Navegando Posts marcados como 1994

Santos 3 x 0 Guarani

Data: 26/11/1994, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª fase – Grupo F – 15ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Publico: 5.416 pagantes
Renda: R$ 28.567,00
Árbitro: Dalmo Bozzano (SC)
Cartões amarelos: Silva, Gallo e Índio (S); Guilherme e Fernando (G).
Gols: Macedo (17-1) e Ranielli (24-1); Guga (38-2, de pênalti) .

SANTOS
Gilberto; Índio, Júnior, Marcelo Fernandes e Silva; Gallo, Carlinhos, Giovanni (Cerezo) e Ranielli (Marcelinho); Macedo e Guga.
Técnico Joãozinho

GUARANI
Hiran; Marcinho Rocha, Reginaldo, Cláudio e Guilherme; Fernando, Sandoval, Valdeir (Leonardo) e Júlio César; Tarcísio e Edu Lima.
Técnico: Carlos Alberto Silva



Eficiência no meio garante vitória santista

O Santos foi superior ao Guarani em todos os aspectos no jogo de anteontem e justificou amplamente sua vitória por 3 a 0.

Segundo o levantamento do Datafolha, o time da Vila Belmiro acertou mais passes, fez mais desarmes e finalizou melhor que seu adversário. Os números mostram que o Santos não sentiu a ausência de Neto, afastado por deficiência técnica, no meio-campo.

Os volantes Gallo e Carlinhos e os meias Ranielli e Giovanni comandaram a goleada santista.

Gallo foi o maior destaque. Fez 34 passes certos e realizou 18 desarmes. Carlinhos, com 37 passes certos e oito desarmes, também se destacou.

Valdeir, volante do Guarani, deu apenas 19 passes certos e acabou substituído por Leonardo.

O meio-campo do Santos também não hesitou em cometer mais faltas para conter o rápido ataque do Guarani: fez 20 contra 14.

O lateral Índio foi outro que se destacou entre os santistas. Deu 43 passes certos e desarmou 25 vezes.

Nas finalizações, houve aparente equilíbrio. O Santos acertou oito vezes o gol e o Guarani nove.

Mas o time da Vila foi outra vez mais eficiente. Errou só dois chutes. O Guarani finalizou 11 vezes de maneira errada.

O ponta-esquerda Edu Lima foi praticamente o único que tentou reverter o marcador para o time de Campinas. Finalizou nove vezes e acertou seis. Mas o goleiro Gilberto esteve muito bem e assegurou o resultado para o Santos.

No Santos, Macedo foi quem mais chutou: três vezes. Fez um gol e desperdiçou os outros dois.

Joãozinho fica no Santos até o fim do ano

O diretor José Paulo Fernandes disse que o técnico Joãozinho, 38, fica no Santos até o final do ano. “Só depois vamos decidir sua situação”.

Joãozinho assumiu o time no lugar de Serginho. Desde então, o Santos teve duas vitórias e uma derrota.

No sábado, o técnico santista disse que o meia Neto seria uma opção para o time para disputar as quartas-de-final do Brasileiro. “Depende dele. Eu o tirei do time simplesmente por motivo técnico”, afirmou.

Neto foi barrado do jogo contra o Guarani. Ranielli entrou em seu lugar e fez um dos gols da vitória de 3 a 0.

O técnico substituiu Neto nas duas partidas anteriores do Santos. Contra o Fluminense, no Maracanã, a substituição aconteceu ainda no primeiro tempo.
Na última sexta-feira, Neto chegou à Vila Belmiro depois de encerrado o treinamento para o jogo contra o Guarani. O técnico Joãozinho cortou o jogador até da concentração.

Neto chegou ao Santos comprado ao Atlético Mineiro por US$ 450 mil mais o lateral-direito Dinho.

No jogo de sábado, o destaque santista foi o atacante Macedo. Ele marcou o primeiro gol, participou do segundo e sofreu o pênalti do terceiro.
A vitória também teve participação especial do goleiro Gilberto, que fez grandes defesas.

Em uma cobrança de falta por Edu Lima, Gilberto evitou que a bola entrasse no ângulo direito. Em outro lance, defendeu um chute de Júlio César de dentro da área.

No segundo tempo, o goleiro foi menos exigido, porque o Guarani, desfalcado dos principais atacantes, já não mostrava força para reagir.

Macedo pode ir para a Alemanha

O atacante Macedo, 24, artilheiro do Santos no campeonato com oito gols, pode deixar o clube. O empresário grego naturalizado alemão, Strato Cristou, esteve na Vila Belmiro no sábado para observar o jogador.

Cristou representa os clubes alemães do Bayern Leverkusen e Shalk-04. O empresário disse que pretende ver também outros jogadores brasileiros, entre eles Cafu, do São Paulo, Mirandinha, do Paysandu, e Claudinho, da Ponte Preta.

O diretor do Santos, José Paulo Fernandes, disse que Macedo não sai por menos de US$ 1,5 milhão. O jogador fez o primeiro gol do Santos na vitória contra o Guarani e sofreu o pênalti que originou o terceiro gol, marcado por Guga.

Macedo disse não saber que estava sendo obervado pelo empresário, mas afirmou que pode voltar ao exterior.

O ponta foi emprestado ao Cadiz, da Espanha, quando era do São Paulo. Atuou em nove jogos e marcou cinco gols. “Estava bem, mas senti falta da família e decidi voltar. Agora, se surgir a oportunidade, volto para a Europa”, disse Macedo.

Macedo está há menos de um ano no Santos. Ele veio do São Paulo, junto com Gilberto e Dinho, em uma troca envolvendo o volante Axel.


26/11/1994 – Santos afasta o meia Neto contra ao Guarani

O Santos não terá o meia Neto para enfrentar o Guarani, às 16h na Vila Belmiro. O jogador foi afastado pelo técnico Joãozinho por insuficiência técnica.

“Achei essa decisão uma palhaçada. Estou correspondendo. Parece que eles estão querendo arrumar um culpado pelas últimas derrotas. Com isso, minha permanência aqui fica difícil”, disse Neto.

Segundo Joãozinho, Neto foi afastado “por não estar correspondendo em campo ao que se esperava dele”. O técnico afirmou que assume a responsabilidade pela saída de Neto da equipe.

Ontem, o diretor de futebol, José Paulo Fernandes, manifestou apoio à decisão do técnico. “O Santos não depende do Neto para ganhar os jogos”, disse. Neto foi contratado pelo presidente afastado Miguel Kodja Neto. Na ocasião, em agosto desde ano, Pelé criticou o negócio, afirmando que Neto não se enquadrava na política de renovação proposta.

No campeonato, Neto atuou em 15 dos 24 jogos até aqui disputados pelo Santos, marcando três gols. Em 22 de outubro ele foi afastado do time por deficiência.

Em seu lugar volta Ranielli. Com ele no time o Santos conseguiu as suas maiores goleadas no campeonato –venceu o Cruzeiro e o Remo por 4 a 1.

“Hoje é tudo ou nada. Para nós, só a vitória interessa. Estamos encarando esse jogo como uma final de campeonato”, disse Ranielli.

O técnico Joãozinho escalou uma equipe ofensiva para hoje. Só a vitória mantém o time com chances de classificação. O ataque será formado por Macedo –artilheiro do time com sete gols– e Giovanni e Guga atuando pela ponta-esquerda. Ranielli também atuará ofensivamente.

Os jogadores do Santos decidiram dar o possível bicho –prêmio por vitória– da partida de hoje contra o Guarani para os jogadores do Internacional de Porto Alegre. Os dois pontos hoje frente ao Guarani valeriam, a cada jogador santista, R$ 1.000,00. O Internacional joga hoje em seu estádio, o Beira-Rio, Porto Alegre, contra o Botafogo.

Para que o Santos se classifique, ele necessita vencer o Guarani e torcer para que o time carioca perca o jogo para o Inter.

O “negócio” foi viabilizado quando os dois times se encontraram no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, no último dia 22. O Inter se preparava para embarcar para São Paulo onde enfrentou o Palmeiras. O Santos chegava para enfrentar o Grêmio.


Grêmio 1 x 0 Santos

Data: 23/11/1994, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro 2ª fase – Grupo F – 14ª rodada (penúltima)
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS.
Público: 1.912 pagantes
Renda: R$ 3.718,00
Árbitro: Luciano Augusto Teotônio de Almeida (DF)
Cartões amarelos: Luciano, Carlinhos, Emerson e Jacques (G); Marcelo Fernandes (S).
Gol: Jacques (08-2).

GRÊMIO
Danrlei; Ayupe, Luciano, Agnaldo Liz e Róger (André Vieira); Pingo Jamir, Emerson e Carlos Miguel; Carlinhos e Jacques (Wallace Goiano).
Técnico: Luiz Felipe Scolari

SANTOS
Gilberto; Índio, Marcelo Fernandes, Narciso e Silva; Cerezo, Carlinhos, Neto (Guga) e Giovanni; Macedo e Marcelinho (Serginho Fraldinha).
Técnico: Joãozinho



Grêmio vence o Santos em Porto Alegre

O Grêmio venceu o Santos, por 1 a 0, ontem à noite, no estádio Olímpico em Porto Alegre (RS). O centroavante Jaques marcou aos 8min do 2º tempo.

O Santos, mesmo com a derrota, mantém chances de classificão. O time da Vila Belmiro tem nove pontos nessa fase. Pelo índice técnico, o Santos totaliza 15 pontos.


Fluminense 0 x 1 Santos

Data: 20/11/1994, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª fase – Grupo F – 13ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.779 pagantes
Renda: R$ 49.434,00
Árbitro: Lincoln Afonso Borjaille Bicalho (MG)
Cartões amarelos: Gilberto Márcio Costa e Djair (F); Júnior, Giovanni (S).
Cartões vermelhos: Gallo (S, 31-1) e Antônio Carlos (F, 40-2).
Gol: Macedo (11-1)

FLUMINENSE
Wellerson; Júlio César (Leonardo), Márcio Costa, Antônio Carlos e Eduardo; Cadu, Djair, Luís Antônio e Wallace (Lira); Luís Henrique e Ézio.
Técnico: Pinheiro

SANTOS
Gilberto; Cerezo, Júnior, Maurício Copertino (Narciso) e Silva; Gallo, Carlinhos, Neto (Rocha) e Giovanni; Macedo e Paulinho Kobayashi.
Técnico: Joãozinho (interino)



Santos derrota o Fluminense por 1 a 0 e continua líder do grupo

O Santos derrotou o Fluminense por 1 a 0, ontem no Maracanã. O resultado eliminou o time carioca do Campeonato Brasileiro e manteve os santistas na liderança do Grupo F, com nove pontos.

Macedo marcou o único gol da partida, aos 11min do primeiro tempo, numa bobeada de Antônio Carlos e do goleiro Wellerson.

Em vantagem, a equipe santista se armou defensivamente e o Fluminense só não chegou ao empate por incompetência de seu ataque.

Com um homem a menos, Gallo foi expulso ao receber o segundo amarelo, o técnico Joãozinho, ocupando o lugar do demitido Serginho, trocou Neto por Rocha.

Instantes antes, porém, Copertino sofreu distensão na virilha. Joãozinho manteve a troca e, logo depois, teve que gastar sua segunda substituição colocando Narciso.

No segundo tempo, o Santos segurou o resultado enquanto o time carioca era vaiado por sua torcida.




O treinador Serginho foi demitido do Santos. A comunicação foi feita pelo diretor Clodoaldo, na Vila Belmiro.

Com a resolução, a diretoria santista adiantou em dois dias seu posicionamento sobre o incidente ocorrido com o técnico, que seria discutido apenas na segunda-feira.

Serginho agrediu um repórter no estádio Pacaembu, após a derrota para o Corinthians, na quarta-feira. Ainda nos vestiários, desferiu uma cabeçada no repórter Gilvan Ribeiro, que trabalha no jornal “Diário Popular”, após este ter supostamente ironizado o treinador pelo resultado.

Segundo Serginho, toda confusão que culminou com a agressão foi iniciada pelo fato do conselheiro Alberto Francisco de Oliveira ter ido ao vestiário santista para criticar o atacante Guga.
“Ele estava bêbado e começou a falar besteiras”, disse Guga. O fato irritou Serginho.

A Associação dos Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro havia pedido garantias à Polícia Civil para que os jornalistas pudessem falar com Serginho sem correr riscos, hoje na partida do time contra o Fluminense.

Técnico diz que está arrependido

O técnico Serginho disse às 16h30 de ontem na Vila Belmiro que estava “arrependido” pela agressão contra o jornalista Gilvam Ribeiro, anteontem à noite no vestiário do Santos, no Pacaembu.

“Eu não via a hora de vir falar com a imprensa para poder pedir desculpas publicamente. Um homem sabe quando erra. O difícil é vir a público e admitir o erro”, afirmou Serginho.

Segundo ele, o culpado pela agressão ao jornalista foi o conselheiro do Santos, Alberto Francisco de Oliveira, conhecido como Alemão.
“Momentos antes da briga, o Alemão entrou no vestiário e foi discutir com o Guga. Isso eu não aceito. Ninguém, à minha exceção, vai tomar satisfação com o jogador”, afirmou.

Serginho disse que ficou nervoso com a entrada do conselheiro no vestiário do Santos. “Eu parei a entrevista que estava dando e fui repreender o Alemão. Aí fiquei nervoso e fiz aquela besteira.”

Serginho classificou a agressão a Ribeiro como “um ato impensado”. Ele disse que pretende pedir desculpas pessoalmente a Ribeiro.

“Fiz uma grande besteira. Se ele aceitar quero encontrá-lo para pedir desculpas e pagar qualquer despesa que ele tenha tido por minha causa”.

O técnico também culpou o árbitro da partida, Antônio Cláudio Perin, na qual o Santos foi derrotado pelo Corinthians, por 2 a 1.

“Eu nem sabia que tinha sido expulso. Foi o Clodoaldo –diretor de futebol do Santos– que me avisou no vestiário”, afirmou o treinador santista. “O juiz de anteontem é um despreparado”, disse.

Serginho disse que o Santos foi “garfado pelo árbitro”. “Eu não reclamo do resultado, mas sim do fato de que ele é um juiz fraco”, afirmou.

O técnico do Santos disse estar calmo. “Hoje eu estou tranquilo por estar aqui podendo pedir desculpas a todos vocês.” E fez uma previsão. “Isso não vai se repetir. Espero que ele me perdoe”, afirmou.


Santos 1 x 2 Corinthians

Data: 16/11/1994, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª fase – Grupo F – 12ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 13.087 pagantes
Renda: R$ 83.009,00
Árbitro: Antônio Cláudio Perin (SP)
Cartões amarelos: Branco, Gralak, Zé Elias e Daniel (C): Maurício Copertino, Índio, Gallo, Giovanni e Júnior (S).
Gols: Marques (06-1) e Tupãzinho (37-1); Neto (13-2).

SANTOS
Gilberto; Índio, Júnior, Maurício Copertino e Silva; Dinho (Giovanni), Gallo, Carlinhos e Neto; Macedo e Guga (Marcelinho).
Técnico: Serginho Chulapa

CORINTHIANS
Ronaldo (Ricardo Pinto); Leandro Silva, Gralak, Henrique e Branco (Daniel Franco); Zé Elias, Marcelinho Paulista, Embu (Wilson Mano) e Souza; Tupãzinho e Marques.
Técnico: Jair Pereira



Corinthians ganha do Santos no Pacaembu

O Corinthians conquistou sua primeira vitória e quebrou a invencibilidade do Santos no returno da segunda fase. Ontem, no Pacaembu, o time do técnico Jair Pereira derrotou a equipe santista por 2 a 1.

O Corinthians iniciou a partida marcando sob pressão a saída de bola santista. Os volantes Marcelinho Souza, Zé Elias e Embu marcavam individualmente os meias Neto e Carlinhos e o atacante Macedo.

No ataque corintiano, os “baixinhos” –com menos de 1,70– Tupãzinho, Souza e Marques trocavam passes rápidos e ganhavam as principais jogadas da alta e pesada defesa do Santos.

Logo aos 6min, Souza fez tabela com Tupãzinho, que tocou para Marques livre abrir o placar.

O Santos não tinha penetração no ataque. Guga e Macedo ausentes não eram opção para Neto.

Apesar de diminuir o ritmo após 25min, o Corinthians conseguia criar as melhores chances para ampliar o resultado.

O lateral Branco fez ótimo lançamento para Marques pela esquerda. O atacante invadiu e retribuiu o passe do primeiro gol para Tupãzinho: 2 a 0, aos 37min.

Em desvantagem no placar, o time de Serginho foi para o ataque e aos 41min teve o lance mais polêmico do jogo. Neto fez boa jogada pela esquerda e reclamou falta do zagueiro Henrique dentro da área. O juiz nada marcou.

Ao final da primeira etapa, o goleiro Ronaldo e o lateral Branco se chocaram. Os dois foram substituídos no intervalo. Branco foi levado ao Hospital Santa Catarina com suspeita de fratura nas costelas. Ronaldo, com dores no ombro esquerdo e na coluna cervical, foi substituído por Ricardo Pinto.

No segundo tempo, o técnico Serginho atendeu o pedido da torcida e colocou o meia-atacante Giovanni. Com a alteração, Neto ficou livre para armar os contra-ataques santistas, enquanto Giovanni distribuía os passes no meio-campo.

Em um desses lances, Neto foi lançado, invadiu a área, driblou Gralak e diminuiu: 2 a 1.

Agressão põe em risco no Santos cargo de Serginho

Pelé disse às 14h de ontem à Agência Folha que a posição de Serginho como técnico do clube ficou “abalada” após o tumulto ocorrido anteontem no vestiário do Santos, no Pacaembu, após perder do Corinthians por 2 a 1.

Serginho agrediu com uma cabeçada o repórter Gilvam Ribeiro, da TVA e do ‘Diário Popular’. O jornalista sofreu um corte no supercílio do olho direito. “Foi lamentável. Isso pode prejudicar o time no campeonato”.

Agência Folha – O que você acredita que possa acontecer com Serginho?
Pelé – Ele deverá receber uma pena dura pelo incidente.

Agência Folha – Como fica agora a situação de Serginho como treinador do Santos?
Pelé – Está abalada. Nós escolhemos o Serginho pela sua liderança junto aos jogadores. Nós sempre soubemos que ele não é um técnico estrategista, mas o seu espírito de liderança pode se comprometer com esse tipo de ação.
Além disso, é a segunda vez que ele se envolve em um caso semelhante. Em Campinas, com um bom advogado, nós conseguimos contornar a situação. Agora eu já não sei o que vem pela frente.

Agência Folha – Você, que assistiu ao jogo de anteontem, acredita que a atuação do árbitro possa ser usado pelo Serginho como desculpa para o seu comportamento?
Pelé – O juiz (Antônio Cláudio Perin) teve algumas falhas, mas nada que justificasse a atitude do nosso técnico contra um profissional da imprensa.

Agência Folha – Você acha que os problemas enfrentados na parte administrativa possam ter afetado o técnico do Santos?
Pelé – Não acredito que o comportamento de Serginho tenha sido motivado pela crise administrativa. Acho, sim, que o ocorrido anteontem pode acabar prejudicando o time de agora em diante. O pior é que esse não era o momento para acontecer esse fato lamentável.

Agência Folha – Por que?
Pelé – Pelo fato de o time estar na liderança do campeonato. Além disso, os problemas da diretoria estão se resolvendo aos poucos. Isso mancha ainda mais o Santos.

Agência Folha – Você acha que o ex-presidente Kodja será afastado definitivamente?
Pelé – É ele ou eu. Ele tem que pagar todos os prejuízos que trouxe ao clube. Se não puder e for comprovada a sua culpa, então que seja preso.