Navegando Posts marcados como 2019

Santos 1 x 1 Athletico-PR

Data: 08/09/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 18ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.569 pagantes
Renda: R$ 476.930,00
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Diego Pituca, Lucas Veríssimo e Marinho (S); Léo, Adriano, Matheus Rossetto, Lucho González, Thonny Anderson e Tiago Nunes (A).
Cartão vermelho: Pablo Fernandez (Preparador físico do Santos).
Gols: Braian Romero (41-1); Carlos Sánchez (45-2, de pênalti).

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Pará), Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Jean Mota (Venuto); Marinho, Eduardo Sasha e Uribe.
Técnico: Jorge Sampaoli

ATHLETICO-PR
Léo; Madson, Pedro Henrique, Léo Pereira e Adriano (Abner); Matheus Rossetto, Lucho González (Erick) e Everton Felipe (Tomás); Vitinho, Braian Romero e Thonny Anderson.
Técnico: Tiago Nunes



Santos tenta até o fim, mas só empata com reservas do Athletico na Vila

O Santos empatou com o time reserva do Athletico-PR por 1 a 1 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram de Braian Romero, na etapa inicial, e Sánchez, de cavadinha em pênalti, nos acréscimos.

O Peixe sentiu as ausências de Victor Ferraz (suspenso), Evandro (machucado) e Jorge, Derlis e Soteldo (nas seleções do Brasil, Paraguai e Venezuela, respectivamente). O Furacão atuou melhor no primeiro tempo mesmo com os suplentes e contou com várias defesas de Léo na etapa final para segurar o empate.

Com o empate, o Alvinegro fica com 37, ainda em segundo, e a dois pontos do líder Flamengo (mas com desvantagem de 12 de saldo). O Athletico sobe para 26, na décima colocação.

O Santos voltará a campo para enfrentar justamente o Flamengo, no Maracanã, domingo. O Furacão tem a ida da final da Copa do Brasil contra o Internacional, quarta-feira, na Arena da Baixada, e depois recebe o Avaí, no domingo, no fechamento do turno.

O Santos acuou o Athletico-PR nos primeiros minutos. Com a linha de defesa no meio-campo, o Peixe jogava solto e parecia questão de tempo para abrir o placar. Parecia.

O Alvinegro teve grande chance aos sete minutos, quando o goleiro Léo saiu jogando errado, Marinho dominou e chutou forte, antes de Léo Pereira salvar de carrinho.

O Athletico adiantou as linhas, equilibrou a partida e passou a jogar melhor. No minuto 27, Everton Felipe buscou o ângulo e a bola passou perto. Aos 33, Everson fez duas grandes defesas em chutes de Thonny Anderson e Vitinho. Na sequência, o Santos sucumbiu.

Quando o placar marcava 41 jogados, Lucho González lançou Thonny Anderson, o atacante girou sobre Aguilar e chutou cruzado – Everson não alcançou e Braian Romero só empurrou.

Após sair atrás, o Santos buscou a reação e ficou perto com Uribe, aos 45, e Jean Mota, 47. Léo fez duas boas intervenções para salvar o Athletico.

O Santos voltou para o segundo tempo ainda desorganizado, mas disposto a reagir na base do “abafa”. Aos oito minutos, Gustavo Henrique cabeceou após escanteio e o goleiro Léo fez mais uma defesa impressionante. No minuto 10, Jean Mota cruzou e Uribe cabeceou perto da trave.

O Peixe seguiu em cima, mas continuava bem marcado pelo Athletico. O Alvinegro abusou dos cruzamentos e viu Léo continuar fazendo milagres.

Aos 32, Felipe Jonatan bateu cruzado e o goleiro espalmou. No minuto 33, Lucas Veríssimo cabeceou e Léo se esticou inteiro para defender. E quando o placar marcava 34, Uribe tentou e Léo defendeu novamente. Ainda deu tempo do colombiano, aos 34, cabecear sozinho por cima.

E no fim, a pressão funcionou. A arbitragem marcou pênalti em Marinho após acionar o VAR. Sánchez, de cavadinha, converteu aos 45. O Santos tentou a virada nos minutos finais, mas não conseguiu. Empate na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli condena “cera” do Athletico e minimiza discussão

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, reclamou da “cera” do Athletico-PR no empate em 1 a 1 neste domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli valorizou o esforço do Peixe em busca da vitória até o último minuto. Sánchez empatou aos 45 minutos do segundo tempo, de pênalti.

“Buscamos desde o início ganhar contra uma equipe que tentou cortar o jogo. Só uma equipe quis jogar. Posturas defensivas são legais, mas cair ao chão mais de 50 vezes atrapalha quem busca a vitória. Recriminamos, cortaram o jogo o tempo todo. Desenvolvimento fica incômodo para quem quer protagonizar”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Jorge Sampaoli também comentou sobre a discussão com Tiago Nunes, técnico do Athletico. O auxiliar Pablo Fernández foi expulso.

“Jogo foi tenso, respeito muito o trabalho dele. Jogo foi muito cortado, responsabilidade também dos que conduzem o jogo. A partida que nos tocou foi mais grosseiro, caíram o tempo todo. Partida acabou e não fica nenhum rancor”, concluiu.

Com o empate, o Alvinegro fica com 37, ainda em segundo, e a dois pontos do líder Flamengo. O Santos voltará a campo para enfrentar justamente o Rubro-Negro, no Maracanã, domingo.

Santistas analisam empate e destacam goleiro do Athletico

Os jogadores do Santos lamentaram a grande atuação do goleiro Léo no empate em 1 a 1 com o Athletico-PR neste domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os zagueiros Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique destacaram as chances criadas pelo Peixe e as intervenções do goleiro reserva do Furacão.

“Jogamos em cima deles, tivemos várias oportunidades. Jogamos bem, sim. Faltou capricho e a bola entrar. Goleiro deles estava em um grande dia. Mérito dele”, disse Veríssimo.

“Temos que ganhar sempre em casa, mas campeonato é difícil. Goleiro deles foi melhor em campo. Não foi falta de vontade, às vezes futebol não é como a gente quer”, avaliou o capitão Gustavo Henrique, antes de falar sobre a cera do goleiro Léo.

“Falei para o juiz que caíram toda hora. Goleiro caiu sete vezes, atrapalhou ritmo do jogo. Quem tenta ter intensidade… Fica difícil”, completou.

Sampaoli elogia estreante Venuto no Santos: “Entrou muito bem”

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, aprovou a estreia de Lucas Venuto no empate em 1 a 1 com o Athletico-PR no último domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro

Após quase um mês no clube, o atacante ex-Vancouver Whitecaps, do Canadá, entrou no segundo tempo e “colocou fogo” no jogo.

“Entrou muito bem. Tivemos esperança para ele entrar num jogo muito difícil. Fez diferença pelas pontas, teve o mesmo rendimento do Marinho e brigará por um lugar. Bom termos a possibilidade de ter um extremo com tanta intensidade e drible”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Venuto ganhará mais minutos, mas deve seguir entre os reservas contra o Flamengo no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã, pela 19ª e última rodada do primeiro turno.

Com mais um tropeço na Vila, o Peixe agora está a dois pontos do Rubro-Negro e precisa vencer para terminar a primeira etapa da competição na dianteira.

Pituca recebe 3º amarelo e desfalca o Santos em “decisão”

Diego Pituca recebeu o terceiro cartão amarelo neste domingo, no empate do Santos com o Athletico-PR na Vila Belmiro, e não enfrentará o Flamengo, no próximo domingo, no Maracanã, pela 19ª rodada e última do primeiro turno do Campeonato Brasileiro.

A partida diante do Rubro-Negro será uma “decisão”. O Peixe está a dois pontos do rival na tabela e precisa vencer para reassumir a liderança e alcançar o título simbólico da primeira etapa da competição.

O técnico Jorge Sampaoli não contará com Pituca, mas, em compensação, terá Jorge, Derlis González e Soteldo de volta. O trio foi convocado para as seleções do Brasil, Paraguai e Venezuela, respectivamente.

Outros reforços devem ser Victor Ferraz e Evandro. O lateral-direito esteve suspenso e ainda teve um trauma no joelho direito. O meio-campista ficou fora por uma contratura na coxa esquerda. A dupla deve ficar à disposição no Maracanã.


Chapecoense 0 x 1 Santos

Data: 31/08/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 17ª rodada
Local: Arena Condá, em Chapecó, SC.
Público: 9.053 pagantes
Renda: R$ 236.995,00
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Auxiliares: Thiago Henrique Neto e Daniel do Espirito Santo Parro (ambos do RJ).
VAR: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ)
Cartões amarelos: Arthur Gomes e Eduardo (C); Pituca, Everson e Soteldo (S).
Gol: Gum (38-1, contra).

CHAPECOENSE
Tiepo; Eduardo, Gum (Diego Torres), Maurício Ramos e Bruno Pacheco; Márcio Araújo, Campanharo, Rafael Pereira (Henrique Almeida) e Camilo (Aylon); Arthur Gomes e Everaldo.
Técnico: Emerson Cris

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Evandro (Jean Mota) e Diego Pituca; Felipe Jonatan (Carlos Sánchez), Derlis González (Alison), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos vence graças a gol contra, volta à ponta e seca o Flamengo

O Santos não vencia há três rodadas no Campeonato Brasileiro. A seca de triunfos terminou na noite desse sábado, na Arena Condá, graças a um gol contra de Gum. O zagueiro da Chapecoense garantiu o placar de 1 a 0 para o Peixe nessa 17ª rodada.

O resultado leva o Santos aos 36 pontos e à liderança da competição. O Flamengo, que neste domingo recebe o Palmeiras, só tira os paulistas da ponta se somar três pontos no Maracanã.

A Chapecoense, por sua vez, segue sua campanha de risco. Os catarinenses estacionaram nos 14 pontos e estão na 17ª posição, dentro da zona de rebaixamento, podendo cair ainda mais na tabela até o fim da rodada.

O jogo:

Para buscar a reação na competição, Jorge Sampaoli voltou a apostar em uma escalação sem Carlos Sánchez entre os titulares. De imediato, a estratégia não deu muito certo. Eduardo, pela direita, e Arthur Gomes, que pertence ao Santos e atuou pela esquerda do ataque da Chape, atormentaram os defensores visitantes.

Nem parecia que a Chape luta para não ser rebaixada. Era um time ambicioso, inclusive com jogadas individuais abusadas. Mas, o tempo foi passando e o Peixe foi não só equilibrando como tomando o controle do jogo.

De mais emocionante até o intervalo foram dois lances, um para cada lado. Primeiro, os mandantes ficaram pedindo pênalti de Veríssimo em cima de Everaldo. O árbitro até apelou à TV, mas continuou sem enxergar falta no lance.

Quando todos imaginam um intervalo ainda zerado, uma jogada inusitada colocou o Peixe na frente do marcador. Felipe Jonatan se livrou de Eduardo e serviu Soteldo na ponta esquerda. O venezuelano cruzou e contou com Gum para sair para o abraço. Havia um impedimento no início da jogada, mas o auxiliar não parou a jogada.

O gol contra fez com que os catarinenses se lançassem ao ataque no segundo tempo. Na melhor das oportunidades de empate, Henrique tirou demais de Everaldo e mandou para fora. Sasha também teve a sua chance. O jogo, no entanto, não teve mais gols. Melhor para os santistas.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli condiciona briga pelo título a padrão tático no Santos

O Santos venceu a Chapecoense por 1 a 0 na noite desse sábado sem grande brilho, graças a um gol polêmico e contra, marcado pelo zagueiro Gum, da equipe verde.

O resultado colocou o Peixe na ponta da tabela do Brasileirão até a definição da partida entre Flamengo e Palmeiras.

“Feliz de ganhar uma equipe tão difícil como essa. Uma partida muito disputada. Tivemos de jogar, eles se saíram muito bem com um 5-4-1 com pouco espaço entre as linhas, nós não sofremos quase nada defensivamente. Depois, no segundo tempo, a equipe pôde jogar com mais espaço e chegamos mais no gol adversário”, avaliou o técnico Jorge Sampaoli.

O resultado em si e os pontos na tabela foram minimizados pelo argentino. O comandante santista está mesmo é focado em fazer sua equipe adotar de vez seu estilo de jogo. Sampaoli sabe que precisa de tempo, mas acredita que só assim poderá disputar o título contra clubes de elenco mais caro e renomado.

“Agora é pensar na próxima partida, sabendo que temos de melhorar e seguir tentando provocar um estilo que nos permita defendê-lo em cada partida, e isso seguramente vai demorar um pouco de tempo”, comentou.

“A liderança momentânea é uma emoção de pouca duração. O importante é que a equipe tem se armado para lutar, brigar por um torneio muito complexo, difícil, de muitas obrigações, e nós temos de tentar ser uma equipe que se comprometa com as ideias coletivas. Assim teremos mais possibilidades de competir contra equipes que podem contar com figuras de grande nível”, concluiu.

Victor Ferraz desabafa com vitória do Santos: “Aguento pressão”

O Santos se reencontrou com a vitória na noite desse sábado depois de três rodadas seguidas tropeçando no Campeonato Brasileiro. O triunfo sobre a Chapecoense na Arena Condá serviu para Victor Ferraz desabafar. Tudo por causa das críticas sofridas tanto pelo lateral quanto pela equipe depois do empate em casa com o Fortaleza.

“Importante voltar à liderança, nem que seja provisória. Foi um jogo muito importante pra gente, pra voltar a mostrar para o nosso torcedor, que ficou magoado”, lembrou, em entrevista ao Premiere ainda na saída do campo rumo ao vestiário.

“Nós, jogadores, fomos duramente criticados, deixamos… Deixamos, não. Não vou tirar o mérito do Fortaleza, mas dentro de casa a gente não pode levar empate daquele jeito. Fomos criticados, uma crítica justa, mas fomos homem”, continuou, antes de citar seu drama pessoal com a situação.

“Eu particularmente fui muito hostilizado, eu que tenho quase 280 jogos pelo clube, mas meu pai me criou muito homem para assumir, sou capitão da equipe e aguento pressão, cara. Vim aqui, provei, fiz uma partida muito boa, e a prova é que a gente está na liderança”, afirmou.

Na próxima rodada, Victor Ferraz não poderá ajudar o Santos contra o Athletico. O experiente jogador levou mais um cartão amarelo e terá de cumprir suspensão.

Santos tem cinco desfalques para enfrentar o Athletico-PR

O Santos voltou a vencer no Campeonato Brasileiro, acabou com um jejum de três rodadas e manteve pressão sobre o Flamengo. Mas, para se manter em alta terá suportar a ausência de pelo menos cinco jogadores no duelo contra o Athletico-PR, agendado para domingo, na Vila Belmiro.

Jorge Sampaoli não poderá contar com o venezuelano Soteldo, o colombiano Felipe Aguilar e paraguaio Derlis González. Todos convocados por suas respectivas seleções nacionais.

Além do trio, Jorge também foi chamado por Tite e será desfalque pela segunda rodada seguida, pois teve de cumprir suspensão frente a Chape, neste sábado.

Não bastasse isso, Victor Ferraz levou o terceiro cartão amarelo em Santa Catarina e vai se juntar aos jogadores que poderão ficar só na torcida na 18ª rodada do Brasileirão.

A boa notícia é que Marinho, outro que não pôde enfrentar a Chapecoense por causa de uma suspensão, está de volta a partir de agora, à disposição do treinador argentino.


Santos 3 x 3 Fortaleza

Data: 25/08/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 16ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, Santos, SP.
Público: 12.515 pagantes
Renda: R$ 434.275,00
Árbitro: Rodrigo D’alonso Ferreira (SC)
Auxiliares: Helton Nunes e Alex dos Santos (ambos de SC).
VAR: Rafael Traci (SC)
Cartões amarelos: Carlos Sánchez, Marinho e Jorge (S); Juninho, Carlinhos e Felipe (F).
Gols: Marinho (01-1), Jorge (09-1) e Eduardo Sasha (31-1); Wellington Paulista (14-2), Wellington Paulista (22-2) e Tinga (49-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Jorge; Alison, Diego Pituca e Evandro (Carlos Sánchez); Marinho, Soteldo (Derlis González) e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

FORTALEZA
Felipe Alves; Tinga, Quintero, Jackson e Carlinhos; Felipe, Gabriel Dias (André Luis) e Juninho; Edinho (Osvaldo), Romarinho (Felipe Pires) e Wellington Paulista.
Técnico: Zé Ricardo



Santos abre 3 a 0, mas sofre empate do Fortaleza e perde a liderança

O Santos abriu 3 a 0, mas permitiu o empate do Fortaleza na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Peixe, ainda no primeiro tempo, foram marcados por Marinho, Jorge e Eduardo Sasha. O Tricolor reagiu com dois de Wellington Paulista e outro de Tinga.

O Alvinegro dominou os primeiros 45 minutos por completo, porém, caiu de rendimento na segunda metade. O Fortaleza se aproveitou, procurou o empate até o fim e foi coroado aos 49.

Com o resultado, o Santos caiu para a vice-liderança do Brasileirão, agora com 33 pontos, levando desvantagem em relação ao Flamengo nos critérios de desempate.

O jogo

O Santos dominou o primeiro tempo por completo. Sem Carlos Sánchez e com Alison na cabeça de área, o técnico Jorge Sampaoli liberou Victor Ferraz e Jorge no ataque e acuou o Fortaleza.

O primeiro gol veio logo no minuto 1, quando Jorge lançou Evandro, o meia ajeitou e Sasha viu Marinho sozinho para deslocar o goleiro Felipe Alves.

O Peixe seguiu em cima e ampliou aos 9, quando Felipe socou a bola em escanteio e Jorge fez um golaço, de primeira, de fora da área. A vitória estava encaminhada antes do placar chegar aos 10 minutos.

O Alvinegro diminuiu o ritmo, mas nunca perdeu o controle do jogo e pouco sofreu na defesa. O terceiro veio naturalmente, aos 31. Jorge (de novo ele) lançou e deixou Sasha sozinho. O atacante encobriu Felipe Alves e viu o auxiliar levantar o bandeira. A arbitragem, porém, validou o gol com o auxílio do VAR.

Insaciável, o Santos faria o quarto gol logo aos cinco minutos, com Soteldo, mas a arbitragem anulou o lance por impedimento após o cruzamento de Evandro.

Aos 14 minutos, o VAR foi acionado novamente. Aguilar derrubou Edinho na área e o juiz marcou pênalti depois de conferir pelo vídeo. Wellington Paulista converteu.

O Fortaleza se animou com o gol e diminuiu aos 22. Carlinhos cruzou, Aguilar não marcou, Everson saiu mal do gol e Wellington Paulista, de novo, fez o segundo.

O Santos sentiu a reação dos visitantes e parou de criar. O Peixe só melhorou quando Jean Mota e Sánchez entraram, entre os minutos 25 e 30. Aos 34, Jean recebeu sozinho de Pituca e perdeu chance claríssima.

O Fortaleza não desistiu e chegou ao empate aos 49 minutos do segundo tempo, em nova falha de Felipe Aguilar. O zagueiro não cortou cruzamento e Tinga deslocou Everson.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli vê empate injusto do Santos: “Resultado angustiante pelo domínio”

O técnico Jorge Sampaoli vê como “injusto” o empate do Santos em 3 a 3 com o Fortaleza neste domingo, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro.

O Peixe abriu 3 a 0 no primeiro tempo, mas caiu de rendimento e viu o empate do Tricolor aos 49 minutos do segundo tempo.

“Estamos avaliando isso. Essa vulnerabilidade precisa ser corrigida. No primeiro tempo tivemos muita intensidade e pressão, rival mal chutou, e no segundo foi pouco. São erros pontuais e temos que analisar bem. Fico com o primeiro tempo e os 15 do segundo tempo. Equipe arrojada, que atacou bem um time que estava na defesa. Resultado é angustiante pelo domínio e superioridade. Empatar não passava na minha cabeça. Vi tanta superioridade que imaginei um resultado melhor para nós, por isso não corrigi (não fez substituições durante a reação”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Tudo tem a ver com o estilo. Quando pressionamos, fizemos os gols, criamos, depois diminuímos a pressão inicial. Fortaleza fez gol em jogada estranha de pênalti, antes fizemos um gol válido para mim. Seguimos buscando, pênalti diminuiu nosso ritmo. Eles converteram um contra-ataque e levaram empate no fim. Foi injusto, tivemos uma grande superioridade”, completou.

Com o resultado, o Santos segue na liderança do Brasileirão, agora com 33 pontos, mas pode ser ultrapassado por Flamengo e Palmeiras.

Sampaoli explica Sánchez no banco e defende Aguilar após empate do Santos

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, explicou a opção por Carlos Sánchez no banco de reservas no empate em 3 a 3 com o Fortaleza neste domingo, na Vila Belmiro, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli armou o Peixe com Alison, Diego Pituca e Evandro no meio-campo. Após pedidos do torcedor, o uruguaio entrou no segundo tempo e não evitou a reação do Tricolor.

“Evandro tem treinado muito bem, escolhemos um pelo outro (Evandro na função de Sánchez). Alison foi mais pelo equilíbrio no meio-campo. Não vi segundo tempo irregular. Os que entraram não modificaram muito a equipe. São momentos e o rival aproveitou. O segundo gol nos golpeou. Nos colocou no terreno de imprecisão. E quando não jogamos, mostramos certa vulnerabilidade”, disse Sampaoli.

O treinador argentino também defendeu Felipe Aguilar. O zagueiro falhou nos três gols do Fortaleza – cometeu um pênalti, não acompanhou Wellington Paulista e deu “assistência” para Tinga.

“São momentos. Aguilar fez um jogo muito bom, mas teve erros pontuais que interferiram no resultado. Isso desfigura um pouco a atuação. Confio muito nele, é nobre, que deixa tudo e se entrega totalmente. Ele está no último terço e erros aparecem mais. Ainda mais quando se convertem em gols. Temos que levantar quem não vive o melhor momento”, completou Sampaoli.

Marinho se irrita com empate do Santos: “Conseguiram devido ao sono do time”

Marinho teve a chance de ser titular, fez um dos gols do Santos e tinha tudo para terminar o domingo feliz. No fim das contas, porém, o Peixe permitiu o empate do Fortaleza em 3 a 3 na Vila Belmiro e, para piorar, o atacante recebeu o terceiro cartão amarelo e não enfrentará a Chapecoense no sábado, na Arena Condá, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O camisa 11 se irritou demais com o tropeço. No terceiro gol dos visitantes, chegou a se socar de raiva. Em entrevista ao Esporte Interativo, desabafou.

“No segundo tempo não entramos em campo. Fortaleza conseguiu o pênalti, falamos ‘vamos acordar’, ‘vamos acordar’, e deixar para acordar no fim do jogo não dá. Conseguiram fazer gol devido ao sono do time. Quem briga pela liderança não pode fazer isso. Temos que conversar, rever, não podemos dar essa brecha. Com todo respeito, eles vão brigar na parte de baixo. Nós temos que brigar por título e temos que fazer três, quatro. Matar o jogo! Poderíamos ter feito mais e não jogamos. Demoramos muito para acordar”, disse Marinho.

Sem vencer há três jogos, o Santos perdeu a liderança do Brasileirão para o Flamengo nos critérios de desempate.

Victor Ferraz diz que Santos “pagou pela ofensividade” em empate na Vila

Victor Ferraz acha que o Santos “pagou pela ofensividade” no empate em 3 a 3 com o Fortaleza neste sábado, na Vila Belmiro, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe fez 3 a 0 no primeiro tempo e permitiu o empate na etapa final. O último gol saiu aos 49 minutos do segundo tempo.

“Tivemos chances e não fizemos, poderíamos ampliar. A gente paga pelo estilo de jogo ofensivo. Inexplicável. A gente quer fazer mais e mais. O importante é não deixar cair, ainda somos líderes do campeonato”, disse Victor Ferraz, à Globo.

“Não vou dizer que faltou atenção, todo mundo se cobra, futebol às vezes acontece isso. A gente quer atacar o tempo inteiro, o treinador que fala, a gente poderia ter posicionado um pouco mais, não ter dado certas brechas, mas isso é coisa para falar depois”, completou.

Sampaoli se preocupa com Aguilar e pode blindar zagueiro no Santos

O técnico Jorge Sampaoli está preocupado com Felipe Aguilar. O zagueiro do Santos perdeu a confiança após sucessão de erros no Campeonato Brasileiro.

O colombiano fez um pênalti e escorregou em gol de Alexandre Pato no clássico contra o São Paulo. Suspenso, não enfrentou o Cruzeiro e retornou diante do Fortaleza no último domingo, quando comprometeu novamente – mais uma penalidade e erros de marcação nos outros dois gols.

Aguilar estava abatido no vestiário e recebeu o apoio dos companheiros. Sampaoli costuma optar pela sequência de jogos para reabilitar um atleta, mas no caso do defensor o caminho pode ser não atuar diante da Chapecoense no sábado, na Arena Condá, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. A decisão será tomada após o treinador analisar a reação do jogador durante a semana no CT Rei Pelé.

“São momentos. Aguilar fez um jogo muito bom, mas teve erros pontuais que interferiram no resultado. Isso desfigura um pouco a atuação. Confio muito nele, é nobre, que deixa tudo e se entrega totalmente. Ele está no último terço e erros aparecem mais. Ainda mais quando se convertem em gols. Temos que levantar quem não vive o melhor momento”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.


Cruzeiro 2 x 0 Santos

Data: 18/08/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 15ª rodada
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 43.604 pessoas (36.975 pagantes)
Renda: R$ 629.491,00
Árbitro: Anderson Daronco (RS).
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (ambos do RS).
VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN).
Cartões amarelos: Fred, Thiago Neves (C); Jorge Sampaoli (S).
Cartão vermelho: Gustavo Henrique (S).
Gols: Fred (43-1) e Thiago Neves (01-2).

CRUZEIRO
Fábio; Orejuela, Fabrício Bruno, Dedé (Cacá), Egídio (Fred); Henrique, Dodô, Marquinhos Gabriel e Thiago Neves; Pedro Rocha e David (Robinho).
Técnico: Rogério Ceni

SANTOS
Everson; Evandro (Pará) (Luiz Felipe), Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sanchez (Alison) e Felipe Jonatan; Derlis González, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos cai na estreia de Ceni pelo Cruzeiro e perde chance de disparar

O Santos perdeu a chance de disparar na liderança do Campeonato Brasileiro na tarde deste domingo. Na estreia do técnico Rogério Ceni, com um homem a mais desde o primeiro minuto, o Cruzeiro encerrou um jejum de 11 rodadas ao ganhar do time alvinegro por 2 a 0, no Mineirão.

Com 32 pontos, o líder Santos tem dois de vantagem para Flamengo e Palmeiras, segundo e terceiro colocados na tabela, respectivamente. Já o Cruzeiro, com o esperado triunfo, chega aos 14 pontos ganhos e figura na 16ª colocação, saindo da zona de rebaixamento.

Pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos volta a campo para enfrentar o ameaçado Fortaleza às 16 horas (de Brasília) de domingo, no Estádio da Vila Belmiro.

O jogo

Antes do primeiro minuto, Pedro Rocha recebeu de David e, de frente para o gol, foi derrubado por Gustavo Henrique na entrada da área. Após rever o lance pelo monitor do VAR, Anderson Daronco expulsou o zagueiro santista. Para recompor a defesa, Sampaoli trocou Evandro por Pará. Ceni respondeu com Fred no lugar de Egídio.

O Cruzeiro explorou a vantagem numérica e passou a pressionar o Santos no campo de defesa. Aos 43 minutos da etapa inicial, Thiago Neves recebeu de Marquinhos Gabriel e deu belo passe para Fred. Em posição legal, o centroavante definiu e encerrou um longo jejum de 16 jogos sem marcar.

Thiago Neves arriscou chutes de fora da área e exigiu boas defesas do goleiro Everson durante o primeiro tempo. Na única boa chegada do Santos, Carlos Sanchez bateu direto para o gol em cobrança de falta e Fábio, com a mão esquerda, espalmou para a linha de fundo.

Em mais um lance com a participação de Fred, o Cruzeiro aumentou sua vantagem no Estádio do Mineirão logo no primeiro minuto da etapa complementar. De costas para o gol, o centroavante ajeitou como pivô para finalização certeira de Thiago Neves da entrada da área.

Em superioridade numérica e com vantagem confortável no placar, o Cruzeiro mantinha o jogo sob controle sem correr grandes riscos no campo de defesa. Na tentativa de marcar o terceiro do time da casa, Henrique e Orejuela chutaram com perigo para o gol de Everson.

Na parte final do jogo, em cima da linha, Jorge ainda impediu o centroavante Fred de marcar seu segundo gol. Com a partida dominada, a torcida local passou a gritar “olé” a cada toque do Cruzeiro e enfim pôde celebrar uma vitória no Campeonato Brasileiro.

Veríssimo lamenta expulsão de parceiro e fala em erguer a cabeça

O Santos sofreu sua segunda derrota consecutiva no Campeonato Brasileiro durante a noite deste domingo. Superado pelo Cruzeiro no Estádio do Mineirão, o zagueiro Lucas Veríssimo lamentou a expulsão precoce do parceiro Gustavo Henrique, mas procurou demonstrar fé na recuperação.

Ainda antes do primeiro minuto de jogo, Pedro Rocha recebeu de David de frente para o gol e acabou derrubado por Gustavo Henrique. Após rever o lance pelo monitor do VAR, o árbitro Anderson Daronco expulsou o zagueiro do Santos e a vida do Cruzeiro ficou mais fácil.

“Na verdade, a gente traçou uma meta de jogo e trabalhamos em cima disso durante a semana. Com um minuto, acabamos perdendo um jogador e tivemos que mudar totalmente nosso estilo de jogo, nossa maneira de atuar”, descreveu Lucas Veríssimo ao Premiere.

O Santos sofreu sua segunda derrota consecutiva no Campeonato Brasileiro durante a noite deste domingo. Superado pelo Cruzeiro no Estádio do Mineirão, o zagueiro Lucas Veríssimo lamentou a expulsão precoce do parceiro Gustavo Henrique, mas procurou demonstrar fé na recuperação.

Ainda antes do primeiro minuto de jogo, Pedro Rocha recebeu de David de frente para o gol e acabou derrubado por Gustavo Henrique. Após rever o lance pelo monitor do VAR, o árbitro Anderson Daronco expulsou o zagueiro do Santos e a vida do Cruzeiro ficou mais fácil.

“Na verdade, a gente traçou uma meta de jogo e trabalhamos em cima disso durante a semana. Com um minuto, acabamos perdendo um jogador e tivemos que mudar totalmente nosso estilo de jogo, nossa maneira de atuar”, descreveu Lucas Veríssimo ao Premiere.

Após derrotas, Sampaoli planeja recuperar estilo que garantiu ponta

O Santos figura na liderança do Campeonato Brasileiro, mas perdeu as duas últimas partidas pelo torneio nacional. Após o revés diante do Cruzeiro neste domingo, o técnico Jorge Sampaoli, ainda no Mineirão, sublinhou a necessidade de retomar a campanha de sucesso.

“Agora, vamos ter que encontrar o estilo de jogo que nos levou até aqui. Precisamos tratar de gerar mais pressão em casa e também fora. Independentemente das circunstâncias do jogo, o time que ter uma capacidade de reação”, declarou o argentino.

Jorge Sampaoli viu seus planos comprometidos ainda antes do primeiro minuto da partida disputada em Belo Horizonte. Gustavo Henrique derrubou Pedro Rocha na entrada da área e, após consultar o VAR, Anderson Daronco mostrou o cartão vermelho ao zagueiro do Santos.

“As circunstâncias de jogo foram totalmente inesperadas. Viemos com muita esperança e, lamentavelmente, encontramos uma mudança logo no começo. Enfrentamos um time com atletas muito capazes e que nos fizeram sentir o homem a mais”, afirmou Sampaoli.

No final do primeiro tempo, Fred marcou para o Cruzeiro e encerrou um jejum de 16 jogos. No começo da etapa complementar, o centroavante escorou como pivô para finalização certeira de Thiago Neves. Em inferioridade numérica, o Santos praticamente não conseguiu ameaçar o gol de Fabio.

Com 32 pontos ganhos, dois de vantagem sobre Flamengo e Palmeiras, o Santos permanece na liderança do Campeonato Brasileiro.



Com seis selecionados, Santos pede à CBF para adiar jogo contra o Athletico

O Santos pede à CBF para adiar o jogo contra o Athletico, inicialmente marcado para o dia 8 de setembro, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. A informação foi confirmada à Gazeta Esportiva pelo presidente José Carlos Peres.

O motivo é ter seis selecionados na Data FIFA: os titulares Felipe Aguilar (Colômbia), Jorge (Brasil), Derlis González (Paraguai) e Soteldo (Venezuela), além de Jackson Porozo (Equador) e Cueva (Peru), atualmente fora dos planos do técnico Jorge Sampaoli.

O pedido do Peixe, porém, dificilmente será atendido. O Athletico enfrentará o Grêmio dia 4, pela semifinal da Copa do Brasil. As finais serão em 11 e 18 de setembro – o Furacão perdeu por 2 a 0 para o Grêmio na ida. E a partir da 20ª rodada, a rotina quarta/domingo será retomada no Brasileirão.

Outro entrave é o Alvinegro ter iniciado a venda de ingressos a sócios para a partida diante do Athletico. A comercialização para “torcedores comuns” terá início no dia 30 de agosto.

Um possível time do Santos com os desfalques é: Everson, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Evandro (Alison), Diego Pituca e Carlos Sánchez; Eduardo Sasha, Marinho e Uribe (Lucas Venuto).


São Paulo 3 x 2 Santos

Data: 10/08/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 47.277 torcedores
Renda: R$ 3.103.842,00
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Neuza Ines Back e Daniel Luis Marques (SP).
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Cartões amarelos: Raniel, Everton, Bruno Alves, Tchê Tchê, Raniel (SP); Felipe Aguilar (S).
Gols: Sasha (43-1); Alexandre Pato (03-2), Alexandre Pato (25-2) e Reinaldo (11-2) e Raniel (40-2, contra).

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Igor Vinícius, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan (Hernanes) (Hudson), Tchê Tchê e Everton; Toró, Raniel e Pato (Vitor Bueno).
Técnico: Cuca

SANTOS
Éverson; Lucas Veríssimo, Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sánchez (Evandro) e Felipe Jonatan (Jean Mota); Derlis González (Marinho), Eduardo Sasha e Soteldo.
Técnico: Jorge Sampaoli



Com 2 gols de Pato, São Paulo vira sobre o Santos e vence 1º clássico no ano

Missão cumprida. O São recebeu o Santos na tarde deste sábado, no estádio do Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, e não decepcionou os mais de 40 mil torcedores que lotaram as arquibancadas. Tendo pela frente o líder da competição, o Tricolor não se intimidou e venceu o seu primeiro clássico no ano de virada, por 3 a 2, graças aos dois gols de Alexandre Pato e outro de Reinaldo, de pênalti. Sasha e Raniel, contra, balançaram as redes para o Peixe.

O triunfo tricolor foi um presente e tanto não só à torcida, que fez uma bonita festa no Morumbi, mas também a Daniel Alves e Juanfran, que acompanharam o jogo ao lado do presidente Leco. Com o resultado, o São Paulo retomou a quinta colocação, que antes pertencia ao Corinthians, e segue na cola de Flamengo e Atlético-MG.

O Santos, por sua vez, perdeu a oportunidade de assegurar os quatro pontos de vantagem para o vice-líder Palmeiras. O Verdão entra em campo amanhã, contra o Bahia, no Allianz Parque, e pode diminuir a distância para o Peixe para apenas um ponto em caso de vitória.

O jogo

O Santos foi quem chegou pela primeira vez com perigo na partida. Logo aos sete minutos, em contra-ataque, Sasha abriu para Derlis González na direita, que bateu cruzado, mas viu Arboleda aparecer no meio do caminho para interceptar a bola que sobraria livre para Carlos Sánchez no segundo pau. O São Paulo, por sua vez, respondeu aos 12 minutos com Raniel, que se antecipou para completar a cobrança de escanteio de Reinaldo, tirando tinta da trave de Éverson.

A partida era bastante disputada, com ambas equipes propondo o jogo e tentando o gol a todo momento. Aos 19, Felipe Jonatan recebeu sem marcação, de frente para o gol, e arriscou de fora da área, batendo cruzado e assustando o goleiro Tiago Volpi. O Tricolor só voltou a incomodar aos 31 minutos, quando Reinaldo bateu falta na entrada da área e mandou à direita da meta defendida por Éverson.

Na reta final do primeiro tempo, quando o São Paulo subiu de produção e aproveitou a queda de desempenho do Santos para tentar abrir o placar, veio a desilusão dos torcedores que lotaram o Morumbi. Depois de Tiago Volpi salvar a equipe aos 37 minutos fazendo uma defesa à queima-roupa em cruzamento de Sánchez, e Toró desperdiçar uma grande oportunidade em jogada ensaiada aos 40, quando recebeu livre dentro da área, mas mandou por cima do gol, aos 43 não teve jeito. Diego Pituca carimbou a trave com um belo chute de média distância e, no rebote, Sasha apareceu apenas para completar para o fundo do gol e garantir a vantagem ao Peixe antes de as equipes irem para o intervalo.

O São Paulo voltou a campo para a etapa complementar com Hernanes na vaga de Luan e logo no início a pressão dos donos da casa deu certo. Após Éverson defender a cobrança de falta do Profeta e mandar para escanteio, Alexandre Pato aproveitou o cruzamento na área para, depois de um desvio, ficar com a sobra, dominar e bater forte, deixando tudo igual no Morumbi.

Mas a blitz são-paulina não parou por aí. Um pouco depois do empate, aos nove minutos, Hernanes cobrou escanteio pela esquerda, Everton cabeceou, e a bola tocou no braço de Felipe Aguilar dentro da área. Raphael Claus, por sua vez, não titubeou e marcou o pênalti. Reinaldo, que começou a partida como capitão, foi para a cobrança e não desperdiçou, virando o jogo para o Tricolor.

A euforia da torcida deu lugar à tensão aos 15 minutos, quando Hernanes foi ao chão e teve de ser substituído por Hudson. Quatro minutos depois, contudo, os mais de 40 mil são-paulinos que estiveram presentes no Morumbi voltaram a fazer barulho graças a Raniel, que soltou uma bomba de fora da área e viu Éverson voar para fazer grande defesa.

Aos poucos, o Tricolor foi mostrando que a ausência de Hernanes não abalou o time. Aos 25 minutos, Reinaldo fez o desarme pela esquerda e tocou rasteiro para Alexandre Pato, que dominou e bateu forte, mas Éverson novamente salvou o Santos. Entretanto, no minuto seguinte, não deu para o goleiro do Peixe. Pato aproveitou o vacilo do meio-campo adversário, saiu em velocidade, contou com um tombo de Felipe Aguilar no meio do caminho e saiu frente a frente com o arqueiro rival, precisando apenas tocar no alto para fazer o terceiro e praticamente matar a partida no Morumbi.

Só que o jogo, até então tranquilo para os são-paulinos, voltou a ficar dramático com o gol contra de Raniel aos 40 minutos do segundo tempo após o cruzamento de Evandro. Novamente com apenas um gol de vantagem no placar, o Tricolor teve de segurar o ímpeto da equipe comandada por Sampaoli nos instantes finais para somar mais três importantíssimos pontos na tabela.

Sampaoli explica ‘3-2-5’ e lamenta “desconforto” em derrota no San-São

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, lamentou o “desconforto” da equipe na derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treinador explicou a opção por Lucas Veríssimo pela direita, com Victor Ferraz no banco, e disse que o time não atuou como está acostumado no clássico.

“Jogamos um jogo de muitas idas e voltas. Treinamos dessa forma, não é a que habitualmente jogamos. Tivemos chances claras, fomos para o intervalo vencendo e depois não encontramos linha de passe e jogo coletivo. Deixamos o jogo cômodo para o São Paulo. Mais do que as intenções, jogo não foi como de costume. Pensamos em transições rápidas, por isso pensamos em três centrais. Ideia era controlar a saída com três centrais e jogar num 3-2-5. Jogo nos levou a que ele (Veríssimo) fosse lateral. Não foi determinante, é coincidência (outras derrotas com três zagueiros). É fácil coincidir pontualmente porque não ganhamos. Não foi por isso, não tocamos muito, não encontramos os livres na pressão, superar o tempo que São Paulo não nos deu para sair com limpeza”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Foram dois gols de bola parada e um erro não forçado. São Paulo não criou tanto além da pressão individual. Tivemos chances no primeiro tempo, Volpi defendeu o cabeceio e tivemos aproximações antes do 3-2. Partida não nos deixa muitas coisas porque não jogamos como estamos acostumados”, completou.

Sampaoli espera que o Santos dê a volta por cima no Brasileirão e saiba pontuar mesmo em jornadas ruins.

“Espero que entendamos nossa maneira de jogar e nossos limites. Seguir trabalhando para fortalecer. Não jogaremos bem sempre e temos que seguir adiante. Não jogaremos sempre bem. Hoje não jogamos. Temos que estar cômodos com o jogo, com a bola, não correndo por 90 minutos”, afirmou.

“Temos que trabalhar muito mais para reverter jogos ruins. Temos que resolver jogando, mais além da pressão do rival. Treinamos sempre o jogo. Hoje tivemos uma queda. Ganhamos os sete e não fomos tão bons. Jogamos melhor que o rival e aproveitamos chances. Das sete chances claras do primeiro tempo, poderíamos ter mudado a história do jogo. Esse é o futebol”, concluiu.

O Santos, ainda líder, voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro no domingo (18), no Mineirão, pela 15ª rodada do Nacional.

Felipe Aguilar compromete no San-São, recebe 3º cartão e não enfrenta o Cruzeiro

Felipe Aguilar recebeu o terceiro cartão amarelo durante a derrota do Santos por 3 a 2 para o São Paulo neste sábado, no Morumbi, e desfalcará o Peixe contra o Cruzeiro no dia 18, no Mineirão, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O colombiano foi um dos piores do Alvinegro. Ele comete o pênalti ao colocar a mão na bola antes de Reinaldo virar o jogo e tropeça no lance do terceiro gol, de Pato.

“Começamos bem, tomamos dois gols e caímos um pouco. Só levantamos depois do terceiro gol. Não fizemos o que trabalhamos”, disse Aguilar, após o apito final.

Sasha lamenta ‘apagão’ do Santos, mas diz: “Essa derrota não tira o que temos feito”

Eduardo Sasha lamentou o “apagão” do Santos na derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste sábado, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Após gol de Sasha e boa etapa inicial, o Peixe sucumbiu à pressão do rival no segundo tempo e perdeu depois de sete vitórias consecutivas.

“Fiquei feliz pelo gol, mas não jogamos bem no segundo tempo. Essa derrota não vai tirar o que temos feito no campeonato. Temos que trabalhar da mesma forma”, disse Sasha.

“Entramos no segundo tempo não tão ligados como no primeiro. Eles cresceram, em dois lances infelizes… É o futebol, mas estamos no caminho certo. Ninguém pode falar que nosso trabalho não é bem feito”, completou.

Jean Mota desabafa após virar reserva do Santos: “Afeta a confiança”

Jean Mota desabafou no início da noite deste sábado, após a derrota do Santos por 3 a 2 para o São Paulo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O meia disse não entender o motivo de ter virado reserva e criticou a falta de comunicação com a diretoria. O Peixe recusou uma proposta de empréstimo do Al Ahli, dos Emirados Árabes, recentemente.

“Fiz um gol e uma assistência contra o Atlético-MG, depois nem entrei. Eu queria uma resposta. Saem matérias e eu nunca sei de nada. Não sei se a diretoria ou o treinador contam mais comigo, mas afeta a confiança”, disse Jean, na zona mista.

“Presidente manda, mas a gente tem que ter essa conversa. Ele precisa falar o que acontece. Se ele decidiu não me emprestar, não chegou até mim para saber minha intenção. Eu quero estar aqui, tenho contrato”, completou.

Depois de Jean Mota falar, o presidente José Carlos Peres também conversou com os jornalistas e negou qualquer influência da diretoria na decisão de Jorge Sampaoli: “Se chegar proposta, vamos conversar com carinho”.

Melhor jogador do Campeonato Paulista, Jean é atualmente um dos reservas de Sampaoli. O meia tem 25 anos e contrato até 30 de junho de 2022. O Santos detém 80% dos direitos econômicos.

Sampaoli responde a Jean Mota após derrota do Santos: “Colocarei quem está melhor”

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, respondeu ao desabafo de Jean Mota após a derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Jean, atualmente reserva, disse não entender o motivo para ter saído da equipe titular depois de ser o melhor do Paulistão. Sampaoli, de forma sucinta, explicou.

“Porque há quem está melhor. Ganhamos sem ele, assim como ganhamos com ele. Colocarei sempre quem creio que está melhor”, disse o treinador.