adversário não é bobo, fez bom primeiro tempo na Vila. Futebol é assim. O principal objetivo era classificação, não adianta falar da derrota. Temos que pensar no clássico. São muitas competições e vamos procurar estar em todas”, completou.

Vanderlei vivia e expectativa de ser convocado para a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia, porém, foi preterido pelo técnico Tite na escolha de Alisson, Ederson e Cássio. O goleiro nega que isso afete seu rendimento.

“Não tem que mexer (com a cabeça). Sabiam que eu dificilmente seria convocado porque ele nem observou. Criei expectativa, claro, mas seria difícil e ele fala de coerência. Convocou os que tiveram mais convocações. Vamos torcer para eles e continuar trabalhando. Não é mágoa, mas eu esperava. Estou em um grande clube e vou procurar fazer meu melhor trabalho no Santos”, concluiu.


Santos 3 x 1 Paraná

Data: 13/05/2018, domingo, 19h00.
competição: Campeonato Brasileiro – 5ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.971 pessoas
Renda: R$ 140.110,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA) e Eduardo Gonçalves da Cruz (MS).
Cartões amarelos: Torito Gonzáles e Vitor Feijão (P); Gabriel (S).
Gols: Rodrygo (02-2), Gabriel (13-2), Gabriel (31-2) e Silvinho (47-2)

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Vecchio), Jean Mota e Vitor Bueno (Diego Pituca); Eduardo Sasha, Rodrygo (Arthur Gomes) e Gabriel.
Técnico: Jair Ventura

PARANÁ
David; Alemão, Jesiel, Rayan e Igor (Júnior); Wesley Dias, Torito Gonzáles (Alex Santana) e Caio Henrique; Léo Itaperuna (Vitor Feijão), Silvinho e Carlos.
Técnico: Rogerio Micale



Gabigol faz dois, Rodrygo deixa o seu e Santos faz 3 a 1 no Paraná

Dois tempos bem distintos e um resultado positivo. Esse pode ser um resumo rápido da vitória por 3 a 1 do Santos sobre o Paraná neste domingo, na Vila Belmiro. Depois de um primeiro tempo que deixou a desejar, os comandados de Jair Ventura tiveram grande atuação nos 45 minutos finais e, em dia inspirado de Gabigol, autor de dois gols, conquistaram mais um triunfo no Campeonato Brasileiro.

As vaias no fim do primeiro tempo puderam dizer muito a respeito dos 45 minutos iniciais do Santos. Sonolento, o time de Jair Ventura pouco criou ofensivamente, apesar da movimentação constante dos jogadores da frente. Errando muitos passe, a alternativa se tornou os lançamentos, que consagraram a defesa do Paraná. O time de Micale, por sinal, foi quem esteve mais perto de abrir o placar, com duas finalizações nos minutos finais.

O segundo tempo começou com o Santos disposto a apagar a má imagem do tempo inicial e logo no primeiro minuto Rodrygo fez questão de deixar a situação mais tranquila marcando seu primeiro tento na Vila Belmiro. O jovem “raio” aproveitou o desviou de Sasha para abrir o placar. A partir de então, brilhou a estrela de Gabigol. O camisa 10 marcou nos dois gols seguintes e se consagrou como “o cara” da noite. Silvinho ainda marcou o gol de honra.

O jogo

Os primeiros minutos da partida na Vila Belmiro foram sonolentos, com as duas equipes abusando dos lançamentos em profundidade e dos erros de passe, que fizeram com que os dois goleiros nem aparecessem na partida. O primeiro a tocar na bola foi justamente Vanderlei, mas para corrigir a trapalhada de Lucas Veríssimo, que recuou estranho e obrigou o arqueiro do Peixe a rifar a bola.

Apesar da mobilidade dos atacantes, que trocavam de posição a fim de tentar surpreender a defesa do Paraná, o time da casa pouco criava no campo ofensivo. As melhores chances eram por levantamentos para área e dessa forma os comandados de Jair Ventura quase abriram o placar aos 27 minutos. Rodrygo aproveitou o cruzamento de Dodô e testou para a defesa de David.

Sem conseguir penetrar na defesa do visitante, o Peixe passou a ver o Paraná ficar com a bola e trocar passes, criando a partir de triangulações jogadas de perigo. A primeira do time de Rogério Micale veio aos 41 minutos, quando Alemão tabelou com Carlos pelo lado direito e ficou cara a cara com Vanderlei, que sobressaiu e espalmou para escanteio. Na segunda chance, Silvinho aproveitou o rebote do escanteio e jogou para fora.

As vaias no fim do primeiro tempo parecem ter deixado o time do Santos mais motivado para a reta final e a pressão foi desde a saída de bola. Logo no primeiro minuto, Gabriel arriscou de fora da área, Sasha desviou de cabeça e a bola sobrou para Rodrygo, que tocou para as redes e marcou seu primeiro gol no templo sagrado da baixada.

A pressão santista continuou e Gabigol parecia motivado a corroborar o apelido que ganhou desde os tempos de Menino da Vila. Primeiro, tentou cavar um pênalti e acabou levando o amarelo. Aos 13 minutos, ele não perdoou. Victor Ferraz cruzou para área, Eduardo Sasha ajeitou de cabeça e o camisa 10 completou para o fundo das redes, ampliando o placar.

A vantagem do Peixe deixou o jogo mais movimentado e animado para os torcedores presentes. Precisando da primeira vitória no Campeonato Brasileiro, o Paraná passou a chegar mais, mas com chutes de longa distância que pouco assustavam Vanderlei. Do outro lado, Vitor Bueno finalizou de primeira e a bola passou raspando a trave de David, em sua última jogada antes de dar lugar a Diego Pituca.

A estrela de Gabigol brilhou pela segunda vez na partida em lance digno de atacante, aos 30 minutos. Depois de grande jogada individual de Arthur Gomes, que substituiu Rodrygo, o camisa 10 teve apenas o trabalho de empurrar para as redes. No último lance, Silvinho ainda marcou o gol de honra do Paraná, mas insuficiente para reverter a desvantagem.