Santos 0 x 0 Internacional

Data: 26/05/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 6ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.756 pagantes
Renda: R$ 479.440,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (Fifa-PR).
Assistentes: Bruno Boschilia (Fifa-PR) e Victor Hugo Imazu dos Santos (PR).
VAR: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ).
Cartões amarelos: Diego Pituca, Jean Lucas, Soteldo, Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique (S); Bruno, Emerson Santos, Nico Lopez, Iago e Rafael Sobis (I).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Sánchez (Eduardo Sasha), Jean Lucas (Kaio Jorge) e Jean Mota; Rodrygo, Soteldo (Cueva).
Técnico: Jorge Sampaoli

INTERNACIONAL
Marcelo Lomba; Bruno, Emerson Santos, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Lindoso, Edenílson (Rithely) e Nonato; Guilherme Parede, Nico Lopez (William Pottker) e Paolo Guerrero (Rafael Sobis).
Técnico: Odair Hellmann



Santos empata com Inter em jogo com penal e gol anulados por VAR

O confronto entre Santos e Internacional, disputado na tarde deste domingo, terminou com empate por 0 a 0. Com ajuda do VAR, a equipe de arbitragem liderada por Rodolpho Toski Marques anulou um gol do time gaúcho e um pênalti para a equipe alvinegra.

Com 11 pontos ganhos, o Santos figura na quinta colocação do Campeonato Brasileiro. Já o Internacional contabiliza um ponto a menos e detém o sexto lugar da tabela. O Palmeiras, com 16 pontos, está no primeiro posto do torneio nacional após as seis rodadas iniciais.

Pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos volta a campo para enfrentar o Ceará às 16 horas (de Brasília) do próximo domingo, no Estádio do Castelão. O Internacional, por sua vez, duela com o Avaí às 19 horas do mesmo dia, no Beira-Rio.

O jogo

O Internacional criou as melhores oportunidades no primeiro tempo, mas o Santos assustou antes. Em jogada pelo lado direito, Sanchez recebeu de Victor Ferraz e tocou para Rodrygo cruzar. O goleiro Marcelo Lomba desviou e Bruno tocou para escanteio.

Aos 30 minutos, Guerrero saiu na cara de Vanderlei e escorou para Guilherme Parede completar com o gol vazio. No entanto, o árbitro Rodolpho Toski Marques ouviu instruções do VAR e anulou a jogada, gerando intensa reclamação dos jogadores do Internacional.

Pouco depois, Nico Lopez tomou a bola de Jorge e tocou para Guerrero, que passou por Lucas Veríssimo e chutou para grande defesa de Vanderlei. Após a cobrança do escanteio, em cruzamento vindo da esquerda, Emerson Santos ajeitou para chute perigoso de Guilherme Parede.

O Internacional voltou a chegar ao ataque de forma consistente no começo do segundo tempo. Gustavo Henrique cortou cruzamento de cabeça e Vanderlei saiu para afastar de soco. Na sobra, Nonato quase colocou o time de Porto Alegre em vantagem no marcador.

Pouco depois, Sasha recebeu de Victor Ferraz pela direita e cruzou em busca de Rodrygo, mas Jean Mota dominou antes e bateu em cima da marcação. O goleiro Marcelo Lomba voltou a trabalhar para espalmar chute de fora da área disparado por Diego Pituca.

Aos 38 minutos, o árbitro Rodolpho Toski Marques chegou a marcar pênalti de Victor Cuesta sobre Rodrygo, mas, após assistir o lance no monitor do VAR, voltou atrás. Na última chance do jogo, após cruzamento vindo da esquerda, William Pottker dominou dentro da área e bateu para fora.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli analisa partida do Santos e esclarece rusga com rival

Em um dia de pouca inspiração, o Santos ficou no empate sem gols contra o Internacional na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. Ao analisar a partida, o técnico Jorge Sampaoli citou o empenho de seus atletas e esclareceu a rusga com Odair Hellmann.

“Nos primeiros 30 minutos, estávamos dominando bastante, mas sem gerar boas chances. Um rival muito duro, um dos principais da Copa Libertadores. Então, foi difícil entrar. Depois, fizemos variações no segundo tempo. Lamentavelmente, buscamos e não conseguimos. Mas valorizo sempre a busca do grupo”, disse Sampaoli.

No primeiro tempo, o Internacional chegou a marcar com Guilherme Parede, mas o árbitro Rodolpho Toski Marques anulou por impedimento. Na etapa complementar, ele marcou pênalti de Cuesta sobre Rodrygo e voltou atrás. Nos dois casos, contou com ajuda do VAR.

“Jogamos contra um rival que faz muito bem a transição. Então, muitas vezes, estávamos expostos. Como não tivemos muita eficácia na área adversária, convivemos com contra-ataques de uma equipe muito preparada para isso. O time teve as mesmas intenções, mas não a mesma precisão que em outros dias”, disse Sampaoli.

No primeiro tempo da partida disputada na Vila Belmiro, o treinador argentino se desentendeu com Odair Hellmann na beira do gramado e ambos receberam cartão amarelo. Ao falar sobre o tema, Sampaoli assegurou a rusga com o adversário foi rapidamente solucionada.

“Ele pensou que eu estava reclamando dele. Depois, expliquei que estava reclamando do quarto árbitro. Ficou tudo esclarecido. Vivemos o jogo com a intensidade que se jogou. Ele interpretou que eu tinha dito algo dele e eu esclareci”, afirmou o comandante santista.

Santos perde três atletas por suspensão para jogo contra o Ceará

O técnico Jorge Sampaoli já tem, pelo menos, três desfalques para o próximo compromisso do Santos no Campeonato Brasileiro. Suspensos, o zagueiro Gustavo Henrique, o meio-campista Diego Pituca e o atacante Soteldo não poderão enfrentar o Ceará.

Os três atletas eram os únicos pendurados do Santos antes do confronto com o Internacional, disputado neste domingo. Coincidentemente, todos foram advertidos com o cartão amarelo pelo árbitro Rodolpho Toski Marques na Vila Belmiro e precisarão respeitar a suspensão automática.

Por outro lado, o volante Alison, que cumpriu gancho contra o Inter, poderá ser utilizado normalmente. Na vaga de Gustavo Henrique, Sampaoli tem a alternativa de usar Felipe Aguilar, preservado neste domingo. Para o ataque, Rodrygo, liberado pela CBF, segue no Santos e Marinho pode fazer sua estreia.

O confronto entre Santos e Ceará, válido pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, está marcado para as 16 horas (de Brasília) do próximo domingo, no Estádio Castelão. Com 11 pontos ganhos, o time treinado por Jorge Sampaoli ocupa o quinto lugar do torneio.

Na tarde deste domingo, o Santos ficou no empate sem gols contra o Internacional, na Vila Belmiro. Com ajuda do VAR, o árbitro Rodolpho Toski Marques anulou um gol do time gaúcho no primeiro tempo e um pênalti a favor da equipe alvinegra na etapa complementar.

Liberado pela CBF, Rodrygo fica no Santos até clássico com Corinthians

O jogo contra o Internacional, disputado na tarde deste domingo, não foi o último do atacante Rodrygo com a camisa do Santos. O clube chegou a um acordo com a CBF para manter o jovem atacante, que se despede apenas no clássico contra o Corinthians.

Rodrygo, já negociado com o Real Madrid, foi convocado para defender a Seleção olímpica no Torneio de Toulon e, caso não fosse liberado pela CBF, teria se despedido contra o Inter. Na saída do gramado da Vila Belmiro, ele mesmo informou sobre sua permanência.

“O acordo saiu hoje (domingo) pela manhã. Até passei mal à noite. Estava vomitando, com muita inflamação na garganta. Acho que era a ansiedade para saber se continuaria aqui ou não, mas, graças a Deus, deu tudo certo”, disse Rodrygo em entrevista ao Premiere.


Palmeiras 4 x 0 Santos

Data: 18/05/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 5ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 32.501 pessoas (30.058 pagantes e 2.443 não pagantes)
Renda: R$ 987.830,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Assistentes: Kleber Lucio Gil e Helton Nunes (ambos de SC).
VAR: Braulio da Silva Machado (SC)
Cartões amarelos: Dudu e Felipe Melo (P); Gustavo Henrique, Victor Ferraz, Alison e Derlis González (S).
Gols: Gustavo Gómez (05-1), Deyverson (18-1); Raphael Veiga (06-2) e Hyoran (42-2).

PALMEIRAS
Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique (Thiago Santos) e Raphael Veiga (Moisés); Zé Rafael (Hyoran), Dudu e Deyverson.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

SANTOS
Vanderlei; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Victor Ferraz), Gustavo Henrique e Felipe Jonatan (Cueva); Alison, Jean Lucas (Jean Mota), Diego Pituca e Carlos Sánchez; Soteldo e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Palmeiras atropela o Santos no Pacaembu e goleia por 4 a 0

O Palmeiras segue como o melhor time do país. Neste sábado, o Verdão, líder do Campeonato Brasileiro, atropelou o então segundo colocado Santos no Pacaembu e goleou por 4 a 0. Gustavo Gómez, Deyverson, Raphael Veiga e Hyoran marcaram os gols palestrinos.

Agora, o Alviverde aguarda o jogo do rival São Paulo contra o Bahia, neste domingo, para saber se seguirá como líder isolado do Brasileirão – depende de o Tricolor não vencer. A próxima partida do Palestra será nesta quarta-feira, contra o Sampaio Corrêa, fora de casa, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O Peixe encara o Inter, domingo, na Vila Belmiro, pelo torneio de pontos corridos.

O jogo

Duas estratégias diferentes entraram em campo neste sábado para opor os melhores times do país na atualidade – ao menos considerando a tabela do Campeonato Brasileiro. O Santos apostava na estratégia de jogo ofensivo de Sampaoli, enquanto Felipão manteve o Palmeiras seguro defensivamente, mas com um diferencial: a blitz no setor ofensivo.

A estratégia alviverde funcionou rápido. Quando Dudu errou cruzamento aos seis minutos, Zé Rafael pressionou, roubou a bola e sofreu falta na lateral. Na cobrança, o Baixola levantou na área e Gustavo Gómez cabeceou para as redes, anotando seu terceiro gol na temporada.

Atrás no marcador, o Santos não mudou seu estilo de jogo. No papel, eram três zagueiros, com Carlos Sánchez fazendo a ala direita. Na prática, porém, Lucas Veríssimo foi improvisado na lateral e o uruguaio reforçou o setor. Não funcionou. Com Derlis isolado e Pituca apagado, Soteldo foi o único alvinegro que buscou o jogo para o Peixe, limitado à bolas paradas para levar perigo.

Já o time do treinador mais vencedor da história do futebol brasileiro, seguiu sua pressão no campo ofensivo, recompensada logo aos 19 minutos. Zé Rafael roubou no meio-campo, esperou a marcação tentar o bote e abriu com Dudu na direita. O camisa 7 cruzou rasteiro e Deyverson desviou de carrinho para o gol.

Superioridade incontestável do Verdão no primeiro tempo e uma das melhores etapas iniciais da equipe de Felipão na temporada. Sem destaques negativos, o Palestra teve Dudu comandando o nível de atuação e peças irregulares como Deyverson, Zé Rafael e Raphael Veiga também se destacando. A torcida aplaudiu de pé ao final do primeiro tempo.

Para os últimos 45 minutos, Jean Mota entrou na vaga de Jean Lucas. Os visitantes melhoraram no Pacaembu e conseguiram levar perigo no início do segundo tempo, pelas laterais de campo e com bolas rasteiras na área.

O Santos era melhor, mas até a sorte estava vestindo verde no Pacaembu lotado. Com apenas sete minutos, Raphael Veiga recebeu com liberdade pelo meio, avançou e arriscou de fora da área. Mesmo sem pegar tão bem, a bola desviou no caminho e matou Vanderlei: 3 a 0 Palmeiras.

Imediatamente, Sampaoli abriu sua equipe: Cueva entrou na vaga de Felipe Jonathan. Já era tarde e a única oportunidade real do Peixe veio aos 26 minutos. Derlis conduziu pela direita e cruzou rasteiro na área, por trás da zaga. A bola chegou em Soteldo, que finalizou de primeira, mas Weverton fez um milagre e impediu o desconto alvinegro. Pouco depois, Carlos Sánchez carimbou a trave em cobrança de falta. Não era o dia do Peixe.

Já na reta final de partida, o Palmeiras transformou o espetáculo em goleada. Em contra-ataque de uma cobrança de escanteio adversária, Dudu puxou o Verdão pela direita, limpou a marcação e tocou para Hyoran bater firme para as redes.

Sampaoli admite “fracasso” em estratégia do Santos na goleada para o Palmeiras

O técnico Jorge Sampaoli admitiu o fracasso na estratégia escolhida para o Santos na goleada por 4 a 0 sobre o Palmeiras neste sábado, no Pacaembu, pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treinador optou por um 3-1-4-2, com Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique; Alison; Sánchez, Jean Lucas, Pituca e Felipe Jonatan; Soteldo e Derlis González. Não deu nada certo.

“Pensamos que no 3-1-4-2 poderíamos ter pressão contra o rival. Plano do jogo não ocorreu. Foi um fracasso. Os primeiros minutos foram do Palmeiras. Não conseguimos controlar. Evidentemente há uma leitura prévia que não resultou. Tivemos que resolver situações, vínhamos de três jogos em uma semana, com viagens e realmente custou bastante escolher as melhores opções para mim. Responsabilidade é totalmente minha, tenho que assumir. Na leitura do jogo, pensamos em como poderíamos ganhar, mas não conseguimos”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador explicou a ausência de Jorge, Eduardo Sasha e Rodrygo – Victor Ferraz Jean Mota também ficaram no banco de reservas -, e elogiou o Palmeiras.

“Jogamos três jogos na semana. Rodrygo e Sasha terminaram o jogo com dores musculares no adutor contra o Atlético-MG. Sasha não pôde estar, Rodrygo avisou no aquecimento que não poderia jogar. Jorge vinha de dois jogos seguidos, com ritmo intenso. Preferimos Felipe Jonatan”, explicou.

“Não pudemos gerar o jogo com saída de três gerando superioridade no início. Depois do segundo gol, equipe se soltou um pouco. Jogávamos bem no campo rival no segundo tempo, mas levamos terceiro gol em contra-ataque. Palmeiras é muito preciso nos contra-ataques. E tudo se destruiu. Se tivéssemos uma semana, teríamos escalado outro time, mas foi o que eu escolhi”, concluiu.

Sampaoli reclama de cultura no Brasil: “Difícil que alguém possa ser aceito sem êxito”

Jorge Sampaoli reclamou da cultura do Brasil de culpar o técnico a cada derrota. O desabafo foi feito após a derrota do Santos por 4 a 0 para o Palmeiras neste sábado, no Pacaembu.

O treinador argentino foi perguntado sobre um caso do compatriota Marcelo Bielsa. Ele não conseguiu subir o Leeds United para a primeira divisão da Inglaterra, mas recebeu uma carta de agradecimento de torcedores.

“Não sei (se isso pode ocorrer no Brasil) Do Bielsa é especial. Tem que ver com aspecto social, região… Aqui, depois de cada jogo se sabe o culpado. Treinador de um banco ou de outro. Me tocou a mim hoje, outro jogo ao outro. Responsável é sempre o técnico. Difícil que alguém possa ser aceito sem êxito”, disse Sampaoli.

O técnico santista também comentou sobre o histórico de goleadas. O Peixe perdeu de 5 para o Ituano e de 4 para Botafogo-SP e Palmeiras.

“Pode ter a ver com a obrigação de protagonizar. Tomamos dois gols, responsabilidade aumentou e, ao invés de controlar o jogo, fomos muito decididos a atacar com mais gente que o normal. Temos que corrigir o sistema. Deixamos espaços atrás e essas situações (goleadas) podem ocorrer. Dominamos todos os jogos do Brasileirão até aqui. Hoje, não”, concluiu.

Jean Mota explica confusão com Melo e admite jogo ruim do Santos

Já perto da reta final do segundo tempo, na goleada do Palmeiras para cima do Santos, o volante Felipe Melo e o meia Jean Mota se envolveram em um princípio de confusão, que resultou em um cartão amarelo distribuído ao atleta do Verdão.

De acordo com Melo, o jogador do Santos pisou em sua mão em uma reposição de bola. Após o experiente volante esbravejar contra a arbitragem, Jean Mota se defendeu e deu sua versão do lance.

“Não quero falar. Fui pisar na bola, ele estava com a mão na bola, não sei se pegou ou não. Só pisei na bola e saí jogando, até o juiz viu e não falou nada. Se ele falou que eu machuquei ele, não foi minha intenção”, afirmou a TNT.

O meia também admitiu que os comandados de Jorge Sampaoli não tiveram uma boa atuação na partida e que, por conta do placar adverso no início do confronto, o Santos precisou adotar uma postura mais ofensiva do que o costume.

“Não fizemos um bom jogo, ele saíram na frente. Sabíamos que a bola parada deles era forte. O segundo tempo foi o tudo ou nada, tivemos que ir pra frente e consequentemente tem os contra-ataques e eles acabaram matando”, completou, antes de, por fim, tentar justificar as opções de Sampaoli para o clássico.

“Opção dele. Ele é o treinador. Ele sempre tem falado que quer o time 100% e ele pensou que esse era o time 100%. O Ferraz vinha de uma sequência e o Jorge de uma lesão, não sei quem estava 100%”, finalizou.

Além de um 9: Peres fala em reunião com Sampaoli por outros reforços no Santos

A grande prioridade do Santos no mercado é contratar um centroavante para finalmente substituir Gabigol, hoje no Flamengo, após cinco meses e satisfazer Jorge Sampaoli.

O Peixe, porém, pensa em outras posições. O Alvinegro quer pelo menos um lateral-direito e um ponta para substituir Rodrygo, negociado com o Real Madrid-ESP. O presidente José Carlos Peres conversará com o técnico sobre as necessidades do elenco.

“É um planejamento do técnico. Vamos nos reunir e ver posições necessárias. Vamos nos reforçar, não temos grande orçamento e receitas, mas faremos sacrifício. Nossa grande receita é vender jogador. Venda do Rodrygo foi uma fábula, passou de R$ 200 milhões. Temos de vender, mas não pode ser só isso. Peço para o torcedor lotar Pacaembu e Vila para não vendermos ninguém e termos equipe forte por muitos anos. Sem apoio deles, teremos de vender”, disse Peres, no último domingo.

O Santos tem negociações em andamento por Uribe, do Flamengo, e Marinho, do Grêmio. O Peixe aproveitará a pausa da Copa América para buscar novos reforços.

O Alvinegro contratou oito reforços em 2019: Everson, Felipe Aguilar, Jorge, Felipe Jonatan, Jobson, Jean Lucas, Cueva e Soteldo.


Atlético-MG 0 x 0 Santos

Data: 15/05/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 11.176 pagantes
Renda: R$ 178.476,00
Árbitro: Rodrigo D’alonso Pereira (SC)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (GO) e Kleber Lucio Gil (SC).
VAR: Heber Roberto Lopes (SC)
Cartões amarelos: José Welison e Elias (A).

ATLÉTICO-MG
Victor; Guga, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos (Patric); José Welison, Elias e Luan (Nathan); Geuvânio (Cazares), Chará e Ricardo Oliveira.
Técnico: Rodrigo Santana

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Aguilar e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Jean Lucas, Diego Pituca e Jorge; Rodrygo (Cueva), Derlis González (Soteldo) e Jean Mota (Eduardo Sasha).
Técnico: Jorge Desio



Atlético-MG e Santos empatam e decidirão em SP a vaga nas quartas

Atlético-MG e Santos empataram em a 0 a 0 na noite desta quarta-feira, no Estádio Independência, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

O Peixe foi melhor no primeiro tempo, o Galo no segundo. As equipes, porém, se anularam e criaram poucas chances de gol ao longo dos 90 minutos.

A decisão ocorrerá no dia 6 de junho, provavelmente na Vila Belmiro. Novo empate levaria a eliminatória para os pênaltis. Vitória simples garante classificação para as quartas.

O jogo

A pressão habitual do Atlético-MG no Horto não ocorreu. Quem dominou as ações desde o pontapé inicial foi o Santos, colocando os donos da casa no campo de defesa.

O Peixe, porém, pecou no último passe e sentiu demais a falta de um centroavante. A bola correu a área várias vezes sem ninguém finalizar. O Galo não teve chances claras.

No minuto 26, Victor Ferraz invadiu a área e chutou por cima. Aos 39, Jean Mota pedalou e bateu bonito, para Victor espalmar. No escanteio, Gustavo Henrique desviou e Guga interceptou antes de Derlis, sozinho, conseguir empurrar.

O ritmo caiu no segundo tempo. O Atlético-MG equilibrou as ações e melhorou com a entrada de Cazares na vaga de Geuvânio aos 15 minutos.

Aos 20, Cazares finalizou bem de fora da área, para Everson espalmar. No minuto 30, Elias chutou e a bola bateu no braço de Lucas Veríssimo. O VAR foi acionado, mas, como o zagueiro estava de costas, o pênalti não foi marcado.

Na metade final, quase nada ocorreu. Muita correria, pouca criatividade e um 0 a 0 justo de dois tempos distintos em Belo Horizonte.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar de Sampaoli valoriza empate do Santos: “Me parece justo”

Com Jorge Sampaoli expulso depois da expulsão diante do Vasco, em São Januário, o Santos foi comandado pelo auxiliar Jorge Desio no empate em 0 a 0 com o Atlético-MG na noite desta quarta-feira, no Estádio Independência, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

Desio avaliou a atuação do Peixe e admitiu a queda de produção na segunda etapa em Belo Horizonte.

“Resultado não é ruim, tendo em conta a qualidade do mandante, os jogadores da equipe contrária. Não é um resultado para lamentar. Tentamos a vitória, como sempre, mas por ser visitante, não é algo ruim e me parece justo o resultado”, disse Jorge Desio.

“No primeiro tempo, pudemos manifestar o que a gente veio buscar. Tivemos controle, faltou um pouco mais de chegada com gente na área para concluir. No segundo, não conseguimos. Tiveram mais posse, tocaram mais. E fomos bem na defesa”, completou.

Convocado, Rodrygo diz que não deve desfalcar o Santos em decisão

Rodrygo não deve desfalcar o Santos contra o Atlético-MG, dia 6, no Pacaembu, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

A pedido do Peixe, o atacante deve ser desconvocado da seleção olímpica para o Torneio de Toulon, na França. Como antecipado pela Gazeta Esportiva, o camisa 11 prefere atuar pelo Alvinegro para não adiantar a despedida antes do Real Madrid.

“Espero jogar. Acho que vou jogar, sim”, disse Rodrygo, sem jeito, ao Premiere, depois do empate em 0 a 0 com o Galo na noite desta quarta-feira, no Estádio Independência.

O camisa 11 também falou sobre a atuação do Alvinegro e relatou uma pancada sofrida ainda no primeiro tempo.

“No segundo tempo, Atlético-MG veio mais ligado, encaixou o estilo deles. Dominamos no primeiro e no segundo não. Não sofremos gol, conseguimos empate e creio que é um bom resultado”, afirmou.

“Tomei uma pancada ainda no primeiro tempo, inchou um pouco, mas não é nada grave. É tratar e recuperar”, concluiu.

Santos conversa com presidente da CBF para tentar atuar com selecionados

O Santos conversa diretamente com Rogério Caboclo, presidente da Confederação Brasileira de Futebol, para tentar antecipar a decisão contra o Atlético-MG, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

O duelo está marcado para 6 de junho, no Pacaembu. Além de pedir o mando de volta para a Vila Belmiro, o Peixe quer atuar neste mês, até o dia 30.

O objetivo do Alvinegro é ter os selecionados à disposição: Aguilar, Cueva, Derlis González e Soteldo foram pré-convocados na Colômbia, Peru, Paraguai e Venezuela para a Copa América. Sánchez também pode ser chamado pelo Uruguai.

O Santos alega que é o clube brasileiro mais prejudicado. E ceder os atletas engrandece a competição continental a ser realizada no país, a partir do dia 14 de junho.

O Peixe trabalha nos bastidores para conseguir a mudança, mas sabe da dificuldade. O técnico Jorge Sampaoli pensa em alternativas para a provável falta dos estrangeiros.


Santos 3 x 0 Vasco

Data: 12/05/2019, domingo, 16h00.
Competiçao: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 12.952 pessoas (11.411 pagantes e 1.541 não pagantes)
Renda: R$ 343.355,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia e Rafael Trombeta
VAR: Adriano Milczvkski
Cartões amarelos: Jean Lucas e Alison (S); Rossi, Ricardo Graça e Maxi López (V).
Cartão vermelho: Danilo Barcelos (V).
Gols: Diego Pituca (18-1) e Rodrygo (32-1); Soteldo (27-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca (Derlis González), Jean Lucas (Alison) e Carlos Sánchez; Rodrygo, Soteldo e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

VASCO
Sidão; Yago Pikachu, Luiz Gustavo (Andrey), Ricardo e Danilo Barcelos; Bruno Silva, Raul (Bruno César) e Lucas Mineiro; Marrony, Rossi (Valdívia) e Maxi López.
Técnico: Marcos Valadares



Com Sidão como mãe, Santos vence o Vasco com facilidade no Pacaembu

O Santos venceu o Vasco por 3 a 0 na tarde deste domingo de Dia das Mães no Pacaembu, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Diego Pituca, Rodrygo e Soteldo.

Sidão foi “uma mãe” para o Peixe. O goleiro falhou nos dois primeiros gols e teve o nome gritado pelo torcedor alvinegro, em tom irônico, ao longo de todo o jogo.

O Santos não parou de atacar, fez três e poderia ter feito vários mais. O Vasco até assustou e obrigou Vanderlei a fazer algumas defesas, mas nunca esteve perto do empate.

Com a vitória, o Peixe pulou para a segunda colocação, com 10 pontos, atrás do Palmeiras pelos critérios de desempate. O Vasco segue na lanterna, com um ponto. Na próxima rodada, o Alvinegro enfrentará o Verdão, sábado, no Allianz Parque. Antes, medirá forças com o Atlético-MG, quarta-feira, em Belo Horizonte, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O Cruzmaltino receberá o Avaí, domingo, em São Januário.

O jogo

O Santos dominou o Vasco desde o primeiro minuto. Com linhas altas e oito jogadores no campo de ataque, as chance surgiram naturalmente.

Aos 2 minutos, Rodrygo, inspirado, recebeu na esquerda, driblou e cruzou forte. O goleiro Sidão espalmou. No rebote, Jorge chutou para fora.

Aos 12, o Peixe quase abriu o placar. Sánchez rolou para trás e Rodrygo chegou batendo. Pikachu tirou em cima da linha. Seis minutos depois, o Vasco não resistiu à pressão.

Sidão saiu jogando errado, Rodrygo ajeitou e Diego Pituca chutou bonito, no ângulo, para abrir o placar. A partir daí, o goleiro passou a ter o nome gritado pela torcida santista.

No minuto 22, veio a resposta do Cruzmaltino. Pikachu tabelou com Marrony pelo meio e a bola sobrou para Maxi López balançar as redes. Após revisão, o VAR anulou o gol por impedimento do argentino.

A partir daí, só deu Santos. Aos 27, Sidão fez boa defesa em chute de Sánchez. Aos 32, o Alvinegro ampliou. Rossi saiu jogando errado, Jorge tocou para Rodrygo e o camisa 11 driblou dois antes de bater no canto de Sidão.

Ainda deu tempo para Sidão protagonizar dois lances bizarros em sequência. Quando o placar marcava 42, o goleiro se complicou com Bruno Silva e Sánchez quase fez o terceiro. No escanteio, o camisa 44 saiu caçando borboleta e Lucas Veríssimo acertou a trave.

Marcos Valadares colocou Andrey e Bruno César no segundo tempo, para as saídas de Luiz Gustavo e Raul. E o Vasco se lançou ao ataque. No segundo minuto da etapa final, Lucas Mineiro quase abriu o placar depois de cobrança de escanteio.

Jorge Sampaoli percebeu o esboço de reação do Vasco e mexeu. Primeiro colocou Alison e tirou Jean Lucas. Depois Jean Mota entrou na vaga de Sasha. O Peixe equilibrou o jogo e quase fez o terceiro, aos 19.

Rodrygo tocou para Soteldo na marca do pênalti. O venezuelano foi caprichoso, tentou o drible e bateu fraco, para Sidão espalmar. No rebote, Sánchez chutou para fora na pequena área.

Aos 24, nova chance para o Santos. Soteldo recebeu na entrada da área e bateu por cobertura. A bola encobriu Sidão e bateu no travessão antes de sair para a linha de fundo. Na sequência, no minuto 25, Jean Mota cruzou e Sánchez, sozinho, acertou o travessão novamente.

Quando o placar marcava 27, não deu mais para o Vasco aguentar. Rodrygo, de novo ele, tabelou com Jean Mota e rolou para Soteldo deslocar Sidão e matar o jogo.

Aos 29, o Vasco voltou a assustar, mas parou por aí. Andrey finalizou e Vanderlei espalmou. No rebote, sem ângulo, Marrony chutou e o goleiro santista defendeu novamente.

Insaciável, o Alvinegro ficou perto do quarto gol por várias oportunidades. Aos 35, Jean Mota finalizou de fora da área, perto do ângulo. Um minuto depois, Rodrygo chutou colocado e a bola raspou a trave de Sidão. No minuto 42, Jean ficou perto do gol novamente.

Nos instantes finais, sob os gritos de olé da torcida, o Santos administrou a vitória tranquila, que poderia ter sido uma histórica goleada.




CSA 0 x 0 Santos

Data: 05/05/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 3ª rodada
Local: Estádio Rei Pelé, em Maceió, AL.
Público: 10.313 pagantes
Renda: R$ 177.174,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia e Victor Hugo Imazu dos Santos (ambos do PR).
VAR: Rafael Traci (SC)
Cartões amarelos: Bruno Ramires (CSA); Jorge, Soteldo, Derlis González e Gustavo Henrique (S).

SANTOS
Vanderlei; Lucas Veríssimo (Jean Mota), Aguilar e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Jean Lucas, Diego Pituca e Jorge; Cueva (Soteldo); Rodrygo e Eduardo Sasha (Derlis González).
Treinador: Jorge Sampaoli

CSA
Jordi; Apodí, Luciano Castán, Gerson e Carlinhos (Armero); Naldo (Victor Paraiba), Bruno Ramires (Dawhan), Madson, Matheus Savio e Didira; Cassiano.
Treinador: Marcelo Cabo



Santos não joga bem e só empata com o CSA em Maceió

O Santos não jogou bem e empatou em 0 a 0 com o CSA na tarde deste sábado, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe não demonstrou a intensidade habitual e teve muita dificuldade para criar chances diante da retranca do CSA em casa.

Com o resultado, o Alvinegro perdeu o 100% de aproveitamento, mas segue por ora na terceira colocação, com sete pontos. O CSA, ainda sem vencer no Brasileirão, agora tem dois pontos e está 16º lugar.

O jogo

É difícil escrever sobre o primeiro tempo de CSA x Santos. O resumo é o seguinte: Peixe inteiro no campo de ataque, até com os zagueiros, mas sem ser criativo.

O Peixe, com intensidade abaixo do habitual, só foi incisivo uma vez. Rodrygo bateu, Jordi espalmou. No rebote, da entrada da área, Jorge acertou a trave, aos 34 minutos.

O CSA só conseguiu um contra-ataque, na velocidade de Apodi. O lateral-direito atravessou o campo e bateu cruzado – Vanderlei espalmou no minuto 25.

O Santos voltou mais ligado para o segundo tempo, mas ainda com dificuldade para abrir espaços contra a retranca do CSA.

Aos 15, Sampaoli foi para o tudo ou nada. Tirou Cueva e Lucas Veríssimo para as entradas de Soteldo e Jean Mota, desfazendo a linha de três zagueiros e abrindo o time.

No minuto 19, Jean Mota teve a primeira boa participação em chute forte da entrada da área, para defesa segura de Jordi. Aos 28, Soteldo cruzou bem para Derlis, mas Gerson travou na hora certa.

Melhor em campo, o Santos ficou perto do gol novamente aos 31, quando Jorge cruzou no segundo pau para Rodrygo finalizar e Jordi defender de novo. No rebote, Derlis foi novamente travado.

No minuto 33, um susto. Didira encontrou Victor Paraiba sozinho na área depois de falha de Gustavo Henrique. O meio-campista driblou Vanderlei, mas chutou na rede pelo lado de fora. E aos 41, Paraíba recebeu sozinho de novo, mas dessa vez o goleiro santista saiu bem para defender.

Nos minutos finais, o Santos buscou a pressão, mas não conseguiu abrir o placar. Soteldo, aos 46, esteve perto em chute da entrada da área. O CSA seguiu se defendendo bem e garantiu mais um empate.

Sampaoli cita dificuldades e vê falta de “contundência” em CSA 0 x 0 Santos

O técnico Jorge Sampaoli viu a falta de contundência como principal defeito do Santos no empate em 0 a 0 com o CSA na tarde deste domingo, no Estádio Rei Pelé.

O argentino citou o calor de 30º em Maceió e o campo “lento” como dificuldades, não como justificativas para o tropeço na terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

“No primeiro tempo, equipe foi muito superior. Não gerou tantas situações pelo domínio. Jogamos quase todo o tempo no campo deles. No segundo tempo, variamos e sofremos alguns contra-ataques pela vontade de ganhar. Faltou contundência em um jogo com muitas chances. Buscamos por todos os lados, com muita gente, e não concretizamos. Temos que seguir melhorando”, disse o técnico.

“Mesclar jogadores é colocar quem estão mais frescos e lúcidos em jogo de gramado lento, com muito calor. Jogamos há menos de 72 horas e com viagem larga. Será assim em todo o ano, depende da forma dos que terminam os jogos. Podemos fazer diferentes variações de nomes pensando no gol rival. Foi um ataque sustentado no campo rival, mas não completamos. Calor não é desculpa por não termos ganhado. Não ganhamos pois não concretizamos as chances. Levamos empate e buscamos a vitória. Calor e gramado não são justificativas”, completou.

O Santos volta de Maceió nesta segunda-feira, folga na terça e treina na quarta à tarde. A próxima partida será contra o Vasco, domingo, no Pacaembu, pela quarta rodada do Brasileirão.

Sampaoli vê “descanso mais importante que o trabalho” antes de Santos x Vasco

Após uma maratona de três jogos em uma semana, de Porto Alegre a Maceió, o Santos terá uma semana de preparação antes de enfrentar o Vasco, domingo, no Pacaembu, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe venceu o Grêmio no dia 28 de abril, o Fluminense no último dia 2 e empatou com o CSA neste domingo. O técnico Jorge Sampaoli vê o descanso como fundamental neste momento.

“O mais importante é o descanso. Que o jogador possa diminuir a adrenalina. Descanso será mais importante que o trabalho. Daremos um dia e meio para se recuperarem bem e depois trabalharemos duro para enfrentar o Vasco. Esperamos grande jogo contra uma equipe muito difícil.

O Santos volta de Maceió nesta segunda-feira, folga na terça e só volta a treinar na quarta à tarde. O Peixe não tem desfalques para enfrentar o Vasco.

Jorge Sampaoli tem rodado o elenco. Para enfrentar o CSA, por exemplo, Jean Lucas e Cueva foram as novidades.

“Escalamos quem pensamos que eram melhores para esse jogo. Uns são melhores em um jogo, outros em outro. Jogamos num cenário difícil. Uns foram melhores que o outro, normal”, concluiu o treinador.

Jean Mota cita erro principal do Santos contra o CSA, mas exalta “entrega”

Jean Mota viu a falta de “lateralidade” como principal problema do Santos no empate em 0 a 0 com o CSA na tarde deste domingo, no Rei Pelé, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Para o meia, que foi poupado e entrou no segundo tempo, o Peixe mudou pouco de lado e teve dificuldade para furar a retranca do CSA.

“Pelo que críamos, não queríamos empatar. Era girar rápido, demoramos a girar e eles faziam a recomposição. Quando giramos, tivemos chances. Mas time está de parabéns pela entrega”, disse Jean Mota, ao Premiere.

Cueva volta a jogar mal pelo Santos e se irrita; veja números

Cueva foi escalado na sua função de origem, como meia armador e sem grande responsabilidade defensiva, em CSA 0 x 0 Santos. E decepcionou.

O meia chegou ao 12º jogo pelo Peixe, sem fazer gol ou dar uma assistência. Neste domingo, em Maceió, ele foi burocrático e acabou substituído aos 15 minutos do segundo tempo, para a entrada de Jean Mota.

De acordo com o relato do repórter Thiago Crespo, do Premiere, o peruano não gostou da substituição e discutiu com membros da comissão técnica. As imagens da TV mostraram o atleta conversando e gesticulando bastante com o preparador físico Pablo Fernández.

Os números do Footstats comprovam a atuação apagada de Cueva: ele não finalizou e nem deu uma assistência para finalização. De 42 passes, errou cinco. Uma falta foi cometida. O mapa de calor o mostra com maior movimentação pelo lado esquerdo.

O Santos pagará, a partir de 2020, R$ 26 milhões por Cueva, em quatro parcelas anuais, ao Krasnodar-RUS. O contrato irá até dezembro de 2022.