Navegando Posts marcados como Basílio

Palmeiras 2 x 1 Santos

Data: 29/05/2005
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio do Parque Antarctica, em São Paulo, SP.
Público: 11.209 pagantes
Renda: R$ 144.358,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP)
Auxiliares: Flávio Lúcio Magalhães e Nilson De Souza Monção (ambos SP).
Cartões amarelos: Lúcio, Alceu, Bruno e Gioino (P); Helton, Tcheco e Altair (S).
Cartões vermelhos: Daniel (P).
Gols: Gioino (09-1), Daniel (02-2) e Basílio (43-2).

PALMEIRAS
Marcos; Daniel, Nen e Leonardo Silva; Bruno, Alceu, Juninho Paulista, Marcinho (Marcinho Guerreiro) e Lúcio; Ricardinho (Warley) e Gioino (Washington).
Técnico: Paulo Bonamigo.

SANTOS
Mauro; Altair, Hallison e Nádson (Douglas); Bóvio (Danilo), Tcheco, Helton, Luciano Henrique (Edmilson) e Flávio; Basílio e Fabiano.
Técnico: Gallo.



Palmeiras agradece, vence Santos reserva e abafa a crise

Com uma “mãozinha” do Santos, o Palmeiras venceu após seis jogos. Jogando em casa, o time do Parque Antarctica bateu o rival por 2 a 1, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, na tarde deste domingo, e respira um pouco melhor depois de uma semana turbulenta.

Depois de ser desclassificado pelo São Paulo da Copa Libertadores na última quarta-feira, a torcida palmeirense pressionou muito o time e a diretoria divulgou que irá dispensar alguns jogadores. Além disso, o técnico Paulo Bonamigo passou a ser muito pressionado por parte dos dirigentes do Palmeiras.

Essa vitória, além de garantir um pouco de paz para o time do Parque Antarctica nos próximos dias, permitiu que o time saia da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Com o resultado positivo, o time chegou aos sete pontos e ocupa agora a décima quinta colocação.

Já o Santos, que começou esta sexta rodada como líder da competição, permaneceu com os mesmos 12 pontos e viu o Fluminense se isolar na ponta da tabela, com 13. Ainda assim, o Santos pode perder posições para Botafogo, Internacional, Juventude Coritiba, que entram em campo às 18h10.

Mesmo assim, este resultado negativo não deve abalar o ânimo do time santista. O técnico Gallo preferiu escalar um time reserva para enfrentar o Palmeiras já que vem priorizando a Copa Libertadores. Nesta quarta-feira, o time santista enfrenta o Atlético-PR, na Arena da Baixada.

Com isso, jogadores como Ricardinho, Léo, Deivid entre outros ganharam uma folga. Já Henao, Paulo César e Robinho não jogaram porque seguem se recuperando de contusões.

Mas este resultado serviu para quebra de dois jejuns no Palmeiras. O time da capital paulista estava havia seis jogos sem vitórias. Além disso, os palmeirenses voltaram a balançar as redes depois de três partidas em branco. No total, foram 278 minutos sem marcar gols.

De quebra, o time do Parque Antarctica segue como grande “carrasco” do Santos entre os times grandes de São Paulo. Levando em conta os últimos três anos, o Palmeiras é o time que tem o melhor retrospecto contra o Santos. No total foram seis jogos, com quatro vitórias alviverdes.

Neste tempo, a única vitória do Santos aconteceu no segundo turno do Brasileiro do ano passado, quando a equipe da Vila Belmiro venceu os rivais por 2 a 1. Em compensação, no mesmo campeonato, o Palmeiras goleou o time santista por 4 a 0, no primeiro turno.

Agora o Palmeiras volta a campo apenas no sábado, dia 11, quando enfrentará o Goiás, no Serra Dourada.

O Jogo

O Palmeiras se aproveitou do fato do Santos entrar com um time reserva e começou pressionando. E não demorou muito para o time do Parque Antarctica abrir o placar. Aos 9min, Gioino recebeu na área e chutou na saída de Mauro para marcar seu primeiro gol com a camisa do Palmeiras.

Mesmo atrás do placar, o Santos não conseguiu chegar perto do gol palmeirense. Tanto que a melhor chance do time santista aconteceu em um lance de bola parada. Luciano Henrique cobrou falta do meio e Marcos pulou no canto esquerdo e fez ótima defesa.

Único titular do Santos em campo, Bóvio acabou sentindo uma lesão na coxa e foi substituído por Danilo aos 35min. Com a entrada do jovem meia, o Santos melhorou um pouco e tentou esboçar uma reação, mas não conseguiu levar perigo ao gol de Marcos.

No segundo tempo, o técnico Gallo aproveitou para colocar Edmilson no lugar de Luciano Henrique, tentando pelo menos o empate. Mas foi o Palmeiras que voltou a marcar. Logo aos 2min, Marcinho cobrou falta da direita e o zagueiro Daniel subiu mais que a zaga santista para ampliar o placar.

O gol desarmou o time santista, que passou a errar muitos passes. Mesmo assim, o Palmeiras não soube aproveitar o mau momento do Santos na partida para marcar o terceiro. Em um lance isolado, Gioino chutou cruzado da direita e Ricardinho completou para o fundo das redes, mas o árbitro Wilson Seneme anulou, alegando impedimento.

A partida passou a ser muito violenta, com muitos jogadores recebendo cartões. Em uma bela jogada pelo meio, Danilo acabou sendo derrubado na entrada da área por Daniel. Como já havia sido advertido, o zagueiro foi expulso.

Nos últimos minutos, o Palmeiras passou a administrar o resultado. Mas o Santos continuou lutando e, aos 43min, conseguiu descontar. Fabiano invadiu a área pela esquerda e foi derrubado por Leonardo Silva. Pênalti que Basílio bateu e descontou.

Liberação

De olho no jogo contra o Atlético-PR, pela Copa Libertadores, o Santos corre para conseguir a liberação de Robinho e Ricardinho da seleção brasileiro.

O presidente Marcelo Teixeira está negociando com a CBF e acredita que a dupla vai defender o time santista na quarta-feira.

Santos 6 x 0 Bolívar

Data: 11/05/2005, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 6ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP, Brasil.
Público: 17.906 pagantes
Renda: R$ 220.276,00
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Auxiliares: Edgardo Acosta e Marcelo Gadea (ambos do URU).
Cartões amarelos: Halisson e Léo (S).
Gols: Bóvio (02-1), Ávalos (13-1) e Paulo César (42-1); Ricardinho (13-2), Basílio (25-2) e Deivid (30-2).

SANTOS
Henao, Paulo César (Flávio), Ávalos, Hallisson e Léo; Fabinho, Bóvio (Basílio); Zé Elias e Ricardinho; Deivid e Robinho.
Técnico: Gallo

BOLÍVAR
Caballero; Sánchez (Peña), Torrico, Ferreira e Pachi; Galindo, Ângulo, Reyes e Zermatten; Fischer (Cabrera) e Gutiérrez.
Técnico: Vladimir Soria



Santos massacra Bolívar e se classifica em primeiro

O Santos se classificou para a segunda fase e ainda ratificou nesta quarta-feira a primeira posição do Grupo 2 da Copa Libertadores. Jogando na Vila Belmiro, o time da casa aproveitou o momento conturbado do Bolívar e goleou o adversário por 6 a 0.

O curioso é que esta é apenas a quarta vez nesta temporada em que o Santos faz mais de três gols. Antes disso, o time da Vila Belmiro havia superado esta marca contra Portuguesa (5 a 1), Mogi Mirim (4 a 2) e Paysandu (4 a 1).

A goleada desta quarta-feira ainda confirma a excelente campanha de Gallo como técnico do Santos. Ele dirigiu a equipe em 11 oportunidades. Neste período, conquistou oito vitórias e três empates.

O último placar negativo do Santos aconteceu no dia 23 de março, quando a equipe foi comandada pelo interino Serginho Chulapa. Jogando contra o Santo André, fora de casa, o clube do litoral perdeu por 3 a 2.

Nesta quarta-feira, chamou atenção a ausência de Robinho na lista dos goleadores do Santos. Balançaram as redes o volante Bóvio, o zagueiro Ávalos, o lateral-direito Paulo César, o meia Ricardinho e os atacantes Basílio e Deivid.

Contudo, nem mesmo a falta de gols criou um ambiente ruim para o camisa 7. O atacante foi muito aplaudido pela torcida do Santos, que pediu a permanência dele no clube. “Fica Robinho”, gritaram os torcedores.

O excelente momento de Robinho, porém, não é compartilhado pelo Bolívar. O time boliviano vive um período de crise financeira e ameaçou até não disputar o confronto com o Santos.

Descontentes com o não recebimento de US$ 90 mil que a diretoria lhes devia, os atletas do Bolívar, como forma de protesto, boicotaram o vôo da manhã de terça-feira, se ausentando do embarque no aeroporto de El Alto.

Para convencer os atletas a seguirem viagem, a diretoria do Bolívar prometeu saldar parte da quantia pendente. Com isso, o Bolívar chegou ao Brasil nesta quarta-feira. “Foi muito complicado. Viemos na correria e nem concentramos direito”, confessou o zagueiro brasileiro Ferreira.

Com isso, o Bolívar termina a primeira fase na lanterna do Grupo 2 da Libertadores. E o Santos, que ficou com a liderança, aguarda agora o complemento da última rodada para conhecer seu adversário nas oitavas-de-final.

Antes disso, porém, o Santos precisa se preocupar com o Campeonato Brasileiro. O time da Vila Belmiro entra em campo pela competição nacional no próximo domingo, às 18h10, fora de casa. O adversário será o Flamengo, que somou quatro pontos nas três primeiras rodadas do torneio.

O jogo

Em casa, contra um adversário desfigurado, o Santos não demorou para mostrar imensa superioridade técnica. Logo aos 2min, Robinho lançou na esquerda para Léo e o lateral cruzou de primeira. Bóvio apareceu dentro da pequena área e completou de pé direito, no ângulo direito do goleiro Caballero.

O gol deu ainda mais tranqüilidade ao Santos, que apenas trocou passes na intermediária até encontrar espaços na defesa do Bolívar. Isso aconteceu aos 13min, quando Paulo César cobrou falta da esquerda e Ávalos, livre de marcação, cabeceou para ampliar a vantagem dos donos da casa.

Assustado, o Bolívar só conseguiu ameaçar o gol do Santos em bolas paradas. Aos 18min, por exemplo, Zermatten cobrou falta da intermediária e o chute passou perto da trave esquerda de Henao.

Com a bola rolando, porém, o Santos foi muito superior. O time da casa tocou a bola na zona intermediária, mas faltou criatividade ao meio-campo da equipe brasileira. Com isso, o time da Vila Belmiro só conseguiu chegar ao terceiro gol em um lance de pura sorte.

Aos 42min, Paulo César recebeu na direita e cruzou para a área. Caballero saiu mal do gol e não conseguiu cortar. Com isso, a bola entrou no ângulo direito do camisa 12 do Bolívar. “Eu não tentei chutar para o gol. Fiz o lançamento, mas dei sorte e ela entrou”, confessou o ala do Santos.

No segundo tempo, devido à ampla vantagem do Santos, o Bolívar resolveu sair mais para o ataque. Com isso, deu espaços para o contra-golpe da equipe da casa, que conseguiu construir a goleada.

Aos 13min, Ricardinho tabelou com Deivid e chutou de primeira, de pé esquerdo. A bola foi no canto direito baixo de Caballero, que cometeu uma falha incrível e permitiu o terceiro gol do Santos.

Quando o técnico Gallo trocou o volante Bóvio pelo atacante Basílio, o Santos aumentou a goleada. Logo aos 25min, o camisa 18 aproveitou um cruzamento de Flávio para marcar de cabeça. E Deivid completou a vitória aos 30min, ao arrematar de pé direito um cruzamento rasteiro de Robinho da direita.

Pior Santos, melhor ataque

A campanha do Santos na primeira fase da Copa Libertadores 2005 é a pior das últimas três temporadas. O clube brasileiro somou 12 pontos no período de classificação deste ano contra 16 de 2004 e 14 de 2003.

No entanto, este é o melhor ataque do Santos na Libertadores nas últimas três temporadas. A equipe 2005 marcou 18 vezes na primeira fase e superou os dois anos anteriores, quando marcou 16 gols na classificação.


Santos 3 x 3 América-SP

Data: 20/03/2005, domingo, 18h00.
Competição: Campeonato Paulista – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público:
Renda: R$
Árbitro: Anselmo da Costa
Auxiliares: Paulo Sérgio Berghiroli e Carlos Augusto Nogueira Júnior
Cartões amarelos: Mário (A) e Robinho (S).
Cartão vermelho: Mário (A)
Gols: Robinho (08-1), Basílio (22-1) e Danilo (43-1); Finazzi (10-2), Basílio (13-2) e Guin (23-2).

SANTOS
Mauro; Flávio, Leonardo, Ávalos (Alisson) e Giba; Bóvio, Ricardinho e Fábio Baiano (Beto); Robinho, Deivid (Evando) e Basílio.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

AMÉRICA
André Zandoná; Dú, Chicão, Daniel Marques e Wellington; Mário, Lau, Guin e Danilo (Johnson); Laírson (Emerson) e Finazzi (Hudson).
Técnico: Roberval Davino



Santos empata e se distancia do título

O Santos tropeçou pela segunda vez consecutiva. Após perder no meio de semana pela Libertadores da América (2 a 1para a LDU), o time apenas empatou com o América por 3 a 3 na noite deste domingo, na Vila Belmiro, e pode ter dado adeus ao título do Campeonato Paulista.

O resultado deixa a equipe com 28 pontos, sete atrás do líder São Paulo, isso a seis rodadas do término da competição. Mesmo que vença o confronto direto contra a equipe do Morumbi, o Alvinegro precisa que o Tricolor tropece nos seus outros jogos.

Já o América segue sem perder, agora há cinco jogos. A última derrota do time foi no dia 20 de fevereiro, para o São Caetano, quando foi batido por 3 a 1, no estádio Anacleto Campanella.

Com o empate, a equipe de Rio Preto foi a 16 pontos e segue em 14º lugar, com mesmo número de pontos de Ponte Preta e Portuguesa Santista, mas perde nos critérios de desempate.

Os artilheiros Robinho e Finazzi voltaram a marcar nesta partida. Com os gols que fizeram, passaram a dividir a artilharia do Paulistão agora com 11 gols, e deixaram para trás Diego Tardelli, do São Paulo, e Frontini, do Marília, ambos com 10.

O jogo

Precisando vencer para afastar o mal-estar vivido durante a semana, o Santos foi para cima do América desde o primeiro minuto de jogo. Com toques rápidos e Robinho em noite inspirada, a equipe chegava fácil ao gol adversário.

Dessa forma, o gol não demorou a sair. Robinho fez jogada individual pelo lado esquerdo do ataque e sofreu falta. Na cobrança, Fábio Baiano levantou na área e o mesmo Robinho apareceu para fazer de cabeça, 1 a 0.

Muito retraído, o América só criou uma boa oportunidade aos 15min. Guin recebeu livre pelo lado esquerdo da zaga santista, mas bateu pra fora. Um minuto depois, Lau aproveitou passe errado de Fábio Baiano e arriscou. A bola passou à direita de Mauro.

Mas, diferente da equipe apática que jogou diante da União Barbarense no último domingo, o time alvinegro jogava com vibração e muita velocidade, criando chances perigosas de gol, principalmente com Robinho.

Aos 20min, o camisa 7 recebeu a bola de Ávalos pouco depois do meio-campo. O atacante avançou, driblou quatro adversários e chutou, mas a bola bateu em um dos zagueiros do América e voltou em sua mão, impedindo o que seria um belo gol.

Pressionando, o time de Oswaldo Oliveira chegou mais uma vez dois minutos depois, e aumentou o placar. Deivid pegou a bola no lado esquerdo do ataque, se livrou de dois marcadores, tabelou com Robinho e serviu Basílio.

Sozinho pelo lado direito, já dentro da área, o atacante alvinegro só teve o trabalho de tirar do goleiro André Zandoná, fazendo o segundo do Peixe.

O ataque não parava e aos 28min Deivid perdeu um gol incrível. Após tabelar com Basílio e ficar cara-a-cara com o camisa 1 do América, o atacante tocou de pé esquerdo, pra fora.

Como o Santos diminuiu o ritmo, a equipe de Rio Preto passou a apostar mais nas jogadas de ataque. Aos 37min, Danilo, o mais perigoso do time, recebeu dentro da área, mas, frente a frente com Mauro, finalizou à direita do gol.

Aos 43min não teve jeito. Ávalos e Bóvio se desentenderam na entrada da área e a bola sobrou para Danilo. Ele tocou a Finazzi, que lhe devolveu de calcanhar. Danilo ainda dominou antes de chutar e fazer o primeiro do América.

Sem alterações, as duas equipes voltaram para o segundo tempo, mas parecia o final do primeiro, já que o América em seis minutos criou três oportunidades de gol. Na mais clara delas, Finazzi chutou para fora.

Aoas 7min, Robinho voltou a aparecer. Após se livrar de seu marcador, ele lançou e deixou Basílio sozinho na cara do gol. Mas o atacante perdeu outra vez, tocando à esquerda do gol do América.

O time de Rio Preto seguia perigoso e chegou ao empate aos 10min. Wellington ganhiu dividida na esquerda e cruzou. Finazzi, livre de marcação, bateu e fez, 2 a 2.

Mas a resposta santista foi rápida. Três minutos depois, outra vez Robinho fez bela jogada, se livrou de dois marcadores pela esquerda e cruzou. Basílio, dentro da pequena área, só teve o trabalho de empurrar para o gol.

Aos 23min o América voltou a complicar para a equipe praiana e empatou a partida novamente. Guin recebeu dentro da área, no lado direito, deu um belo drible em Bovio e bateu colocado no canto direito de Mauro.

A partir daí a torcida santista passou a pedir novamente a saída do técnico Oswaldo de Oliveira. O Treinador no mesmo momento deu mais motivos para ser hostilizado, já que sacou o zagueiro Ávalos para colocar outro, Alisson.

Desarticulado, o Santos não conseguia criar como antes e assistia o América perder boas oportunidades. Aos 38min, Finazzi recebeu cruzamento da direita e cabeceou para fora, sozinho.

Sem forças, a equipe praiana não conseguiu se colocar mais uma vez à frente no placar e amargou o empate com sabor de derrota.

Oswaldo continua no comando do Peixe

Após conversar com o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, técnico diz que segue como treinador da equipe.

Contrariando o pensamento de muitos, Oswaldo de Oliveira permanece no comando do Santos. O treinador confirmou que continua à frente da equipe logo após conversar com o presidente do clube, Marcelo Teixeira.

“Continuo sim. É difícil falar desse assunto num momento como esse, mas segue o trabalho e vai ser mantida a filosofia de trabalho que está sendo aplicada. Com relação à conversa com o presidente, nem tocamos no assunto sobre a minha saída”, disparou o seco e educado Oswaldo.

O técnico alvinegro vem sendo questionado e pressionado pela torcida para deixar o clube, principalmente após as últimas três atuações do time. Nelas, o Santos venceu a União Barbarense, mas saiu vaiado da Vila, perdeu para a LDU na Libertadores e empatou neste domingo com o América em 3 a 3.

Oswaldo disse que fatores extra-campo estão atrapalhando o rendimento da equipe: “Nós estamos disputando duas competições e não fizemos pré-temporada. Os jogadores não dormiram de quinta para sexta-feira [sobre a volta da equipe do Equador] e ainda tivemos algumas contusões que deixaram atletas importantes fora de ação”.

Questionado sobre de que forma administrar a pressão que vem sofrendo e até que ponto isso pode influenciar as atuações dos jogadores, o comandante alvinegro simplificou:

“Trabalho. Temos que trabalhar e nos aprimorar para conseguir os resultados, só assim vamos reverter a situação que estamos passando”.

Rio Branco 1 x 5 Santos

Data: 23/02/2005, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 9ª rodada
Local: Estádio Dévio Vita, em Americana, SP.
Público: 7.751 pagantes
Renda: R$ 85.751,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira
Auxiliares: Ednilson Corona e Danilo Ricardo Simon Manis
Cartões amarelos: Dino e Baggio (RB); Tcheco (S).
Gols: Robinho (25-1); Capitão (04-2), Basílio (11-2), Robinho (13-2), Deivid (22-2) e Robinho (45-2).

RIO BRANCO
Magrão; Baggio, Marcos Paulo (Jales) e Maxsandro; Thiaguinho, Felipe, Fabiano Gadelha, Dino (Carlos Eduardo) e Jorginho; Paulinho Macaíba (Lê) e Capitão.
Técnico: Luiz Carlos Cruz

SANTOS
Mauro; Paulo César (Flávio), Domingos, Ávalos e Léo; Bóvio, Tcheco e Ricardinho; Basílio (Rivaldo), Robinho e Deivid (Evando).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Robinho dá show e Santos goleia Rio Branco

O Santos se recuperou em grande estilo no Campeonato Paulista. Depois do empate com o Ituano no final de semana, a equipe da Vila Belmiro goleou o Rio Branco por 5 a 1 nesta quarta-feira, no estádio Décio Vita, em Americana, e voltou a encostar no líder São Paulo.

Para melhorar ainda mais a situação do time santista, a equipe do Morumbi precisa empatar ou perder da Portuguesa Santista nesta quinta-feira – o Santos está na terceira colocação com 21 pontos, a um ponto do rival e do Mogi Mirim, segundo colocado.

Comandado por Robinho, que marcou três gols [Basílio e Deivid assinalaram os outros], o time do técnico Oswaldo de Oliveira foi amplamente superior ao clube de Americana, que amargou sua quinta derrota na competição estadual – o time tem apenas 10 pontos.

Outro destaque positivo foi o veterano Basílio. Incansável, o atacante marcou um belo gol e ainda deu uma ótima assistência de calcanhar para Deivid marcar.

Além da redenção, o triunfo santista ajudou o treinador alvinegro a melhorar sua imagem perante os cartolas. Apesar de ter apenas uma derrota no comando do Santos (4 a 3 para o Bolívar na estréia da Libertadores), alguns dirigentes reclamaram do seu trabalho para o presidente Marcelo Teixeira.

Na próxima rodada do Campeonato Paulista, Santos e Rio Branco jogam no domingo. A equipe da Baixada Santista recebe o São Caetano, na Vila Belmiro. Já o time de Americana joga contra o Atlético Sorocaba, no estádio Walter Ribeiro, fora de casa. Ambas as partidas serão às 16h.

O jogo

Precisando da vitória para não se distanciar ainda mais do líder São Paulo (no início da rodada a diferença era de quatro pontos), o Santos, que contou com o retorno do meia Ricardinho, logo foi para cima do Rio Branco.

No primeiro minuto de jogo, o atacante Deivid avançou com a bola pelo meio-de-campo e foi derrubado próximo à meia-lua. Na cobrança, Ricardinho bateu colocado à esquerda do goleiro Magrão, que apenas observou a saída da bola pela linha de fundo.

Percebendo o ímpeto ofensivo da equipe da Vila Belmiro, o time do interior agiu rapidamente e passou a marcar mais. Em termos ofensivos, porém, o primeiro chute a gol aconteceu apenas aos 10min, em cobrança de falta de Fabiano. A bola passou por cima do travessão de Mauro.

Com o ataque do Santos bem marcado, os atacantes do Rio Branco começaram a ousar mais. Aos 19min, por exemplo, Paulinho Macaíba desperdiçou uma ótima chance de abrir o placar. Após cobrança de escanteio da esquerda, ele subiu sozinho na pequena área e cabeceou para fora.

A equipe da Vila voltou ao ataque aos 22min, quando Basílio recebeu a bola na grande área e foi derrubado por Felipe. Apesar da reclamação do atacante santista, o árbitro Paulo César de Oliveira considerou o lance normal.

O primeiro gol do clube da Baixada, no entanto, não demorou a acontecer. Aos 25min, o lateral-direito Paulo César deu um belo lançamento para Robinho na grande área. O atacante dominou no peito e chutou forte de pé direito no canto esquerdo, sem chances de defesa para Magrão.

Com a vantagem no placar, o Santos começou a arranjar mais espaços para criar as jogadas. Aos 27min, inclusive, Basílio ampliou, mas ele estava em posição irregular e o gol não foi validado.

Três minutos depois, a torcida que lotou o estádio Décio Vita, em Americana, vibrou com Robinho. Após confusão na área, a bola sobrou para ele na direita. Depois de algumas pedaladas, o atacante cruzou para Deivid, que acertou um voleio em cima da zaga do Rio Branco.

Em desvantagem, o clube de Americana não conseguiu mais acertar a marcação e muito menos chegar ao ataque com perigo. Desorganizado, o time comandado por Luiz Carlos Cruz apenas correu atrás do Santos até o final do primeiro tempo.

Na etapa final, ambas as equipes voltaram com a mesma formação. Os técnicos Luiz Carlos Cruz, do Rio Branco, e Oswaldo de Oliveira, do Santos, preferiram não mudar em nada.

Com ritmo mais acelerado do que no primeiro tempo, o Rio Branco logo foi para cima do Santos em busca do gol de empate. E isso não demorou a acontecer.

Aos 3min, o lateral-direito Tiaguinho foi derrubado na grande área pelo zagueiro Ávalos e o árbitro assinalou pênalti. Na cobrança, aos 4min, o atacante Capitão marcou. Foi o quinto gol dele no Campeonato Paulista.

A equipe santista, porém, não se abalou com a igualdade e continuou com melhor em campo. Tanto que aos 11min conseguiu ficar à frente novamente. Após boa jogada de Ricardinho, a bola sobrou para Léo na esquerda. O lateral cruzou para Basílio, que pegou de primeira de perna esquerda e acertou o canto esquerdo do goleiro Magrão.

Aproveitando a empolgação do segundo gol, o Santos marcou o terceiro em uma bela jogada. Aos 13min, o atacante Deivid rolou para Tcheco, que ajeitou de calcanhar para Robinho. O atacante chutou da entrada da área e marcou seu oitavo gol na competição.

Mais solto em campo, o Santos dominou totalmente o adversário e marcou seu quarto gol aos 22min. Basílio recebeu belo lançamento na esquerda e tocou de calcanhar para o atacante Deivid, que chutou cruzado e marcou seu primeiro gol na partida.

Com três gols de vantagem no placar, a equipe da Vila Belmiro passou a abusar do toque de bola e o técnico Oswaldo de Oliveira testou o atacante Evando e o meia Rivaldo no time.

A equipe da Baixada ainda conseguiu aumentar o placar aos 45min, quando Robinho recebeu mais uma bola na grande área e chutou com categoria no canto alto esquerdo de Magrão. Com este gol, o craque santista assumiu a artilharia ao lado de Finazzi, do América, com nove gols.

Ituano 1 x 1 Santos

Data: 20/02/2005, domingo, 18h00.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 8ª rodada
Local: Estádio Municipal Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 11.467 pagantes
Renda: R$ 159.846,00
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes Filho
Auxiliares: Nilson de Souza Monção e Emerson Augusto de Carvalho
Cartões amarelos: Lima e Ricardo Oliveira (I); Domingos e Ávalos (S).
Gols: Basílio (06-1); Wilson Mathias (19-2).

ITUANO
André Luís; Lima, Erivélton, Aderaldo e Kauê; Pierre, Wilson Mathias (Ceará), Ricardo Oliveira e Juliano; Gílson (Denny) e Rômulo.
Técnico: Leandro Campo

SANTOS
Mauro; Paulo César, Domingos, Ávalos e Léo; Fabinho (Flávio), Bóvio e Tcheco; Robinho, Basílio (Evando) e Deivid.
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos cede empate e se distancia de líder

Falha de goleiro e cansaço freiam equipe de Oswaldo de Oliveira, que agora está a quatro pontos do São Paulo

O Santos bem que tentou, mas ficou mais longe do título paulista. Nesta noite de domingo, o Alvinegro empatou em 1 a 1 com o Ituano, no estádio Novelli Júnior, e se distanciou da briga.

O resultado faz o time subir para 18 pontos e permanecer na terceira colocação. Agora, o clube tem quatro de desvantagem para o líder São Paulo, que bateu o Palmeiras e foi a 22. O Mogi Mirim é o segundo 21.

Já o Ituano subiu para 14 e agora divide a quinta colocação com o Paulista. O empate faz o rubro-negro continuar sem derrotas atuando diante de sua torcida. Em quatro partidas foram três vitórias e apenas um empate.

Apesar de atuar com três atacantes – Robinho, Deivid e Basílio -, o Santos não apresentou o futebol esperado pelo técnico Oswaldo de Oliveira. Com falhas na marcação e sentindo a ausência de Ricardinho e Fábio Baiano, o time não resistiu à pressão adversária no segundo tempo.

O Peixe volta a campo na próxima quarta-feira, quando enfrenta o Rio Branco, às 21h45, no estádio Décio Vitta, em Americana. O Ituano joga contra o São Caetano, quinta-feira, às 20h30, no Anacleto Campanella.

O jogo

Mesmo fora de casa, o Santos não tomou conhecimento do bom retrospecto do Ituano e foi para cima. O primeiro gol veio logo aos 8min. Em rápido contra-ataque, Bóvio desceu pela direita e cruzou. Basílio apareceu na área e, de carrinho, apenas escorou para a meta de André Luís.

Com a desvantagem no placar, o Ituano acordou. Aos 12min, Juliano arriscou chute de fora da área e a bola passou muito próxima do gol de Mauro, mas foi pela linha de fundo.

O avanço do adversário fez o Santos ficar com mais espaço para jogar. Dois minutos depois, Basílio avançou pela direita, passou pela marcação de um zagueiro e chutou em cima de André Luís, perdendo boa chance de ampliar.

Aos 29min, o volante Fabinho sentiu uma lesão muscular e precisou ser substituído por Flávio. Apesar disso, o Santos continuou melhor em campo e quase ampliou no minuto seguinte.

Paulo César desceu pela direita e cruzou rasteiro para o meio da área. Robinho apareceu entre os zagueiros e desviou para boa defesa de André Luís, que evitou o segundo gol.

O mesmo Robinho levou perigo novamente aos 35min. Ele fez bela jogada individual pela direita, passou por dois marcadores e chutou cruzado. O goleiro adversário se esticou todo e conseguiu espalmar para escanteio.

Melhor em campo, o Santos continuou criando boas chances. Aos 45min, Basílio puxou contra-ataque e serviu o lateral Léo que, de frente para o gol, não conseguiu dominar e perdeu a melhor chance do primeiro tempo.

Na volta do intervalo, o Ituano reapareceu com mais força ofensiva. Com o artilheiro Rômulo se movimentando um pouco mais, o time da casa teve mais espaços, mas não conseguiu criar boas jogadas de frente.

Aos 9min, o Santos quase chegou ao segundo tento, mas novamente pecou na finalização. Léo cruzou da esquerda e Deivid, livre na pequena área, tocou por cima do gol.

A resposta dos donos da casa veio aos 15min. O meia Juliano fez boa jogada individual, passou pela marcação e chutou no canto direito de Mauro, que espalmou para fora.

Com a pressão, o gol não demorou a surgir. Aos 19min, Lima bateu falta, Mauro não segurou e Wilson Mathias pegou rebote para deixar tudo igual no placar.

Após o empate, o Santos acordou novamente e por muito pouco não fez o segundo gol. Deivid recebeu passe de Flávio e chutou no canto esquerdo, mas André Luís praticou outra boa defesa.

No final da partida, o Peixe ainda tentou pressionar, mas não teve força para isso. O Ituano se arriscou pouco e apenas administrou a conquista de mais um ponto.