Estudiantes 0 x 1 Santos

Data: 05/04/2018, quinta-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 6 – 3ª rodada
Local: Estadio Centenario Ciudad de Quilmes, em Quilmes, Argentina.
Árbitro: Roddry Zambrano (EQU)
Auxiliares: Christian Lescano e Juan Macías (EQU)
Cartões amarelos: Campi (E); David Braz e Vanderlei (S).
Gol: Arthur Gomes (18-1).

ESTUDIANTES DE LA PLATA
Mariano Andújar; Facundo Sánchez, Leandro Desábato, Jonathan Schunke e Gastón Campi; Iván Gómez, Lucas Rodríguez, Gastón Giménez (Mariano Pavone) e Carlo Lattanzio (Juan Bautista Cascini); Lucas Melano e Juan Ferney Otero (Pablo Lugüercio).
Técnico: Lucas Bernardi

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Renato (Gustavo Henrique) e Jean Mota; Arthur Gomes (Léo Cittadini), Rodrygo (Diogo Vitor) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jair Ventura



Com show de Vanderlei, Santos vence o Estudiantes e vira líder

O Santos sofreu, mas venceu o Estudiantes por 1 a 0 na noite desta quinta-feira, em Quilmes, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores. Com o resultado, o Peixe assumiu a liderança do Grupo 6, com sete pontos.

O alvinegro segurou a pressão dos argentinos nos minutos iniciais e abriu o placar em contra-ataque perfeito aos 19′, criado por Rodrygo e encerrado por Arthur Gomes após finalização na trave de Eduardo Sasha.

No segundo tempo, depois de perder grandes chances para ampliar, o Santos sofreu, mas viu Vanderlei fazer pelo menos quatro ótimas defesas para garantir o resultado. Depois de trauma na mão esquerda sofrido no treino da última quarta, o goleiro foi para campo no sacrifício e se destacou.

O jogo:

O Estudiantes começou o jogo pressionando o Santos. Sem saída de bola, o Peixe só tentava se marcar e viu os argentinos ficarem perto do primeiro gol. Aos nove minutos, Melano finalizou na trave. Na sequência, Schunke cabeceou para linda defesa do goleiro Vanderlei.

E quando o alvinegro parecia perto de sofrer o gol, veio a luz. Eduardo Sasha iniciou o contra-ataque, Rodrygo deu bom passe para Arthur Gomes, a bola voltou para Sasha, que deu uma meia-lua em Desábato e finalizou na trave. Arthur, impedido, só empurrou no rebote para abrir o placar.

Depois do gol, o Santos passou a controlar mais o jogo e sofrer menos. O Estudiantes, pouco criativo, abusou da bola parada e do jogo aéreo. O único susto veio em contra-ataque puxado por Melano. O atacante arrancou sozinho, mas finalizou longe.

E aos 44, o Peixe quase ampliou. Rodrygo arrancou pela esquerda e cruzou, Arthur Gomes chutou para rebote de Andújar e Jean Mota, sozinho na pequena, chutou por cima do travessão de forma inacreditável.

O Estudiantes veio para o tudo ou nada e o Santos se postou para o contra-ataque. Aos 10, veio nova oportunidade de fazer o segundo gol. Jean Mota foi à ponta e tocou para trás, Eduardo Sasha serviu Arthur, e o atacante foi à linha de fundo, mas exagerou na força do cruzamento e ninguém empurrou.

Aos 14 minutos, o time de La Plata respondeu. Lattanzio se antecipou a Daniel Guedes no segundo pau e bateu de barriga. Vanderlei, no reflexo, salvou mais uma. E a pressão só voltou aos 36′.

Campi cruzou na área, Melano cabeceou, Vanderlei não segurou e, no rebote, o goleiro fez milagre em finalização de Pavone à queima-roupa. Aos 42, o camisa 1 fez nova intervenção espetacular em cabeceio de Pavone, garantindo o 1 a 0.

Bastidores – Santos TV:

Após vitória e liderança, Jair diz que Santos aprendeu a ser “copeiro”

Para Jair Ventura, a maior lição do Santos na vitória sobre o Estudiantes foi aprender a ser “copeiro”, definição dos times cascudos, que sabem defender na hora certa para administrar resultados. Foi assim no 1 a 0 em Quilmes na noite desta quinta-feira, com show do goleiro Vanderlei e zagueiros muito exigidos.

Com os três pontos, o Peixe assumiu a liderança do Grupo 6 da Libertadores. Por causa das circunstâncias, Jair entende que essa é a principal parte da viagem, sem muita preocupação com a atuação em si.

“Jogo muito difícil. Joguei aqui ano passado. Foi bem complicado e acho que o Santos foi copeiro hoje, foi competitivo, lutou, soube jogar. O gramado não estava tão regular, mas competiu e conseguimos uma bela vitória. Assumimos a liderança do nosso grupo, mas hoje, a nossa lição, é que fomos copeiro. Nada impede que o Santos seja um time jovem, mas que jogue competindo”, disse Jair.

“Tivemos dificuldades em fazer nosso jogo apoiado na saída de bola. Analisamos. O Otero e o Melano marcam muito forte esta saída. Foi uma estratégia dentro da partida. Não jogamos em uma nota só, tentamos adaptar. Quando tem que propor, nós jogamos como vencemos o Palmeiras. Esta versatilidade é importante. Tenho que agradecer aos jogadores pela entrega, saíram exaustos do jogo”, completou.

O Santos voltará a enfrentar o Estudiantes para encaminhar a classificação às oitavas de final da Libertadores no dia 24 de abril, na Vila Belmiro, pela quarta rodada da primeira fase.

Vanderlei supera dores para brilhar em vitória do Santos

No sacrifício, Vanderlei foi o melhor jogador do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Estudiantes nesta quinta-feira, em Quilmes, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores da América. O goleiro sofreu um trauma na mão esquerda no treinamento desta quarta, mas superou as dores e foi para o jogo. E brilhou.

O goleiro fez pelo menos quatro grandes defesas para segurar o resultado na Argentina. Eleito melhor em campo pelos organizadores da Libertadores, o camisa 1 dividiu os méritos e alertou o time.

“Agradeço pela vitória e pela oportunidade. Sabíamos que seria difícil, campo acanhado, apoio da torcida, e sabíamos do espaço para contra-ataque. Fizemos o gol e poderíamos ter feito outro. Vieram para cima, suportamos bem e saímos com uma vitória muito importante”, analisou Vanderlei, em entrevista ao SporTV.

As defesas dão tranquilidade maior para os jogadores. Vão ter oportunidade de definir. Faltou passe final no contra-ataque e seguramos bola, rifamos muito. Serve de aprendizado. Sobre a nota (da atuação), deixo para vocês (da imprensa). O importante é fazer um grande trabalho”, completou.

Veja abaixo todas as defesas de Vanderlei na partida contra o Estudiantes.

Sasha diz que vitória superou expectativas do Santos: “Um ponto não seria ruim”

O empate não seria ruim, mas o Santos venceu o Estudiantes por 1 a 0 nesta quinta-feira, em Quilmes, e assumiu a liderança do Grupo 6 da Libertadores da América. Eduardo Sasha admite que o resultado supera as expectativas do Peixe.

“A gente veio para pontuar. Um ponto não seria ruim, mas conseguimos uma vitória muito importante para enfrentarmos ele em casa e podermos aumentar ainda mais a vantagem”, disse Sasha, ao SporTV.

Sasha foi decisivo. O atacante finalizou a bola na trave antes de Arthur Gomes, na pequena área, só empurrar para o fundo das redes.

“Foi um gol coletivo, saímos em um contra-ataque muito rápido. Eu, Rodrygo e Arthur estamos de parabéns pelo belo gol”, emendou.


Palmeiras 1 x 2 Santos – 5 x 3 pênaltis

Data: 27/03/2018, terça-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 36.591 presentes (34.743 pagantes e 1.848 não pagantes)
Renda: R$ 1.327.610,00
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Auxiliares: Herman Brumel Vani e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.
Cartões amarelos: Felipe Melo e Willian (P); David Braz, Lucas Veríssimo, Alison e Eduardo Sasha (S).
Gols: Eduardo Sasha (13-1), Bruno Henrique (16-1) e Rodrygo (39-1).
Pênaltis: Palmeiras: Dudu, Tchê Tchê, Victor Luis, Moisés e Guerra converteram. Santos: Gabriel, Artur Gomes e Jean Mota converteram. Diogo Vitor desperdiçou.

PALMEIRAS
Jailson; Tchê Tchê, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Guerra); Dudu, Keno e Willian (Deyverson).
Técnico: Roger Machado

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha (Diogo Vitor), Renato (Leandro Donizete), Arthur Gomes e Rodrygo (Jean Mota); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura



Jailson brilha, Palmeiras vence Santos nos pênaltis e vai à final

Com Jailson herói nas duas partidas contra o Santos, o Palmeiras está na final do Campeonato Paulista. O Verdão esteve longe de apresentar um grande futebol, mas mesmo assim, mostrou garra e buscou o resultado pelos mais 37 mil presentes no Pacaembu e todos os que acompanharam de longe a derrota por 2 a 1 no tempo normal e a classificação emocionante nas penalidades.

Como o Verdão havia vencido o primeiro jogo por 1 a 0, a decisão foi para os pênaltis. E aí brilhou a estrela de Jailson. O goleiro pegou a cobrança de Diogo Vitor, e o Palmeiras venceu a disputa por 5 a 3.

O jogo:

O Palmeiras começou o duelo decisivo marcando apenas a partir do meio-campo. Provavelmente, por um misto de cansaço físico da equipe, que não reuniu condições de treinar desde a primeira partida semifinal, e estratégia para administrar a vantagem.

A estratégia, inédita com Roger Machado este ano (tirando o segundo tempo do primeiro duelo contra o Santos), não surtiu efeito. Mesmo assim, o Verdão só alterou sua postura após ver o Peixe abrir o placar.

O Palmeiras voltou do intervalo ainda com apoio dos 36.591 presentes. Mas a atmosfera não chegava próxima do que a equipe encontra no Allianz Parque, e o nervosismo nas arquibancadas só foi crescendo e sendo refletido nos atletas em campo.

Quando o segundo tempo começou, o Santos se defendia como se tivesse a classificação assegurada (o resultado levaria para as penalidades). Já o Palmeiras atacava como se restasse apenas cinco minutos no marcador para balançar as redes, com absoluto desespero. Era como se o Verdão tentasse emplacar contra-ataques em todas as jogadas, mesmo com a defesa adversária bem postada.

Em dado momento, ficou difícil definir se o time transmitia nervosismo para a torcida, ou se era o contrário. Ao contrário do habitual, Roger não demorou a fazer mudanças e trocou Lucas Lima, apagado nas duas partidas contra o ex-time, e Willian por Guerra e Deyverson. Jair respondeu fechando ainda mais sua equipe: Rodrygo deixou o campo e Jean Mota entrou.

Palmeiras e Santos seguiram sem criar absolutamente nenhuma oportunidade no segundo tempo. A única celebração dos alviverdes foi quando Moisés foi chamado para entrar na vaga de Bruno Henrique. De novo, Jair respondeu rápido e, mais uma vez, de forma defensiva: Diogo Vitor e Leandro Donizete entraram para as saídas de Sasha e Renato.

Mas se faltou emoção na etapa final, sobrou nas penalidades. O Palmeiras converteu suas cinco cobranças, com Dudu, Tchê Tchê, Victor Luis, Moisés e Guerra, enquanto Diogo Vitor parou em Jailson. E assim, o Palmeiras está na final do Campeonato Paulista.

Veja as cobranças de pênaltis no vídeo abaixo:

Sem ‘mimimi’, Jair valoriza Santos após eliminação: “Fortalecidos”

Alinhado ao discurso do elenco, Jair tirou coisas positivas da eliminação do Santos para o Palmeiras na semifinal do Campeonato Paulista. O técnico acredita que o Peixe provou o seu valor ao vencer o rival por 2 a 1 no Pacaembu, nesta terça-feira, antes da derrota nos pênaltis.

“Mostramos poder de reação, mesmo sendo um time em formação. Ainda temos o Bruno Henrique para voltar e o Léo Cittadini, que foi uma baixa pelo grande momento. Hoje infelizmente bateu na trave, mas vencemos a forte equipe do Palmeiras, que tem o maior orçamento do Brasil, com praticamente três times”, afirmou o treinador.

Depois de elogiar o elenco do Palmeiras, Jair foi questionado sobre as deficiências do grupo santista, principalmente pela ausência de um meia após a saída de Lucas Lima. E o treinador não reclamou.

“Vou extrair máximo do meu elenco usando a base. Tenho outra opção? Vamos criar alternativas, usar sistemas diferentes. Vou trabalhar com o que tem. Não sou de mimimi, de ficar chorando. Vamos trabalhar dentro do elenco”, explicou, antes de despistar sobre reforços.

“O departamento de futebol está trabalhando, mas a gente trabalha de maneira interna”, completou.

Bastidores – Santos TV:

Diogo Vitor ganha apoio no Santos: “Responsabilidade não é dele”

Diogo Vitor foi o único santista a perder um pênalti na eliminação para o Palmeiras na semifinal do Campeonato Paulista. O atacante parou no goleiro Jailson. Depois de chorar ao sair do campo, o jovem recebeu o apoio de todos no Peixe.

“A gente ganha e perde junto. É bola para frente. Ele tem cabeça boa”, disse o técnico Jair Ventura.

“O Diogo deu a cara. Teve personalidade. Estamos com ele e vai superar”, afirmou Gabigol.

“Só quem está lá dentro sabe como é. Acertos e erros fazem parte da nossa vida. Temos que saber lidar. Tenho certeza que o Diogo vai dar muitas alegrias ao torcedor do Santos. Vamos ajudá-lo a superar. Responsabilidade não é dele”, explicou David Braz.

“Somos jovens, temos de erguer a cabeça. Falei para o Diogo que temos muitas decisões para disputar. Estamos no caminho certo”, concordou Rodrygo.

Diogo Vitor tem um dos melhores aproveitamentos do elenco em cobranças de pênalti e converteu nas quartas de final contra o São Bento. Ele entrou no segundo tempo da vitória por 2 a 1 sobre o Palmeiras, com a eliminação na sequência.

Jair ganha opção com Rodrygo e prevê novas formações no Santos

O Santos foi eliminado na semifinal do Campeonato Paulista, mas venceu o Palmeiras por 2 a 1, com o Pacaembu lotado de torcedores alviverdes na noite desta terça-feira. E o desempenho faz com que Jair Ventura projete coisas boas para o time na temporada.

Uma delas é a variação tática com quatro atacantes e um deles mais recuado, o caso de Rodrygo no clássico. A joia voltou um pouco para o meio-campo, enquanto Arthur Gomes, Eduardo Sasha e Gabigol trocaram de posição entre as pontas e o meio a todo momento. A movimentação confundiu a defesa do Palmeiras nos gols, de Sasha e Rodrygo.

“Vou extrajr o máximo do meu elenco, usando a base. Tenho outra opção? Vamos criar alternativas, usar sistemas diferentes. Vou trabalhar com o que tem. Não sou de mimimi, de ficar chorando. Vamos trabalhar dentro do elenco e encontrar opções, como fizemos hoje (terça)”, disse Jair.

Rodrygo atuou como meia nas categorias de base e a função não é novidade. No elenco, há falta de armadores. Sem Lucas Lima, Vecchio, Jean Mota, Diogo Vitor e Vitor Bueno foram testados, e sem sucesso.

“Acho uma boa, até porque fiz essa função na base, com muitos jogos como meia ou falso 9. É uma posição que o Jair pode me usar também, mas tudo depende dos treinamentos e de como ele quer escalar a equipe”, explicou Rodrygo.

O lateral-esquerdo Dodô, jogador com boa leitura tática, explica que a formação tática pode ser mantida, mas alterada a cada atleta escalado.

“Na verdade, essa formação a gente já usou no primeiro jogo, o 4-2-3-1, mas entrou o Rodrygo no lugar do Diogo e a interpretação do mesmo esquema tático é diferente de jogador para jogador. O Rodrygo tem um pouco mais de mobilidade. Essa questão dos externos a gente corrigiu pelo vídeo, vimos que eu estava deixando ele (Dudu ou Keno) receber a bola largo para depois diminuir espaço. Hoje eu já estava mais perto deles, jogando mais aberto e tentando antecipar ou diminuir espaço mais rápido. Eles são muito rápidos e complicaram bastante no primeiro jogo. Foi um correção do Jair e deu certo”, analisou.

Paulistão revive final entre grandes da capital após 15 anos

Qual foi a última vez que dois clubes do Trio de Ferro protagonizaram a final do Campeonato Paulista? Muita gente talvez não se lembre de primeira, mas, não é de se surpreender, afinal já são 15 anos desde o último clássico paulistano em uma decisão do Estadual mais concorrido do país.

O Santos foi o principal intruso nesse período, com 10 participações em finais de 14 possíveis. A edição de 2005 não é levada em consideração neste levantamento, pois, apesar de ter tido o São Paulo campeão e o Corinthians vice, a fórmula de disputa adotada se deu por pontos corridos.


Santos 0 x 1 Palmeiras

Data: 24/03/2018, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 19.546 presentes (16.916 pagantes e 2.630 não pagantes)
Renda: R$ 723.270,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Tatiane Sacilotti dos Santos.
Cartões amarelos: Daniel Guedes e Alison (S); Thiago Santos e Dudu (P).
Gol: Willian (05-1).

SANTOS:
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha, Renato (Vitor Bueno), Diogo Vitor (Rodrygo) e Arthur Gomes (Jean Mota); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura

PALMEIRAS
Jailson; Marcos Rocha (Tche Tche), Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luís; Felipe Melo (Thiago Santos), Bruno Henrique (Moises) e Lucas Lima; Dudu, Keno e Willian.
Técnico: Roger Machado



Palmeiras vence o Santos no Pacaembu e tem vantagem por vaga na final

O Palmeiras largou na frente do Santos na semifinal do Campeonato Paulista. No jogo de ida, no Pacaembu, o Peixe venceu por 1 a 0, com gol de Willian, aos cinco minutos do primeiro tempo.

Os 45 minutos iniciais foram de domínio alviverde. Nos instantes finais, o alvinegro assustou e obrigou o goleiro Jailson a fazer duas grandes defesas.

Na segunda etapa, o Santos melhorou, acuou o Palmeiras e teve boas chances para empatar e até virar, mas esbarrou em Jailson, nos erros de passes e na falta de pontaria.

O classificado para a semifinal será definido na terça-feira, às 20h30 (de Brasília), novamente no Pacaembu, dessa vez com torcida única do Palmeiras. Os visitantes terão a vantagem do empate para avançar à final. O Peixe precisará vencer por um gol para levar aos pênaltis e dois gols de diferença por vaga direta.

O jogo:

O Palmeiras dominou o Santos na maior parte do primeiro tempo. O Peixe só assustou nos minutos finais, quando o rival relaxou e passou a errar passes na defesa.

Nos primeiros 30 minutos, foi um passeio alviverde. O Verdão marcou com Willian, após linda jogada coletiva e falha geral da defesa santista logo aos 5’, e teve outras oportunidades para ampliar. O meio-campo foi dominado pelos visitantes no Pacaembu.

Na segunda metade dos primeiros 45 minutos, o alvinegro melhorou a marcação e adiantou as linhas. Jailson precisou fazer duas grandes defesas para evitar o empate. Gabigol, cara a cara, chutou em cima do goleiro. E no escanteio, Renato subiu bem, mas parou no palmeirense.

Com Lucas Lima hostilizado e apagado, Bruno Henrique e Felipe Melo ditaram o ritmo, Dudu e Keno levaram a melhor diante dos laterais e Willian foi decisivo. No Santos, Alison e Dodô foram os melhores. Daniel Guedes e Diogo Vitor, os piores.

Na segunda etapa, o cenário foi alterado. Nos primeiros lances, Victor Luis e Keno, ambos pelo lado esquerdo, tiveram boas chances para ampliar. O lateral parou em Vanderlei e o atacante finalizou para fora.

Só que o Santos, mesmo bagunçado, passou a criar mais chances e respondeu logo em seguida. Arthur Gomes arrancou e cruzou bem, Jailson deu rebote e Gabigol não honrou o apelido e isolou.

Aos 17 minutos, o Peixe quase empatou em bate-rebate na área. A bola ficou viva na pequena área, Gabigol tocou mal para Sasha, que não dominou. Segundos depois, Rodrygo acertou belo chute da entrada da área, para nova defesa de Jailson.

O Santos seguiu na pressão e, aos 29, Gabigol teve nova chance. Dessa vez, o atacante finalizou bonito de fora da área, e Jailson salvou outra vez. Três minutos depois, Gabriel deu ótimo cruzamento para Bueno, que cabeceou nas mãos do goleiro.

Santos perde jejum de cinco anos em derrota para o Palmeiras

O Santos perdeu um jejum de cinco anos ao ser derrotado por 1 a 0 para o Palmeiras neste sábado, pela ida da semifinal do Campeonato Paulista. O último revés como mandante, no Pacaembu, foi por 3 a 1 para o Paulista de Jundiaí em fevereiro de 2013.

De lá para cá, o Peixe foi derrotado por Ituano, na final do Campeonato Paulista de 2014, e São Paulo, no segundo turno do Brasileirão de 2018, mas como visitante.

E o fim de jejum pode custar caro. Para avançar à final do Paulistão, o Santos precisará vencer o Palmeiras na terça-feira, às 20h30 (de Brasília), novamente no Pacaembu, como visitante e com torcida única do rival. Uma vitória por um gol de diferença leva a decisão para os pênaltis. Para se classificar de forma direta, o Peixe precisa de dois gols de saldo.

Bastidores – Santos TV:

Jair cita Tite para explicar 1º tempo ruim do Santos em clássico

O Santos fez um primeiro tempo muito ruim na derrota por 1 a 0 para o Palmeiras neste sábado, no Pacaembu, pelo jogo de ida da semifinal do Campeonato Paulista. Na segunda etapa, a equipe melhorou, mas não conseguiu a virada. Em entrevista coletiva, o técnico Jair Ventura citou a seleção brasileira de Tite para explicar a irregularidade.

“Eu assisti o jogo da Seleção Brasileira. Cobramos muito a equipe do Tite pelo primeiro tempo. Não é combinado: ‘vamos fazer um primeiro tempo ruim, e melhor no segundo’. Temos que buscar um equilíbrio, porém temos do outro lado uma equipe qualificada. Não adianta fazer um segundo tempo como fizemos, se não botar a bolinha para dentro”, disse Jair.

O Peixe criou boas chances, mas esbarrou na falta de pontaria e em boa atuação do goleiro Jailson. Esse foi o terceiro jogo seguido sem marcar no Campeonato Paulista.

“Não fazer o gol, me incomodou. É mais mérito do Jaílson, do que demérito dos nossos atacantes. Fiquei incomodado pelo números de chances que criamos. Pelas oportunidades que foram apresentadas, infelizmente, não conseguimos vencer”, afirmou Jair.

“Pior que ele nem ia jogar. Mas realmente é um goleiro que vive um momento fantástico. Não só o goleiro, mas a equipe do Palmeiras tem valores individuais. Foi decisivo. Chances como Renato, Gabigol, que é um exímio marcador, ele foi bem. Dar parabéns a ele, mas que chega, né? Pelo amor de Deus”, completou.



Santos 0 x 0 Botafogo-SP – 3 x 1 pênaltis

Data: 21/03/2018, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.209 pagantes
Renda: R$ 166.630,00
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxilieres: Marcelo Carvalho Van Gasse e Daniel Paulo Ziolli.
Cartão amarelo: Diones (B).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha (Vitor Bueno), Léo Cittadini, Jean Mota (Diogo Vitor) e Rodrygo (Arthur Gomes); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura

BOTAFOGO-SP
Tiago Cardoso; Marcos Martins, Naylhor, Plínio (Carlos Henrique) e Mascarenhas; Willian Oliveira, Diones, Lucas Taylor (Jheimy), Danielzinho (Cafu) e Dodô; Bruno Moraes.
Técnico: Léo Condé



Santos elimina o Botafogo nos pênaltis e avança à semifinal

Depois de 0 a 0 em 180 minutos, o Santos eliminou o Botafogo nos pênaltis, por 3 a 1, na Vila Belmiro. Arthur Gomes converteu a penalidade decisiva depois de Vitor Bueno e Lucas Veríssimo errarem. A equipe de Ribeirão Preto chutou três para fora.

O Peixe agora aguarda pelo adversário na semifinal. Palmeiras e Novorizontino se enfrentam nesta quarta-feira. O Corinthians recebe o Bragantino nesta quinta.

O jogo:

Os primeiros minutos do jogo empolgaram, mas a animação parou em pouco tempo. Depois de chances em sequência do Santos, o Botafogo acertou a marcação e a partida ficou monótona, com poucas oportunidades.

Aos 19 minutos, o Botinha teve seu melhor momento na etapa inicial. Danielzinho encontrou Bruno Moraes, que parou em Vanderlei. No rebote, o centroavante tentou de novo, e a bola passou perto da trave esquerda do goleiro.

Depois de algumas finalizações de fora da área, o Santos teve a melhor chance nos minutos finais, quando Daniel Guedes cruzou e Dodô, no segundo pau, bateu de primeira e quase marcou.

Nos 45 minutos finais, o jogo foi um pouco mais movimentado. O Santos diminuiu os cruzamentos para tentar infiltrações e finalizações de fora da área. Gabigol teve duas chances. Na primeira, aos 4, chutou por cima do gol. Na segunda, arrancou sozinho, não teve força para ganhar dos defensores e tentou cavar pênalti.

No segundo tempo, o Botafogo ofereceu menos perigo, mas o Peixe seguiu sem criatividade. O time abusou dos cruzamentos e só levou perigo em finalizações de fora da área, principalmente com chutes de Arthur Gomes, aos 38 e 44, defendidos por Tiago Cardoso. Pouco antes, Gabigol recebeu bom passe de Daniel Guedes, mas tentou um gol improvável e não servir Eduardo Sasha, que estava sozinho.

Penalidades máximas

Gabigol converteu o primeiro pênalti, Jheimy empatou, Vitor Bueno e Bruno Moraes desperdiçaram, Diogo Vitor colocou o Santos na frente, antes de Dodô chutar longe. Lucas Veríssimo assustou a torcida ao bater por cima, mas Willian Oliveira errou e Arthur Gomes classificou o Peixe para a semifinal.

Bastidores – Santos TV:

Jair analisa classificação e pede um 10 no Santos: “É evidente”

O Santos teve dificuldade para eliminar o Botafogo e avançar à semifinal do Campeonato Paulista. Depois de 0 a 0 no Santa Cruz e na Vila Belmiro, o Peixe avançou por 3 a 1 nos pênaltis. Mesmo assim, o técnico Jair Ventura valoriza a classificação e cita a eliminação na mesma fase da competição em 2017.

“É o sentimento de um trabalho em início, mas a classificação é importante. Sentimos a atmosfera do clube… E fomos eliminados na mesma fase no ano passado (para a Ponte Preta), com equipe que não estava em formação. Dos 10 da linha, só dois jogaram (David Braz e Lucas Veríssimo) mais o Vanderlei. Demos passo à frente, mas ainda pouco pelo tamanho do Santos. Agora não vamos analisar adversário. A parte do Santos foi feita. Primeiro tempo não foi nosso melhor jogo, melhoramos no segundo, criamos mais chances. Não vencemos no tempo normal, mas tivemos eficiência e controle emocional nos pênaltis. Agora vamos esperar o adversário”, disse o treinador, em entrevista coletiva.

Depois de criar poucas chances em 180 minutos, Jair voltou a pedir um camisa 10 no Peixe. Para o técnico, a necessidade de um armador é “evidente”.

“Fica evidente. Estamos buscando um camisa 10. Jean, Vecchio, Bueno jogaram e estão tentando segurar a 10. Eu brinco com eles, brinquei com o Vecchio… Tem que ser o cara para ser titular absoluto. Enquanto não achamos, vamos buscar. Diogo (Vitor) entrou bem pelo meio, com característica diferente. Queria esse poder pelo meio. Ele entrou, foi bem, fiz a mudança do Sasha, que pediu para sair. Queria tirar um volante para colocar um atacante, mas não consegui. Botafogo veio bem postado, na transição, sem tirar seu mérito. Tivemos dificuldade de entrar nesse equipe. Com as duas linhas de quatro, é muito difícil”, completou.

Jair admite exagero em cruzamentos no Santos: “Vamos corrigir”

Com dificuldades para encontrar espaços na defesa do Botafogo-SP e a chuva forte na Vila Belmiro, o Santos abusou dos cruzamentos e não se deu bem antes da partida terminar em 0 a 0 e a classificação para a semifinal do Campeonato Paulista vir nos pênaltis.

O Peixe cruzou 43 vezes. 31 erradas. Vários dos levantamentos foram feitos da intermediária, sem jogadas até a linha de fundo, facilitando para a defesa adversária, que fica de frente para a bola.

O técnico Jair Ventura admite que, nesse duelo, os cruzamentos foram exagerados, mas destaca a importância do fundamento para o alvinegro no Paulistão.

“A gente tem o levantamento do Campeonato Paulista. Santos é a equipe que mais acerta cruzamentos. Cruzamentos que terminam em lance de gol. Não é aleatório como o Nacional-URU. Tentamos triangulações com campo apoiado. Foi mais pela chuva e boa defesa do Botafogo… Concordo que houve um pouco de exagero, mas vamos corrigir”, explicou o treinador.

Enquanto a defesa se mantém segura, o Santos não fez gols em 180 minutos contra o Botafogo. O Peixe precisará melhorar o desempenho ofensivo para a sequência do Paulistão. O adversário na semifinal será definido nesta quinta-feira e pode ser Palmeiras, o mais provável, ou São Paulo.

Arthur ressalta volta por cima e Gabigol cita luta em campo no Santos

Arthur Gomes lavou a alma nesta quarta-feira, ao converter o pênalti da classificação do Santos contra o Botafogo, na Vila Belmiro. O atacante perdeu uma penalidade na vitória sobre o Nacional, pela Libertadores.

“Não se pode abaixar a cabeça. Foi mais importante a cobrança hoje, era decisão. Todo dia que venho jogar futebol eu sinto que algo diferente vai acontecer. Eu faço o que eu amo”, disse o atacante, ao Premiere, antes de ser defendido pelo técnico Jair Ventura.

“Quando Arthur perdeu pênalti, recebi críticas pelo menino bater. E fico feliz por ele ter dado a volta por cima. Fico feliz. Ele merece”, afirmou o treinador.

Gabigol também converteu seu pênalti, mas não se destacou durante os 90 minutos. Depois de desperdiçar algumas chances, o camisa 10 valoriza sua luta em campo.

“Tentei lutar bastante. Centroavante hoje não é mais só gol, tem que ajudar na marcação. Foi um jogo difícil, mas importante é a vitória”, explicou o atacante.

Diogo Vitor agrada como meia e vira nova opção no Santos de Jair

O maior desafio do Santos de Jair Ventura é encontrar o meia titular. Sem reforço para o setor, Jair Ventura já testou Vecchio, Jean Mota, Vitor Bueno… E a nova opção é Diogo Vitor.

Com características de ponta, Diogo também pode atuar centralizado, como na partida contra o Botafogo-SP, na última quarta-feira, na Vila Belmiro. O jogador foi elogiado pelo técnico.

“Estamos buscando um camisa 10. Jean, Vecchio, Bueno, e eles estão tentando segurar a 10. Eu brinco com eles, brinquei com o Vecchio… Tem que ser o cara para ser titular absoluto. Enquanto não achamos, vamos buscar. Diogo (Vitor) entrou bem pelo meio, com característica diferente. Queria esse poder pelo meio. Ele entrou e foi bem”, disse Jair.

Sem ter o passe como principal fundamento, Diogo Vitor conduz mais a bola e tem o drible e o chute de fora da área como característica, diferentemente dos concorrentes de posição. Nos treinamentos, o atleta tem sido adaptado ao papel de camisa 10, número que vestia no Santos B, mas sem exercer o papel de armador.

O Peixe tentou Lucas Zelarayán, do Tigres-MEX, e Marquinhos Gabriel, do Corinthians, mas sem sucesso. Ganso, do Sevilla-ESP, interessa caso consiga rescindir o contrato com o clube espanhol.


Botafogo-SP 0 x 0 Santos

Data: 18/03/2018, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida (13ª rodada)
Local: Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, SP.
Público: 11.933 pagantes
Renda: R$ 344.315,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Alex Eng Ribeiro e Rogério Pablos Zanardo
Cartôes amarelos: Dodô e Plínio (B); Jean Mota (S).

BOTAFOGO
Tiago Cardoso; Marcos Martins, Naylhor, Plínio e Mascarenhas; Willian Oliveira, Diones, Lucas Taylor (Wesley), Danielzinho (Cafu) e Dodô; Bruno Moraes (Jheimy).
Técnico: Léo Condé

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha (Diogo Vitor), Léo Cittadini (Vitor Bueno), Jean Mota e Rodrygo (Arthur); Gabriel.
Técnico: Jair Ventura



Santos e Botafogo-SP iniciam briga por vaga na semi com empate

Santos e Botafogo fizeram uma partida com poucas emoções durante a noite deste domingo. No Estádio Santa Cruz, as duas equipes protagonizaram o único confronto pelas quartas de final do Campeonato Paulista encerrado com um empate por 0 a 0.

Na briga por uma vaga na semi, o duelo decisivo entre Santos e Botafogo-SP está marcado para as 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, no Estádio da Vila Belmiro. Em caso de novo empate, o classificado será conhecido nos pênaltis.

Em uma partida com raras chances de gol, o Santos teve sua melhor oportunidade logo no início, mas o jovem Rodrygo mandou a bola na trave. O nível do jogo caiu durante a etapa complementar, marcada por exibições de pouca inspiração de ambas as equipes.

Bastidores – Santos TV:

O jogo:

Em um começo de partida movimentado no Estádio Santa Cruz, Cittadini deixou Gabriel na cara do gol. Em posição de impedimento, não marcado pela arbitragem, o atacante chutou para defesa de Tiago Cardoso. No rebote, Rodrygo acertou a trave.

O Botafogo-SP não precisou de muito tempo para dar trabalho a Vanderlei em Ribeirão Preto. Pelo lado direito, Lucas Taylor descolou belo passe para Danielzinho. O meia girou e bateu firme, mas o goleiro santista, bem colocado, conseguiu espalmar com segurança.

Após um início de partida movimentado, os dois times diminuíram a intensidade e as oportunidades de gol escassearam. Com Santos e Botafogo-SP sem conseguir articular jogadas consistentes no campo de ataque, o primeiro tempo acabou com o placar inalterado.

A primeira oportunidade do Santos durante a etapa complementar veio após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo. Posicionado na segunda trave, Lucas Veríssimo usou a cabeça para completar. A bola cruzou a área e David Braz tentou alcançar, sem sucesso.

O Botafogo-SP procurou responder em uma jogada de bola parada. Em cobrança de falta frontal, da intermediária, o lateral Mascarenhas resolveu bater direto para o gol. O tiro saiu forte e rasteiro, mas passou à esquerda da meta defendida por Vanderlei.

Na tentativa de mudar o panorama da partida, o técnico Jair Ventura resolveu mexer e promoveu as entradas de Diogo Vitor, Vitor Bueno e Arthur nos lugares de Eduardo Sasha, Léo Cittadini e Rodrygo, respectivamente. Ainda assim, o placar acabou em 0 a 0.

Jair Ventura entende que Santos sentiu cansaço por Libertadores

Com dificuldades para criar chances de gol, o Santos ficou no empate por 0 a 0 diante do Botafogo-SP na noite deste domingo, no Estádio Santa Cruz. De acordo com o técnico Jair Ventura, seu time sentiu o cansaço acumulado no recente triunfo sobre o Nacional-URU, pela Copa Libertadores.

Na noite da última quinta-feira, no Estádio do Pacaembu, o atacante Gabriel foi expulso de maneira infantil logo no primeiro tempo. Ainda assim, o Santos conseguiu ganhar por 3 a 1 do tradicional Nacional pela Libertadores, mesmo em desvantagem numérica.

“Lógico que pesou. Tivemos o jogo da Libertadores com um homem a menos, com desgaste emocional. Contra um time multicampeão da Libertadores, foi uma partida dificílima. Com um a menos, fizemos dois gols. Então, o desgaste é grande”, declarou Jair Ventura.

O Palmeiras, algoz do Novorizontino, foi o único grande que venceu na abertura das quartas de final do Campeonato Paulista, uma vez que o Corinthians perdeu do Bragantino e o São Paulo, do São Caetano. Questionado se considera o empate fora de casa um bom resultado, o técnico santista negou.

“Para essa camisa que estou vestindo, o único bom resultado é vencer. Aqui, estamos sempre acostumados a vencer. Se você não vence e não perde, não é o pior resultado. Mas o resultado (ideal) seria a vitória. Jogamos para vencer, mas não conseguimos”, declarou, habituado com a pressão em seu cargo.

“Existe cobrança sempre. A cobrança no futebol é diária. Saímos exaltados do último jogo e, no penúltimo, crucificados. No futebol, o céu e o inferno vivem muito perto. A cada jogo, você tem que provar. Mas faz parte. Foi o que escolhi para minha vida e vamos lidando assim. Espero que possa ter mais vitórias do que derrotas”, declarou.

Jair elogia Cittadini e explica Renato fora: “Joga quem está melhor”

Capitão do Santos no começo de 2018, Renato agora é opção no banco de reservas. O ídolo foi barrado para a entrada de Léo Cittadini no time titular. O técnico Jair Ventura elogia o garoto e explica a opção.

“Tivemos chances claras com Gabriel e Rodrygo que poderiam mudar a história do jogo. Mas não tiro o mérito do Léo, que organiza muito bem a sua equipe, muito difícil ter uma infiltração na linha dele. Tivemos mais posse de bola, as chances mais claras do jogos…”, disse Jair, quando questionado sobre o empate em 0 a 0 com o Botafogo, neste domingo, em Ribeirão Preto.

“É uma briga saudável (entre os dois), como em todas as equipes do mundo. Sempre com respeito. Conheço Renato desde o Botafogo, está buscando espaço, assim como Léo e todos. E o Santos vai crescendo assim, jogando quem está melhor”, completou.

Com Alison e Léo Cittadini em alta, Jair Ventura precisa definir o terceiro homem do meio-campo. Jean Mota não foi bem diante do Botafogo. A opção é Vecchio, que também foi para o banco para a entrada de Dodô na lateral esquerda. A prioridade da diretoria é trazer um meia para, enfim, substituir Lucas Lima.

Depois do empate em Ribeirão Preto, o Santos precisa de uma vitória simples para avançar às semifinais do Campeonato Paulista. Uma nova igualdade levaria a decisão para os pênaltis.

Vitor Bueno admite jogo apático: “Não é a cara do Santos”

Em um jogo monótono, disputado na noite deste domingo, o Santos ficou no empate sem gols contra o Botafogo-SP, no Estádio Santa Cruz. Vitor Bueno admitiu a exibição abaixo do esperado, mas apostou na classificação à semifinal do Campeonato Paulista na Vila Belmiro.

Na melhor chance da partida, ainda no primeiro tempo, Gabriel chutou para defesa do goleiro Tiago Cardoso e, no rebote, o jovem Rodrygo acertou a trave. O nível das duas equipes caiu durante a etapa completar e as oportunidades escassearam em Ribeirão Preto.

“Acho que (o jogo) ficou um pouco moroso, sim. Apático. Não é a cara do Santos, mas foi essa a tática que nos pediram para fazer e, dentro disso, executamos bem”, declarou Vitor Bueno ao Sportv, sobre a estratégia do time dirigido por Jair Ventura de não se expor jogando no Estádio Santa Cruz.

“Quando um time grande enfrenta um adversário do interior, eles tendem a se fechar mesmo. Foi sempre assim. Quando perdemos do Bragantino, foi desse jeito. Eles jogaram no nosso erro e saíram em um contra-ataque para fazer o gol. Então, é desse jeito”, analisou Bueno.

O confronto decisivo entre Santos e Botafogo-SP está marcado para as 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, no Estádio da Vila Belmiro. Em caso de novo empate, o classificado à semifinal do Campeonato Paulista será conhecido a partir de cobranças de pênalti.

“Não era o que nós queríamos. Queríamos sair já com uma vitória, para levar a vantagem à Vila Belmiro, mas, infelizmente, não conseguimos. De todo modo, não perdemos nem tomamos gol. Quarta-feira, que possamos fazer um grande jogo e sair classificados”, disse Bueno.

Rodrygo, após bola na trave no Santos: “Estou devendo um gol”

O Santos empatou em 0 a 0 com o Botafogo neste domingo, em Ribeirão Preto, pelo jogo de ida das quartas de final do Campeonato Paulista. E se não fosse pelo azar de Rodrygo, a história seria diferente.

Logo nos primeiros minutos da partida, Léo Cittadini deu excelente passe para Gabigol chutar de primeira. No rebote, Rodrygo, quase na pequena área e com o goleiro Tiago Cardoso no chão, acertou a trave. Em seu Twitter, a joia lamentou o ocorrido.

“Estou devendo um gol para vocês, nação”, escreveu o atacante.