Navegando Posts marcados como Bahia

Santos 1 x 0 Bahia

Data: 31/10/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 29ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.634 pagantes
Renda: R$ 209.580,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (ambos do RJ).
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartões amarelos: Pará, Alison, Marinho, Jean Mota e Lucas Veríssimo (S); Gregore, João Pedro e Ronaldo (B).
Gol: Carlos Sánchez (08-2, de pênalti).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Alison, Evandro e Carlos Sánchez; Marinho (Tailson), Soteldo (Felipe Jonatan) e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

BAHIA
Douglas Friedrich; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho, Moisés; Gregore (Ronaldo), Flávio e João Pedro (Marco Antonio); Élber (Rogerio), Artur e Gilberto.
Técnico: Roger Machado



Santos sofre susto, mas vence o Bahia e fica mais perto da Libertadores

O Santos venceu o Bahia por 1 a 0 na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Carlos Sánchez, de pênalti.

O Peixe não foi brilhante, mas pouco sofreu na defesa e teve uma leve melhora na etapa final, suficiente para conquistar os três pontos em casa. O Tricolor teve um gol de Juninho anulado após auxílio do VAR.

O Alvinegro segue na terceira colocação, agora com 55 pontos, a seis do São Paulo e cada vez mais perto da Libertadores da América em 2020. O Bahia é o nono, com 41, distante da maior competição do continente.

O jogo:

O Santos passou longe de ter a mesma intensidade de outros momentos no Campeonato Brasileiro. O Peixe parecia achar que faria o gol a qualquer momento.

As principais chances do Alvinegro vieram em jogadas individuais. Soteldo, Sánchez e Jorge passaram perto e fizeram Douglas trabalhar. Eduardo Sasha, aos 17, marcou após bate-rebate, mas o árbitro de vídeo anulou por impedimento.

O Bahia marcou bem e só assustou o Santos uma vez, em finalização cruzada de Gilberto no quinto minuto da partida.

O Santos aumentou um pouco o ritmo na etapa final e abusava dos cruzamentos. Quando entrou na área por baixo, Marinho sofreu pênalti claro de Juninho. Carlos Sánchez converteu com categoria aos oito minutos.

O Peixe seguiu em cima do Bahia e esteve perto de abrir o placar aos 19, quando Sasha chutou na defesa do Tricolor duas vezes. Na sequência, Marinho cruzou e Evandro isolou.

O Alvinegro não soube administrar a vantagem como poderia e levou um susto. No minuto 38, Moisés ajeitou de cabeça e Juninho fez um golaço. O árbitro de vídeo anulou o lance por impedimento do lateral-esquerdo.

O Santos se recompôs nos minutos finais e garantiu a vitória suada na Vila Belmiro. Peixe longe do título, mas cada vez mais perto da Libertadores em 2020.

Bastidores – Santos TV:

Sánchez admite “um pouco de raiva”, mas entende opção de Sampaoli no Santos

Reserva no clássico contra o Corinthians, Carlos Sánchez voltou a ser titular e fez o gol do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Bahia nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Ao Esporte Interativo, Sánchez admitiu “um pouco de raiva”, mas disse entender o rodízio feito pelo técnico Jorge Sampaoli.

“Trabalho no dia a dia para que o técnico me escale. Depende dele. Temos que trabalhar sempre bem, sem cruzar os braços. Um pouco de raiva, mas temos que ter tranquilidade. Lutar, fazer um bom trabalho e depende da gente assimilar se jogar ou não”, disse Sánchez.

“Eu falo sempre com ele (Sampaoli). Temos boa relação. Se ele pensa em outro jogador que pode estar melhor ou com outra característica, tudo bem. Depende dele me colocar ou não. Quero somar. Apoiamos o trabalho dele”, completou.

Sánchez é artilheiro (com 15 gols) e garçom (com oito assistências) na temporada. O Santos voltará a campo para enfrentar o Botafogo, domingo, novamente na Vila.

Sampaoli pede “novo” Santos para 2020: “Não me encontro capacitado para fazer o que fiz neste ano”

O técnico Jorge Sampaoli voltou a fazer fortes críticas à diretoria do Santos na noite desta quinta-feira, após a vitória sobre o Bahia por 1 a 0, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treinador disse que não se preparado para repetir o trabalho deste ano, sem ter os pedidos atendidos pelo presidente José Carlos Peres na montagem do elenco.

“Se os melhores saírem e Santos precisa fazer um time novo com incapacidade financeira desse ano, será uma loteria. Não me encontro capacitado para fazer o que fiz nesse ano. Sofreria muito”, afirmou Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador coloca o futuro em aberto. Seu contrato termina em dezembro de 2020, mas a permanência, neste momento, parece improvável.

“Expliquei na coletiva anterior que não sabemos onde estaremos. Por decisão da diretoria, que rompe contratos, ou por decisão do próprio treinador. Nunca se sabe a realidade. É um clube que nesse ano me deu possibilidade e felicidade de estar aqui. Tenho muita alegria por passar ano aqui, me sinto um cidadão a mais, me fazem sentir assim, parte do povo de Santos. Essa felicidade me dá um grande compromisso com o clube e os jogadores que lutamos todos os dias para continuar acima”< disse Sampaoli. Minha realidade é vir ao Brasil, criar uma história e tratar de em dois anos o Santos ser campeão. Esse é meu sonho. Não sei o que passará ainda, não tenho tempo para pensar também. Temos que pensar no próximo jogo. Ninguém acreditava e esse grupo faz coisas muito importantes para o clube. Me obrigo a pensar no agora, não no depois. Há uma realidade que como pessoa física adoraria estar aqui. Viver em Santos foi o melhor que ocorreu comigo. Depois está o profissional, não quero enganar a torcida, vender situações que não existem”, emendou o treinador. Sampaoli ainda não teve uma conversa clara com o superintendente Paulo Autuori sobre reforços para 2020. Uma coisa até aqui é clara: o Santos tem pouco dinheiro para investir. “Tentei me reunir com Paulo (Autuori), mas não temos claro ainda o próximo ano, necessidades, balanço. Na próxima semana livre conversaremos sobre os jogadores que pensarão, não tenho claro. Me apresentaram projeto com dificuldade para 2020, mas não sei se clube pode gerar recursos para fazer essa campanha, para mim excelente, se transforme em título. Não tenho claro. Há diferença como cidadão de Santos e de resolver com sensatez e profissionalismo meu futuro”, concluiu. Sampaoli se frustra com Cueva e diz que peruano não era prioridade no Santos

Jorge Sampaoli disse na noite desta quinta-feira que Cueva não era prioridade no Santos e lamentou o descomprometimento do peruano.

O treinador admitiu não ter conseguido fazer o meia ser parte do processo e destacou a atuação do Flamengo no mercado da bola.

“Pedidos podem ter chegado a 100. Clube não conseguiu contratar as prioridades e fomos decantando. Para brigar por um campeonato precisamos fazer o que fez Flamengo. Trazer as necessidades e conservar os melhores. O resto é tudo mentira, enganar. Lamentavelmente Cueva não conseguimos colocar dentro desse universo comprometido com cidade, equipe e projeto. Tentamos, mas não conseguimos. Teve inconveniente pessoal que não fez com que fizesse parte de nós. Não concordo contigo sobre as contratações. A desordem é o que não pode ocorrer no próximo ano. Não podemos brigar até o último minuto para saber quem pode vir. Enquanto isso, outros se preparam muito bem para o campeonato”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva após a vitória contra o Bahia.

Fora dos planos do Peixe, Cueva viajou ao Peru e ficará pelo menos uma semana em seu país para resolver problemas pessoais e procurar clubes interessados.

Sampaoli explica discussão com torcedor do Santos e lamenta preço do ingresso na Vila

O técnico Jorge Sampaoli discutiu com um torcedor do Santos após o apito final da vitória por 1 a 0 sobre o Bahia na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O santista reclamou durante todo o tempo. Depois do Peixe confirmar a vitória, Sampaoli e o auxiliar Jorge Desio tiraram satisfação e pediram apoio.

“Sobre o torcedor, me incomodei porque qualquer pessoa que tente provocar alguém do Santos me incomoda. Esse torcedor é seguramente do Bahia com a camisa do Santos. Por isso fiquei incomodado”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também criticou a diretoria pelo preço do ingresso na Vila – o mais barato foi R$ 40. O estádio recebeu 5.634 torcedores.

“A Vila estava no 50%, cada vez que vamos jogar fora diminuem os preços dos ingressos e aqui não. Há distância institucional com a torcida. Necessitávamos da Vila cheia, gente fervorosa apoiando a equipe. Temos limitações, mas precisamos da torcida e não contamos com isso”, completou o treinador.

Sampaoli não deve definir futuro no Santos antes do fim do Brasileirão; permanência é improvável

O técnico Jorge Sampaoli não deve definir o futuro no Santos antes do fim do Campeonato Brasileiro. O último adversário será o Flamengo, em 8 de dezembro.

Sampaoli espera saber quanto o Peixe poderá investir para 2020 e prioriza as últimas rodadas do Brasileirão em busca da vaga direta na Libertadores da América – o título é sonho distante.

Neste momento, pelas informações iniciais passadas pelo Alvinegro à comissão técnica, a tendência é de saída antes do fim do contrato, que termina em dezembro de 2020. Mais do que reforços, Jorge Sampaoli não vê chance de manutenção do atual elenco.

“Há uma realidade que como pessoa física adoraria estar aqui. Viver em Santos foi o melhor que ocorreu comigo. Depois está o profissional, não quero enganar a torcida, vender situações que não existem. Tentei me reunir com Paulo (Autuori), mas não temos claro ainda o próximo ano, necessidades, balanço. Na próxima semana livre conversaremos sobre os jogadores que pensarão (para reforçar o elenco), não tenho claro. Me apresentaram projeto com dificuldade para 2020, mas não sei se clube pode gerar recursos para fazer essa campanha (atual), para mim excelente, se transformar em título. Não tenho claro. Há diferença como cidadão de Santos e de resolver com sensatez e profissionalismo meu futuro”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva na última quinta-feira.

O Santos tem sérios problemas financeiros e deve, atualmente, dois meses em direito de imagem. O Peixe precisa diminuir a folha salarial para 2020 e não prevê grandes investimentos. Para piorar, precisa vender pelo menos um titular – Lucas Veríssimo e Soteldo são os mais cotados. Gustavo Henrique, em fim de contrato, e Jorge, emprestado pelo Monaco (FRA), devem sair.


Bahia 0 x 1 Santos

Data: 13/07/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 10ª rodada
Local: Estádio de Pituaçu, em Salvador, BA.
Público: 18.853 torcedores
Renda: R$ 258.374,00
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Assistentes: José Eduardo Calza e Michael Stanislau (ambos do RS).
VAR: Igor Junio Benevenuto de Oliveira (MG)
Cartões amarelos: Elton e Moisés (B). Felipe Aguilar, Soteldo, Diego Pituca e Eduardo Sasha (S).
Gol: Carlos Sánchez (41-2).

BAHIA
Douglas Friedrich; Ezequiel, Lucas Fonseca, Juninho e Moisés; Élton, Ramires e Shaylon (Guerra); Artur, Arthur Caíke (Élber) e Fernandão (Gilberto).
Técnico: Roger Machado

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique (Luiz Felipe); Victor Ferraz (Jean Mota), Carlos Sánchez, Diego Pituca e Jorge; Eduardo Sasha, Soteldo e Uribe (Marinho).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos melhora no 2º tempo e vence o Bahia com gol no fim em Salvador

O Santos venceu o Bahia por 1 a 0 na noite deste sábado, no Pituaçu, na 10ª rodada, na retomada do Campeonato Brasileiro depois da pausa para a Copa América. O gol foi marcado por Carlos Sánchez, aos 41 minutos da etapa final, em rebote de pênalti defendido pelo goleiro Douglas.

Após primeiro tempo morno, o Peixe melhorou na etapa final com alterações de Jorge Sampaoli. O técnico sacou Victor Ferraz e Uribe para as entradas de Jean Mota e Marinho. Com Lucas Veríssimo na lateral direita e Sasha de centroavante, a equipe passou a ser perigosa.

Com a vitória, o Alvinegro segue na vice-liderança, mas agora a três pontos do líder Palmeiras. O Bahia é o oitavo, com 15. Na rodada 11, o Santos enfrentará o Botafogo, dia 21, no Engenhão. O Tricolor receberá o Cruzeiro, na Fonte Nova, no sábado.

O jogo

É difícil falar sobre o primeiro tempo de Bahia 0 x 0 Santos. Não houve chance clara e apenas um susto ou outro para os goleiros Douglas Friedrich e Everson.

O Peixe teve 67% de posse de bola, mas pouco agrediu. Com três zagueiros e três atacantes, o meio-campo não funcionou e houve apenas duas chegadas: um chute de Victor Ferraz de fora da área e uma cobrança de falta de Sánchez perto da trave.

O Tricolor não fez valer o fator casa e só teve um lance de perigo, quando Arthur Caíke recebeu na pequena área e Gustavo Henrique fez corte providencial.

A primeira oportunidade importante do segundo tempo ocorreu aos 12 minutos, quando Shaylon aproveitou rebote e chutou para Everson espalmar. Aos 15, Jorge Sampaoli mexeu duas vezes e desmontou a linha de três zagueiros: saíram Victor Ferraz e Uribe para as entradas de Jean Mota e Marinho. Com isso, Lucas Veríssimo passou a ser lateral-direito e Sasha o centroavante.

As alterações surtiram efeito e o Santos teve as melhores chances da partida. Na primeira, aos 22, Soteldo cruzou e Sasha cabeceou para linda defesa de Douglas. Na segunda, no minuto 22, Lucas Veríssimo cabeceou no travessão depois de lançamento de Jean Mota.

Aos 37, foi a vez do Bahia assustar. Élber avançou pela direita e cruzou para Gilberto, de peito, finalizar por cima do gol. E na sequência… Gol do Santos.

Sánchez finalizaria após bate-rebate e foi derrubado por Guerra. O próprio uruguaio bateu o pênalti, Douglas defendeu, mas no rebote o gol do Peixe saiu.

Nos minutos finais, o Santos só administrou a importantíssima vitória no Pituaçu. O Peixe agora está a três pontos do Palmeiras por causa do empate do rival diante do São Paulo, no Morumbi.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli destaca postura do Santos em vitória contra o Bahia: “Sem se importar com o local”

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, vê a vitória por 1 a 0 sobre o Bahia como exemplo do principal objetivo para o segundo semestre: atuar com a mesma proposta dentro e fora de casa.

O Peixe teve quase 70% de bola e pouco sofreu diante do Tricolor no Pituaçu. O gol foi marcado por Carlos Sánchez, aos 41 minutos da etapa final.

“Primeiro tempo foi parelho, depois mudamos o sistema. Não sofremos no primeiro tempo. Terminamos muito bem, aqui é difícil ganhar”, disse Sampaoli.

“Vamos jogar cada partida como se fosse em casa, sem se importar para o local. Veremos no futuro (sobre título), mas ideia é ter a mesma proposta de casa”, completou.

Sánchez destaca “grande trabalho” e sorte no gol da vitória do Santos contra o Bahia

Carlos Sánchez foi fundamental na vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Bahia neste sábado, no Pituaçu, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. O uruguaio sofreu o pênalti e bateu. O goleiro Douglas defendeu, mas o meia fez no rebote.

Sánchez destacou o trabalho feito pelo Peixe e admitiu a sorte depois de errar a penalidade.

“Fizemos grande partida, time se entregou ao máximo. Perdi o pênalti, mas por sorte fiz no rebote. Buscávamos os três pontos, não o empate. Nossa torcida incentivou ao máximo e nós jogamos o que tínhamos que jogar. Fizemos um grande trabalho”, disse Sánchez, ao Premiere.

Marinho elogia mentalidade do Santos e vê “encaixe perfeito” com Sampaoli

Marinho, uma das opções de Jorge Sampaoli no segundo tempo da vitória do Santos por 1 a 0 sobre o Bahia, no Pituaçu, destacou a mentalidade do time.

O atacante segue o coro do treinador e quer o Peixe sem se importar com o local das partidas.

“Time que quer ser campeão tem que jogar bem dentro e fora de casa. Jogamos muito bem, contra equipe qualificada, que vem numa crescente, que foi bem contra o Grêmio. Mostramos a força da nossa equipe”, disse Marinho, ao Esporte Interativo.

“Temos que pensar jogo a jogo. Palmeiras faz a parte dele, nós temos que fazer a nossa. Não tenho nada a falar (sobre gente que cravava o Palmeiras campeão)”, afirmou o agora camisa 11.

Por fim, Marinho destacou o “match” entre seu estilo de jogo e a estratégia de Sampaoli no Santos.

“Sampaoli usa muito a beirada do campo. Encaixei certinho no time e na forma de jogar. Para mim foi algo muito bom. Renato não usava muito (os pontas no Grêmio), mas aqui eu tenho encaixe perfeito no sistema de jogo. Combinação perfeita”, concluiu.


Santos 2 x 0 Bahia

Data: 25/08/2018, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.564 pagantes
Renda: R$ 201.458,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Henrique Neu Ribeiro e Eder Alexandre (SC).
Cartões amarelos: Bruno Henrique (S); Elton e Douglas Grolli (B).
Gols: Derlis González (11-2) e Gabriel (28-2).

SANTOS
Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique (Robson Bambu) e Dodô; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Rodrygo; Derlis González, Bruno Henrique (Bryan Ruiz) e Gabriel (Eduardo Sasha).
Técnico: Cuca

BAHIA
Anderson; Nino Paraíba, Tiago (Everson), Douglas Grolli (Paulinho) e Léo; Gregore e Elton; Vinícius (Regis), Zé Rafael e Elber; Edgar Junio.
Técnico: Enderson Moreira



Derlis brilha, Gabigol marca e Santos vence o Bahia na Vila Belmiro

O Santos confirmou a reação no Campeonato Brasileiro e voltou a vencer na Vila Belmiro, desta vez por 2 a 0 contra o Bahia, neste sábado, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe contou com um show de Derlis González para construir o placar. Novidade na escalação, o paraguaio fez um golaço e ainda deu a assistência para Gabigol ampliar no segundo tempo.

Uma alteração de Cuca foi crucial no intervalo. Depois da opção por quatro atacantes não funcionar na primeira etapa, o técnico tirou Bruno Henrique, o pior em campo, para a entrada de Bryan Ruiz. A substituição equilibrou o meio-campo e fez os donos da casa melhorarem.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Independiente-ARG na próxima terça-feira, no Pacaembu, pela volta das oitavas de final da Libertadores da América. O Peixe aguarda pelo julgamento da Conmebol, na segunda-feira, para saber se o empate por 0 a 0 em Avellaneda será mantido ou se a derrota por 3 a 0 pela escalação irregular de Carlos Sánchez será declarada.

O jogo

O primeiro tempo foi morno do início ao fim. O Santos tentou controlar o jogo e dominar as ações ofensivas, mas esbarrou em um meio-campo pouco produtivo e atuações discretas de Rodrygo, Bruno Henrique e Gabigol. Derlis González foi o destaque.

Enquanto isso, o Bahia se defendeu bem e criou a melhor chance dos primeiros 45 minutos. Zé Rafael foi à linha de fundo e cruzou fechado, o goleiro Vanderlei passou batido, Daniel Guedes vacilou e Edgar Junio, sozinho na pequena área, pegou de raspão e chutou para fora.

Aos 17 minutos, depois de choque de cabeça com Gregore, Gustavo Henrique teve que sair. O zagueiro tentou voltar com uma touca por conta do sangramento, mas não aguentou. Robson Bambu, que não atuava desde o dia 11 de março, entrou “na fogueira”.

Substituição e show do paraguaio
Cuca fez uma substituição decisiva no intervalo. Bruno Henrique, o pior em campo, saiu para a entrada de Bryan Ruiz. O costarriquenho não foi brilhante, mas equilibrou o meio-campo depois da formação com quatro atacantes não funcionar.

O Santos passou a sofrer menos e se mostrar mais presente no ataque. E aos 11 minutos, veio o primeiro gol. Após falta cobrada na área por Dodô, a bola sobrou para Derlis González na ponta direita. O paraguaio, não se sabe se intencionalmente, acertou lindo chute cruzado, no ângulo do goleiro Anderson.

Atrás no placar, o Bahia se expôs e o Peixe aproveitou. Em contra-ataque de manual, a vitória foi sacramentada. Carlos Sánchez começou a jogada, Derlis deu ótimo passe para Gabigol. Depois da inteligência para se manter em posição legal, o camisa 10 avançou e deslocou o goleiro com categoria.

O Tricolor se lançou ao ataque nos minutos finais, mas não teve forças para reagir. Cada vez mais longe da zona do rebaixamento, o Santos foi para a 11ª colocação, com 11 pontos. Ultrapassado, Bahia caiu para 12º, com 22.

Bastidores – Santos TV:

Cuca analisa vitória sobre o Bahia e diz que o Santos tem que “subir escada”

Cuca analisou a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro. O técnico admitiu o primeiro tempo ruim e a necessidade de mexer na formação para a segunda etapa: com Bryan Ruiz na vaga de Bruno Henrique, o time melhorou.

“Jogo super complicado porque o Bahia tem quarteto de atacantes muito rápido e que não guarda posição. Elber, Zé, Vinicius e Junio. Se movimentam muito e confundem, ocupam um quadrado de 10 a 15 metros todos eles. E não dá para fazer isso com nosso time, então tem numericamente a posse de bola maior no setor ofensivo e toques rápidos que alertamos. Tiveram chance clara no primeiro tempo e não tivemos muitas, mesmo com posse maior. Tem dias que o jogo casa com o que planeja, tem que não casa. Dois atacantes na linha de quatro não deu certo, perdemos meio-campo e ficamos sem criatividade nenhuma. No segundo tempo, pela característica do jogo, melhorou com o Bryan Ruiz, um meia que deu uma equilibrada maior no setor. Pudemos fazer dois gols e vencer, que era o maior importante. Demos uma respirada boa no campeonato”, analisou o técnico.

“Precisávamos de um meia para criar. Bryan vai evoluir, não está rendendo o que pode, é natural. Precisávamos, colocamos e o time se acertou melhor. Fizemos o primeiro gol do Derlis, o segundo em arrancada bonita do Gabriel. É um ótimo momento com a gente. Vamos para o quinto jogo, quatro sem derrota e três sem tomar gol. Esses números fortalecem o time”, completou.

O objetivo agora é subir na tabela. Com a vitória, o Santos foi à 11ª colocação, com 24 pontos. O primeiro no G-6, o Atlético-MG, tem 34 pontos.

“Distância para o grupo de cima da Libertadores é mais ou menos a mesma do grupo de baixo. Um ponto muda. Tem que tentar subir escada e pegar calcanhar do pessoal. É o que vamos tentar. Pessoal de baixo quer pegar o nosso”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Independiente nesta terça-feira, às 19h30 (de Brasília), pela volta das oitavas de final da Libertadores da América. O Peixe aguarda pelo julgamento da Conmebol na próxima segunda-feira para saber se o 0 a 0 da ida foi mantido ou se o alvinegro será derrotado por 3 a 0 por conta da suposta escalação irregular de Carlos Sánchez.

Cuca elogia momento de Gabigol e analisa Derlis: “Força e explosão”

Cuca ficou animado com as atuações de Gabigol e Derlis González na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico vê melhora no desempenho de Gabriel Barbosa desde sua chegada e se surpreende com a rápida adaptação do paraguaio.

“Quando cheguei, falei que era fácil tirar o Gabriel do time, mas trabalho não é esse, é recuperação. Passa por atitudes, atitude diferenciada em espaço de campo menor, com desgaste menor. Ele às vezes sai demais e faz falta no meio. Ele está respaldado, é um líder, foi nosso capitão merecidamente. Está com alto astral, momento bom, e que fique assim pelo menos até o fim do ano, melhorando ainda mais. Às vezes temos impressão pelo topete, brinco, roupa, sou assim. Mas tete a tete, sinto pessoa fácil, humilde, carente de companhia dos companheiros e da gente. Todos gostam. É um prazer trabalhar com ele. Fiz o que eu deveria fazer, cobrei, expliquei que ele tinha que se posicionar melhor, falei da real posição. Disse que queria ser centroavante e trabalhamos para isso, só não dava para ficar de costas. Respondeu bem, ficou no banco, deu para ter ideia da melhora sem ele ou se não fazia falta. Sai o peso dele. A gente não faz por querer, mas coisas se mostram. Voltou titular, rendeu bem e hoje foi nosso capitão. Sempre reivindicando as coisas para os companheiros”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Derlis se adaptou rápido, força, explosão, joga com muita disposição e hoje foi premiado com gol e passe para Gabriel. Gabriel flutuou na linha, tipo pegando onda, esperou momento certo e foi muito feliz na decisão”, completou.

Com o bom rendimento recente, Derlis é cotado para uma vaga como titular diante do Independiente-ARG na terça-feira, às 19h30 (de Brasília), no Pacaembu. Bruno Henrique está em má fase. O Santos aguarda pelo julgamento da Conmebol na próxima segunda-feira para saber se o 0 a 0 da ida das oitavas de final será mantido ou se o alvinegro será derrotado por 3 a 0 por conta da suposta escalação irregular de Carlos Sánchez.

Cuca pede paciência com Bruno Henrique no Santos: “Temos que criar alternativas”

Bruno Henrique teve mais uma atuação ruim e foi substituído no intervalo na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro.

Em entrevista coletiva, o técnico Cuca pediu ao torcedor paciência com o atacante. Destaque em 2017, o camisa 11 não conseguiu reeditar o bom desempenho depois de grave lesão na retina do olho direito no primeiro semestre.

“Tem jogadores que temos que ter paciência, nem todos ficam na mesma fase. Tem que entender o porquê. Por que não rende bem? Às vezes falta trabalho meu, triangulação maior, do outro lado tem mais. Pode ficar órfão de jogada trabalhada. Está pegando mano a mano? Temos que criar alternativas para ele”, disse Cuca.

Gustavo Henrique sofre corte profundo e preocupa o Santos para a Libertadores

Gustavo Henrique preocupa o Santos para a decisão contra o Independiente na terça-feira, às 19h30 (de Brasíla), no Pacaembu, pela volta das oitavas de final da Libertadores da América.

O zagueiro sofreu um corte profundo no supercílio no primeiro tempo da vitória por 2 a 0 sobre o Bahia neste sábado, na Vila Belmiro, e foi substituído por Robson Bambu.

“15 pontos na testa, preocupante. Até terça tem pouco tempo. Bambu entrou bem, muito tempo sem jogar, mas ficamos sem opções pela necessidade de não tê-lo. São situações que ocorrem e temos que lidar com isso”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Se Gustavo não puder atuar, Robson Bambu atuará ao lado de Lucas Veríssimo. Luiz Felipe se recupera de lesão muscular na coxa esquerda e não há outro zagueiro inscrito na Libertadores. O volante Alison é um dos atletas que pode ser improvisado.


Bahia 1 x 0 Santos

Data: 21/04/2018, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 15.875 presentes (15.588 pagantes e 287 não pagantes).
Renda: R$ 317.748,00
Árbitro: Claudio Francisco Lima e Silva (ambos do SE).
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios e Ailton Farias da Silva (SE).
Cartões amarelos: Douglas, Nino Paraíba, Régis e Marco Antônio (B); David Braz, Léo Cittadini e Dodô (S).
Gol: Junior Brumado (49-2)

BAHIA
Douglas, Nino Paraíba, Tiago, Lucas Fonseca e Léo; Gregore e Elton; Zé Rafael (Allione), Vinícius (Régis) e Marco Antônio (Brumado); Edigar Junio.
Técnico: Guto Ferreira

SANTOS
Vanderlei, Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Léo Cittadini (Diego Pituca) e Jean Mota; Eduardo Sasha (Arthur Gomes), Rodrygo (Bruno Henrique) e Gabriel.
Técnico: Jair Ventura



Bahia marca gol aos 49 e Santos perde a primeira no Brasileirão

O Santos conseguiu suportar uma forte pressão do Bahia no primeiro tempo, quando Vanderlei e a trave salvaram o time da Baixada Santista, mas acabou pagando caro por não aproveitar as chances claras em contra-ataques na etapa final do confronto com o Bahia na noite desse sábado. No último lance da partida, aos 49 minutos, a defesa santista se perdeu em cobrança de escanteio e Junior Brumado garantiu a vitória do tricolor por 1 a 0 na Fonte Nova, em Salvador, onde os santistas não sabem o que é triunfar desde 2003.

O resultado interrompe a série de três vitórias seguidas da equipe de Jair Ventura e impede que o Alvinegro Praiano alcance a liderança provisória do Campeonato Brasileiro após duas rodadas. Por enquanto, o Peixe fica na quinta posição, com três pontos. O Bahia se recupera da derrota na estreia, mas ocupa a nona posição neste momento.

A partida também marcou o retorno de Bruno Henrique aos gramados. O atacante se lesionou em janeiro, logo em sua primeira partida na temporada. Desde então, lutou contra uma lesão na retina de seu olho. Por outro lado, Gabriel, mais uma vez titular, chegou ao oitavo jogo sem balançar as redes pelo Santos.

O jogo

Apesar de uma escalação de certa forma ofensiva no papel, o Santos decepcionou seu torcedor no primeiro tempo. Os primeiros 25 minutos de jogo foram de pressão total dos donos da casa. O Peixe se viu encurralado e sem posse de bola.

Vanderlei precisou aparecer com uma grande defesa logo aos quatro minutos. Pouco depois, Elton chegou a balançar as redes, mas cometeu falta em Alison e o lance foi anulado, o que não tirou o ímpeto dos tricolores. Aos oito minutos, Vanderlei pegou, no contrapé, chute de Nino Paraíba. No rebote, Edigar Junior mandou na trave.

O Santos dependia exclusivamente dos lampejos de Rodrygo. O jovem se apresentava como único jogador de ataque do Peixe a dar trabalho aos seus marcados. E dos pés dele por muito pouco o Santos não abriu o placar aos 22, depois de drible desconcertante e tabela com Gabriel.

Mas foi só. Apesar do Bahia aos poucos diminuir o ritmo de forma natural, os tricolores seguiram até o intervalo com o comando das ações, enquanto os visitantes limitaram-se a se defender com muita eficiência.

O panorama não mudou depois do intervalo. No primeiro minuto de boal rolando, novamente Vanderlei teve de mostrar toda sua agilidade em chute rasante de Zé Rafael.

Demorou, mas o Santos cresceu na partida após os dez minutos. Jair Ventura conseguiu organizar sua equipe de uma forma que o Bahia até continuou com o domínio das ações, mas o alvinegro passou a ser perigoso nos contra-ataques.

Rodrygo, Gabriel tiveram oportunidades claras, mas falharam na pontaria. Do outro lado, Zé Rafael seguindo sendo o jogador mais incisivo dos mandantes, mas Vanderlei parecia uma parede no gol.

O jogo ficou tenso do lado de fora. O Árbitro Claudio Francisco Lima e Silva acabou expulsando o técnico Guto Ferreira e o auxiliar de Jair Ventura. Mesmo assim, as duas comissões técnicas apostaram nos jogadores oriundos do banco de reservas em busca do gol da vitória.

O destaque ficou por conta de Bruno Henrique, que não atuava desde janeiro por causa de uma lesão na retina do olho. Os santistas que compareceram a Fonte Nova só não aprovaram a saída de Rodrygo. Vaias também puderam ser ouvidas quando o Bahia decidiu trocar Zé Rafael por Allione.

Com as mexidas, o jogo ficou franco, imprevisível e emocionante em seus minutos finais. O Santos desperdiçou dois contragolpes e pagou caro. No último segundo de jogo, o Bahia chegou ao gol da vitória. Allione cobrou escanteio baixo, Elton tocou de calcanhar e Junior Brumado escorou, à queima roupa com Vanderlei, para o fundo do gol.

Na próxima rodada, o Bahia tem nova oportunidade em casa no domingo, diante do Atlético-PR, às 16 horas. Já o Santos, como teve seu duelo com o Vasco adiado, só volta a atuar pelo nacional por pontos corridos contra o Grêmio, dia 6 de maio, em Porto Alegre, em jogo válido pela quarta rodada. Antes, o alvinegro terá o Estudiantes na Vila, na próxima terça, e o Nacional, no Uruguai, dia 1º maio, pela Copa Libertadores da América.

Bastidores – Santos TV:

Jair admite primeiro tempo ruim do Santos e lamenta “falta de gordura”

Depois de vencer o Ceará na estreia do Campeonato Brasileiro, o Santos conheceu sua primeira derrota na competição na noite desse sábado ao cair por 1 a 0 diante do Bahia, na Fonte Nova. Agora, o time só volta a campo pelo nacional na quarta rodada, frente ao Grêmio, em Porto Alegre, em confronto marcado para o dia 6 de maio. Isso porque a partida contra o Vasco, que aconteceria nessa segunda, no Pacaembu, foi adiada para julho.

Sendo assim, o Peixe tem grandes chances de ficar na parte de baixo da tabela, com apenas três pontos somados até lá. O empate em Salvador, que escapou por muito pouco, poderia lhe dar uma condição um pouco melhor. E o fato foi lamentado por Jair Ventura em entrevista coletiva.

“Isso atrapalhou nossos objetivos. Como o jogo com o Vasco acabou adiado e sofremos essa derrota, não ficaremos entre os primeiros. Queríamos ter gordura para brigarmos na parte de cima da tabela, mas, não será possível”, comentou o técnico santista, que analisou a atuação de seus comandados nesse sábado de forma bastante realista.

“Um primeiro tempo onde encontramos muita dificuldade de jogar, não fizemos nosso jogo apoiado, de sair da pressão do Bahia. Conseguimos jogar no segundo, equiparar o volume de jogo. O Jogo ficou muito aberto, mas muito faltoso. Isso para um time leve como o Santos atrapalha. No último minuto, um escanteio rasteiro, a bola quica e sofremos o gol. Estamos tristes pela derrota”.

Apesar de identificar erros, Jair Ventura evitou críticas pesadas pelo lance que gerou o gol do Bahia aos 49 minutos do segundo tempo e lembrou que esse tipo de emoção sempre vai acontecer no futebol, para o bem ou para o mal.

“Não tivemos próximos do que temos apresentado, o segundo tempo mostra que não vínhamos bem no primeiro. O primeiro tempo não foi bom, mas oscilações acontecem. Mudamos de postura no segundo tempo, criamos, colocamos a bola no chão, a equipe criou e o jogo ficou aberto e no último minuto a gente nem conseguiu dar a saída de bola. Dói tomar gol no último minuto, mas são coisas do futebol, quando a gente faz, a gente comemora, quando é contra é muito triste”, concluiu.

Zagueiro do Santos reclama do ataque depois de derrota para o Bahia

O Santos sofreu uma dolorosa derrota na noite desse sábado. O time estava prestes levar um ponto para casa como visitante, chegar à liderança provisória no Campeonato Brasileiro e manter uma invencibilidade de quatro partidas quando acabou levando um gol do Bahia no último lance do confronto na Fonte Nova.

O baque pela derrota por 1 a 0 foi notório e, após o apito final, o zagueiro Lucas Veríssimo não escondeu sua irritação. O defensor lembrou as oportunidades desperdiçadas pelo setor ofensivo, principalmente no segundo tempo e pouco antes da equipe levar o gol em cobrança de escanteio.

“Um lance que não pode acontecer, a equipe vinha bem, faltou matar, criamos oportunidades, sabíamos que seria difícil. Esse gol no finalzinho não poderia acontecer, o time teria de estar atento. Vamos corrigir para não voltar a acontecer”, declarou o jogador do Peixe.

Bruno Henrique é a boa notícia em derrota do Santos. Mas, quem sai?

O Santos teve nesse sábado, em campo, seu principal jogador de volta. Depois de pouco mais de três meses, Bruno Henrique pisou no gramado com a camisa do Alvinegro Praiano. A substituição até gerou controvérsias diante da escolha de Jair Ventura pela saída de Rodrygo. Mas, a empolgação pelo retorno do camisa 11 ofuscou até mesmo as críticas em cima do técnico santista.

Uma bolada logo no início da partida contra o Linense, no estádio Gilbertão, em Lins, pela primeira rodada do Estadual, acabou causando uma lesão na retina do olho direito do jogador, que passou por cirurgia no local e teve de concluir seu tratamento na Alemanha.

O veloz e habilidoso atacante ficou em campo por cerca de 25 minutos e não conseguiu evitar a dolorosa derrota para o Bahia, na Fonte Nova, em Salvador. Foram dois cruzamentos errados, nenhuma finalização a gol e cinco passes certos de oito tentados, além de uma falta cometida.

Os números, no entanto, pouco importam. O que o torcedor espera é que em pouco tempo Bruno Henrique volte ao ritmo de 2017, quando terminou a temporada com 53 jogos, 18 gols, 11 assistências e muitos dribles desconcertantes.

“A grande novidade, uma boa notícia, apesar da derrota, é a volta do Bruno Henrique. A gente sentiu que ele ainda está um pouco sem ritmo. Normal, ele só jogou oito minutos do primeiro jogo do Campeonato (Paulista). Entrou em um jogo quente, pesado, de força, e correspondeu. Criou algumas chances, deu passes, dribles. O Santos ganha com o retorno desse jogador e vai ficar mais forte quando ele estiver 100%”, avaliou o técnico Jair Ventura.

A tendência é que Bruno Henrique volte ao time titular aos poucos, mas, no clube é consenso que é questão de tempo até o atacante recuperar seu espaço entre os 11. Nesse sábado, Jair optou por sacar Rodrygo, mas o jovem vem se destacando e sua saída certamente pode gerar muita reclamação dos torcedores.

O quebra-cabeça tem outras duas peças: Eduardo Sasha e Gabriel. O segundo é cria do clube, ostenta a camisa 10 e representa um alto investimento. O problema é que Gabriel não balança a rede há oito jogos. Por outro lado, Sasha tem se mostrado tão importante que a diretoria santista topou até envolver Zeca na negociação com o Internacional para segurar o jogador na Vila Belmiro.

Correndo por fora está Arthur Gomes, que apesar de reserva no momento, atuou nos últimos nos 20 jogos do Santos no ano, acabou ficando de fora apenas de uma partida, prova da confiança do treinador em seu futebol.

O problema é todo de Jair Ventura a partir de agora. O que interessa para os santistas é que Bruno Henrique, enfim, está de volta e certamente o grupo alvinegro fica mais forte e ambicioso para a temporada com o camisa 11 reintegrado.


Bahia 3 x 1 Santos

Data: 16/11/2017, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 23.185 presentes (22.896 pagantes)
Renda: R$ 478.586,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC/FIFA)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP/FIFA).
Cartões amarelos: Renê Júnior, Tiago e Éder (B); Jean Mota e Lucas Lima (S).
Gols: Bruno Henrique (16-1), Mendoza (22-1, de pênalti), Alison (09-2, contra), Edigar Junio (33-2, de pênalti).

BAHIA
Jean; Eduardo (Éder), Tiago, Thiago Martins e Juninho Capixaba; Renê Júnior, Juninho (Edson), Zé Rafael e Allione (Régis); Edigar Junio e Mendoza.
Técnico: Paulo César Carpegiani

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz (Luiz Felipe) e Jean Mota; Alison, Renato (Yuri Alberto) e Lucas Lima; Bruno Henrique, Arthur Gomes (Vladimir Hernández) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Elano Blumer



Santos perde de virada para o Bahia e não garante vaga direta na Liberta

O Santos não repetiu o tenebroso jogo que fez contra a Chapecoense, na última segunda-feira, na Arena Condá, mesmo assim, a equipe comandada por Elano não conseguiu administrar a vantagem após abrir o placar com Bruno Henrique e acabou levando a virada por 3 a 1 para o Bahia, nesta quinta, na Fonte Nova, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo com o revés e estacionado nos 56 pontos, o alvinegro permaneceu na quarta colocação e ficou muito próximo de garantir vaga direta na fase de grupos da Libertadores de 2018, já que o Botafogo, sexto na tabela, perdeu em casa para o Atlético-GO e ficou com 51. O tricolor baiano, por sua vez, chegou aos 49 pontos e encostou no G7 do Brasileirão.

O jogo

O jogo começou elétrico em Salvador. Jogando em casa, o Bahia começou tentando pressionar. Porém, o Santos entrou muito ligado na Fonte Nova. Apático e desorganizado contra a Chapecoense, na última segunda-feira, o Peixe mudou a postura e agrediu os donos da casa logo nos primeiros minutos.

Aos 5, Lucas Lima deu belo lançamento para Ricardo Oliveira, que bateu de primeira, mas pegou fraquinho e a bola morreu nas mãos do goleiro Jean. Depois, aos 15, Bruno Henrique soltou uma bomba de fora da área e o arqueiro baiano salvou.

Na jogada seguinte, porém, Jean não conseguiu fazer nada quando David Braz apareceu no ataque pela direita e cruzou rasteiro para Bruno Henrique só escorar e abrir o placar na Fonte Nova.

Mesmo após o tento, o Santos seguiu melhor em campo. Aos 20, Ricardo Oliveira recebeu na esquerda, entrou na área e bateu cruzado. A bola passou muito perto da trave de Jean.

Porém, quem acabou marcando em Salvador foi o Bahia. Após falta boba de Lucas Veríssimo em cima de Zé Rafael dentro da área, o árbitro Sandro Meira Ricci assinalou pênalti. Na cobrança, Mendoza deslocou Vanderlei e deixou tudo igual.

Na reta final da primeira etapa, a partida seguiu lá e cá, porém, ninguém voltou a balançar as redes e o duelo foi para o intervalo empatado em 1 a 1.

O segundo tempo começou mais lento em Salvador, com as duas equipe buscando menos o ataque. Porém, aos 9 minutos, um rápido contragolpe reacendeu a torcida do Bahia na Fonte Nova. Após cobrança de escanteio do Santos, Zé Rafael avançou em velocidade e cruzou para Mendoza. Antes do atacante pegar na bola, Alison tentou cortar e mandou contra a própria meta, matando o goleiro Vanderlei e virando o jogo para o tricolor.

Em vantagem, o time baiano recuou e o Peixe cresceu no confronto. Aos 15, Vladimir Hernández cruzou da direita, Ricardo Oliveira desviou e a bola sobrou para Bruno Henrique, que dividiu com a marcação e mandou próximo da trave de Jean.

Cinco minutos depois, Jean Mota recebeu de Ricardo Oliveira pelo lado esquerdo e bateu firme. Porém, o goleiro baiano desviou e afastou o perigo.

O Tricolor de Aço respondeu na jogada seguinte, quando Zé Rafael bateu cruzado e Vanderlei defendeu.

No decorrer da segunda etapa, o alvinegro foi diminuindo o ímpeto e acabou sendo castigado aos 33 minutos, quando Sandro Meira Ricci viu pênalti de Jean Mota em Edigar Junior. Na cobrança, o atacante do Bahia deslocou Vanderlei e decretou o 3 a 1 no placar.

Bastidores – Santos TV:

Elano releva derrota do Santos para o Bahia: “Tivemos bom volume de jogo”

Contra o Bahia, o Santos não repetiu a tenebrosa atuação do jogo contra a Chapecoense, na última segunda-feira, na Arena Condá. Mesmo assim, o Peixe acabou perdendo de virada por 3 a 1 para o Tricolor de Aço, nesta quinta-feira, na Fonte Nova, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo com o revés, o terceiro seguido na temporada, o técnico Elano acredita que a equipe se comportou bem em Salvador e não merecia voltar para casa sem os três pontos.

“Tivemos bom volume de jogo, todos se esforçaram. Levamos gol de pênalti no melhor momento. Saímos para jogar, criamos. Tem que levantar a cabeça. Foram duas ou três bolas na trave, muitas defesas. Foram dois de pênalti e um contra. Fico triste pela derrota, mas o Santos procurou a todo momento”, disse o comandante em entrevista coletiva após o confronto.

Mesmo com o revés e estacionado nos 56 pontos, o alvinegro permaneceu na quarta colocação e ficou muito próximo de garantir vaga direta na fase de grupos da Libertadores de 2018, já que o Botafogo, sexto na tabela, perdeu em casa para o Atlético-GO e ficou com 51.

Na 36ª rodada, os santistas recebem os reservas do Grêmio na Vila Belmiro, às 19h (de Brasília) do próximo domingo.

“Estamos todos chateados. Mas tem que ter tranquilidade para levantar a cabeça. Esse momento acontece. Estamos na frente do Botafogo e vamos jogar em casa. Se não pontua, os times que estão atrás se aproximam. Futebol é assim. Temos que ter coragem, levantar a cabeça, sacudir a poeira”, concluiu Elano.

Bruno Henrique evita criticar erros do Santos e diz: “Temos que trabalhar”

Bruno Henrique ficou fora contra a Chapecoense, na última segunda-feira, e o Santos fez uma partida horrível, perdendo por 2 a 0 na Arena Condá. Nesta quinta, o atacante retornou diante do Bahia e até ajudou, afinal, ele abriu o placar na Fonte Nova. Porém, o Peixe não segurou a vantagem e acabou levando a virada por 3 a 1, em confronto válido pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Na saída do gramado, o camisa 27 evitou fazer criticas ao futebol apresentado pela equipe comandada por Elano e deu a receita para voltar a vencer.

“A gente dominou o jogo e fez o gol. Fizemos bom primeiro tempo. Voltamos e levamos gol de contra-ataque. Isso desestruturou. Agora não é hora de falar de erro. Tem que trabalhar para chegar ao objetivo”, disse Bruno Henrique.

Com o revés desta quinta, o terceiro seguido, o Peixe terminou a rodada na quarta colocação, com 56 pontos, e não garantiu a vaga direta na fase de grupos da Libertadores.