Navegando Posts marcados como 2012


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 3 x 1 Palmeiras

Data: 01/12/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.641 pagantes
Renda: R$ 275.695,00
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP).
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior (SP) e João Bourgalber Nobre Chaves (SP).
Cartões amarelos: Alan Santos (S); Román (P).
Cartões vermelhos: Alan Santos (S); Román (P).
Gols: Maikon Leite (04-1), Victor Andrade (12-1), Neymar (22-1, de pênalti) e Neymar (38-1).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Juan; Alan Santos, Arouca (Gérson Magrão), Felipe Anderson e Patito Rodríguez (Geuvânio); Neymar e Victor Andrade (Miralles).
Técnico: Muricy Ramalho

PALMEIRAS
Raphael Alemão; Artur, Román, Maurício Ramos e Juninho; Márcio Araújo, Correa, Bruno Dybal (Diego Souza) e Mazinho (Luiz Gustavo); Maikon Leite (Vinícius) e Barcos.
Técnico: Gilson Kleina



Com show de Neymar, Santos vira e vence rebaixado Palmeiras na Vila

Atacante faz dois gols, cava expulsão e ainda participa da jogada do terceiro na vitória santista por 3 a 1

Em um jogo marcado pelas provocações da torcida do Santos por conta do rebaixamento do Palmeiras para a Série B, o time da Vila Belmiro saiu atrás em casa, mas virou o placar e derrotou o rival por 3 a 1, na noite deste sábado. Neymar, com dois gols e participação no primeiro tento santista, foi o grande destaque do jogo, válido pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

O triunfo levou o clube praiano, provisoriamente, para a oitava colocação, com 53 pontos. O Verdão, que caiu para a segunda divisão, terminou a competição no 18º lugar da tabela, com apenas 34 pontos ganhos.

O jogo

O Santos começou a partida buscando exercer uma pressão desde os primeiros instantes sobre o Palmeiras. Só que o Verdão foi mais eficiente e, em rápido contra-ataque, aos quatro minutos, abriu o placar. O argentino Barcos lançou Maikon Leite, que dominou e soltou a bomba, sem chances para Rafael, estufando as redes do Peixe.

No minuto seguinte, o Verdão poderia ter ampliado, novamente com Maikon Leite, mas desta vez Rafael conseguiu fazer a defesa, em chute forte do veloz atacante palmeirense.

Em desvantagem no placar, os santistas partiram em busca do empate e ele quase chegou, aos nove. Com Maurício Ramos, a zaga alviverde salvou o que seria um gol do argentino Patito Rodríguez, praticamente em cima da linha. No rebote, Neymar ajeitou para trás e Juan finalizou mal, mandando a bola pela linha de fundo.

No entanto, pouco depois, o Santos chegou ao empate, em bela trama do seu ataque. Aos 12, Patito Rodríguez tocou para Neymar, que driblou o goleiro Raphael Alemão e, com calma, esperou a chegada de Victor Andrade, tocando a bola para o novato atacante chegar antes do zagueiro rival e completar para o fundo do gol: 1 a 1.

A virada do Santos não demorou para sair e veio pelos pés de Neymar. Aos 21, a Joia recebeu a bola e sofreu pênalti, cometido por Román. O zagueiro paraguaio, que já tinha cartão amarelo, foi expulso pelo árbitro. No minuto seguinte, o camisa 11 do Peixe cobrou a penalidade com extrema categoria, colocando o seu time em vantagem no marcador.

Com um jogador a mais em campo, a equipe santista passou a ditar o ritmo, atuando com segurança e desperdiçando várias chances de gol. Uma das principais delas aconteceu aos 33, quando Felipe Anderson cruzou para Neymar acertar a trave e, no rebote, tocar de pela linha de fundo.

Inspirado, o craque alvinegro não perdoou a oportunidade que teve, aos 38. Alan Santos deu início ao lance, acionando Patito Rodríguez pela esquerda. O argentino cruzou para Neymar que, com precisão, escolheu o canto direito de Raphael Alemão, finalizando sem chances de defesa para o arqueiro palmeirense.

Antes do intervalo, o Santos ainda poderia ter feito o seu quarto gol. Aos 45, Patito Rodríguez fez bom lance individual e rolou para a conclusão de Neymar, só que Maurício Ramos evitou mais um gol do camisa 11 do Peixe.

Na volta para a etapa complementar, com Luiz Gustavo no lugar de Mazinho, o Palmeiras passou a priorizar a defesa, procurando evitar que os santistas ampliassem o placar na Vila.

Os alvinegros, por sua vez, perderam o volante Alan Santos, expulso após receber o segundo amarelo, aos 10. Logo em seguida, Arouca deixou o gramado, contundido. Gérson Magrão entrou na sua vaga.

Depois do cartão vermelho para Alan Santos, o jogo esfriou e as chances de gol passaram a ser cada vez mais raras durante o confronto. Sem qualquer mudança no panorama da partida, o Santos administrou o resultado, com direito a várias jogadas de efeito de Neymar, até o apito final.


Vídeo: Reportagem do Globo Esporte. Jogadas de efeito de Neymar irritam os palmeirenses.

Neymar nega menosprezo ao Palmeiras e bate boca com Maurício Ramos

Destaque da vitória do Santos sobre o Palmeiras neste sábado, o atacante Neymar chegou a bater boca com o zagueiro rival Maurício Ramos. Após a partida, o santista desabafou e se defendeu das críticas de que estaria menosprezando os adversários, como chegou a acusar o defensor do Verdão, dentro de campo.

“Não tem esse negócio (de querer menosprezar). Quem está com a bola faz o que quiser: drible, chute, gol etc. Nunca joguei para humilhar ninguém. Eu sempre dei chapéu, caneta e carretilha, mesmo quando o placar estava 0 a 0. Fiz jogadas de efeito, mas não pelo fato de o Palmeiras estar rebaixado. Foram recursos que eu usei porque a jogada pedia”, afirmou Neymar, que recomendou a Maurício Ramos “jogar a sua bola” quando o zagueiro tentou intimidá-lo.

“Falei isso mesmo. Eu fiz a jogada que o lance pedia, não menosprezei. Por isso, eu disse que só estava jogando futebol. Que ele jogasse a bola dele, que eu jogava a minha. Não tem que ficar falando, tentando intimidar. Dentro de campo, cada um faz a sua parte”, destacou o camisa 11 do Peixe.

Indagado se o futebol estaria perdendo um pouco da sua graça por conta de episódios como esse, Neymar minimizou a questão. “Não está chato. Eu entendo o lado deles, pelo fato de o time ter caído e eles estarem perdendo o jogo. Agora, jogada de efeito é normal, isso é o futebol. Se for toque de lado, fica algo chato, mas cada um tenta o melhor para o seu time. Quando o Ronaldinho Gaúcho dá chapéu, caneta, vai reclamar do quê? Quem gosta de futebol sabe do que eu estou falando”, comentou.

Por fim, Neymar também criticou uma entrada mais forte do zagueiro paraguaio Román, aos 18 minutos do primeiro tempo, na qual o atleta recebeu cartão amarelo. Três minutos depois, o próprio Román fez pênalti no atacante e acabou sendo expulso, no lance do segundo gol alvinegro.

“Talvez tenha sido um pouquinho de maldade. Estou até a com a perna um pouco rasgada, mas estou inteiro. Não sei se teve maldade ou não, mas cabe às pessoas responsáveis analisar. Machucou e está doendo muito, poderia ter quebrado a minha perna. Mas, felizmente, Deus me protegeu mais uma vez e impediu que eu tivesse qualquer tipo de lesão”, encerrou.

“Suspeito”, Neymar pede Robinho e aprova possível vinda de Montillo

Em busca de grandes reforços, o Santos deve aproveitar o término da temporada para intensificar as negociações com nomes de peso para montar uma equipe forte em 2013. O meia Montillo, do Cruzeiro, e o atacante Robinho, do Milan (Itália), são dois dos jogadores com mais chances de desembarcar na Vila Belmiro. Principal atleta do Peixe, Neymar aprovou as possíveis contratações do argentino e, principalmente, do Rei das Pedaladas.

“Sou suspeito para falar do Robinho, que todos vocês (jornalistas) sabem que é o meu ídolo. Aliás, o Robinho não é só o meu ídolo, é da nação santista também. Agora, o presidente (Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro) é quem decide. Por mim, ele será muito bem-vindo”, disse a Joia, falando sobre a possibilidade de o clube praiano repatriar o atacante.

Sem conseguir se firmar no time rossonero, Robinho também é alvo do Atlético-MG, do Grêmio, e mais recentemente, o Flamengo também entrou na briga pela sua contratação. O principal entrave são os altos valores pretendidos pelo Milan.

Bastidores – Santos TV:





Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Corinthians 1 x 1 Santos

Data: 24/11/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada (penúltima)
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 34.171 pagantes (total de 36.482).
Renda: R$ 1.157.591,00
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Daniel Paulo Ziolli (ambos de SP).
Cartões amarelos: Romarinho e Guilherme (C); Victor Andrade e André (S).
Gols: Felipe Anderson (35-1); Wallace (34-2).

CORINTHIANS
Cássio; Alessandro, Wallace, Paulo André e Guilherme Andrade (Jorge Henrique); Anderson Polga (Guilherme), Edenílson e Danilo; Emerson, Guerrero e Romarinho.
Técnico: Tite

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Juan; Henrique, Arouca, Felipe Anderson (Gerson Magrão) e Patito Rodríguez (Adriano); Victor Andrade e André.
Técnico: Muricy Ramalho



Em noite de festa, Corinthians busca empate com o Santos

No penúltimo jogo antes do Mundial, time da capital sentiu falta de desfalques e não alegrou por completo o Pacaembu lotado

O Corinthians preparou uma grande festa para o clássico contra o Santos, neste sábado. O Pacaembu foi decorado com diversas referências à cultura do Japão, onde será disputado o Mundial de Clubes em dezembro, e virou palco de homenagens para Emerson Sheik (eleito o melhor jogador da última Copa Libertadores da América) e para alguns dos campeões mundiais de 2000. Dentro de campo, o empate por 1 a 1 também alegrou a torcida corintiana.

Sem os seus jogadores que defenderam a seleção brasileira no Superclássico das Américas, o Corinthians encontrou dificuldades para se organizar taticamente em campo. O Santos, mesmo sem o astro Neymar (suspenso), aproveitou para abrir o placar com Felipe Anderson no primeiro tempo. No segundo, o zagueiro Wallace acabou com a angústia do público corintiano ao cabecear para a rede e igualar o marcador.

Foi o penúltimo jogo do Corinthians antes da participação no Mundial de Clubes. Com 57 pontos ganhos e sem nenhuma aspiração no Campeonato Brasileiro, a equipe dirigida por Tite tem outro clássico para disputar na rodada final. A partida contra o São Paulo está marcada para as 17 horas (de Brasília), também no Pacaembu.

O Santos também disputará um clássico para encerrar a temporada do seu centenário. Será contra o rebaixado Palmeiras, mas às 19h30 de sábado, na Vila Belmiro. A equipe de Muricy Ramalho totaliza 50 pontos na tabela de classificação nacional.

O jogo

Era difícil para o Corinthians se concentrar exclusivamente no clássico contra o Santos. Antes de a partida começar, houve até uma apresentação de taiko (tambores japoneses) para os torcedores se ambientarem ao Mundial de Clubes do Japão. Nas arquibancadas do Pacaembu, diversas faixas e bandeiras também faziam referência ao país asiático a duas rodadas do término do Campeonato Brasileiro.

Já o técnico Tite usava justamente o Mundial para se dizer focado no Corinthians, e não na vaga de emprego aberta na Seleção Brasileira a partir da demissão de Mano Menezes. Ele ouviu gritos de “fica” e uma série de perguntas sobre o assunto quando subiu no gramado. Minutos antes, o atacante Emerson recebeu o prêmio por ter sido o melhor jogador da última Copa Libertadores da América.

Apesar das inúmeras distrações, o Corinthians foi melhor nos primeiros minutos de jogo contra o Santos. O meia Danilo, que não costuma aparecer muito para a torcida, empolgou o público que ainda comemorava o rebaixamento do rival Palmeiras à Série B com fintas de um lado a outro do campo. Romarinho e Emerson, com velocidade, reforçaram o perigo à defesa adversária.

Aos seis minutos, o Corinthians teve a sua primeira grande oportunidade de abrir o placar. O volante Edenílson se inspirou no poupado Paulinho para desarmar Felipe Anderson, carregar a bola com categoria para o ataque e fazer ótimo lançamento para Guerrero. O centroavante peruano teve calma para concluir, porém acertou o lado de fora da rede.

Com o passar do tempo, o Santos controlou o ímpeto inicial do Corinthians. A equipe visitante começou a se acertar à medida que o meio-campista Arouca discutia bastante com Paulo André e Emerson. Por sua vez, Muricy Ramalho gritava ainda mais com o jovem Victor Andrade, que não respeitava a função atribuída pelo treinador – embora Patito Rodríguez errasse tanto quanto.

Aos 35 minutos, Arouca, Muricy, Victor Andrade, Patito e todos os outros santistas berraram juntos no Pacaembu – mas de alegria. Felipe Anderson partiu para cima da marcação de Guilherme Andrade, tabelou com André e chutou no contrapé de Cássio para estufar a rede. De imediato, a torcida do Corinthians recobrou a cantoria do princípio da partida para acordar a sua equipe.

A disposição do Corinthians também ficou ainda maior. Emerson e seus companheiros, por exemplo, recusaram-se a devolver a bola para o Santos após o goleiro Rafael chutar para fora para receber atendimento médico. A falta de fair play do Sheik, que havia abraçado Muricy Ramalho e alguns reservas do Santos à beira do campo minutos antes, serviu para irritar Arouca novamente.

No intervalo, no entanto, a torcida do Corinthians voltou a esquecer o clássico. Era o momento de provocar os santistas com gritos de “7 a 1” e de campeão da última Libertadores. Também foi a hora de reverenciar alguns dos jogadores que ganharam o título mundial de 2000 pelo clube. Com os desafetos Marcelinho e Ricardinho lado a lado, eles desfilaram ao redor do Pacaembu ao som de (outra vez) tambores japoneses.

Sem fazer alterações para o início do segundo tempo, Tite esperava que Emerson e Guerrero adquirissem um entrosamento tão bom quanto já foi o de Marcelinho e Ricardinho. A dupla de atacantes jamais atuara junta antes deste fim de semana. Para os jogadores do Santos, que nem se lembravam mais da ausência do astro Neymar, a ordem de Muricy Ramalho era manter a consistência da primeira etapa.

Aos oito minutos, Emerson teve uma grande oportunidade de deixar os santistas um pouco mais preocupados. Guilherme Andrade fez bom cruzamento da esquerda, e o Sheik ficou livre de marcação depois da descoordenada linha de impedimento rival. Mas isolou a bola. Passado o erro, Tite não aguardou mais para trocar o volante (mal) improvisado Anderson Polga por Guilherme.

Como o Corinthians não deu sinais de melhora significativa – a não ser por um drible de efeito de Edenílson, que colocou a bola entre as pernas de seu marcador -, alguns torcedores começaram a cobrar a entrada também de Jorge Henrique. Tite atendeu, e o atacante substituiu Guilherme Andrade aos 29 minutos. Pouco antes, Muricy havia reforçado o sistema defensivo do Santos com Adriano no lugar de Patito.

A torcida estava certa ao pedir Jorge Henrique. Foi o atacante quem cobrou a falta, aos 34 minutos, que culminou no muito comemorado gol de cabeça de Wallace. Em seguida, ele se virou para a arquibancada, sorriu e abraçou Tite. O gol fez o Corinthians e principalmente seus torcedores redobrarem a pressão sobre o Santos. Com Gerson Magrão na vaga de Felipe Anderson, Muricy Ramalho conteve a empolgação do rival e segurou um empate que não desagradou a ninguém.

Bastidores – Santos TV:

Arouca admite que falta de ambições atrapalhou futebol no clássico

Volante, que voltou ao Santos depois de jogar pela seleção brasileira, condenou desatenção no gol marcado pelo Corinthians

Apesar do equilíbrio, o clássico entre Corinthians e Santos não agradou em relação à qualidade do futebol demonstrado pelas equipes no estádio do Pacaembu. Para o volante Arouca, que retornou da Argentina após o título do Superclássico das Américas, a falta de ambição das duas equipes atrapalhou o bom andamento da partida.

Enquanto o Corinthians faturou a Libertadores – eliminando o próprio Santos nas semifinais – e se classificou para a disputa do Mundial de Clubes, o time do Litoral teve que abrir mão do Campeonato Brasileiro antes da hora em função da temporada de transição que vive. Atualmente, o Timão soma 57 pontos e ocupa a 5ª posição. Já o rival está em nono, com sete pontos a menos e igualmente sem objetivos no Campeonato Brasileiro.

“São duas equipes que não têm muita ambição, por isso o ritmo menor. Mas isso não fez deixar de ser um grande clássico, sempre muito disputado dentro de campo. Para nós, faltou atenção na bola parada deles, que é fortíssima e já sabíamos disso. Foi em uma desatenção nossa que acabamos sendo castigados”, diagnosticou o volante do Santos, campeão com a seleção brasileira ao lado do capitão Durval.

De volta ao Brasil, Arouca estranhou a demissão do técnico Mano Menezes, concretizada na última sexta-feira, mas garantiu que segue à disposição para os próximos compromissos da seleção: “Fui pego de surpresa pela saída do Mano, mas o futebol tem dessas, acontece, e temos que superar. Eu nunca tive vaga cativa e sei que continuo não tendo. Por isso, tenho que trabalhar forte com a camisa do Santos”.

Sobre o empate no Pacaembu, o goleiro Rafael tem pensamento semelhante ao de Arouca: “Jogamos bem, queríamos vencer, tivemos dificuldades na bola parada, mas não perdemos. Mostramos que somos fortes em qualquer lugar. A gente jogou certinho, eles também, foi jogo foi equilibrado, e talvez a gente merecesse ganhar porque tivemos mais objetividade. Mas jogar aqui é difícil. O empate fica de bom tamanho”.

Muricy mostra irritação com demora por reforços: “Tem um monte de reunião e fica só na reunião”

O técnico do Santos, Muricy Ramalho, não escondeu a irritação com sua diretoria pela chegada de reforços já pensando na temporada de 2013. Em entrevista coletiva após o empate por 1 a 1 contra o Corinthians, ele não demorou a atacar seus superiores por causa dos encontros em sequência e do pouco resultado.

“As contratações precisam vir, né? Fizemos muita reunião e ficamos só na reunião. Já está acabando o ano, estamos entrando nas férias e não chega ninguém. Precisamos apressar um pouco as coisas. Deixamos alguns espaços para a velocidade, e o Neymar fez muita falta. Mas o Corinthians está sem muita gente também. O Neymar faz falta sempre, ele é 50% do time mas não pode ser assim. Toda a vez que o Neymar não jogar, o Santos não vai jogar? Não existe isso. Não pode ter um ou dois jogadores bons, tem de ter um time. É isso que estou explicando para a diretoria”, disse ele.

Depois, questionado sobre o acerto que pode estar próximo com o argentino Montillo, Muricy voltou a dar uma cutucada na diretoria, usando a história de São Tomé, que na história bíblica disse a famosa frase: “Só acredito vendo”.

“Eu sou São Tomé, meu filho! Sabe o São Tomé? Você me contou uma história legal (Montillo próximo de assinar com o Santos com a ajuda de um investidor), mas fica só na história. Eu estou cansado. Na hora que assinar, parabéns! Mas se não fico na dúvida até que assinar”, completo u o comandante.

Por fim, Muricy Ramalho ainda falou da possível troca entre Felipe Anderson e Robinho, do Milan. Neste sábado, olheiros do time italiano estiveram no Estádio do Pacaembu para observar o futebol do meia.

“Eles estão acompanhando nosso time porque tem jogadores jovens que são interessantes. Felipe Anderson é um deles. Eles foram na Vila outro dia. Se hoje eles viram o Felipe Anderson, viram também o Arouca, que mandou no jogo. Se eles virem nosso jogo toda hora, eles vão levar todo o time. O que posso falar da troca é que tomara que venha o Robinho e não vá o Felipe”, finalizou.

Muricy chama Victor Andrade de “projeto de jogador” e agradece árbitro por paciência

Depois de reclamar publicamente da diretoria, Muricy Ramalho inovou e agradeceu o árbitro Raphael Claus, que comandou o empate por 1 a 1 entre Corinthians e Santos. O treinador afirmou que o juiz foi paciente e ajudou a educar Victor Andrade, a quem chamou de “projeto de jogador”.

O comandante afirmou que o jovem atacante poderia ter sido expulso por ser inexperiente e dar um bico na bola após ouvir o apito do árbitro.

“Ele é um projeto de jogador. O juiz teve uma paciência com ele, foi um educador. Porque ele poderia ter levado o segundo cartão por jogar a bola longe. Eu fui ate cumprimentar o juiz por causa disso”, disse ele.

“Isso que ele faz é de jogador inexperiente, que não está pronto. Todo dia eu bato nele para ele ter humildade, mas vai demorar muito para ele ser um jogador. Ele faz coisas boas, mas faz coisas de jogador iniciante como ele é”, completou.

Com 17 anos, Victor foi titular neste sábado e aproveitou a oportunidade que recebeu, especialmente por Neymar estar fora. Muricy, aliás, afirmou que o atacante do Santos e da seleção brasileira é 50% de sua equipe.

Rafael reclama de falha repetitiva com bolas aéreas na zaga do Santos

Rafael, goleiro do Santos, não foi muito exigido neste sábado, no empate por 1 a 1 contra o Corinthians. Ajudado pela falta de pontaria, especialmente de Romarinho e Emerson Sheik, que perderam gols incríveis, o camisa 1 saiu de campo reclamando da dificuldade que sua equipe tem de defender bolas alçadas na área.

Foi assim que Wallace, zagueiro corintiano, conseguiu empatar o jogo e deixar o Estádio do Pacaembu, na despedida de sua torcida antes do Mundial de Clubes, com o resultado.

“Eu acho que nós jogamos bem e queríamos vencer. Mas a gente sempre tem dificuldade em bola parada, porque nossa equipe é menor (em estatura). Nós tomamos um gol ali, mas queríamos vencer muito o jogo. Nós perdemos jogando bem e mostramos que nossa equipe é forte em qualquer lugar”, disse ele.

Arouca, volante que foi um dos destaques do time na contenção no meio de campo, preferiu ser menos crítico e não reclamou da falha. “Nós acabamos aceitando a pressão deles e fomos castigados”, limitou-se a dizer.

Já o autor do gol santista, Felipe Anderson, mostrou estar um pouco mais otimista do que seus companheiros. Após um ano de muita bronca de Muricy, o meia-atacante conseguiu passar por Cássio.

“Foi muito bom o jogo, mas jogando contra o Corinthians, com o estádio lotado, a equipe deles bem, a gente pode considerar esse como um bom resultado. Nós vamos trabalhar para o clássico da semana que vem e sair vencendo”, disse ele.

Diretoria do Santos responde Muricy com calma e diz entender desabafo de treinador

Pelo menos publicamente, a diretoria santista não mostrou a menor preocupação com os ataques de Muricy Ramalho no último sábado, logo após o empate por 1 a 1 entre Santos e Corinthians, ainda nos vestiários do Estádio do Pacaembu, na 37ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Na saída da delegação de volta para a Baixada Santista, o gerente de futebol, Nei Pandolfo, afirmou que as reclamações são normais de um treinador que quer fazer o time jogar o melhor futebol possível. Ele também minimizou o interessa da seleção brasileiro no trabalho do comandante.

“A gente não se preocupa com as reclamações, nem com a seleção brasileira. Nossa preocupação é em conseguir o mais rápido possível os reforços pedidos pelo treinador. A gente recebe com normalidade a fala de Muricy”, disse ele.

Depois, em entrevista à rádio Estadão ESPN, Odilio Rodrigues, vice-presidente do Santos, também disse que não tem a menor preocupação com a esbravejada de Muricy Ramalho e afirmou que as contratações aparecerão em breve na Vila Belmiro.

“Acho normal o que ele falou e trabalhamos há quase dois anos, entendemos o que acontece com ele e sabemos que ele fala isso depois do jogo, é normal ele ficar um pouco nervoso. Realmente nós fazemos reuniões de terça, analisamos um monte de nomes, mas vocês conhecem como a gente trabalha. Não falamos de nomes e aproveitando a frase de São Tomé de Muricy, eu digo que só anuncio quando estiver assinado”, disse ele.

O comandante, que vinha adotando uma fase mais light, chegou a dizer que perdeu a paciência com a demora santista para trazer reforços.

“As contratações precisam vir, né? Fizemos muita reunião e ficamos só na reunião. Já está acabando o ano, estamos entrando nas férias e não chega ninguém. Precisamos apressar um pouco as coisas. Deixamos alguns espaços para a velocidade, e o Neymar fez muita falta. Mas o Corinthians está sem muita gente também. O Neymar faz falta sempre, ele é 50% do time mas não pode ser assim. Toda a vez que o Neymar não jogar, o Santos não vai jogar? Não existe isso. Não pode ter um ou dois jogadores bons, tem de ter um time. É isso que estou explicando para a diretoria”, disse ele.

“Eu sou São Tomé, meu filho! Sabe o São Tomé? Você me contou uma história legal (Montillo próximo de assinar com o Santos com a ajuda de um investidor), mas fica só na história. Eu estou cansado. Na hora que assinar, parabéns! Mas se não fico na dúvida até que assinar”, completo u o comandante.


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 2 x 0 Figueirense

Data: 17/11/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.013 pagantes
Renda: R$ 166.305,00
Árbitro: Cláudio Francisco Lima e Silva (SE).
Auxilieares: Adson Márcio Lopes Leal (BA) e Clóvis Amaral da Silva (PE).
Cartões amarelos: Bruno Peres, Patito Rodríguez e Neymar (S); Jackson, Guti e Américo (F).
Gols: Patito Rodríguez (43-1); Felipe Anderson (18-2).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Juan; Henrique, Arouca, Patito Rodríguez e Felipe Anderson; Neymar e André (Victor Andrade).
Técnico: Muricy Ramalho

FIGUEIRENSE
Tiago Volpi; Léo, Gutti, Américo e Hélder; Jackson, Claudinei (Diogo), Túlio, Bruno Nazário e Jean Deretti (William Pottker); Aloísio (Héber).
Técnico: Fernando Gil (interino)



Santos bate Figueira em noite inspirada de Patito e Felipe Anderson

Os meias do Santos anotaram os dois gols da partida disputado na Vila Belmiro, neste sábado, pela 36ª rodada do Brasileiro
O Santos encontrou poucas dificuldades para derrotar o já rebaixado Figueirense por 2 a 0, na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Os meias Patito Rodríguez e Felipe Anderson tiveram grandes atuações e anotaram os dois gols do jogo, válido pela antepenúltima rodada do Campeonato Brasileiro.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

O triunfo levou os santistas, provisoriamente, para a nona colocação, com 49 pontos. Já o Figueira, que no próximo ano estará disputando a Série B, segue na penúltima posição, com apenas 30 pontos ganhos.

O Alvinegro Praiano volta a campo diante do Corinthians, no próximo sábado, às 19h30 (horário de Brasília), no Pacaembu. Enquanto isso, os catarinenses recebem o Grêmio, no dia 25, às 16 horas, no Orlando Scarpelli.

O jogo

Com os dois times jogando sem objetivos no Brasileirão, os primeiros minutos da partida tiveram poucos momentos de inspiração de ambas as partes. A primeira boa chance de gol do jogo foi do Figueirense. Aos 21 minutos, em cobrança de falta pela esquerda, a bola encontrou a cabeça de Aloísio, que estava livre de marcação, mas o seu toque passou rente ao lado esquerdo da meta defendida por Rafael.

Os santistas tentaram responder dois minutos depois, porém, o argentino Patito Rodríguez foi travado na hora do chute pela zaga adversária, após grande lance individual do atacante Neymar.

Bem postado defensivamente no primeiro tempo e explorando os contra-ataques, o Figueira quase abriu o placar, aos 32. O jovem Bruno Nazário limpou a marcação e bateu de perna esquerda, procurando o canto direito do gol de Rafael. A bola saiu muito próxima a trave.

Apesar dos sustos promovidos pelo adversário, o Peixe chegou ao gol, antes do intervalo. Aos 41, Felipe Anderson fez grande jogada pelo lado direito, deixou o seu último marcador no chão, antes de rolar para Patito Rodríguez, que teve rapidez de raciocínio para completar o lance de letra, sem chances para o goleiro Tiago Volpi.

Antes do fim da etapa inicial, o Santos quase marcou o seu segundo gol. Aos 44, Bruno Peres cruzou pela direita, Tiago Volpi não alcançou a bola e Neymar, que chegou pelo lado esquerdo da grande área, errou a finalização, desperdiçando uma boa oportunidade de ampliar a vantagem da equipe praiana.

Na volta para o segundo tempo, os donos da casa começaram buscando o segundo gol logo no primeiro minuto. Patito Rodríguez buscou o canto esquerdo de Tiago Volpi, que bem colocado fez boa defesa e evitou o segundo tento do meia argentino no confronto. Aos oito, Neymar teve outra chance de fazer o segundo do Alvinegro Praiano. A Joia recebeu de Patito Rodríguez, tirou o zagueiro da jogada e finalizou para mais uma defesa do arqueiro rival.

Se nas duas primeiras oportunidades na etapa complementar o Santos não marcou, na terceira, enfim, o segundo gol saiu. Aos 18, Felipe Anderson roubou a bola e deu início a jogada, que contou com o passe de Neymar para Patito Rodríguez e o cruzamento do argentino para a área. A zaga catarinense desviou o passe, que mesmo assim sobrou para Felipe Anderson. O primeiro chute do meia foi defendido pelo goleiro, antes de o próprio Felipe Anderson completar para o fundo das redes.

Com o resultado praticamente definido, o Figueirense oferecia pouca resistência em campo e o Santos, por sua vez, apenas administrava a vantagem. Os santistas ainda tiveram um gol de Durval anulado pela arbitragem, aos 41, pois o impedimento foi marcado, alegando posição irregular.

Bastidores – Santos TV:

Suspenso contra Corinthians, Neymar critica árbitro: “Me prejudicou”

Atacante recebeu o terceiro cartão amarelo na vitória do Santos sobre o Figueirense, por 2 a 0, e não poderá atuar no clássico

O atacante Neymar recebeu o terceiro cartão amarelo na vitória do Santos sobre o Figueirense, por 2 a 0, e não poderá atuar no clássico com o Corinthians, no próximo sábado, no Pacaembu. Logo após o apito final, a advertência do árbitro foi alvo da ira da Joia, que disparou contra Cláudio Francisco Lima e Silva (SE), na saída do gramado da Vila Belmiro.

“Foi pênalti? Eu quero saber. Preciso saber”, disse Neymar, que com a resposta afirmativa de um dos repórteres, completou em seguida: “Então ele está de brincadeira. O juiz me tirou de um clássico importante, que eu queria e muito jogar. Mais uma vez o árbitro me prejudicou”, desabafou.

No lance em questão, aos 23 minutos do segundo tempo, o camisa 11 do Peixe deu um chapéu no zagueiro Américo pela esquerda, acelerou em direção a área e caiu próximo a área, em disputa com o defensor do Figueira. O árbitro, porém, viu a jogada como um ato de simulação de Neymar.

“Chateado é pouco para falar o que estou sentindo. Queria estar em campo, ajudando o Santos, ainda mais por ser um clássico diante do Corinthians. Não pedi pênalti, falta, e nem nada. Mas a ‘porrada’ que eu sofri doeu”, comentou o craque santista.

Por fim, Neymar voltou a lançar um apelo para que haja um maior diálogo entre atletas e árbitros, dentro de campo, durante as partidas. “É questão de ter bom senso. Eu não quis ‘cavar’ nada e fui punido. Também não acho que é uma perseguição. É assim com todos os jogadores. Agora, se você vai falar com ele é uma marra, uma arrogância danada. Acho que está faltando esse diálogo com a arbitragem mesmo. Seria muito bom para todo mundo”, encerrou.

Felipe Anderson agradece “cobrança” de Muricy: “É bom para mim”

“Ele (Muricy) chama a minha atenção porque muitas vezes sou um pouco desligado”, contou o jovem jogador do Santos

Um dos jogadores do atual elenco do Santos que mais sofre com as cobranças do técnico Muricy Ramalho, Felipe Anderson agradeceu ao comandante pelas orientações que tem recebido no dia-a-dia do clube. Segundo o jovem meio-campista, Muricy tem sido um dos responsáveis pela sua evolução nos últimos jogos.

“Ele (Muricy) chama a minha atenção porque muitas vezes sou um pouco desligado. Mas isso é bom para mim, para a minha carreira. Tenho muito para aprender com o Muricy”, afirmou Felipe Anderson, que fez a jogada para a conclusão de Patito Rodríguez no primeiro gol e marcou o segundo da equipe santista, na vitória sobre o Figueirense, por 2 a 0, na noite deste sábado, na Vila Belmiro.

“Ouvi o Muricy e fui muito feliz, tanto na jogada do gol do Pato como no gol que eu fiz”, destacou o meia, revelando um pedido do comandante para insistir em lances de linha de fundo.

“O professor vem pedindo para mim, eu venho escutando, treinando e hoje (sábado) fui feliz. Fiz esse jogada de ir no fundo e rolar para o companheiro (Patito) que está melhor colocado”, emendou.

Já Muricy Ramalho, ao ser indagado sobre a atuação de Felipe Anderson, voltou a “pegar no pé” do jogador, mas ressaltou o caráter e a dedicação do meia nos treinamentos.

“O Felipe às vezes ‘dorme’, depois ‘acorda’ de novo. Ele é assim: muito sossegado. Mas é um bom menino, calmo até demais. Ele trabalha muito, é uma pessoa excepcional. Só que, em determinadas oportunidades, ele ‘desliga’. E hoje em dia, no futebol, você tem que estar ligado o tempo todo”, analisou.

Muricy endossa críticas de Neymar ao árbitro: “Foi um absurdo”

Atacante levou amarelo e está fora do clássico contra o Corinthians na próxima rodada do Campeonato Brasileiro

O cartão amarelo recebido por Neymar na vitória por 2 a 0 sobre o Figueirense , na noite de sábado, na Vila Belmiro, não gerou críticas apenas por parte do próprio atacante. O técnico do Santos, Muricy Ramalho, endossou o desabado feito pelo jogador e contestou duramente a advertência que tirou o camisa 11 do clássico contra o Corinthians, no próximo sábado, no Pacaembu.

No lance em questão, aos 23 minutos do segundo tempo, Neymar deu um ‘chapéu’ no zagueiro Américo pela esquerda, correu e caiu próximo a área, em disputa com o defensor do Figueira. O árbitro Cláudio Francisco Lima e Silva (SE) viu a jogada como uma simulação e deu o cartão para o craque santista.

“O juiz não precisa justificar o erro dele, querendo demonstrar autoridade quando não precisa. No apito ele foi normal, mas isso (cartão para Neymar) foi um absurdo. Puniu o jogador que sofreu a falta. É lamentável. E, ainda por cima, lhe tirou de um jogo importante para a gente”, disse Muricy, se referindo ao duelo com o Timão.

Na sequência, o treinador citou que o atacante, na sua opinião, tem sofrido com decisões precipitadas das arbitragens do Campeonato Brasileiro. “Não dá (para aguentar), é sempre em cima do Neymar. Não sou de falar de árbitro, não gosto disso, mas não tem como ficar calado, nesse caso específico do Neymar. A gente não concorda com algumas críticas aos árbitros, só que nessa eu não concordo em nada com ele. Não dar falta? Tudo bem. Mas dar cartão nesse tipo de situação é um absurdo”, analisou.

Sem Neymar, Muricy Ramalho deve esperar pelo aval do departamento médico do clube praiano, durante a semana, para saber se o argentino Miralles estará recuperado de um edema no músculo posterior da coxa esquerda. Caso o atacante portenho não esteja apto a atuar, o técnico poderá adiantar Patito Rodríguez para a função que é de Neymar ou promover a entrada do meia-atacante Bernardo no time.

Contra Figueirense, Felipe Anderson foi observado por olheiros do Milan

Jovem meia santista é especulado em uma possível troca entre Santos e Milan por Robinho

Com apenas 19 anos de idade, o meia Felipe Anderson ainda luta para conquistar a total confiança do técnico Muricy Ramalho para vestir a camisa 10 do Santos. Apesar disso, o Milan (Itália) desponta como um grande interessado no seu futebol. Tanto que representantes do time rossonero estiveram no último sábado, na Vila Belmiro, para assistirem de perto Felipe Anderson, diante do já rebaixado Figueirense.

O ex-lateral Serginho, que vestiu a camisa da equipe italiana e teve uma boa passagem pelo São Paulo, no futebol brasileiro, atualmente é dirigente do Milan e esteve acompanhado de outros representantes da cúpula rossonera para ver o jovem santista em ação.

Felipe Anderson, por sua vez, não decepcionou. O meia fez a jogada do primeiro gol santista, marcado pelo argentino Patito Rodríguez, e ainda anotou o segundo tento do Santos contra o Figueirense.

Ao saber da presença de dirigentes do clube italiano para acompanhar o seu desempenho, Felipe Anderson elogiou o Milan, mas garantiu que não pensa em uma transferência para a Europa, no momento.

“Gostar (de ir para o Milan), quem não gostaria? Mas estou 100% focado no Santos. Não chegou nada para mim, mas quero ficar e ganhar muito títulos pelo Santos”, disse.

Recentemente, a imprensa italiana apontou Felipe Anderson como uma possível moeda de troca dos alvinegros, na tentativa de repatriar mais uma vez o atacante Robinho.

No entanto, a possibilidade é considerada remota até mesmo pela direção do Santos, que não vê relação entre uma situação e outra. O Rei das Pedaladas é um sonho do time paulista para 2013, mas os altos valores envolvidos têm dificultado a negociação.


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Atlético-GO 2 x 1 Santos

Data: 10/11/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Estádio Bezerrão, no Gama, DF.
Público: 7.276
Renda: R$ 451.250,00
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Auxiliares: Jossemar Diniz Moutinho (PE) e Pedro Santos de Araujo (AL).
Cartões amarelos: Gustavo, Diego Giaretta e Ernandes (A); Adriano, Gérson Magrão e Neymar (S).
Gols: Bruno Rodrigo (45-1); Diogo Campos (38-2) e Márcio (43-2, de pênalti).

ATLÉTICO-GO
Márcio; Adriano, Diego Giaretta, Gustavo e Eron; Pituca (Marino), Dodó, Ernandes e Rayllan (Luciano); Diogo Campos e Ricardo Bueno (Patric).
Técnico: Jairo Araújo

SANTOS
Rafael; Rafael Galhardo (Bruno Peres), Bruno Rodrigo, Durval e Gérson Magrão; Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; Neymar e André (Victor Andrade).
Técnico: Muricy Ramalho



Neymar produz pouco e Santos perde de virada para o rebaixado Atlético-GO

Santos sai na frente, mas sem motivação, acaba derrotado pelo pior time do Brasileiro

Sem motivações neste Brasileirão, Santos e Atlético-GO fizeram uma partida em ritmo lento para a torcida brasiliense que compareceu ao estádio do Bezerrão, no Gama para ver Neymar. O santista não brilhou e acabou vendo sua equipe ser derrotada para os rebaixados do Atlético-GO, por 2 a 1, de virada.

Ainda sem ambições, Santos e Atlético-GO duelam na próxima rodada contra adversários que lutam por seus objetivos no Campeonato Brasileiro. Enquanto o time de meio de tabela recebe o Figueirense, que luta contra o rebaixamento e pode até já ter caído no próximo sábado, o primeiro rebaixado da temporada visita o Atlético-MG, na briga pelo título que pode nem durar até o próximo final de semana.

O jogo

A festa para Neymar estava preparada pela torcida que marcou presença em bom número no estádio do Bezerrão, em Brasília. Com base nas bolas paradas de seu capitão, o Santos tentou abrir vantagem nos primeiros minutos de bola rolando, mas o início da partida acabou disputado em ritmo lento, sem boas chances de gol. A primeira, por exemplo, só ocorreu aos 22 minutos, quando Galhardo tentou o chute de fora da área e a bola passou raspando a trave do goleiro Márcio. No lance seguinte, Ernandes lançou Ricardo Bueno, que bateu em direção ao gol para defesa segura de Rafael.

Mais eficiente com bola no chão do que nas cobranças de falta, o Santos se arriscou a construir algumas jogadas a partir da metade do primeiro tempo. Aos 28 minutos, Neymar abriu o jogo para Felipe Anderson, que dominou na entrada da área e bateu forte, para desvio de Diego Giaretta. A torcida presente no Bezerrão se empolgou pela primeira vez naquela ocasião. Na batida de Neymar, Bruno Rodrigo errou o alvo. Na sequência, foi a vez do camisa 10 cruzar para André não alcançar.

A mesma estratégia que falhou com o Peixe também foi utilizada pelos donos da casa: a bola parada. O lateral direito Adriano teve chance em cobrança de falta, aos 37, e acabou obrigando o goleiro Rafael a cair e fazer a primeira boa defesa da partida. Três minutos depois, o Atlético-GO exibiu sua fragilidade em nova batida de falta, desta vez ensaiada. Adriano exagerou na força ao rolar a bola para Diego Giaretta, que bateu muito longe do gol de Rafael.

Aos 45 minutos, o gol que acordou o torcedor. Em jogada de ataque do Santos, Diego Giaretta cometeu falta em Arouca, mas a bola seguiu viva e Eron acabou derrubando Felipe Anderson. O lateral Galhardo cobrou em cima de Eron, o único homem da barreira do Atlético-GO e partiu para a batida do escanteio. Por sorte, a bola acabou sobrando para Neymar, que levantou na segunda trave para André. O camisa 9 do Peixe escorou para o meio da área, onde Bruno Rodrigo concluiu de cabeça e abriu a vantagem santista.

Na etapa complementar, o Peixe claramente trabalhou para premiar o esforço de Neymar em sua centésima partida em Brasileiros. Logo no primeiro minuto, Arouca antecipou a marcação e conseguiu lançar o capitão santista, que invadiu a área, mas chutou ao gol durante uma queda, sem precisão. Cinco minutos depois, Felipe Anderson cobrou falta na marca do pênalti e o camisa 11 apareceu para se adiantar à marcação e dar de cabeça por cima da meta de Márcio.

No momento em que Neymar decidiu retribuir os favores, o Santos criou sua melhor chance no segundo tempo. O camisa 11 partiu em velocidade, esperou a passagem de Felipe Anderson, que recebeu o passe, mas atirou por cima do gol de Márcio. Mais tarde, Galhardo levantou a bola na segunda trave e Neymar fez graça na linha lateral, pela esquerda. Sem eficiência, o santista acabou desarmado.

Em cinco minutos, o Atlético-GO encontrou forças e acabou virando para cima do Santos: aos 38, Marino partiu em velocidade e fez cruzamento preciso para Diogo Campos, que se antecipou à marcação do Santos e bateu fraco. O goleiro Rafael não conseguiu se reposicionar e levou o gol por debaixo das pernas. Na sequência, o camisa 1 do Peixe acabou cometendo pênalti em Ernandes, convertido pelo goleiro Márcio.

No jogo 100 em Brasileiros, Neymar lamenta não presentear torcida candanga

Público do Distrito Federal, desacostumado a vê-lo jogar, acabou saindo decepcionado

O atacante Neymar completou, neste sábado, sua centésima partida em Campeonatos Brasileiros. Para apoiar seu ídolo e capitão do Santos na celebração desta marca, a torcida da cidade do Gama marcou presença no Bezerrão, mas voltou para casa sem ver um único gol do camisa 11. Pelo contrário, acabou conferindo a uma vitória do Atlético-GO, por 2 a 1 , em partida válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo sem ambições, o Peixe abriu o placar aos 45 minutos do primeiro tempo, com Bruno Rodrigo concluindo de cabeça uma jogada com participação de Neymar. Nos últimos minutos, o Dragão virou o placar sob protestos do principal jogador do Santos, que acabou reclamando da arbitragem de Emerson de Almeida Ferreira. O capitão do time visitante ainda recebeu um cartão amarelo aos 40 minutos.

“É ruim perder, a gente não gosta, mas é futebol, essas coisas acontecem. O que não acontece é tomar chute na cabeça, pontapé sem bola, aí a gente não pode aturar. Tem que ver”, protestou Neymar, antes de agradecer à torcida que compareceu ao Bezerrão: “Eles estão de parabéns pelo carinho, mas infelizmente eu não consegui dar a vitória para eles e para o Santos”.

Neymar já é o 14º maior artilheiro da história do Santos, com 205 partidas disputadas. Sem quebrar nenhum recorde neste sábado, o atacante ainda precisa de quatro gols para igualar Serginho Chulapa e se tornar o principal goleador do Peixe em uma única temporada, após a Era Pelé. A três partidas do fim do Brasileirão, o objetivo de se aproximar de Fred na artilharia da competição (são 12 gols contra 17) não seduz mais o camisa 11: “Ficou difícil demais, o Fred é fera”.

Muricy aponta omissão da arbitragem em derrota do Santos contra o Atlético-GO

Técnico reclamou de falta no final do jogo pouco antes de o Santos sofrer o segundo gol

Derrotado no Bezerrão mesmo contando com a maioria da torcida a seu favor na cidade do Gama, o técnico Muricy Ramalho evitou apontar culpados, mas deixou claro que a arbitragem pode ter prejudicado o Santos neste sábado, na derrota por 2 a 1 diante do Atlético-GO . Na visão do comandante santista, Émerson de Almeida Ferreira deixou de marcar uma série de faltas para sua equipe, que sofreu gols nos últimos minutos e acabou superada.

A principal reclamação de Muricy é a respeito de uma falta cometida pelo zagueiro Gustavo, aos 43 minutos do segundo tempo, sobre Victor Andrade, que havia entrado em campo vinte minutos antes. “A entrada no moleque foi perigosa, passou dos limites. O rapaz entrou forte. Ainda bem que ele subiu um pouquinho e pegaram ele no alto, senão seria muito perigoso”, disse o treinador, acompanhando o discurso de Neymar contra a arbitragem.

“É difícil ficar falando só de arbitragem, senão a gente acaba pondo a culpa na arbitragem. Isso não nos absolve da derrota. Acho que o Santos jogou bem até tomar o gol do empate, depois parou. A gente não merecia melhor sorte no segundo tempo porque atuamos bem diferente da semana passada”, resumiu o treinador santista, insatisfeito pela derrota no Bezerrão e pela falta de ambições do Santos, que apenas cumpre tabela na reta final do Campeonato Brasileiro.

Após a goleada por 4 a 0 aplicada sobre o Cruzeiro na última rodada, em pleno Independência, a expectativa santista era de vitória fácil sobre o já rebaixado Atlético-GO. Após a derrota, o Santos retorna a São Paulo ainda na noite deste sábado, tanto que a entrevista coletiva de Muricy foi concedida em apenas cinco minutos, na beirada do gramado. O próximo desafio será diante do Figueirense, no próximo sábado, na Vila Belmiro.

Santistas lamentam “vacilo” na derrota para o rebaixado Atlético-GO

Time saiu na frente com gol do zagueiro Bruno Rodrigo, mas permitiu a reação do oponente e saiu de campo derrotado pelo lanterna do Brasileiro

A derrota para o Atlético-GO, por 2 a 1, na noite do último sábado, no Bezerrão, deixou os jogadores do Santos irritados. Os atletas lamentaram o fato de a equipe ter permitido a reação do adversário, lanterna e já rebaixado, nos minutos finais da partida.

“Lamentável. O jogo estava nas nossas mãos. Demos dois vacilos e tomamos os dois gols”, disparou o volante Arouca, visivelmente inconformado com o resultado negativo no Gama (DF), onde o duelo foi realizado.

O autor do único gol santista no confronto, Bruno Rodrigo também não ficou satisfeito com a atuação do time. Assim como Arouca, o zagueiro apontou a falta de atenção nos minutos finais como razão principal para o revés no Bezerrão.

“Afrouxamos no final e levamos a virada. O time perdeu um pouco a concentração no final e aconteceu isso. Não podíamos vacilar dessa maneira”, comentou o defensor.

Com a derrota para o Atlético-GO, o Peixe agora ocupa o 12° lugar na tabela do Brasileirão. O próximo compromisso dos santistas é contra outra equipe rebaixada matematicamente para a segunda divisão nacional: o Figueirense. O jogo será disputado no próximo sábado, a partir das 19h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro.

Sem ambições, Santos desperdiçou 20 pontos contra times ameaçados

Time poderia estar brigando por uma vaga na Libertadores, caso ganhasse mais alguns jogos contra os times da parte de baixo da tabela

A três rodadas do encerramento do Campeonato Brasileiro, o Santos soma 46 pontos, ocupa a nona colocação e não tem qualquer ambição para a reta final do torneio. Após a derrota diante do Atlético-GO, neste sábado, no estádio do Bezerrão, o time do técnico Muricy Ramalho deixou evidente sua dificuldade para superar adversários mal posicionados na tabela de classificação.

Contra os seis clubes que ocupam as últimas posições do Brasileirão e disputam ponto a ponto para evitar o rebaixamento, o Santos travou dez confrontos até o momento. Destes, venceu apenas dois, e ainda somou quatro empates e quatro derrotas. Caso tivesse obtido melhores resultados, o time poderia ao menos brigar por vaga na próxima edição da Copa Libertadores.

Além da derrota contra o já rebaixado Atlético-GO, gols marcados por Diogo Campos em falha de Rafael e Márcio, em cobrança de pênalti cometido pelo camisa 1, o Santos soma um empate, no Pacaembu, diante do Dragão. Contra Portuguesa e Bahia, primeiros times fora da zona de degola, foram placares iguais: empate por 0 x 0 fora de casa e derrotas 3 x 1, no Pacaembu e na Vila Belmiro.Ainda derrotado pelo Sport na Ilha do Retiro, o time do técnico Muricy Ramalho venceu os outros dois integrantes da zona de rebaixamento: o Figueirense por 3 a 1, no Orlando Scarpelli, e o Palmeiras por 2 a 1, no Pacaembu. Na reta final do Brasileirão, o Santos ainda encara estes dois adversários, além do Corinthians.

Em preparação para enfrentar o Figueirense no próximo sábado, às 19h30 (de Brasília), pela antepenúltima rodada do Brasileirão, o Santos foca no planejamento para a temporada 2013 e já contratou o zagueiro Neto, do Guarani, a pedido de Muricy Ramalho.


Videos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Cruzeiro 0 x 4 Santos

Data: 03/11/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 16.331 pagantes
Renda: R$ 561.432,00
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ).
Auxilires: Marrubson Melo Freitas (DF) e Luiz Antonio Muniz de Oliveira (RJ).
Cartões amarelos: Rafael Donato, Ceará e Willian Magrão (C); André e Juan (S).
Gols: Neymar (11-1) e Neymar (35-1); Felipe Anderson (07-2) e Neymar (36-2).

CRUZEIRO
Fábio; Ceará, Rafael Donato (Willian Magrão), Mateus e Everton; Leandro Guerreiro, Sandro Silva (Fabinho), Charles e Montillo; Martinuccio (Wellington Paulista) e Anselmo Ramon.
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Rafael; Rafael Galhardo, Bruno Rodrigo, Durval e Juan (Gérson Magrão); Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; Neymar e André (Miralles).
Técnico: Muricy Ramalho



Neymar dá show, marca três e Santos goleia Cruzeiro no Independência

O resultado positivo alcançado sobre os mineiros levou os santistas para a nona colocação, com 46 pontos

Com grande atuação individual de Neymar, o Santos quebrou a sequência de três jogos sem vitória no Campeonato Brasileiro, ao derrotar o Cruzeiro, por 4 a 0, na noite deste sábado, no Estádio Independência. O atacante marcou três vezes para os paulistas e, de quebra, ainda fez a assistência para o gol de Felipe Anderson, sendo decisivo no triunfo do Santos em Belo Horizonte.

O resultado positivo alcançado sobre os mineiros levou os santistas para a nona colocação, com 46 pontos. O cruzeiro, por sua vez, foi ultrapassada pelo time da Vila Belmiro e está na 10° posição, com 43 pontos ganhos.

O jogo

Sem maiores aspirações no Campeonato Brasileiro, Cruzeiro e Santos começaram a partida bastante ofensivos, em busca do gol. Melhor nos primeiros minutos, o Peixe não se intimidava com o fato de jogar fora de casa, com o estádio lotado de torcedores do Cruzeiro.

E foi desta forma que, aos 11 minutos, se aproveitando de uma cobrança de lateral, Arouca driblou facilmente a marcação de Everton e encontrou Neymar na grande área. Mais rápido do que a zaga adversária, o atacante santista finalizou com precisão, sem chances para o goleiro Fábio: 1 a 0 para o Alvinegro Praiano.

Atrás no placar, os mineiros partiram em busca do empate e, aos 15, Rafael evitou que os donos da casa igualassem o marcador, ao defender um arremate de fora da área, de Anselmo Ramon.

Na pressão, o Cruzeiro criou a sua melhor oportunidade de gol, aos 22. O lançamento partiu dos pés do argentino Montillo, encontrando o uruguaio Martinuccio, que completou para o gol, mas viu a bola passar ao lado da meta defendida por Rafael. No entanto, a arbitragem já havia parado o lance, alegando impedimento.

Após sofrer com as boas chances criadas pela Cruzeiro, o Santos passou a explorar os contra-ataques, em busca do segundo gol. Aos 32, Neymar poderia ter marcado o segundo tento de sua equipe, mas preferiu fazer a assistência para André, que foi bloqueado pela zaga cruzeirense.

Porém, três minutos depois de não aproveitar uma oportunidade de gol, o camisa 11 do Santos mostrou toda a sua categoria para, ao aproveitar a falha do zagueiro Mateus, que não dominou a bola, bater no canto direito de Fábio, ampliando a vantagem santista no Independência.

Na volta para o segundo tempo, o técnico Celso Roth sacou o volante Sandro Silva para a entrada do atacante Fabinho. Mas a primeira grande chance de gol da etapa complementar foi santista e, novamente, com Neymar.

Aos cinco, a Joia alvinegra driblou Rafael Donato e bateu na saída de Fábio, que demonstrou bastante reflexo para fazer uma grande defesa, evitando o terceiro dos paulistas. Dois minutos após quase marcar mais um, Neymar fez grande lance individual pelo lado esquerdo, deixando o zagueiro para trás e fazendo o passe para Felipe Anderson completar, com destino ao fundo das redes 3 a 0 para o Santos. A jogada do atacante do Santos foi aplaudida pela torcida cruzeirense, presente ao Estádio Independência.

Com a desvantagem no placar, Roth queimou as suas duas últimas substituições na Raposa. Aos 11, Rafael Donato deu lugar a Willian Magrão e, cinco minutos mais tarde, Martinuccio saiu para a entrada de Wellington Paulista.

Os cruzeirenses estiveram perto de descontar, aos 22, com Anselmo Ramon driblando Rafael Galhardo e soltando a bomba, que acertou o travessão de Rafael. Aos 29, os mineiros tiveram mais uma boa oportunidade de gol, mas Rafael Galhardo salvou os santistas, ao cortar uma finalização de Anselmo Ramon.

Mas ainda havia tempo para o Santos marcar mais um e, outra vez, com o seu principal astro. Aos 36, Miralles, que havia entrado no lugar de André, fez grande jogada individual e Neymar concluiu para o gol, sem chances para o arqueiro cruzeirense. Assim como havia acontecido no terceiro gol, a Joia foi ovacionada e teve o seu nome gritado pela torcida rival.

Este vídeo abaixo mostra após o último gol a torcida do Cruzeiro aplaudindo o Neymar. Imagens da Santos TV.

Atuação de Neymar é elogiada em todo o mundo: “incomparável”

A brilhante atuação de Neymar contra o Cruzeiro, na noite de sábado, quando marcou três gols e deu a assistência para o tento de Felipe Anderson, fez jornais de todo o mundo se renderem ao brasileiro. Com elogios para a atuação e surpreendidos com os aplausos da torcida do Cruzeiro, que fez questão de mostrar a admiração pelo jogador ao fim do jogo, os jornais o colocaram como “incomparável” dentro do futebol brasileiro.

Foi assim que o jornal holandês NU Sports o chamou. Já os espanhóis do Marca, que constantemente colocam o brasileiro como já contratado pelo Barcelona, ou como principal alvo do Real Madrid, lembrou que as grandes atuações já não são mais novidades: “Outra noite mágica de Neymar”, escreveram.

Ainda na Espanha, o As disse que Neymar “atropelou” o Cruzeiro. Os catalães do Sport se renderam ao brasileiro: “Neymaravilhoso”. “Uma excepcional partida. Uma sublime partida. Craque”, publicou o jornal.

Os italianos da Gazzetta dello Sport destacaram os aplausos da torcida do Cruzeiro para o santista. “Neymar fez com que os tristes torcedores do cruzeiro se rendessem a sua atuação, o aplaudindo de pé”, disse o jornal. O L’Équipe, da França, destacou a declaração de Neymar, que disse que teve vontade de chorar quando viu que a torcida cruzeirense o aplaudiu. “Neymar foi aclamado e teve seu nome cantado nas arquibancadas pela torcida adversária”, escreveram os franceses.

O The New York Times também teve que dar destaque nos Estados Unidos ao pouco popular futebol, graças à Neymar. “Ovacionado”, disse o jornal, que lembrou que o atacante quase não pode atuar no campeonato brasileiro já que constantemente desfalca o Santos para estar com a seleção brasileira.

“Mais uma noite memorável para os fãs de futebol”, foi o destaque dado pelos portugueses do O Jogo para a atuação de Neymar. “A exibição foi de tal forma perfeita que até a torcida do cruzeiro aplaudiu”, completou.

A atuação do brasileiro chegou até o outro lado do mundo. Na Ásia, jornais de Indonésia e Índia, países com pouca ou nenhuma tradição no futebol, se renderam a Neymar.

“Deu vontade de chorar”, diz Neymar sobre aplausos da torcida do Cruzeiro

Autor de três gols e de uma assistência na vitória do Santos por 4 a 0, atacante afirma ter ficado emocionado com manifestação cruzeirense

Com três gols e uma assistência, Neymar foi o grande responsável pela vitória do Santos sobre o Cruzeiro neste sábado por 4 a 0 . A atuação de gala fez com que o atacante santista fosse aplaudido pela torcida adversária que compareceu ao estádio Independência. A manifestação de carinho dos cruzeirenses emocionou o craque santista.

“Estou muito emocionado, dá até vontade de chorar pelo que a torcida do Cruzeiro fez para mim”, afirmou Neymar na saída do campo. “É um dia marcante, histórico na minha carreira”, completou.

Em seguida, Neymar retribuiu o carinho que recebeu da torcida mineira. “Realmente, é uma alegria muito grande. Hoje sinto o Cruzeiro como a minha segunda casa. Sempre falei que, independentemente da rivalidade, o respeito tinha que prevalecer. Foi o que aconteceu com a torcida do Cruzeiro. Por isso, estou muito satisfeito de ter jogado aqui. Só tenho que agradecer a eles pelo que fizeram”, disse o camisa 11.

Não foi apenas durante o jogo que Neymar notou a admiração que a torcida rival tem por ele. O atacante contou um outro episódio que aconteceu antes de a bola rolar no Independência. “Dei risada de um menino que estava com a camisa do Cruzeiro por cima e a do Santos por baixo. Achei engraçado, muito legal. São coisas assim que eu vou levar para o resto da minha vida”, encerrou.

Muricy elogia e vê aplausos como “ajuda” para permanência de Neymar

Atacante foi aplaudido pela torcida do Cruzeiro durante a goleada por 4 a 0 que o Santos aplicou sobre a equipe mineira

Os aplausos e o reconhecimento da torcida do Cruzeiro a atuação do atacante Neymar, autor de três gols na goleada do Santos por 4 a 0 neste sábado, no Estádio Independência , deixaram o técnico Muricy Ramalho satisfeito. O treinador elogiou a postura da torcida mineira, mesmo com a derrota de sua equipe, e vê o reconhecimento ao futebol da Joia como um incentivo para o camisa 11 prolongar a estadia no futebol brasileiro.

“Foi muito legal o que a torcida do Cruzeiro fez hoje (sábado). Eles deram um exemplo, deixaram a rivalidade entre os clubes de lado, o que é difícil aqui no Brasil. O Neymar é um ídolo nacional e, sem dúvidas, isso fortalece ainda mais o menino. Ele fica feliz e é algo que pode ajudar até mesmo para que o Neymar estenda o contrato dele, para ficar mais tempo no país”, analisou Muricy, sonhando com a possibilidade de o craque renovar o seu vínculo com os santistas.

O atual contrato de Neymar com o Santos é válido até a Copa do Mundo de 2014. Uma possível renovação do vínculo da Joia é um assunto que faz parte do pensamento dos dirigentes santistas, apesar de esta não ser uma hipótese admitida publicamente.

“O Santos fez um investimento enorme e quase não usa o jogador, que está o tempo todo na seleção brasileira. Com ele, a torcida do Santos cresceu 20% em três anos. Em todo o lugar que a gente vai é sempre essa loucura, ele é muito assediado. O que o Santos está fazendo é muito importante para o futebol brasileiro, em geral. Hoje, o Neymar é um dos poucos ídolos que temos no país”, ponderou o comandante.

Mesmo com Neymar tendo sido o destaque da partida, Muricy Ramalho não esqueceu de elogiar o rendimento do Santos durante o confronto. “Cobrei muito deles durante a semana e na preleção, antes do jogo. O time acertou uma boa partida porque respeitou o Cruzeiro e ocupou bem os espaços. Hoje (sábado) voltamos a jogar. Fazia tempo que a gente não jogava. Era um clássico importante e fico feliz pelo fato de os jogadores terem entendido isso”, concluiu.

Bastidores – Santos TV:

Gols no Cruzeiro fazem de Neymar o segundo artilheiro santista em Nacionais

Atacante ultrapassa marca de Kleber Pereira e está atrás apenas de Pelé, que marcou 99 gols na competição

O atacante Neymar continua estabelecendo novas marcas importantes no Santos . Com os três gols que marcou na goleada por 4 a 0 sobre o Cruzeiro neste sábado, chegou aos 52 na história da competição. Assim, ele ultrapassou Kleber Pereira, que, com 51, era até então o segundo maior goleador do clube em campeonatos nacionais.

“Fico muito feliz, essa é mais uma meta alcançada na minha carreira. Mas, como eu sempre digo, não busco bater recordes de grandes craques, que marcaram a história do Santos. O meu objetivo é sempre jogar futebol e fazer o melhor, para ajudar a minha equipe a vencer”, afirmou Neymar.

O camisa 11, no entanto, terá trabalho para alcançar Pelé, líder nessa relação de artilheiros santistas. Isso porque o Rei marcou nada menos do que 99 gols, contabilizando atuações na Taça Brasil, no Torneio Roberto Gomes Pedrosa e na Taça de Prata, competições equivalentes ao atual Campeonato Brasileiro. A CBF unificou todos estes torneios ao Brasileirão, no final de 2010.

Vale lembrar ainda que Neymar ocupa o quarto lugar na artilharia da Série A deste ano, com 12 gols, ao lado de Aloísio, do Figueirense, e Kieza, do Náutico. O artilheiro é Fred, do Fluminense, com 16 gols, seguido de perto por Luis Fabiano, do São Paulo, com 15. O terceiro colocado é Bruno Mineiro, da Portuguesa, com 14.