Navegando Posts marcados como Arthur Gomes

São Paulo 2 x 1 Santos

Data: 14/03/2020, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público e renda: Não foi permitida entrada de torcedores.
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.
Cartões amarelos: Tchê Tchê, Arboleda e Pablo (SP); Jobson e Arthur Gomes (S).
Cartão vermelho: Jobson (S, 45-1).
Gols: Arthur Gomes (29-1); Pablo (07-2) e Pablo (21-2).

SÃO PAULO
Lucas Perri; Juanfran, Bruno Alves (Pablo), Arboleda e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves e Igor Gomes (Hernanes); Antony, Alexandre Pato e Vitor Bueno.
Técnico: Fernando Diniz

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson, Carlos Sánchez (Evandro) e Diego Pituca; Arthur Gomes, Soteldo (Tailson) e Yuri Alberto (Madson).
Técnico: Jesualdo Ferreira



São Paulo vira em cima do Santos graças a gols de Pablo e expulsão de Jobson

O São Paulo venceu seu primeiro clássico em 2020 na noite deste sábado, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista. Com portões fechados para os torcedores devido ao Coronavírus, o Tricolor fez 2 a 1 em cima do Santos, de virada, no Morumbi praticamente vazio e encaminhou a vaga antecipada às quartas de final.

Pablo foi o nome do San-São. O camisa 9, que tinha apenas um gol na temporada, este anotado logo na estreia do time, entrou no segundo tempo e precisou de 21 minutos para ir às redes duas vezes. Primeiro, aproveitou falha de Everson na saída do gol. Depois, completou cruzamento de Pato e marcou, de cabeça, em lance oriundo de uma sobra de bola após batida de escanteio.

O Peixe jogava bem e estava à frente no placar graças a um belo gol de Arthur Gomes ao melhor estilo Fernando Diniz, técnico são-paulino. Antony saiu jogando errado, Felipe Jonatan tomou a bola e Arthur Gomes deu de letra para Sánchez, que serviu Pará. O lateral devolveu de primeira e o atacante completou.

No entanto, no último lance antes do intervalo, Jobson levou um lindo chapéu de Daniel Alves e ergueu demais a perna. A marca das travas da chuteira da coxa do camisa 10 tricolor renderam o cartão vermelho ao volante santista.

Jobson saiu de campo cobrindo o rosto e chegou a sentar na escadaria de acesso ao vestiário, desolado e inconformado. Nada que evitasse a pressão que o Peixe viria a sofrer até tomar a virada.

O Santos termina, assim, a primeira fase do Campeonato Paulista sem vencer clássicos. O time praiano acumulou derrotas para Corinthians e Santos, além de um empate com o Palmeiras. O gol de Arthur Gomes, neste sábado, foi o único anotado pela equipe contra os maiores rivais.

O resultado levou o São Paulo aos 18 pontos, na liderança geral do Grupo C. Se o Ituano não vencer o Corinthians neste domingo, na Arena, o Tricolor garante a vaga antecipada. O Peixe, apesar do revés, também tem a ponta do Grupo A, com 15 pontos.

Caso o Paulistão não seja interrompido por causa do Coronavírus, o São Paulo voltará a campo para pegar o Bragantino no sábado, de novo no Morumbi. No mesmo dia, o Santos receberá o Santo André na Arena Barueri.

Veríssimo responsabiliza “gols bestas” por derrota do Santos para o São Paulo

Depois de sair na frente, mas ficar com um a menos desde o primeiro tempo, o Santos levou a virada para o São Paulo, no Morumbi, neste sábado. Na saída de campo, Lucas Veríssimo não responsabilizou a expulsão de Jobson pela derrota, mas sim os gols sofridos de bola parada.

“Tomamos dois gols bestas, de bola parada. Acredito que a gente tem que corrigir isso porque não é de hoje. Vamos conversar com o professor e corrigir, porque não pode, em um clássico, a gente perder por dois gols de bola parada”, opinou o zagueiro do Peixe aos canais Premiere.

O Santos até abriu o placar, com Arthur Gomes, aos 29 da segunda etapa. Antes do intervalo, aos 45, Jobson deu entrada dura em Daniel Alves e acabou expulso.

Em desvantagem numérica no segundo tempo, o Peixe praticamente só se defendeu e levou dois gols de bola aérea. No primeiro, Everson saiu mal na cobrança de falta e Pablo empatou o jogo. No segundo, o atacante são-paulino recebeu sozinho o cruzamento de Pato para virar.

Com a derrota, o Santos perdeu a chance de se classificar de maneira antecipada para as quartas de final do Campeonato Paulista. O Peixe ainda lidera o Grupo A com 15 pontos.

Arthur Gomes comemora gol, mas lamenta derrota no San-São

O Santos levou a virada para o São Paulo, neste sábado, mas um atleta conseguiu destaque. Substituto de Sasha, que foi desfalque por lesão no músculo posterior da coxa esquerda, Arthur Gomes marcou o gol do Peixe. Depois da partida, o atacante comemorou o tento anotado, que foi o seu primeiro em clássico.

“É uma jogada que a gente treina bastante. Quando eu não jogo, vejo que o Sasha faz essa movimentação por dentro. O professor falou para eu vir de fora para dentro. Não conseguimos a vitória, que era o mais importante, mas estou feliz pelo gol. Meu primeiro gol em clássico, fico feliz por isso e vamos seguir trabalhando para fazer mais para a torcida”, disse o jogador após a partida.

O gol de Arthur Gomes, entretanto, não foi suficiente. Isso porque, ainda no primeiro tempo, Jobson acabou expulso e o Santos jogou a etapa final com um a menos. Em desvantagem numérica, o Peixe viu o São Paulo virar a partida com dois gols de Pablo.

O atacante santista ainda lamentou a derrota, que segundo ele foi decidida nos detalhes e nos erros do Alvinegro Praiano.

“O clássico é decidido em detalhes, e infelizmente a gente acabou perdendo em campo. São coisas do jogo. Eles aproveitaram os nossos erros nas bolas paradas, e acabamos perdendo. Vamos voltar, ver os vídeos que o professor vai passar para que a gente não volte a ter esses erros”.

Derrota no clássico adia classificação antecipada do Santos no Paulistão

Com a derrota de virada para o São Paulo, no último sábado, o Santos perdeu a chance de se tranquilizar no Campeonato Paulista. Sem os três pontos, o Peixe adiou a classificação para as quartas de final da competição.

O Grupo A da competição tem o Peixe na liderança com 15 pontos, seguido de Oeste e Água Santa com 10. A Ponte Preta aparece na lanterna com 7, mas ainda joga na rodada, contra o Guarani, na segunda-feira.

Uma vitória simples poderia garantir a vaga antecipada para o Santos, caso a Ponte não vencesse o clássico campineiro. Com o revés no San-São, entretanto, o Peixe ainda corre atrás de conseguir a classificação na próxima rodada.


Guarani 1 x 2 Santos

Data: 27/01/2020, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, SP.
Público: 9.130 pagantes
Renda: R$ 174.973,00
Árbitro: Vinicius Furlan
Auxiliares: Fabrini Bevilaqua Costa e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Romércio (G); Pará e Luiz Felipe (S).
Cartão vermelho: Lucas Abreu (G).
Gols: Arthur Gomes (21-1); Rafael Costa (22-2) e Pablo (47-2, contra).

GUARANI
Jefferson Paulino; Pablo, Bruno Silva, Romércio e Bidu; Deivid, Lucas Abreu, Lucas Crispim (Marcelo) e Giovanny (Bruno Sávio); Júnior Todinho e Rafael Costa (Matheusinho).
Treinador: Thiago Carpini

SANTOS
Everson; Pará, Luan Peres, Luiz Felipe e Felipe Jonatan; Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca (Uribe); Arthur Gomes (Jean Mota), Raniel (Tailson) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos sofre, mas bate o Guarani com gol contra nos acréscimos

No sufoco, o Santos conquistou sua primeira vitória no Campeonato Paulista. Na noite desta segunda-feira, o Peixe visitou o Guarani no Estádio Brinco de Ouro da Princesa. Mesmo com um jogador a mais durante toda a segunda etapa, a equipe de Jesualdo Ferreira sofreu para vencer por 2 a 1. Depois que Arthur Gomes inaugurou o marcador, Rafael Costa deixou o dele. Nos acréscimos, Pablo chutou contra o próprio patrimônio.

Esse é a primeira vitória do Alvinegro Praiano no Paulistão. Com isso, o time assumiu a liderança do Grupo A. Do outro lado, o Bugre conheceu sua primeira derrota e segue na segunda colocação.

O jogo

Assim como na estreia diante do Bragantino, o Santos começou a partida com pouca intensidade. Apesar da superioridade em posse de bola, os comandados por Jesualdo Ferreira pecavam na criação das jogadas.

Enquanto isso, o Bugre estudava o adversário. Com um meio-campo extremamente lento, os donos da casa insistiam pelos lados do campo, mas sem sucesso.

Depois de 20 minutos nessa tônica, o Peixe se organizou e passou a tomar conta do jogo. Eduardo Sasha fez boa jogada individual e serviu Felipe Jonatan. O lateral-esquerdo, que foi muito acionado e correspondeu às expectativas, cruzou na medida para Arthur Gomes subir no terceiro andar e colocar a bola no fundo das redes.

Sempre explorando o espaço deixado pelos avançados laterais do Guarani, o Alvinegro Praiano trabalhava com mais precisão e velocidade. E Diego Pituca desperdiçou uma grande chance. O volante aproveitou a visão de jogo de Eduardo Sasha, porém, o chute subiu muito.

Em nova do participação do incansável Felipe Jonatan, o Santos quase ampliou antes do segundo tempo. De primeira, o defensor mostrou recurso, finalizou de três dedos, e tirou tinta da trave.

Na volta do vestiário, o Guarani, que já não fazia uma boa apresentação, teve um jogador expulso. Sem qualquer escrúpulo, Lucas Abreu entrou com a sola da chuteira no tornozelo de Luiz Felipe.

A baixa foi registrada logo no primeiro minuto, mas, curiosamente, o Guarani começou a criar as melhores oportunidades. Com Giovanny e Bidu, o Bugre exigiu boas defesas de Everson. Até que a rede balançou aos 19 minutos. Bem posicionado na segunda trave, Rafael Costa explorou o cruzamento e deixou tudo igual.

O Santos esboçou uma reação, contudo, voltou a esbarrar na falta de criatividade e erros de passe. A melhor chance surgiu dos pés de Raniel, que obrigou Jefferson Paulino se esticar todo para salvar o Guarani.

No apagar das luzes, aos 47 minutos, o Santos desempatou. Jean Mota cobrou falta com muita maestria e acertou no travessão. De maneira catastrófica, o Pablo tentou afastar e acabou chutando contra a própria meta.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo diz não se irritar com comparação a Sampaoli, mas pede “respeito”

A atuação não convenceu, mas Jesualdo Ferreira venceu sua primeira partida à frente do Santos. Em entrevista coletiva concedida no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, na noite desta segunda-feira, o português evitou a comparação com o ex-comandante do Peixe, Jorge Sampaoli.

“Isso não me irrita. Só é preciso respeitar todos os treinadores, porque ninguém é igual. Muitos treinadores que são campeões não têm os mesmos métodos”, comentou.

Questionado a respeito da falta de intensidade no seu estilo de jogo, Jesualdo, assim como aconteceu após o jogo contra o Bragantino, pediu calma e destacou o curto período de tempo que teve para trabalhar com o elenco.

“Eu tenho dois jogos. Não sei o que vai acontecer. Meu time não vai ser igual, os jogadores não são os mesmos. Eu vou preparar a minha equipe. A equipe vai jogar no nível de alguns jogos do ano passado, mas em outras terá mais dificuldades, como todas as equipes. Como você quer jogar com intensidade em dois jogos? Só se joga de maneira intensa quando tem capacidade para jogar com intensidade. Você não me conhece há um ano, só há quinze dias”, finalizou.

Jean Mota pede calma com Jesualdo no Santos: “Está tentando se adaptar”

O Santos venceu a sua primeira partida sob o comando de Jesualdo Ferreira. Após uma estreia ruim diante do Red Bull Bragantino, o Peixe visitou o Guarani e, apesar do triunfo, não convenceu. Envolvido na origem do lance que deu números finais ao jogo, Jean Mota pediu calma com o treinador português durante o período de adaptação.

“A proposta de jogo dele é diferente. Ele está tentando se adaptar ao futebol brasileiro o mais rápido possível. E nós, do outro lado, estamos trabalhando para encaixar com a estratégia dele. Tenho certeza que isso vem com o decorrer dos jogos”, comentou.

O lance do gol foi, no mínimo, curioso. Sem ângulo, o meio-campista cobrou a falta direto e a bola explodiu no travessão. De maneira catastrófica, o atacante Pablo tentou afastar, mas acabou chutando contra o próprio patrimônio.

“A bola bateu na trave e depois bateu no chão. Ele tentou tirar, mas acabou mandando para o fundo do gol. Nosso time está de parabéns. Cometemos um erro e acabamos tomando gol com mais um jogador a mais em campo. No entanto, o importante é a vitória. Precisamos continuar com o mesmo foco para o restante da competição”, finalizou.


Estudiantes 0 x 1 Santos

Data: 05/04/2018, quinta-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 6 – 3ª rodada
Local: Estadio Centenario Ciudad de Quilmes, em Quilmes, Argentina.
Árbitro: Roddry Zambrano (EQU)
Auxiliares: Christian Lescano e Juan Macías (EQU)
Cartões amarelos: Campi (E); David Braz e Vanderlei (S).
Gol: Arthur Gomes (18-1).

ESTUDIANTES DE LA PLATA
Mariano Andújar; Facundo Sánchez, Leandro Desábato, Jonathan Schunke e Gastón Campi; Iván Gómez, Lucas Rodríguez, Gastón Giménez (Mariano Pavone) e Carlo Lattanzio (Juan Bautista Cascini); Lucas Melano e Juan Ferney Otero (Pablo Lugüercio).
Técnico: Lucas Bernardi

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Renato (Gustavo Henrique) e Jean Mota; Arthur Gomes (Léo Cittadini), Rodrygo (Diogo Vitor) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jair Ventura



Com show de Vanderlei, Santos vence o Estudiantes e vira líder

O Santos sofreu, mas venceu o Estudiantes por 1 a 0 na noite desta quinta-feira, em Quilmes, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores. Com o resultado, o Peixe assumiu a liderança do Grupo 6, com sete pontos.

O alvinegro segurou a pressão dos argentinos nos minutos iniciais e abriu o placar em contra-ataque perfeito aos 19′, criado por Rodrygo e encerrado por Arthur Gomes após finalização na trave de Eduardo Sasha.

No segundo tempo, depois de perder grandes chances para ampliar, o Santos sofreu, mas viu Vanderlei fazer pelo menos quatro ótimas defesas para garantir o resultado. Depois de trauma na mão esquerda sofrido no treino da última quarta, o goleiro foi para campo no sacrifício e se destacou.

O jogo:

O Estudiantes começou o jogo pressionando o Santos. Sem saída de bola, o Peixe só tentava se marcar e viu os argentinos ficarem perto do primeiro gol. Aos nove minutos, Melano finalizou na trave. Na sequência, Schunke cabeceou para linda defesa do goleiro Vanderlei.

E quando o alvinegro parecia perto de sofrer o gol, veio a luz. Eduardo Sasha iniciou o contra-ataque, Rodrygo deu bom passe para Arthur Gomes, a bola voltou para Sasha, que deu uma meia-lua em Desábato e finalizou na trave. Arthur, impedido, só empurrou no rebote para abrir o placar.

Depois do gol, o Santos passou a controlar mais o jogo e sofrer menos. O Estudiantes, pouco criativo, abusou da bola parada e do jogo aéreo. O único susto veio em contra-ataque puxado por Melano. O atacante arrancou sozinho, mas finalizou longe.

E aos 44, o Peixe quase ampliou. Rodrygo arrancou pela esquerda e cruzou, Arthur Gomes chutou para rebote de Andújar e Jean Mota, sozinho na pequena, chutou por cima do travessão de forma inacreditável.

O Estudiantes veio para o tudo ou nada e o Santos se postou para o contra-ataque. Aos 10, veio nova oportunidade de fazer o segundo gol. Jean Mota foi à ponta e tocou para trás, Eduardo Sasha serviu Arthur, e o atacante foi à linha de fundo, mas exagerou na força do cruzamento e ninguém empurrou.

Aos 14 minutos, o time de La Plata respondeu. Lattanzio se antecipou a Daniel Guedes no segundo pau e bateu de barriga. Vanderlei, no reflexo, salvou mais uma. E a pressão só voltou aos 36′.

Campi cruzou na área, Melano cabeceou, Vanderlei não segurou e, no rebote, o goleiro fez milagre em finalização de Pavone à queima-roupa. Aos 42, o camisa 1 fez nova intervenção espetacular em cabeceio de Pavone, garantindo o 1 a 0.

Bastidores – Santos TV:

Após vitória e liderança, Jair diz que Santos aprendeu a ser “copeiro”

Para Jair Ventura, a maior lição do Santos na vitória sobre o Estudiantes foi aprender a ser “copeiro”, definição dos times cascudos, que sabem defender na hora certa para administrar resultados. Foi assim no 1 a 0 em Quilmes na noite desta quinta-feira, com show do goleiro Vanderlei e zagueiros muito exigidos.

Com os três pontos, o Peixe assumiu a liderança do Grupo 6 da Libertadores. Por causa das circunstâncias, Jair entende que essa é a principal parte da viagem, sem muita preocupação com a atuação em si.

“Jogo muito difícil. Joguei aqui ano passado. Foi bem complicado e acho que o Santos foi copeiro hoje, foi competitivo, lutou, soube jogar. O gramado não estava tão regular, mas competiu e conseguimos uma bela vitória. Assumimos a liderança do nosso grupo, mas hoje, a nossa lição, é que fomos copeiro. Nada impede que o Santos seja um time jovem, mas que jogue competindo”, disse Jair.

“Tivemos dificuldades em fazer nosso jogo apoiado na saída de bola. Analisamos. O Otero e o Melano marcam muito forte esta saída. Foi uma estratégia dentro da partida. Não jogamos em uma nota só, tentamos adaptar. Quando tem que propor, nós jogamos como vencemos o Palmeiras. Esta versatilidade é importante. Tenho que agradecer aos jogadores pela entrega, saíram exaustos do jogo”, completou.

O Santos voltará a enfrentar o Estudiantes para encaminhar a classificação às oitavas de final da Libertadores no dia 24 de abril, na Vila Belmiro, pela quarta rodada da primeira fase.

Vanderlei supera dores para brilhar em vitória do Santos

No sacrifício, Vanderlei foi o melhor jogador do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Estudiantes nesta quinta-feira, em Quilmes, pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores da América. O goleiro sofreu um trauma na mão esquerda no treinamento desta quarta, mas superou as dores e foi para o jogo. E brilhou.

O goleiro fez pelo menos quatro grandes defesas para segurar o resultado na Argentina. Eleito melhor em campo pelos organizadores da Libertadores, o camisa 1 dividiu os méritos e alertou o time.

“Agradeço pela vitória e pela oportunidade. Sabíamos que seria difícil, campo acanhado, apoio da torcida, e sabíamos do espaço para contra-ataque. Fizemos o gol e poderíamos ter feito outro. Vieram para cima, suportamos bem e saímos com uma vitória muito importante”, analisou Vanderlei, em entrevista ao SporTV.

As defesas dão tranquilidade maior para os jogadores. Vão ter oportunidade de definir. Faltou passe final no contra-ataque e seguramos bola, rifamos muito. Serve de aprendizado. Sobre a nota (da atuação), deixo para vocês (da imprensa). O importante é fazer um grande trabalho”, completou.

Veja abaixo todas as defesas de Vanderlei na partida contra o Estudiantes.

Sasha diz que vitória superou expectativas do Santos: “Um ponto não seria ruim”

O empate não seria ruim, mas o Santos venceu o Estudiantes por 1 a 0 nesta quinta-feira, em Quilmes, e assumiu a liderança do Grupo 6 da Libertadores da América. Eduardo Sasha admite que o resultado supera as expectativas do Peixe.

“A gente veio para pontuar. Um ponto não seria ruim, mas conseguimos uma vitória muito importante para enfrentarmos ele em casa e podermos aumentar ainda mais a vantagem”, disse Sasha, ao SporTV.

Sasha foi decisivo. O atacante finalizou a bola na trave antes de Arthur Gomes, na pequena área, só empurrar para o fundo das redes.

“Foi um gol coletivo, saímos em um contra-ataque muito rápido. Eu, Rodrygo e Arthur estamos de parabéns pelo belo gol”, emendou.


Santos 1 x 3 São Bento

Data: 11/03/2018, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 12ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.816 pagantes
Renda: R$ 104.250,00
Árbitro: Vinicius Furlan
Auxiliares: Herman Brumel Vani e Alberto Poletto Masseira
Cartões amarelos: Luiz Felipe (S).
Gols: Marcelo Cordeiro (43-1, de pênalti), Arthur Gomes (45-1, de pênalti); Lúcio Flávio (33-2) e Fábio Bahia (48-2).

SANTOS
Vladimir; Robson Bambu (Victor Yan), Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Guilherme Nunes (Gabriel Calabres), Renato e Vitor Bueno (Copete); Diogo Vitor, Arthur Gomes e Yuri Alberto.
Técnico: Jair Ventura

SÃO BENTO
Rodrigo Viana; Lucas Farias, Luizão, João Paulo (Douglas Assis) e Marcelo Cordeiro; Fábio Bahia, Diego Felipe e Cássio (Maicon Souza); Marquinho (Léo Itaperuna), Everaldo e Lúcio Flávio.
Técnico: Paulo Roberto Santos



Reservas falham, e Santos perde para o São Bento na Vila

Com time reserva, o Santos perdeu para o eliminado São Bento por 3 a 1 neste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe marcou com Arthur Gomes. Marcelo Cordeiro, Lúcio Flávio e Fábio Bahia fizeram para a equipe de Sorocaba.

No primeiro tempo, o alvinegro teve a bola nos pés, mas pouco assustou. A emoção ficou para os minutos finais. Robson Bambu cometeu pênalti em Everaldo. Marcelo Cordeiro converteu, aos 43′. Segundos depois, Arthur Gomes cavou pênalti e botou para as redes.

Na segunda etapa, em jogo mais aberto, o alvinegro criou mais, esbarrou no goleiro Rodrigo Viana, e viu o São Bento surpreender. Lucas Farias arrancou pela direita e cruzou, Luiz Felipe falhou e Lúcio Flávio empurrou. Desentrosado, o Santos não teve forças para reagir e ainda viu o São Bento fazer o terceiro após Vladimir subir para o escanteio nos acréscimos e deixar o gol vazio.

O Peixe termina a primeira fase do Paulistão como líder do Grupo D, com 18 pontos, e o quarto no geral, atrás de Palmeiras, Corinthians e Novorizontino. O alvinegro enfrentará o Botafogo nas quartas de final do Campeonato Paulista. O Santos decidirá em casa, provavelmente no Pacaembu.

O jogo:

O primeiro tempo foi bem mais morno que o forte calor na Baixada Santista. O Santos, como esperado, ficou com a posse de bola e tentou controlar o jogo, mas não criou grandes chances. O São Bento marcou bem e quase não assustou Vladimir.

O Peixe chegava bem até a intermediária ofensiva, mas pecava no último passe. O São Bento roubava a bola e se livrava rapidamente, sem aproveitar as oportunidades.

A primeira etapa só se animou nos minutos finais. Aos 43 minutos, Robson Bambu derrubou Everaldo na área. Marcelo Cordeiro converteu. E segundos depois, a resposta santista também veio em uma penalidade máxima. Arthur sofreu e fez. Ambos os lances são questionáveis.

O segundo tempo começou mais aberto. Aos 8 minutos, Cássio encontrou Everaldo sozinho na área, o atacante deslocou Vladimir, mas Bambu interceptou antes da bola ultrapassar a linha.

Cinco minutos depois, o Peixe teve duas chances para virar. Dodô tabelou com Renato e cruzou para Yuri Alberto, de carrinho, finalizar para grande defesa de Rodrigo Viana na pequena área. Na sequência, Diogo Vitor arriscou de longe e o goleiro espalmou novamente.

O Santos voltou a assustar com Yuri Alberto. Em partida discreta, o centroavante arrancou aos 21, fez fila, mas chutou por cima do gol, ganhando aplausos do torcedor.

E aos 33, veio a ducha d’água fria. Lucas Farias arrancou pela direita e cruzou para Lúcio Flávio, no segundo pau, empurrar para as redes. Luiz Felipe falhou no lance. E segundos depois, Vladimir fez grande defesa em chute de Everaldo para evitar o pior.

Nos minutos finais, o Santos nem esteve perto do empate. O São Bento administrou bem e ainda fez o terceiro, quando o goleiro Vladimir subiu para escanteio, Diogo Vitor perdeu a bola no rebote e Fábio Bahia fez o terceiro, com gol vazio.

Bastidores – Santos TV:

Renato diz que derrota pesa, mas pede foco do Santos na Libertadores

Capitão do Santos, Renato falou sobre a derrota por 3 a 1 para o São Bento neste domingo, na Vila Belmiro, pela última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista. O volante de 38 anos manteve o discurso ameno e já falou da Libertadores. O próximo jogo será contra o Nacional-URU, quinta-feira, no Pacaembu, pela segunda rodada.

“A gente sabia que era um jogo difícil. Eles fizeram marcação homem a homem. Esse gol no final foi mérito deles. Infelizmente não conseguimos a vitória, mas agora temos um jogo importante na Libertadores, no Pacaembu”, disse o veterano, ao Premiere.

“Resultado pesa, sim, mas agora é pensar na Libertadores. Lutamos até o fim, não aproveitamos as oportunidades e eles foram felizes”, completou.

O Peixe terminou a primeira fase como líder do Grupo D, mas na quarta colocação geral, atrás de Palmeiras, Corinthians e Novorizontino. O alvinegro enfrentará o Botafogo nas quartas de final e decidirá em casa, provavelmente no Pacaembu.

Jair vê lado bom de derrota no Santos: “Sei com quem posso contar”

O Santos perdeu por 3 a 1 para o São Bento, neste domingo, na Vila Belmiro, mas o técnico Jair Ventura acredita que há como tirar coisas positivas da atuação. Agora é possível saber com quais reservas se pode contar para o decorrer da temporada.

“Não posso tirar o jogo dentro de um contexto. Classificação com duas rodadas de antecedência e, por isso, oportunizei mais de 30 atletas em 13 jogos. Agora, em momentos decisivos, sei com quem posso contar. Torcida quer vencer, derrota é ruim, mas Santos teve luxo de time alternativo para conhecer o elenco”, disse Jair, em entrevista coletiva.

“Tivemos coisas positivas e negativas. Coisas que não gostamos, fizemos avaliação individual e vamos observar o jogo de novo. Fica complicado expor, principalmente individualmente, mas muitas coisas que tínhamos dúvidas viraram certeza. É importante. Gosto muito de justiça. E de repente eu teria que chegar em momento decisivo sem olhar. E agora são 30 jogadores observados em 13 jogos. Chegamos em um momento decisivo conhecendo bem o elenco. A derrota em casa é ruim, lógico, mas espero que o torcedor entenda o planejamento”, completou.

Com o tropeço, o Santos seguiu como líder do Grupo D do Campeonato Paulista, com 18 pontos, mas ficou atrás de Palmeiras, Corinthians e Novorizontino. O Peixe enfrentará o Botafogo nas quartas de final, com o segundo jogo em casa. A diretoria quer mandar o duelo no Pacaembu. Jair Ventura diz não ter preferência.

“O Santos tem o privilégio de ter duas casas. Compartilho desse privilégio. Santos será forte nas duas casas”, concluiu o treinador.

Jair assume responsabilidade por má atuação de Bambu no Santos

Robson Bambu foi uma das novidades do Santos na derrota por 3 a 1 para o São Bento, neste domingo. Zagueiro de origem, o Menino da Vila foi lateral-direito e não foi bem. Ele cometeu o pênalti do primeiro gol dos visitantes.

O técnico Jair Ventura admitiu que Bambu não se destacou e assumiu a responsabilidade pela escalação. O defensor foi xingado pela torcida no caminho para o vestiário após o apito final.

“É complicado, menino quebrou galho. Ficou em cima para o Victor Ferraz jogar e eu não tinha outra opção. Daniel Guedes treinou forte hoje pela manhã e eu tive que sacrificar. Esses xingamentos têm minha responsabilidade. Não tenho problema em escalar. Não fez um grande jogo, saiu cansado, naquela vontade de fazer, melhorar, acabou não aguentando. É um zagueiro com grande velocidade, pode ser um lateral mesmo, como vinha treinando. Não coloquei ele de lateral ontem, ele vinha treinando. Ele treinou na vaga do Ferraz. Não vou mentir que ele foi bem, mas temos que levar em consideração que estava adaptado e foi um pedido meu”, explicou o treinador.

Daniel Guedes deve permanecer como titular contra o Nacional-URU na próxima quinta-feira, no Pacaembu, pela segunda rodada da Libertadores. Victor Ferraz está em fase final de recuperação e pode ser novidade na lista de relacionados.

Jornada dupla: Santos treinou com titulares antes de derrota com reservas

O time reserva do Santos perdeu por 3 a 1 para o São Bento na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. E os titulares treinaram de manhã, no CT Rei Pelé, em jornada dupla do técnico Jair Ventura.

O Peixe poupou seus principais jogadores pensando no duelo pela Libertadores, contra o Nacional, quinta-feira, no Pacaembu, pela segunda rodada da competição continental.

“Resultado não foi bom, mas treinei com prováveis titulares, temos mais duas ou três sessões de treino e podemos chegar afiados na Libertadores, já que estávamos classificados com antecedência”, explicou o treinador.
O provável time titular do alvinegro para a partida contra os uruguaios é: Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison; Eduardo Sasha, Léo Cittadini, Vecchio e Rodrygo; Gabigol.

Santos tem pior público do ano; Jair justifica: “Time alternativo”

O Santos teve seu pior público em 2018 na derrota por 3 a 1 para o São Bento, neste domingo, na Vila Belmiro: 3.816 pagantes, com renda de R$ 104.250,00.

Antes deste domingo, o Peixe recebeu 7508 contra o Bragantino, 6.608 diante do Santo André e 4.165 na vitória sobre o São Caetano. No Pacaembu, a média de público é de 22.980 após dois jogos: Ituano e Corinthians.

Em coletiva de imprensa, o técnico Jair Ventura entendeu o baixo público e projetou casa cheia na quinta-feira, no Pacaembu, contra o Nacional-URU, pela segunda rodada da Libertadores.

“Torcida sabia do time alternativo, da classificação, e entendemos. Quando for decisivo, faremos grande festa como fizemos no Pacaembu (contra o Corinthians). Eu imagino que a torcida vá entender o planejamento feito (contra o Santo André) e vá nos apoiar na quinta-feira”, afirmou o treinador.

A diretoria presidida por José Carlos Peres tem a premissa de dividir os mandos de campo entre Vila Belmiro e Pacaembu pela metade.

Jair usa 31, acha soluções e vê carências após 1ª fase do Santos

O Santos terminou a primeira fase do Campeonato Paulista como líder do Grupo D, com 18 pontos, e quarto na classificação geral, atrás de Palmeiras, Corinthians e Novorizontino. Para o técnico Jair Ventura, o saldo foi positivo, principalmente pela rodagem dada ao elenco.

Novo no comando, o treinador utilizou 31 dos 37 jogadores inscritos no Paulistão. E dentre os seis não aproveitados, um é o terceiro goleiro (João Paulo), dois ficaram a maior parte do tempo no departamento médico (Cleber e Yuri) e três foram recém-promovidos das categorias de base (Matheus Guedes, Emerson Barbosa e Lucas Lourenço).

“Oportunizei mais de 30 atletas (são 31) em 13 jogos. Agora, em momentos decisivos, saberemos com quem contar. Torcida quer vencer, derrota é ruim, mas Santos teve luxo de time alternativo para conhecer o elenco”, explicou Jair, em entrevista coletiva no último domingo.

No “intensivão” com o plantel em menos de dois meses e 12 partidas no Estadual, Jair Ventura encontrou soluções e teve a certeza de algumas carências. Veja um resumo abaixo.

Goleiros

O Peixe não tem qualquer carência nesse setor. Vanderlei é um dos melhores do Brasil e Vladimir costuma dar conta do recado quando acionado. João Paulo, terceira opção, chegou a ser titular em 2017 e também se mostrou confiável.

Laterais

Na ala direita, há um problema. Daniel Guedes é o atual titular. Victor Ferraz, em recuperação de luxação no ombro direito, é a alternativa. Não há, porém, uma terceira peça. O zagueiro Robson Bambu treinou como lateral e atuou assim na derrota para o São Bento, mas não convenceu.

Na lateral esquerda, Jair parece estar bem servido. Dodô foi contratado e vem sendo titular, Caju é o reserva e Jean Mota e Copete já desempenharam bem a função. Emerson Barbosa treina no sub-20 e pode pintar em caso de alguma necessidade. Romário foi emprestado ao Ceará após ir mal nas duas primeiras partidas.

Zagueiros

É, certamente, onde o Santos menos tem problemas. Os titulares Lucas Veríssimo e David Braz são regulares e ainda há Luiz Felipe, Gustavo Henrique, Cleber Reis, Robson Bambu e Matheus Guedes. Cleber, que não recebeu qualquer chance em 2018, deve ser emprestado.

Meio-campistas

É a área do campo onde Jair Ventura precisa se preocupar. No esquema 4-1-4-1, Alison é titular absoluto como primeiro “1”. À frente, Vecchio só deixou de jogar quando o alvinegro poupou a todos diante do São Bento, mas é irregular. O terceiro elemento, no momento, é Léo Cittadini, que busca afirmação.

O experiente Renato perdeu a vaga. Matheus Jesus foi negociado com o Gamba Osaka-JAP e Vitor Bueno não correspondeu quando acionado. Jean Mota ganhou as principais chances na lateral e pode ser uma solução no meio. Guilherme Nunes se mostrou um bom substituto para Alison. Gabriel Calabres, destaque da Copinha, e Victor Yan, promovido do sub-17, atuaram por poucos minutos na última rodada. Lucas Lourenço não saiu do banco de reservas e Yuri, com fratura em osso do pé direito, está fora de combate desde o começo da temporada.

Uma observação importante: Diego Pituca, não inscrito no Campeonato Paulista, tem agradado nos treinamentos, está na lista da Libertadores e pode ser novidade em um futuro próximo. Canhoto, ele é meia de origem no Botafogo-SP, mas também pode atuar como volante.

Atacantes

Enquanto espera pelo retorno de Bruno Henrique, em fase final de recuperação de contusão na retina do olho direito, o Santos procura o terceiro atacante para jogar ao lado de Eduardo Sasha e Gabigol.

Neste momento, Rodrygo larga na frente e deve ser titular contra o Nacional-URU, pela Libertadores. Arthur Gomes, Copete e Diogo Vitor são opções para o lado do campo. Yuri Alberto é reposição para Gabigol. Rodrigão perdeu espaço e nem vem sendo relacionado.

Time-base

Neste momento da temporada, a equipe titular do Santos é Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Alison; Eduardo Sasha, Léo Cittadini, Vecchio e Rodrygo; Gabigol.

Victor Ferraz e Dodô brigam por espaço nas laterais. Se Rodrygo vacilar, Arthur Gomes é a primeira opção. E Bruno Henrique deve retornar ainda nas fases finais do Campeonato Paulista. Para as quartas de final, o Peixe pode fazer quatro mudanças entre os inscritos. Romário e Matheus Jesus, negociados, serão substituídos. Pituca é um provável nome.

Veja todos os jogadores utilizados pelo Santos na primeira fase do Campeonato Paulista:

Goleiros: Vanderlei e Vladimir
Laterais: Daniel Guedes, Victor Ferraz, Dodô, Romário e Caju
Zagueiros: Lucas Veríssimo, David Braz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Robson Bambu
Meio-campistas: Alison, Renato, Vecchio, Léo Cittadini, Vitor Bueno, Matheus Jesus, Gabriel Calabres, Guilherme Nunes, Victor Yan e Jean Mota
Atacantes: Eduardo Sasha, Rodrygo, Gabigol, Bruno Henrique, Arthur Gomes, Copete, Rodrigão, Yuri Alberto e Diogo Vitor

Aos 16 anos, Victor Yan vibra por estreia inesperada no Santos

Victor Yan, 16 anos, estreou como jogador profissional do Santos no último domingo, na derrota por 3 a 1 para o São Bento, na Vila Belmiro, pela última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista.

A chance não era esperada. Com todos os titulares poupados, Yan, Emerson e Lucas Lourenço, das categorias de base, foram chamados para compor o banco de reservas. E Victor foi acionado para substituir Robson Bambu na metade final do segundo tempo.

Volante de origem, Victor Yan fez alguns treinamentos como lateral-direito com o técnico Jair Ventura no começo da temporada. A experiência o fez debutar no Peixe.

“Foi uma emoção enorme, não só pra mim, mas pra minha família também. Com certeza é algo que ficará marcado para sempre na minha vida. Sempre sonhei com isso. Quero agradecer a Deus, aos meus companheiros, a comissão técnica e ao Santos por esse momento maravilhoso. Espero que seja o primeiro de muitos jogos com essa camisa que carrega uma história linda no futebol”, disse Yan, do sub-17.

Surpreso com a oportunidade, o meio-campista revela a conversa com Jair na área técnica antes de entrar e lamenta a estreia com derrota na Vila.

“Eu fiquei muito feliz quando soube que ia para o jogo. O Jair já tinha falado comigo sobre uma chance no profissional, mas não imaginei que fosse acontecer tão rápido. Ali na hora que eu fui entrar, ele me passou as orientações, pediu pra ajudar bastante na marcação e trocar com o Guilherme (Nunes) na bola parada. Infelizmente tomamos o segundo gol, então eu tive que sair mais para o jogo, já que o time estava perdendo”, completou.

Victor Yan é um dos destaques da equipe sub-17 e tem multa rescisória de 50 milhões de euros (pouco mais de R$ 200 milhões). O volante tem boa saída de jogo e faz muitos gols na base.


Flamengo 1 x 2 Santos

Data: 26/11/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada (penúltima)
Local: Estádio Luso-Brasileiro, a Ilha do Urubu, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 15.456 presentes (13.798 pagantes)
Renda: R$ 288.083,00
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC/FIFA) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Diego e Felipe Vizeu (F); Jean Mota e Alison (S).
Gols: Lucas Paquetá (06-1), Bruno Henrique (10-1) e Arthur Gomes (28-2).

FLAMENGO
Alex Muralha; Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Renê; Willian Arão (Vinícius Júnior), Gustavo Cuéllar e Diego (Geuvânio); Everton Ribeiro, Lucas Paquetá e Felipe Vizeu (Lincoln).
Técnico: Reinaldo Rueda

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Fabián Noguera e Jean Mota; Alison, Renato e Vecchio (Kayke); Bruno Henrique (Matheus Jesus), Copete (Arthur Gomes) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Elano Blumer



Santos bate Flamengo e se garante na fase de grupos da Libertadores

O Santos garantiu presença na fase de grupo da Copa Libertadores 2018 durante a noite deste domingo. Na Ilha do Urubu, o time alvinegro começou em desvantagem diante do Flamengo, mas conseguiu no segundo tempo a virada por 2 a 1, resultado que assegura a classificação.

Com 62 pontos ganhos, o Santos dorme na terceira colocação do Campeonato Brasileiro, enquanto o Flamengo, com os mesmos 53 pontos, permanece no sexto lugar. A posição dos dois times pode ser influenciada pelo jogo entre Palmeiras (60) e Botafogo (52), que duelam às 20 horas (de Brasília) de segunda-feira, no Palestra Itália.

Pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos volta a campo para enfrentar o Avaí, time que ainda luta para evitar o rebaixamento. Já o Flamengo pega o também ameaçado Vitória, no Estádio Barradão. Todos os jogos serão disputados às 17 horas de domingo.

Antes de pensar no Brasileiro, o Flamengo tenta garantir vaga na decisão da Copa Sul-Americana. Às 22h15 da próxima quinta-feira, na Colômbia, o time rubro-negro encara o Junior Barranquilla precisando de um empate para avançar à final do torneio continental.

O jogo

Em um começo de jogo movimentado na Ilha do Urubu, o Flamengo saiu na gente logo aos seis minutos do primeiro tempo. Após escanteio pela esquerda, o zagueiro Rafael Vaz cabeceou, Victor Ferraz não conseguiu afastar e a bola sobrou para cabeçada certeira de Lucas Paquetá.

O Santos não sentiu o gol e conseguiu empatar quatro minutos depois, com a colaboração de Alex Muralha. O goleiro falhou na tentativa de driblar Ricardo Oliveira e perdeu a bola. O centroavante, então, tocou para Bruno Henrique completar com o gol vazio.

O time visitante marcou o gol da virada aos 28 minutos da etapa complementar, em nova falha de Alex Muralha. Colocado pelo técnico Elano no lugar de Copete, Arthur Gomes limpou a marcação pela esquerda e bateu para outro vacilo do goleiro adversário.

O Flamengo pressionou e buscou o empate nos minutos finais da partida, especialmente com o jovem Vinícius Júnior, posicionado na ponta esquerda. No entanto, o Santos soube como se defender na Ilha do Urubu e garantiu o triunfo para avançar à fase de grupos da Copa Libertadores 2018.

Bastidores – Santos TV:

Elano fala em “noite memorável” e valoriza vaga na Copa Libertadores

Encarregado de comandar o Santos após a saída do técnico Levir Culpi, Elano conduziu o time a uma vaga antecipada na fase de grupo da Copa Libertadores 2018. Satisfeito, o interino valorizou o feito após a vitória por 2 a 1 sobre o Flamengo, alcançada na noite deste domingo, na Ilha do Urubu.

Com 62 pontos ganhos, o Santos dorme na terceira colocação do Campeonato Brasileiro e ainda pode ser ultrapassado pelo Palmeiras, que tem 60 e ainda enfrenta o Botafogo na noite desta segunda-feira, no Palestra Itália. De qualquer maneira, o time praiano terminará, na pior das hipóteses, no quarto posto.

“É uma noite muito memorável. Estou vivendo uma experiência que não é simples. Enfrentar uma equipe da grandeza do Flamengo… Estive aqui e sei o que significa. É um clube fantástico e dirigido por pessoas capacitadas. Poder vir aqui, fazer um grande jogo e vencer é memorável”, declarou Elano.

O Flamengo chegou a sair na frente com um gol marcado por Lucas Paquetá, mas Bruno Henrique empatou para o Santos ainda no primeiro tempo. Na etapa complementar, colocado por Elano no lugar de Copete, Arthur Gomes marcou o gol da vitória.

“Estou muito feliz, porque é uma noite em que vou conseguir dormir muito melhor. É especialíssima para mim. Agradeço aos atletas e à diretoria pela confiança, mas o mais importante nesse momento é que o objetivo de Libertadores foi alcançado”, declarou Elano, evitando comentar o desempenho do vulnerável Alex Muralha.

“O Ricardo Oliveira foi muito bem, muito rápido. Acho que é mérito dos nossos atletas, que fizeram o que treinamos. Foi tudo muito bem executado e eles estão parabéns por uma noite memorável. Estamos na Libertadores, classificados à fase de grupos”, reiterou o interino.