Navegando Posts marcados como Atlético-GO

Santos 3 x 0 Atlético-GO

Data: 11/04/2019, quinta-feira, 21h30.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.623 pagantes
Renda: R$ 314.220,00
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
Auxiliares: Michael Correia e Carlos Henrique Filho (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Gilvan, Nicolas, Jonathan, Reginaldo Washington e Jorginho (A).
Cartão vermelho: Cueva (S)
Gols: Carlos Sánchez (44-1); Rodrygo (01-2) e Carlos Sánchez (39-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Aguilar, Lucas Veríssimo e Diego Pituca; Alison (Cueva), Sánchez e Jean Mota; Rodrygo (Eduardo Sasha), Soteldo e Derlis González (Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-GO
Maurício Kozlinski; Jonathan, Lucas Rocha, Gilvan e Nicolas (Reginaldo); Pedro Bambu, Washington (André Luis) e Jorginho; Matheus (Gilsinho), Pedro Raul e Mike.
Técnico: Wagner Lopes



Santos domina o Atlético-GO na reinauguração da Vila e avança na Copa do Brasil

O Santos venceu o Atlético-GO por 3 a 0 nesta quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro, e se classificou para a quarta fase da Copa do Brasil depois de derrota por 1 a 0 em Goiânia.

Depois de quase três meses de reforma, a Vila recebeu um Peixe insaciável, atacando a todo tempo. Os gols foram marcados por Sánchez (2) e Rodrygo, e a vantagem poderia até ter sido maior.

O adversário na quarta fase da competição será conhecido por meio de sorteio nesta sexta-feira. A eliminatória ocorrerá a partir da semana que vem.

O jogo

O Santos, assim como na semifinal contra o Corinthians, dominou o Atlético-GO por completo e atacou desde o primeiro minuto todo do meio-campo para frente.

As chances saíram naturalmente, mas o gol teimou em sair. Sánchez, Soteldo, Pituca, Victor Ferraz, Derlis… Todos tiveram oportunidade de marcar, mas coube ao uruguaio essa missão.

Jean Mota, até então apagado, deu passe perfeito para Sánchez deslocar Kozlinski e abrir o placar aos 44 minutos. O Peixe poderia até ter ido para o intervalo com vantagem maior.

No segundo tempo, o Santos fez justiça no placar rapidamente. Logo no primeiro minuto, Jean Mota cruzou, a bola atravessou a área e parou para o lindo chute de Rodrygo, de primeira. 2 a 0.

O Peixe diminuiu um pouco o ritmo, mas seguiu todo no campo de ataque. Sem administrar, viu o Atlético-GO ser perigoso em pelo menos três oportunidades no contra-ataque. Em um deles, de dois contra um, Pedro Bambu recebeu sozinho, mas bateu por cima, aos 17 minutos.

Após alguns sustos, o Alvinegro garantiu a classificação aos 39′, novamente com Sánchez. Soteldo recebeu na área e teve calma para encontrar o meia. O uruguaio bateu forte, de primeira, e a bola bateu no travessão antes de entrar. Nos acréscimos, Cueva entrou forte e foi expulso direto. Classificação justa na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli compara Pacaembu com “parente rico” e pede apoio por Santos na Vila

O técnico Jorge Sampaoli espera ter o Santos como mandante na Vila Belmiro ao longo de 2019. O argentino fez um apelo ao torcedor depois dos 3 a 0 sobre o Atlético-GO, pela Copa do Brasil.

O treinador comparou o Pacaembu com um parente rico e quer a Vila cheia para que a diretoria não precise trocar o mando.

“É um orgulho estar aqui. É comparar nossa casa com a de um parente rico. Essa é nossa casa, Santos é de Santos e me sinto orgulhoso aqui. Estar em outro lugar é jogar em outro lugar, não na sua casa”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Você gosta de estar na sua casa? Eu também. Temos obrigação de comover o torcedor em todo o jogo para que sempre esteja lotado. Se estiver cheio sempre, não teremos justificativas para não jogar aqui. Se tiver, teremos que sair por questões financeiras. Quero que a torcida venha para que não precisemos sair daqui”, completou.

A promessa do presidente José Carlos Peres é atuar em pelo menos metade das partidas do Santos no Pacaembu. Resta entrar em acordo com Sampaoli.

Sampaoli diz que Santos faria muito mais gols se tivesse um centroavante

O técnico Jorge Sampaoli voltou a falar sobre a falta de um centroavante depois da vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil.

O argentino crê que o Peixe faria muito mais gols se tivesse um camisa 9 à altura.

“Sempre joguei com um centroavante. Saber mexer na área é algo específico de uma posição. Chegamos com muitos jogadores, tentamos com um e com outro. Derlis jogou dentro e costuma jogar fora. Com tantos cruzamentos em cada jogo, com uma pessoa que se mova bem e entenda bem a leitura da partida, seguramente converteríamos muito mais gols. Temos muita verticalidade e situações. Fazemos poucos gols pelo que geramos. Precisamos de contundência com ou sem 9. Precisamos ser mais concretos para sofrer menos”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O sonho de consumo de Sampaoli é Ricardo Oliveira, do Atlético-MG. O presidente Sérgio Sette Câmara descartou a possibilidade de saída.

“Peres é meu amigo. Conversamos sobre muita coisa. Ele é um grande nome do futebol. Sobre o Ricardo, não há nada. Jogará toda a temporada no Atlético”, disse o presidente do Galo.

Sampaoli abre disputa entre Vanderlei e Everson no Santos: “Avaliaremos”

No início da temporada, Jorge Sampaoli definiu um rodízio entre Vanderlei e Everson no Santos: o camisa 1 no Campeonato Paulista; o 22 na Copa do Brasil.

Na noite desta quinta-feira, depois da vitória do Peixe por 3 a 0 sobre o Atlético-GO, na Vila Belmiro, o treinador abriu disputa entre os goleiros para o Campeonato Brasileiro.

“Eu disse que Everson estaria na Copa do Brasil e Vanderlei no Paulista. E depois que terminar isso, avaliaremos quem convém jogar”, resumiu o argentino.

Everson foi titular nesta quinta, fez boas defesas e viu duas bolas na sua trave. O jogador avaliou a sua atuação.

“Dizem que goleiro bom tem sorte. Não sei se sou tão bom, mas a sorte esteve comigo. Fico feliz por ter ajudado em outros lances”, afirmou.

Sampaoli fala em recuperar Cueva e cobra Rodrygo: “Tem sua vida resolvida”

O técnico Jorge Sampaoli falou sobre as situações de Cueva e Rodrygo depois da vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Atlético-GO nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela terceira fase da Copa do Brasil.

O peruano fez 10 jogos, sem gol ou assistência, e foi expulso nos acréscimos da partida diante do Atlético, de forma direta, após forte dividida. Rodrygo vinha sendo reserva até essa quinta.

“Há circunstâncias para eleger. Cueva tem grande valor, seguramente precisa de adaptação, chegou tarde depois de não jogar muito lá. Vai nos dar muito. Como Rodrygo, Cueva ou qualquer um, depende do que precisamos. Não nos guiamos pelos nomes, mas pela realidade. Quem não seja intenso por 90 minutos… Dizemos isso para o Rodrygo porque será exigido assim na Europa. Se consegue aqui, vai se adaptar mais rápido na Europa. Contra o Corinthians fizemos bom primeiro tempo, grande segundo tempo e ficamos com o segundo para hoje. Poderíamos ter jogado com Cueva e Jean de falso 9, mas escolhemos sem ele. Esperamos recuperá-lo pois é muito valioso, teve uma grande Copa”, disse Sampaoli, antes de comentar sobre Rodrygo.

“Sou mais exigente com os que mais podem. Quem não me brinda isso, precisa esperar. É com todos. É preciso exigir mais de quem mais pode oferecer. Rodrygo tem sua vida resolvida e está esperando julho para sair. Estou querendo ganhar no dia a dia, tentamos fazer ele entender. Fez um grande jogo hoje, outro dia também. Estou em cima dele para exigir o máximo. Para o bem dele e do Santos”, afirmou.

O Santos pagará R$ 26 milhões por Cueva em quatro temporadas. Rodrygo já está negociado com o Real Madrid e se apresentará na Espanha no dia 15 de julho.

Após ‘sacrifício’ pelo Santos, Jean Mota é elogiado por Sampaoli: “Incrível”

Jean Mota jogou no “sacrifício” na vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Atlético-GO nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, na classificação para a quarta fase da Copa do Brasil.

O meia se recuperou de pequena lesão em ligamento do joelho direito depois de não treinar com bola na última quarta, no CT Rei Pelé.

“Não conseguia andar no Pacaembu e agradeço pela fisioterapia por ter aguentado o jogo todo. Ainda sinto um pouco de dor e receio, mas graças a Deus pude fazer um bom jogo”, disse Jean Mota.

“Foi uma vitória convincente na nossa casa, estamos numa crescente, confiantes”, completou.

Após o esforço, o técnico Jorge Sampaoli elogiou o meia em entrevista coletiva.

“Santos foi decisivo, valente. Bem no primeiro e segundo gol. Contamos com centroavantes convertendo. Sánchez foi muito bem, Jean Mota foi incrível, com duas assistências. Ele nos ajudou muito depois de sair lesionado no jogo anterior. Fez um grande esforço para esse jogo”, explicou o treinador.

O adversário na quarta fase da competição será conhecido por meio de sorteio nesta sexta-feira. A eliminatória ocorrerá a partir da semana que vem.

Jean Mota celebra boa fase e quer continuar ajudando o Santos

No começo de 2019, antes mesmo da temporada começar, se tinha um nome que a torcida queria longe do Santos, esse alguém era Jean Mota. O meia foi um dos mais criticados de 2018, mas conseguiu dar a volta por cima sob o comando de Jorge Sampaoli.

Em entrevista à TV oficial do clube, o camisa 41 celebrou o excelente momento, e admitiu estar surpreendido por ser um dos grandes nomes do Peixe neste ano. “Para mim foi uma surpresa. Mas isso é fruto do trabalho. Venho buscando melhorar a cada dia mais. Acho que há uma semana atrás, vinham falando sobre jejum de gols e eu sempre falei que meu intuito é ajudar a equipe”, afirmou o meia.

Na última quinta-feira, na vitória por 3 a 0 sobre o Atlético-GO, Jean Mota deu duas assistências que resultaram nos gols de Carlos Sánchez e Rodrygo. O jogador relembrou os lances diante do Dragão, e voltou a ressaltar que seu principal objetivo é ajudar o Peixe.

“Pude ser feliz em dar duas assistências. Essa liderança (de artilheiro e líder em assistências) não é algo que eu prezo. Penso no dia-a-dia, a equipe e poder ajudar”, encerrou o atleta.


Atlético-GO 1 x 0 Santos

Data: 04/04/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio Antonio Accioly, em Goiânia, GO.
Público: 10.525
Renda: R$ 212.185,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior
Auxiliares: Luciano Roggenbaum e Rafael Trombeta.
Cartões amarelos: Moraes, Lucas Rocha e Gilvan (A); Gustavo Henrique, Cueva e Soteldo (S).
Cartão vermelho: Gustavo Henrique (S, 06-2).
Gol: Jorginho (36-2).

ATLÉTICO-GO
Maurício Kozlinski; Jonathan, Lucas Rocha, Gilvan e Moraes (Reginaldo); Pedro Bambu, Washington (André Luis) e Jorginho; Matheus, Pedro Raul e Mike (Gilsinho).
Técnico: Wagner Lopes

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Yuri (Alison), Jean Lucas e Cueva (Derlis González); Rodrygo (Luiz Felipe), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Com um a menos, Santos perde para o Atlético-GO e precisa de virada na Vila

Com um a menos, o Santos perdeu por 1 a 0 para o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil. O gol foi marcado por Jorginho, aos 36 minutos do segundo tempo.

Gustavo Henrique recebeu o segundo cartão amarelo aos seis minutos da etapa final. Mesmo assim, o Peixe teve algumas chances e equilibrou a maior parte do jogo, mas levou o gol no fim.

A partida de volta ocorrerá na próxima quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro. Como não há gol qualificado, qualquer decisão levaria a decisão para os pênaltis. Antes o Alvinegro enfrentará o Corinthians, segunda, no Pacaembu, pela volta da semifinal do Campeonato Paulista. Na ida, o rival venceu por 2 a 1.

O jogo

O primeiro tempo de 0 a 0 entre Atlético-GO e Santos teve emoção no início e no fim, com poucas chances na maior parte do tempo.

Logo aos quatro minutos, Pedro Raul recebeu sozinho na entrada área, tentou encobrir e deu no peito do goleiro Everson. Aos 15, Victor Ferraz rolou para Cueva isolar.

No minuto 25, Rodrygo fez boa jogada pela direita e cruzou para Sasha não alcançar na pequena área. Na sequência, o camisa 11 foi bem de novo pela ponta, achou Soteldo e o venezuelano rolou para Cueva bater fraco, de esquerda, para boa defesa de Mauricio Kozlinski.

No fim, o zero quase saiu do placar. Pedro Raul, de novo, cabeceou para boa defesa de Everson. No contra-ataque, Jorge fez boa jogada individual e chutou cruzado, Moraes afastou a bola que ia na direção do gol.

O Atlético-GO voltou a ter a primeira chance, aos cinco minutos. Pedro Raul deu bom passe para Matheuzinho chutar no pé da trave. E segundos depois, Gustavo Henrique foi expulso.

O zagueiro, amarelado por reclamação no primeiro tempo, agarrou Pedro Raul no contra-ataque e foi expulso justamente. Sampaoli imediatamente tirou Rodrygo e recompôs a defesa com Luiz Felipe.

E mesmo com um a menos, o Peixe ficou perto do gol aos 14. Alison chutou cruzado e Sasha, livre na pequena área, chutou mal de canhota antes de Lucas Rocha afastar o perigo.

Aos 27, o Atlético-GO ficou muito perto do primeiro gol. Jonathan chutou de fora da área, a bola desviou em Lucas Veríssimo e raspou a trave. Everson estava vendido no lance.

E no minuto 36, o Santos sucumbiu à pressão. Jonathan cruzou, Jorge ficou exposto contra dois adversários e Jorginho cabeceou para o fundo das redes.

Quando o placar marcava 43, o Atlético quase ampliou. Reginaldo recebeu cara a cara com Everson, se atrapalhou e o goleiro santista defendeu.

Sampaoli explica ‘mistão’ e diz que derrota ajudará a escalar Santos para clássico

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, explicou a decisão de time misto na derrota por 1 a 0 para o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil.

O argentino diz que essa escalação o ajudará a decidir a equipe para enfrentar o Corinthians, segunda-feira, no Pacaembu, pela volta da semifinal do Campeonato Paulista. Na ida, o Peixe perdeu por 2 a 1 em Itaquera.

“Pensamos em tudo (não só no jogo de segunda). Nós temos uma viagem agora, temos que treinar amanhã, voltar, só dois dias para treinar para enfrentar o Corinthians. São jogadores que estão jogando muito. A equipe teve muita autoridade, contra uma boa equipe. Viemos buscar o resultado, como sempre, mas voltamos sem gol”, disse Sampaoli.

“Todo jogo é importante para todos os que vêm. Cada rival é diferente. Deste jogo teremos conclusões para termos a melhor equipe para segunda (contra o Corinthians) e na quinta (volta da Copa do Brasil)”, completou.

O treinador também comentou sobre a expulsão de Gustavo Henrique, aos seis minutos do segundo tempo. O gol de Jorginho ocorreu aos 37.

“Influenciou em muitos aspectos. Tive que sacar um atacante como Rodrygo para colocar um (zagueiro) central. Isso muda a partida. Foi outra partida. O rival se entusiasmou com a vantagem numérica e ganhou a partida”, concluiu.

Gustavo Henrique reclama de “árbitro rígido” após expulsão pelo Santos

Gustavo Henrique reclamou da rigidez do árbitro Paulo Roberto Alves Júnior na expulsão durante a derrota do Santos por 1 a 0 para o Atlético-GO, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil.

O zagueiro recebeu o cartão amarelo no primeiro tempo, por reclamação. E aos seis da etapa final, agarrou Pedro Raul em contra-ataque e foi expulso.

“O árbitro foi rígido. Todo mundo conversa com a arbitragem… Difícil falar. Ele me deu amarelo porque saí do meu setor para falar com ele. Fui conversar educadamente com ele, mas recebi o amarelo”, disse Gustavo, à Globo.

O Peixe precisará de uma vitória simples para levar aos pênaltis ou dois gols de vantagem para avançar na próxima quinta, na Vila Belmiro.

Everson diz que expulsão não justifica derrota do Santos para o Atlético-GO

Everson não vê a expulsão de Gustavo Henrique como justificativa para a derrota do Santos por 1 a 0 para o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil.

O zagueiro recebeu o segundo cartão amarelo aos seis minutos do segundo tempo. O gol da vitória atleticana, de Jorginho, ocorreu aos 37 da etapa final.

“(A expulsão) Não justifica o placar, mas atrapalha. Poderíamos mesmo com um a menos termos feito um melhor jogo. Infelizmente sofremos o gol e agora temos que reverter esses dois jogos (Corinthians e Atlético-GO)”, disse Everson, ao SporTV.


Santos 1 x 0 Atlético-GO

Data: 22/10/2017, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 30ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.245 pagantes
Renda: R$ 117.270,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva e Cleberson do Nascimento Leite (ambos do PE).
Cartões amarelos: Alison (S) e André Castro (A).
Gol: Ricardo Oliveira (30-1).

SANTOS
Vanderlei; Zeca, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Alison, Matheus Jesus e Lucas Lima; Serginho (Renato), Copete (Lucas Crispim) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

ATLÉTICO-GO
Marcos; Jonathan (Ronaldo), Gilvan, William Alves e Bruno Pacheco; André Castro (Diego Rosa), Paulinho, Andrigo, Jorginho e Luiz Fernando (Igor); Walter.
Técnico: João Paulo Sanches



Sob protestos, Santos vence lanterna Atlético-GO e segue vivo no Brasileirão

Teoricamente, ocupar a terceira colocação do Campeonato Brasileiro é motivo para comemoração. Não é o caso do Santos! Enfrentando o lanterna Atlético-GO, o Peixe voltou a jogar mal na tarde deste domingo e foi alvo de protestos dos mais de 4 mil torcedores presentes na Vila Belmiro. Mesmo assim, a equipe comandada por Levir Culpi, que ‘quase’ foi demitido na última sexta-feira, conseguiu vencer por 1 a 0, com gol de Ricardo Oliveira.

Com a vitória, o alvinegro chegou aos 53 pontos e diminuiu a diferença para o líder Corinthians, que tem 59 e entrará em campo só nesta segunda, contra o Botafogo, no Rio de Janeiro. O Atlético-GO, por sua vez, segue em último, com 26 pontos e vai ficando próximo da queda para a Série B.

O jogo

Mesmo com o Santos controlando as ações desde o primeiro segundo, a partida começou em ritmo bem lento na Vila Belmiro. Porém, aos 11 minutos, o Peixe fez uma pequena ‘blitz’ na área do Atlético-GO. Após receber belo passe de Zeca, Serginho cruzou e a bola passou por todo mundo. No rebote, Jean Mota fez novo cruzamento, Ricardo Oliveira deu um leve toque e a redonda ficou limpa para Copete. Dentro da pequena área, o colombiano bateu em cima de Marcos e desperdiçou a chance de abrir o placar.

Apesar da pequena pressão e do domínio no meio, a equipe comandada por Levir Culpi não chegava com grande ímpeto do gol do Dragão, que praticamente colocou todo o time no campo de defesa, deixando o confronto sonolento.

Aos 26 minutos, porém, um lance confuso reanimou a partida na Vila. Após cruzamento de Andrigo na área, Lucas Veríssimo matou no peito, não afastou e deixou Vanderlei pegar a bola. O árbitro Pericles Bassols interpretou como recuo e marcou tiro livre indireto. Na cobrança, Walter soltou uma bomba em cima de Copete, que afastou o perigo em cima da linha.

Três minutos depois, Serginho ajeitou para Lucas Lima fora da área. O camisa 10 soltou um foguete e Marcos salvou. Na cobrança de escanteio, porém, o meia mandou na cabeça de Ricardo Oliveira, que desviou para vencer o goleiro do Dragão e abrir o placar na Vila.

Em desvantagem, a equipe de Goiânia precisou ir ao ataque e chegou bem aos 34, quando Andrigo tocou para Jorginho, que arriscou de fora da área e assustou Vanderlei.

Já no último grande lance do primeiro tempo, Walter rolou para Jorginho, que deixou o lance limpo para Andrigo. O meia mandou uma paulada, mas no travessão.

Ao contrário do que aconteceu na primeira etapa, a partida voltou do intervalo aberta e movimentada. Logo aos 2 minutos, Zeca cruzou na área, Copete desviou de cabeça e Lucas Veríssimo não conseguiu alcançar a bola.

No lance seguinte, Andrigo avançou pela direita e tocou para Jorginho. Livre na área, o meia finalizou em cima da zaga santista, que afastou o perigo.

Já aos 6 minutos, Jean Mota aproveitou espaço fora da área e soltou um foguete, acetando o travessão de Marcos.

Na sequência da partida, o Atlético-GO abandonou a postura defensiva do primeiro tempo e passou a ter o controle da bola no meio. O Peixe, por sua vez, aguardava um bom contra-ataque para ‘matar’ o confronto.

Apesar disso, foi o Santos quem teve as melhores oportunidades nos minutos seguintes. Porém, o goleiro Marcos fez várias boas defesas e manteve o 1 a 0 no placar.

Bastidores – Santos TV:

Santistas fazem ‘lei do silêncio’ após vitória sobre o Atlético-GO

Apesar da vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Atlético-GO, em partida válida pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro, o clima na Vila Belmiro foi tenso na tarde deste domingo. Os mais de 4 mil torcedores presentes no estádio vaiaram e protestaram contra o time do começo ao fim da partida. Os jogadores, por sua vez, optaram pelo silêncio após o triunfo.

O único atleta que falou com a imprensa foi Zeca, desacatando um pedido da comissão técnica. O lateral, que foi um dos mais perseguidos pela torcida, deu entrevista somente na saída.

“É hora de dar a cara. Tem de ter personalidade. Amo o Santos e vou lutar por ele”, resumiu o camisa 37, sob xingamentos e vaias.

Com a vitória, o alvinegro chegou aos 53 pontos, assumiu a terceira posição, e diminuiu a diferença para o líder Corinthians, que tem 59 e entrará em campo só nesta segunda, contra o Botafogo, no Rio de Janeiro.

Levir vê política do Brasil influenciando pressão no Santos e diz: “Pensei em sair”

Após quase ter sido demitido na última sexta-feira, o técnico Levir Culpi desabafou depois da vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Atlético-GO, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Demonstrando muita irritação e abandonando as piadinhas habituais, o comandante criticou bastante a cobrança em cima do Peixe, que ocupa a terceira colocação no torneio nacional.

Para Levir, a situação política do Brasil é um fator que tem afetado os ânimos dos torcedores e influenciado nas críticas que a equipe vem sofrendo nas últimas semanas.

“Há uma pressão em excesso. Não tem lógica, é uma coisa quase que insuportável. É uma perda de consciência. O erro no futebol é imperdoável. Um deputado rouba o Brasil, mas o jogador erra um chute, não pode errar. Onde vamos chegar? É uma cobrança descontrolada, acho que o povo está sentindo um desconforto muito grande com nossos governantes e precisa desabafar”, disse.

“Uma coisa ridícula, que só acontece no futebol brasileiro. Infelizmente está nesse momento incontrolável. É o único emprego controlado pelo Brasil inteiro (jogador e técnico). Nós passamos por uma dificuldade muito grande, os jogadores estão de parabéns. Vocês não sabem de nada dos bastidores, não tem as emoções que temos. Dedico essa vitória aos santistas que vieram realmente torcer pelo time”, ressaltou o comandante.

Levir Culpi ainda admitiu que quase pediu demissão após o episódio da última sexta-feira, quando chegou a ter sua saída decretada pela diretoria, que voltou atrás após conversa com o elenco.

“Nós erramos muito, mas quem da torcida erra menos? Um julgamento absurdo, eu cheguei a pensar eu mesmo em sair. Foi tudo uma palhaçada, um circo, até meu assessor de imprensa conseguiu acreditar em uma mentira. Está um pouco fora do controle, mas fiquei feliz com meus jogadores e com aqueles que torceram por nós”, concluiu.


Atlético-GO 1 x 1 Santos

Data: 01/07/2017, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio Olímpico Pedro Ludovico, em Goiânia, GO.
Público: 5.898 pagantes
Renda: R$ 97.145,00
Árbitro: Claudio Francisco Lima e Silva (SE)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fabio Pereira (TO).
Cartões amarelos: Jorginho, Marcão Silva e Bruno Pacheco (A); Thiago Maia (S).
Cartão vermelho: Jorginho (A).
Gols: Andrigo (12-1) e Thiago Maia (23-2).

ATLÉTICO-GO
Felipe; Eduardo (Jonathan), Marcão, Roger Carvalho e Bruno Pacheco; Marcão Silva, Andrigo (Abuda), Luiz Fernando, Jorginho e Breno Lopes (Diego Rosa); Everaldo.
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Noguera (Thiago Ribeiro), David Braz e Caju; Yuri, Alison (Thiago Maia) e Vitor Bueno (Lucas Lima); Vladimir Hernández, Arthur Gomes e Kayke.
Técnico: Levir Culpi



Mistão do Santos ‘acorda’ no 2º tempo e empata com lanterna Atlético-GO

O torcedor do Santos acompanhou dois times diferentes neste sábado. O primeiro, que iniciou o jogo contra o Atlético-GO, no estádio Olímpico, em Goiânia, foi apático, mal tecnicamente e facilmente dominado pelo Dragão, que abriu o placar com Andrigo. Já a outra equipe, beneficiada com a expulsão de Jorginho logo na volta do intervalo, mostrou força para pressionar o adversário durante toda a segunda etapa e buscar o empate em 1 a 1 com Thiago Maia, em duelo válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O empate foi ruim para os dois clubes. Com 17 pontos, o alvinegro subiu para a quarta colocação, mas pode ser ultrapassado por até seis times. Já o Atlético-GO, por sua vez, segue na lanterna do Brasileirão, com apenas sete pontos.

O jogo

O jogo começou bastante trucado em Goiânia. Com apenas três titulares, o Santos mostrava muito desentrosamento e errava diversos passes. Já o Atlético-GO, por sua vez, seguia com a pouca qualidade técnica apresentada nos últimos jogos e repetia os erros do Peixe.

Porém, a partida saiu da chatice após um erro coletivo da zaga santista. Aos 11 minutos, Caju perdeu a bola para o adversário, Noguera não acompanhou a sequência da jogada e Vanderlei acabou derrubando Breno Lopes dentro da área. Pênalti para o Dragão.

Na cobrança, o goleiro santista se redimiu e defendeu o chute de Everaldo. No rebote, porém, a zaga alvinegra não acompanhou Andrigo, que chegou em velocidade e empurrou para o fundo das redes, abrindo o placar no estádio Olímpico.

O tento animou os atleticanos. Aos 16 minutos, Luiz Fernando cobrou falta direto para o gol e Vanderlei se esticou todo para salvar o Peixe.

Mesmo com a vantagem no marcador, o Dragão seguiu apertando o Santos, que ficou acuado, sofreu com a pressão e não assustou o goleiro Felipe.

Além da derrota parcial no placar, o técnico Levir Culpi também perdeu Vitor Bueno. Aos 29 minutos, o camisa 7 caiu no gramado após choque com Marcão Silva. Por conta disso, o meia Lucas Lima, que estava sendo poupado, precisou entrar em campo.

O camisa 10, porém, pouco acrescentou na reta final do primeiro tempo. O Peixe seguiu jogando mal e só não foi para o intervalo com uma desvantagem maior porque a pontaria dos atleticanos estava ruim.

Precisando da virada para voltar ao G4 do Brasileirão, o técnico Levir Culpi voltou para a segunda etapa com Thiago Maia na vaga de Alison. Porém, que ajudou mesmo o Santos foi Jorginho, do Atlético-GO.

O meia, que já tinha amarelo, deu uma entrada dura em Vladimir Hernández e acabou expulso pelo árbitro Claudio Francisco Lima e Silva.

Com a vantagem numérica dentro de campo, o Peixe cresceu no jogo. O problema é que mesmo com a posse de bola, a equipe santista não conseguia chegar com qualidade ao gol de Felipe.

Porém, aos 23 minutos, o Dragão repetiu o Santos e sofreu o empate após falha coletiva da defesa. Abuda saiu jogando errado e perdeu a bola. Na sequência, Lucas Lima tocou para Thiago Maia. O volante mandou uma bomba de fora da área e contou com a ‘ajuda’ do goleiro Felipe para empatar a partida.

O empate animou os santistas. Com um homem a mais no gramado, o alvinegro se lançou ao ataque em busca da vitória. Os últimos minutos do jogo marcaram uma pressão tremenda do Santos em cima do acuado Atlético-GO.



Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Atlético-GO 2 x 1 Santos

Data: 10/11/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Estádio Bezerrão, no Gama, DF.
Público: 7.276
Renda: R$ 451.250,00
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Auxiliares: Jossemar Diniz Moutinho (PE) e Pedro Santos de Araujo (AL).
Cartões amarelos: Gustavo, Diego Giaretta e Ernandes (A); Adriano, Gérson Magrão e Neymar (S).
Gols: Bruno Rodrigo (45-1); Diogo Campos (38-2) e Márcio (43-2, de pênalti).

ATLÉTICO-GO
Márcio; Adriano, Diego Giaretta, Gustavo e Eron; Pituca (Marino), Dodó, Ernandes e Rayllan (Luciano); Diogo Campos e Ricardo Bueno (Patric).
Técnico: Jairo Araújo

SANTOS
Rafael; Rafael Galhardo (Bruno Peres), Bruno Rodrigo, Durval e Gérson Magrão; Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; Neymar e André (Victor Andrade).
Técnico: Muricy Ramalho



Neymar produz pouco e Santos perde de virada para o rebaixado Atlético-GO

Santos sai na frente, mas sem motivação, acaba derrotado pelo pior time do Brasileiro

Sem motivações neste Brasileirão, Santos e Atlético-GO fizeram uma partida em ritmo lento para a torcida brasiliense que compareceu ao estádio do Bezerrão, no Gama para ver Neymar. O santista não brilhou e acabou vendo sua equipe ser derrotada para os rebaixados do Atlético-GO, por 2 a 1, de virada.

Ainda sem ambições, Santos e Atlético-GO duelam na próxima rodada contra adversários que lutam por seus objetivos no Campeonato Brasileiro. Enquanto o time de meio de tabela recebe o Figueirense, que luta contra o rebaixamento e pode até já ter caído no próximo sábado, o primeiro rebaixado da temporada visita o Atlético-MG, na briga pelo título que pode nem durar até o próximo final de semana.

O jogo

A festa para Neymar estava preparada pela torcida que marcou presença em bom número no estádio do Bezerrão, em Brasília. Com base nas bolas paradas de seu capitão, o Santos tentou abrir vantagem nos primeiros minutos de bola rolando, mas o início da partida acabou disputado em ritmo lento, sem boas chances de gol. A primeira, por exemplo, só ocorreu aos 22 minutos, quando Galhardo tentou o chute de fora da área e a bola passou raspando a trave do goleiro Márcio. No lance seguinte, Ernandes lançou Ricardo Bueno, que bateu em direção ao gol para defesa segura de Rafael.

Mais eficiente com bola no chão do que nas cobranças de falta, o Santos se arriscou a construir algumas jogadas a partir da metade do primeiro tempo. Aos 28 minutos, Neymar abriu o jogo para Felipe Anderson, que dominou na entrada da área e bateu forte, para desvio de Diego Giaretta. A torcida presente no Bezerrão se empolgou pela primeira vez naquela ocasião. Na batida de Neymar, Bruno Rodrigo errou o alvo. Na sequência, foi a vez do camisa 10 cruzar para André não alcançar.

A mesma estratégia que falhou com o Peixe também foi utilizada pelos donos da casa: a bola parada. O lateral direito Adriano teve chance em cobrança de falta, aos 37, e acabou obrigando o goleiro Rafael a cair e fazer a primeira boa defesa da partida. Três minutos depois, o Atlético-GO exibiu sua fragilidade em nova batida de falta, desta vez ensaiada. Adriano exagerou na força ao rolar a bola para Diego Giaretta, que bateu muito longe do gol de Rafael.

Aos 45 minutos, o gol que acordou o torcedor. Em jogada de ataque do Santos, Diego Giaretta cometeu falta em Arouca, mas a bola seguiu viva e Eron acabou derrubando Felipe Anderson. O lateral Galhardo cobrou em cima de Eron, o único homem da barreira do Atlético-GO e partiu para a batida do escanteio. Por sorte, a bola acabou sobrando para Neymar, que levantou na segunda trave para André. O camisa 9 do Peixe escorou para o meio da área, onde Bruno Rodrigo concluiu de cabeça e abriu a vantagem santista.

Na etapa complementar, o Peixe claramente trabalhou para premiar o esforço de Neymar em sua centésima partida em Brasileiros. Logo no primeiro minuto, Arouca antecipou a marcação e conseguiu lançar o capitão santista, que invadiu a área, mas chutou ao gol durante uma queda, sem precisão. Cinco minutos depois, Felipe Anderson cobrou falta na marca do pênalti e o camisa 11 apareceu para se adiantar à marcação e dar de cabeça por cima da meta de Márcio.

No momento em que Neymar decidiu retribuir os favores, o Santos criou sua melhor chance no segundo tempo. O camisa 11 partiu em velocidade, esperou a passagem de Felipe Anderson, que recebeu o passe, mas atirou por cima do gol de Márcio. Mais tarde, Galhardo levantou a bola na segunda trave e Neymar fez graça na linha lateral, pela esquerda. Sem eficiência, o santista acabou desarmado.

Em cinco minutos, o Atlético-GO encontrou forças e acabou virando para cima do Santos: aos 38, Marino partiu em velocidade e fez cruzamento preciso para Diogo Campos, que se antecipou à marcação do Santos e bateu fraco. O goleiro Rafael não conseguiu se reposicionar e levou o gol por debaixo das pernas. Na sequência, o camisa 1 do Peixe acabou cometendo pênalti em Ernandes, convertido pelo goleiro Márcio.

No jogo 100 em Brasileiros, Neymar lamenta não presentear torcida candanga

Público do Distrito Federal, desacostumado a vê-lo jogar, acabou saindo decepcionado

O atacante Neymar completou, neste sábado, sua centésima partida em Campeonatos Brasileiros. Para apoiar seu ídolo e capitão do Santos na celebração desta marca, a torcida da cidade do Gama marcou presença no Bezerrão, mas voltou para casa sem ver um único gol do camisa 11. Pelo contrário, acabou conferindo a uma vitória do Atlético-GO, por 2 a 1 , em partida válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo sem ambições, o Peixe abriu o placar aos 45 minutos do primeiro tempo, com Bruno Rodrigo concluindo de cabeça uma jogada com participação de Neymar. Nos últimos minutos, o Dragão virou o placar sob protestos do principal jogador do Santos, que acabou reclamando da arbitragem de Emerson de Almeida Ferreira. O capitão do time visitante ainda recebeu um cartão amarelo aos 40 minutos.

“É ruim perder, a gente não gosta, mas é futebol, essas coisas acontecem. O que não acontece é tomar chute na cabeça, pontapé sem bola, aí a gente não pode aturar. Tem que ver”, protestou Neymar, antes de agradecer à torcida que compareceu ao Bezerrão: “Eles estão de parabéns pelo carinho, mas infelizmente eu não consegui dar a vitória para eles e para o Santos”.

Neymar já é o 14º maior artilheiro da história do Santos, com 205 partidas disputadas. Sem quebrar nenhum recorde neste sábado, o atacante ainda precisa de quatro gols para igualar Serginho Chulapa e se tornar o principal goleador do Peixe em uma única temporada, após a Era Pelé. A três partidas do fim do Brasileirão, o objetivo de se aproximar de Fred na artilharia da competição (são 12 gols contra 17) não seduz mais o camisa 11: “Ficou difícil demais, o Fred é fera”.

Muricy aponta omissão da arbitragem em derrota do Santos contra o Atlético-GO

Técnico reclamou de falta no final do jogo pouco antes de o Santos sofrer o segundo gol

Derrotado no Bezerrão mesmo contando com a maioria da torcida a seu favor na cidade do Gama, o técnico Muricy Ramalho evitou apontar culpados, mas deixou claro que a arbitragem pode ter prejudicado o Santos neste sábado, na derrota por 2 a 1 diante do Atlético-GO . Na visão do comandante santista, Émerson de Almeida Ferreira deixou de marcar uma série de faltas para sua equipe, que sofreu gols nos últimos minutos e acabou superada.

A principal reclamação de Muricy é a respeito de uma falta cometida pelo zagueiro Gustavo, aos 43 minutos do segundo tempo, sobre Victor Andrade, que havia entrado em campo vinte minutos antes. “A entrada no moleque foi perigosa, passou dos limites. O rapaz entrou forte. Ainda bem que ele subiu um pouquinho e pegaram ele no alto, senão seria muito perigoso”, disse o treinador, acompanhando o discurso de Neymar contra a arbitragem.

“É difícil ficar falando só de arbitragem, senão a gente acaba pondo a culpa na arbitragem. Isso não nos absolve da derrota. Acho que o Santos jogou bem até tomar o gol do empate, depois parou. A gente não merecia melhor sorte no segundo tempo porque atuamos bem diferente da semana passada”, resumiu o treinador santista, insatisfeito pela derrota no Bezerrão e pela falta de ambições do Santos, que apenas cumpre tabela na reta final do Campeonato Brasileiro.

Após a goleada por 4 a 0 aplicada sobre o Cruzeiro na última rodada, em pleno Independência, a expectativa santista era de vitória fácil sobre o já rebaixado Atlético-GO. Após a derrota, o Santos retorna a São Paulo ainda na noite deste sábado, tanto que a entrevista coletiva de Muricy foi concedida em apenas cinco minutos, na beirada do gramado. O próximo desafio será diante do Figueirense, no próximo sábado, na Vila Belmiro.

Santistas lamentam “vacilo” na derrota para o rebaixado Atlético-GO

Time saiu na frente com gol do zagueiro Bruno Rodrigo, mas permitiu a reação do oponente e saiu de campo derrotado pelo lanterna do Brasileiro

A derrota para o Atlético-GO, por 2 a 1, na noite do último sábado, no Bezerrão, deixou os jogadores do Santos irritados. Os atletas lamentaram o fato de a equipe ter permitido a reação do adversário, lanterna e já rebaixado, nos minutos finais da partida.

“Lamentável. O jogo estava nas nossas mãos. Demos dois vacilos e tomamos os dois gols”, disparou o volante Arouca, visivelmente inconformado com o resultado negativo no Gama (DF), onde o duelo foi realizado.

O autor do único gol santista no confronto, Bruno Rodrigo também não ficou satisfeito com a atuação do time. Assim como Arouca, o zagueiro apontou a falta de atenção nos minutos finais como razão principal para o revés no Bezerrão.

“Afrouxamos no final e levamos a virada. O time perdeu um pouco a concentração no final e aconteceu isso. Não podíamos vacilar dessa maneira”, comentou o defensor.

Com a derrota para o Atlético-GO, o Peixe agora ocupa o 12° lugar na tabela do Brasileirão. O próximo compromisso dos santistas é contra outra equipe rebaixada matematicamente para a segunda divisão nacional: o Figueirense. O jogo será disputado no próximo sábado, a partir das 19h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro.

Sem ambições, Santos desperdiçou 20 pontos contra times ameaçados

Time poderia estar brigando por uma vaga na Libertadores, caso ganhasse mais alguns jogos contra os times da parte de baixo da tabela

A três rodadas do encerramento do Campeonato Brasileiro, o Santos soma 46 pontos, ocupa a nona colocação e não tem qualquer ambição para a reta final do torneio. Após a derrota diante do Atlético-GO, neste sábado, no estádio do Bezerrão, o time do técnico Muricy Ramalho deixou evidente sua dificuldade para superar adversários mal posicionados na tabela de classificação.

Contra os seis clubes que ocupam as últimas posições do Brasileirão e disputam ponto a ponto para evitar o rebaixamento, o Santos travou dez confrontos até o momento. Destes, venceu apenas dois, e ainda somou quatro empates e quatro derrotas. Caso tivesse obtido melhores resultados, o time poderia ao menos brigar por vaga na próxima edição da Copa Libertadores.

Além da derrota contra o já rebaixado Atlético-GO, gols marcados por Diogo Campos em falha de Rafael e Márcio, em cobrança de pênalti cometido pelo camisa 1, o Santos soma um empate, no Pacaembu, diante do Dragão. Contra Portuguesa e Bahia, primeiros times fora da zona de degola, foram placares iguais: empate por 0 x 0 fora de casa e derrotas 3 x 1, no Pacaembu e na Vila Belmiro.Ainda derrotado pelo Sport na Ilha do Retiro, o time do técnico Muricy Ramalho venceu os outros dois integrantes da zona de rebaixamento: o Figueirense por 3 a 1, no Orlando Scarpelli, e o Palmeiras por 2 a 1, no Pacaembu. Na reta final do Brasileirão, o Santos ainda encara estes dois adversários, além do Corinthians.

Em preparação para enfrentar o Figueirense no próximo sábado, às 19h30 (de Brasília), pela antepenúltima rodada do Brasileirão, o Santos foca no planejamento para a temporada 2013 e já contratou o zagueiro Neto, do Guarani, a pedido de Muricy Ramalho.