Navegando Posts marcados como Arena do Jacaré

Atlético-MG 2 x 1 Santos

Data: 13/10/2011, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, MG.
Público: 12.351 pagantes
Renda: R$ 64.205,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Carlos Manzolillo (DF) e José Reinaldo do Nascimento Júnior (DF)
Cartões amarelos: Pierre, Leonardo Silva, Triguinho, Bernard e Réver (A); Crystian, Léo e Neymar (S).
Cartões vermelhos: Crystian e Neymar (S).
Gols: Réver (06-1); Borges (04-2) e Magno Alves (13-2).

ATLÉTICO-MG
Renan Ribeiro; Carlos César, Réver, Leonardo Silva e Triguinho (Richarlyson); Fillipe Soutto, Pierre, Renan Oliveira (Serginho) e Bernard; Magno Alves e André (Neto Berola).
Técnico: Cuca

SANTOS
Rafael; Crystian, Edu Dracena, Durval e Léo (Éder Lima); Henrique, Arouca e Danilo; Neymar, Alan Kardec (Rentería) e Borges.
Técnico: Muricy Ramalho



Neymar é expulso e Atlético-MG vence o Santos por 2 a 1

Atlético-MG quebrou jejum de cinco rodadas sem vitórias. Neymar se irritou com faltas e foi expulso por reclamação

O zagueiro Réver e o atacante Neymar chegaram ao Brasil somente nesta quinta-feira, mas foram para o jogo entre Atlético-MG e Santos e tiveram participações decisivas. Enquanto o defensor fez o gol que abriu caminho para o triunfo atleticano, o camisa 11 do Santos foi parado com muitas faltas e expulso no final da partida por reclamação. Magnos Alves e Borges fizeram os outros gols da vitória do Atlético-MG por 2 a 1.

Veja como ficou a tabela do Brasileirão

Com o resultado o time mineiro encosta no maior rival, o Cruzeiro, primeiro time fora da zona do rebaixamento. A diferença entre os dois clubes é de apenas um ponto. Já o Santos segue no meio de tabela, usando a competição para se preparar para o Mundial. No final do jogo, todos os jogadores e comissão técnica do Atlético-MG foi até os torcedores agradecerem o apoio da torcida.

“Boa bitória, estávamos precisando disso, vencer em casa. A equipe foi bem, agora temos de manter o embolo para conquistar o nosso objetivo, que é conquistar mais quatro ou cinco vitórias”, disse o zagueiro Leonardo Silva.

Na próxima rodada o Atlético-MG tem tarefa complicada. Depois de ganhar do campeão da América, o desafio da vez é o Vasco, o campeão da Copa do Brasil. Já o Santos recebe o Grêmio, na Vila Belmiro. As duas partidas vão ser no domingo.

O jogo

O Atlético-MG começou o jogo em cima, embalado com a boa presença de público. Logo aos seis minutos o time da casa fez o primeiro gol. Fillipe Soutto cobrou falta para dentro da área santista e Magno Alves ajeitou para Réver. O zagueiro apenas empurrou a bola para o gol, aos seis minutos. Já o Santos não conseguia chegar, muito por conta das faltas que o Atlético-MG cometia. Tanto que Pierre foi amarelado aos 12 minutos.

Se Neymar era o jogador que recebia mais atenção da defesa atleticana, Bernard era o jogador do Atlético-MG que mais levava perigo ao gol adversário. Mas com três atacantes, o Santos estava mais presente no ataque e teve boas oportunidades de empatar, com Neymar, Borges, Durval e Henrique. Foi então que Cuca colocou Serginho no lugar de Renan Oliveira, mais um jogador para marcar o camisa 11 do Santos.

A mudança foi na defesa, mas teve efeito no ataque. Neymar se tornou figura nula nos 15 minutos finais e o Atlético-MG cresceu. Carlos César fez ótima jogada, aos 41, mas furou quando ficou sozinho com o goleiro Rafael. Depois o camisa 1 do Santos quase entregou um gol. Aos 44 minutos, Rafael não segurou um chute sem força de Bernard, mas por sorte a bola escapuliu e bateu na trave.

Se o primeiro tempo começou com gol do Atlético-MG, o segundo começou com gol do Santos. Borges foi empurrado por Leonardo Silva, que recebeu cartão amarelo, dentro da área. O artilheiro do Brasileiro cobrou o pênalti com categoria, aos quatro minutos, e deixou tudo igual. Sete minutos depois o lance se repetiu na área do Santos, com Réver sendo empurrado por Crystian. Como o santista já tinha amarelo, ele foi expulso. Magno Alves deslocou Rafael na cobrança do pênalti e colocou o Atlético-MG em vantagem.

Mesmo com um jogador a menos, o Santos foi para cima, tinha mais posse de bola, mas não conseguia chegar ao gol de Renan Ribeiro. O Atlético-MG, por sua vez, pecava no último passe. O time de Cuca não aproveitava os contra-ataques para definir o jogo. Até os 39 minutos do segundo tempo, quando Neymar reclamou de tanto sofrer faltas e foi amarelado. O santista não gostou da atitude do árbitro e bateu palmas, recebendo o vermelho.

Assim, com dois a maios e vencendo por 2 a 1, o Atlético-MG tocou a bola até o juiz apitar o final da partida. Neto Berola ainda teve boa chance de marcar, mas parou em Rafael. Com o resultado o Atlético-MG se aproximou do Cruzeiro, o primeiro time fora da zona do rebaixamento, enquanto o Santos segue sua trajetória enquanto espera pelo Mundial de Clubes.

Cruzeiro 1 x 1 Santos

Data: 11/06/2011 – 18h30
Competição: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, MG.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ).
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa/RS) e Roberto Braatz (Fifa/PR).
Cartões amarelos: Dudu, Pablo e Henrique (C); Vinicius e Richely (S).
Cartão vermelho: Vinicius (S).
Gols: Montillo (09-2) e Borges (44-2).

CRUZEIRO
Fábio; Vitor (Dudu), Léo, Gil e Gilberto; Marquinhos Paraná, Fabrício (Pablo), Henrique (Leandro Guerreiro) e Montillo; Wallyson e Anselmo Ramon.
Técnico: Cuca.

SANTOS
Aranha, Bruno Aguiar, Rafael Caldeira, Vinícius e Alex Sandro; Charles, Rodrigo Possebon e Roger (Felipe Anderson) Gaúcho; Rychely, Borges e Tiago Alves (Walace).
Técnico: Muricy Ramalho.



Com um a menos, Borges salva, e Santos arranca empate do Cruzeiro

Jogando com seus reservas e com um homem a menos desde o início do segundo tempo, o Santos sofreu diante do Cruzeiro, mas contou com nova atuação decisiva do recém-contratado Borges. Depois de estrear com dois gols na vitória sobre o Avaí, o jogador balançou as redes aos 44min do segundo tempo para evitar a derrota diante do Cruzeiro e definir empate por 1 a 1, pelo Campeonato Brasileiro.

O resultado obtido pelo Santos apesar da expulsão de Vinícius, aos 6min do segundo tempo, mantém a série ruim do Cruzeiro. O time mineiro ainda não venceu no Campeonato Brasileiro, com apenas dois pontos em quatro jogos. Nem mesmo a estreia de seu terceiro uniforme ajudou. Nas cores verde e branca, relembra a fundação da equipe, que nasceu em 1921 com o nome de Societá Sportiva Palestra Itália. Os paulistas, por outro lado, têm sete pontos em 12 disputados.

Depois deste sábado, o Santos ganha uma folga no Campeonato Brasileiro: só vai voltar a campo em 26 de junho, contra o Figueirense. Os duelos com Corinthians e América-MG, pela quinta e sexta rodadas, foram transferidos por conta da disputa da final da Copa Libertadores. Na quarta-feira, o time pega o Peñarol em Montevidéu, no Uruguai. Na semana seguinte, decide no Pacaembu.

Já o Cruzeiro, equipe que teria entrado no caminho do Santos na competição continental se tivesse passado pelo Once Caldas, vai continuar em busca de reação após o começo ruim no Brasileiro. A próxima rodada será de clássico mineiro: terá pela frente o América-MG, às 21h do sábado, quando o Cruzeiro atuará como visitante – com a interdição do Mineirão, os times da capital não têm onde mandar seus confrontos.

Apesar de atuar com os reservas, o Santos não deixou o Cruzeiro dominar o jogo no primeiro tempo. Ambos os times tiveram atuação monótona, com poucas chances de gol e muita marcação. O goleiro do time paulista, Aranha, foi mais exigido: defendeu chute de Anselmo Ramon aos 5min, espalmou boa finalização da intermediária feita por Wallyson, aos 18min, e desviou chute certeiro de Montillo, pela lateral, aos 33min.

O Santos, por sua vez, teve sua melhor chance aos 32min, quando Borges tocou para Roger na área. O jogador emendou forte chute de dentro da área, espalmado por Fábio. Logo aos 5min, a inexperiência começou a pesar para o Santos. Em uma disputa de bola no meio-campo, Vinícius usou força desproporcional sobre Dudu e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo expulso pelo árbitro.

Para corrigir a equipe taticamente, Muricy Ramalho tirou o meia Tiago Alves e colocou em campo outro atleta jovem: o zagueiro Wallace, 18 anos. Em seu primeiro lance, o defensor deu o bote em Anselmo Ramon dentro da área, quando outros dois marcadores estavam cercando o lance. O árbitro anotou pênalti, devidamente convertido por Montillo. A série de erros desequilibrou o Santos no confronto.

O Cruzeiro partiu para cima, acuou o Santos no campo de defesa e por muito pouco não ampliou aos 14min, quando Dudu bateu da entrada da área. Wallace se esticou e fez desvio providencial, fazendo a bola passar rente ao poste direito de Aranha. O goleiro defendeu bem aos 33min, quando Alessandro tabelou com Anselmo e bateu com força, cruzado. Quando não alcançou, o santista teve sorte: aos 36min, Montillo arriscou de longe e acertou o travessão.

Apesar da postura defensiva, o Santos ainda chegou bem e quase empatou o duelo. O lance foi polêmico: Felipe Anderson levantou a bola na área em cobrança de falta e Borges dominou sozinho para tocar na saída de Fábio. A arbitragem considerou um desvio do ataque santista na disputa pela bola e anotou impedimento, o que irritou o técnico Muricy Ramalho.

Ao final do jogo, Borges conseguiu o gol: completou cruzamento e salvou o Santos, deixando os jogadores do Cruzeiro abatidos e a torcida irritada. O time segue sem vencer na competição, apesar de ter mostrado boa atuação dentro de casa.

Atlético-MG 2 x 2 Santos

Data: 06/11/2010, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, MG.
Público: 16.771 pagantes
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Asp.Fifa-DF)
Auxiliares: Marrubson Melo Freitas e Cezar Augusto de Oliveira Vaz (ambos do DF)
Cartões amarelos: Serginho e Nikão (A); Adriano (S).
Gols: Neymar (16-1), Diego Tardelli (33-1); Obina (14-2) e Neymar (22-2).

ALÉTICO-MG
Renan Ribeiro; Rafael Cruz, Réver, Werley e Leandro; Zé Luís (Alê), Serginho, Renan Oliveira e Diego Souza (Nikão); Diego Tardelli e Obina (Ricardo Bueno)
Técnico: Dorival Júnior

SANTOS
Rafael; Maranhão, Bruno Aguiar, Durval e Pará; Adriano, Rodriguinho, Rodrigo Possebon (Marcel) e Marquinhos (Alan Patrick); Neymar e Zé Eduardo (Jefferson)
Técnico: Marcelo Martelotte (interino)



Neymar brilha no reencontro com Dorival e impede vitória do Atlético-MG em Sete Lagoas

Santos caiu para a sexta posição na tabela com o empate em Minas Gerais. Time da casa deixa a zona de rebaixamento momentaneamente, mas pode voltar no domingo

No reencontro do atacante do Santos, Neymar, com o técnico do Atlético-MG, Dorival Júnior, a estrela do santista brilhou. Com dois gols de Neymar, a partida entre os dois clubes terminou empatada em 2 a 2, neste sábado, na Arena do Jacaré. Diego Tardelli e Obina marcaram para os mineiros.

Esse resultado fez com que o Santos caísse para a sexta posição, com 51 pontos, ultrapassado pelo Grêmio, que derrotou o Ceará e tem 53 pontos ganhos. Já o Atlético, com o ponto conquistado, empurrou momentaneamente o Guarani para a zona do rebaixamento, chegando aos 36 pontos, mas levando vantagem sobre os campineiros em razão do número de vitórias (10 a 8), primeiro critério desempate. A situação pode se inverter no domingo.

Na próxima rodada, o Santos recebe o Grêmio, no próximo sábado, às 19h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro. No mesmo dia e horário, os atleticanos enfrentam o Flamengo, na Arena do Jacaré.

O jogo

Antes de a bola rolar, jogadores do Santos abraçaram o técnico do Atlético-MG, Dorival Júnior, que comandou a equipe até meados de setembro deste ano. Porém, o momento mais esperado foi o abraço entre o treinador e Neymar, pivô de sua saída do clube. Os dois se abraçaram rapidamente, trocaram algumas palavras e se preparam para o início do jogo. E com quatro minutos de partida, o árbitro teve que interromper o confronto por falta de luz. Depois de nove minutos de paralisação, a energia foi restabelecida na Arena do Jacaré e o juiz resolveu dar sequência ao duelo.

Na volta do jogo, o Santos voltou mais perigoso e logo abriu o placar com Neymar. Aos 16, o camisa 11 recebeu a bola na intermediária, avançou e antes que o zagueiro Rever tentasse desarmá-lo, arriscou o chute, abrindo o placar para os santistas em Sete Lagoas.

O Atlético tentou responder logo em seguida e quase chegou ao empate. Aos 19, o lateral direito Rafael Cruz levantou a bola da direita, Diego Tardelli cabeceou para baixo e Rafael espalmou. Na sequência do lance, a defesa santista afastou a bola da sua grande área.

Precisando do resultado, o Atlético-MG passou a pressionar bastante e, depois de perder o volante Zé Luis contundido – Ale entrou em seu lugar -, chegou ao gol de empate, aos 33. Pará errou a saída de bola, o volante Serginho se antecipou e roubou a bola, antes de cruzar na medida para Diego Tardelli deixar tudo igual no placar.

A tônica do jogo continuou sendo essa até o final do primeiro tempo – houve uma nova queda de energia entre os 51 e 58 minutos do primeiro tempo. O Atlético atacando e o Santos buscando se defender, explorando os contra-ataques. Na volta do intervalo, aos nove, Neymar quase desempatou o confronto, após realizar bela jogada individual. Só que na hora de finalizar, o atacante pegou mal na bola, mandando-a a esquerda do gol de Renan Ribeiro.

Se de um lado os santistas desperdiçaram a chance que tiveram, os mineiros não. Aos 14, o meia Renan Oliveira chutou de fora da área, no canto direito, exigindo uma defesa parcial de Rafael. No rebote do goleiro, o centroavante Obina estava atento e mandou a bola para o fundo das redes, colocando os donos da casa no comando do marcador.

Em desvantagem no placar, o técnico interino do Santos, Marcelo Martelotte, resolveu colocar o seu time no ataque. O treinador, que já havia trocado Marquinhos por Alan Patrick, antes do segundo gol atleticano, tirou o volante Rodrigo Possebon para a entrada do atacante Marcel, aos 19.

Com pouco tempo em campo, aos 22, Marcel ganhou a dividida de cabeça com a defesa adversária, o arqueiro Renan Ribeiro afastou mal a bola, que caiu nos pés de Neymar. Com frieza, o santista bateu no canto direito, antes de chegada dos zagueiros do Atlético-MG, empatando novamente o duelo.

No minuto seguinte ao gol de empate dos visitantes, Dorival resolveu mexer no Atlético, tirando Diego Souza para a entrada de Nikão. Mais tarde, aos 33, o treinador modificou novamente a sua equipe, ao sacar Obina para a entrada de outro atacante, Ricardo Bueno.

Com o empate e procurando fortalecer novamente o seu sistema defensivo, aos 36, Martelotte tirou o meia-atacante Zé Eduardo para a entrada de mais um volante, Jefferson.

Nos minutos finais do jogo, o Atlético-MG intensificou a sua pressão, porém, não conseguiu furar o bloqueio santista, perdurando o empate até o apito final do árbitro.