Navegando Posts marcados como América-MG

América-MG 2 x 1 Santos

Data: 18/11/2018, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 4.652 pagantes
Renda: R$ 31.955,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Kleber Lúcio Gil (SC) e Heronildo Freitas da Silva (PA).
Cartões amarelos: Norberto, Zé Ricardo, Rafael Moura e Christian (A); Bruno Henrique (S).
Gols: Rafael Moura (30-1) e Gabriel (45-1); Matheusinho (19-2).

AMÉRICA-MG
João Ricardo; Norberto, Messias, Matheus Ferraz e Carlinhos (Giovanni); Juninho, Zé Ricardo e Matheusinho (Christian); Ademir (Aylon), Luan e Rafael Moura.
Técnico: Givanildo Oliveira

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Alison, Gustavo Henrique e Dodô; Bruno Henrique (Arthur Gomes), Guilherme Nunes (Renato), Diego Pituca e Copete (Eduardo Sasha); Rodrygo e Gabriel.
Técnico: Cuca



Santos perde para o América-MG e fica longe da Libertadores

O Santos perdeu por 2 a 1 para o América-MG neste domingo, no Estádio Independência. O gol do Peixe foi marcado por Gabigol. Os donos da casa balançaram as redes com Rafael Moura e Matheusinho.

Com a quarta derrota consecutiva, o Alvinegro caiu para a 10ª colocação, com 46 pontos, sete atrás do Atlético-MG, primeiro no G6, a três rodadas do fim. Santos e Galo se enfrentarão na 37ª e última rodada do Campeonato Brasileiro.

O América subiu duas colocações e agora é o 17º, ainda na zona de rebaixamento, com 37 pontos. Chapecoense, a 18ª, e Ceará, o 16º, ainda jogarão na rodada.

O jogo

O Santos começou melhor o jogo e teve chances consecutivas com Gabigol e Copete para abrir o placar. Aos oito minutos, porém, o América-MG acertou o travessão do goleiro Vanderlei em chute forte de Ademir. E daí em diante, só deu os donos da casa.

Um minuto depois, Guilherme Nunes sentiu problema no quadril e deu lugar ao veterano Renato. A experiência do camisa 8 não surtiu efeito e o América seguiu em cima. Matheusinho chutou fraco aos 12 e Ademir tentou duas vezes aos 18 e aos 21.

Aos 30, a pressão surtiu efeito. Em falha coletiva do Santos, Dodô perdeu para o Luan caído no chão, Alison saiu errado, Gustavo Henrique furou após passe de Ademir e Diego Pituca foi facilmente driblado por Rafael Moura. O He-Man chutou bonito para vencer Vanderlei.

No minuto 37, Rafael Moura quase ampliou. Carlinhos cruzou, Gustavo Henrique falhou novamente e o centroavante chutou forte para ótima defesa do goleiro Vanderlei. E quando tudo indicava a vitória parcial do América-MG antes do intervalo, veio a surpresa.

Copete derrubou Ademir, mas a arbitragem não marcou falta. O colombiano inverteu o jogo e Bruno Henrique cruzou bonito para Gabigol, artilheiro do Campeonato Brasileiro, finalizar ainda mais bonito aos 45 minutos. Empate injusto antes do apito do juiz.

O gol “achado” no fim do primeiro tempo não serviu para o Santos acordar. A etapa final teve o América-MG novamente com mais iniciativa, mantendo a posse de bola e criando as principais oportunidades.

Sem espaço para entrar na área santista, o América apostou em finalizações de longe – e deu certo. Aos 19, Matheusinho recebeu na intermediária completamente sozinho. O jovem arriscou e contou com desvio em Gustavo Henrique para matar Vanderlei. 2 a 1 no placar.

Com a vantagem, o América-MG se fechou e deixou a bola com o Santos. Apático, o time não parecia desesperado para ainda sonhar com uma vaga na Libertadores da América em 2019. O Peixe não reagiu e não criou uma chance sequer de empatar novamente.

Enquanto isso, o América quase ampliou. Aos 38 minutos, Christian acertou a trave em cobrança de falta. Os donos da casa administraram nos instantes finais e conseguiram a importante vitória.

Cuca diz que Santos tem que dar graças a Deus por não cair

Após a derrota por 2 a 1 para o América-MG neste domingo, no Independência, Cuca valorizou a permanência do Santos na Série A do Campeonato Brasileiro.

O tropeço deixa o Peixe muito longe de uma vaga na Libertadores da América em 2019. Mesmo assim, o técnico acha o não rebaixamento precisa ser comemorado.

“Eu falo a verdade. Com tudo de ruim que está hoje, nós temos de dar graças a Deus que nós demos aquela arrancada fantástica e nos livramos da luta lá embaixo. Hoje, se estivéssemos nessa luta, seria difícil levantar o astral e partir para a recuperação. Agradeço a Deus pela arrancada que demos. Se estivéssemos nesse bolo, o risco seria grande”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Perguntado sobre as quatro derrotas consecutivas – Palmeiras, Chapecoense, Flamengo e América-MG -, Cuca não soube explicar os motivos.

“São quatro derrotas, começou contra o Palmeiras, perdemos naquele 3 a 2, depois tínhamos a Chapecoense, muitas baixas e perdemos por 1 a 0. Perdemos para o Flamengo também, jogo relativamente bem e hoje, complicado, América-MG jogou muito bem dentro da proposta, correram, lutaram. Jogamos muito mal o segundo tempo, diferentemente dos outros jogos. Foram quatro jogos com rendimento abaixo, infelizmente, e temos que assumir essa responsabilidade da culpa da derrota. Sou o comandante e quem responde é o comandante. Não sei dar um motivo de termos caído, de repente por ter chegado lá atrás, ter dado arrancado e chegado à luta, de repente achou que já tinha feito obrigação e não é assim. Futebol tem que provar todo dia, é roda gigante. Hoje já estamos em baixo. Perder quatro seguidas em time grande não é normal. Se bem que eu entendo que foram muitas baixas, principalmente no setor defensivo, a gente fica mais fragilizado, mesmo que venha a improvisar, perde-se alguma coisa. Hoje mesmo eu tinha menino de 17 anos (Kaique Rocha) para pôr, mas não vi um treino no profissional. Até acho bom não ter jogado. Se joga como os demais, iria queimar o menino. Dos males pelo menos isso, guardar ele para uma condição melhor. Ele tirou a clavícula do lugar, era temeroso colocar. As baixas mexeram muito contra a Chapecoense e hoje, zagueiros machucados e os que foram servir a seleção”, analisou.

Após longo papo com elenco e presidente, Cuca diz: “Não fomos merecedores de estar no Santos”

A comissão técnica do Santos, elenco e o presidente José Carlos Peres se reuniram por mais de uma hora no vestiário do Estádio Independência após a derrota por 2 a 1 para o América-MG, neste domingo.

Cuca diz que a permanência em 2019 não foi discutida e revelou parte da conversa. O técnico afirmou que eles não foram merecedores de estar no Peixe por conta da atuação em Belo Horizonte.

“Eu estou muito sentido com o jogo de hoje. Não esperava que a gente jogasse um segundo tempo como jogamos. O América mereceu vencer. Jogou melhor que nós. Agora tem de se pensar na quarta-feira (Botafogo). Não tem mais que ficar pensando no montante (de pontos para a Libertadores em 2019″. Nossa decepção é muito grande. Temos de ter a grandeza. Não fomos merecedores de estar no Santos. Hoje foi um jogo que deixamos uma dívida muito grande com o torcedor”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Não foi uma reunião pensando em ficar ou sair. Foi uma reunião geral. Foi cobrado, foi posto. Ninguém está satisfeito, ninguém está feliz. A gente está em dívida com o torcedor. Eles têm mais de ouvir que falar. Temos de levar em consideração os desfalques. É muita mexida, mas não serve como desculpa. Foram quatro resultados ruins. Hoje o recado que a gente dá é aguentar a cobrança porque é assim. O trabalho não acabou. Temos de fazer o melhor até o fim”, completou.

A Gazeta Esportiva ouviu um dos membros da comissão técnica do Santos. O profissional garantiu a permanência de Cuca até pelo menos o fim do ano e elogiou o apoio do presidente José Carlos Peres no Estádio Independência.

Dodô desiste de Libertadores no Santos para “não enganar o torcedor”

O Santos tem chances matemáticas de se classificar para a Libertadores da América de 2019, mas Dodô prefere jogar a toalha para não enganar o torcedor depois da derrota por 2 a 1 para o América-MG, neste domingo, no Estádio Independência.

“É ser realista nesse momento (da briga pela Libertadores), terminar o ano com dignidade, não vamos conseguir essa vaga na Libertadores. Não estamos aqui para enganar o torcedor e nem nós mesmos. Podemos olhar no olho do torcedor e dizer que demos o máximo, saímos da décima oitava posição, num momento difícil para sonhar com a vaga”, disse o lateral-esquerdo, antes de citar a política do clube como um dos problemas na temporada.

“Demos nosso máximo para atingir o objetivo de não cair esse ano, um momento difícil de política, tudo que vivemos nos bastidores… Estamos felizes também por não estarmos em uma posição pior na tabela. Temos que olhar para o torcedor e dizer que estamos tristes pela vaga na Libertadores, mas futebol é assim. É erguer a cabeça e competir entre os melhores”, completou.


Santos 0 x 1 América-MG

Data: 29/07/2018, domingo, 19h00.
Competiçao: Campeonato Brasileiro – 16ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.691 pagantes
Renda: R$ 155.868,00
Árbitro: Rafael Traci (PR).
Auxiliares: Bruno Boschilia (Fifa/PR) e Rafael Trombeta (PR).
Cartões amarelos: Alison e Gustavo Henrique (S); Carlinhos e Juninho (A).
Gol: Ruy (38-1, de pênalti)

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca (Jean Mota) e Eduardo Sasha (Yuri Alberto); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabriel (Arthur Gomes).
Técnico: Serginho Chulapa (interino)

AMÉRICA-MG
João Ricardo; Aderlan, Messias, Matheus Ferraz e Carlinhos; Juninho, David, Gerson Magrão (Zé Ricardo) e Ruy (Judivan); Giovanni e Marquinhos (Ademir).
Técnico: Adilson Batista



Gabigol perde chances, Chulapa mexe mal e Santos é derrotado pelo América-MG

O Santos perdeu por 1 a 0 para o América-MG neste domingo, na Vila Belmiro, e pode terminar a rodada 16 do Campeonato Brasileiro na zona de rebaixamento se o Bahia empatar com o Atlético-MG, em casa, nesta segunda-feira. O Peixe ficou com a 16ª colocação e o Coelho subiu para 10º.

O gol do América foi marcado por Ruy, em pênalti inexistente de Alison em Marquinhos aos 38 minutos do primeiro tempo – o goleiro Vanderlei quase defendeu. E na segunda etapa, faltou talento e sorte para o alvinegro.

Gabigol desperdiçou chances claras e a saída para a entrada de Arthur Gomes foi comemorada pela torcida. Yuri Alberto perdeu oportunidade incrível no rebote do goleiro João Ricardo e Gustavo Henrique e Rodrygo acertaram o travessão.

É necessário destacar que o técnico interino Serginho Chulapa também foi mal. Eduardo Sasha sentiu a coxa esquerda e foi substituído no intervalo para a entrada de Yuri Alberto. Com isso, Rodrygo, destaque pela direita no primeiro tempo, foi para a armação e sumiu. E aos 14, o treinador sacou Diego Pituca, o melhor da equipe, para dar vaga a Jean Mota. A torcida o chamou de burro.

O jogo

O Santos dos primeiros 45 minutos contra o América-MG foi parecido com o time do ex-técnico Jair Ventura. Posse de bola, passes curtos, lançamentos, cruzamentos e poucas chances claras criadas.

O Peixe parecia controlar o jogo e foi perigoso principalmente pelo lado direito, na afinidade da dupla Victor Ferraz-Rodrygo. Na ala esquerda, porém, Dodô e Bruno Henrique não se entenderam, assim como no empate em 1 a 1 com o Flamengo.

E quando a partida caminhava para o intervalo com o zero no placar, a arbitragem virou protagonista. Marquinhos caiu após leve toque de Alison e o pênalti foi assinalado aos 38 minutos. O goleiro Vanderlei quase pegou, mas Ruy converteu.

Depois de sair atrás, o Santos aumentou o ritmo e passou a assustar mais o goleiro João Ricardo. Aos 44, Bruno Henrique chutou na rede pelo lado de fora e enganou alguns torcedores.

O Santos voltou para o segundo tempo com Yuri Alberto na vaga de Eduardo Sasha, que sentiu um desconforto na coxa esquerda. E a alteração comprometeu a criação ofensiva.

A substituição forçou Rodrygo a atuar pelo meio e deslocou Gabigol para a direita. A joia sumiu, Gabriel errou em demasia e o time passou a ser dependente do lado esquerdo, onde Dodô e Bruno Henrique passaram a acertar mais.

E aos 14 minutos, o técnico interino Serginho Chulapa ouviu vaias e gritos de “burro” ao tirar Diego Pituca, o melhor do time, para a entrada de Jean Mota, que nada fez. Gabigol, depois de três boas chances desperdiçadas, recebeu xingamentos a cada vez que pegou na bola. A torcida comemorou a saída do camisa 10 para dar vaga a Arthur Gomes.

De forma atabalhoada, o Santos se lançou ao ataque e percebeu a partir dos 20 minutos, que a noite não seria de sorte. Rodrygo acertou o travessão em cobrança de falta. Aos 32, Jean Mota arriscou de longe, João Ricardo espalmou e Yuri Alberto, sozinho, com o goleiro caído, chutou para fora. E aos 37, Gustavo Henrique cabeceou no travessão. Os minutos finais foram de desespero e nada da rede balançar.

A atuação santista neste domingo mostrou a necessidade urgente de um substituto para Jair Ventura e a carência de um centroavante. Gabigol, camisa 10 e maior salário do elenco, está cada vez mais perto do banco de reservas.

Bastidores – Santos TV:

Chulapa defende Yuri e Gabigol, mas pede um 9 e lamenta falta de treinos no Santos

Sem pontaria, o Santos perdeu por 1 a 0 para o América-MG neste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe finalizou 30 vezes e cruzou 69 bolas na área. Gabigol e Yuri Alberto foram os maiores “vilões”. Gabriel desperdiçou ao menos três boas chances e Yuri, sozinho, com o goleiro João Ricardo caído, chutou para fora após rebote em chute de Jean Mota no segundo tempo.

O técnico interino defendeu a dupla, mas foi mais um a pedir um centroavante no alvinegro, assim como fazia o ex-técnico Jair Ventura. O único de origem é Yuri Alberto e a falta é sentida desde a saída de Ricardo Oliveira, em dezembro, para o Atlético-MG.

“Gabriel é o seguinte: não é centroavante. Quando ele jogava com o Ricardo Oliveira, toda hora estava na cara do gol. Ele tem que vir de trás e pelas pontas. E tinha um centroavante de referência. Quando tiver, tendência é que ele melhore”, analisou Chulapa, antes de falar sobre Yuri.

“Não (ficará queimado). É um moleque de 17 anos, acompanho desde pequeno. Teve uma grande chance, mas ele tem personalidade, estou com ele no dia a dia. Isso faz parte, mas ele podia fazer o gol, né? Tem que dar moral. Entrou, procurou fazer o melhor e, infelizmente, não deu”, completou.

Chulapa ainda “culpou” a falta de treinamentos pelas várias finalizações erradas na Vila Belmiro. E o treinador admitiu que o time não conseguiu cumprir à risca uma orientação.

“Falei na preleção para cruzar por baixo por causa dos zagueiros altos e insistiram pelo alto, mesmo com a bola na trave do Gustavo. É o desespero, principalmente no final. Com defesa alta, Santos tem que jogar no chão, fez isso em alguns momentos e levou perigo”, explicou.

“Negócio é treinar, meu! Não tivemos tempo de treino necessário, uma semana, para finalizações. Futebol tem que treinar fundamentos no dia a dia e não tivemos esse tempo. Quando tivermos, pontaria vai melhorar. Gostei do empenho, criamos bastante, mas não fizemos. Se conseguíssemos pelo menos o empate, ficaria de bom tamanho. Agora é pensar no jogo difícil de quarta-feira”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro na quarta-feira, de novo na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. O Peixe ainda não definiu um substituto para Jair Ventura e pode ter Serginho Chulapa mais uma vez no banco de reservas.

Chulapa vê Santos ‘correspondendo às expectativas’ e minimiza vaias: “Nunca fui burro”

O técnico interino Serginho Chulapa foi vaiado e chamado por alguns de burro durante a derrota do Santos por 1 a 0 para o América-MG neste domingo, na Vila Belmiro. O auxiliar aprovou o empenho do time e minimizou a cobrança da torcida.

“Foi um jogo em que tivemos sete finalizações (certas), América-MG veio por uma bola, pênalti duvidoso… Não faltou empenho e dedicação dos jogadores. Chances umas cinco ou seis para empatar e não tivemos competência. Foi um resultado injusto, mas o que vale é bola na rede e não adianta lamentar. Time correspondeu à expectativa, mas vitória não veio”, disse Chulapa, em entrevista coletiva.

“Eu não ligo, nunca fui burro. Pituca estava um pouco esgotado e Jean Mota entrou bem. Não ligo, isso faz parte do folclore do futebol. Não se pode satisfazer a todos. Fiz a substituição com a maior certeza”, completou Chulapa.

Eduardo Sasha sentiu um desconforto na coxa esquerda e foi substituído no intervalo para a entrada de Yuri Alberto. Com isso, Rodrygo passou a ser armador e “sumiu” em campo depois de um bom primeiro tempo. Na sequência, Diego Pituca, um destaque, saiu para dar a vaga a Jean Mota. Por fim, com a derrota parcial, Gabigol foi sacado e vaiado para Arthur Gomes atuar.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro na quarta-feira, de novo na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. O Peixe ainda não definiu um substituto para Jair Ventura e pode ter Serginho Chulapa mais uma vez no banco de reservas.


Santos 1 x 0 América-MG

Data: 11/12/2016, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.531
Renda: R$ 209.660,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Mauricio Coelho Silva Pena (ambos de RS).
Cartões amarelos: AMÉRICA-MG: Juninho.
Gol: Ricardo Oliveira (03-2)

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Yuri e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Elano); Vitor Bueno (Jean Mota), Copete (Rafael Longuine) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

AMÉRICA-MG
Glauco; Hélder, Messias, Roger e Diego; Juninho, Cristian, Renato Bruno e Guilherme Xavier (Nixon); Osman e Michael.
Técnico: Enderson Moreira



Em dia de homenagens, Santos bate América-MG e fica com o vice

O Santos é o vice-campeão brasileiro de 2016. Em tarde de domingo recheada de homenagens à Chape e ao agora aposentado Elano, o Peixe não precisou fazer muito esforço para bater o já rebaixado América-MG por 1 a 0, na Vila Belmiro, na última rodada da competição. Beneficiado pelo tropeço do Flamengo, que só empatou com o Atlético-PR, na Arena da Baixada, o alvinegro garantiu a segunda colocação do nacional.

Com o único gol da partida marcado por Ricardo Oliveira, aos três minutos do segundo tempo, o Santos alcançou os 71 pontos e igualou o Rubro-Negro. Porém, a equipe de Dorival Júnior tem uma vitória a mais, e por conta disso, ficou com o vice do Brasileirão e garantiu R$ 3,4 milhões a mais na conta. O América-MG, por sua vez, se despediu com mais uma derrota e a lanterna do torneio nacional.

Agora, os santistas entram em férias e só voltam a treinar no próximo dia 11 de janeiro, no CT Rei Pelé, visando as disputas do Campeonato Paulista e da Copa Libertadores da América, competição que o clube não joga há quatro anos. O Coelho, que havia liberado 14 atletas, também entra em período de descanso e tentará voltar à primeira divisão do Brasileiro na próxima temporada.

O jogo

Antes da bola rolar, a Vila Belmiro se encheu de emoção para homenagear as vítimas da tragédia com o avião da Chapecoense. Inicialmente, o telão do estádio passou vários gols do Santos na voz do narrador Deva Pascovicci, que foi uma das vítimas e era santista de coração. Na sequência, o índio Carlinhos, mascote do clube de Santa Catarina, entrou no gramado e saudou a torcida alvinegra.

Das arquibancadas saíram gritos homenageando o time de Chapecó, além do meia Cléber Santana e do zagueiro Neto, que já passaram pelo Peixe. Por fim, os jogadores do alvinegro, que vestiam uma camisa com os escudos da Chape e do Atlético Nacional, se juntaram a jornalistas e aos atletas do América-MG. Eles se abraçaram e no centro do gramado, fizeram um minuto de silêncio.

Se antes da partida começar a emoção tomou conta da Vila, o mesmo não pode ser dito quando a bola rolou. Mesmo trocando passes com facilidade e sendo pouco assustado pelo remendado Coelho, o alvinegro mostrava muita apatia e parecia que já havia antecipado as férias.

O jogo era tão monótono na Vila que a única chance que realmente animou a torcida na primeira etapa aconteceu apenas aos 31 minutos. Em boa movimentação, Victor Ferraz avançou e cruzou da direita. O colombiano Copete se antecipou a zaga e cabeceou na trave. No rebote, Zeca apareceu livre, mas bateu para fora.

Após o apito de Leandro Vuaden encerrando o primeiro tempo, o Urbano Caldeira voltou a ser palco de homenagens. Desta vez, o meia Elano, que fazia sua despedida como jogador profissional, foi até o centro do gramado e acompanhou um vídeo com vários amigos desejando sorte em sua nova carreira de auxiliar técnico. O jogador ainda teve seu nome cantado pela torcida alvinegra durante o intervalo.

Na volta para o segundo tempo, o Peixe quebrou a morosidade inicial e foi para cima do América-MG. Tanto que logo aos três minutos, Copete avançou na lateral esquerda e cruzou na medida para Ricardo Oliveira. O atacante subiu mais que a zaga rival, escorou para o gol e abriu o placar na Vila Belmiro. Na comemoração, o artilheiro deu uma ‘flechada’ no ar, prestando mais uma homenagem à Chape.

Após ficar na frente do marcador, o alvinegro apenas administrou o jogo. O Coelho, por sua vez, mostrava pouco poder de reação e não assustava o Santos. Com o resultado praticamente garantido, o técnico Dorival Júnior promoveu a substituição que todos queriam ver. Aos 33 minutos, o meia Lucas Lima saiu para a entrada de Elano, que pisava no gramado da Vila pela última vez como jogador profissional.

A entrada do ídolo, porém, pouco alterou o andamento do jogo, que seguiu monótono até o último apito do árbitro Leandro Pedro Vuaden, que garantiu o Santos na segunda colocação do Campeonato Brasileiro.

Bastidores – Santos TV:

Oliveira comemora vice e acredita em “coisa boa” reservada para 2017

O Santos é o vice-campeão brasileiro de 2016. Mesmo sem mostrar um futebol brilhante, o Peixe bateu o já rebaixado América-MG por 1 a 0, na Vila Belmiro, na última rodada da competição. Beneficiado pelo tropeço do Flamengo, que só empatou com o Atlético-PR, na Arena da Baixada, o alvinegro garantiu a segunda colocação do nacional. Para Ricardo Oliveira, autor do último gol santista no ano, a temporada pode ser vista com bons olhos pela torcida, mesmo sem a conquista do título.

“O vice representa uma equipe que lutou o tempo todo pelo titulo, que não se deu por vencida e que termina em segundo merecidamente. Foi um ano muito bom, com um título e com vaga na Libertadores. Agora é descansar, desligar tudo e esquecer o futebol, porque ano que vem tem Liberta, que é uma competição que a torcida gosta e nós também”, afirmou o artilheiro na saída do gramado.

Com o tento anotado por Oliveira, o Peixe alcançou os 71 pontos e igualou o Flamengo. Porém, o alvinegro uma vitória a mais, e por conta disso, ficou com o vice do Brasileirão e garantiu R$ 3,4 milhões a mais na conta. Segundo o centroavante, os santistas podem esperar uma boa temporada em 2017.

“A vitória de hoje também representou uma quantia importante para o clube e estamos aqui pra isso. É difícil falar o que faltou ao time. Deixamos a desejar em algum momento da competição sim, mas não é para lamentar. Estamos em uma evolução constante. Acredito que no ano que vem tem coisa boa reservada para nós”, concluiu Oliveira, que só volta ao Santos no próximo dia 11 de janeiro, ao lado do restante do elenco.

Dorival vibra com ano positivo e lamenta desfalques que custaram título

O Santos terminou 2016 com o saldo de um título no Campeonato Paulista e um vice no Brasileirão. Segundo análise dos próprios jogadores do Peixe, a temporada pode ser vista de forma positiva pelos torcedores, mesmo deixando a conquista do torneio nacional ficar com o rival Palmeiras. O técnico Dorival Júnior também segue por essa linha e acredita que o alvinegro tirou bons proveitos durante o ano.

“Foi uma temporada positiva. Colocamos seis jogadores na seleção. O Santos é respeitado e joga dentro e fora de casa com propósito, desenvolve conceito de jogo. Faz uma campanha melhor a cada temporada. Finalizamos com o vice, que é um fato importante para uma equipe que era contestada”, afirmou Dorival, em entrevista coletiva após a vitória do Santos por 1 a 0 sobre o América-MG, na Vila Belmiro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

Neste Brasileirão, o Peixe faz sua melhor campanha na história do torneio disputado por pontos corridos, confirmou o vice-campeonato após o triunfo sobre o Coelho e ainda garantiu vaga direta na fase de grupos da Copa Libertadores da América de 2017, coisa que não acontecia há quatro anos. Mesmo assim, segundo Dorival, os resultados poderiam ter sido ainda melhores caso a equipe não tivesse tantos desfalques durante o ano.

“Tivemos problemas que outras equipes não tiveram na temporada. Nos momentos que saem jogadores, demora três ou quatro jogos para encontrar um caminho. Na volta também. Ficamos sem zaga titular… Se tivéssemos menos problemas, talvez pudéssemos ter um final diferente. As perdas são de jogadores que já estavam adaptados no nosso grupo. Só conseguimos repor quando já tinham saído. Aí fomos ao mercado para trazer elementos. Temos que manter a equipe e vamos precisar de alguns elementos para reforçar”, concluiu Dorival.

Após marcar, Ricardo Oliveira presta homenagem ao mascote da Chape

Autor do gol da vitória santista deste domingo sobre o América Mineiro, Ricardo Oliveira prestou uma homenagem ao pequeno Carlinhos, o jovem mascote que se tornou xodó da torcida da Chapecoense ao entrar no gramado da Arena Condá vestido de índio. Após receber o convidado especial antes da partida começar, o centroavante alvinegro, depois de balançar as redes, comemorou o tento como se lançasse um arco com uma flecha.

Depois da tragédia envolvendo o elenco do time catarinense, no dia 29 de novembro, o mascote da Chape foi convidado por diversas equipes para ser homenageado na última rodada do Brasileirão. No entanto, o menino de cinco anos escolheu ir ao litoral paulista e contemplar a equipe santista garantir a vice-colocação do torneio.

Antes do confronto contra o lanterna do Campeonato Brasileiro, o camisa 9 do Peixe encontrou com Carlinhos no CT Rei Pelé e recebeu do menino um arco e uma flecha de presente.

Também como forma de homenagem às vítimas, o Santos entrou em campo neste final de semana com o símbolo do Verdão do Oeste na camiseta, além da mensagem “Força Chape” no local designado para o patrocinador master. O Atlético Nacional de Medelim, que encantou o mundo pelo carinho e solidariedade com a equipe de Santa Catarina, também foi lembrado e teve seu escudo estampado no manto alvinegro.

Santos encerra 2016 como time que mais venceu e menos perdeu

Mesmo com o título do Campeonato Brasileiro ficando com o rival Palmeiras, o Santos pode ir para as festas de final de ano com a sensação de dever cumprido. Apesar do pouco investimento, se comparado com o Verdão, o Peixe fez bonito na temporada, conquistando o Paulista e terminando o Brasileirão com o vice garantido, após a vitória por 1 a 0 sobre o América-MG, neste domingo, na Vila Belmiro.

No torneio nacional, o alvinegro fez sua melhor campanha na história do torneio disputado por pontos corridos, confirmou o vice-campeonato após o triunfo sobre o Coelho e ainda garantiu vaga direta na fase de grupos da Copa Libertadores da América de 2017, coisa que não acontecia há quatro anos. Além disso, o clube ostenta do fator de ter sido o melhor time do Brasil no ano.

É isso mesmo. Apesar de conquistado apenas o Paulistão, o Santos é o time que mais venceu e que menos foi derrotado em 2016, entre os 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro. Ao todo, o Peixe disputou 66 partidas, conquistando 38 vitórias, 15 empates e sofrendo apenas 13 derrotas. O aproveitamento santista foi de 65%, três por cento a mais que o segundo colocado.

“Eu acho que foi uma temporada muito favorável ao Santos. A conquista do Campeonato Paulista, a recuperação do elenco, vários jogadores nas seleções. Falava-se até em rebaixamento em julho do ano passado. Acho que foi sim uma campanha muito boa. Tivemos muitos problemas ao longo da temporada que outras equipes não tiveram, com a saída de jogadores. O torcedor vê uma representatividade em sua equipe bem diferente do que há um tempo atrás”, afirmou o técnico Dorival Júnior.

Mesmo avaliando que teve uma boa temporada em 2016, o Santos pretende alcançar voos mais alto no próximo ano. E para isso, a equipe se reapresenta no dia 11 de janeiro para o inicio da preparação para as disputas do Campeonato Paulista e da Copa Libertadores da América.

América-MG 1 x 0 Santos

Data: 07/08/2016, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 19ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 2.893 pagantes
Renda: R$ 58.290,00
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (PB)
Auxiliares: Luis Filipe Gonçalves e Oberto Santos da Silva (ambos da PB).
Cartões amarelos: Gilson e Leandro Guerreiro (A); Lucas Lima (S).
Cartão vermelho: Vanderlei (S)
Gol: Juninho (44-2).

AMÉRICA-MG
João Ricardo; Jonas, Sueliton, Alison e Gilson; Juninho, Leandro Guerreiro (Diego Lopes), Pablo e Matheusinho (Victor Rangel); Osman e Michael (Danilo Barcelos).
Técnico: Enderson Moreira

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Caju; Renato e Leo Cittadini; Lucas Lima (Jean Mota), Vitor Bueno (Vladimir) e Copete; Rodrigão (Joel).
Técnico: Dorival Junior



Vanderlei é expulso, Santos leva gol aos 44 e não retoma liderança

O Santos não conquistará o título simbólico do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Enfrentando o América-MG, lanterna do torneio, no estádio Independência, em Belo Horizonte, o Alvinegro sofreu com o forte calor, não conseguiu fazer uma boa apresentação, teve Vanderlei expulso e levou um gol aos 44 minutos do segundo tempo, sendo derrotado por 1 a 0, resultado que o deixou fora da ponta do Brasileirão.

Durante quase toda a partida, o Santos foi quem teve as melhores oportunidades de gol, mas após desperdiçar boas oportunidades, o Peixe teve Vanderlei expulso aos 35 minutos do segundo tempo. O goleiro era o último homem da defesa santista e fez falta em Victor Rangel fora da área.

Com um jogador a menos, o Alvinegro não teve forças para reagir e tentou apenas segurar o empate até o final do jogo. Aos 44 minutos, porém, Juninho abriu o placar para o Coelho e decretou a derrota santista. Com o resultado, o Peixe ficou estacionou nos 34 pontos, o que lhe deixou na segunda colocação do Brasileirão, atrás do Flamengo. O clube ainda pode ser ultrapassado por Palmeiras, Corinthians e Atlético-MG, em caso de empate dos paulistas e vitória da equipe mineira.

O América-MG, por sua vez, chegou aos 13 pontos e, após dois empates consecutivos, começa a mostrar sinais de melhora no Brasileiro. O Coelho ainda está há sete pontos do Figueirense, primeiro time fora da zona de rebaixamento, mas quebrou um jejum de seis jogos sem vitória.

Na próxima rodada, o Santos terá um duelo direto na disputa pelo título do Brasileirão. No próximo domingo (14), às 16h (de Brasília), o Peixe recebe o Atlético-MG na Vila Belmiro. Já o América-MG encara o Fluminense, às 11h (de Brasília), no estádio Kléber Andrade, em Cariacica, Espírito Santo.

O jogo

Mesmo fora de casa, o Santos começou o jogo pressionando o América em busca de uma vitória para se manter na liderança do campeonato. Aos seis minutos, Copete dominou pelo lado esquerdo e deu belo passe para Rodrigão, que ficou cara a cara com João Ricardo, mas desperdiçou a ótima oportunidade mandando a bola em cima do goleiro.

Com o forte calor em Belo Horizonte prejudicando o desempenho dos dois times, o jogo ficou morno no estádio Independência. Os únicos destaques no restante do primeiro tempo ficaram por conta do chapéu aplicado pelo volante santista Renato em cima de Michael, e pela resposta de Matheusinho, que deu belo drible em Caju. Aos 30 minutos, o juiz Pablo dos Santos Alves paralisou o confronto para hidratação dos times.

No segundo tempo, foi o América-MG quem começou pressionando o adversário. Em um rápido contra-ataque puxado por Pablo, Jonas recebeu do lado esquerdo e deu bela enfiada para Michael. O atacante ficou de frente para o gol, mas Vanderlei deixou a meta e abafou a finalização do jogador do Coelho.

O Santos teve nova boa chance aos 29 minutos, mas desperdiçou mais uma. Lucas Lima fez boa jogada com Caju pela esquerda e o lateral rolou para Vitor Bueno, que dominou sozinho, dentro da área, mas chutou fraco, em cima de João Ricardo.

O castigo veio no minuto seguinte, quando Victor Rangel, que havia acabado de entrar, recebeu ótimo lançamento e ficou sozinho na frente de Vanderlei. O goleiro mais uma vez saiu do gol para abafar o lance, mas acabou cometendo falta no atacante, pela qual foi punido com o cartão vermelho. Na sequência, Dorival Júnior tirou Vitor Bueno para a entrada do reserva Vladimir.

Com o Peixe se segurando no campo de defesa, o América-MG aproveitou para pressionar e foi coroado com o gol aos 44 minutos do segundo tempo. Victor Rangel avançou pela esquerda e rolou para trás. A bola ficou com Juninho que, livre, bateu firme para o gol, sem chance para Vladimir. Aos 48, Copete ainda perdeu chance de empatar após cruzamento de Joel.

Dorival reclama de expulsão e vê falta de critério por lance de corintiano

Com a derrota por 1 a 0 para o América-MG, o Santos desperdiçou a oportunidade de retomar a liderança do campeonato Brasileiro. Após o revés, o técnico Dorival Júnior culpou a expulsão do goleiro Vanderlei pelo resultado negativo, questionando a arbitragem e lembrando de um lance parecido envolvendo o goleiro Cássio, do Corinthians, (contra o Figueirense, em 23 de julho, quando o goleiro não foi expulso).

“Fui perguntar qual jogada está correta, aquela do Cássio na frente da área do Corinthians ou a do Vanderlei. De repente são duas maneiras de interpretar. Ficamos perdidos com as mudanças de regras no meio da competição. O bandeira me disse que o Vanderlei colocou a mão na bola fora da área, então vamos procurar a mão na bola do Vanderlei. Recebi a orientação que o cartão amarelo do Cássio foi correto. Não era para expulsão, mas isto precisa ficar claro”, protestou o técnico santista.

No lance citado por Dorival, Cássio era o último atleta do Corinthians e fez a falta sobre o meia Dodô, do Figueirense, fora da área, assim como ocorreu com Vanderelei neste domingo, em disputa com o atacante Victor Rangel. O corintiano, no entanto, foi advertido apenas com o cartão amarelo.

Por fim, o treinador deixou novamente claro que a expulsão foi decisiva na derrota santista. No entanto, o treinador também lamentou a falta de pontaria dos santistas, que desperdiçaram boas oportunidades durante os 90 minutos. “O que mudou o panorama da partida foi a expulsão, isso fez com que o América naturalmente ganhasse campo. Foram felizes. Não tivemos a mesma sorte nas oportunidades que tivemos”.

Além de Vanderlei, o Peixe não poderá contar com Lucas Lima diante do Atlético-MG, no domingo, às 16h, na Vila Belmiro. O meia-atacante está suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Victor Ferraz lamenta chances perdidas e projeta duelo contra o Galo

Quem não faz, toma. A frase é velha e batida, mas explica grande parte da derrota do Santos por 1 a 0 neste domingo, contra o lanterna América-MG. Durante os 90 minutos, o Santos teve diversas oportunidades de abrir o placar, mas perdeu boas chances e foi punido com o gol marcado pelo meia Juninho, após a expulsão do goleiro santista Vanderlei.

O lateral direito Victor Ferraz admitiu a falta de pontaria da equipe e lamentou as chances perdidas, mas ressaltou que “não está tudo errado” no Peixe. O atleta já mira o jogo contra o Atlético-MG, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro.

“A gente foi punido com esse gol, o empate seria o mais justo. Tivemos oportunidades perdidas que mudariam o rumo do jogo. Futebol tem dessas coisas, não vamos achar que está tudo errado. Temos confronto direto contra o Galo em casa, pedimos o apoio da torcida”, disse o lateral.

Mais uma vez, o Santos teve os desfalques do lateral Zeca, do volante Thiago Maia e do atacante Gabigol, todos na Seleção Brasileira olímpica. O centroavante Ricardo Oliveira, deveria voltar à equipe neste domingo, mas acabou cortado por conta de uma virose. Mesmo assim, Victor Ferraz não atribuiu a derrota às ausências do Peixe.

“Convivemos com a falta de jogadores há um certo tempo, não vai ser agora que vamos ficar lamentando. Quem entrar, vai entrar bem e fazer a gente voltar a vencer”, finalizou.

América-MG 1 x 2 Santos

Data: 21/09/2011, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Estádio Parque do Sabiá, em Uberlândia, MG.
Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Assistentes: Júlio César Rodrigues Santos (RS) e Marcelo Bertanha Barison (RS).
Cartões amarelos: Marcos Rocha e Anderson (A); Adriano e Neymar (S).
Gols: Borges (16-2), Kempes (21-2) e Edu Dracena (33-2).

AMÉRICA-MG
Neneca; Micão, Anderson (Rodriguinho) e Preto; Leandro Ferreira, Marcos Rocha, Glauber, Irênio (Luciano) e Gilson; Kempes e André Dias (Fábio Júnior)
Técnico: Givanildo Oliveira

SANTOS
Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo; Adriano, Arouca e Ibson (Pará); Alan Kardec (Felipe Anderson), Borges (Bruno Aguiar) e Neymar
Técnico: Muricy Ramalho



Santos não brilha, mas bate lanterna América-MG e mantém embalo

Borges e Edu Dracena fizeram gols de cabeça e mantiveram a boa fase do time paulista, mesmo fora de casa

O Santos ampliou a sua série invicta no Campeonato Brasileiro para oito partidas. Sem apresentar um futebol brilhante, o time da Vila Belmiro fez o necessário para bater o América-MG, por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, no Parque do Sabiá. O artilheiro Borges e o capitão Edu Dracena marcaram para os santistas. Kempes descontou.

O triunfo, o seu quarto consecutivo no Campeonato Brasileiro, levou o time da Vila Belmiro a nona colocação – antes do complemento da rodada -, com 35 pontos. Já os mineiros seguem na lanterna, com apenas 19 pontos ganhos.

Na próxima rodada, o time praiano recebe o Figueirense, sábado, ás 18 horas (horário de Brasília), na Vila Belmiro. No mesmo dia e horário, o América-MG visita o Flamengo, no Engenhão.

O jogo

O Santos começou o jogo dando sinais de que pretendia sair na frente no placar logo no início. Com um minuto de bola rolando, o lateral Danilo arrancou pela direita e cruzou para a cabeçada de Neymar, defendida pelo goleiro do América-MG, Neneca.

Melhor em campo no começo da partida, o Santos teve mais uma boa oportunidade de gol aos nove. Neymar cobrou falta e, quando Durval se preparava para cabecear para o fundo das redes, Neneca desviou a bola e evitou o primeiro gol santista.

Depois de pressionar nos primeiros minutos do confronto, o time praiano viu o seu adversário crescer na partida. Tanto que o América-MG esteve próximo de abrir o placar aos 21, quando Gilson soltou uma bomba de fora da área, que acertou a trave esquerda de Rafael.

Com o Santos errando muitos passes e apresentando dificuldades para armar suas jogadas ofensivas, o América-MG ainda teve mais duas chances de marcar o seu primeiro gol.

A primeira, aos 36, em contra-ataque, terminou com um chute de Leandro Ferreira defendido pelo camisa 1 do Peixe. Já aos 45, Gilson levantou a bola para a área, Kempes desviou de cabeça e Irênio, frente a frente com Rafael, finalizou em cima do goleiro santista, desperdiçando a melhor oportunidade de gols do Coelho na etapa inicial.

Na volta para o segundo tempo, os alvinegros voltaram um pouco melhor e chegaram ao gol. Aos 16, Neymar cobrou escanteio perfeito na cabeça de Borges, que completou para o fundo das redes, abrindo o placar e anotando o seu 18° gol no Brasileirão, garantindo por mais uma rodada a artilharia isolada do campeonato.

Só que a alegria do Santos durou pouco tempo e o América-MG logo chegou ao empate. Com 21, Luciano, que havia entrado no lugar de Irênio, cruzou para André Dias chutar e exigir uma defesa parcial de Rafael. No rebote do arqueiro, Kempes teve apenas o trabalho de completar o lance, deixando tudo igual em Uberlândia.

Irritado com a atuação do Ibson, o técnico do Santos, Muricy Ramalho, sacou o volante para a entrada do lateral Pará, aos 25. Com isso, Danilo passou a jogar mais adiantado, praticamente exercendo a função de meia de ligação da equipe.

Mais ofensivo, o time santista chegou ao seu segundo gol. Aos 33, em nova cobrança de escanteio de Neymar, Alan Kardec – que após esse lance deu lugar ao meia Felipe Anderson – desviou a bola de cabeça e o zagueiro Edu Dracena, com calma e categoria, deslocou o goleiro Neneca para recolocar os alvinegros em vantagem no marcador: 2 a 1 para o Santos.

Nos minutos finais, o goleiro Rafael ainda realizou importantes defesas, ajudando o Santos a segurar a pressão do adversário, saindo do Parque do Sabiá com mais três pontos na tabela de classificação do Brasileiro.