Palmeiras 0 x 0 Santos

Data: 23/02/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 8ª rodada
Local: Allianz Parque, em São Paulo, SP.
Público: 33.980
Renda: R$ 2.144.518,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Tatiane Sacilotti.
Cartões amarelos: Weverton e Antonio Carlos (P); Yuri, Jean Lucas e Cueva (S).

PALMEIRAS
Weverton; Marcos Rocha, Luan (Antonio Carlos), Gustavo Gómez e Victor Luis; Thiago Santos, Moisés (Bruno Henrique) e Raphael Veiga (Ricardo Goulart); Felipe Pires, Dudu e Borja.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Copete (Orinho); Yuri, Jean Lucas, Diego Pituca (Carlos Sánchez) e Cueva; Rodrygo e Derlis González (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli



Borja perde gol incrível, goleiros brilham e Palmeiras e Santos empatam sem gols

Palmeiras e Santos fizeram um bom clássico neste domingo, no Allianz Parque, mas não conseguiram balançar as redes. Depois de um primeiro tempo apenas com duelos táticos e novo gol incrível perdido por Borja, a partida ganhou emoção na etapa final e os dois times pararam em grandes defesas de Weverton e Everson. Pior para o Verdão que viu os quase 34 mil pagantes vaiarem após o apito final.

Com o empate, o Palmeiras segue líder do Grupo B com 15 pontos. O Verdão volta a campo diante do Ituano, na próxima quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), no Allianz Parque. O Santos também lidera sua chave, soma 19 pontos e só volta a jogar pelo Paulistão no sábado, diante do Oeste, às 19h, no Pacaembu. Antes, o Peixe encara o River Plate pela Copa Sul-Americana, às 19h15 também no Pacaembu.

O jogo

O clássico começou interessante no Allianz Parque. As duas equipes buscaram a marcação no campo ofensivo, mas a pressão dos mandantes durou poucos minutos. Logo, a apatia de Miguel Borja e o despreparo físico de Raphael Veiga pesaram para que o Verdão desse espaço ao Santos.

Isso, somado à boa ‘saída de três’ armada por Sampaoli, com Yuri recuado quase como terceiro zagueiro, deu espaço para Jean Lucas, o melhor do Peixe aparecer no jogo. Quando Moisés avançava para tentar acirrar a marcação, o camisa 30 do, hoje dourado, Santos aparecia bem às costas dos volantes palestrinos, mas nada que evoluísse para jogadas claras de gol.

O Alviverde, por sua vez, tentava copiar a fórmula de saída de bola adversária, mas o passe de Thiago Santos dificultou o recurso. Foi o primeiro time misto do Maior Campeão do Brasil na temporada. Ao invés das já conhecidas formações ‘A’ e ‘B’, Felipão misturou suas duas escalações e o Verdão sofreu.

Apenas Felipe Pires conseguiu destaque, infernizando o inseguro Copete pelo lado direito. Dudu tentou dobradinha com Victor Luis na esquerda, mas pouco apareceu, enquanto Raphael Veiga e Borja fizeram nova péssima partida. Com todo este cenário, a única real oportunidade de gol do clássico saiu após 40 minutos já jogados.

Dudu tentou jogada individual pela esquerda, perdeu a bola e ela sobrou para Victor Luis, que avançou até a área e cruzou rasteiro. Everson e Raphael Veiga tentaram alcançar, mas a bola chegou no segundo poste, onde Borja entrou livre. O colombiano deu um carrinho com o pé direito, mas ela bateu em seu pé esquerdo e foi fraca na direção do gol. Em cima da linha, Gustavo Henrique afastou.

O panorama da etapa final foi diferente. Por erros de passe, botes e cobertura, os dois times conseguiram criar. Com apenas três minutos, Derlis González teve espaço para arriscar de fora da área, e Yuri entregou bola para Raphael Veiga dominar sozinho, na meia-lua e finalizar duas vezes em cima da zaga. Felipe Pires, livre pela direita, esbravejou muito com o companheiro.

O Alvinegro, por sua vez, reclamou de duas penalidades. Primeiro, de um toque de mão de Gustavo Gómez em finalização de Jean Lucas. Depois, de um empurrão em Jean Mota após cruzamento na área.

Contando com as falhas visitantes e abusando das jogadas pelas pontas, o Palmeiras foi encurralando o Santos, mas abrindo espaço para os contra-ataques. Tentando armar, o Peixe só conseguia respiro quando seus dois zagueiros, além de Yuri, tocavam a bola.

Com 14 jogados, após cruzamento de Dudu, três palmeirenses tocaram de cabeça, mas ninguém mandou para as redes. Pouco depois, o camisa 7 levantou mais uma área, Felipe Pires finalizou, mas a bola estava muito alta e foi para fora.

A esperança verde aumentou com a entrada de Ricardo Goulart, já metade do segundo tempo. As arquibancadas vibraram quando o camisa 11 foi chamado por Felipão, mas chiaram quando a placa indicou que Raphael Veiga era quem deixaria o campo, ao invés de Borja. Ambos fizeram péssima jornada e o último reforço do ano melhorou o Verdão.

O placar só não foi alterado na reta final pela bela defesa de Weverton, em finalização de Matheus Ribeiro e o brilho de Everson. O goleiro do Santos fez um milagre para defender a cabeçada de Dudu e mostrou reflexo para parar Gustavo Gómez, em nova jogada pelo alto.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli elogia Everson, mas banca Vanderlei na Sul-Americana

O técnico Jorge Sampaoli elogiou Everson depois do empate do Santos em 0 a 0 com o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, mas bancou o retorno de Vanderlei diante do River Plate-URU, terça-feira, no Pacaembu, pela volta da primeira fase da Sul-Americana.

Everson foi o grande destaque do Peixe no empate do clássico. O goleiro ainda reserva fez pelo menos três grandes defesas e ainda mostrou categoria na reposição e tranquilidade nos recuos.

“Era uma partida importante para Everson demonstrar seu potencial, mostrar que está pronto. Na terça-feira vai jogar Vanderlei. É bom saber que Everson também tem nível para estar no time”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli analisa um rodízio entre Vanderlei e Everson, mas, antes disso, dará algumas chances esporádicas ao jogador ex-Ceará.

Na decisão de terça, o Santos contará com o retorno de Alison, suspenso pelo terceiro cartão amarelo contra o Palmeiras. Rodrygo, por punição da Conmebol, e Cueva e Jean Lucas, não inscritos a tempo, serão desfalques.

Victor Ferraz, Carlos Sánchez e Jean Mota, poupados neste sábado, estarão à disposição. Soteldo, com dores musculares na coxa direita, é dúvida.

Jean Lucas ganha elogios de Sampaoli e diz: “Jogador sem personalidade não joga”

Jean Lucas foi um dos destaques do Santos no empate em 0 a 0 com o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, pela oitava rodada do Campeonato Paulista.

O ex-flamenguista marcou e apoiou com qualidade e quase fez o gol da vitória nos acréscimos em finalização de fora da área.

A boa atuação e a personalidade chamaram a atenção do técnico Jorge Sampaoli.

“Jean Lucas jogou uma boa partida. Mesmo com pouca experiência jogou bem num palco muito grande. Esta à altura de poder jogar neste time”, disse o treinador, em entrevista coletiva.

Antes de deixar a arena palmeirense, Jean Lucas disse que está contente com suas atuações.

“Estou feliz e tenho muito a melhorar. E jogador sem personalidade não joga hoje em dia”, concluiu.

Jean Lucas não foi inscrito a tempo e será desfalque diante do River Plate-URU na terça-feira, no Pacaembu, pela volta da primeira fase da Copa Sul-Americana.

Everson explica sugestão aceita por Sampaoli e diz que ainda não pediu para bater falta

Destaque do Santos no empate em 0 a 0 com o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, Everson também chamou a atenção pela leitura tática.

Quando Cueva foi derrubado na meia-lua, o goleiro correu para o banco de reservas na direção do técnico Jorge Sampaoli. Parecia um pedido para cobrar falta, algo feito no Ceará, mas foi uma sugestão.

Everson viu Yuri, o líbero, recuado na defesa santista e pediu para o volante adiantar e ele próprio fazer a função de terceiro zagueiro.

“Foi uma questão tática, gostamos da saída de três e Yuri estava afundado e eu acabava apertado. Falei para o Yuri adiantar e eu fazer o terceiro homem, e ele concordou. Yuri foi flutuar e eu fiz o terceiro homem com a bola nos pés”, disse o goleiro, antes de analisar a sua atuação.

“Foi um bom jogo, seguro, nas coberturas que eu fiz, pude sair bem no jogo aéreo e debaixo do gol, sorte no lance do Borja e finalização fraca, fiz boas defesas e separo a cabeçada do Dudu, rápida. Marcos Rocha bateu lateral, sabíamos da jogada e vacilamos. Cabeceio não ia tanto no campo, mas foi para o chão, difícil e nunca é fácil prever onde a bola vai”, completou.

Ainda reserva de Vanderlei, Everson afirmou que ainda não pediu a Sampaoli para cobrar faltas.

“Vim muito focado em defender o Santos e cavar espaço aos poucos e mais para frente, com confiança e liberdade, vou pedir liberação para treinar e bater falta. Hoje fico feliz pela contribuição lá atrás”, concluiu.

Santos 3 x 0 Guarani

Data: 18/02/2019, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 7ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 14.708 presentes (12.952 pagantes e 1.756 não pagantes)
Renda: R$ 399.272,00
Árbitro: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Auxiliares: Neuza Ines Back e Leandro Matos Feitosa (ambos de SP).
Cartões amarelos: Alison (S); Victor Ramos e Carlinhos (G).
Gols: Jean Mota (37-1); Jean Mota (35-2) e Rodrygo (44-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Copete; Alison (Jean Lucas), Diego Pituca, Carlos Sánchez (Yuri) e Jean Mota; Cueva (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

GUARANI
Giovanni; Léo Principe, Ferreira, Victor Ramos e William Matheus (Inácio); Deivid (Carlinhos) e Ricardinho; Lucas Crispim (Álvaro), Thiago Ribeiro e Jefferson Nem; Fernando Viana.
Técnico: Osmar Loss



Com show do artilheiro Jean Mota, Santos vence o Guarani no Pacaembu

O Santos venceu o Guarani por 3 a 0 na noite desta segunda-feira, no Pacaembu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Jean Mota fez dois e Rodrygo completou.

O Peixe dominou todo o jogo e, mesmo com 1 a 0 parcial no intervalo seguiu em cima do Bugre. Jean se isolou na artilharia do Paulistão, agora com sete gols. E o novo camisa 11 fechou o placar na estreia pelo Alvinegro na temporada depois do Sul-Americano Sub-20 com a seleção brasileira.

O Santos, líder geral do Estadual, voltará a campo no clássico diante do Palmeiras, sábado, na arena do rival. No mesmo dia, o Guarani receberá o São Caetano.

O jogo:

O Santos, como de costume, controlou o jogo desde os primeiros minutos e voltou a enfrentar uma boa defesa. O Guarani encurtou os espaços do Peixe assim como feito pelo Mirassol na última rodada.

O Peixe ficou com a bola, não sofreu na defesa e só foi perigoso na primeira metade da etapa inicial pelo alto. Gustavo Henrique teve duas boas chances e desperdiçou.

Quando o lado direito passou a ser mais acionado com Victor Ferraz e Derlis González saiu da área para buscar espaços, o Alvinegro cresceu. Aos 35, na primeira boa triangulação, a arbitragem marcou impedimento duvidoso de Sánchez. Dois minutos depois, veio o primeiro gol.

A jogada foi precisa. Tabela de Victor Ferraz com Cueva, passe para trás, chute cruzado de Sánchez e Jean Mota, artilheiro do Campeonato Paulista com seis gols, aproveitou na pequena área. 1 a 0 parcial.

O segundo tempo foi mais aberto. Em cinco minutos, três oportunidades foram criadas – duas para o Guarani, com Thiago Ribeiro e Viana, e uma do Santos, com Carlos Sánchez.

O Bugre se expôs e ofereceu espaço ao Peixe. Os donos da casa, porém, voltaram a mostrar falta de pontaria e não mataram o jogo.

O Alvinegro teve diversas oportunidades na bola parada e, em uma delas, quase marcou um golaço. Carlos Sánchez bateu escanteio para trás, Derlis fez o corta luz e Jean Mota bateu bonito, rente à trave, aos 22. Aos 28 e 29, Sánchez e Aguilar voltaram a assustar no jogo aéreo.

No minuto 33, o Santos teve mais um gol anulado. Em novo escanteio perigoso, Copete desviou e Derlis guardou. Paraguaio, porém, estava à frente. Na sequência, o Guarani sucumbiu. Jean Mota marcou o segundo dele em cobrança de falta direta para o gol e decretou a vitória.

Nos minutos finais, o Santos administrou o resultado e ainda deu tempo de fazer o terceiro. Aos 44, Derlis caiu na área e optou por cruzar ao invés de reclamar de pênalti. Rodrygo, sozinho, cabeceou para o fundo do gol. Vitória do líder geral do Campeonato Paulista.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli cita “religião” do Santos e cogita poupar contra o Palmeiras

Após vencer o Guarani por 3 a 0 nesta segunda-feira, no Pacaembu, o técnico Jorge Sampaoli citou a “religião” do Santos: estar perto do gol adversário.

“Estamos com uma estrutura de trabalho que nos permite trabalhar dessa forma. Mas o mais importante é a vontade de ir para frente, a vontade dos jogadores de desfrutar o jogo, tratando de crescer, tratando como se o jogo e o gol rival fosse nossa religião. Estamos construindo essa ideia e tomara que desfrutemos dela”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também cogitou poupar titulares diante do Palmeiras, sábado, na arena do rival, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. O Peixe terá o jogo de volta contra o River Plate-URU na terça, no Pacaembu, pela Sul-Americana.

“Sabemos que teremos uma partida difícil contra o atual campeão Brasileiro. Temos também a partida da Sul-Americana, vamos valorizar as duas partidas. As duas são importantes”, afirmou.

“Palmeiras tem um elenco muito bom. Temos que ver com quais jogadores vamos atuar, pensando nas duas partidas (Palmeiras e Sul-Americana)”, concluiu.

Sampaoli vê plenitude de Jean Mota e fala em “pegar no pé” de Rodrygo no Santos

O técnico Jorge Sampaoli vê Jean Mota em sua “plenitude” pelo Santos. Com os dois gols diante do Guarani, nesta segunda-feira, o meia se isolou como artilheiro do Campeonato Paulista, com sete no total.

“Está tendo uma temporada fantástica. Está nos ajudando muito com sua capacidade goleadora e com seu jogo. Está vivendo um movimento de plenitude. Quando chegamos vimos que ele tinha muitas condições de jogo, por isso queríamos ele no clube. Agora está mostrando sua qualidade. Está fazendo gols porque também tem muita confiança. Tem muitas virtudes que não haviam sido descobertas”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Fiquei surpreendido. O nível de confiança que ele tem, atuando em diversas posições. Ele interpretou muito bem o jogo de posição. Ele sabe se mover dentro e fora da área, joga bem com ou sem a bola. Há jogadores que entendem rápido essa forma de jogar, ele foi um deles”, completou.

Sampaoli também comentou sobre Rodrygo. De volta após o Sul-Americano Sub-20 com a seleção brasileira, a joia marcou o terceiro gol do Peixe diante do Bugre. O argentino pegará no pé do jovem antes da ida para o Real Madrid-ESP, em julho.

“Chegou com um cansaço do Sul-Americano. Mas ainda estamos nos conhecendo. Ele será muito importante para o Santos, é um jogador que se destaca. Ele precisa se comprometer nesses poucos meses que ficará no Santos, é obrigação. Estaremos em cima dele”, concluiu.

Victor Ferraz destaca gols “treinados” e “construídos” do Santos

Capitão, Victor Ferraz destaca os gols trabalhados do Santos. O primeiro diante do Guarani, nesta segunda-feira, teve tabela, triangulação, e o meia Jean Mota na pequena área para completar.

O segundo, também de Jean, veio depois de um pedido de Jorge Sampaoli para falta lateral cobrada na direção do gol. O terceiro teve Derlis González, o “falso 9”, pela ponta antes de cruzamento perfeito para Rodrygo surgir como 9 e fechar o placar.

“As jogadas estão saindo, as jogadas que a gente treina, os gols estão saindo de forma construída. Continuar com os pés no chão, porque é só o início do campeonato”, disse Victor Ferraz, ao SporTV.

“A gente treina isso. O Sampaoli sempre pede para bater em cima do goleiro, porque se não pega em ninguém fica difícil para o goleiro”, afirmou Jean Mota.


River Plate-URU 0 x 0 Santos

Data: 12/02/2019, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-Americana – 1ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio Luis Franzini, em Montevidéu, Uruguai.
Árbitro: Germán Delfino (ARG)
Auxiliares: Gabriel Chade e Lucas Germanotta (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Leyes (RP); Derlis González (S).
Cartão vermelho: Orinho (S).

RIVER PLATE-URU
Gastón; Herrera, Augustín Ale, Ivan Silva e Luis Oliveira; Maximiliano Calzada, Sebastián Piriz, Mauro Da Luz e Facundo Ospitaleche; Juan Oliveira (Leyes) e Juan Plada.
Técnico: Jorge Giordano

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Orinho; Alison, Diego Pituca (Yuri), Carlos Sánchez e Jean Mota (Matheus Ribeiro); Copete (Soteldo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Expulsão compromete atuação, e Santos empata na estreia pela Sul-Americana

O Santos empatou em 0 a 0 com o River Plate-URU nesta terça-feira, em Montevidéu, pelo jogo de ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O Peixe dominava o jogo sem sofrer sustos e com várias oportunidades criadas, mas teve a atuação comprometida em erro infantil de Orinho.

O lateral-esquerdo errou o recuou parou o adversário com um pontapé e foi expulso aos 21 minutos do segundo tempo. Com um a menos, o Alvinegro recompôs a defesa e administrou o empate.

O jogo:

O Santos teve mais de 70% da posse de bola no primeiro tempo, mas só criou uma chance realmente clara, com Derlis González e Copete, aos 13 minutos.

Jean Mota lançou o paraguaio, que tentou por cobertura e parou em Gastón. No rebote, Copete bateu forte e Silva tirou de cabeça, debaixo do gol.

Com muitos erros de passe e menor intensidade que o normal no Campeonato Paulista, o Peixe ficou com a bola, não sofreu e também foi para o intervalo sem criar muitas oportunidades.

Na segunda etapa, o jogo ficou mais animado. Aos quatro minutos, Derlis cruzou e a arbitragem marcou impedimento duvidoso em gol de cabeça de Copete. Aos oito, Da Luz acertou a trave de fora da área.

O Peixe começou a empilhar chances e parecia perto de abrir o placar. Aos 12, Derlis, Sánchez e Pituca tiveram boas oportunidades de marcar no mesmo lance, mas pararam no goleiro uruguaio. No minuto 17, Pituca teve duas chances na pequena área e desperdiçou.

E aos 21, veio a notícia ruim. Em lance simples, Orinho errou o recuou, parou Da Luz com um pontapé e foi expulso. Com um a menos, Sampaoli recompôs a defesa e viu o River crescer. Ao 24, Vanderlei salvou o Santos em nova finalização de Da Luz.

Depois do susto, o Peixe se fechou na defesa e administrou o empate para decidir no Pacaembu, dia 26, no jogo de volta.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli analisa empate do Santos com o River: “Não é conveniente”

O técnico Jorge Sampaoli não gostou do empate do Santos com o River Plate-URU por 0 a 0 na noite desta terça-feira, em Montevidéu, pela ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O treinador destacou a falta de pontaria do time e a dificuldade em atuar com um a menos por quase 30 minutos, depois da expulsão de Orinho.

“O controle da partida foi favorável ao Santos, o River complicou em algumas jogadas profundas, principalmente depois da expulsão. A expulsão aos 25 minutos deu o controle da partida. Tivemos chances claras para ganhar no segundo tempo como no primeiro, mas não fomos contundentes. Não pudemos converter. Viemos para ganhar e não ganhamos, não é conveniente, queríamos ganhar. Mas reforço os jogadores e a a capacidade de se colocar em campo, sabendo o contra-ataque rápido que tem o River pelas costas. Pensar na revanche, numa partida que será diferente. A definição pode ser qualquer uma”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Porque não tivemos as mesmas chances de sempre e capacidade de completar. Isso não me preocupa muito. Viemos ao Uruguai, contra uma equipe forte coletivamente, defensivamente, criamos bastante chances, a ideia e a forma se mantiveram aqui”, completou.

Victor Ferraz discorda de expulsão e diz que Santos mereceu vencer o River

Victor Ferraz discordou da expulsão de Orinho no segundo tempo do empate do Santos em 0 a 0 com o River Plate-URU nesta terça-feira, em Montevidéu, pela ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O lateral-esquerdo errou um recuou e parou o lance com um pontapé em Da Luz. O Peixe, que vinha empilhando chances, precisou administrar o empate.

“Uma expulsão em jogo como esse faz toda a diferença. Não foi para expulsão, o jogador já tinha perdido a jogada”, disse o capitão Victor Ferraz, ao DAZN.

“Jogo duro, campo diferente, seco porque não molham. Tivemos boas chances de gol e se tivesse que ter um vencedor, tinha que ser o Santos”, completou.


Santos FC x CA River Plate-URU
Santos Futebol Clube x Club Atlético River Plate


Retrospecto:

02 jogos
00 vitória
02 empates
00 derrota
01 gol pró
01 gol contra
00 saldo

Resultados:

12/02/2019 – Santos 0 x 0 River Plate-URU – Copa Sul-Americana – Luis Franzini
26/02/2019 – Santos 1 x 1 River Plate-URU – Copa Sul-Americana – Pacaembu


Santos 1 x 0 Mirassol

Data: 09/02/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Paulista – 6ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 19.261 pessoas (16.634 pagantes e 2.627 não pagantes)
Renda: R$ 522.527,00
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Marco Antonio de Andrade
Cartões amarelos: Aguilar (S); Riccieli e Lelê (M).
Gol: Jean Mota (49-2).

SANTOS
Everson; Matheus Ribeiro, Aguilar, Luiz Felipe (Gustavo Henrique) e Orinho; Yuri, Diego Pituca, Jean Mota e Cueva (Carlos Sánchez); Soteldo e Eduardo Sasha (Derlis González).
Técnico: Jorge Sampaoli

MIRASSOL
Tiago Cardoso; Daniel Borges, William Alves, Leandro Amaro e Carlos Renato; Riccieli, Léo Baiano, Wellington Simião e Jean Carlos (Mailton); Lelê (Carlão) e Rodolfo (Zé Roberto).
Técnico: Moisés Egert



Jean Mota decide na estreia de Cueva e Santos vence o Mirassol no fim

O Santos de apenas quatro titulares – Luiz Felipe (o zagueiro sentiu problema na coxa e foi substituído por Gustavo Henrique), Aguilar, Diego Pituca e Jean Mota -, sofreu, mas venceu o Mirassol por 1 a 0 neste sábado, no Pacaembu, pela sexta rodada do Campeonato Paulista. O gol foi marcado por Jean Mota, no último minuto – o artilheiro do Estadual com cinco gols.

O estreante Cueva foi bem, mas os laterais Orinho e Matheus Ribeiro foram discretos e Yuri, Eduardo Sasha e Soteldo irritaram a torcida presente em São Paulo.

No segundo tempo, o Peixe superou o desentrosamento e criou chances, porém, esbarrava na falta de pontaria e boas defesas do goleiro Tiago. No fim, o bom volume de jogo foi recompensado depois de jogada de Derlis e raça de Jean Mota na pequena área.

O jogo

O Santos, sem entrosamento e com as estreias de Everson e Cueva, conseguiu controlar o jogo desde os primeiros minutos, mas teve muita dificuldade para encontrar espaços na etapa inicial.

Os primeiros 47 minutos foram do Peixe sem sustos na defesa, com a bola no pé, só que sem oportunidades claras. Na melhor delas, Jean Mota cruzou na pequena área e não teve quem empurrasse para o gol.

No segundo tempo, o Alvinegro passou a empilhar chances. Jean Mota, Eduardo Sasha, Cueva, Soteldo…. Todos tiveram finalizações de frente para o gol. Com o goleiro Tiago seguro e a pontaria em baixa, porém, a bola teimava em não entrar.

Nos minutos finais, até o zagueiro Gustavo Henrique foi para o ataque, mas Tiago seguia firme, assim como o zero no placar. E aí apareceu a estrela de Jean Mota, artilheiro do Campeonato Paulista. No último minuto, Derlis González bateu cruzado e o meia, na raça, empurrou para o fundo das redes na pequena área. 1 a 0 e mais uma vitória santista.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli elogia estreia de Cueva no Santos e fala sobre Abner e Jean Lucas

O técnico Jorge Sampaoli gostou da estreia de Cueva na vitória por 1 a 0 sobre o Mirassol neste sábado, no Pacaembu, pela sexta rodada do Campeonato Paulista.

“Só teve um treino, pedimos para jogar e precisávamos girar alguns jogadores. Ajudou com muitos passes no campo rival e isso nos faltava. E com o conhecimento do grupo, vai nos dar muito”, disse Sampaoli.

O treinador ainda comentou sobre Jean Lucas, emprestado pelo Flamengo, e Abner, lateral-esquerdo do PSTC e alvo do Peixe para a temporada.

“Analisamos muito bem, é um volante que pode ajudar com a agressividade que precisamos. Flamengo não deixava sair, depois chegamos a um acordo”, comentou o treinador.

“Estávamos vendo alguns laterais, Abner é um deles, mas bem, estamos esperando a evolução das negociações e não sei bem como está”, completou.

Jean Lucas esteve no Pacaembu para assistir ao jogo do Santos e será anunciado em breve. Abner espera pelo “sim” do Peixe para fechar.

“Vital” para Sampaoli, Jean Mota valoriza paciência do Santos em vitória

Com 0 a 0 no placar, Mirassol todo atrás, chances desperdiçadas e, até o último minuto, o Santos manteve seu estilo de posse de bola e chegou ao gol da vitória no último minuto, com Jean Mota.

Artilheiro do Campeonato Paulista com cinco gols, Jean destaca a paciência do Peixe deste sábado, no Pacaembu.

“Não é ansiedade, tentamos de várias formas, o time deles estava muito fechado, e mesmo com time reserva não mudamos nosso estilo. Buscamos, tivemos uma chance com o Cueva, outra com o Soteldo, e sempre buscamos o gol. No final saímos com a vitória”, disse Jean Mota, ao Premiere.

“Hoje não deu na técnica, foi na raça ali, a bola sobrou e pude por pra dentro. Tentamos de várias formas, finalizamos, o time deles não finalizou no segundo tempo. Queria agradecer meu avô, que está ali assistindo, esse gol é pra ele”, completou o meia.

O técnico Jorge Sampaoli analisou o bom momento de Jean Mota. O argentino barrou a saída dele depois de propostas do Bahia, Ceará e Fortaleza.

“Não encontrou seu lugar em outro projeto, vimos a capacidade de jogar muito bem. Criticava-se a falta de sacrifício, não correr, mas nunca se desvalorizou como pode ajudar o companheiro no jogo. É vital nesse aspecto, muito importante e estamos aproveitando muito”, concluiu.

Matheus Ribeiro diz que não merecia, mas promete dar a vida em nova chance no Santos

Matheus Ribeiro foi contratado em 2017 como destaque do Atlético-GO na Série B do Campeonato Brasileiro e alternativa para as duas laterais do Santos.

O jogador, porém, não se destacou e acabou emprestado para o Puebla-MEX e o Figueirense em 2018. Com três lesões, ele quase não atuou. Mesmo assim, foi chamado pelo técnico Jorge Sampaoli para voltar ao Peixe.

A reestreia pelo Alvinegro ocorreu neste sábado, na vitória por 1 a 0 sobre o Mirassol, justamente no Pacaembu, palco de uma atuação ruim e de críticas da torcida diante do Independiente Santa Fé-COL em 2017, pela Libertadores.

“Não cabe a mim falar se eu gostei, dei meu melhor. Minha última lembrança do Pacaembu não é das melhores. Estou aqui para dar a volta por cima, dar meu melhor e estou muito feliz com essa reestreia”, disse Matheus Ribeiro.

“Toda experiência é válida. Ano passado foi muito difícil para mim, duas lesões no México e outra no Figueirense. Joguei muito pouco. Estou encarando essa chance como a chance da vida. Não conseguiria expressar em palavras. Tenho momento diferente, uma chance que ao meu ver nem merecia pois quase não joguei ano passado. Foi uma surpresa, mas uma surpresa ótima. Estou muito feliz”, completou.

Matheus também falou sobre a oportunidade de atuar mais ofensivamente no esquema tático de Sampaoli e da falta de ritmo depois de temporada de altos e baixos em 2018.

“Professor gosta do lateral bem intenso, que compita pela bola lá na frente e isso me ajuda, tenho um pouco de dificuldade na marcação, então para mim é um posicionamento bem interessante”, explicou.

“Joguei uma partida inteira depois de 90 minutos, intenso, calor, senti um pouco o ritmo, mas só jogando que se consegue ter ritmo. Foi uma boa oportunidade e espero ter agradado ao professor”, concluiu.