Navegando Posts marcados como 2020

São Paulo 2 x 1 Santos

Data: 14/03/2020, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público e renda: Não foi permitida entrada de torcedores.
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.
Cartões amarelos: Tchê Tchê, Arboleda e Pablo (SP); Jobson e Arthur Gomes (S).
Cartão vermelho: Jobson (S, 45-1).
Gols: Arthur Gomes (29-1); Pablo (07-2) e Pablo (21-2).

SÃO PAULO
Lucas Perri; Juanfran, Bruno Alves (Pablo), Arboleda e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves e Igor Gomes (Hernanes); Antony, Alexandre Pato e Vitor Bueno.
Técnico: Fernando Diniz

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson, Carlos Sánchez (Evandro) e Diego Pituca; Arthur Gomes, Soteldo (Tailson) e Yuri Alberto (Madson).
Técnico: Jesualdo Ferreira



São Paulo vira em cima do Santos graças a gols de Pablo e expulsão de Jobson

O São Paulo venceu seu primeiro clássico em 2020 na noite deste sábado, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista. Com portões fechados para os torcedores devido ao Coronavírus, o Tricolor fez 2 a 1 em cima do Santos, de virada, no Morumbi praticamente vazio e encaminhou a vaga antecipada às quartas de final.

Pablo foi o nome do San-São. O camisa 9, que tinha apenas um gol na temporada, este anotado logo na estreia do time, entrou no segundo tempo e precisou de 21 minutos para ir às redes duas vezes. Primeiro, aproveitou falha de Everson na saída do gol. Depois, completou cruzamento de Pato e marcou, de cabeça, em lance oriundo de uma sobra de bola após batida de escanteio.

O Peixe jogava bem e estava à frente no placar graças a um belo gol de Arthur Gomes ao melhor estilo Fernando Diniz, técnico são-paulino. Antony saiu jogando errado, Felipe Jonatan tomou a bola e Arthur Gomes deu de letra para Sánchez, que serviu Pará. O lateral devolveu de primeira e o atacante completou.

No entanto, no último lance antes do intervalo, Jobson levou um lindo chapéu de Daniel Alves e ergueu demais a perna. A marca das travas da chuteira da coxa do camisa 10 tricolor renderam o cartão vermelho ao volante santista.

Jobson saiu de campo cobrindo o rosto e chegou a sentar na escadaria de acesso ao vestiário, desolado e inconformado. Nada que evitasse a pressão que o Peixe viria a sofrer até tomar a virada.

O Santos termina, assim, a primeira fase do Campeonato Paulista sem vencer clássicos. O time praiano acumulou derrotas para Corinthians e Santos, além de um empate com o Palmeiras. O gol de Arthur Gomes, neste sábado, foi o único anotado pela equipe contra os maiores rivais.

O resultado levou o São Paulo aos 18 pontos, na liderança geral do Grupo C. Se o Ituano não vencer o Corinthians neste domingo, na Arena, o Tricolor garante a vaga antecipada. O Peixe, apesar do revés, também tem a ponta do Grupo A, com 15 pontos.

Caso o Paulistão não seja interrompido por causa do Coronavírus, o São Paulo voltará a campo para pegar o Bragantino no sábado, de novo no Morumbi. No mesmo dia, o Santos receberá o Santo André na Arena Barueri.

Veríssimo responsabiliza “gols bestas” por derrota do Santos para o São Paulo

Depois de sair na frente, mas ficar com um a menos desde o primeiro tempo, o Santos levou a virada para o São Paulo, no Morumbi, neste sábado. Na saída de campo, Lucas Veríssimo não responsabilizou a expulsão de Jobson pela derrota, mas sim os gols sofridos de bola parada.

“Tomamos dois gols bestas, de bola parada. Acredito que a gente tem que corrigir isso porque não é de hoje. Vamos conversar com o professor e corrigir, porque não pode, em um clássico, a gente perder por dois gols de bola parada”, opinou o zagueiro do Peixe aos canais Premiere.

O Santos até abriu o placar, com Arthur Gomes, aos 29 da segunda etapa. Antes do intervalo, aos 45, Jobson deu entrada dura em Daniel Alves e acabou expulso.

Em desvantagem numérica no segundo tempo, o Peixe praticamente só se defendeu e levou dois gols de bola aérea. No primeiro, Everson saiu mal na cobrança de falta e Pablo empatou o jogo. No segundo, o atacante são-paulino recebeu sozinho o cruzamento de Pato para virar.

Com a derrota, o Santos perdeu a chance de se classificar de maneira antecipada para as quartas de final do Campeonato Paulista. O Peixe ainda lidera o Grupo A com 15 pontos.

Arthur Gomes comemora gol, mas lamenta derrota no San-São

O Santos levou a virada para o São Paulo, neste sábado, mas um atleta conseguiu destaque. Substituto de Sasha, que foi desfalque por lesão no músculo posterior da coxa esquerda, Arthur Gomes marcou o gol do Peixe. Depois da partida, o atacante comemorou o tento anotado, que foi o seu primeiro em clássico.

“É uma jogada que a gente treina bastante. Quando eu não jogo, vejo que o Sasha faz essa movimentação por dentro. O professor falou para eu vir de fora para dentro. Não conseguimos a vitória, que era o mais importante, mas estou feliz pelo gol. Meu primeiro gol em clássico, fico feliz por isso e vamos seguir trabalhando para fazer mais para a torcida”, disse o jogador após a partida.

O gol de Arthur Gomes, entretanto, não foi suficiente. Isso porque, ainda no primeiro tempo, Jobson acabou expulso e o Santos jogou a etapa final com um a menos. Em desvantagem numérica, o Peixe viu o São Paulo virar a partida com dois gols de Pablo.

O atacante santista ainda lamentou a derrota, que segundo ele foi decidida nos detalhes e nos erros do Alvinegro Praiano.

“O clássico é decidido em detalhes, e infelizmente a gente acabou perdendo em campo. São coisas do jogo. Eles aproveitaram os nossos erros nas bolas paradas, e acabamos perdendo. Vamos voltar, ver os vídeos que o professor vai passar para que a gente não volte a ter esses erros”.

Derrota no clássico adia classificação antecipada do Santos no Paulistão

Com a derrota de virada para o São Paulo, no último sábado, o Santos perdeu a chance de se tranquilizar no Campeonato Paulista. Sem os três pontos, o Peixe adiou a classificação para as quartas de final da competição.

O Grupo A da competição tem o Peixe na liderança com 15 pontos, seguido de Oeste e Água Santa com 10. A Ponte Preta aparece na lanterna com 7, mas ainda joga na rodada, contra o Guarani, na segunda-feira.

Uma vitória simples poderia garantir a vaga antecipada para o Santos, caso a Ponte não vencesse o clássico campineiro. Com o revés no San-São, entretanto, o Peixe ainda corre atrás de conseguir a classificação na próxima rodada.


Santos 1 x 0 Delfín-EQU

Data: 10/03/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo G – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: portões fechados
Árbitro: Kevin Ortega (PER)
Auxiliares: Michael Orue e Jesus Sánchez (ambos do PER).
Cartões amarelos: Luan Peres, Jobson, Lucas Veríssimo, Felipe Jonatan e Jesualdo Ferreira (S); Cangá, Calderón e Alaníz (D).
Gol: Lucas Veríssimo (29-1).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Evandro); Kaio Jorge (Yuri Alberto), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira

DELFÍN SC (EQU)
Baroja; Jonathan González, Luis Canga, Agustín Ale, Nazareno; Noboa, Calderón (Benítez), Martin Alaníz, Rojas (Cifuentes), Corozo (Valencia) e Garcés.
Técnico: Carlos Ischia



Santos joga para o gasto e vence Delfín com gol de Veríssimo na Vila vazia

Nesta terça-feira, o Santos derrotou o Delfín-EQU por 1 a 0 e manteve o 100% de aproveitamento na Libertadores após duas rodadas disputadas. Respeitando a punição da Conmebol, o Peixe atuou sem o apoio de sua torcida e não precisou de uma atuação de destaque para bater os equatorianos. O único gol da partida foi marcado por Lucas Veríssimo.

O Alvinegro Praiano não contou com sua torcida, já que foi punido pela Conmebol com portões fechados por conta da confusão no Pacaembu em 2018, na eliminação da competição continental para o Independiente-ARG.

Com o resultado, o Santos se isolou na liderança do grupo G, com seis pontos somados. Na próxima rodada, a equipe recebe o Olímpia, na Vila Belmiro, na terça-feira que vem, às 21h30. Enquanto isso, o Delfín permaneceu com apenas um ponto, na terceira colocação. O próximo compromisso dos equatorianos será contra o Defensa y Justicia, na Argentina.

O jogo

O Santos iniciou a partida explorando principalmente o lado esquerdo, com Soteldo. A primeira chance perigosa do Peixe saiu dos pés do venezuelano, que levantou na cabeça de Kaio Jorge e o atacante testou pouco acima do travessão.

Aos 29 minutos da primeira etapa, o Santos abriu o placar com Lucas Veríssimo. Sánchez bateu falta pela esquerda e Veríssimo aproveitou a saída atabalhoada do goleiro do Delfín para cabecear para as redes.

Após balançar as redes, o Peixe teve duas boas oportunidades para ampliar. Primeiro, Sánchez puxou contra-ataque e encontrou Pituca, que finalizou de fora da área e exigiu defesa de Baroja. Na sequência, depois de jogada pela esquerda, Sánchez recebeu de frente para o gol e finalizou, parando novamente no goleiro. No entanto, o Delfín também assustou: após rebote de escanteio, Alaníz soltou a bomba e a bola tirou tinta da trave.

O Santos voltou em ritmo lento no segundo tempo e tomou um susto logo no início. Nazareno cruzou na entrada da área e Alaníz chegou batendo de primeira à direita da meta defendida por Everson. O meia voltou a assustar em novo chute de frente para o gol, dessa vez parando no goleiro do Peixe.

A primeira chance de gol do Santos na segunda etapa veio nos pés de Yuri Alberto, que entrou no lugar de Kaio Jorge no intervalo. Soteldo desceu pela esquerda e encontrou o atacante dentro da área, que finalizou cruzado de esquerda e a bola passou próxima da trave. Na sequência, Sánchez tentou cruzamento pela esquerda, ninguém tocou na bola e Baroja teve que cair para evitar o gol do Alvinegro.

O Delfín ensaio uma pressão no final da partida, porém não conseguiu ser efetivo e o Peixe saiu de campo com os três pontos, apesar de uma atuação apagada.

Bastidores – Santos TV:

Veríssimo minimiza atuação sem brilho do Santos e destaca 100% de aproveitamento

O Santos não esteve em uma de suas noites mais inspiradas, porém conseguiu vencer o Delfín por 1 a 0, na Vila Belmiro, com um gol marcado por Lucas Veríssimo. O zagueiro marcou de cabeça ainda no primeiro tempo, após cruzamento de Sánchez.

Na opinião do defensor, o mais importante neste momento é a pontuação do Peixe. Veríssimo reconhece que o Alvinegro Praiano “pode mais”, porém destaca o 100% de aproveitamento da equipe na Libertadores.

“Buscamos a vitória do início ao fim do jogo, infelizmente não fizemos uma grande exibição, mas o que importa na Libertadores é vencer. Conseguimos somar seis pontos em dois jogos, acredito que seja importante para a sequência do campeonato. A gente sabe que a equipe pode mais, vamos trabalhar para melhorar”, afirmou o zagueiro.

“Não em termos de concentração, mas perde a graça. O torcedor é muito importante, principalmente dentro de casa, mas infelizmente aconteceu de não poder vir. A gente entrou concentrado, mas infelizmente não fizemos um grande jogo”, completou.

Com o resultado, o Santos se isolou na liderança do grupo G, com seis pontos somados. Na próxima rodada, a equipe recebe o Olímpia, na Vila Belmiro, na terça-feira que vem, às 21h30. Antes disso, o Peixe visita o São Paulo, pelo Campeonato Paulista, no sábado, às 19h.

Lucas Veríssimo cita propostas e cobra “valorização” no Santos

Lucas Veríssimo foi o responsável por garantir a vitória do Santos sobre o Delfín, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. O zagueiro marcou o único gol do Peixe na partida, completando de cabeça cruzamento de Sánchez em batida de falta.

Após o jogo, o defensor foi perguntado sobre um suposto interesse do Atlético-MG em sua contratação, já que Jorge Sampaoli assumiu o comando dos mineiros. Veríssimo não negou a sondagem do Galo, citou propostas já recebidas desde que passou a se destacar pelo Peixe e aproveitou para reivindicar uma valorização no clube.

“Trabalhei com o professor (Jorge Sampaoli), trabalhei bem. Ouvi esses rumores, a única coisa que peço é uma valorização, já tive propostas aqui no clube e ainda não fui valorizado. Digo isso diretamente para o Peres, mas aqui quero falar sobre o jogo”, afirmou o zagueiro ao Premiere.

Desde que se firmou na zaga do Santos, Veríssimo recebeu propostas do futebol europeu em 2017 e 2018. No entanto, o clube esperava receber ofertas vantajosas pelo jogador no final do ano passado, o que não aconteceu. Dessa forma, o defensor permaneceu no plantel do Peixe.

Luan Peres critica exposição desnecessária do Santos ao fim da partida

Se por um lado a vitória sobre o Delfín nesta terça-feira foi importante para o futuro do Santos na Libertadores, por outro o Peixe apresentou um futebol sem brilho na Vila Belmiro. Além de Jesualdo Ferreira, Luan Peres também reconheceu que o Alvinegro Praiano não mostrou o brilho dos últimos jogos.

O zagueiro concedeu entrevista coletiva ao lado do treinador e destacou a exposição desnecessária do Santos ao fim da partida desta terça. Mesmo com a vantagem de 1 a 0 no placar, o Peixe cedeu espaços para contra-ataques do Delfín na reta final do jogo.

“É um ponto que tocamos no jogo, estávamos cobrando o meio-campo. Não podemos tomar contra-ataque aos 40 minutos do segundo tempo em Libertadores. Estávamos mais preocupados em fazer o gol do que defender faltando pouco tempo. Faltou um pouco de equilíbrio, experiência, não precisava se expor. E faltando cinco minutos seria difícil”, analisou o zagueiro.

“Cansaço bateu também, claro, mas terminamos inteiros para a próxima partida. É o detalhe de ter mais experiência, são lances capitais. Professor colocou o Evandro para dar mais substância, ganhamos mais o meio-campo. Tentamos segurar a bola com Arthur e Yuri, mas era difícil, defesa forte, e no próximo jogo vamos entrar mais ligados”, completou.

Jesualdo destaca falta de controle e reconhece jogo abaixo da média do Santos

O Santos chegou a sua terceira vitória consecutiva ao derrotar o Delfín por 1 a 0, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. Apesar do bom momento vivido pelo Peixe, a equipe não teve uma atuação de destaque e jogou apenas o suficiente para bater os equatorianos.

Na entrevista após a partida, Jesualdo Ferreira reconheceu que o Santos não esteve em uma noite inspirada e vitou a falta de controle como o principal problema na apresentação do Peixe na Vila Belmiro.

“Equipe nunca teve o jogo controlado, não controlou a bola como fizemos em outros jogos. Então passamos por problemas. Houve falta de controle e isso nós fazemos bem. Mas é preciso destacar a importância da vitória e a liderança do grupo”, pontuou o treinador.

Jesualdo destacou o cansaço acumulado das últimas partidas e a ausência de torcedores na Vila Belmiro como fatores que dificultaram a vida do Santos contra o Delfín.

“São três jogos a ganhar. Copo cheio ou vazio… São três vitórias. Não foi um jogo fácil, não atingimos o nível de outros jogos, com nossa qualidade. Jogadores sentiram uma pressão muito grande, com responsabilidade do jogo. Se sentiram mais à vontade na Argentina. Mas uma vitória, mais uma e num espaço curto de três dias, há o cansaço, claro, e outra parte que tem a ver com a pressão. Tenho experiência de jogar sem público e não é bom. É um campo neutro, sem pressão”, comentou o técnico.

Apesar do descontentamento com a atuação de sua equipe, Jesualdo ressaltou a boa pontuação do Santos nas duas competições que disputa nesta temporada. O treinador ainda lembrou que tem sofrido com desfalques nas últimas partidas.

“É nosso 11º jogo, Santos lidera o Campeonato Paulista e a Libertadores. Isso que é importante valorizar. Outra coisa: perdemos opções para mexer, valorizar os jogadores e ganhar até por mais. Tivemos que nos sujeitar ao jogo, e isso não é bom, mas fica a vitória. Tempo curto, difícil recuperar e estamos próximos de situação muito boa na Libertadores e Paulista. Tenho que dar os parabéns aos jogadores pela forma que trabalharam, lutaram, sofreram, nesse e em outros jogos. Sabem o quanto admiro e quanto espero que essa equipe pode chegar e fazer”, finalizou.


Santos 3 x 1 Mirassol

Data: 07/03/2020, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.762 pagantes
Renda: R$ 275.792,50
Árbitro: Ilbert Estevam da Silva
Auxiliares: Fabrini Bevilaqua Costa e Risser Jarussi Corrêa.
Cartões amarelos: Madson, Diego Pituca, Soteldo e Everson (S); Matheus Rocha e Luiz Otávio (M).
Gols: Diego Pituca (03-1), Yuri Alberto (18-1), Sasha (22-1) e Rafael Silva (31-1).

SANTOS
Everson; Madson (Pará), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Yuri Alberto (Kaio Jorge), Soteldo e Eduardo Sasha (Arthur Gomes).
Técnico: Jesualdo Ferreira

MIRASSOL
Kewin; Daniel Borges, Luiz Otávio, Reniê e Ernandes; Luís Oyama, Neto Moura (André Castro) e Camilo; Matheus Rocha (Maranhão), Chico (Dellatorre) Rafael Silva.
Técnico: Ricardo Catalá



Santos vence Mirassol na Vila Belmiro e embala no Campeonato Paulista

O Santos embalou pela primeira vez na temporada. O Alvinegro recebeu o Mirassol neste sábado e venceu por 3 a 1, em duelo válido pela 9ª rodada do Campeonato Paulista. Após vitória de meio de semana pela estreia na Libertadores, o triunfo pelo Estadual consolida a melhor fase da equipe sob comando de Jesualdo Ferreira.

Com facilidade para criar espaços e chegar ao ataque, o Peixe amassou a equipe do interior no primeiro tempo, abrindo 3 a 0 de vantagem em 22 minutos. Os visitantes diminuíram em lance de bola parada ainda antes do intervalo.

No segundo tempo, o time da casa voltou pior; reduziu a velocidade, criou menos, mas fez o suficiente para manter o resultado e sair com a vitória.

Com a vitória, o Santos abriu vantagem na liderança do grupo A, com 15 pontos, contra o nove do 2º colocado Água Santa, que ainda joga na rodada. Em caso de tropeço da 3ª colocada Ponte Preta, o Peixe só precisará de uma vitória nos últimos três jogos para assegurar uma vaga para as quartas de final.

Já o Mirassol se manteve na vice-liderança do grupo C com 13 pontos, dois a menos que o São Paulo e quatro acima do 3º colocado Inter de Limeira.

O jogo

Embalado com a vitória de meio de semana sobre o Defensa y Justicia na Argentina, o Santos não demorou para achar o caminho das redes.

Na primeira chance do jogo, logo aos três minutos, Felipe Jonatan recuperou bola do adversário, deixou com o Soteldo e correu para receber em profundidade pelo corredor esquerdo. O lateral então tocou para Pituca, que cortou o marcador na entrada da área e bateu com perfeição no ângulo esquerdo. Golaço do volante.

Os mandantes seguiram pressionando e tiveram nova chance aos cinco minutos. Soteldo cruzou da esquerda, a bola acabou desviando no zagueiro do Mirassol e atrapalhou Yuri Alberto, que cabeceou para fora. O atacante, porém, teria nova chance aos 18. Sánchez abriu para Pituca na esquerda. O volante cruzou, a defesa do Mirassol cortou mal e a bola se ofereceu para Yuri Alberto. O atacante dominou e bateu firme no contrapé para ampliar.

O terceiro saiu ainda antes da primeira meia hora de jogo. Aos 22 minutos, Yuri Alberto encontrou Sasha na meia-lua. O atacante fez o domínio já girando o corpo e bateu firme, entre dois marcadores, para acertar o canto esquerdo da meta. 3 a 0 e monólogo santista.

Os visitantes descontaram aproveitando o ponto fraco da equipe de Jesualdo neste sábado: a bola parada. Aos 31, Camilo cobrou falta pela esquerda e Rafael Silva subiu sozinho entre quatro santistas. O atacante testou para baixo no canto direito de Everson, que até chegou na bola, mas não conseguiu fazer a defesa.

Na segunda etapa, menos emoção para os dois lados. Na primeira meia hora, o Mirassol foi para cima em busca do empate e foi o responsável pelas melhores chances, embora nenhuma muito clara. Aos 13, Camilo dominou na entrada da área e bateu com perigo, para boa defesa de Everson.

Sem conseguir reduzir o placar, os visitantes viram o time da casa retomar o controle do jogo nos minutos finais, aproveitando as entradas de Arthur Gomes e Kaio Jorge. Aos 36, Arthur Gomes recebeu na área, girou e cruzou para Sánchez empurrar para as redes. O uruguaio, porém, estava impedido e o lance foi anulado.

Ainda antes do fim, o goleiro Everson tentou aproveitar a noite artilheira da equipe para guardar o seu. O goleiro cobrou falta da entrada da área aos 43 minutos, mas o chute ficou na barreira. No último lance, Kaio Jorge recebeu com muito espaço, avançou para dentro da área, mas ao invés de rolar para Soteldo livre, tentou mais um corte e a batida para o gol. A bola subiu e passou por cima da meta.

Bastidores – Santos TV:

Felipe Jonatan comenta evolução do Santos e desentediamento de Pituca e Soteldo

O Santos venceu o Mirassol neste sábado pelo Campeonato Paulista. Em boa atuação, o time de Jesualdo Ferreira mostrou evolução em relação às primeiras rodadas e anotou três gols pela primeira vez no ano.

“A gente está feliz pelos três pontos, que era o mais importante no momento. A gente vem de uma sequência boa desde o clássico contra o Palmeiras, a gente vem evoluindo, crescendo com o trabalho do professor Jesualdo”, contou Felipe Jonatan aos canais Premiere na saída de campo.

O lateral ainda comentou sopre o desentendimento entre Soteldo e Pituca, na saída do time para o vestiário ao fim do primeiro tempo.

“Em questão do Soteldo e do Pituca, é cobrança normal de time. Time grande tem que ter cobrança. Mas está tudo resolvido, dentro do vestiário mesmo apaziguamos tudo e fizemos uma ótima atuação. Sabemos que tem que mudar muito ainda, mas aos poucos a gente vai evoluindo”, concluiu.

Jesualdo elogia poder ofensivo de Madson em estreia no Santos

Um dos poucos reforços para a temporada de 2020, o lateral direito Madson estreou pelo Santos neste sábado, pela 9ª rodada do Campeonato Paulista, na vitória contra o Mirassol, na Vila Belmiro. Apesar de ter começado a partida como titular, o jogador de 28 anos ainda se adapta ao trabalho do técnico Jesualdo Ferreira, que relatou estar conhecendo o atleta.

“Vocês conhecem o Madson melhor que eu. Conheço pouco, com todo respeito. Em dois dias de trabalho ele sentiu, e decidi que deveria fazer recuperação adequada. É um lateral diferente do Pará, que tem mais experiência. Ele entrou e nada ocorreu, é mais jovem, tem a profundidade que às vezes é necessária. Está com ele, no corpo e na cabeça, a resposta necessária da lesão que teve”, afirmou.

Mesmo assim, o treinador português comentou sobre as características do lateral-direito e elogiou o desempenho do elenco santista, assim como o poder ofensivo de Madson.

“(Ele é um) lateral para frente, que vai e vem, para trás é mais difícil. Na frente vai muito bem. É preciso tirar vantagens disso. Temos dois laterais-direitos e falta o esquerdo. Temos tido respostas dentro do elenco, é uma das coisas que mais têm me dado prazer. Encontrar respostas para ter um elenco competitivo e bom. Vamos chegar lá”, concluiu.

Madson chegou ao Santos no início de 2020, mas ainda não havia atuado, já que não possuía as melhores condições físicas para entrar em campo. O lateral-direito chegou ao Peixe após uma troca com o Grêmio por Victo Ferraz, mas foi jogador do Athletico-PR em 2019.

Jesualdo exalta Pituca no Santos: “Qualidade física e força mental”

O técnico Jesualdo Ferreira deu sequência para Diego Pituca no meio-campo do Santos mesmo em meio a atuações irregulares. E deu certo.

Pituca demorou a se adaptar à função mais ofensiva, mais próximo do gol adversário e às vezes até como ponta. Jesualdo explicou a mudança tática depois da vitória sobre o Mirassol, com o primeiro gol marcado pelo meio-campista, em bonito chute de fora da área.

“Pituca é curioso. Como é possível jogar com três volantes falaram…. E eu não entendi. O meio era esse ano passado. Santos jogava no ano passado com três volantes e era ofensivo? Querem ser um pouco treinador e me explicar isso? Sempre pensei no Pituca como interior, médio interior de características ofensivas. Box to box em 90 minutos, qualidade física e força mental. Por que volante? Tinha que estar mais posicional (no ano passado). Mas gosto dele assim, até na direita como na parte final do jogo (contra o Mirassol). É um jogador que gosto muito, tem vantagem de fazer ala esquerda no 4-4-2, lateral como fez se tiver problema… Quando é para jogar só um (volante), também joga”, explicou Jesualdo.

Pituca é meia de origem, mas se acostumou a atuar como primeiro ou segundo volante no Peixe nos últimos anos. Jesualdo Ferreira enxerga o esquema tático 4-3-3, seu preferido, com um camisa 5, um 8 e um 10, à moda antiga, com um meia pela esquerda e outro pela direita. Nesse desenho, Pituca foi à frente.

Jesualdo vê Alison e Jobson como o 5, Diego Pituca e Jobson como o 8 e Sánchez e Evandro como o 10. Diante da instabilidade nas últimas semanas e a ausência do capitão, o português fez algumas trocas, como Pituca ao lado de Jobson e Evandro de 5.

O treinador tem conversado com Diego Pituca para que resgate as características de armador do início da carreira e use sua força física pelo lado do campo. O jogador, antes desanimado com as críticas do torcedor, tem se sentido mais à vontade e espera por desempenho ainda melhor na sequência da temporada.

Jesualdo pede reforço, mas relata prazer em “achar respostas” no elenco do Santos

O técnico Jesualdo Ferreira reforçou o pedido pela contratação de um lateral-esquerdo no Santos. Ao mesmo tempo, porém, falou em “prazer” por encontrar “respostas” dentro do próprio clube.

“Temos dois laterais-direitos e falta o esquerdo, vamos chegar se Deus quiser. Temos tido respostas dentro do elenco. É uma das coisas que mais têm me dado prazer. Muitos jovens, como o (Anderson) Ceará hoje (no banco). Encontrar respostas para ter um elenco competitivo e bom. E vamos chegar lá”, disse o técnico, em entrevista coletiva depois da vitória sobre o Mirassol.

Jesualdo tem avaliado diversos jogadores da base e do time B de perto. Anderson Ceará e Ivonei, meio-campistas, foram inscritos no Campeonato Paulista e devem ganhar oportunidade em breve.

Yuri Alberto e Kaio Jorge, desprestigiados em 2019, têm atuado com frequência, assim como Arthur Gomes, “reforço” depois do empréstimo à Chapecoense.

A diretoria do Santos busca uma “sombra” para Felipe Jonatan, mas a falta de dinheiro e a janela internacional de transferências fechada na maior parte dos países da Europa dificulta a contratação.

Jesualdo avalia trabalho após dois meses no Santos: “Nunca tive dúvida”

Jesualdo Ferreira avaliou o trabalho da comissão técnica após dois meses no Santos – o português foi apresentado oficialmente em 8 de janeiro e tem cinco vitórias, três empates e duas derrotas.

O treinador faz avaliação positiva e diz nunca ter duvidado de estar no caminho certo, mesmo em meio à pressão por melhor desempenho.

“Temos 50% de vitórias, gostaríamos de ter mais. Não há forma de conseguir sem tempo e trabalho. Fui claro no início quando falei sobre isso. Nunca tive dúvida sobre nosso trabalho, a cada dia sabia que esse é o caminho. Críticas aqui são normais, talvez aqui mais cedo do que estou acostumado. Equipe acreditou no que está a fazer. Quando olham para as imagens e veem o nível que não esperavam, percebem evolução, fica difícil olhar para trás. São passos para frente. É como defender, quando se perde a bola tem que pensar em passo à frente, não atrás, sem medo. São passos à frente para dar”, disse Jesualdo, em entrevista coletiva.

“São 10 jogos, tempo de trabalho é pouco e jogos foram muitos. É preciso analisar o treino, melhorar, e espaço é curto. Jogador dificilmente consegue estar no 100%, limite sem recuperar, mas é a tônica do futebol brasileiro. Jogadores sabem o que existe e o que é futuro. Estou habituado, joguei a cada três dias com frequência. É preciso encontrar os equilíbrios da equipe para que o rendimento seja mais ou menos alto independentemente dos jogadores utilizados. É a nossa tarefa agora”, emendou.

Jesualdo cita Ceni ao falar de Everson como cobrador do Santos: “Brasil tem grande exemplo”

Everson chegou ao Santos no início de 2019 com status de bom goleiro e também com a fama de bom cobrador de faltas no Ceará. E a primeira tentativa só ocorreu no último sábado, contra o Mirassol, depois de um ano.

A falta parou na barreira, mas o goleiro “quebrou o gelo” e deve ter novas oportunidades. O técnico apoia e cita Rogério Ceni como argumento.

“Ele bate bem… Foi uma pena a falta não ser do outro lado (esquerdo). Se fosse na esquerda poderia ter entrado. Brasil tem grande exemplo como Ceni, ele bate bem e tem que continuar treinando. Alguns batem bem, como Soteldo e Sánchez também, mas está tudo no princípio. Não é fácil tirarmos conclusões”, disse Jesualdo, em entrevista coletiva.

Aos 29 anos, Everson tem três gols na carreira: dois de pênalti e um de falta. O de falta foi marcado contra o Corinthians, em 2018, pelo Vozão.


Defensa y Justicia 1 x 2 Santos

Data: 03/03/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo G – 1ª rodada
Local: Estádio Norberto Tomaghello, em Buenos Aires, Argentina.
Público e renda: N/D
Árbitro: Gustavo Tejera (URU).
Auxiliares: Nicolás Tarán e Carlos Barreiro (URU).
Cartões amarelos: Botta e Benítez (DJ); Luan Peres, Lucas Veríssimo, Evandro, Kaio Jorge e Carlos Sánchez (S).
Gols: Benítez (45-1); Jobson (26-2) e Kaio Jorge (39-2).

DEFENSA Y JUSTICIA (ARG)
Unsain; Breitenbruch, Rodríguez, Martínez e Benítez; Acevedo, Mainero (Márquez) e Neri Cardozo (Ojeda); Pizzini, Botta (Coacci) e Lucero.
Técnico: Hernán Crespo

SANTOS
Everson, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Felipe Jonatan) e Luan Peres; Pará, Carlos Sánchez, Evandro (Jobson) e Diego Pituca; Eduardo Sasha; Yuri Alberto (Kaio Jorge) e Soteldo.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Alterações funcionam, e Santos vence Defensa y Justicia de virada na estreia

O Santos venceu o Defensa y Justicia por 2 a 1, de virada, noite desta terça-feira, em Buenos Aires, na estreia pela Libertadores da América.

O Peixe saiu atrás no fim do primeiro tempo, com gol de Benítez, e virou na etapa final, quando Jobson e Kaio Jorge balançarem as redes pela primeira vez com a camisa alvinegra, nos minutos 26 e 39.

O Santos fez bom primeiro tempo, principalmente na defesa, e alternou bons e maus momentos ofensivos. O Peixe de Jesualdo Ferreira fez um gol depois de três jogos, quase 400 minutos.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Mirassol, sábado, na Vila Belmiro, pela nona rodada do Campeonato Paulista. Pela Libertadores, o próximo compromisso será diante do Delfín (EQU), na próxima terça, novamente na Vila – com portões fechados.

O jogo

O Santos entrou em campo com uma formação diferente: uma espécie de 3-4-1-2 com a bola, com três zagueiros, Pará e Diego Pituca como alas, Evandro e Carlos Sánchez atrás de Eduardo Sasha e Yuri Alberto e Soteldo à frente.

A variação do técnico Jesualdo Ferreira funcionou defensivamente na maior parte do tempo. No ataque, porém, a dificuldade do Peixe continuou e não houve finalização na direção do gol no primeiro tempo.

O Alvinegro sofreu o gol em seu melhor momento, já no fim da etapa inicial. Benítez aproveitou vacilo de Luan Peres e cabeceou forte aos 45 minutos para vencer Everson.

O Santos voltou pior para o segundo tempo. O Peixe passou a ficar mais desorganizado, ofereceu mais espaço ao Defensa y Justicia e chegou a ouvir “Olé”.

E, curiosamente, o Alvinegro chegou ao gol quando era pior em campo, cenário distinto em relação aos primeiros 45 minutos. Jesualdo insistia com Soteldo pela direita, lugar onde o camisa 10 rende menos. Foi só ele ir para a esquerda e em pouco tempo achou Jobson na área. O volante, novidade na etapa final, cabeceou bonito para empatar aos 26 minutos.

O gol fez o Santos crescer na partida e chegar à virada. Soteldo tentou jogada individual e a bola sobrou para Kaio Jorge, outro substituto. O Menino da Vila avançou, se livrou da falta e marcou o segundo.

A vitória dá sobrevida a Jesualdo no comando do Peixe. Além disso, o treinador teve sinais da necessidade de armar esquema mais “simples”. A virada veio com Jobson e Diego Pituca como volantes, Soteldo na esquerda, Eduardo Sasha na direita e Kaio Jorge como centroavante, funções de preferência dos atletas.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo exalta defesa do Santos e pede confiança: “Se acreditarem no trabalho, podem conquistar”

O técnico Jesualdo Ferreira exaltou a vitória do Santos, de virada, por 2 a 1 sobre o Defensa y Justicia na noite desta terça-feira, na Argentina, na estreia pela Libertadores da América.

O português exaltou o sistema defensivo do Peixe e pediu confiança no seu trabalho.

“Não se pode errar numa competição como a Libertadores, que tem seis jogos numa fase de grupos. Quando a equipe sabe defender, e as pessoas acham que saber defender não é uma virtude… Soubemos jogar o jogo de um jeito que não propiciou ao adversário. Soubemos tirar vantagem. Se eles acreditarem naquilo que estou fazendo e no meu trabalho, podem conquistar alguma coisa. O Paulista ou a Libertadores”, disse Jesualdo.

Jesualdo também comentou sobre o plano de jogo com três zagueiros e Evandro e elogiou Jobson e Soteldo.

“Nós tínhamos um plano para a partida. Começamos com ele. Mas tem detalhes que não conseguimos segurar. A entrada do Jobson deu mais força, mais potência no meio. O Soteldo tem de jogar nos dois lados. E creio que fez uma boa partida na direita, também, e depois foi dar uma assistência também para o segundo gol”, analisou.

“No primeiro tempo foi muito difícil para controlar o lado esquerdo da defesa. Corrigimos na segunda parte, mas o mais importante foi que com a passagem do Yuri para o meio e depois o Kaio (Jorge), os problemas que o Defensa não tinha passou a ter”, completou.

“Susto” na Argentina faz Jesualdo reforçar pedido por contratação no Santos

Jobson revelou sua “teimosia” para marcar seu primeiro gol pelo Santos, o de empate na virada por 2 a 1 sobre o Defensa y Justicia nesta terça-feira, na Argentina, pela estreia na Libertadores da América.

O volante entrou no segundo tempo para atuar entre os dois zagueiros, mas observou um caminho e aproveitou a chance após cruzamento de Soteldo.

“O professor tem uma experiência, conhece os jogadores. Ele sabe quem coloca, temos de confiar no trabalho dele. Temos de fazer o que ele pede… Eu tomei até uns puxões de orelha nos anos passados porque saía muito, mas vi um espaço. Fui um pouco teimoso. O professor estava gritando para ficar no meio dos zagueiros. Fui muito feliz e tenho de agradecer”, disse Jobson, em entrevista coletiva.

Pituca destaca ‘cara de Libertadores’ do Santos: “Grande segundo tempo”

Diego Pituca destacou a raça do Santos para virar e vencer o Defensa y Justicia por 2 a 1 na noite desta terça-feira, na Argentina, pela estreia na Libertadores da América.

O meio-campista comentou sobre as instruções no vestiário e a melhora na etapa final para ganhar com gols de Jobson e Kaio Jorge.

“Acredito que o primeiro tempo nós ainda estávamos assimilando a equipe deles, tentando entender o jeito que jogavam, e, claro, teve o nervosismo natural de uma estreia. No intervalo, o professor Jesualdo conversou com a gente, passou ideias e aí conseguimos por em prática o que for pedido. Fizemos um grande segundo tempo, com muito garra, com cara de Libertadores, com cara de Santos”, disse Pituca.

“Esse é o espírito, essa união do grupo precisa fazer a diferença. Vamos voltar pro Brasil, estudar o que erramos hoje, prestar atenção nos detalhes e buscar a evolução para os próximos jogos. O que mais importa agora são os três pontos, começar a Libertadores com vitória, com confiança e motivação para as próximas rodadas”, completou.

“Susto” na Argentina faz Jesualdo reforçar pedido por contratação no Santos

O “susto” do Santos na vitória por 2 a 1 sobre o Defensa y Justicia na última terça-feira, na Argentina, faz Jesualdo Ferreira reforçar o pedido por uma contratação.

O técnico quer um lateral-esquerdo para disputar posição com Felipe Jonatan. A ausência do titular, único especialista no elenco, quase causou estrago na estreia pela Libertadores da América.

O Peixe sofreu pelo lado esquerdo da defesa com Luan Peres como zagueiro por ali e Diego Pituca de ala. Jesualdo trouxe Eduardo Sasha para a ponta em busca de reforçar a marcação no setor.

“No primeiro tempo foi muito difícil para controlar o lado esquerdo da defesa. Corrigimos na segunda parte, mas o mais importante foi que com a passagem do Yuri para o meio e depois o Kaio (Jorge), os problemas que o Defensa não tinha passou a ter”, resumiu o treinador, em coletiva de imprensa.

Além da dificuldade financeira do clube, o Alvinegro tem o problema da janela internacional de transferências estar fechada nos principais países. Dessa forma, a procura precisa ocorrer no mercado interno ou com quem está sem contrato. E a inscrição na Libertadores só seria permitida numa possível oitavas de final.

Kaio Jorge, após 1º gol pelo Santos: “Um ano atrás eu estava assistindo a Libertadores na TV”

Kaio Jorge diz ter vivido uma das melhores noites de sua vida na última terça-feira, na vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Defensa y Justicia, na Argentina.

O atacante de 18 anos fez seu primeiro gol pelo Peixe, logo na sua primeira participação na Libertadores da América. O gol da virada e dos três pontos na estreia.

“Eu não sei nem como começar.. O primeiro a gente nunca esquece!! essa foi uma das melhores noites da minha vida. Sempre fui sonhador, mas jamais imaginei que os sonhos seriam realizados desse jeito, aos 18 anos, da maneira que aconteceu. Dois anos atrás eu estava sentado em frente à televisão assistindo o Santos jogar na Libertadores, ontem, eu entrei em campo com esse manto sagrado nessa mesma competição que eu sempre quis jogar. Fiz o gol, ajudei meus companheiros e de quebra ainda estamos levando três pontos para o Brasil. Muito feliz por isso, por esse momento. Obrigado, Deus! Obrigado família, amigos e companheiros de clube. Que esse sonho se transforme em mais sonhos, e que seja apenas o início de uma grande caminhada. Feliz demais”, publicou Kaio.

Promovido ao elenco profissional ainda em 2018, Kaio tem 12 partidas pelo Alvinegro e espera ganhar mais oportunidades na sequência da temporada.

Torcedores do Santos relatam racismo no jogo contra o Defensa y Justicia

Os santistas que estiveram no estádio Norberto Tomaghello, na Argentina, na última terça-feira, relataram gestos de cunho racista por parte de um torcedor do Defensa y Justicia. Em vídeo divulgado nas redes sociais, um homem faz imitações de macaco em direção aos brasileiros.

O vídeo não demorou para tomar grandes proporções nas redes sociais, e diversos torcedores passaram a cobrar uma postura da Conmebol, entidade organizadora da Libertadores.

Entre os clubes, o Santos ainda não se manifestou sobre o caso. O Defensa y Justicia, por sua vez, publicou um comunicado de repúdio às ofensas racistas, pedindo desculpas ao clube paulista. Os argentinos ainda ressaltaram que pregam o respeito e cordialidade com os torcedores visitantes.

Dentro de campo, o resultado foi positivo para os brasileiros. O Peixe conseguiu uma virada e venceu por 2 a 1 em sua estreia na Copa Libertadores.


Santos 0 x 0 Palmeiras

Data: 29/02/2020, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 8ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.371 presentes (18.662 pagantes e 1.709 não pagantes)
Renda: R$ 752.580,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Alex Ang Ribeiro.
Cartões amarelos: Felipe Jonatan, Lucas Veríssimo e Sanchez (S); Felipe Melo (P).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Luiz Felipe); Alison (Jobson), Carlos Sánchez e Diego Pituca (Arthur Gomes); Yuri Alberto, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira

PALMEIRAS
Weverton; Gabriel Menino, Felipe Melo, Gustavo Gomez e Viña (Diogo Barbosa); Bruno Henrique, Zé Rafael e Raphael Veiga (Gabriel Veron); Dudu, Willian e Luiz Adriano (Rony).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos e Palmeiras fazem jogo franco no final, mas ficam no empate

O Estádio do Pacaembu recebeu um clássico com poucas emoções até o final do segundo tempo na tarde deste sábado, pelo Campeonato Paulista. Santos e Palmeiras fizeram uma disputa franca nos últimos minutos, mas o duelo que marcou a esperada estreia de Rony terminou com empate por 0 a 0.

Com 12 pontos, três a mais do que o Água Santa, o Santos permanece na liderança do Grupo A do torneio estadual. Já o Palmeiras desperdiçou a chance de estabelecer a melhor campanha e, com 17 pontos, fica no segundo posto do Grupo B, dois atrás do Santo André.

O jogo:

Palmeiras e Santos fizeram um primeiro tempo sem grandes oportunidades de gol no Estádio do Pacaembu. Após vacilo de Felipe Jonatan na saída de bola, Zé Rafael poderia ter acionado Luiz Adriano livre pela direita, mas preferiu chutar em cima da marcação.

Pouco depois, foi Bruno Henrique quem falhou na saída de bola e proporcionou um momento de perigo ao Santos. Soteldo recebeu de Yuri Alberto e, de frente para o gol, chutou de fora da área. A bola, porém, não saiu muito forte e passou à direita de Weverton.

Em mais uma chegada do Santos, Yuri Alberto sofreu falta de Felipe Melo na entrada da área. Sanchez bateu direto e Weverton defendeu. O time alvinegro dominou durante a maior parte do primeiro tempo, mas o Palmeiras conseguiu equilibrar nos minutos finais.

Colocado no lugar de Luiz Adriano, o estreante Rony recebeu lançamento longo de Weverton logo no começo do segundo tempo e tentou dominar. A bola bateu no braço de Pará dentro da área e o árbitro pensou em marcar pênalti, mas o assistente apontou impedimento do atacante palmeirense de forma equivocada.

O Santos contou com vacilo de Diogo Barbosa para responder. Ao cortar lançamento de Sanchez para Soteldo, o lateral esquerdo, colocado no lugar de Viña, acabou ajeitando na entrada da área. Atento, Sasha completou e a viu a bola passar à direita do gol defendido por Weverton.

Com Dudu como articulador desde a entrada de Gabriel no Veron no lugar de Raphael Veiga, o Palmeiras cresceu. Na melhor chance da partida, Willian recebeu do camisa 7 pela esquerda e bateu cruzado, com muito perigo. O clássico foi aberto nos minutos finais, mas não teve gols.

Soteldo se vê mais protagonista em 2020 e diz que Santos ganhou confiança no clássico

O Santos ficou apenas no empate com o Palmeiras neste sábado, porém a avaliação da comissão técnica e do elenco foi positiva. Além de Jesualdo ter elogiado a performance da equipe, Soteldo destacou a confiança que o Peixe ganhou após o clássico e ressaltou que não ficou surpreso pelo Alvinegro ter encarado o Alviverde de igual para igual.

“Não surpreendeu. Gostei, porque a gente conseguiu um pouco do ano passado. Para mim foi bom, apesar do 0 a 0, o que o time mais precisava era ganhar confiança”, afirmou o atacante.

Neste sábado, Soteldo atuou aberto pela direita. O atacante fez questão de demonstrar que está disposto a jogar em posições diferentes, além de dizer que ganhou um maior protagonismo em 2020.

“Estou pegando mais na bola. Agora sou mais protagonista do que no ano passado, quando jogava mais aberto. Tenho que me adaptar às posições de cada jogo”, completou.

Com o resultado deste sábado, o Santos chegou aos 12 pontos, ainda na liderança do grupo A do Paulistão.

Sánchez enxerga mudanças após semana de trabalho e vê Santos no caminho certo

Com uma semana inteira livre para se preparar após a derrota para o Ituano, o Santos apresentou uma melhora no desempenho neste sábado, no clássico com o Palmeiras. Para Carlos Sánchez, o Peixe teve uma postura diferente durante os dias que antecederam a partida e essas mudanças tiveram impacto na performance contra o Alviverde.

“Nessa semana, já tivemos uma mudança muito grande em relação ao que vínhamos fazenda. Trabalhamos muito ligados, com todos concentrados, sabendo do que queríamos. Acho que hoje foram vistas as mudanças da semana”, afirmou o uruguaio.

Sánchez lamentou o fato do Santos não ter saído do Pacaembu com os três pontos, porém acredita que a equipe está evoluindo.

“Fizemos um grande clássico. Não conseguimos chegar à vitória, que era muito importante, mas sabemos que temos coisas importantes pela frente. Temos que manter a tranquilidade, porque estamos no caminho correto”, finalizou.

Jesualdo rebate críticas recebidas no Santos: “Atingem os jogadores”

Desde que chegou ao Santos, Jesualdo Ferreira ainda não conseguiu tornar o Santos regular em campo e, por conta do desempenho abaixo do esperado, já recebeu diversas críticas. Apesar de ser o grande alvo das reclamações, o treinador prefere mostrar preocupação com o impacto delas nos jogadores.

Na entrevista concedida após o empate com o Palmeiras, destacou que as críticas atrapalham o desenvolvimento técnico do elenco, que acaba perdendo confiança.

“Eu tenho que ficar com aquilo que a gente faz e com aquilo que os jogadores fazem. Porque essas críticas não me atingem, atingem os jogadores. Eles sofrem com as críticas e acabam tendo menos tranquilidade para jogarem no nível em que são capazes”, afirmou o treinador.

Jesualdo avaliou positivamente seu trabalho à frente do Santos até o momento. Além disso, o técnico condenou a avaliação feita apenas focada nos resultados obtidos pela sua equipe.

“Só tenho que olhar para o meu trabalho. Estou feliz, acho que fizemos um grande trabalho até agora, com boa capacidade de adaptação. Estamos trabalhando com jogadores que não conhecíamos, assim como não conheciam a gente”, pontuou Jesualdo.

“Pouca gente se lembra das dificuldades que enfrentamos desde o início do ano, das ausências dos jogadores. Fico feliz quando fazemos o jogo que fizemos hoje, apesar de analisarem apenas os resultados. Já percebi que ganhar, empatar ou perder gera sempre críticas negativas”, completou.