Navegando Posts marcados como 2003

Santos 1 x 3 Seleção do Brasil sub 23

Data: 18/11/2003, terça-feira.
Competição: Amistoso restritivo não-oficial
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.712 pesssoas
Renda: N/D
Árbitro: Cléber Wellington Abade (SP).
Cartões amarelos: Reginaldo Araujo e Narciso (S); Eduardo Costa (B).
Gols: Pereira (20-1, contra); Robinho (12s-2), Jaílson (39-2) e Marcel (41-2).

SANTOS
Júlio Sérgio (Matheus); Reginaldo Araújo (Neném), Pereira (André Luís), Narciso (Sílvio) e Léo (Rubens Cardoso); Alexandre (Val Baiano), Daniel, Wellington e Jerri (Jaílson); Fabiano (Douglas) e Júlio César (William).
Técnico: Émerson Leão.

BRASIL (entre colchetes o time a que o jogador pertence)
Gomes [Cruzeiro] (Juninho) [Vitória]; Maicon [Cruzeiro], Edu Dracena [Cruzeiro] (Rodolfo) [Fluminense], Alex [Santos] (Adriano II) [Grêmio] e Maxwell [Ajax] (Wendel II) [Cruzeiro]; Eduardo Costa [Bordeaux] (Paulo Almeida) [Santos], Fábio Rochemback [Sporting], Thiago Motta [Barcelona] (Nenê II) [Mallorca] e Marcinho [São Caetano] (Carlos Alberto) [Fluminense]; Robinho [Santos] (Paulinho) [Atlético-MG] e Nilmar [Internacional] (Marcel) [Coritiba].
Técnico: Ricardo Gomes



Robinho marca e Seleção Olímpica bate o Santos

A Seleção Brasileira Sub-23 venceu o Santos por 3 a 1 em amistoso realizado na noite desta terça-feira no estádio da Vila Belmiro. Esta foi a segunda vitória consecutiva nos testes realizados pelo técnico Ricardo Gomes. A primeira aconteceu no último sábado, por 2 a 0, diante do Corinthians.

A partida marcou o inédito encontro dos santistas Alex, Paulo Almeida e Robinho contra o clube paulista. Robinho, inclusive, marcou um dos gols da vitória da Seleção. O zagueiro Pereira, contra, abriu o placar para a Seleção Brasileira. Jaílson fez para o Peixe, enquanto que Marcel garantiu o 3 a 1.

A outra novidade no amistoso foi Narciso. Sem atuar na Vila Belmiro desde 1999, o volante começou o jogo como titular com a camisa do Santos. De janeiro de 2000 a outubro deste ano, ele ficou fora do futebol, vítima de leucemia mielóide crônica. Muito aplaudido, Narciso foi substituído na segunda etapa.

Com três volantes e apenas Marcinho na criação, a equipe do técnico Ricardo Gomes demorou a engrenar na partida. Eduardo Costa, Rochemback e Thiago Motta exageravam nos passes errados e tornavam o meio-campo lento. Porém, o Peixe não soube aproveitar os vacilos e pouco chegou ao gol em reais condições.

Quando o Brasil acordou e melhorou o passe, impôs sua superioridade diante da desfalcada equipe da Vila Belmiro. Aos vinte minutos, Rochemback cruzou da direita e Nilmar quase marcou. Após dominar sozinho dentro da área, o atacante do Internacional cabeceou com muito perigo, à direita de Júlio Sérgio.

Aos 24, a Seleção abriu o placar. Maxwell foi à linha de fundo pela esquerda e cruzou para o meio da área. Ao tentar o desvio, Pereira enganou o goleiro santista e colocou a bola no canto direito para marcar contra.

A única defesa de Gomes no primeiro tempo aconteceu aos 29 minutos. Após um chute de fora da área de Alexandre, o camisa um do Brasil esticou-se e espalmou a bola no canto direito. Apático, o Peixe deu chances para o adversário ampliar.

Robinho, aos 35, deu um belo passe para Nilmar na grande área. O atacante dominou livre, na frente de Júlio Sérgio, e bateu no canto direito. Bem posicionado na saída do gol, o goleiro desviou a bola para escanteio.

Os dois treinadores aproveitaram o intervalo para mexer nas suas respectivas equipes. Ricardo Gomes voltou para o segundo tempo com quatro alterações, enquanto que Leão sacou três jogadores no Santos.

E a Seleção não precisou de muito tempo para ampliar. Aos doze segundos da etapa final, Robinho avançou pelo e abriu para Marcel do lado esquerdo da grande área. O atacante do Coritiba bateu e Júlio Sérgio espalmou para o meio. Robinho foi mais esperto do que a zaga e completou para as redes no rebote.

Assim como aconteceu no primeiro tempo, o Brasil foi superior durante os 45 minutos finais. Porém, assim como o Santos, a Seleção utilizou a partida apenas para testar diferentes formações. Na metade da segunda etapa, quase todos os jogadores que começaram jogando não estavam mais em campo.

O amistoso, assistido por quase seis mil pessoas, seguiu em ritmo de treino até o apito final do árbitro paulista Cléber Wellington Abade.

Apesar de acomodado e sem muito interesse, o Peixe ainda conseguiu descontar. aos 39, Jaílson bateu de fora da área, a bola desviou em Rodolfo e entrou no canto direito do goleiro Juninho. Dois minutos depois, Wendel fez bela jogada pela esquerda, foi à linha de fundo e cruzou. Marcel, livre, completou para as redes e fechou o placar na Vila Belmiro: 3 a 1.


Ponte Preta 3 x 4 Santos

Data: 09/11/2003, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 42ª rodada
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, SP.
Público: 14.421
Renda: R$ 118.736,00
Árbitro: Cléber Wellington Abade (SP).
Auxiliares: Carlos Donizetti Pianosqui (SP) e Marinaldo Silverio (SP).
Cartões amarelos: Piá, Conceição e Gabriel (PP); Elano e Jerri (S).
Gols: Rodrigo (10-1), Elano (23-1), Jean (33-1) e Diego (45-1, de pênalti); Diego (16-2), Luizinho Vieira (29-2) e Renato (33-2).

PONTE PRETA
Lauro; Gabriel, Rafael Santos e Rodrigo; Marquinhos (Vaguinho), Conceição, Piá (Luizinho Vieira), Adrianinho e Ronildo (Lucas); Jean e Dario Gigena.
Técnico: Abel Braga

SANTOS
Júlio Sérgio; Neném (Reginaldo Araújo), André Luís, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Jerri) e Diego (Daniel); Robinho e Fabiano.
Técnico: Emerson Leão



De virada, Santos derrota Ponte Preta e segue sonhando

A luta continua. É com esse sentimento que os jogadores do Santos deixaram o gramado do estádio Moisés Lucarelli, após a vitória sobre a Ponte Preta por 4 a 3, em Campinas. Como o líder Cruzeiro derrotou o Vasco, em Campo Grande, por 1 a 0, a diferença entre os dois times permaneceu nos seis pontos. Restam quatro rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro e mais duas vitórias asseguram o título aos mineiros.

A Ponte Preta caiu uma posição e está na 22ª colocação, com 45 pontos. Não foi desta vez que a equipe quebrou o jejum de vitórias jogando em seu estádio. Desde o dia 13 de julho, na vitória por 1 a 0 sobre o Bahia, o time de Campinas não ganha no Moisés Lucarelli.

A partida foi muito movimentada, com os dois times buscando a vitória. Um para ainda lutar pelo título; o outro para escapar do rebaixamento. A Ponte esteve na frente por duas vezes, mas não conseguiu segurar o placar. Foi a nona virada do Santos na competição.

Diego e Elano, convocados para a Seleção Brasileira, deixaram o campo com problemas médicos. O camisa 10 do Peixe levou uma pancada na panturrilha direita. Já Elano passou mal no intervalo e não retornou para o segundo tempo.

O jogo

Precisando vencer para escapar do fantasma do rebaixamento, a Ponte Preta buscou a iniciativa da partida. Porém, desorganizada, a equipe não conseguia criar boas jogadas. Tanto que a primeira chance real de gol foi do Santos. Aos 3min, Léo avançou pela esquerda e quase marcou. O goleiro Lauro foi mais rápido e fez a defesa nos pés do lateral.

A Ponte Preta tentava responder em contra-ataques. E foi justamente em um deles que originou o primeiro gol do jogo. Aos 9min, Marquinhos pegou a defesa santista desarrumada e chutou cruzado. A bola já tinha passado por Júlio Sérgio, mas Alex conseguiu chutar a bola para a linha de fundo. Na seqüência, Piá cobrou o escanteio no primeiro pau e Rodrigo cabeceou para o gol. Foi a quarta vez que o zagueiro da Ponte Preta marcou na competição.

O gol da Ponte serviu para acordar o Santos. O time de Emerson Leão se soltou um pouco mais e aos 12min o empate quase saiu. Diego fintou Rafael Santos e Rodrigo e chutou cruzado. O zagueiro Alex tentou chegar de carrinho, mas não chegou a tempo. Cinco minutos depois, Elano arriscou de fora da área e a bola raspou a trave da meta do time de Campinas.

Aos 18min, a Ponte quase fez o segundo, em jogada idêntica ao primeiro gol. Escanteio da direita cobrado por Piá, a zaga do Santos ficou olhando e Rodrigo cabeceou livre, sem marcação. A sorte do goleiro Júlio Sérgio é que a bola subiu e foi para fora.

Fabiano desperdiçou a melhor chance do Santos, até então, aos 21min. Léo levantou a bola da esquerda e o atacante, cara cara com Lauro, chutou forte. O goleiro da Ponte saiu bem e espalmou. Diego ainda teve a chance de finalizar, mas foi interceptado pela zaga da equipe de Campinas.

Totalmente acuada, a Ponte Preta não conseguiu sustentar a vitória por muito tempo. Aos 23min, Robinho fez grande jogada com Fabiano e passou a bola para Elano. Livre, o meia não teve dificuldades para finalizar e empatar a partida.

Se mesmo antes de empatar o Santos já dominava a partida, com o gol essa supremacia ficou ainda mais evidente. O meio-campo santista dominava o setor e ao time da Ponte só restava optar por lançamentos longos para o veloz Jean. Aos 31min, Elano quase fez o seu segundo gol no jogo. Diego tocou para ele na área, o meia fintou a zaga adversária e chutou de pé esquerdo. Lauro fez a defesa com segurança.

A Ponte Preta buscava o ataque com Jean, explorando o espaço deixado pelo lateral-direito Neném. E foi justamente desta maneira que a equipe de Campinas fez 2 a 1. Com uma boa pitada de sorte, Jean chutou de fora da área, a bola bateu na perna do zagueiro Alex e enganou Júlio Sérgio, aos 33min.

O gol não abateu o Santos, que continuou dominando o meio-campo. Robinho saiu driblando e chutou de pé esquerdo de fora da área. A bola raspou o travessão de Lauro.

Aos 44min, Diego invadiu a área, driblou Rafael Santos e sofreu falta de Rodrigo. Pênalti bem marcado por Cléber Wellington Abade. E bem cobrado pelo próprio Diego, que chutou no canto esquerdo de Lauro para fazer 2 a 2.

“Precisamos acertar a nossa marcação. Tanto na defesa quanto no ataque”, alertava Diego, ao fim do primeiro tempo. E para solucionar isso, Leão tirou Neném e colocou Reginaldo Araújo no intervalo. O treinador do Santos também teve que substituir Elano, que se sentiu mal no vestiário. Em seu lugar, Jerri.

Assim como no início da partida, a Ponte Preta foi para cima do Santos no começo do segundo tempo. Em uma saída errada de Diego, aos 4min, por pouco a Macaca não ficou novamente à frente no placar. Jean cruzou para Gigena, mas André Luís tirou de cabeça para escanteio. O zagueiro santista salvou o time de novo quatro minutos depois, após cruzamento rasteiro feito por Ronildo.

Aos 13min, Conceição quase marca um golaço. O jogador arriscou de fora da área, a bola desviou em Alex e enganou Júlio Sérgio. Porém, ao contrário do segundo gol da Ponte no jogo, a bola bateu na trave e foi para fora.

Quando a Ponte Preta dominava amplamente a partida, uma falha individual deixou o Santos na frente. O zagueiro Rodrigo quis sair jogando e driblar Robinho. O esperto atacante do Santos foi mais rápido, roubou a bola e passou para Diego, que livre, bateu no canto esquerdo de Lauro, aos 16min.

Com o resultado negativo, o técnico Abel Braga tirou os laterais e colocou os atacantes Vaguinho, Lucas e Luzinho Vieira. E foi justamente o último que fez o gol de empate da Ponte, aos 29min. Após rebote da zaga santista, Luizinho Vieira chutou forte e rasteiro da entrada da área e a bola entrou.

Mas as substituições feitas por Abel Braga também tiveram um lado negativo. A entrada do trio de atacantes deixou a equipe de Campinas exposta aos contra-ataques. E em um deles o Santos fez o quarto gol, aos 33min: Reginaldo Araújo cruzou da direita e Renato, de primeira, chutou para o fundo das redes de Lauro.

Robinho ainda desperdiçou duas chances claras de gol, para desespero de Emerson Leão.

Santos 3 x 1 Vitória

Data: 05/11/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 41ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.205 pagantes
Renda: R$ 38.999,00
Árbitro: Sérgio Cristiano Nascimento (RJ)
Auxiliares: Vilmar Raul (RJ) e Marcos Tadeu Penichi Nunes (RJ)
Cartões amarelos: André Luís e Robinho (S); Zé Roberto, Paulo Rodrigues e Dudu Cearense (V).
Gols: Alecsandro (15-2), Alex (18-2), Jerri (21-2) e Fabiano (38-2).

SANTOS
Fábio Costa; Neném (Douglas), Alex, André Luís e Léo (Reginaldo Araújo); Paulo Almeida, Renato, Elano e Fabiano; Robinho e William (Jerri)
Técnico: Emerson Leão

VITÓRIA
Juninho; Marcelo Heleno, Nenê e Marcos (Gilmar); Alex Santos, Ramalho, Dudu Cearense, Alessandro Azevedo e Paulo Rodrigues; Zé Roberto (Dionísio) e Alecsandro (Samir)
Técnico: Lori Sandri



Santos não brilha, mas vira para cima do Vitória

O Santos não reeditou o bom futebol das últimas apresentações e encontrou muitas dificuldades, mas passou pelo Vitória por 3 a 1, de virada, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 41ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, a equipe se mantém a seis pontos do líder Cruzeiro, que esta noite venceu o Grêmio. O time do técnico Emerson Leão soma 79 pontos, contra 85 dos cruzeirenses.

A equipe santista não perde no Brasileiro há oito jogos, com seis vitórias e dois empates. Além disso, venceu seus últimos cinco compromissos, superando Atlético-PR, Bahia, Coritiba, Corinthians e Vitória.

Já o Vitória, que permanece com 52 pontos ganhos, conhece a sua segunda derrota consecutiva de virada. No último domingo, a equipe saiu vencendo o Goiás por 3 a 0 no primeiro tempo, mas levou quatro gols na etapa complementar.

O Santos volta a jogar no próximo domingo, contra a Ponte Preta, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Já o Vitória busca a reabilitação diante de outra equipe campineira, o Guarani, no Barradão, em Salvador.

O jogo

A primeira chance clara de gol da partida foi santista, aos 9min. Depois de cobrança de escanteio da esquerda, Alex desviou e Juninho conseguiu fazer a defesa. A bola triscou na cabeça de William que, dentro da pequena área, não conseguiu empurrar para o gol.

Aos 20min, o Vitória abriu o placar, mas o árbitro Sérgio Cristiano Nascimento anulou corretamente. Paulo Rodrigues cobrou falta de longa distância, Fábio Costa rebateu mal e Zé Roberto, em posição de impedimento, empurrou para as redes.

A partida era aberta. Jogando em casa, o Santos mantinha mais a posse da bola e tinha como principal arma as jogadas pela esquerda, com Robinho. Já o Vitória tentava marcar forte no meio-campo e saía com velocidade, apostando nas jogadas pelas laterais.

Aos 34min, a equipe santista desperdiçou boa chance para marcar. Robinho aproveitou bobeira na saída de bola do Vitória, roubou de Marcelo Heleno na esquerda e rolou para Fabiano. O meia, livre, na entrada da área, chutou fraco, facilitando a defesa de Juninho.

Em contragolpe rápido, aos 36min, o Vitória perdeu gol feito. Alecsandro foi lançado nas costas da zaga, driblou Fábio Costas e bateu de pé esquerdo. No entanto, o chute saiu fraco e Paulo Almeida teve tempo para dominar e salvar o Santos.

O panorama da partida não mudou no segundo tempo, mas a bola parada virou uma arma para as duas equipes. Aos 6min, Alex arriscou cobrança de longa distância e Juninho conseguiu espalmar para escanteio. O troco baiano veio aos 11min, quando Zé Roberto cobrou falta frontal e Fábio Costa foi buscar no canto esquerdo.

Aos 15min, o Vitória abriu o placar. Dudu Cearense enfiou grande bola para Alecsandro, que bateu forte, de primeira, no alto, e surpreendeu o goleiro Fábio Costa, que saía do gol e nada pode fazer.

O gol acordou o Santos. A torcida rubro-negra ainda comemorava quando, aos 18min, Alex subiu mais alto depois de cruzamento da direita e, de cabeça, colocou no canto direito de Juninho, empatando a partida.

Aos 20min, o Vitória perdeu Dudu Cearense: ele acabara de receber cartão amarelo quando cometeu falta violenta e foi expulso. O Santos não deu tempo para a equipe baiana se rearmar já que, no minuto seguinte, virou o placar. Léo avançou pela esquerda e rolou para o meio. Elano fez o primeiro corta-luz, Alex fez o segundo e Jerri bateu rasteiro no canto esquerdo, marcando um golaço.

Perdendo por 2 a 1 e com um jogador a menos, o Vitória parou de preocupar Fábio Costa. Já o Santos aproveitou e marcou o terceiro aos 38min. Jerri avançou pelo meio-campo e enfiou grande bola para Robinho, que cruzou rasteiro. Fabiano entrou de carrinho e completou a vitória santista.


Vídeos: (1) Melhores momentos e (2) Reportagem Globo Esporte.

Santos 3 x 1 Corinthians

Data: 02/11/2003, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 40ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 19.881 pagantes
Renda: R$ 267.285,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP).
Auxiliares: Everson Luis Luquesi Soares (SP) e Emerson Augusto de Carvalho (SP).
Cartões amarelos: Reginaldo Araújo, Léo e Diego (S); Coelho e Fabinho (C).
Gols: Fabinho (30-1) e Robinho (40-1); Pereira (15-2) e Fabiano (27-2).

SANTOS
Fábio Costa; Neném (Reginaldo Araújo), Alex, Pereira e Léo; Paulo Almeida (Daniel), Renato, Elano e Diego; Robinho e Fabiano (William).
Técnico: Emerson Leão

CORINTHIANS
Doni; Coelho, Betão, Marcus Vinícius e Vinícius; Fabinho, Fabrício (André Luiz), Rogério e Robert (Renato); Gil e Wilson (Abuda).
Técnico: Juninho.



Envolvente, Santos vence o Corinthians por 3 a 1, de virada

O Santos não tomou conhecimento do Corinthians na tarde deste domingo e venceu o rival na Vila Belmiro por 3 a 1, de virada. A vitória manteve o tabu dos santistas, que não perdem para o Corinthians há quase dois anos. O Santos foi para 76 pontos e o Corinthians ficou com 52.

A primeira etapa foi equilibrada, hora com o Santos no domínio, hora com o Corinthians. Por jogar em casa e motivado por ainda ter chances de lutar pelo bicampeonato, o Santos começou a partida dando a impressão de que construiria um placar elástico ainda no primeiro tempo.

A equipe, porém, encontrava muita dificuldade em furar a forte retranca corintiana. Após a pressão inicial, que durou exatos dezenove minutos, o Santos parou de jogar. Errando muitos passes e dando espaço para o adversário, o Santos permitiu que o Corinthians crescesse na partida.

Depois de uma série de lambanças da defesa santista, Fabrício acertou um belo chute e fez um golaço, aos 30min. O gol acordou os santistas, que chegaram ao empate dez minutos depois, com um golaço de Robinho.

Diferentemente do primeiro tempo, o Santos dominou amplamente o segundo tempo. O time voltou para a etapa final disposto a conseguir os três pontos. Envolvendo o adversário com bom toque de bola, os santistas viraram o jogo, com gol de cabeça do zagueiro Pereira, que aproveitou cobrança de escanteio da direita, e chegou ao terceiro aos 26min, com Fabiano, de cabeça.

As duas equipes voltam a campo na próxima quarta-feira. O Santos enfrenta o Vitória na Vila Belmiro. Diego levou o terceiro cartão amarelo e desfalca o time. Já o Corinthians joga contra o Coritiba, no Paraná.

O jogo

Logo aos 2min, Fabiano aproveitou cobrança de escanteio da direita e cabeceou próximo ao travessão, assustando a torcida corintiana.

Quatro minutos depois, Diego cobrou falta fechada da esquerda e Doni saiu do gol para, de soco, afastar a bola para longe da grande área.

O Corinthians só chegou com perigo aos 11min. Aproveitando falha de Paulo Almeida, Gil ficou com a bola na esquerda e, da entrada da área, chutou cruzado. A bola saiu fraca, mas passou próxima à trave esquerda de Fábio Costa.

Aos 19min, Fabinho arriscou de fora da área e Fábio Costa espalmou. Os corintianos ficaram com o rebote e depois de de diversas tentativas, Gil dominou a bola na esquerda, dentro da área, fez o giro e chutou forte. A bola passou à direita do gol santista.

Mais Corinthians aos 23min. Gil cruzou da esquerda, Wilson se antecipou à defesa santista e colocou o pé no meio do caminho. Fábio Costa, no reflexo, fez a defesa.

O Santos não jogava bem, mas conseguiu uma boa oportunidade aos 25min. Após cobrança de falta em dois lances, Alex arriscou de fora da área, mas a bola passou à direita de Doni, sem perigo para o goleiro corintiano.

O gol corintiano saiu aos 30min. Depois de aproveitar rebote de Fábio Costa, Fabrício arriscou de fora da área e acertou o ângulo esquerdo do goleiro santista: 1 a 0.

Com o gol do rival, o Santos ganhou novo ânimo e acordou na partida. Aos 38min, Elano arriscou da intermediária e a bola passou à esquerda de Doni, próxima à trave do gol corintiano.

Aos 40min – Diego fez boa jogada pela direita, abriu para Robinho que, da entrada da área, chutou rasteiro no canto direito. Doni se esticou e mandou a bola para escanteio, evitando o gol de empate. Mas, na cobrança de escanteio, Robinho ficou com a bola na entrada da área, pela esquerda, e fez um golaço. Ele dominou e chutou colocado, no canto oposto de Doni, sem chances para o goleiro corintiano: 1 a 1.

O Santos ainda quase virou a partida antes do intervalo. Aos 44min, Neném cobrou falta com violência pela direita e Doni fez boa defesa.

A etapa final começou como a primeira, com o Santos no ataque. Aos 8min, Alex cobrou falta da intermediária com muita força, Doni espalmou e, no rebote, Robinho, sozinho na pequena área pela esquerda, desperdiçou chance de colocar o Santos na frente ao chutar em cima do goleiro corintiano. O lance já estava paralisado pela arbitragem, que marcava impedimento.

Aos 14min, Fabiano desperdiçou grande oportunidade de fazer o segundo do Santos. Após receber passe de Robinho e ficar de frente para Doni, o atacante improvisado chutou em cima do goleiro corintiano, que saiu do gol para fechar o ângulo do santista. No rebote, a zaga mandou a bola para escanteio.

Após a cobrança da direita, o zagueiro Pereira subiu mais do que a defesa do Corinthians e cabeceou no canto direito de Doni para virar a partida para os donos da casa: 2 a 1.

Mesmo com o gol, o Santos continuou a madar na partida. Aos 17min, Diego chutou de fora da área e Doni caiu para fazer nova defesa. Dois minutos depois, numa das poucas descidas do Corinthians, a equipe teve grande oportunidade para empatar em cobrança de falta de Coelho pela esquerda, que Fábio Costa defendeu.

Aos 24min, Neném em cobrança de falta da direita, levantou para a grande área e Robinho, sem marcação, cabeceou com perigo contra a meta corintiana. A bola passou próxima ao travessão.

Estava fácil. Superior em campo, o Santos chegou ao terceiro gol aos 26min. Depois de Elano acertar o travessão em um belo chute de fora da área, Fabiano aproveitou o rebote e, de cabeça, ampliou para os santistas. Os corintianos reclamaram de uma possível falta de Fabiano em Marcus Vinícius no lance.

Aos 33min, depois de contra-ataque rápido dos santistas, Robinho chutou cruzado da esquerda, da entrada da área, e a bola passou perto da trave de Doni, assustando os corintianos.

Elano, aos 40min, tentou encobrir Doni, mas o goleiro corintiano mandou a bola para escanteio. Aos 42min, Betão errou na frente de Fabiano, na entrada da pequena área, mas o santista mandou a bola por cima do travessão.

O Santos perdeu a chance incrível de fazer o quarto gol com William, que havia acabado de entrar no lugar de Fabiano. Aos 46min, ele saiu sozinho na frente do gol corintiano, driblou Doni, mas chutou errado.

Cienciano 2 x 1 Santos

Data: 29/10/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Copa Sul-Americana – Quartas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio Inca Garcilaso de la Vega, em Cuzco, Peru.
Público e renda: N/D
Árbitro: René Ortubé (BOL)
Cartões amarelos: Neném e Léo (S); Morán, Lugo e Garcia (C).
Gols: Carty (11-1), Elano (13-1) e Carty (35-1).

CIENCIANO-PER
Oscar Ibañez; Alessandro Morán, Santiago Acasiete, Carlos Lugo, Giuliano Portilla, Juan Carlos La Rosa, Juan Carlos Bazalar, Carlos Garcia, Carlos Lobatón (Paolo Maldonado), Rodrigo Saraz (M. Garcia), Gérman Carty (Roberto Holsen).
Técnico: Freddy Ternero

SANTOS
Fábio Costa; Neném (Reginaldo Araújo), André Luis, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato (Alexandre), Elano e Diego; Robinho (William) e Fabiano.
Técnico: Emerson Leão



Na altitude, Santos perde do Cienciano e é eliminado da Sul-Americana

Jogando na altitude de Cusco (3.360 metros), o Santos perdeu para o Cienciano por 2 a 1 no jogo de volta das quartas-de-final e foi eliminado da Copa Sul-Americana.

A equipe peruana ficou com a vaga, pois havia arrancado um empate por 1 a 1 na Vila Belmiro, no jogo de ida. Nas semifinais, o Cenciano enfrenta o vencedor de Nacional de Medellín (COL) e Boca Juniors (ARG).

Com o apoio da torcida, o Cienciano começou pressionando e não demorou muito para abrir o placar. Aos 11min, o atacante Carty recebeu na área e chutou forte, no canto direito, sem chance para Fábio Costa.

A resposta santista veio em seguida, apenas dois minutos depois, no primeiro bom ataque do time. Em jogada individual, o meia Elano se livrou de dois marcadores, entrou na área e bateu alto para empatar.

Os donos da casa voltaram a assustar aos 23min com chute de Lobatón de fora da área, que passou à direita do gol santista. Pouco depois, Carty quase fez o segundo em chute de dentro da área, que desviou em Alex.

Aos 35min, Lobatón cruzou na área para Carty, que ganhou pelo alto de André Luiz e cabeceou para fazer 2 a 1. Aos 42min, novamente Carty teve a chance de fazer mais um para os peruanos, mas Neném salvou.

No segundo tempo, o Santos criou uma ótima chance para empatar aos 11min. Após cruzamento de Elano, o atacante Robinho acertou a trave usando a mão –o árbitro não viu e deixou o lance seguir.

Aos 35min, após cruzamento de Reginaldo Araújo da direita, Fabiano marcou para o Santos, mas o juiz boliviano René Ortubé anulou o gol corretamente. O atacante santista estava impedido.