Navegando Posts marcados como 2003

Vasco 1 x 1 Santos

Data: 14/12/2003, domingo, 18h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 46ª rodada (última)
Local: Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 985 pagantes
Renda: R$ 9.850,00
Árbitro: Alicio Pena Júnior (Fifa-MG)
Auxiliares: Alexandre Santos Conceição (MG) e Guilherme Dias Camilo (MG).
Cartões amarelos: André Luís, Diego, Reginaldo Araújo e Júlio Sérgio (S); Coutinho, Victor Boleta e Henrique (V).
Cartões vermelhos: Alex e Elano (S).
Gols: Régis (09-2) e Fabiano (39-2, de pênalti).

VASCO
Fábio; Alex Silva, Henrique, Wescley e Victor Boleta; Coutinho (Anderson), Ygor (Rubens), Rodrigo Souto e Morais; Régis e Valdir.
Técnico: Mauro Galvão

SANTOS
Júlio Sérgio; Reginaldo Araújo (Douglas), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Wellington); Jerri (Júlio César) e Fabiano.
Técnico: Emerson Leão



Vasco e Santos empatam na última partida do Brasileiro 2003

Em um “amistoso de luxo”, Vasco e Santos ficaram no emapte por 1 a 1, na tarde deste domingo, no estádio de São Januário, na partida que fechou a última rodada do Campeonato Brasileiro. O time santista já estava com o vice-campeonato brasileiro garantido, enquanto os cariocas não tinham mais nenhuma aspiração na competição nacional.

Com o resultado, o Vasco, que não contou com a presença do atacante Edmundo, que cumpriu suspensão, termina o Brasileiro com 54 pontos, na 17ª colocação.

Já o Santos, que não teve o atacante Robinho, também suspenso, mas contou com dois jogadores expulsos, encerra sua participação no Brasileiro com 87 pontos, na segunda colocação, 13 pontos atrás do campeão Cruzeiro.

Este foi o 37º confronto em Campeonatos Brasileiros envolvendo Vasco e Santos. Os paulistas venceram 10 contra oito dos cariocas, além de 19 empates. Os santistas marcaram 44 gols e sofreram 42.

O jogo

Logo aos 6min, o Vasco criou uma chance clara de gol. Henrique chutou da entrada da área e Júlio Sérgio espalmou. No rebote, Valdir bateu forte de pé esquerdo, mas a bola explodiu no peito do goleiro santista. No minuto seguinte, o Santos deu o troco, em cobrança de falta de Elano que Fábio colocou para escanteio.

Depois do início movimentado, a partida caiu de rendimento. As duas equipes afunilaram o jogo no meio-campo e, sem criatividade, chegaram pouco ao ataque.

No final do primeiro tempo, o jogo voltou a esquentar. Aos 38min, Coutinho arriscou de fora da área e obrigou Júlio Sérgio a fazer boa defesa no canto esquerdo. Quatro minutos depois, Wescley cobrou falta e a bola triscou a trave esquerda.

O Santos acordou e desperdiçou oportunidade clara aos 43min. Reginaldo Araújo recebeu em velocidade pela direita e, já dentro da área, cruzou rasteiro. Jerri entrou sem marcação e, de carrinho, desviou para fora.

A segunda etapa começou mais movimentada. Logo aos 9min, Régis recebeu na esquerda, se livrou de Reginaldo Araújo e bateu cruzado de pé direito, vencendo o goleiro Júlio Sérgio.

Aos 15min, o Santos quase empatou. Elano cobrou falta da esquerda, quase sem ângulo, próximo da linha de fundo. A bola fez uma curva e bateu no travessão antes de sair pela linha de fundo.

Cinco minutos depois, foi a vez de Rodrigo Souto chutar forte da intermediária. Júlio Sérgio tocou com a mão direita e a bola explodiu na trave direita antes da zaga santista afastar o perigo.

Aos 26min, o Santos ficou com dois jogadores a menos. Alex, que não tinha recebido cartão amarelo, fez falta violenta em Morais e foi expulso. Elano, que já tinha sido advertido com o amarelo, reclamou da arbitragem e também foi expulso.

Em contragolpe rápido, aos 37min, o time santista saiu em velocidade para o contra-ataque. Júlio César recebeu dentro da área e foi “atropelado” por Henrique. Na cobrança de pênalti, Fabiano colocou no canto esquerdo. Fábio chegou a tocar na bola, mas não evitou o gol do Santos.

Aos 42min, o Vasco perdeu grande chance de chegar à vitória. Rubens cruzou da esquerda, Régis tentou tocar de letra e a bola sobrou limpa para Valdir, que tentou marcar de carrinho, mas não alcançou.

Quatro minutos depois, Wescley cobrou falta com violência, Júlio Sérgio espalmou e Valdir, no rebote, carimbou o goleiro santista, que garantiu o empate fora de casa na última partida do Campeonato Brasileiro 2003.

Santos 2 x 2 Grêmio

Data: 07/12/2003, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 45ª rodada
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.832 pagantes
Renda: R$ 55.865,00
Árbitro: Alício Pena Júnior (MG)
Cartões amarelos: Paulo Almeida e Wellington (S); Bruno, Claudiomiro, Tinga, Gilberto, Leanderson (G).
Cartões vermelhos: Robinho (S) e Baloy (G).
Gols: Christian (34-1), Alex (46-1); Bruno (19-2) e Diego (26-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Reginaldo Araújo (Wellington), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Diego e Douglas; William (Jerri) e Robinho.
Técnico: Emerson Leão

GRÊMIO
Eduardo Martini; Leanderson, Baloy, Claudiomiro e Roger; Gavião, Tinga (Eduardo Marques), Bruno (Adriano) e Gilberto; Cláudio Pitbull e Christian (Elton).
Técnico: Adílson Baptista



Santos e Grêmio empatam na Vila Belmiro

Decidido a não cair para a Série B pela segunda vez na história, o Grêmio empatou com o Santos por 2 a 2, neste domingo, na Vila Belmiro. Com o resultado, o time gaúcho já começa a visualizar um fim de ano mais tranqüilo e pela segunda semana seguida está fora da zona de rebaixamento.

Com 47 pontos, o Tricolor está na 22ª colocação e faz a última partida no Campeonato Brasileiro no próximo domingo, contra o Corinthians, em Porto Alegre. Para esta partida, o técnico Adílson Baptista não contará com Claudiomiro, Tinga e Leanderson, que receberam o terceiro cartão amarelo. Baloy, expulso, também não joga.

O Santos, que já garantiu o vice-campeonato, chegou aos 86 pontos. Na última rodada, a equipe enfrenta o Vasco, em São Januário. Com a reeleição de Marcelo Teixeira na presidência, o principal assunto na Baixada Santista é sobre o futuro do clube em 2004.

Na próxima semana, o técnico Emerson Leão deverá se reunir com a diretoria para decidir se fica ou não. A renovação dos contratos de Renato, Léo e Fábio Costa também devem ser prioridades na Vila Belmiro.

O jogo

Lutando para escapar do rebaixamento, o Grêmio buscou a iniciativa do jogo. Logo aos 4min, Christian fintou André Luís e arriscou de fora da área. O chute, rasteiro, obrigou Júlio Sérgio a espalmar a bola para escanteio.

A primeira chance de gol do Santos aconteceu em uma cobrança de falta, aos 6min. Alex chutou forte e quase marcou. Um minuto depois, Robinho driblou Baloy na esquerda e cruzou. William bateu de primeira, mas Eduardo Martini fez a defesa.

Ainda aos 7min, o time paulista fez o primeiro, mas o árbitro Alício Pena Júnior não validou. Reginaldo Araújo errou o cruzamento da direita, o goleiro gremista tentou a defesa, mas acabou escorregando em cima da linha do gol. Pela imagem da televisão, a bola ultrapassou a linha.

O Santos dominava a partida, e o Grêmio errava passes e mais passes. A equipe de Emerson Leão levava perigo nas cobranças de falta. Desta vez, aos 11min, André Luís quase marcou. Eduardo Martini espalmou para fora da área.

O nervosismo dos gaúchos era nítido. A equipe não conseguia criar jogadas de ataque. Mesmo sem levar muito perigo, o Santos mandava na partida. Aos 21min, Robinho quase marcou, chutando de fora da área.

Somente aos 28min, o Grêmio chegou com perigo à meta do adversário. Baloy cruzou da direita, Júlio Sérgio saiu mal e a bola sobrou para Roger, que chutou mal. Depois desse lance, os gaúchos mostraram mais organização tática e começaram a pressionar o Santos.

Aos 33min, Gilberto tabelou com Bruno na entrada da área e chutou forte. Júlio Sérgio estava bem colocado e fez a defesa. O gol gremista estava amadurecendo e aos 34min o time gaúcho abriu o placar. Gilberto fez ótimo lançamento para Christian, que em velocidade ganhou de Alex e bateu forte, no canto direito do goleiro santista.

Apesar de a partida não valer nada para o time paulista, o Santos foi para cima do Grêmio para tentar empatar. Aos 37min, após um bate-rebate na área gremista, a bola sobrou para Diego, que bateu para o gol. A bola raspou a trave direita de Eduardo Martini.

O goleiro do Grêmio teve ainda mais trabalho aos 43min, quando Douglas arriscou de fora da área e obrigou Martini a se esticar todo e espalmar a bola para escanteio.

Mas o goleiro gremista não conseguiu impedir o gol de empate do Santos, aos 46min. Alex cobrou falta com violência, a bola quicou no campo e enganou Martini, que fez o primeiro dos paulistas.

O Santos começou atacando o adversário no segundo tempo. No primeiro minuto, Léo tocou para Robinho, que bateu para o gol com bastante efeito. Porém, a bola foi para fora.

Aos 5min, o Grêmio deu um susto na torcida santista. Após boa troca de passes, Tinga lançou Christian na área. Sozinho, o centroavante pegou mal na bola e desperdiçou ótima chance de gol.

As duas equipes arriscaram e o jogo ficou empolgante, com chances de lado a lado. Aos 13min, Léo cruzou da esquerda, Robinho cabeceou a bola, que bateu na trave, e Diego chegou atrasado para concluir.

O Grêmio fez o segundo aos 19min. Em um rápido contra-ataque, Elton, que havia acabado de entrar no lugar de Christian, avançou pela esquerda e chutou forte. Júlio Sérgio espalmou para o meio da área e a bola sobrou para Bruno, que conclui para as redes.

A equipe paulista quase empatou novamente a partida aos 21min. Em uma jogada de ataque realizada pelos zagueiros, André Luís cruzou e Alex chutou de primeira. Eduardo Martini fez grande defesa.

Mas o goleiro acabou saindo mal aos 26min. Alex ganhou dele no alto e a bola sobrou para Renato, que cruzou para o meio da pequena área. Sozinho, Diego cabeceou e empatou novamente para o Santos.

O gol não intimidou o Grêmio, que continuou a atacar o adversário. Aos 30min, Cláudio recebeu bom passe de Gilberto na entrada da área e chutou colocado. Júlio Sérgio espalmou para escanteio.

Três minutos depois, Elton fez grande jogada. Driblou André Luís, mas antes de chutar, Alex o travou no chão. Na sobra, Tinga chutou para fora.

Aos 38min, em uma grande jogada, Renato quase fez o terceiro do Santos. Após driblar Gilberto e Roger, o meia santista chutou forte, mas a bola bateu em Claudiomiro e foi para fora.

Aos 49min, Cláudio ainda perdeu grande chance. O atacante demorou para chutar e Léo conseguiu afastar a bola para escanteio.

Goiás 3 x 0 Santos

Data: 29/11/2003, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 44ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 26.511 pagantes
Renda: R$ 241.887,50
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS).
Cartões amarelos: Danilo e Rodrigo (G); André Luís, Daniel, Elano e Fabiano (S).
Gols: Grafite (38-1); Pereira (08-2, contra), Dimba (40-2, de pênalti).

GOIÁS
Rodrigo; Gustavo, Cléber, Pedro Paulo e Esquerdinha (Michel); Josué, Simão, Marabá e Danilo (Thiago); Grafite e Dimba.
Técnico: Cuca

SANTOS
Júlio Sérgio; Reginaldo Araújo, André Luís (Pereira), Alex e Léo; Daniel (Alexandre), Renato, Elano e Diego; Jerri (Wellington) e Fabiano.
Técnico: Emerson Leão



Santos perde do Goiás e dá adeus ao bicampeonato

O sonho do bicampeonato brasileiro terminou para o Santos neste domingo. A derrota para o Goiás, por 3 a 0, no Serra Dourada, em Goiânia, eliminou as chances matemáticas da equipe paulista. Além disso, o Cruzeiro derrotou o Paysandu por 2 a 1, no Mineirão e garantiu o título matematicamente.

Dimba finalmente bateu o recorde de gols em uma só edição, que pertencia a Edmundo desde 1997. Ele agora é o artilheiro do campeonato, com 30, após marcar o terceiro do Goiás, de pênalti. Os outros gols do time goiano foram marcados por Grafite e Pereira, contra.

A próxima semana promete ser decisiva para o futuro do Santos no próximo ano, que tentará novamente o título da Taça Libertadores da América. No sábado, 6 de dezembro, acontecerá a eleição presidencial do clube. A permanência do técnico Emerson Leão, e de alguns atletas, depende do resultado do pleito, especialmente da reeleição de Marcelo Teixeira.

O jogo

Preocupado com o jogo do Cruzeiro, o Santos iniciou a partida permitindo que o Goiás o sufocasse sem piedade. A sorte é que o time goiano mostrava desorganização e apenas em chutes de fora da área levou algum perigo ao gol de Júlio Sérgio.

Após os 6min, a equipe paulista começou a tocar mais a bola e equilibrou a partida. Nos contra-ataques puxados por Jerri, o Santos teve duas boas chances de abrir o marcador. Aos 8min, Reginaldo Araújo recebeu de Jerri e deu passe para Léo, que entrava em velocidade pelo lado esquerdo da área. Rodrigo, corajosamente, saiu nos pés do jogador e fez a defesa.

Após uma dividida com Diego, Esquerdinha acabou deixando o gramado com uma lesão no tornozelo. O lateral-direito Michel entrou em seu lugar e Gustavo foi deslocado para a esquerda.

Se no começo do jogo o Santos estava sendo sufocado, o panorama mudou totalmente após os 15min. Talvez por saber que naquele instante, o Cruzeiro já estava vencendo o Paysandu por 1 a 0, gol de Zinho. Tocando bem a bola, a equipe paulista criava boas jogadas, mas sem levar muito perigo ao gol do adversário. Aos 18min, Jerri cobrou escanteio com muito efeito e a bola quase engana o goleiro Rodrigo, que espalmou para fora.

Mesmo acuado, o Goiás quase abriu o placar aos 26min. Grafite cruzou da direita e a zaga santista cortou. Após um bate-rebate na área, a bola sobrou para o próprio Grafite, que chutou no travessão. Para não ficar atrás, o Santos também teve uma bola chutada no travessão. Aos 33min, Léo tocou para Fabiano, que de primeira acertou a trave de Rodrigo.

Mais uma vez, o panorama da partida mudou e o Goiás voltou a dominar. Aos 34min, Dimba teve boa chance de marcar, mas o artilheiro do Campeonato Brasileiro pegou mal na bola e desperdiçou. Porém, logo depois, a torcida goiana pôde finalmente comemorar.

Aos 38min, Gustavo cruzou bem da direita, Grafite subiu mais que a zaga do Santos e cabeceou à meia altura, sem chances para Júlio Sérgio.

O Goiás poderia ter ampliado o placar aos 44min. Marabá, cara a cara com o goleiro do Santos, chutou a bola por cima do travessão.

Para tentar acertar a marcação de seu time, o técnico Emerson Leão fez duas substituições no intervalo: tirou André Luís e Daniel e colocou Pereira e Alexandre. “Espero que os espaços para os atacantes do Goiás diminuam”, disse o treinador, na volta para o segundo tempo.

Mas, pelo menos no início da etapa final, o Santos não melhorou defensivamente. Os erros na marcação continuavam e o Goiás continuava a pressionar. Em uma bola mal atrasada, Pereira quase deixa Dimba na cara do gol de Júlio Sérgio para fazer o segundo dos donos da casa.

E o dia não era de Pereira. Após um cruzamento de Marabá da direita, aos 8min, o zagueiro santista tentou tirar a bola, mas pegou mal e fez o segundo gol do Goiás. O sonho do bicampeonato ficava mais distante ainda.

Completamente entregue, o Santos viu o time goiano dominar completamente a partida e perder inúmeras chances de gols.

Aos 33min, Motta, no Mineirão, fez o segundo do Cruzeiro. As chances de ser campeão acabaram quando, aos 38min, Alex fez pênalti em Grafite. Dimba cobrou, fez e se tornou artilheiro do torneio com 30 gols, além de bater o recorde de gols em um só campeonato, que pertencia a Edmundo desde 1997.

Santos 3 x 1 Fluminense

Data: 23/11/2003, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: não divulgados
Árbitro: Jamir Carlos Garcez (DF)
Auxiliares: Eremílson Xavier Macedo (DF) e Marrubson Melo de Freitas (DF).
Cartões amarelos: Paulo Almeida, Robinho, Alex (S); Jancarlos (F).
Gols: Esquerdinha (03-2), Diego (06-2), Alex (08-2) e Fabiano (12-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Reginaldo Araújo, Alex, Narciso (Sílvio) e Léo; Paulo Almeida (Daniel), Renato, Elano (Jerri) e Diego; Robinho e Fabiano.
Técnico: Emerson Leão

FLUMINENSE
Kléber; Jancarlos, César, Rodolfo e Júnior César; Marcão, Sidney, Esquerdinha (Alex Oliveira) e Carlos Alberto (Tiago); Marcelo e Romário (Josafá).
Técnico: Renato Gaúcho.



Santos vira contra o Fluminense e garante, ao menos, o vice-campeonato brasileiro

Em mais uma virada na competição, a décima no Nacional e a quarta consecutiva, o Santos garantiu, ao menos, o vice-campeonato brasileiro deste ano ao vencer o Fluminense por 3 a 1 no estádio da Vila Belmiro, no litoral paulista.

O problema dos santistas é que o Cruzeiro também venceu seu confronto da rodada (contra o Paraná, fora de casa) e manteve a diferença de seis pontos a três rodadas do fim do campeonato.

Com o resultado, o Santos foi para 85 pontos e não pode ser mais ultrapassado na segunda colocação do Nacional. Já o Fluminense continua com a vida complicada na competição. Com 46 pontos, o tricolor está ameaçado pelo rebaixamento.

O Santos entrou em campo dando mostras de que iria golear. Depois de um começo de amplo domínio e pressão, o time caiu muito de rendimento e permitiu aos cariocas que tivessem as principais jogadas ofensivas da partida. Acuado, os santistas nem pareciam jogar em casa. Ficavam esperando o Fluminense ir para a frente a fim de robar a bola e encaixar os contra-ataques.

Entretanto, a tarde não era das melhores aos santistas, que erravam muito. Com isso, o tricolor carioca cresceu e teve, ao menos, duas ótimas oportunidades para abrir o placar. Na primeira, Marcelo chutou em cima do goleiro santista. Na segunda, o atacante Romário deixou o zagueiro Alex e o goleiro Júlio Sérgio para trás, mas, com o gol vazio, conseguiu chutar para fora.

O segundo tempo foi totalmente diferente. Sem perder as oportunidades, os times fizeram quatro gols em doze minutos. Mais uma vez, como acontecera contra Corinthians, Vitória e Ponte Preta, além de em outras seis oportunidades, o Santos só acordou quando o adversário abriu o placar.

Aos 2min, Esquerdinha aproveitou rebote de fora da área e fez o primeiro gol do jogo, para os cariocas. A partir daí só deu Santos. A equipe virou o marcador em seis minutos. Diego, aos 6min, Alex, aos 8min, e Fabiano, aos 12min, deram números finais à partida.

Ambas as equipes voltam a campo no próximo final de semana. Enquanto o Fluminense joga no sábado contra o São Caetano, no estádio do Maracanã, no Rio, o Santos vai a Goiânia enfrentar o Goiás no estádio Serrra Dourada, no domingo. O volante Paulo Almeida e o atacante Robinho, com três cartões amarelos, desfalcam a equipe santista.

O jogo

O Santos iniciou a partida pressionando. Aos 3min, após troca rápida de passes, a bola foi tocada para Diego, que, de frente para o gol, sem marcação, chutou para fora.

Um minuto depois foi a vez de Robinho desperdiçar a oportunidade. Ele dominou a bola na entrada da área, pela esquerda, mas chutou errado. No lance seguinte, Elano arriscou da intermediária, mas a a bola saiu por cima do gol.

O Fluminense chegou com perigo aos 6min. Após levantamento da esquerda na grande área, Júnior César cabeceou livre e Júlio Sérgio fez boa defesa.

Dois minutos depois, Robinho tocou de calcanhar para Renato, que, de fora da área, chutou a bola sobre o travessão.

O ritmo da partida caiu, juntamente com o rendimento dos santistas. Com dificuldades para atacar, ambas as equipes começaram a arriscar de fora da área, com chutões sem direção. Num dos mais perigosos, Carlos Alberto, da entrada da área, chutou por cima do gol d Júlio Sérgio, aos 17min.

O Santos, que até então jogava acuado, encaixou um contra-ataque rápido aos 23min. Robinho recebeu livre na esquerda, dentro da área, mas chutou por cima do gol, próximo à trave.

Vendo que o ataque santistas não estava numa tarde inspirada, o meia Elano, que já havia tentado em lances anteriores, continuou a insistir nos chutes de longe. Aos 32min, ele dominou da intermediária e, em vez de tentar a jogada, preferiu arriscar. A bola passou à esquerda de Kléber.

O Fluminense perdeu grande chance aos 33min. A defesa santista parou e Marcelo, dentro da área, pela esquerda, ficou na frente do goleiro do alvinegro paulista. Sem marcação, ele teve tempo de dominar, pensar, mas na hora de finalizar chutou em cima de Júlio Sérgio.

Aos 38min, Rodolfo cobrou falta da entrada da área, pela esquerda, e Júliuo Sérgio espalmou. Nenhum jogador do tricolor carioca, porém, conseguiu aproveitar o rebote.

Robinho, aos 41min, deu uma bicicleta na entrada da área e Kléber fez uma bonita ponte para evitar o que seria o primeiro gol do Santos.

Um minuto depois, Romário perdeu a melhor oportunidade do primeiro tempo. O atacante fez bela jogada na entrada da área ao driblar Alex e Júlio Sérgio. Entretanto, com o gol aberto, chutou para fora.

O Fluminense voltou a pressionar. Aos 43min, Romário tocou de cabeça para Marcelo, na direita. O atacante invadiu a área e chutou cruzado. O goleiro Júlio Sérgio, novamente, evitou o gol dos cariocas.

O segundo tempo começou movimentado, mas desta vez as equipes não desperdiçaram as chances criadas. Aos 3min, Jancarlos levantou bola na grande área, em cobrança de falta da direita, Júlio Sérgio espalmou e, no rebote, Esquerdinha pega de primeira, de fora da área, para fazer um golaço para os cariocas.

A alegria do Fluminense durou pouco. Aos 6min, Renato fez boa jogada pela direta, cruzou para Fabiano na grande área, que, de cabeça, ajeitou para Diego. O meia, também de primeira, empatou o jogo com um golaço da entrada da área.

Aí, como acontecera nas últimas partidas, os santistas foram para cima do adversário e viraram a partida. Aos 8min, Léo cruzou da esquerda e Alex apareceu para, de cabeça, colocar o Santos na frente do marcador.

Os santistas ainda ampliaram aos 12min. Diego alçou bola na grande área em cobrança de falta da esquerda e Fabiano se antecipou ao goleiro do time carioca para cabecear a bola para o fundo da rede.

O Santos continuou dominando a partida. Aos 17min, Elano arriscou da entrada da área e Kléber espalmou. No rebote, Renato ia ficando de frente para o gol quando a arbitragem paralisou o jogo, marcando impedimento.

Um minuto depois, Robinho virou a jogada para Renato, na direita. O volante invadiu a área e chutou cruzado, muito perto do gol

Aos 23min, Robinho sofreu pênalti ao ser travado por dois jogadores do time carioca, mas o árbitro Jamir Carlos Garcez não marcou a penalidade e ainda mostrou cartão amarelo ao atacante, que agora está fora do jogo contra o Goiás.

Dois minutos depois, Léo chutou da esquerda, dentro da área, mas o goleiro Kléber defendeu. Depois, foi só tocar a bola e esperar o apito final da partida para garantir o vice-campeonato. Fabiano ainda perdeu grande chance aos 46min.

Santos 1 x 3 Seleção do Brasil sub 23

Data: 18/11/2003, terça-feira.
Competição: Amistoso restritivo não-oficial
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.712 pesssoas
Renda: N/D
Árbitro: Cléber Wellington Abade (SP).
Cartões amarelos: Reginaldo Araujo e Narciso (S); Eduardo Costa (B).
Gols: Pereira (20-1, contra); Robinho (12s-2), Jaílson (39-2) e Marcel (41-2).

SANTOS
Júlio Sérgio (Matheus); Reginaldo Araújo (Neném), Pereira (André Luís), Narciso (Sílvio) e Léo (Rubens Cardoso); Alexandre (Val Baiano), Daniel, Wellington e Jerri (Jaílson); Fabiano (Douglas) e Júlio César (William).
Técnico: Émerson Leão.

BRASIL (entre colchetes o time a que o jogador pertence)

Gomes [Cruzeiro] (Juninho) [Vitória];Maicon [Cruzeiro], Edu Dracena [Cruzeiro] (Rodolfo) [Fluminense], Alex [Santos] (Adriano II) [Grêmio] e Maxwell [Ajax] (Wendel II) [Cruzeiro]; Eduardo Costa [Bordeaux] (Paulo Almeida) [Santos], Fábio Rochemback [Sporting], Thiago Motta [Barcelona] (Nenê II) [Mallorca] e Marcinho [São Caetano] (Carlos Alberto) [Fluminense]; Robinho [Santos] (Paulinho) [Atlético-MG] e Nilmar [Internacional] (Marcel) [Coritiba].
Técnico: Ricardo Gomes



Robinho marca e Seleção Olímpica bate o Santos

A Seleção Brasileira Sub-23 venceu o Santos por 3 a 1 em amistoso realizado na noite desta terça-feira no estádio da Vila Belmiro. Esta foi a segunda vitória consecutiva nos testes realizados pelo técnico Ricardo Gomes. A primeira aconteceu no último sábado, por 2 a 0, diante do Corinthians.

A partida marcou o inédito encontro dos santistas Alex, Paulo Almeida e Robinho contra o clube paulista. Robinho, inclusive, marcou um dos gols da vitória da Seleção. O zagueiro Pereira, contra, abriu o placar para a Seleção Brasileira. Jaílson fez para o Peixe, enquanto que Marcel garantiu o 3 a 1.

A outra novidade no amistoso foi Narciso. Sem atuar na Vila Belmiro desde 1999, o volante começou o jogo como titular com a camisa do Santos. De janeiro de 2000 a outubro deste ano, ele ficou fora do futebol, vítima de leucemia mielóide crônica. Muito aplaudido, Narciso foi substituído na segunda etapa.

Com três volantes e apenas Marcinho na criação, a equipe do técnico Ricardo Gomes demorou a engrenar na partida. Eduardo Costa, Rochemback e Thiago Motta exageravam nos passes errados e tornavam o meio-campo lento. Porém, o Peixe não soube aproveitar os vacilos e pouco chegou ao gol em reais condições.

Quando o Brasil acordou e melhorou o passe, impôs sua superioridade diante da desfalcada equipe da Vila Belmiro. Aos vinte minutos, Rochemback cruzou da direita e Nilmar quase marcou. Após dominar sozinho dentro da área, o atacante do Internacional cabeceou com muito perigo, à direita de Júlio Sérgio.

Aos 24, a Seleção abriu o placar. Maxwell foi à linha de fundo pela esquerda e cruzou para o meio da área. Ao tentar o desvio, Pereira enganou o goleiro santista e colocou a bola no canto direito para marcar contra.

A única defesa de Gomes no primeiro tempo aconteceu aos 29 minutos. Após um chute de fora da área de Alexandre, o camisa um do Brasil esticou-se e espalmou a bola no canto direito. Apático, o Peixe deu chances para o adversário ampliar.

Robinho, aos 35, deu um belo passe para Nilmar na grande área. O atacante dominou livre, na frente de Júlio Sérgio, e bateu no canto direito. Bem posicionado na saída do gol, o goleiro desviou a bola para escanteio.

Os dois treinadores aproveitaram o intervalo para mexer nas suas respectivas equipes. Ricardo Gomes voltou para o segundo tempo com quatro alterações, enquanto que Leão sacou três jogadores no Santos.

E a Seleção não precisou de muito tempo para ampliar. Aos doze segundos da etapa final, Robinho avançou pelo e abriu para Marcel do lado esquerdo da grande área. O atacante do Coritiba bateu e Júlio Sérgio espalmou para o meio. Robinho foi mais esperto do que a zaga e completou para as redes no rebote.

Assim como aconteceu no primeiro tempo, o Brasil foi superior durante os 45 minutos finais. Porém, assim como o Santos, a Seleção utilizou a partida apenas para testar diferentes formações. Na metade da segunda etapa, quase todos os jogadores que começaram jogando não estavam mais em campo.

O amistoso, assistido por quase seis mil pessoas, seguiu em ritmo de treino até o apito final do árbitro paulista Cléber Wellington Abade.

Apesar de acomodado e sem muito interesse, o Peixe ainda conseguiu descontar. aos 39, Jaílson bateu de fora da área, a bola desviou em Rodolfo e entrou no canto direito do goleiro Juninho. Dois minutos depois, Wendel fez bela jogada pela esquerda, foi à linha de fundo e cruzou. Marcel, livre, completou para as redes e fechou o placar na Vila Belmiro: 3 a 1.