Navegando Posts marcados como 1968

Santos 0 x 1 Boca Juniors

Data: 23/05/1968
Competição: Amistoso internacional
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Roberto Goicochea
Gol: Rojas (29-2).

SANTOS
Cláudio; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Joel e Rildo; Clodoaldo e Lima; Toninho, Douglas, Pelé e Edu (Pepe).
Técnico: Antoninho.

BOCA JUNIORS
Sanches; Sune, Madalena, Rogel e Marzolini; Mellendes e Madurga; Cabrera, Rojas (Pianetti), Pardo (Larrosa) e Novello.
Técnico: D’Amico.



Antes do jogo, houve várias solenidades, entre as quais a entrega das faixas de bicampeão Paulista ao Santos, pela Rádio Bandeirantes, além de uma bandeja de prata, também por parte da direção desta emissora, desfile de bandas e fanfarras e apresentação dos novos uniformes do Santos.

Juventus 0 x 4 Santos

Data: 23/03/1968, sábado
Competição: Campeonato Paulista – 16ª rodada
Local: Estádio Conde Rodolfo Crespi, na Rua Javari, em São Paulo, SP.
Renda: NCr$ 37.735,00
Árbitro: Oscar Scolfaro
Gols: Pelé (15-1); Toninho (05-2), Pelé (28-2) e Douglas (32-2).

SANTOS
Claudio; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Joel e Rildo; Lima (Clodoaldo, 28-2) e Negreiros; Kaneko, Toninho (Douglas, 16-2), Pelé e Edu.
Técnico: Antoninho

JUVENTUS
Heitor; Joel, Milton, Fernando e Geraldo Scoto; Beneti e Brecha; Antoninho, Andes (Tonesi, 10-2), Giba (Adilson, 23-2) e Luisinho.
Técnico: Oto Vieira


Santos 5 x 1 Botafogo-SP

Data: 09/03/1968
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Renda: NCr$ 17.044,00
Árbitro: José Astolfi
Gols: Negreiros (02-1), Toninho (20-1, de pênalti); Toninho (06-2), Pelé (15-2), Toninho (21-2) e Marcio (28-2)

SANTOS
Claudio; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Joel e Rildo; Negreiros e Lima (Mengálvio, 23-2); Kaneko, Toninho, Pelé e Edu.
Técnico: Antonio Fernandes (Antoninho)

BOTAFOGO-SP
Dirceu; Zé Carlos, Mendes, Roberto e Carlucci (Canhoteiro, 08-2); Roberto Pinto e Marcio; Jairzinho, Paulo Leao, Sicupira e Totó.
Técnico: Floreal Garro



Vitória fácil do Santos sobre o Botafogo: 5 a 1

O Santos não precisou jogar muito futebol para vencer com facilidade o Botafogo, de Ribeirão Preto, por 5 a 1, com três gols marcados por Toninho (1 de pênalti). A equipe botafoguense durante todo o jogo não atacou, procurou jogar mais defensivamente, descendo raramente para o ataque e quando descia, o fazia defeituosamente. Disso se aproveitou o Santos para partir para o ataque não encontrando muita dificuldade em criar condições de marcar.

O jogo
Aos 2′, Negreiros abria a contagem para o Santos; a equipe praiana, sem forçar, dominava o jogo; o Botafogo, a partir dos 10′ começou a descer e contra-atacar durante uns 10 min. – única vez que realmente atacou. Carlucci cometeu o penal em Kaneko que Toninho converteu fazendo o segundo gol aos 20′. No restante do 1° tempo a diputa ficou sendo travada no meio de campo.

No 2° tempo, Toninho, logo aos 6′, aumentava o placar, Pelé marcava aos 15′ e Toninho, aos 21′ encerraram os gols praianos; Marcio aos 28′, num chute de fora da área e despretencioso, marcava único tento do Botafogo.

Gols
Aos 2′ Toninho chutou, Dirceu espalmou para Negreiros entrar e marcar.

Kaneko, que entrava na área, sofreu penal de Carlucci aos 20′, que Toninho cobrou e marcou.

Aos 6′, Kaneko, após belíssima jogada individual, centrou para Toninho marcar.

Pelé, aos 15′, recebeu de Edu, que centrou parcar no canto.

Toninho, aos 21′, recebeu de Kaneko e chutou fraco, marcando o 5° gol.

Marcio, aos 28′, de fora da área acertou, marcando o único tento de sua equipe.

Destaques
No Santos, Claudio falhou no gol do Botafogo. A defesa não teve dificuldades, já que o adversário pouco atacou; Negreiros, se redimindo do jogo contra o Corinthians; Kaneko, o melhor homem santista em campo; Toninho, muito bom.

No Botafogo: Roberto foi o melhor da defesa e Jairzinho, do ataque.


Santos bate Inter de Milão no San Siro e conquista a Supercopa dos Campeões Intercontinentais

No vídeo acima o embarque no Aeroporto de Congonhas e a chegada de Milão trazendo a Recopa Mundial. Após esta conquista o Santos utilizou uma terceira estrela sobre o escudo.

Para chegar a decisão da Recopa Mundial o Santos foi campeão da Supercopa Sul-Americana em 1968 e a Inter de Milão foi campeã da Recopa Européia.

Nos anos 60 o legendário Santos de Pelé excursionou o mundo inteiro dezenas de vezes, jogando amistosos, torneios para o deleite dos amantes do futebol em todos cantos do planeta. O motivo, obviamente, era ver o Rei e seus geniais companheiros como Pepe, Coutinho, Toninho, Carlos Alberto… todos craques de nível mundial.

Naquela época, o esporte e a própria vida não estavam sujeitos a influência da mídia, tal como são hoje, e raras eram as transmissões de televisão via satélite.

Desta forma, os fãs que tivessem afim de apreciar o inegualável talento de Pelé, deveriam assistir in loco, com seus próprios olhos.

Em uma dessas incontáveis turnês pela Europa, mais precisamente em Milão, na Itália, o Santos alcançou um título oficial intercontinental que não deixou sua marca sobre a história do futebol sul-americano. Estamos nos referindo a Supercopa dos Campeões Intercontinentais entre o velho continente e a nossa América do Sul.

Em 24 de junho de 1969 o Santos derrotou a Inter de Milão por 1 a 0, em um lotado estádio de San Siro (hoje chamado de Giuseppe Meazza). Ficou estipulado que a partida de volta também seria na Itália, em setembro em Nápoles, o que nunca ocorreu, sendo assim o Santos foi declarado campeao depois de um tempo. Por esse motivo, após a referida partida, não houve volta olímpica comemoração ou entrega de troféu.

Supercopa Sul-Americana foi promovida pelos clubes
A Supercopa foi idealizada no final de 1967 pelos dirigentes de três equipes sulamericanas: Penarol (Uruguai), Racing Club (Argentina) e o Santos FC. A idéia era promover suas grandiosas conquistas grandiosas, no caso duas vezes por Santos e Peñarol e uma vez pelo Racing.

O torneio foi anunciado em Buenos Aires, no início de novembro de 1968 pelos dirigentes de Penarol e Racing, que ressaltaram que na edição de 1969 contaria com a participação dos Estudiantes de La Plata, que haviam conquistado a América poucos dias antes (16 de outubro).

A iniciativa dos clubes foi bem recebida pela Conmebol, que em seguida tratou de entrar em contato com a UEFA para tratar da negociaçao da nova competiçao.

A UEFA consentiu a celebraçao do torneio. Os campeoes europeus, que neste momento eram Real Madri e Inter de Milão disputariam entre si a qualificação para enfrentar o vencedor sulamericano. O time merengue desistiu da disputa e então a Inter foi inscrita diretamente para medir forças com o indicado sulamericano.

Recopa Mundial 68
#
Data
Ficha Técnica
Local
Vídeo
1 24/06/1969 Internazionale 0 x 1 Santos San Siro N/D
2   Cancelada Napoli  

Galeria de fotos:

Créditos:
Imagens: TV Tupi e TV Globo (Jornal Ultranotícias).
Fontes:
– Revista Conmebol, Ano XVII, nº 93, Novembro e Dezembro de 2005.
– Livro “Time dos Sonhos, a história completa do Santos FC”, de Odir Cunha.
– Jornal Folha de São Paulo.
Fotos: Gazzetta Dello Sport (Itália), Revista Él Grafico (Argentina) e jornais Folha de São Paulo e A Tribuna de Santos.