Atlético-PR - Acervo Santista

Navegando Posts marcados como Atlético-PR

Atlético-PR 2 x 0 Santos

Data: 31/05/2018, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 8ª rodada
Local: Arena da Baixada, em Curitiba, PR.
Público: 9.173 pagantes
Renda: R$ 181.655,00
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Daniel Henrique da Silva Andrade e Ciro Chaban Junqueira (ambos do DF).
Cartões amarelos: Pablo (CAP); Bruno Henrique (S).
Gols: Thiago Heleno (17-1) e Guilherme (08-2).

ATLÉTICO-PR
Santos; Wanderson, Thiago Heleno e José Ivaldo; Matheus Rossetto, Camacho, Lucho González (Bruno Guimarães) e Thiago Carleto; Nikão (Bergson), Guilherme (Raphael Veiga) e Pablo.
Técnico: Fernando Diniz

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Diego Pituca (Léo Cittadini), Renato (Bruno Henrique) e Jean Mota; Gabigol, Rodrygo (Yuri Alberto) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jair Ventura



Atlético-PR vence com facilidade e empurra o Santos para o Z-4

O Atlético-PR dominou o jogo e venceu o Santos por 2 a 0 na noite desta quinta-feira, na Arena da Baixada, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Com os três pontos, o Furacão vai ao 13º lugar. O Peixe entrou na zona do rebaixamento, na 18ª colocação.

O Atlético fez um gol em cada tempo, com Thiago Heleno e Guilherme. O alvinegro, desorganizado, não esboçou reação e poderia ter sido goleado se os donos da casa tivessem tido mais capricho nas finalizações. A sequência de resultados negativos coloca o técnico Jair Ventura na berlinda.

O jogo

O Santos fez bons primeiros minutos. Defendia-se bem, mostrava certo perigo nos contra-ataques e imaginava-se uma partida diferente das recentes. Foi apenas uma ilusão.

O Atlético-PR passou a dominar o jogo e abriu o placar aos 17 minutos, quando Thiago Carleto cobrou escanteio, Camacho tirou Lucas Veríssimo do lance e Thiago Heleno, sozinho, venceu Vanderlei em cabeceio.

Daí em diante, o enredo do Peixe foi o mesmo de quase todos os jogos da temporada: desorganização, defesa bagunçada e buraco entre meio e ataque. O Furacão esteve mais próximo de ampliar do que o alvinegro de empatar, como na bola no travessão de Nikão aos 35.

E NADA MUDA

O Atlético-PR seguiu melhor no segundo tempo e ampliou logo aos oito minutos, quando Vanderlei falhou em cobrança de falta de Carleto e Guilherme aproveitou o rebote. O segundo gol do Furacão acabou com qualquer ponto positivo que o Santos tinha no jogo.

Desesperado, o Peixe apostou no chuveirinho e nos chutes de fora da área, sem uma jogada trabalhada. Com espaço, os donos da casa criaram chances e poderiam ter goleado se tivessem mais capricho nos contragolpes. Nem Bruno Henrique ajudou o Alvinegro na reação. O técnico Jair Ventura só mexeu a partir dos 17 e não conseguiu fazer o time melhorar.

Aos 35 minutos, o goleiro Vanderlei fez três boas defesas em sequência para impedir o terceiro gol e uma derrota ainda mais vergonhosa dos visitantes. O apito final foi de alívio para o torcedor.

Jair divide diretoria, e Santos espera até domingo para avaliar permanência

Antes unanimidade na diretoria do Santos, Jair Ventura está na berlinda. O técnico corre risco de demissão após mais uma derrota, desta vez para o Atlético-PR, por 2 a 0, nesta quinta-feira, na Arena da Baixada, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe vai esperar pelo jogo de domingo, contra o Vitória, na Vila Belmiro, para deliberar. A decisão pela demissão ou permanência precisa passar por votação no Comitê de Gestão, formado pelo presidente José Carlos Peres, o vice Orlando Rollo e sete dirigentes. Reuniões do colegiado costumam ocorrer às segundas-feiras.

Peres está em Londres, na Inglaterra, na chefia da delegação da seleção brasileira na preparação para a Copa do Mundo na Rússia. O mandatário volta na segunda-feira. Em rápido contato com a Gazeta Esportiva, o presidente foi ponderado e falou que é preciso ter calma neste momento: “Vamos ver. Temos que restabelecer a ordem primeiro”.

Presidente interino, Orlando Rollo está com a delegação do Santos em Curitiba. O vice também foi ouvido pela reportagem, negou a demissão neste momento e se limitou a dizer que “a decisão tem que passar pelo Comitê de Gestão”.

Mesmo irregular, o Santos está nas oitavas de final da Libertadores e quartas da Copa do Brasil. Em compensação, o Peixe ocupa a 18ª colocação e está na zona do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. O alvinegro foi eliminado na semifinal do Paulistão.

Jair não cogita pedir demissão no Santos: “Aqui não tem covarde”

Pressionado após mais uma derrota, dessa vez para o Atlético-PR, na Arena da Baixada, Jair Ventura afirma que não pedirá demissão do Santos. O técnico diz que recebeu o respaldo do vice-presidente Orlando Rollo depois de mais um resultado negativo neste domingo, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O Peixe foi para a 18ª colocação, na zona do rebaixamento.

“Se eu vou pedir demissão? Eu não peço demissão. Aqui não tem covarde para entregar o cargo. Já falei com o vice-presidente e ele deu respaldo. Essa gestão confia muito no meu trabalho em longo prazo”, disse Jair, em entrevista coletiva.

A permanência de Jair Ventura divide opiniões na diretoria do Peixe. A permanência será reavaliada depois do jogo de domingo, contra o Vitória, na Vila Belmiro. Em caso de nova atuação ruim, o Comitê de Gestão se reunirá e pode votar pela demissão.

Peres está em Londres, na Inglaterra, na chefia da delegação da seleção brasileira na preparação para a Copa do Mundo na Rússia. O mandatário volta na segunda-feira. Em rápido contato com a Gazeta Esportiva, o presidente foi ponderado e falou que é preciso ter calma neste momento: “Vamos ver. Temos que restabelecer a ordem primeiro”.

Presidente interino, Orlando Rollo está com a delegação do Santos em Curitiba. O vice também foi ouvido pela reportagem, negou a demissão neste momento e se limitou a dizer que “a decisão tem que passar pelo Comitê de Gestão”.

Torcedores do Santos invadem hotel em Curitiba para protestar

Torcedores do Santos protestaram contra o time em invasão ao hotel onde o elenco está hospedado em Curitiba, depois da derrota por 2 a 0 para o Atlético-PR, neste domingo, na Arena da Baixada, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

O vice-presidente Orlando Rollo, o volante Renato e o atacante Gabigol foram conversar com os santistas. Gabriel Barbosa foi um dos maiores alvos da torcida.

O conflito dentro do hotel foi superado e o protesto continuou fora do estabelecimento, depois do ônibus chegar com os atletas. A delegação volta para Santos apenas nesta sexta-feira.

Pressionado, Santos aposta em vendas e investidores por reforços

O Santos tem aproveitamento de 45% em 2018 e está na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. O técnico Jair Ventura está pressionado e o Peixe entende que o maior problema está na falta de boas opções no elenco. A situação financeira do clube, porém, atrapalha a busca por reforços.

O alvinegro gastou tudo em dívidas urgentes e no dinheiro necessário para colocar salários e premiações do elenco em dia. Agora, está zerado. Não há qualquer poder de investimento. Nem para opções desconhecidas no mercado.

Diante desse cenário, o Santos aposta em dois fatores para conseguir trazer caras novas no segundo semestre, depois da Copa do Mundo: venda de jogadores do elenco e apoio de investidores.

O Peixe quer negociar atletas que não são unanimidade para fazer caixa e poder contratar quem possa ser titular. São os casos de Daniel Guedes, Jean Mota, Vecchio e Copete, por exemplo. Lucas Veríssimo, bem conceituado no elenco, é outro que deve sair. Recentemente, o zagueiro trocou de empresário visando melhores propostas.

O alvinegro cogitou aliviar os cofres com Rodrygo. O Barcelona aumentou a proposta e ofereceu 30 milhões de euros (R$ 130 milhões) pelos 80% direitos econômicos do clube. A ideia dos espanhóis era garantir a compra e tê-lo apenas em 2020. A resposta foi ‘não’.

Sobre os investidores, o Santos tem conversado com alguns empresários. Um deles é Delcir Sonda, do Grupo DIS. O agente tem ótimo relacionamento com o presidente José Carlos Peres e está disposto a repassar atletas promissores, de até 23 anos, ao Peixe.

Outros dois empresários e sócios prometeram ao alvinegro a compra de Lucas Zelarayán, do Tigres-MEX. A intenção da dupla é realizar a vontade do meia, de jogar no Santos, e ficar com a representação do atleta no mercado. O argentino também está na mira do Racing e River Plate, da Argentina.

O Peixe quer ao menos quatro reforços: dois meio-campistas e dois atacantes. Além de Zelarayán, Carlos Sanchéz, do Monterrey-MEX, Bryan Ruiz, de saída do Sporting-POR, Paulo Henrique Ganso, do Sevilla-ESP, Thiago Maia, do Lille-FRA, e Favio Álvarez, do Tucumán-ARG, estão na mira.


Santos 1 x 0 Atlético-PR

Data: 23/09/2017, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.257 pagantes
Renda: R$ 118.835,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Sidmar dos Santos Meurer (ambos de MG).
Cartões amarelos: David Braz (S) e Lucho (A).
Gol: Bruno Henrique (34-1).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Alison (Matheus Jesus), Vecchio (Serginho) e Jean Mota; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

ATLÉTICO-PR
Weverton; Jonathan, Paulo André, Wanderson e Fabrício; Pavez, Lucho (Rossetto), Felipe Gedoz (Lucas Fernandes), Nikão e Sidcley (Ribamar); Guilherme.
Técnico: Fabiano Soares



Santos ‘esquece’ trauma da Libertadores e vence Atlético-PR na Vila

A melancólica eliminação do Santos na Libertadores vai demorar muito para sair da cabeça dos santistas. Neste sábado, porém, o Peixe conseguiu afastar um pouco a má impressão que deixou na derrota para o Barcelona de Guaiaquil. Estreando seu novo uniforme, o time comandado por Levir Culpi venceu o Atlético-PR por 1 a 0, na Vila Belmiro, espantou uma possível crise e manteve-se vivo na luta pelo título do Campeonato Brasileiro.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 44 pontos, ultrapassando Grêmio, com 43, e diminuindo a diferença para o líder Corinthians, que tem 53. Os dois rivais, porém, jogam neste domingo. O time paranaense, por sua vez, parou nos 34 pontos e não encostou no G6 do Brasileirão.

O jogo confirmou que o Peixe é o grande carrasco do Furacão em 2017. O Rubro-Negro foi superado dentro de casa no primeiro turno – 2 a 0 dentro da Arena da Baixada. De quebra, os paranaenses foram eliminados nas oitavas da Libertadores com duas derrotas – 3 a 2 na Vila Capanema e 1 a 0 no litoral paulista.

O jogo:

Assim como aconteceu contra o Barcelona de Guaiaquil, na última quarta, o Santos optou por deixar a bola no pé do Atlético-PR no início do jogo. Porém, a equipe paranaense não conseguiu assustar e quem chegou primeiro foi o Peixe. Aos 16 minutos, Bruno Henrique chutou de fora da área e Weverton salvou.

Já aos 23, foi a vez de Copete lançar para Ricardo Oliveira, que finalizou de primeira, mas mandou por cima.

A resposta do Furacão veio dois minutos depois, quando Gedoz driblou Alison com facilidade e soltou uma bomba de longe. Porém, Vanderlei foi firme na bola e defendeu. Aos 33, a cena se repetiu. O atleticano passou tranquilamente pelo volante santista, mas acabou chutando para fora.

O Peixe avançou no lance seguinte e foi fatal. Após bomba de Jean Mota manda de fora da área, Weverton espalmou, mas soltou nos pés de Bruno Henrique, que só empurrou para abrir o placar na Vila Belmiro.

Em desvantagem, o Atlético-PR se lançou ao ataque antes do intervalo, mas parou em Vanderlei, que fez linda defesa após voleio de Nikão e manteve o 1 a 0 no primeiro tempo.

Mesmo com a vitória parcial, o Peixe voltou melhor que o Furacão para o segundo tempo. Logo aos 3 minutos, Bruno Henrique entortou a marcação na entrada da área, mas acabou mandando por cima do gol de Weverton.

A equipe comandada por Fabiano Soares, por sua vez, não conseguia assustar a meta defendida por Vanderlei. Em compensação, o Santos perdeu boas oportunidades aos 14 minutos. Na primeira, Daniel Guedes fez belo cruzamento para Copete, que bateu de ombro e mandou pra fora. Na sequência, o próprio colombiano aproveitou erro do Furacão bateu colocado da entrada da área, obrigando Weverton a fazer boa defesa.

O Atlético-PR ‘acordou’ aos 24, quando Fabrício bateu firme pelo lado e a bola chegou a tocar na trave de Vanderlei. Dois minutos depois, Nikão cortou o goleiro santista e tocou para Ribamar dentro da área. O atacante bateu para o gol, mas David Braz cortou em cima e salvou o Peixe.

Na reta final do confronto, o Furacão se lançou ao ataque, mas abriu um buraco em sua defesa, proporcionando bons contra-ataques ao Santos e deixando a partida aberta. Porém, ninguém balançou as redes e a partida terminou mesmo com o triunfo santista.

Levir comemora ‘recuperação psicológica’ do Santos após eliminação

Ser eliminado de uma Libertadores nunca é fácil. Porém, o Santos caiu no torneio continental após perder dentro de sua própria casa, o que traumatizou ainda mais o elenco e a torcida. Mesmo assim, os santistas precisam erguer a cabeça rapidamente para enfrentarem o Atlético-PR, neste sábado, na Vila Belmiro, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.

E apesar de toda a pressão depois da queda na Libertadores, o Peixe conseguiu bater o Furacão por 1 a 0 e segue sonhando com a conquista do Brasileirão. Para o técnico Levir Culpi, porém, a recuperação da confiança foi até mais importante do que o triunfo em si.

“O tamanho da decepção do jogo passado, transportado para essa noite, dava pra imaginar um resultado negativo contra o Atlético. É uma carga pesada. E tivemos apenas três dias de preparo para jogar contra um time de grande porte. Quero dedicar a vitória a todos os jogadores. Nós ficamos decepcionados, mas do lado de fora. Eles ficam do lado de dentro e têm que se recuperar. Então eu dedico aos jogadores que participaram da partida e aos torcedores que vieram torcer pelo Santos. Eu acho que depois de uma derrota, nós devíamos encher o estádio. Colocar o estádio para cima. O maior valor foi a recuperação psicológica. O poder de fogo deles foi impressionante, eu gostei muito de ver”, disse Levir em entrevista coletiva após a partida deste sábado.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 44 pontos, ultrapassando Grêmio, com 43, e diminuindo a diferença para o líder Corinthians, que tem 53. Os dois rivais, porém, jogam neste domingo. Na próxima rodada, o Peixe visita o Palmeiras, no sábado que vem, às 19h (de Brasília), em São Paulo.

“O próximo adversário é simplesmente o Palmeiras. Imagine se tivéssemos perdido hoje. A repercussão que seria. Por isso eu quero agradecer as pessoas que vieram torcer por nós. Eles (Atlético-PR) tiveram uma semana, enquanto nós três dias. Eu penso que podemos fazer um bom jogo pelo Palmeiras também. Nós traçamos uma meta. Faltam 13 jogos. Nós tivemos 16 jogos sem perder. Nós queremos completar a temporada sem perder. Passou. Você desliga o fator “Libertadores” e liga outro. Só nos restou o Brasileiro. A parte psicológica é envolver todos nessa situação e é a parte mais difícil do futebol”, concluiu Levir.

Guilherme crê que Santos mereceu a vitória e lamenta erros de passe

O atacante Guilherme lamentou a derrota sofrida para o Santos na noite deste sábado, por 1 a 0, entretanto, não crê que o Atlético-PR tenha tido uma má atuação coletiva. Na visão do jogador que pertence ao Corinthians, o time acabou pecando nos detalhes e relembrou o bom desempenho recente para garantir que o Furacão seguirá firme na briga por uma vaga na Libertadores do próximo ano.

“A gente tem feito um final de primeiro turno e início de segundo muito bom. Nosso intuito aqui era vencer. Por uma questão de detalhe tomamos um gol, talvez faltou a gente ser mais incisivo ali no ataque, ser mais forte no último lance. É um resultado que o Santos mereceu, tiveram até mais chances no final. Agora é seguir o trabalho, porque ainda temos a meta de alcançar o G6”, disse Guilherme ao Premiere após a partida.

O atacante também negou que o gol do Santos já na reta final do primeiro tempo tenha abalado a equipe, que foi para o intervalo em desvantagem. Ainda assim, Guilherme admitiu que os erros protagonizados pelos jogadores do Atlético-PR na etapa complementar não podem se repetir.

“A gente continuou conseguindo jogar, quando iniciou o segundo tempo tivemos um número grande de erros de passe até estabilizar novamente. É algo que não dá para explicar, vai do jogo, de cada um. Um erra, o outro acaba errando também, vira uma bola de neve. Aí no início do segundo tempo demorou para a gente reequilibrar o jogo, talvez tenha demorado para encontrarmos o jogo novamente, aí já era tarde”, completou.

Após prejuízo de R$ 30 mil na Vila, Santos leva duelo com Vitória para o Pacaembu (Em 27/09/2017)

Apenas alguns dias após registrar o seu menor público no Campeonato Brasileiro, o Santos decidiu tirar o seu próximo jogo como mandante na Vila Belmiro. A CBF anunciou que o clube optou por levar o duelo com o Vitória, pela 28ª rodada e agendado para 16 de outubro, para o estádio do Pacaembu.

Ainda de ressaca pela eliminação nas quartas de final da Copa Libertadores para o Barcelona de Guayaquil, o Santos voltou a campo no último sábado para encarar o Atlético Paranaense. O time venceu o compromisso por 1 a 0, mas a partida registrou o seu pior público como mandante neste Brasileirão, com apenas 4.257 pagantes.

A baixa presença da torcida acabou provocando prejuízo de R$ 29.189,08 ao Santos, de acordo com o borderô publicado pela CBF no seu site oficial. E a situação pode ter pesado para a decisão da diretoria de mudar o palco do próximo jogo como mandante no Brasileirão – antes, o time fará partidas como visitante contra o Palmeiras e a Ponte Preta.

Afinal, o Santos já entrou em campo oito vezes no Pacaembu nesta temporada, sendo sete delas em competições oficiais, com média de público de mais de 22 mil pagantes por compromisso. Os números são bem superiores, portanto, aos da Vila Belmiro, onde o Santos tem média de cerca de 8.600 pessoas em 20 partidas disputadas no seu estádio.

Além disso, os bons resultados esportivos levam a diretoria a levar mais jogos do Santos ao Pacaembu, onde o time está invicto há 23 jogos. Agora, então, em 16 de outubro, o time tentará ampliar o retrospecto positivo e atrair mais público no duelo com o Vitória.


Santos 1 x 0 Atlético-PR

Data: 10/08/2017, quinta-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.360 pagantes
Renda: R$ 622.995,00
Árbitro: Mauro Viglian (ARG)
Auxiliares: Diego Bonda e Gabriel Chade (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Guilherme (A).
Gol: Bruno Henrique (32-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Alison (Daniel Guedes), Yuri (Jean Mota) e Lucas Lima; Copete (Thiago Ribeiro), Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

ATLÉTICO-PR
Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Fabrício; Rossetto (Bruno Guimarães), Lucho e Nikão, Sidcley (Pablo) e Guilherme; Ribamar (Ederson).
Técnico: Fabiano Soares



Santos é dominado pelo Atlético-PR, mas marca no fim e avança na Libertadores

Parece repetitivo escrever que o futebol não é uma ciência exata. Porém, o duelo entre Santos e Atlético-PR, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, apenas expõe como esse é um esporte inexplicável. Completamente dominado dentro de seu estádio, o time comandado por Levir Culpi foi posto ‘na roda’ e viu o Furacão pressionar, parando em Vanderlei, Veríssimo e na trave. E quando a pressão atleticana parecia que daria resultado, foi o alvinegro que marcou com Bruno Henrique, na reta final do segundo tempo, e confirmou a classificação para as quartas de final da Libertadores.

Com a vaga garantida, o Peixe agora se prepara para encarar o Barcelona de Guayaquil na próxima fase da competição continental. Porém, como o embate só acontecerá em setembro, a equipe comandada por Levir Culpi precisa ‘virar a chavinha’ e pensar no Campeonato Brasileiro, já que pega o Fluminense na próxima segunda-feira, às 20h (de Brasília), no Pacaembu.

O Furacão, por sua vez, esquece de vez a Libertadores e mira suas forças apenas na luta para chegar no G6 do Brasileirão. No próximo domingo, o time paranaense recebe o Bahia, às 19h, pela 20ª rodada do torneio nacional.

O jogo:

O jogo começou truncado na Vila Belmiro, como uma decisão de Libertadores. Precisando reverter a vantagem, o Atlético-PR demonstrou mais ímpeto no início e teve a primeira boa chegada do duelo. Aos 9 minutos, Nikão driblou Victor Ferraz no lado esquerdo e bateu. A bola desviou na zaga e assustou Vanderlei.

No lance seguinte, Nikão avançou novamente pela esquerda e cruzou na área. David Braz furou ao tentar afastar, mas o camisa 1 do Peixe salvou.

As duas chegadas atleticanas ‘acordaram’ o Santos, que respondeu na sequência, quando Bruno Henrique recebeu de Ricardo Oliveira e bateu de longe, passando perto do travessão de Weverton.

Porém, após a primeira chance desperdiçada, o alvinegro recuou e entregou a bola para o Furacão, esperando por um contra-ataque. O time de Curitiba, por sua vez, passou a dominar as ações e só não abriu o placar porque o Peixe tinha Vanderlei embaixo da trave.

Mostrando nenhum abatimento por ficar fora da lista de convocados da Seleção Brasileira, o goleiro santista fez três grandes defesas em um minuto e salvou o Santos novamente na Vila.

A pressão atleticana continuou. Aproveitando-se da fragilidade no meio-campo santista com Yuri e Alison, a equipe comandada por Fabiano Soares botou o Peixe ‘na roda’. Aos 37 minutos, Jonathan avançou com facilidade pelo lado direito e cruzou para o meio da área. Sidcley, completamente sozinho, bateu no meio do gol. Porém, se Vanderlei estava vendido no lance, foi a vez de Lucas Veríssimo colocar o peito na bola, em cima da linha, e livrar o alvinegro de ir para o intervalo em desvantagem no marcador.

Mesmo com a entrada de Jean Mota na vaga de Yuri, o segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro: com o Atlético-PR dominando completamente o Santos dentro da Vila. Aos 13 minutos, Jonathan cruzou para Ribamar, mas Lucas Veríssimo dividiu com o atacante e afastou o perigo.

Dois minutos depois, porém, o Peixe finalmente assustou o goleiro Weverton. Após lindo lançamento de Jean Mota, Veríssimo desviou de cabeça e a bola tirou tinta da trave esquerda do arqueiro atleticano.

A chance desperdiçada pelo alvinegro não diminuiu o ímpeto do Furacão, que seguiu dominando e pressionando em plena Vila Belmiro. Aos 26 minutos, Sidcley mandou de fora da área e obrigou Vanderlei a fazer mais uma boa defesa.

No lance seguinte, quem salvou o Santos foi a trave. Após cruzamento de Nikão, Jonathan apareceu livre na área e cabeceou na trave. Logo depois, Sidcley também avançou sem marcação e só parou em Vanderlei.

Porém, mesmo sendo completamente amassado na Vila, o Peixe conseguiu encaixar o tão esperado contra-ataque e matou o confronto. Aos 32 minutos, Lucas Lima lançou para Ricardo Oliveira na direita. O atacante cruzou na medida para Bruno Henrique apenas escorar e decretar a classificação santista na Libertadores.

Bastidores – Santos TV:

Herói do Santos, Vanderlei esquece seleção: ‘Estou em um grande clube’

Já virou rotina escrever que Vanderlei foi o herói do Santos. Nesta quinta-feira, o camisa 1 foi decisivo mais uma vez, fez diversas defesas importantes e segurou a pressão do Atlético-PR em plena Vila Belmiro, garantindo a classificação santista para as quartas de final da Libertadores.

Antes de ser protagonista do alvinegro de noite, o goleiro viu o técnico Tite deixá-lo de fora da lista de convocados da seleção brasileira para a os jogos contra o Equador, no próximo dia 31, em Porto Alegre, e Colômbia, no dia 5 de setembro, fora de casa, válidos pelas Eliminatórias Sul-Americanas. Esquecido pelo comandante da amarelinha, Vanderlei valorizou seu momento no Santos.

“Não tenho o que reclamar de nada (sobre a não convocação). Estou em um grande clube, jogando grandes campeonatos. Tenho consciência de que tenho feito o meu melhor”, disse o camisa 1 após a vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-PR, na Vila Belmiro.

Com a vaga garantida, o Santos agora se prepara para encarar o Barcelona de Guayaquil nas quartas de final da competição continental. O embate acontecerá em setembro.

“A gente precisava dessa classificação. Eles (Atlético-PR) fizeram uma bela partida, mas o importante é passar de fase. O Barcelona é um adversário difícil. Precisamos fazer um bom jogo fora de casa para ficarmos mais tranquilos na Vila”, concluiu Vanderlei.


Atlético-PR 2 x 3 Santos

Data: 05/07/2017, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio Vila Capanema, em Curitiba, PR.
Público: 13.770 pagantes
Renda: R$ 243.395,00
Árbitro: Roberto Tobar (CHI)
Auxiliares: Marcelo Barraza e Claudio Rios (ambos do CHI)
Cartões amarelos: Otávio, Thiago Heleno (A).
Gols: Nikão (06-1), Kayke (25-1); Bruno Henrique (11-2), Kayke (22-2) e Ederson (26-2).

ATLÉTICO-PR
Weverton; Cascardo, Thiago Heleno, Paulo André e Sidcley; Otávio, Lucho Gonzalez (Pablo), Rosseto (Gefita), Coutinho (Carlos Alberto); Nikão e Ederson.
Técnico: Eduardo Baptista

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Vecchio); Copete, Bruno Henrique e Kayke (Fabián Noguera).
Técnico: Levir Culpi



De virada, Peixe bate o Furacão e consegue vantagem para volta

Em uma partida repleta de alternativas na Vila Capanema, em Curitiba, o Santos venceu o Atlético Paranaense por 3 a 2, pelo primeiro encontro valendo pelas oitavas de final da Libertadores da América. Com o resultado, a equipe alvinegra vai levar para a casa a vantagem de poder garantir a vaga para a sequência da competição mesmo com um empate.

O Furacão começou embalado e, aos seis minutos, Nikao aproveitou cruzamento para estufar a rede e abrir o placar. O Peixe chegou ao empate aos 25 minutos, com Kayke tocando por cima de Weverton. A virada veio na segunda etapa, com Bruno Henrique, aos 11 minutos, Kayke, com um golaço, aumentou a vantagem e Ederson descontou para o Rubro-Negro.

As equipes se encontram novamente para o jogo de volta no dia 10 de agosto, às 21h45 (de Brasília), na Vila Belmiro, em Santos.

O jogo

O Furacão começou a partida pressionando, sufocando o Peixe. Aos dois minutos, Ederson fez a jogada individual e cruzou, mas ninguém conseguiu alcançar. A pressão deu resultado aos seis minutos, depois que Sidcley chegou pela lateral e cruzou rasteiro para Lucho, que furou, mas contou com a chegada de Nikão, que bateu de primeira e abriu contagem.

O gol animou ainda mais o torcedor, que empurrou o time para chegar perto do segundo, aos oito minutos, com Thiago Heleno subindo para testar por cima da meta de Vanderlei. A marcação rubro-negra estava adiantada, acuando o Santos. Aos 16 minutos, a primeira chegada de perigo da equipe alvinegra, com Kayke cabeceando para o meio da área e Bruno Henrique errando a finalização.

O Peixe equilibrou as ações e, aos 25 minutos, Jean Mota iniciou a jogada, trabalhando com Lucas Lima, que lançou Kayke. O atacante invadiu a área e tocou por cima de Weverton para deixar tudo igual. O jogo mudou depois do empate, ficando mais restrito ao meio-campo. Aos 32 minutos, Lucho recebeu na área foi travado e ficou pedindo pênalti, sem ser atendido. Aos 35 minutos, Vanderlei trabalhou bem ao parar cruzamento errado de Otávio. Furacão no ataque, aos 44 minutos, mas o chute de Lucho parou na trave após desvio de Vanderlei.

Para a segunda etapa, as equipes voltaram sem modificações. Logo no primeiro minuto, Rosseto perdeu a bola para Thiago Maia, que encontrou Kayke que, sozinho, parou na defesa de Weverton. A resposta veio aos cinco minutos, em contra-ataque com Douglas Coutinho, que bateu cruzado, para fora. Porém, aos 11 minutos, Victor Ferraz fez a jogada, Weverton não agarrou o chute e Bruno Henrique, em cima da linha, empurrou para a rede para decretar a virada.

O Atlético voltou a pedir pênalti, aos 19 minutos, depois que Carlos Alberto fez fila e foi tocado por Jean Motta. O jogo seguiu. A partida voltou a ficar pegada e equilibrada. Até que, aos 22 minutos, Kayke recebeu cruzamento rasteiro e de letra apareceu para desviar e marcar um golaço na Vila. A torcida atleticana, mostrando irritação, começou a pedir a queda de Eduardo Baptista.

Porém, era um confronto com muitas alternativas e, aos 26 minutos, Sidcley cruzou, Rosseto escorou e Ederson apareceu para desviar e descontar para o Rubro-Negro. Aos 31 minutos, Lucas Lima cobrou falta, a defesa afastou e, na sobra, Bruno Henrique chutou cruzado em cima da zaga. Aos 38 minutos, Bruno Henrique invadiu a área, fez a fila e chutou pela linha de fundo. O Atlético estava aberto, mas não conseguia forçar, facilitando o trabalho do Peixe, que segurou a vantagem para a volta.

Kayke valoriza jogo ‘sábio’ do Santos e torce por dupla com Oliveira

A ‘decisão’ contra o Atlético-PR começou da pior maneira possível para os santistas. Antes mesmo dos 10 minutos de jogo, o Furacão já vencia por 1 a 0, na Vila Capanema. Porém, mesmo com a desvantagem no placar, o Santos soube manter a tranquilidade e buscou a virada por 3 a 2, nesta quarta-feira, no confronto de ida das oitavas de final da Libertadores.

E o triunfo no Paraná só foi possível graças a Kayke. Oportunista, o atacante marcou duas vezes, sendo que o último foi um golaço de letra. Porém, mesmo após a bela apresentação, o camisa 11 preferiu valorizar a partida inteligente do alvinegro.

“É um recurso (gol de letra). O Bruno Henrique foi feliz no drible. Vimos o gol rapidinho no vestiário após o jogo e fico feliz por ser auxiliado pelo Bruno, Copete, Lucas Lima. Fica mais fácil com eles. Temos que dar valor ao nosso jogo. Jogamos de forma sábia e saímos daqui com o que esperávamos”, explicou Kayke.

Vale lembrar que o camisa 11 só assumiu a titularidade do Peixe após problemas de Ricardo Oliveira. O centroavante sentiu contusão no tornozelo depois do clássico contra o Corinthians, no dia de 3 de junho. Além disso, ele também foi acometido com uma pneumonia.

Porém, o camisa 9 já está recuperado e voltou a treinar no CT Rei Pelé. Aproveitando a boa fase, Kayke não se intimida com o retorno de Oliveira e até projeta uma dupla de ataque com o capitão do santista. “Estou esperando pelo retorno do Ricardo. É um grande jogador e meu amigo. Já já ele voltará e podemos tranquilamente jogar juntos também”, disse.

Com a vitória, o Santos leva uma imensa vantagem para o jogo de volta. Agora, o Peixe pode até ser derrotado por 1 a 0 ou 2 a 1, na Vila Belmiro, no próximo dia 10 de agosto, que consegue a classificação para as quartas de final da Libertadores.

“Temos que esquecer a vantagem. Atlético-PR pode reverter, mas não podemos deixar. Ainda não passamos de fase”, concluiu Kayke.

‘Dono do jogo’, Lucas Lima valoriza dedicação do Santos: “Honramos”

Lucas Lima foi o ‘dono’ da partida entre Santos e Atlético-PR, nesta quarta-feira, na Vila Capanema. Inspirado, o camisa 10 chamou a responsabilidade, colocou a bola no chão e conduziu o Peixe na virada por 3 a 2 sobre o Furacão, no confronto de ida das oitavas de final da Libertadores.

O meia, inclusive, foi eleito o melhor em campo pelos organizadores da competição. Porém, mesmo assim, Lucas Lima acabou sendo substituído por Emiliano Vecchio aos 42 minutos do segundo tempo. Incomodado com a saída, ele chegou a reclamar com a comissão técnica, mas negou qualquer atrito com Levir Culpi e exaltou a raça dos santistas no Paraná.

“Foi mais uma situação que nossa defesa estava pedindo um volante para proteger mais o setor, foi só no calor da partida mesmo. O mais importante foi o empenho e a dedicação da nossa equipe, honramos aí com o apoio da nossa torcida maravilhosa e conseguimos um grande resultado”, disse o meia na saída do gramado.





Atlético-PR 0 x 2 Santos

Data: 11/06/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 6ª rodada
Estádio: Arena da Baixada, em Curitiba, PR.
Público: 18.112 pagantes
Renda: R$ 386.600,00
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises (RJ) e Michael Correia (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Paulo André (A); Daniel Guedes (S).
Cartão vermelho: Daniel Guedes (S).
Gols: Kayke (26-1) e Kayke (35-1).

ATLÉTICO-PR
Santos; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Lucho Gonzalez e Matheus Rossetto (Ederson); Nikão, Pablo (Felipe Gedoz) e Douglas Coutinho (Grafite).
Técnico: Eduardo Baptista

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato, Thiago Maia (Alison) e Vitor Bueno (Cleber); Bruno Henrique, Copete e Kayke (Leandro Donizete).
Técnico: Elano Blumer (interino)


Santos afunda o Furacão na Baixada na despedida de Elano

Na despedida de Elano no comando interino do time, o Santos foi à Arena da Baixada, em Curitiba, e bateu o Atlético Paranaense por 2 a 0, subindo na classificação do Campeonato Brasileiro 2017. Com o resultado, o Peixe chegou aos nove pontos, na 10ª colocação, enquanto o Furacão, sem vencer nenhuma na competição, ocupa a lanterna, com dois pontos ganhos.

A equipe alvinegra fez dois gols na primeira etapa utilizando o contra-ataque, a principal arma na partida. As duas vezes, aliás, com a bola sobrando para Kayke marcar, aos 26 minutos e, na sequência, aos 35 minutos.

O jogo

O jogo começou com as duas equipes tentando impor o ritmo, com o Furacão enfrentado um pouco mais de dificuldade para criar. Aos cinco minutos, Daniel Guedes cobrou falta da intermediária e Santos defendeu com tranquilidade. Na resposta, Douglas Coutinho colocou na cabeça de Nikão, que testou pela linha de fundo.

A primeira grande chance do Rubro-Negro aconteceu aos 14 minutos, com Lucho González, que pegou sobra de bola e mandou uma bomba, pela linha de fundo, mas raspando o poste. O time da casa tentava ficar com a posse de bola, mas não passava da intermediária adversária. Até que, aos 26 minutos, o Peixe finalmente conseguiu encaixar o contra-ataque, com Thiago Maia recebendo e encontrando Kayke, que tocou na saída de Santos para abrir a contagem.

O gol aumentou a tensão na Baixada e parecia refletir no time atleticano. Aos 31 minutos, Sidcley pegou rebote na entrada da área e finalizou rasteiro, pela linha de fundo. Mais Furacão no ataque, aos 34 minutos, com Nikão deixando a defesa para trás e chutando para grande defesa de Vanderlei. Aos 35 minutos, mais um contra-ataque mortal e desta vez Kayke recebeu de Bruno Henrique antes de estufar a rede. O Peixe era cirúrgico.

Depois do intervalo, o Furacão retornou com Grafite e Ederson nos lugares de Matheus Rosseto e Douglas Coutinho. E a primeira boa oportunidade foi com Ederson, aos quatro minutos, cobrando falta colocada, com muito perigo. O Peixe estava mais recuado e chamava o Atlético para seu campo. Aos 12 minutos, Lucho desviou de cabeça após cobrança de falta pra a rede, mas o arbitro anulou o lance.

Os times reclamavam muito com a arbitragem, como aos 16 minutos, com Kayke sendo derrubado na área, mas nada marcado. Mais um gol impedido aos 20 minutos, desta vez com Grafite. Aos 27 minutos, Bruno Henrique lançou para Alison, que chegou na área para finalizar e parou nas mãos do goleiro Santos.

Em uma rara chegada na segunda etapa, o Santos quase ampliou com Jean Mota, que dominou, abriu espaço e bateu forte para defesa do arqueiro atleticano. O troco veio com Nikão, aos 33 minutos, pegando sobra de bola, mas desperdiçando a chance. Nas arquibancadas, a paciência do torcedor rubro-negro acabou. Aos 40 minutos, Daniel Guedes recebeu o segundo amarelo, por cera, e foi expulso. O Peixe, entretanto, administrou bem e garantiu os três pontos.

Elano esclarece expulsão de Guedes e elogia time por vitória

Elano encerrou sua breve passagem como técnico interino do Santos com uma vitória sobre o Atlético-PR na noite deste domingo. Além de elogiar o time pelo triunfo na Arena da Baixada, o ex-meia assumiu a responsabilidade pela expulsão de Daniel Guedes.

Encarregado de suceder Dorival Júnior, Elano estreou como interino na vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo com um gol marcado por Victor Ferraz nos acréscimos. Se o primeiro triunfo foi sofrido, o segundo, alcançado com dois gols de Kayke logo na etapa inicial, deixou o ex-meia satisfeito.

“O importante do jogo contra o Botafogo foi o resultado. Aqui, foi o diferente. Além do resultado, conseguimos jogar bem, tanto no ataque quanto na defesa. Sofremos algumas situações, como é natural contra o Atlético-PR na Arena da Baixada. Mas o time se comportou bem em todos os aspectos”, elogiou.

Elano ainda comentou a expulsão de Daniel Guedes. Posicionado para bater uma falta nos minutos finais da partida, ele atendeu instrução do treinador e deixou a cobrança para Lucas Veríssimo. Já advertido com o amarelo, o jogador acabou expulso por retardar o reinício da partida pelo árbitro Marcelo de Lima Henrique.

“Tive uma falha muito grave. A expulsão do Guedes foi uma falha minha. Ele estava na bola e pedi para sair. Queria esclarecer isso para que o torcedor entenda. Não lembrei que já estava com o cartão amarelo e fiquei muito chateado”, justificou o treinador interino, que entregará o cargo para Levir Culpi.

Quando Elano falava sobre o clássico contra o Palmeiras, marcado para as 21h45 (de Brasília) de quarta-feira, a entrevista foi interrompida por um protesto de torcedores do Atlético-PR do lado de fora. “Eu me sinto com o dever cumprido hoje. Amanhã, já é um novo dia”, disse, antes de encerrar a coletiva. “Devido a segurança, fui”, despediu-se.