Atlético-MG - Acervo Santista

Navegando Posts marcados como Atlético-MG

Atlético-MG 3 x 1 Santos

Data: 12/08/2018, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 18ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 22.062 pagantes
Renda: R$ 369.140,00
Árbitro: Rodrigo D’alonso Ferreira (SC).
Auxiliares: Helton Nunes e Thiaggo Americano Labes.
Cartões amarelos: Maidana, Elias (A).
Gols: Elias (09-1), Gabriel (25-1); Ricardo Oliveira (25-2) e Ricardo Oliveira (48-2).

ATLÉTICO-MG
Victor; Emerson, Léo Silva, Iago Maidana e Hulk; José Welison, Elias (Matheus Galdezani) e Nathan (Luan); Yimmi Chará, Tomás Andrade (Cazares) e Ricardo Oliveira
Técnico: Thiago Larghi

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Lucas Veríssimo e Dodô; Alison (Yuri Alberto), Jean Mota (Diego Pituca) e Léo Cittadini; Rodrygo, Bruno Henrique (Copete) e Gabriel.
Técnico: Cuca



Com lei do ex, Atlético-MG bate o Santos e volta a pontuar no Brasileirão

A “lei do ex” não tem falhado no futebol brasileiro. E assim foi na vitória do Atlético sobre o Santos, por 3 a 1, na manhã deste domingo, no Independência. O duelo pelo Campeonato Brasileiro teve sofrimento e bastante raça para o clube alvinegro conseguir o resultado que deixa a equipe na quarta colocação com 30 pontos anotados, já o Peixe segue colocado na zona de rebaixamento, com 18 tentos, na 16ª posição.

O jogo que marcou o reencontro do Atlético com o técnico Cuca – treinador que negociou com o clube mineiro em algum momento da temporada – foi bastante complicado para os dois lados. Além do forte calor, as duas equipes entraram em campo pressionadas. O Atlético foi mais eficiente, e conseguiu fazer o resultado. Já os santistas não curtiram o reencontro com o Ricardo Oliveira: ele marcou dois gols no triunfo e garantiu os três pontos para o Galo.

o jogo

O Atlético entrou em campo com alterações na equipe titular. O técnico Thiago Larghi fez testes durante a semana e a formação o agradou. O treinador atleticano tirou o volante Matheus Galdezani e escalou Nathan no lugar. Já Luan perdeu a vaga para Tomás Andrade.

A partida começou equilibrada. As disputas de meio campo eram intensas. Prova disso é que logo aos 2 minutos, dois jogadores já ficaram caídos no gramado.

Aos 9, o Galo chegou ao gol. No primeiro chute contra a meta de Vanderlei, Tomás Andrade recebeu na esquerda e tocou para Elias. O volante chutou forte, no cantinho e o goleiro santista não conseguiu alcançar.

O Galo, no entanto, recuou após o gol. O Santos aproveitava a situação para utilizar a velocidade e técnica de Rodrygo para buscar o ataque.

Aos 26, o Santos chegou ao empate. Com boa jogada de Rodrygo, na direita, a bola sobrou para Bruno Henrique, já dentro da área. Ele cruzou para Gabriel que mandou para o fundo das redes.

Mesmo com o gol santista, o Atlético não cresceu de rendimento. O Galo ficou travado no meio campo. Seu melhor jogador na etapa inicial, Tomás Andrade, não conseguia ter mais espaços e a armação de jogadas do Galo era inútil. Lá na frente, Ricardo Oliveira ficava ilhado.

Na volta para a etapa complementar, o técnico Thiago Larghi mandou Cazares na vaga de Tomás Andrade. A expectativa era ter um time com uma melhor armação de jogadas.

Não funcionou nos primeiros minutos. O jogo ficava bastante travado no meio campo, sem chances claras para os dois lados. O Atlético até conseguia segurar a bola, mas não fazia disso chances. O Santos também apostava na velocidade de Bruno Henrique, mas Emerson marcava bem o adversário.

Após os 20 minutos, com o calor que fazia em Belo Horizonte, os espaços começaram a aparecer. O Atlético soube aproveitar melhor essa situação.

Chará cresceu de rendimento e Elias aparecia bem no ataque. Com isso, o Atlético conseguiu criar mais chances. Primeiro com uma boa chegada de Chará, que chutou forte após tabela com Ricardo Oliveira.

Lances depois, aos 25, Cazares cruzou na medida para Ricardo Oliveira. O atacante desviou de cabeça e a bateu Vanderlei marcou o segundo gol atleticano.

No finalzinho, Ricardo Oliveira recebeu a bola na frente, em contra-ataque rápido, e fechou a contagem: 3 a 1 para o Galo.

Cuca reclama de pênalti, vê evolução e assume culpa por derrota do Santos

Cuca analisou a derrota do Santos por 3 a 1 para o Atlético-MG neste domingo, no Estádio Independência, em cima de três fatores: um pênalti não marcado, a evolução do time e a autocrítica após o resultado negativo.

O técnico viu penalidade máxima não assinalada em Gabigol no segundo tempo, depois de ser atingido por Leonardo Silva, gostou de alguns pontos da equipe e explicou as substituições: com as entradas de Léo Cittadini e Copete, o Peixe piorou.

“Vi a mesma coisa que você. Primeiro tempo muito bom, saímos atrás e desenhamos jogada, empatamos, tive posse de bola. Tivemos controle na maior parte, mesmo com um ou duas chances do Atlético. No segundo tempo, foi diferente. Atlético tomou iniciativa e veio pelo lado esquerdo da nossa defesa triangulando, sentimos isso e corrigimos isso com Copete e depois um meia no lugar do Jean Mota para criarmos mais. Tivemos chance do 2 a 1 com Rodrygo e Dodô, e um pênalti que tive cuidado de analisar. Conversei com Gabriel, um pênalti claro e que geralmente dão. Seria um lance que nos daria a vitória ou encaminharia como o segundo gol encaminhou para eles. Sentimos o jogo na segunda parte do segundo tempo, viagem… Terceiro gol pode pôr na minha conta para tirar um volante e tentar empatar. Culpa é do treinador que pôs o time, tenho que tirar o peso e cobrar internamente. Escorregamos no lance do terceiro gol, foi fatalidade, enfim. Vi coisas boas, principalmente no segundo tempo. Temos que trabalhar em cima disso para tentarmos vencer o Sport”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

O alvinegro voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro nesta quarta-feira, no Mineirão, pelo jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil. Depois de perder por 1 a 0 na Vila Belmiro, o Santos precisa vencer para avançar.

“Futebol é oportunidade diária para ser reversível. Temos que acreditar nisso. Quarta é outro jogo, competição diferente, e podemos muito bem ganhar. São duas equipes grandes em campo”, concluiu.

Técnico do Santos vê carências, mas não expõe: “Sem mandar recado pela imprensa”

Cuca analisou o elenco do Santos após a derrota por 3 a 1 sobre o Atlético-MG neste domingo, no Estádio Independência. O técnico vê carências no grupo, mas prefere não expor, e lamenta a chegada de três estrangeiros em meio ao segundo semestre: Carlos Sánchez, Bryan Ruiz e Derlis González.

“Estamos no meio de agosto e temos jogador praticamente por estrear, que jogou 15 minutos. Jogador sem entrosamento, conhecimento do futebol brasileiro. Ocorreram não sei se com aval do treinador ou não, mas mexem muito. Culpa é do treinador que pôs o time, tenho que tirar o peso e cobrar internamente. Sem mandar recado pela imprensa, cobrar lá dentro e fazer o melhor. Sabemos o que precisamos, já está falado para o Ricardo Gomes, sabe o que precisamos para sair da situação, mas não é na marra, tem que trabalhar e evoluir. Vi evolução hoje. Se tivermos esse nível e mais descansado, teremos chance maior de vencer”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

A principal deficiência do atual elenco é um centroavante. O Santos negocia com Junior Brandão, do Atlético-GO, e corre contra o tempo para viabilizar a transação e poder inscrevê-lo até o prazo máximo, no dia 15.

O Peixe gostaria de ter mais um volante e um meia, porém, tem pouco tempo para conseguir. Diante desse cenário, Cuca deve buscar soluções caseira na base ou elenco sub-23, além de oferecer chances a jogadores pouco utilizados na temporada, como Guilherme Nunes e Gabriel Calabres.

Dodô vê Santos cansado e exalta Ricardo Oliveira após derrota

O lateral-esquerdo Dodô viu dois fatores fundamentais para a derrota do Santos por 3 a 1 para o Atlético-MG na manhã deste domingo, no Estádio Independência, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro: o cansaço e Ricardo Oliveira, autor de dois gols.

“Mais um dia infeliz. Tivemos primeiro tempo melhor que eles, buscamos empate e sentimos um pouco o calor. Ficou evidente que time sentiu fisicamente e acabou tomando o gol. Temos que estar mais atentos. Nos três gols a bola estava no nosso domínio. Eles têm o Ricardo Oliveira, conhecemos bem e é cirúrgico. Mostrou que com quase 40 ainda faz diferença”, disse o ala.

Com mais uma derrota, o Peixe cai para a 16ª colocação, com 18 pontos, e pode voltar para a zona do rebaixamento ao término da rodada. O alvinegro voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro, quarta-feira, no Mineirão, pelo jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil. Na ida, a Raposa venceu por 1 a 0 e obteve a vantagem do empate.


Santos 3 x 1 Atlético-MG

Data: 04/11/2017, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 32ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.418 pagantes
Renda: R$ 337.480,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO/FIFA)
Auxiliares: Bruno Raphael Pires (GO/FIFA) e Leone Carvalho Rocha (GO).
Cartões amarelos: Daniel Guedes (S); Otero, Fábio Santos e Elias (A).
Gols: Arthur Gomes (45-1); Fred (05-2), David Braz (15-2) e Ricardo Oliveira (34-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Caju; Alison, Renato (Yuri) e Lucas Lima; Arthur Gomes (Daniel Guedes), Bruno Henrique (Rodrygo) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Elano Blumer

ATLÉTICO-MG
Victor; Marcos Rocha, Leo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adílson, Elias, Cazares (Valdívia) e Otero (Luan); Robinho e Fred (Rafael Moura).
Técnico: Oswaldo Oliveira



Santos muda postura, vence Atlético-MG e segue vivo na briga pelo título

Logo em sua primeira entrevista como técnico do Santos após a demissão de Levir Culpi, Elano afirmou que iria recuperar o ‘DNA ofensivo’ do clube. Pelo menos no primeiro tempo do duelo contra o Atlético-MG, neste sábado, na Vila Belmiro, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, o novo comandante conseguiu. Agressivo, o Peixe abriu o placar com Arthur Gomes. Na segunda etapa, porém, a equipe voltou a recuar e levou o empate, com Fred. Porém, os santistas alcançaram a vitória após gols de David Braz e Ricardo Oliveira, e seguem vivos na luta pelo título do torneio nacional.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 56 pontos, assumiu a segunda colocação e encostou no líder Corinthians, que tem 59 e encara o Palmeiras neste domingo, em Itaquera. Já o time mineiro, por sua vez, parou nos 42 e segue na 10ª posição.

O jogo

O jogo começou elétrico na Vila Belmiro. Com menos de dois minutos, o Santos perdeu duas boas oportunidades, com Arthur Gomes e Bruno Henrique, respectivamente. O Atlético, por sua vez, respondeu na sequência em rápido contra-ataque. Robinho avançou sozinho pelo lado direito e cruzou para Fred, que não alcançou. No rebote, Cazares entrou na área e chutou na rede pelo lado de fora.

Ao contrário do que acontecia com Levir Culpi, o Santos de Elano propunha o jogo na Vila. O Galo, por sua vez, buscava o contra-ataque. Aos 14 minutos, Ricardo Oliveira driblou dois atleticanos na lateral esquerda e rolou para Arthur Gomes. O jovem mandou uma bomba de fora da área e a bola passou muito perto do gol de Victor.

Aos 17, o goleiro do Galo cortou escanteio de forma errada e a redonda sobrou para Renato dentro da área. Porém, o volante chutou para fora e desperdiçou ótima oportunidade.

O Peixe não conseguiu converter o domínio em gols. Tanto que o lance mais comemorado pela torcida foi uma caneta de Alison em Robinho. O drible do volante em cima do Rei das Pedaladas foi comemorado como um gol na Vila.

Quem quase abriu o placar, por sinal, foi o Atlético-MG. Aos 32 minutos, Cazares avançou em velocidade pela direita, entortou Alison e tocou para dentro da área. Victor Ferraz afastou o perigo antes da chegada de Robinho.

A boa chegada do Galo não assustou o Santos, que seguiu melhor. Aos 36, Bruno Henrique cruzou na área, Gabriel cortou mal, e bola sobrou para Ricardo Oliveira. O centroavante, porém, mandou por cima de Victor.

Já aos 39, Bruno Henrique tentou o drible e a bola bateu na mão de Fábio Santos fora da área. Após muita reclamação e pedidos de pênalti pelos santistas, o árbitro Wilton Pereira Sampaio anotou a falta. Na cobrança, Lucas Lima bateu fraquinho, nas mãos de Victor.

E quando parecia que o duelo iria para o intervalo empatado, Bruno Henrique fez linda jogada pela direita e cruzou para Arthur Gomes. O jovem de 19 anos, que não era utilizado por Levir Culpi, testou firme para vencer Victor e abrir o placar para o Peixe na Vila.

Ao contrário da etapa inicial, o duelo voltou mais lento do intervalo, beneficiando o futebol mais cadenciado do Atlético-MG. Aos 4 minutos, Otero avançou pela direita e bateu por cima de Vanderlei. No lance seguinte, Robinho avançou também pelo lado direito e cruzou na cabeça de Fred, que apenas escorou para empatar a partida.

O tento logo no início voltou a animar o confronto. Aos 12, Bruno Henrique fez fila na zaga atleticana e tocou para Ricardo Oliveira. O camisa 9 tentou driblar Victor e perdeu a bola para o goleiro.

Três minutos depois, Lucas Lima cobrou escanteio no segundo pau, David Braz desviou e a bola foi devagarzinho até morrer no fundo da rede e colocar o Peixe em vantagem mais uma vez na Vila Belmiro.

Em desvantagem no marcador, o Atlético-MG passou a buscar mais o ataque e dominar o meio de campo. Aos 26 minutos, o time mineiro quase empatou em jogada bem parecida com a do primeiro gol. Robinho recebeu pela direita e cruzou na cabeça de Fred. Desta vez, porém, o centroavante testou fraco e Vanderlei pegou.

O jogo voltou a ficar elétrico na Vila. Aos 32, Robinho avançou na entrada da área e mandou uma bomba na trave. No lance seguinte, Leonardo Silva ganhou de todo mundo em cobrança de escanteio e testou na trave.

E o velho ditado “quem não faz toma” atacou novamente. Após perder duas boas chances, o Galo viu Bruno Henrique avançar em contra-ataque, aos 34 minutos, deixar Luan no chão e cruzar para Ricardo Oliveira testar firme e decretar o triunfo santista.

Com a vitória garantida, o técnico Elano aproveitou para promover a estreia de Rodrygo. Principal promessa das categorias de base, o jovem de 16 anos entrou na vaga de Bruno Henrique, mas não teve tempo para mostrar muita coisa.

Bastidores – Santos TV:

‘Estreante’ na Vila, Elano valoriza treinos e vibra com vitória do Santos: “Especial”

O torcedor do Santos se acostumou a ver Elano atuar na Vila Belmiro. Como treinador, porém, ele fez sua estreia neste sábado, em vitória do Peixe por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Substituindo o demitido Levir Culpi, o ex-jogador comemorou bastante o triunfo e fez questão de valorizar a semana livre de treinos antes do embate com o Galo.

“Treinamos muitas coisas durante a semana e se os jogadores não compram a ideia, não se dá para colocar em prática. A entrega no jogo é o espírito deles. São caras que chegam na frente, colaboram, são o alicerce do time. Temos uma base muito positiva. A gente sabe que a tática é boa se ela ganha. Fui feliz hoje, mas o mérito é dos atletas. Tive uma semana inteira de trabalho, ajudou bastante. Acabou de sair um treinador, se a gente coloca alguma coisa, parece que estamos apontando erros, mas não é isso, respeito muito o Levir. Eu saio em uma noite especial, é a primeira vez que sou treinador na Vila Belmiro. É especial”, disse Elano em entrevista coletiva.

O triunfo fez o alvinegro chegar aos 56 pontos, assumindo a segunda colocação e encostando no líder Corinthians, que tem 59 e encara o Palmeiras neste domingo, em Itaquera. Por conta disso, o técnico santista mantém vivo o sonho de conquistar a taça.

“Hoje pedi para eles (jogadores) irem para casa, comemorar como eles acharem melhor. Eles merecem. Temos folga no domingo e reapresentação na segunda. O campeonato está aberto. Independentemente do clássico entre Corinthians e Palmeiras amanhã. Vamos continuar nosso trabalho e a entrega tem que ser como a de hoje. Um time experiente e de muita qualidade”, concluiu Elano.

Arthur Gomes entra bem no Santos e agradece Elano: “Me deu a chance”

Arthur Gomes viveu uma tarde mágica neste sábado. Após receber um voto de confiança do técnico Elano, o jovem de 19 anos mostrou personalidade, jogou bem e fez o primeiro gol da vitória do Santos por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, na Vila Belmiro, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“É o melhor sentimento que todo o ser humano pode ter. Tinha certeza que eu iria fazer gol. Elano me deu a chance e eu estou muito feliz”, disse o atacante na saída do gramado.

‘Revelado’ por Dorival Júnior, Arthur quase não foi utilizado no período que Levir Culpi ficou no comando do Peixe. Tanto que a última atuação do jovem havia sido no dia 19 de julho, em vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, na Vila, quando jogou por apenas 15 minutos. Antes, ele só entrou em campo por poucos minutos contra o Vitória, Atlético-GO e São Paulo, respectivamente.

Vale lembrar que quando Elano assumiu a equipe interinamente pela primeira vez no ano, em junho, Arthur Gomes também ganhou uma oportunidade e foi titular na vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, no Pacaembu, no primeiro turno do Brasileirão.

E com o gol deste sábado, o jovem espera ganhar uma sequência no time titular, afinal, o colombiano Jonathan Copete, que ficou fora contra o Galo por uma conjuntivite, não vive boa fase.

Oliveira se vê em ‘uma crescente’ e valoriza coletivo do Santos: “Foi impecável”

Quem costumava assistir aos jogos do Santos de Levir Culpi deve ter até estranhado a apresentação da equipe neste sábado, em vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, na Vila Belmiro, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro. Propondo o jogo, principalmente no primeiro tempo, o Peixe não ficou satisfeito apenas em se defender e buscar o contra-ataque, que era comum com o antigo treinador.

Para o atacante Ricardo Oliveira, autor do último gol santista, o alvinegro mostrou um trabalho em equipe que pode fazer a diferença na reta final do Brasileirão.

“Nós temos de ressaltar o trabalho coletivo, que foi impecável. Outro fator positivo é o nosso torcedor, que gritou, nos apoiou. É o momento de unir forças”, disse o centroavante na saída do gramado.

Com o tento deste sábado, Oliveira alcançou a marca de 11 gols no ano, sendo que cinco foram anotados nos últimos sete jogos. “Meu momento é legal. Normalmente no final da temporada é quando começa a perder a potência. E eu estou em uma crescente. Fico feliz de contribuir hoje de novo”, concluiu o camisa 9.

O triunfo fez o alvinegro chegar aos 56 pontos, assumindo a segunda colocação e encostando no líder Corinthians, que tem 59 e encara o Palmeiras neste domingo, em Itaquera.

Vaias, caneta e derrota: Robinho volta a se dar mal em reencontro com o Santos

Robinho voltou a ser hostilizado por boa parte da torcida do Santos na vitória dos donos da casa por 2 a 1 sobre o Atlético-MG neste sábado, na Vila Belmiro. O atacante foi vaiado, driblado e derrotado.

Campeão brasileiro pelo Peixe em 2002 e 2004 e do Paulistão e da Copa do Brasil em 2010, o agora jogador do Galo se deu mal mais uma vez contra o time que o revelou. Foi a terceira derrota. Antes, perdeu por 3 a 0 na Vila, em 2016, e 1 a 0 no Horto, no primeiro turno.

Robinho foi vaiado desde o aquecimento. A torcida o chamou de mercenário e disse que o Santos não precisa dele. A cada domínio, os santistas lembravam da chateação por ele ter ido para o Atlético-MG no começo de 2016.

O momento de êxtase foi a caneta do volante Alison em Robinho, ainda no primeiro tempo. Acostumado a driblar, o atacante foi driblado e viu a torcida comemorar como um gol.

Depois de pouco tocar na bola na primeira etapa, Robinho tentou ajudar o Atlético a reagir. Ele deu ótimo cruzamento para Fred empatar o jogo, mas viu David Braz desempatar logo na sequência e Ricardo Oliveira matar o jogo.

Após a assistência, Robinho parou e olhou para a torcida do Peixe. Os atleticanos gritaram o seu nome. A retribuição veio com palmas. O Rei das Pedaladas ainda acertou a trave em chute de fora da área.

Antes de ir para o vestiário depois do apito final, ele ouviu ofensas e abaixou a cabeça, sem responder. Robinho é um dos alvos da atual diretoria do Santos para 2018. O contrato com o Atlético-MG se encerra no dia 31 de dezembro.

Robinho comentou a partida e disse que a torcida do Santos o ama.

“Infelizmente algumas bolas nossas bateram na trave e as deles entraram. Agora é levantar a cabeça e tentar vencer os próximos jogos. Eles me amam tanto (torcida do Santos) que é assim. O amor e o ódio estão sempre muito próximos”, disse o atacante.

Canal oficial do Santos no Youtube promove “cinco minutos de caneta” em Robinho. E depois tira do ar

Cinco minutos do Alison dando caneta no Robinho”. Este era o título de um vídeo postado pelo canal oficial do Santos no Youtube na noite deste sábado, após a vitória do Santos por 3 a 1 sobre o Atlético-MG.

Poucas horas depois, porém, o vídeo foi retirado do ar do canal oficial do Santos. Mas aí já era tarde: ele já havia sido compartilhado em outros canais e redes sociais por torcedores.

O vídeo provocativo a Robinho mostra o quanto o torcedor santista se ressente pelo fato de ele ter preferido ir para o Galo no ano passado, após rápida passagem pelo futebol chinês.

O Rei das Pedaladas, criado e revelado pelo Santos, acabou sendo muito hostilizado pelos torcedores santistas na Vila Belmiro. Foi o terceiro jogo dele contra o Peixe. E a terceira derrota. Veja abaixo o vídeo da caneta de Alison:


Atlético-MG 0 x 1 Santos

Data: 12/07/2017, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 13ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 12.949
Renda: R$ 333.473,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises e Michael Correia (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Vecchio e Daniel Guedes (S).
Gols: Daniel Guedes (48-2).

ATLÉTICO-MG
Victor; Marcos Rocha, Gabriel, Bremer e Fábio Santos; Yago (Valdívia), Rafael Carioca, Elias, Cazares e Marlone (Robinho); Fred (Rafael Moura).
Técnico: Roger

SANTOS
Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz, Jean Mota, Leandro Donizete (Alison), Thiago Maia, Vecchio, Thiago Ribeiro (Vladimir), Bruno Henrique, Kayke (Serginho).
Técnico: Levir Culpi



Nos acréscimos, Santos faz golaço de falta e bate o Galo em BH

O empate já não era um bom resultado para o Atlético. A derrota, por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Independência, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro, deve acarretar uma pesada crise, mais uma que Roger Machado terá de enfrentar no clube. Já Levir Culpi que não tem nada com isso, volta para São Paulo feliz da vida, com a permanência garantida no G4.

O Galo lutou bastante pelo resultado. Criou algumas chances, chegou com perigo em várias situações e teve um pênalti para conseguir fazer seu gol, mas nada disso foi possível. Os gritos ao término do jogo eram de “time sem vergonha”. O resultado é péssimo para o Atlético. A equipe que vinha em crescimento, fica na 10ª colocação, com 17 tentos somados. Já o Peixe alcança a vice-liderança, com 23 pontos.

O jogo

O duelo começou bastante animado na noite fria em Belo Horizonte. Com menos de cinco minutos, as duas equipes já tinham chegado com perigo contra as metas de Victor e Vanderlei.

Por jogar em casa, o Galo era mais forte em campo e tomava as principais ações. O Santos tinha a postura de se defender e depois sair em velocidade, aproveitando a capacidade de Thiago Maia e Bruno Henrique nas pontas.

Após os 10 minutos de jogo só deu Galo. O Santos se mostrava completamente recuado, esperando o contra-ataque enquanto o Atlético trocava passes na entrada da área santista tentando espaços.

O Galo, porém, não conseguia encontrar espaços para fazer seu gol. A melhor jogada atleticana aconteceu aos 25 minutos. Cazares recebeu a bola na área, encontrou Elias em ótimas condições que finalizou, mas parou em Vanderlei.

No contra-ataque, o Santos agrediu duramente o Atlético. Bruno Henrique recebeu na área, driblou Marcos Rocha e caiu na área. O árbitro Marcelo de Lima Henrique entendeu que o pênalti existiu e apontou a mão direita para a marca de penalidade. Na cobrança de Kayke, entretanto, Victor fez defesa firme e o empate seguiu.

O técnico Roger Machado reclamava bastante com o meia Cazares, pedindo mais profundidade do jogador, que ele ficasse mais aberto nas pontas. O Galo seguiu trocando passes em busca de espaços. O Peixe ainda com a estratégia do contra-ataque em velocidade. No fim do primeiro tempo, Bruno Henrique mandou uma bola na trave.

No finalzinho, o Galo teve uma chance de abrir o placar. Cazares saiu na frente e Leandro Donizete tropeçou no atleticano e o árbitro Marcelo de Lima Henrique entendeu que o pênalti existiu. Na cobrança, Fred mandou nas mãos de Vanderlei.

Na volta para a etapa final, o Santos voltou mais aberto, querendo atacar mais. Tanto que a primeira grande chance do segundo tempo foi de Kayke, mas Bremer ficou com a bola.

O Galo, quando atacava, ainda encontrava problemas, pois o Santos, nesta situação, se fechava. Ainda assim algumas chances foram criadas.

Mas a equipe da casa não conseguia abrir o placar. Por isso, Roger Machado mandou para o campo Robinho e Rafael Moura, na vaga de Marlone e Fred, nas mesmas posições, porém, jogadores descansados.

No finalzinho um banho de água fria. Em bela cobrança de falta, Daniel Guedes colocou no ângulo de Victor e saiu para o abraço.

Herói no Horto, Guedes desencanta e aproveita chance no Santos

Após quase sair do Santos no início do ano, Daniel Guedes vem recuperando seu espaço no clube. Com a saída de Dorival Júnior, o lateral-direito voltou a ser relacionado, ‘tomou’ de Matheus Ribeiro o posto de primeiro reserva e vem dando conta do recado quando é solicitado pelo técnico Levir Culpi.

Na noite desta quarta-feira, o jovem de 23 anos foi decisivo. Quando o duelo contra o Atlético-MG caminhava para o 0 a 0, Guedes acertou linda cobrança de falta e garantiu a vitória do Peixe no estádio Independência, em Belo Horizonte, em confronto válido pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. O tento foi o primeiro do atleta como profissional.

“Há muito tempo vinha pedindo a Deus para ter oportunidades, e hoje fiz o gol da vitória. É uma coisa que eu vinha buscando. Sabíamos que jogar aqui no Horto é muito difícil, eles colocam muita pressão. Sabíamos que tínhamos que fazer os gols nas poucas oportunidades que aparecessem. Perdemos algumas, mas fui feliz. Porém, a vitória é mais importante”, vibrou Daniel Guedes na saída do gramado.

O lateral-direito assumiu a titularidade contra o Galo após Victor Ferraz sentir dores no joelho e ser cortado pelo departamento médico. Caso o titular não esteja liberado nos próximos dias, Guedes seguirá no time contra o Vasco, no domingo, às 16h (de Brasília), no estádio Nilton Santos.

Levir ainda vê Santos ‘precisando melhorar’, mas diz: “Uma vitória dessas une”

Santos e Atlético-MG fizeram um jogo aberto no estádio Independência, nesta quarta-feira, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. As duas equipes criaram oportunidades e chegaram até a perder pênaltis (Fred parou em Vanderlei e Kayke não venceu Victor). Porém, quando a partida caminhava para o 0 a 0, Daniel Guedes acertou linda cobrança de falta e garantiu a vitória do Peixe no Horto.

O técnico Levir Culpi fez questão de elogiar o futebol apresentado pelos dois clubes em Belo Horizonte, lamentou o gol solitário e também reafirmou que o alvinegro ainda não está no ponto ideal.

“Foi um jogo muito aberto, com muitas possibilidades de gols.Vi duas equipes que jogam buscando a vitória. O Atlético tem um timaço. Nós fomos felizes na hora de botar a bola para dentro. A partida merecia um 4 a 3, pena que foi só 1 a 0. Os jogadores chegaram exaustos nos vestiários e isso é bom”.

“Uma vitória dessas une. A vitória tem efeito na questão emocional, assim como a derrota. Já vi vários times que nascem na vitória e vão embora (decolam). Vivemos muito em cima do emocional. Acho perfeitamente possível (deslanchar). Precisamos melhorar um pouco para ser campeão”, explicou o comandante santista.




Santos 3 x 0 Atlético-MG

Data: 14/08/2016, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 20ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.250 torcedores
Renda: R$ 410.170,00
Árbitro: Rodrigo Henrique Correa (RJ)
Auxiliares: Luis Cláudio Regazone (RJ) e Flávio Rodrigues de Souza (SP).
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Luiz Felipe, Yuri e Gustavo Henrique (S); Victor, Fábio Santos, Rafael Carioca e Fred (A).
Gols: Gustavo Henrique (12-1); Ricardo Oliveira (23-2) e Ricardo Oliveira (50-2).

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato (David Braz), Leo Cittadini (Rafael Longuini), Jean Mota (Yuri) e Vitor Bueno; Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior.

ATLÉTICO-MG
Victor; Carlos César, Erazo, Leonardo Silva e Fábio Santos; Rafael Carioca, Leandro Donizete e Maicosuel (Carlos); Robinho (Clayton), Lucas Pratto e Fred (Otero).
Técnico: Marcelo Oliveira



Com Robinho apagado, Santos arrasa o Galo com dois de Ricardo Oliveira

Na primeira vez em que Robinho esteve na Vila Belmiro como adversário do Santos, o atacante teve o dissabor de provar um característica bem familiar dos tempos em que atuava com a camisa santista: a mística a Vila Belmiro. Neste domingo, com uma tímida atuação, o atacante permaneceu 85 minutos em campo e transpareceu estar incomodado com o ambiente desfavorável de vaias dos torcedores santistas.

Por outro lado, o Peixe soube se impor em casa e tomou conta da partida em boa parte do tempo, com uma vitória por 3 a 0. A tática planejada antes da bola rolar, de explorar seu poderio ofensivo e a fragilidade da retaguarda adversária surtiu efeito. O Alvinegro praiano, agora, é detentor do melhor ataque da competição, com 35 gols.

Simbólico pelo fato de estar sem cinco titulares (Zeca, Thiago Maia, Gabriel, Vanderlei e Lucas Lima), o triunfo fez a equipe ultrapassar um forte concorrente direto ao título e de quebra colocou pressão no Palmeiras, na luta pelo primeiro lugar da tabela.

O jogo

O Santos começou a partida em um ritmo alucinante. Com toques envolventes, sem prender a bola, a equipe tomou conta da partida e criou várias oportunidades que pararam nas mãos ou defesas do goleiro atleticano Victor.

O Atlético-MG demorou para entender a sistemática do jogo e em meio aos muitos desencontros em campo, Gustavo Henrique aproveitou o descuido de Leonardo Silva na marcação, e subiu muito de cabeça para testar firme no gol de Victor, aos

Robinho, tímido e muito vaiado, caindo pela esquerda e Maicosuel pela esquerda não produziam nada. Fred se quer pegou na bola. Somente o argentino Pratto é quem demonstrou mobilidade e teve uma ótima oportunidade após uma cobrança de escanteio que terminou no travessão de Vladimir.

No andamento da etapa, o Santos mudou a estratégia de estar bastante presente no ataque e passou a apostar nos contra-ataques, o que proporcionou um relativo equilíbrio das ações dos dois times, mas que em todo momento teve o Peixe como equipe superior em campo.

Vale destacar que Ricardo Oliveira ainda teve duas ótimas oportunidades desperdiçadas de frente para o goleiro do time mineiro.

O Atlético-MG voltou como uma postura diferente na segunda etapa. Com mais movimentação no ataque e pressão na saída de bola santista, o time mineiro começou a incomodar os donos da casa.

Porém, com o passar do tempo, o Santos voltou a equilibrar as ações e novamente foi fatal na cobrança de escanteio. Aos 23 minutos, Ricardo Oliveira se desvencilhou da marcação de Pratto e cabeceou rasante para assinalar o seu primeiro gol no Brasileirão deste ano.

O gol desestabilizou o Atlético-MG, que passou a se enervar nas disputas de bola e deixou de levar perigo ao gol santista.

O Santos, por sua vez, manteve o toque de bola e administrou com sucesso a vantagem. Até que no minuto final, com o time mineiro completamente lançado no ataque, o Peixe foi cirúrgico no contra-ataque, com rápida troca de passes e finalização de Ricardo Oliveira.

Bastidores – Santos TV:

Decisivo contra o Galo, Ricardo Oliveira segue dominante na Vila

Ricardo Oliveira funciona para o Santos como uma espécie de talismã na Vila Belmiro. Com o atacante em campo, o Peixe mantem-se invicto em casa na temporada.

De fora dos gramados por um longo período de tempo, após sentir uma lesão no joelho, na final do Campeonato Paulista, o camisa 9 só atuou em quatro partidas no Brasileirão e desencantou justamente no estádio santista, com dois gols no triunfo sobre o Atlético-MG, por 3 a 0, neste domingo.

“Acho que o meu papel dentro do time é dar o meu máximo, meu melhor. Hoje meu melhor foi fazer dois gols, uma participação tática e, ao mesmo tempo, sendo efetivo nas oportunidades que tive, apesar de ter duas claras no primeiro tempo. No segundo tempo pude fazer dois gols”, comentou o artilheiro.

Na temporada, Ricardo Oliveira balançou as redes em 12 oportunidades nas 20 partidas em que esteve em campo. Pelo Santos, nas duas passagens em que esteve no Santos, o atacante marcou 70 gols em 114 jogos.

Dorival credita bom desempenho à semana cheia de trabalho

Após encarar uma sequência de três partidas em oito dias, o elenco santista teve uma semana inteira para trabalhar antes de encarar o Atlético-MG. O técnico Dorival Júnior apontou que o intervalo foi fundamental para a equipe conquistar os três pontos diante dos mineiros neste domingo.

“O Santos soube aproveitar essa parada e tivemos melhoras em muitos aspectos”, disse.

A recuperação física, principalmente em relação aos jogadores mais experientes, como o volante Renato e o atacante Ricardo Oliveira, foi possível por conta do intervalo determinante para a melhora de qualidade da equipe, segundo o treinador.

“Vínhamos em uma sequência absurda de jogos (antes do América-MG). A equipe não tinha forças. Tínhamos jogado contra o Flamengo antes, na quarta. Em algum momento o rendimento seria prejudicado. Tivemos poder de reação. O Vladimir teve atuação maravilhosa.”, comentou sobre o comparativo do time diante do América na semana passada e domingo, contra o Galo.

Santos supera desfalques olímpicos e tem melhor aproveitamento sem trio

O técnico Dorival Júnior costuma adotar um discurso padrão quando é questionado sobre as ausências do trio de jogadores que estão fora do Santos por conta da seleção brasileira que disputa as Olimpíadas no Rio de Janeiro. Na opinião do treinador, Zeca, Thiago Maia e Gabriel estão fazendo muita falta e são desfalques que podem comprometer o desempenho santista no Campeonato Brasileiro.

Porém, os números tem demonstrado justamente o contrário. Sem o trio olímpico, o Santos tem demonstrado superação e até apresenta um desempenho superior após a saída momentânea dos três jogadores.

Até ver seus atletas se apresentarem a seleção brasileira, o Peixe tinha realizado 15 partidas, com oito vitórias, dois empates e cinco derrotas. Um aproveitamento de 57%, com 27 gols marcados e 14 sofridos – médias de 1,8 gol marcado e 0,9 gol sofrido.

Sem o trio, porém, o Santos tem se virado bem. Nos últimos cinco jogos e contando com a vitória neste fim de semana, diante do Atlético-MG, a equipe obteve três triunfos, além de um empate e apenas uma derrota. O aproveitamento é de 66%, com oito gols marcados e três sofridos (médias de 1,6 gol assinalado e 0,6 gol sofrido). Ou seja, somente no critério gol marcado o Peixe mostrou-se superior com o trio de jogadores selecionáveis.

Zeca, Thiago Maia e Gabriel devem retornar ao Santos em uma semana, após a participação da seleção olímpica nos Jogos do Rio.

Atlético-MG 1 x 0 Santos

Data: 14/05/2016, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 5.403 pagantes
Renda: R$ 87.565,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA).
Cartões amarelos: Cazares e Carlos Eduardo (A); David Braz e Gustavo Henrique (S).
Gol: Cazares (14-1).

ATLÉTICO-MG
Uilson; Gabriel, Tiago, Edcarlos e Carlos César; Lucas Cândido, Eduardo, Carlos Eduardo (Pablo Diogo) e Cazares; Hyuri (Yago) e Clayton.
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Renato (Maxi Rolón), Thiago Maia, Vitor Bueno e Ronaldo Mendes (Matheus Nolasco); Paulinho (Serginho) e Gabriel.
Técnico: Dorival Junior



Santos perde para reservas do Galo e segue mal em estreias no Brasileiro

A sina do Santos em estreias no Campeonato Brasileiro continua. Na noite deste sábado, o atual bicampeão paulista sentiu as ausências do meia Lucas Lima, em recuperação de uma lesão no tornozelo direito, e do centroavante Ricardo Oliveira, com dores no joelho direito, e não foi páreo para o time reserva do Atlético-MG, que venceu por 1 a 0, com gol do equatoriano Cazares, feito no início da partida realizada no Estádio Independência, em Belo Horizonte.

Com o resultado, o Peixe completa 11 anos sem vencer pela primeira rodada do principal torneio nacional. A última vitória no duelo de estreia ocorreu em 2005, quando o time da Baixada Santista goleou o Paysandu por 4 a 1, na Vila Belmiro.

Dessa forma, o Santos se junta a Sport, Atlético-PR e Cruzeiro no grupo dos derrotados da rodada deste sábado. O Galo, por sua vez, repete o que Flamengo, Palmeiras e Coritiba fizeram e se apresenta na parte de cima da tabela.

O jogo

O Santos mostrou problemas com seu desempenho fora de casa logo nos instantes iniciais da partida. Em menos de cinco minutos, o Galo já havia perdido duas boas chances de gol com o garoto Hyuri. O Peixe, que não conseguia ter a tão almejada posse de bola, só foi aparecer no ataque aos 12, mas Uilson defendeu bem o chute de Paulinho.

De tanto pressionar a saída de bola santista, os mandantes conseguiram provocar o erro adversário e abrir o placar. Aos 14, Gabriel fez lançamento longo, David Braz errou o tempo de bola, que ficou com Cazares. O meia equatoriano, em posição legal apesar da reclamação dos jogadores do Santos, bateu forte no ângulo, sem chances para Vanderlei.

Muito acionado pela esquerda, o autor do gol continuou infernizando a zaga santista. Aos 24 minutos, o equatoriano fez belo lançamento para Carlos Eduardo, que receberia livre na área. Mas, o meia não conseguiu dominar a bola e o segundo do Galo não saiu.

Sentindo a falta da boa articulação de Lucas Lima, o atual bicampeão paulista, na primeira vez que obteve sucesso na troca de passes, aos 31, deixou Paulinho na cara do gol, porém o bandeirinha assinalou erradamente impedimento do atacante, que teria a chance de empatar o duelo. Três minutos depois, foi a vez de os atleticanos reclamarem da arbitragem, já que Hyuri estava em posição legal após bom passe de Cazares na ponta esquerda.

O ímpeto do Galo não baixou e o time de Diego Aguirre seguiu marcando forte a saída do Peixe, que não conseguia manter a bola em seus pés e por pouco não foi para o vestiário com uma desvantagem maior, uma vez que Clayton e Eduardo chegaram com perigo na área santista.

Precisando ganhar volume no meio-campo, o Santos voltou para a etapa final com Serginho no lugar de Paulinho. No primeiro lance, os visitantes quase empataram depois de uma bomba de fora da área de Gabriel, passando rente ao travessão.

A reação santista, porém, parou por aí. A equipe de Dorival Júnior até saiu mais para o jogo, mas sem criatividade, dando mais espaço para os comandados de Aguirre trabalhar a bola em contra-ataque. O técnico do Peixe, então, sacou o apagado Ronaldo Mendes, aos 19, para promover a estreia profissional do garoto Matheus Nolasco.

Sete minutos depois, o Peixe finalmente chutou em direção ao gol de Uilson, que defendeu em dois tempos o chute de Victor Ferraz. Pouco tempo depois, o treinador santista usou sua última carta na manga, mandando o argentino Maxi Rolón para o lugar de Renato.

De fato, o Santos cresceu e chegou a ter 62% de posse de bola nos últimos dez minutos de jogo. Aos 37, a melhor chance do Peixe no jogo: após bate-rebate na área atleticana, Victor Ferraz bateu firme, mas Uilson caiu bem para salvar o Galo.

Dorival alerta sobre necessidade de reforços e minimiza revés em estreia

Desfalcado dos lesionados Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o Santos acabou derrotado pelo time reserva do Atlético-MG, por 1 a 0, em Belo Horizonte, em sua estreia no Campeonato Brasileiro. Após a derrota deste sábado, o técnico Dorival Júnior alertou para a necessidade de a diretoria santista trazer reforços para o restante da temporada, levando-se em conta que o Peixe terá mais ausências no decorrer do campeonato.

Além de Lucas e Ricardo, o atual bicampeão paulista não poderá contar com o atacante Gabriel, que também estará servindo a Seleção Brasileira durante a realização da Copa América Centenário. Dessa forma, o Santos não terá o trio à disposição por até nove rodadas do principal torneio nacional. Esse número dobra no caso de Gabriel, que tem idade olímpica e tem como certa sua participação nos Jogos, em agosto, no Rio de Janeiro.

“Estamos trabalhando nesse sentido, a diretoria tem consciência de que nós precisamos de reforços pro restante da competição. Enquanto isso, vamos trabalhar com o que temos. É uma equipe que tem qualidade pra buscar uma recuperação e melhorarmos com o andamento do campeonato”, explicou o comandante santista, que até agora viu a diretoria acertar com o argentino Emiliano Vecchio até o fim de 2020.Yuri, do vice-campeão paulista Grêmio Osasco Audax, deve chegar por empréstimo.

Dorival ressaltou que a evolução da equipe durante o Brasileiro pode ser um pouco mais lenta, uma vez que as prováveis contratações ocorrerão em meio ao torneio, dificultando e atrasando o entrosamento do time. “O campeonato está em andamento, é natural que o ideal seria que nós já tivéssemos os jogadores em condições de trabalho para que a adaptação pudesse ser um pouco mais rápida”, argumentou Dorival, lamentando a possibilidade de o Santos fazer uma campanha irregular neste início de competição, algo recorrente nos últimos anos do clube.

“Contratar é uma coisa. Colocar os jogadores em condição de jogo é uma coisa completamente diferente e esse período não pode ser demorado, porque fatalmente, aí sim, nós estaremos abrindo uma possibilidade que o Campeonato Brasileiro acabe penalizando quem deixa de fazer pontos principalmente nessas rodadas iniciais”, afirmou.

Esta foi a 11ª estreia consecutiva em Brasileiros que o Peixe sai de campo sem vitória. A última aconteceu em 2005, quando o time da Vila Belmiro goleou o Paysandu por 4 a 1, em casa. “É a primeira (rodada) do campeonato. Nos jogos do Paulista, jogamos em alto nível tanto dentro quanto fora. Não é por uma derrota que vamos generalizar a competição”, concluiu.