Navegando Posts marcados como Bahia

Santos FC x EC Bahia
Santos Futebol Clube x Esporte Clube Bahia


Retrospecto:

064 jogos
032 vitórias
013 empates
019 derrotas
129 gols pró
083 gols contra
046 saldo

Resultados:

02/04/1936 – Santos 2 x 1 Bahia – Amistoso – Campo da Graça
04/05/1939 – Santos 3 x 1 Bahia – Amistoso – Campo da Graça
07/05/1939 – Santos 3 x 3 Bahia – Amistoso – Campo da Graça
25/03/1956 – Santos 1 x 3 Bahia – Amistoso – Fonte Nova
22/08/1957 – Santos 2 x 1 Bahia – Amistoso – Fonte Nova
23/04/1959 – Santos 2 x 1 Bahia – Amistoso – Fonte Nova
10/12/1959 – Santos 2 x 3 Bahia – Taça Brasil – Vila Belmiro
30/12/1959 – Santos 2 x 0 Bahia – Taça Brasil – Fonte Nova
29/03/1960 – Santos 1 x 3 Bahia – Taça Brasil – Maracanã
22/12/1961 – Santos 1 x 1 Bahia – Taça Brasil – Fonte Nova
27/12/1961 – Santos 5 x 1 Bahia – Taça Brasil – Vila Belmiro
25/01/1964 – Santos 6 x 0 Bahia – Taça Brasil – Pacaembu
28/01/1964 – Santos 2 x 0 Bahia – Taça Brasil – Fonte Nova
02/05/1965 – Santos 6 x 1 Bahia – Amistoso – Vila Belmiro
05/05/1965 – Santos 3 x 1 Bahia – Amistoso – Fonte Nova
17/09/1967 – Santos 3 x 2 Bahia – Amistoso – Fonte Nova
10/10/1968 – Santos 9 x 2 Bahia – Taça de Prata – Pacaembu
16/11/1969 – Santos 1 x 1 Bahia – Taça de Prata – Fonte Nova
02/12/1970 – Santos 5 x 1 Bahia – Brasileiro – Lourival Baptista
04/04/1971 – Santos 2 x 3 Bahia – Torneio Quad. Gov. Antonio Carlos Magalhães – Fonte Nova
08/08/1971 – Santos 0 x 0 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
29/10/1972 – Santos 2 x 0 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
30/08/1975 – Santos 0 x 2 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
07/12/1975 – Santos 1 x 1 Bahia – Taça Cidade de Salvador – Fonte Nova
16/10/1976 – Santos 0 x 0 Bahia – Brasileiro – Pacaembu
07/12/1977 – Santos 0 x 1 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
04/06/1978 – Santos 0 x 3 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
14/09/1986 – Santos 0 x 3 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
17/10/1987 – Santos 0 x 1 Bahia – Brasileiro – Pacaembu
07/12/1988 – Santos 1 x 5 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
27/09/1989 – Santos 3 x 1 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
21/10/1990 – Santos 1 x 0 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
24/04/1991 – Santos 0 x 1 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
25/05/1992 – Santos 2 x 0 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
24/08/1994 – Santos 3 x 0 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
31/08/1994 – Santos 1 x 2 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
26/10/1994 – Santos 2 x 3 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
01/10/1995 – Santos 3 x 2 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
05/10/1996 – Santos 1 x 1 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
25/10/1997 – Santos 3 x 1 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
24/03/1998 – Santos 3 x 3 Bahia – Copa do Brasil – Fonte Nova
23/04/1998 – Santos 5 x 2 Bahia – Copa do Brasil – Vila Belmiro
28/10/2000 – Santos 0 x 1 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
11/04/2001 – Santos 0 x 2 Bahia – Copa do Brasil – Fonte Nova
18/04/2001 – Santos 0 x 2 Bahia – Copa do Brasil – Vila Belmiro
23/09/2001 – Santos 5 x 1 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
30/10/2002 – Santos 1 x 1 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
28/06/2003 – Santos 4 x 0 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
22/10/2003 – Santos 7 x 4 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
21/08/2011 – Santos 2 x 1 Bahia – Brasileiro – Pituaçu
27/11/2011 – Santos 1 x 1 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
20/05/2012 – Santos 0 x 0 Bahia – Brasileiro – Pituaçu
29/08/2012 – Santos 1 x 3 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
18/08/2013 – Santos 0 x 0 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
14/11/2013 – Santos 3 x 0 Bahia – Brasileiro – Pacaembu
29/05/2014 – Santos 2 x 0 Bahia – Brasileiro – Joia da Princesa
09/10/2014 – Santos 1 x 0 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
23/01/2016 – Santos 2 x 2 Bahia – Amistoso – Arena Fonte Nova
23/07/2017 – Santos 3 x 0 Bahia – Brasileiro – Pacaembu
16/11/2017 – Santos 1 x 3 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
21/04/2018 – Santos 0 x 1 Bahia – Brasileiro – Fonte Nova
25/08/2018 – Santos 2 x 0 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro
13/07/2019 – Santos 1 x 0 Bahia – Brasileiro – Pituaçu
31/10/2019 – Santos 1 x 0 Bahia – Brasileiro – Vila Belmiro


Bahia 4 x 7 Santos

Data: 22/10/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador (BA).
Público: 17.545 pagantes
Renda: R$ 124.257,50
Árbitro: Jorge Fernando Rabello (RJ)
Cartões amarelos: Ramos, Preto e Guto (B); Alex (S)
Gols: Didi (09-1), Robinho (14-1), Léo (16-1), Didi (22-1), Robinho (27-1) e Cícero (36-1); Preto (07-2), Diego (19-2), Diego (21-2), William (35-2) e Fabiano (46-2, de pênalti).

BAHIA
Émerson; Guto (Paulinho), Accioly, Marcelo Souza e Lino; Neto, Ramos, Preto e Cícero (Danilo); Jean Carlos (Nonato) e Didi
Técnico: Lula Pereira

SANTOS
Fábio Costa; Neném (Reginaldo Araújo), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (William) e Diego; Robinho e Fabiano
Técnico: Émerson Leão



Santos bate o Bahia em jogo de 11 gols e se aproxima do Cruzeiro

Equipe santista fica a 6 pontos do líder

O Santos está vivo no Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira à noite, o alvinegro da Vila Belmiro conquistou uma vitória histórica sobre o Bahia, por 7 a 4, no estádio da Fonte Nova, em Salvador.

Somado com a derrota do Cruzeiro para o Internacional, o time santista aproximou-se da equipe mineira, líder do Brasileirão. Após 38 rodadas, o Cruzeiro soma 76 pontos, enquanto o Santos chegou aos 70.

O resultado superou o jogo entre Vasco e Goiás, no primeiro turno da competição, que teve vitória vascaína por 6 a 4. Com os 11 gols, Santos e Bahia proporcionaram o jogo com o maior número de gols do torneio.

A vitória santista foi conquistada em grande estilo. O grande destaque do Santos na partida foi o atacante Robinho, relembrando seus melhores momentos da última temporada. Sem firulas e com um futebol objetvo, jogador marcou dois gols e participou das principais jogadas de sua equipe.

A partida, porém, não foi fácil para o Santos, que só conseguiu abrir dois gols de diferença ao marcar seu sexto gol. Até então, os times alternaram-se na liderança do placar. Só o primeiro tempo terminou com um empate por 3 a 3.

Na próxima rodada, o time do Santos terá outro difícil desafio fora de casa. O alvinegro irá até a capital paranaense para enfrentar o Coritiba, no Couto Pereira. O aliverde paranaense venceu seus últimos quatro jogos em casa.

Se o Santos vive um grande momento, o mesmo não se pode dizer do time do Bahia. Com a derrota e a vitória do Fluminense sobre o Corinthians, o tricolor baiano, com 39 pontos, caiu para a zona de rebaixamento do Brasileirão.

No próximo final de semana, o Bahia terá uma ótima oportunidade para ultrapassar novamente o time do Rio de Janeiro. Bahia e Fluminense irão se enfrentar na Fonte Nova, pela 39ª rodada do torneio.

O jogo

Logo aos 9min de partida, Preto cruzou da direita e Didi, bem colocado, subiu mais que a defesa santista e fez o primeiro gol da equipe baiana na partida.

Com as duas equipes indo ao ataque, o empate santista não demorou para acontecer. Aos 14min, em uma linda jogada, Robinho, da intermediária e marcado por três jogadores, surpreendeu o goleiro Emerson, que estava adiantado e marcou.

Ainda baqueada pelo gol de empate do Santos, a equipe baiana nem respirou e levou mais um. Aos 15min, Robinho, que tinha acabado de fazer um golaço, cruzou na cabeça de Léo, que virou para a equipe da baixada santista.

Perdido na partida, o time baiano passou a assistir o Santos tocar a bola. Mas, justamente num momento ruim em campo, o Bahia empatou novamente. Aos 22min, Preto arriscou ao gol, a bola resvalou na zaga santista e sobrou para Didi que, de primeira, empatou novamente para os tricolores.

Após o empate a partida continuou em ritmo alucinante. Mais uma vez a torcida nem respirou e novamente a bola balançou a rede. Aos 29min, Neném cruzou da direita e Robinho não desperdiçou. Santos mais uma vez na frente.

Se cinco gols já era muito para apenas 45 minutos, o sexto gol fez da etapa a mais movimentada de todo o Campeonato Brasileiro até então. Aos 37min, Cícero passou nas costas de Renato, aproveitou cruzamento e, de cabeça, empatou novamente para a equipe do técnico Lula Pereira.

Para quem esperava um segundo tempo morno após seis gols, a segunda etapa começou como a primeira. Aos três minutos, Jean Carlos obrigou Fábio Costa a uma bela defesa e que, parcialmente, garantiu o empate para a equipe paulista.

Mais uma vez o ataque levou a melhor sobre a defesa. Aos 7min, Preto bateu falta, a bola quicou na frente de Fábio Costa e enganou o goleiro. Bahia 4 a 3.

Após sete gols, até quem não tinha feito nenhum gol de bola rolando no campeonato resolveu aparecer. Aos 19min, Diego recebeu bom passe de Robinho e chutou forte, no canto direito do goleiro Emerson, que aceitou.

No que pode ser considerado o jogo das viradas, Diego fez mais um. Aos 21min, Robinho fez ótima jogada pela esquerda e cruzou para Diego, sozinho, empurrar para a rede no nono gol da partida.

O décimo gol foi o que tranqüilizou a equipe santista na partida. Fabiano deu de calcanhar para Diego, que chutou forte. O goleiro Emerson fez a defesa parcial e, no rebote, Willian fez o sexto do Santos.

Mesmo após 10 gols o jogo continuou movimentado. Aos 47min, o Santos chegou ao sétimo gol. Robinho tentou encobrir o goleiro Emerson, que defendeu. Na volta, a bola foi cruzada na área do Bahia e sobrou para William tocar para o gol. Marcelo Souza cortou com a mão. Fabiano cobrou a penalidade e fechou o placar.

Mesmo assim, Leão deixou o campo furioso após a vitória –havia 11 anos o Santos não vencia na Fonte Nova. “É inadmissível um time como o Santos tomar quatro gols em uma partida.”

Léo disse que foi uma das melhores atuações do ano. “O Santos repetiu uma atuação dos tempos de Pelé. A defesa tomou quatro gols, mas o ataque fez sete.”

Santos 4 x 0 Bahia

Data: 28/06/2003, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.684 pagantes
Renda: R$ 31.618,00
Árbitro: Jorge Fernando Rabello (RJ)
Auxliares: Hilton Moutinho Rodrigues e José Cláudio Ramos (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Marcelo Souza, Fabiano (B), Alexandre, Pereira (S)
Gols: Douglas (15-1), William (17-1) e Jerri (45-1); Fabiano (29-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Reginaldo Araújo, Pereira (Preto), André Luís e Rubens Cardoso; Alexandre, Daniel, Wellington (Fabiano) e Jerri; Douglas e Willian (Nenê)
Técnico: Emerson Leão

BAHIA
Emerson; Fabiano, Luiz Fernando, Marcelo Souza e Lino; Otacílio, Jair, Neto e Danilo (Chiquinho); Nonato e Marcelo Nicácio (Gilberto)
Técnico: Evaristo de Macedo



Outros Meninos da Vila brilham e mostram o caminho para o Santos

Douglas e Jerri. Esses são os mais novos Meninos da Vila.

A vitória de 4 a 0 que o Santos sonha ter contra o Boca Juniors na quarta-feira pela Libertadores foi obtida ontem contra o Bahia na Vila Belmiro com o time reserva, pelo Campeonato Brasileiro, o que deixou o clube como vice-líder do torneio, com 27 pontos.

O atacante Douglas, uma opção para o lugar de Robinho, sofreu três pênaltis ontem -converteu o único desses três que foi marcado pelo árbitro e abriu o placar logo aos 15min do primeiro tempo.

O meia-atacante Jerri, que já chegou a colocar Diego na reserva nas categorias de base, desarticulou a defesa do Bahia, participou de jogadas de gol e marcou o seu. O segundo gol foi feito aos 17min por William, um menino já bem conhecido que escorou cruzamento da esquerda. O terceiro, aos 45min, foi de pênalti, de Jerri.

“Parece que nós estamos com o time reserva. Temos que perguntar para cada um por que entramos em campo com a cabeça em outro lugar”, disse o goleiro Emerson, do Bahia, no intervalo.

A cabeça dos titulares santistas, poupados ontem, estava toda no Boca Juniors. Mas os reservas do time, que chegaram a bater os titulares em um treino nos últimos dias, só pensavam em se destacar na oportunidade que receberam.

Se o juiz Jorge Rabello tivesse marcado os quatro pênaltis que o Santos conseguiu na primeira etapa, o Bahia teria sofrido possivelmente uma goleada histórica.

Para o segundo tempo, o técnico Evaristo de Macedo, do Bahia, mexeu no time, mas nada adiantou. Os “Meninos da Vila B” dominaram totalmente o jogo.

Jerri, que ligou o meio-campo ao ataque, foi aplaudido pelo poucos torcedores presentes ao estádio bem antes do final da partida (até pedalou como Robinho).

O goleiro Júlio Sérgio, reserva de Fábio Costa, mal teve como mostrar sua qualidade, pois praticamente só assistiu à partida.

Com o jogo fácil, decidido, o técnico Leão decidiu colocar alguns dos reservas que mais brilharam na Libertadores: o meia Fabiano e o atacante Nenê.

Fabiano, herói da classificação à final, aproveitou para marcar o seu. Recebeu cruzamento da esquerda e, livre na área, só tocou para o gol de Emerson aos 30min.

Nos minutos finais, o Santos perdeu gols em série. O Bahia, que jogou de azul, a cor principal do uniforme do Boca Juniors, terminou o jogo satisfeito com o resultado. A torcida, feliz, nem gritou o já tradicional “é quarta-feira”.



Santos, pela 1ª vez, escala time reserva no Brasileiro (Em 28/06/2003)

O técnico Emerson Leão decidiu resguardar os titulares do Santos e colocará em campo hoje, às 16h, contra o Bahia, na Vila Belmiro, um time de reservas.

Será a primeira vez que o treinador poupará atletas por causa da Libertadores. Na próxima quarta, no Morumbi, o time precisará vencer o Boca Juniors por uma diferença de três gols -ou de dois, desde que ganhe nos pênaltis- para ser campeão sul-americano.

O único titular relacionado entre os 11 é o lateral-direito Reginaldo Araújo, fora da final da Libertadores por ter sido expulso na derrota por 2 a 0 na Argentina. O zagueiro Pereira e o meia Elano ficarão no banco de reservas.

Elano não atuou em Buenos Aires por causa de uma lesão no joelho e estava ameaçado de ficar fora da decisão. Mas, segundo ele, o tratamento deu bom resultado e as dores desapareceram.

Apesar disso, Leão não pensa em utilizá-lo contra o Bahia. Segundo o treinador, ele só está relacionado para o banco para dar sequência ao tratamento na concentração e para que o Santos complemente o banco. “Acho que seria deselegante com o Bahia entrar com um jogador a menos no banco”, disse o técnico.

Elano foi surpreendido pela notícia e não estava sequer preparado para se concentrar. Em vez de embarcar no ônibus com os demais atletas ontem à noite, teve de ir buscar roupas em casa.

O jogador assegurou que estará em campo contra o Boca Juniors e poderá desempenhar o papel de ala-direito, o que Leão classificou como uma “boa opção”.

“Não tenho mais dores. Estarei na partida de quarta durante o tempo inteiro”, declarou Elano.

Dos atletas que enfrentarão o Bahia, todos os da defesa já tiveram lugar no time titular -o goleiro Júlio Sérgio, os laterais Reginaldo e Rubens Cardoso e os zagueiros Preto e André Luis.

O mais novato dos 11 escalados é o meia Jerri, que só uma vez esteve entre os profissionais neste Brasileiro, ainda assim no banco: contra o Criciúma.

Assim como Diego e Robinho, ele também é “prata da casa”. Oriundo das categorias de base, tem 21 anos e, no ano passado, emprestado ao Jabaquara, foi o artilheiro do Paulista da Série B-2.

Em 2001, chegou a deixar Diego na reserva durante três jogos da Copa Belo Horizonte de Juniores. “A gente sempre trabalha com a possibilidade de ser titular. Estou tranquilo. A única coisa que vai pesar é a falta de entrosamento.”

O lateral-esquerdo Rubens Cardoso disse ter alertado os companheiros para que não fiquem preocupados em desempenhar tudo o que podem na partida contra o Bahia porque, segundo ele, isso poderá ser prejudicial.

“A gente precisa de muita tranquilidade porque não dá mostrar tudo em jogo só e, de repente, por causa dessa ansiedade, o jogador acaba errando”, afirmou.
No treino coletivo de ontem à tarde, pelo menos, os “novos titulares” não decepcionaram. Venceram o time da Libertadores por 2 a 1. Diego marcou primeiro, e depois Preto e Douglas viraram.

“A equipe que vem atuando serviu de “sparring” e deu uma condição melhor para quem vai jogar contra o Bahia”, disse Leão.

Clube começa a venda para final da Libertadores

O Santos colocará à venda a partir de hoje 72 mil ingressos para a decisão da Libertadores, na próxima quarta-feira, contra o Boca Juniors, no Morumbi.

No total, serão comercializados pouco mais de 75 mil lugares. Para os argentinos, foram enviados 3.680 entradas. Hoje e amanhã, a venda ocorrerá das 9h às 18h, nas bilheterias do Morumbi e da Vila Belmiro. A partir de segunda-feira, também no Pacaembu e em vários postos em Santos e São Paulo.

Após a derrota, o cogitado reajuste nos ingressos foi abandonado. O preço da arquibancada será de R$ 15.

A arquibancada térrea atrás dos gols custará R$ 10. Nas cadeiras, R$ 20 para o setor térreo central e R$ 35 para o especial superior.

O técnico Leão voltou a pedir ontem a presença da torcida. “Depois de 40 anos [do título na Libertadores], se o Morumbi não estiver lotado, não sei quando estará.”

Leão disse esperar outro jogo no Morumbi. “Acho que vamos ter dois times diferentes em relação ao primeiro confronto. Estou muito otimista.”


Bahia 1 x 1 Santos

Data: 30/10/2002, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 22ª rodada
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 41.063
Renda: R$ 215.035,00
Árbitro: Wagner Tardeli Azevedo (RJ)
Cartões amarelos: Alberto, Preto, Júlio Sérgio e André Luís (S).
Gols: Robson (11-2) e Léo (46-2).

BAHIA
Emerson; Daniel, Marcelo Souza, Valdomiro e Calisto; Ramalho, Jair, Bebeto Campos (Carlinhos) e Geraldo; Robson (Nilson) e Nonato (Gil Baiano).
Técnico: Candinho.

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho, Preto, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Robert) e Diego; Robinho e Alberto (Douglas).
Técnico: Emerson Leão.


Santos consegue empate com o Bahia no final

Com um gol do lateral-esquerdo Leo nos acréscimos do jogo, o Santos alcançou o objetivo traçado por seu treinador para o confronto de ontem, em Salvador, contra o Bahia.

Numa partida em que seu ataque não repetiu a produção de outras rodadas, mesmo diante de uma equipe que pouco precisou apelar às faltas, o time de Emerson Leão empatou em 1 a 1.

Na véspera do jogo, o comandante santista disse que já se contentaria com o empate, que colocou seu time na quinta colocação do Brasileiro-02.

Agora, para ir à segunda fase, o time do litoral de São Paulo, segundo os cálculos de sua própria comissão técnica, precisa ganhar cinco pontos nos três confrontos que ainda vai realizar.

Ontem, principalmente no primeiro tempo, o Santos não foi o mesmo time do resto do Brasileiro. Segundo o Datafolha, o time só finalizou cinco vezes nos 45 minutos iniciais. Na média, o time consegue concluir dez vezes em cada tempo no certame.

Isso mesmo sem enfrentar uma marcação dura. Em todo o jogo, o Bahia cometeu apenas 13 faltas, praticamente metade da média geral da competição.

Na primeira etapa, os dois times priorizaram as laterais. Pelo Bahia, o meia-atacante Geraldo e o lateral Calisto, pela esquerda, envolviam frequentemente a marcação santista, enfraquecida com a contusão de Elano _uma torção no tornozelo_ logo aos 3min.

O meia ainda tentou permanecer em campo, mas acabou substituído no meio do primeiro tempo por Robert.

Foi justamente em uma jogada pelo setor esquerdo, aos 13min, que o time da casa criou sua melhor chance, em uma cabeçada de Nonato defendida pelo goleiro Júlio Sérgio. Para o Santos, a única grande chance da etapa aconteceu depois de jogada individual pela direita de Diego, que cruzou para Renato cabecear para fora.

O time paulista voltou para o segundo tempo novamente recuado. Dessa vez, entretanto, o castigo não demorou. Aos 10min, o atacante Robson foi derrubado por Júlio Sérgio. O juiz marcou o pênalti, convertido um minuto depois pelo próprio Robson.

Descontente com o desempenho de sua equipe, Leão tirou Diego para dar lugar a William. Anteontem, o treinador já havia ameaçado barrar o jovem astro de seu time, que não repete mais a boa fase de antes e comete seguidos atos de indisciplina.

A mudança melhorou o time santista. Com Robinho se movimentando mais, o Bahia passou a ter sua meta ameaçada.

Mas foi só aos 47min que os paulistas conseguiram o empate. Depois de driblar um adversário, Robinho tocou para Leo, que invadiu a área e tentou um cruzamento. A bola bateu no zagueiro Valdomiro e entrou.

Com o resultado, o Bahia continua ameaçado de rebaixamento. O time, com 25 pontos, é o 17º colocado do Brasileiro agora.



Fontes: Folha de São Paulo e Revista Lance.

Santos 5 x 1 Bahia

Data: 23/09/2001, domingo, 15h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 14ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: não divulgados
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS)
Cartões amarelos: Russo (S); Denilson, Bebeto, Ramalho e Robson (B).
Cartão vermelho: Pitarelli (S).
Gols: Viola (04-1), Viola (32-1) e Viola (42-1) e Cléber (45-1); Marcus Vinícius (18-2) e Russo (28-2).

SANTOS
Pitarelli; Preto, Galván (Rafael) e Cléber; Russo, Marcelo Silva (Renato), Paulo Almeida, Robert (Elano) e Léo; Marcelinho e Viola.
Técnico: Cabralzinho

BAHIA
Emerson; Denilson, Carlinhos, Jean Elias e Jefferson; Bebeto Campos, Ramos, Ramalho e Preto (M. Bazílio); Nonato (Marcus Vinícius) e Robson (Fábio Costa).
Técnico: Evaristo de Macedo



Viola marca 3, Santos goleia e chega à 3ª vitória com Cabralzinho

O Santos manteve o 100% de aproveitamento na “era Cabralzinho” com a goleada de 5 a 1 sobre o Bahia, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. Foi a terceira vitória consecutiva da equipe sob o comando do treinador.

O grande destaque da partida foi o atacante Viola, autor de três gols _os outros foram marcados pelo zagueiro Cléber e pelo lateral-direito Russo. Agora o centroavante tem sete, apenas três a menos que Allan Dellon, do Vitória.

O meia-atacante Marcelinho também teve boa atuação. O ex-jogador do Corinthians participou de três dos cinco gols do time.

Com o triunfo, o Santos chega aos 22 pontos e entra na zona de classificação. O Bahia, que estava invicto há seis rodadas, permanece com 20.

Os santistas começaram abrindo o placar logo aos 4min. Após cruzamento de Marcelinho, Viola desviou de cabeça e marcou o primeiro.

Os baianos tiveram a chance de empatar dez minutos depois. Roberto Campos aproveitou levantamento de Denílson, mas cabeceou para fora.

Após o susto, o Santos cresceu na partida. Aos 33min, Viola recebeu lançamento de Marcelinho e tocou por cobertura, marcando um belo gol.

O time paulista marcou mais dois ainda no primeiro tempo. Aos 43min, Viola fez seu terceiro, depois de cruzamento de Léo pela esquerda, e logo a seguir, Cléber também fez o seu aproveitando levantamento de Marcelinho.

Na segunda etapa, mesmo com a expulsão do goleiro Pitarelli, e com o gol de Róbson, cobrando pênalti, o Santos continou dominando.

Aos 29min, Russo marcou o seu primeiro no Nacional e fechou a goleada santista, para festa dos torcedores que compareceram em bom número na Vila Belmiro.