Navegando Posts marcados como Beira Rio

Internacional 2 x 0 Santos

Data: 19/10/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 15.065 pagantes.
Renda: R$ 188.390,00.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises e Luiz Claudio Regazone (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Andrigo (I).
Gols: Aylon (09-1) e Eduardo Sasha (42-2).

INTERNACIONAL
Danilo Fernandes; Eduardo (Ceará), Alan, Ernando e Geferson; Fabinho, Eduardo Henrique, Alex, Andrigo (Valdívia) e Eduardo Sasha; Aylon (Vitinho).
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz (Rafael Longuine), Luiz Felipe e Zeca (Rodrigão); Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Paulinho (Joel), Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Apático, Santos perde para reservas do Inter e dá adeus à Copa do Brasil

Quando o técnico Celso Roth anunciou que o Internacional viria com um time praticamente reserva para encarar o Santos, na noite desta quarta-feira, no Beira-Rio, nem o mais fanático torcedor colorado apostava fielmente em uma classificação para as semifinais da Copa do Brasil. Porém, mesmo entrando em campo com força máxima e levando vantagem de ter vencido o duelo de ida por 2 a 1, na Vila Belmiro, o Peixe foi apático em Porto Alegre e perdeu por 2 a 0, sendo eliminado do torneio mata-mata.

E a classificação colorada foi garantida com gols de dois atacantes reservas. No começo do primeiro tempo, Aylon marcou de cabeça. Já no final da partida, Eduardo Sasha bateu com categoria e garantiu a vaga na semifinal da Copa do Brasil, onde irá encarar o Atlético-MG, que perdeu do Juventude por 1 a 0 em Caxias do Sul, mas avançou em decisão por pênaltis.

Eliminados, os santistas voltam suas forças apenas para o Campeonato Brasileiro. No próximo domingo, o Peixe visita a Chapecoense, às 19h30 (de Brasília). Com 55 pontos e na quarta colocação, o alvinegro segue vivo na briga por uma vaga na Copa Libertadores de 2017.

Já no Internacional, o foco agora é total no clássico diante do Grêmio, também no domingo, às 17h (de Brasília), na arena do rival. Com 36 pontos e lutando contra o rebaixamento, os colorados seguem tendo como prioridade a reta final do Brasileirão, mesmo conquistando a vaga na Copa do Brasil.

O jogo

Apesar de entrar com apenas três titulares, o Internacional começou massacrando o Santos no Beira-Rio. Forçando a saída de bola do alvinegro, o Colorado chegava com facilidade e apostava nas bolas aéreas. De tanto insistir, os gaúchos foram premiados aos nove minutos de jogo. O meia Alex cobrou escanteio e Aylon apareceu livre dentro da área. Sem precisar pular, o atacante escorou de cabeça e abriu o placar em Porto Alegre.

Como perdeu por 2 a 1 no duelo de ida, na Vila Belmiro, a vitória mínima garantia na classificação ao Inter. Por conta disso, o Santos ‘acordou’ no jogo e partiu pra cima. Aos 13 minutos, Lucas Lima bateu colocado de fora da área e obrigou o goleiro Danilo Fernandes a fazer boa defesa.

Com a desvantagem no marcador, os comandados de Dorival Júnior passaram a ter a posse de bola e dominavam o meio-campo. Porém, o Peixe esbarrava na força defensiva do Colorado e não encontrava espaços para acertar o último passe.

Apesar de ficar com a bola nos pés, o Santos não assustava e sofria com as boas chegadas do Inter. Aos 34 minutos, Gefferson mandou na área e após confusão defensiva, Eduardo Sasha apareceu sozinho e bateu pro gol, mas foi travado por Luiz Felipe.

Lento na saída de jogo, o Peixe parecia alheio à eliminação momentânea e praticamente não correu atrás do empate. Tanto que a única boa chance desperdiçada foi aos 43 minutos. Após cruzamento de Lucas Lima, Ricardo Oliveira escorou de cabeça e viu Danilo Fernandes fazer grande defesa, garantindo a vantagem colorada antes do intervalo.

O segundo tempo começou praticamente igual ao que foi visto na primeira etapa. O Santos, apesar ter a bola dominada no meio de campo, seguia apático e ainda sofria com os contra-ataques do Inter. Aos 10 minutos, Fabinho apareceu como homem surpresa no ataque, arriscou de longe e quase ampliou para os gaúchos.

Aos 17 minutos, o Peixe chegou bem pela primeira vez após o intervalo e arriscou em bola lançada para Copete. Antes dela chegar no colombiano, Alan Costa e Eduardo brigaram por espaço para impedir a jogada e se chocaram. O jovem lateral levou a pior e precisou ser substituído por Ceará.

Mesmo jogando contra o relógio, o Peixe continuou mostrando pouca vontade para empatar. Tanto que as melhores oportunidades continuaram sendo para o Internacional. Aos 28 minutos, Alex levantou na área e a bola fica com Ernando. O zagueiro pegou de primeiro e mandou no travessão, quase ampliando o marcador.

Precisando do empate para continuar na Copa do Brasil, o técnico Dorival Júnior sacou o zagueiro David Braz e colocou o meia Rafael Longuine em campo. Logo depois, o comandante trocou Paulinho e Zeca por Joel e Rodrigão, respectivamente.

Apesar das mudanças, o Santos seguiu sem mostrar nenhuma vontade de conquistar a vaga. E o castigo veio no apagar das luzes. Aos 42 minutos do segundo tempo, Eduardo Sasha avançou dentro da área e tocou por cima de Vanderlei. Golaço que fechou o caixão santista e garantiu a classificação do Inter para as semifinais da Copa do Brasil.

Bastidores – Santos TV:

Dorival culpa pane inicial por eliminação na Copa do Brasil

Apesar de entrar com apenas três titulares contra o Santos, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, o Internacional começou massacrando o Peixe. De tanto insistir, os gaúchos foram premiados logos aos nove minutos de jogo e abriram o placar com Aylon, após cobrança de escanteio. No final da partida, Eduardo Sasha ainda marcou mais um e garantiu a classificação do Colorado para as semifinais da Copa do Brasil.

Para o técnico Dorival Júnior, a desatenção no início do duelo foi determinante para a eliminação do alvinegro no torneio mata-mata.

“Tivemos alguns minutos iniciais que nos custaram muito caro na partida. Trouxemos a equipe do Internacional desnecessariamente para cima. E em uma jogada de bola parada, eles acabaram abrindo o marcador. Tiveram uma proposta de jogo e foram felizes. Eles se fecharam, marcaram com intensidade. A equipe do Santos tentou jogar, mas estava complicado para criar. Buscamos movimentações. Tivemos algumas oportunidades, mas não conseguimos com aquela clareza que sempre criamos e em razão disso nós tivemos dificuldades”, justificou-se o comandante santista em entrevista coletiva após a eliminação.

Dias antes da partida desta quarta-feira, o Internacional deixou claro que seu foco segue sendo a fuga do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Por conta disso, o técnico Celso Roth poupou seus titulares para o duelo, como já havia feito no jogo de ida, no dia 28 de setembro, na Vila Belmiro, vencido pelo Peixe por 2 a 1.

Mesmo com a superioridade técnica em relação aos reservas do Colorado, Dorival reconheceu os méritos dos gaúchos e não demonstrou irritação com a apresentação do Santos no Beira-Rio.

“Não existe essa conotação de time reserva. Jogamos contra Inter e Grêmio (no domingo). Tivemos uma equipe forte hoje. O Santos também se doou, foi ao limite, teve intensidade. O Inter se fechou bem, tivemos um bom tempo com a bola nos pés. Tentamos, fomos para cima, não nos acovardamos. Natural que se jogue contra duas equipes que não vinham atuando e tenha uma conotação diferente. Mas não subestimamos. Enfrentamos com todas as nossas forças”, concluiu o comandante santista.

Lucas Lima não encontra explicação para eliminação do Santos

Enquanto o Internacional deixou claro seu foco no Campeonato Brasileiro e veio com reservas nesta quarta-feira, no Beira-Rio, o Santos entrou em campo com força máxima e tinha tudo para sair de Porto Alegre classificado para as semifinais da Copa do Brasil. Porém, como o futebol não é uma ciência exata, os santistas foram derrotados por 2 a 0 e acabaram eliminados do torneio mata-mata.

E além da partida desta quarta, o Colorado já havia entrado com um time alternativo no jogo de ida, disputado na Vila Belmiro, no dia 28 de setembro. No primeiro embate, o Peixe chegou a abrir 2 a 0. Mas o gol de Seijas fora de casa fez a diferença no confronto em Porto Alegre.

“Não temos como explicar. Pecamos no começo do jogo e pagamos por isso. Tomamos o gol de bola parada. Não conseguimos segurar e sofremos outro no fim. Agora é levantar a cabeça”, afirmou o meia Lucas Lima na saída do gramado.

Após a eliminação na Copa do Brasil, o elenco santista não volta para a Baixada Santista. Os comandados de Dorival Júnior viajam direto para Chapecó, onde o time enfrenta a Chapecoense neste domingo, às 19h30 (de Brasília), na Arena Índio Condá, em jogo válido pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Fora do torneio mata-mata, o Peixe mira todas suas atenções no Brasileirão. Com 55 pontos e na quarta colocação, o alvinegro ainda tem chances matemáticas de título. Porém, a distância de nove pontos para o líder Palmeiras, faz os santistas pensarem principalmente em garantir a vaga para a Copa Libertadores da próxima temporada.

Após queda, Oliveira pede para santistas ‘esfriarem a cabeça’

Como venceu o duelo de ida por 2 a 1, na Vila Belmiro, no dia 28 de setembro, o Santos começou a partida contra o Internacional, nesta quarta-feira, momentaneamente classificado para as semifinais da Copa do Brasil. Porém, logo aos nove minutos de jogo, Aylon apareceu livre na pequena área após cobrança de escanteio e pulverizou a vantagem santista.

Precisando de um empate para ficar com a vaga, o Peixe até teve a posse de bola no meio-campo, mas não conseguiu criar e foi castigado no fim, após gol de Eduardo Sasha, que fechou o caixão santista e determinou a eliminação do alvinegro no torneio mata-mata. O atacante Ricardo Oliveira reconheceu a superioridade dos gaúchos, mas disse que o Santos lutou até o fim do duelo.

“Agora é momento de esfriar a cabeça, a gente procurou o jogo a todo momento. Tentamos e não conseguimos ser eficientes na hora de finalizar e criar jogadas de perigo. Paciência. Méritos a equipe adversária que marcou dois gols”, afirmou o centroavante na saída do gramado do Beira-Rio.

Presidente do Santos viaja para cobrar elenco após eliminação

A derrota por 2 a 0 para os reservas do Inter, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, não foi digerida por parte da torcida a até mesmo pelo presidente Modesto Roma Júnior. Após o revés, que causou a eliminação do Peixe nas quartas de final da Copa do Brasil, o mandatário alterou sua agenda de compromissos e viaja nesta quinta-feira para Porto Alegre.

A ideia é reunir os atletas e o técnico Dorival Júnior para cobrar explicações e motivar o grupo para o restante da temporada. A forma como o alvinegro atuou diante do Colorado não agradou a diretoria. Apáticos, os santistas sofreram um gol logo no início, com Aylon, e mesmo com a eliminação iminente, criaram poucas oportunidades e não assustaram o Inter, que ainda marcou mais um no fim do segundo tempo, com Eduardo Sasha, e fechou o caixão santista.

Mesmo não concordando com algumas escolhas da comissão técnica durante a partida desta quarta-feira, Modesto não cogita a possibilidade de demitir o comandante Dorival Júnior.

A queda na Copa do Brasil fez a pressão aumentar no Peixe. Além de um grupo de conselheiros ter enviado uma carta pedindo a saída de Dorival, uma das principais organizadas do clube declarou nesta quarta-feira, após a eliminação, ser a favor da troca no comando técnico da equipe.

Apesar disso, Modesto pretende mostrar que está do lado do elenco e também do treinador, pensando na sequência da temporada.

Internacional 2 x 1 Santos

Data: 08/09/2016, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 29.996 pagantes.
Renda: R$ 763.100,00
Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF)
Auxiliares: Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Junior (ambos do DF).
Cartões amarelos: Anselmo, Eduardo Henrique e Fabinho (I); Gustavo Henrique, Ricardo Oliveira e Victor Ferraz (S).
Cartão vermelho: Lucas Lima (S).
Gols: Ricardo Oliveira (27-1) e Seijas (41-1); Aylon (16-2).

INTERNACIONAL
Danilo Fernandes; William, Paulão (Eduardo), Ernando e Geferson; Anselmo (Eduardo Henrique), Fabinho, Seijas e Valdívia (Alex); Nico López e Aylon.
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Rodrigão), Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Léo Cittadini (Jean Mota) e Lucas Lima; Vitor Bueno (Walterson), Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Com expulsão polêmica, Inter vira sobre o Santos no Beira-Rio

O duelo entre Internacional e Santos, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro pode ser definido com uma única palavra: polêmica. Com a bola rolando, o Peixe chegou a abrir o placar, com Ricardo Oliveira, mas viu o Colorado buscar a virada, com Seijas e Aylon, e conquistar a vitória por 2 a 1, na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio. Porém, o arbitragem acabou chamando a atenção na partida. Aos 45 minutos do primeiro tempo, Lucas Lima foi expulso após o árbitro Rodrigo Batista Raposo entender que o meia estava fazendo ‘cera’. A expulsão gerou muitas reclamações por parte dos santistas.

Sem nada a ver com isso, o Inter finalmente conquistou uma vitória no Brasileirão. Após um jejum de 14 rodadas, o Colorado chegou aos 27 pontos e saiu da zona de rebaixamento, ocupando a 15ª colocação. Já o Peixe amargou sua terceira derrota seguida na competição. Com isso, a equipe de Dorival Júnior segue estacionada nos 36 pontos e continua na quinta posição.

O jogo

A partida em Porto Alegre começou com um susto. Logo aos 10 segundos, a defesa do Inter já bateu cabeça, literalmente. Os zagueiros Paulão e Ernando subiram ao mesmo tempo para desviar a bola e acabaram se chocando. Os dois caíram no chão e o atendimento médico foi chamado imediatamente. Após três minutos de paralisação, Ernando voltou para o jogo, enquanto.Paulão acabou sendo substituído por Eduardo.

Com a bola rolando, o Inter começou pressionando o Santos. Aos oito minutos, Copete saiu jogamdo errado e deu a bola no pé de Nico Lopez. O uruguaio avançou e bateu fraco, de fora da área, nas mãos de Vanderlei. No lance seguinte, Seijas chutou cruzado. O arqueiro santista rebateu e deixou no pé de Nico Lopez, que isolou.

O alvinegro só assustou aos 14 minutos. Lucas Lima cobrou falta na área e Gustavo Henrique desviou, assustando o goleiro Danilo Fernandes.

Após o ‘abafa’ inicial, o Inter diminuiu o ritmo e o Santos passou a pressionar a saída de bola colorada. E a pressão surtiu efeito. Aos 27 minutos, Geferson saiu jogando errado e deu a bola nos pés de Ricardo Oliveira. O artilheiro não perdoou. Ele ajeitou o corpo e bateu de esquerda, no canto direito baixo do goleiro Danilo Fernandes.

O Inter sentiu o gol. Após o tento sofrido, a equipe de Celso Roth não conseguia mais chegar com o ímpeto inicial. Mas quando o duelo caminhava para o intervalo, Seijas arriscou um chute de fora da área, aos 41 minutos. A bola desviou em Vanderlei e enganou Vanderlei, deixando tudo igual.

Após o empate, veio a grande polêmica do jogo. Lucas Lima, que já havia levado um cartão amarelo por demorar para bater uma falta, se posicionou para cobrar um escanteio. O meia resolveu deixar a cobrança para Vitor Bueno e saiu da posição. O árbitro Rodrigo Batista Raposo entendeu que o camisa 10 retardou o jogou e aplicou o segundo amarelo, expulsão o santista.

O cartão vermelho abalou Lucas Lima. Tanto que o meia sentou no banco de reservas e começou a chorar. A comissão técnica e os jogadores do Peixe reclamaram bastante do lance. Antes do intervalo, o árbitro acabou ainda amarelando o zagueiro Gustavo Henrique.

Além deles, Ricardo Oliveira, Victor Ferraz também levaram amarelo e desfalcam o Santos no clássico contra o Corinthians.

Com um jogador a mais, o Internacional começou o segundo tempo buscando a virada. Porém, com a pouca criatividade, a equipe de Celso Roth não conseguia furar o bloqueio defensivo montado pelo Santos.

Aos poucos, aproveitando a vantagem numérica e na base da insistência, o Colorado foi encontrando os espaços. Tanto que conseguiu a virada. Aos 16 minutos, Valdívia desviou cobrança de escanteio e Vanderlei fez linda defesa, espalmando pra cima. O atacante Aylon esperou a redonda cair e empurrou para o fundo das redes, de peito.

Depois de conquistar a virada, o Inter diminuiu o ritmo. Já pelo lado santista, o técnico Dorival Júnior colocou Jean Mota na vaga de Léo Cittadini e sacou Vitor Bueno para promover a estreia do jovem Walterson. Com a entrada dos dois, o alvinegro ameaçou uma reação.

Com um a menos, o Santos foi para cima, deixando espaços para o Colorado chegar no contra-ataque. O jogo ficou franco, com chances claras para os dois lados. Porém, ninguém marcou e a vitória ficou mesmo com os gaúchos.

Após expulsão polêmica, Ferraz dispara contra árbitro: “Ridículo”

A derrota por 2 a 1 para o Internacional, nesta quinta-feira, no Beira-Rio, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, vai demorar para sair da cabeça dos santistas. A expulsão polêmica de Lucas Lima, ainda no primeiro tempo, gerou muitas reclamações dentro e fora de campo.

O lateral-direito Victor Ferraz foi um dos mais exaltados na saída do gramado. O jogador admitiu as falhas da equipe, mas disparou contra o árbitro Rodrigo Batista Raposo.

“Não vou fugir da responsabilidade. A gente vem de algumas partidas ruins e temos também muita culpa. Mas hoje o jogo estava controlado, ele (árbitro) se atrapalhou inteiro. É complicado, posso pegar um gancho, mas o que aconteceu hoje aqui foi ridículo. O Inter é muito grande, poderia ganhar da gente sem isso. Ele disse que xingamos ele. Eu não falo um palavrão há 20 anos. Além de tudo, ele é mentiroso”, esbravejou o lateral, sobre a expulsão de Lucas Lima.

Aos 45 minutos do primeiro tempo, quando a partida estava empatada em 1 a 1, o camisa 10 do Peixe, que já havia levado um cartão amarelo por demorar para bater uma falta, se posicionou para cobrar um escanteio. O meia resolveu deixar a cobrança para Vitor Bueno e saiu da posição. O árbitro Rodrigo Batista Raposo entendeu que Lucas Lima retardou o jogou e aplicou o segundo amarelo, expulsando o santista.

Além da expulsão polêmica, o Santos ainda teve Ricardo Oliveira e Victor Ferraz amarelados. Por conta disso, a dupla, assim como Lucas Lima, não encara o Corinthians, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Santos perde Ricardo Oliveira, Lucas Lima e Victor Ferraz para o clássico

Como se já não bastasse a polêmica derrota por 2 a 1 para o Internacional, na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio, o Santos também terá três problemas para a sequência da competição. Ricardo Oliveira e Victor Ferraz, que estavam pendurados, receberam o terceiro cartão amarelo e não encaram o Corinthians, neste domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Lucas Lima, expulso, também não estará à disposição de Dorival Júnior.

Sem o trio, o comandante santista deve dar oportunidade a Daniel Guedes, Jean Mota e Rodrigão no time titular. Em compensação, Thiago Maia volta de suspensão e retorna à equipe. Assim, Léo Cittadini retorna ao banco de reservas.

Na manhã desta sexta-feira, o Peixe ainda treina em Porto Alegre na manhã antes de retornar a Santos. Dos últimos cinco jogos, o Alvinegro só venceu um – contra o Atlético-MG –, e perdeu para América-MG, Coritiba, Figueirense e Internacional.

O resultado no Beira-Rio determinou o fim de um jejum de 14 jogos do Inter no Brasileirão. A equipe colorada chegou a 27 pontos e saiu da zona de rebaixamento. Já o Santos manteve o quinto lugar, com 36 pontos, mas ficou distante do G4. O Corinthians, quarto colocado, chegou aos 40 pontos.

Santistas detonam árbitro após derrota para o Inter: “Vergonha”

O Santos foi derrotado pelo Internacional por 2 a 1 no Beira-Rio e chegou à terceira derrota consecutiva no Campeonato Brasileiro. Mas após o jogo, o resultado ficou em segundo plano, pois o principal assunto foi a arbitragem de Rodrigo Batista Raposo, que expulsou o meia Lucas Lima ainda no primeiro tempo.

Os jogadores do alvinegro não pouparam o árbitro do duelo desta quinta-feira, em Porto Alegre. No lance que resultou na expulsão, o camisa 10 santista estava preparando uma jogada ensaiada com Vitor Bueno, mas o árbitro entendeu que Lucas Lima estava retardando o início do jogo e aplicou o segundo cartão amarelo. Antes, Raposo já havia amarelado o meia por achar que ele estava fazendo ‘cera’ e ainda ignorou um pisão do volante Anselmo, que também já tinha cartão, no próprio Vitor Bueno.

“A gente veio com intuito de vitória, vínhamos jogando bem. Não se faz o que fez aqui. Vimos que ele veio mal intencionado e isso não pode acontecer. Não pode fazer isso porque aqui tem trabalhadores”, disparou o zagueiro Gustavo Henrique.

O atacante Ricardo Oliveira, na saída do gramado, não quis comentar a atuação da arbitragem e pediu para os jornalistas entrevistarem o juiz. Rodrigão, por sua vez, mostrou indignação, mas já quer o time pensando no próximo duelo, contra o Corinthians, na Vila Belmiro. “Isso é uma vergonha para o Brasil. Eles fizeram papel de casa e agora temos que levantar a cabeça porque domingo temos clássico”.

Dorival assume culpa por derrota, mas critica árbitro: “Crime”

Antes mesmo de começar a entrevista coletiva após a derrota por 2 a 1 para o Internacional, o técnico Dorival Júnior avisou que não iria comentar sobre a arbitragem. Porém, não tinha como fugir do assunto. Apesar de tentar evitar, o comandante do Santos não se conteve e disparou contra o juiz Rodrigo Batista Raposo.

Aos 45 minutos do primeiro tempo, o árbitro expulsou o meia Lucas Lima por entender que o camisa 10 estava fazendo ‘cera’ em uma cobrança de escanteio, quando a partida ainda estava empatada em 1 a 1.

“Aquilo foi jogada ensaiada. Um crime esse tipo de atitude. Nunca vi isso no futebol. Foi uma pena porque ali desarticulou o trabalho e a possibilidade de um resultado. Pensar que estávamos retardando o jogo vendo uma equipe que estava procurando a vitória, precisando de um resultado. Foi uma decisão muito infeliz”, afirmou Dorival.

Apesar das reclamações contra a arbitragem o técnico do Peixe assumiu a culpa pelas falhas da equipe na derrota desta quinta-feira. “O erro é meu, não dos jogadores, fomos infelizes na bola parada. É difícil sustentar uma situação com um a menos”, completou o treinador.

Modesto sugere favorecimento ao Corinthians e vê arbitragem como “vagabunda”

A arbitragem da partida entre Internacional e Santos segue causando polêmica. Após a controversa expulsão do meia Lucas Lima ainda na primeira etapa, quando o placar marcava 1 a 1, o presidente do Peixe, Modesto Roma Júnior, fez duras críticas ao trio formado por Rodrigo Batista Raposo, Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo do Nascimento Júnior, classificando a arbitragem como “vagabunda”, “vergonhosa” e “mal-intencionada”, sugeriu um favorecimento para o rival Corinthians, pediu “a cabeça” de Sérgio Corrêa, presidente da Comissão de Arbitragem, e ainda falou sobre uma alteração no comando da CBF.

“Não adianta querer remediar um terremoto. Aí vem o senhor Walter Feldman dizendo ‘vamos pegar os melhores (árbitros) do Brasil, vamos ter trios fixos’. Um trio de vagabundos fixo o que teve ontem. Erro de arbitragem a gente perdoa, má-intenção a gente não pode perdoar. Ontem o árbitro estava mal-intencionado”, disse Modesto Roma, em entrevista à Espn.

“Estou reclamando porque ontem foi uma questão de má-intenção. Quando é questão de erro de arbitragem é uma coisa, entendemos que os árbitros são humanos. Quando é erro, agente até releva, mas ontem foi má-intenção. Os cartões que ele deu foram, o pênalti que ele não marcou, ele não se manifestar na briga do Luis Felipe com o atacante do Internacional, ele tolerar a ‘cera’ do Internacional no segundo tempo, isso tudo foi má-intenção. Um árbitro que foi lá com má-intenção”, completou.

O lance que causou maior revolta nos santistas foi a expulsão de Lucas Lima, nos minutos finais do primeiro tempo. Aos 19, o meia recebeu o primeiro cartão amarelo por retardar o reinício do jogo em uma cobrança de falta no campo de defesa. Depois, aos 45, o camisa 10 recebeu o segundo amarelo e, consequente o cartão vermelho, por ir em direção à cobrança de um escanteio, mas em seguida chamar o lateral Victor Ferraz para fazer o cruzamento. Além do jogador da Seleção Brasileira, Victor Ferraz e Ricardo Oliveira também receberam cartão amarelo e estão suspensos suspensos da próxima rodada, quando o Peixe encara o Corinthians. Modesto Roma sugeriu um favorecimento ao Timão e afirmou que o “Campeonato Brasileiro de 2016 está manchado”.

“Dos nove jogos que ele apitou de 2014 pra cá, teve uma vitória do visitante e um empate. Os outros sete foram vitórias dos mandantes na Série A. Ele é bom em expulsar para arrumar resultado, é sempre essa história. Dá todo o entendimento de que isso foi preparado, porque para bom entendedor meia palavra basta. Tirou três dos nossos melhores jogadores para domingo (contra o Corinthians). Isso foi claramente montado. Por quem? Não sei, não me compete dizer. Isso mancha o futebol brasileiro. Está manchado o Campeonato Brasileiro de 2016. O resultado beneficiou os quatro primeiros e o Internacional. Foi tendencioso e mal-intencionado”.

Bastante irritado, Modesto Roma seguiu suas reclamações motivadas pela arbitragem desta quinta-feira, mas que acabaram resultando no presidente da Comissão de Arbitragem, Sérgio Corrêa, à quem Modesto Roma pediu “a cabeça”, e no presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que tem mandato se encerrando em 2018. O mandatário sugeriu uma união dos clubes para compor uma das chapas nas eleições da entidade brasileira.

“Vai continuar assim. O passado deu essa estrutura vergonhosa. Todo mundo sabe da incompetência do atual presidente da Comissão de Arbitragem da CBF (Sergio Corrêa) e ninguém tira esse cara de lá. Ele já me processou no STJD e se quiser processar de novo, me processe, mas ele não tem condição de comandar a arbitragem brasileira. O que foi feito ontem, colocar árbitro pra ser experimentado no Campeonato Brasileiro? Isso é uma vergonha, ou então é pior ainda. Espero que seja só uma vergonha”.

“Você lembra do caso que aconteceu em um jogo Santos e Corinthians? O David Braz foi expulso e o árbitro mentiu na súmula. Na semana seguinte, o árbitro estava apitando de novo. O problema é mais sério porque a arrogância da arbitragem é provocada por esse cidadão que é o rei da arrogância. Ele é o maior dos arrogantes. Quando eu falei que queria o escalpo dele, ele me processou no STJD, mas eu continuo querendo. Eu continuo querendo sua cabeça, Sérgio (Corrêa) porque você não tem competência para administrar a arbitragem brasileira”.

“A questão é, temos que respeitar o mandato, que vai até 2018. Eu só não entendo porque o Marco Polo (Del Nero), que fez uma mudança importante em São Paulo colocando o Coronel Marinho, que deu um jeito na arbitragem paulista, não toma nenhuma providência quanto a esse incompetente do Sérgio Corrêa. A gente sabe que quem veio de Brasília é isso mesmo. Uma péssima escola. O que aconteceu ontem foi imoral. Mas vamos fazer o quê? Greve pra derrubar o Marco Polo? Não vamos fazer isso. Vamos nos mobilizar em 2018 para colocar um novo presidente e resolver esse problema do futebol brasileiro. Hoje eu peço pessoalmente ao Marco Polo que salve a gestão dele tirando esses despreparados do futebol brasileiro”.

“Os clubes para se unirem e lançarem uma chapa hoje, precisa do apoio de 18 Federações, que tem os benefícios do poder. Tem que pensar isso com muita clareza. As Federações recebem mesada da CBF então querem mudar o estatuto? Não, não querem. Se conseguirmos esse favor das Federações, ganhar é mais fácil, mas é preciso que as Federações tenham o controle externo da CBF. Temos que mudar várias coisas, mas tenho certeza que temos unidade para isso. Não estou tirando a responsabilidade dos presidentes dos clubes, que também tem uma certa incompetência e vagabundagem, para falar a palavra clara. Acabamos nos acovardando frente a essas coisas.

Presidente do Inter rebate Modesto e defende expulsão de Lucas Lima

Após as fortes declarações do presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, à Espn, sobre a arbitragem da partida entre Internacional e Santos, na última quinta-feira, o mandatário do Internacional, Vitorio Piffero, se manifestou, e contestou o comportamento do chefe do Peixe.

Na vitória do Colorado, por 2 a 1, o árbitro Rodrigo Batista Raposo, entre outros lances polêmicos, expulsou o meia Lucas Lima, deixando um dos principais nomes da equipe de Dorival Júnior fora do clássico contra o Corinthians, no próximo domingo. Para Piffero, porém, a exclusão do atleta foi correta.

“O Lucas Lima fez cera e tomou amarelo. Depois, repetiu o comportamento, então levou outro. O árbitro ia fazer o quê? O Lucas errou, e o Modesto vai perceber também”, afirmou Vitorio, também à Espn.

Sobre o fato de o presidente santista ter alegado má intenção do árbitro do jogo, o mandatário colorado também rebateu Roma, negando qualquer chance de atitude intencional de Raposo.

“A CBF coloca, mais ou menos, dez árbitros para o sorteio, é totalmente aleatório. Não tem como pensar na possibilidade de manipulação para prejudicar qualquer clube”, finalizou Piffero.

Com um a mais, o Inter conseguiu quebrar o jejum de 14 rodadas, vencendo de virada, por 2 a 1. De quebra, a equipe de Celso Roth saiu da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, ocupando agora a 15ª posição, com 27 pontos.

Estreia agrada Dorival e Walterson terá novas chances no Santos

Apesar da polêmica envolvendo a arbitragem na derrota do Santos para o Internacional, por 2 a 1, nesta quinta-feira, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro, o técnico Dorival Júnior ainda conseguiu ver alguns pontos positivos na equipe santista. Um deles foi a estreia de Walterson. O atacante fez sua primeira partida como profissional em Porto Alegre e deve ter mais chances nos próximos jogos.

“O Walterson é um garoto com velocidade. Faz parte da minha procura por um novo jogador com a perda do Gabriel. Tenho que buscar uma opção. Ele vem se destacando no sub-23 e vai ter algumas oportunidades”, afirmou o treinador, após a derrota para o Colorado.

Walterson começou a carreira no São Bernardo, jogou o Campeonato Mineiro de 2014 pelo Guarani-MG e retornou à equipe do interior paulista, antes de vir para o Santos B, em maio deste ano. O jogador de 21 anos chamou a atenção na Copa Paulista. Por conta disso, foi chamado por Dorival para participar dos treinos na última semana. Mesmo com o pouco tempo entre os profissionais, o jovem foi relacionado e já fez sua estreia diante do Colorado.

“É a realização de um sonho. Nós, que viemos de times menores, sempre queremos chegar em time e ir para um jogo. Agradeço ao professor Dorival (Júnior) e a comissão técnica por estar confiando em mim”, afirmou o atleta, que usou a camisa 45 em Porto Alegre.

O atacante está emprestado ao Peixe com contrato válido até dezembro. Mas após o crescimento no clube, a diretoria já pensa em negociar a permanência do jovem. Walterson tem vínculo com o São Bernardo até 2020.

Herói da vitória colorada, Aylon comemora fim de jejum: “Alívio”

O atacante Aylon pode se considerar o herói do Internacional na noite desta quinta-feira. No Beira-Rio, o jogador fez o gol da virada na vitória por 2 a 1 sobre o Santos e ainda evitou o tento de empate do Peixe, já nos minutos derradeiros da partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o apito final, o camisa 18 comemorou o término de um jejum que durava 14 jogos ou 84 dias sem triunfos na competição.

“Alívio pela vitória, pelos três pontos, havia uma sequência grande que a gente não conseguia vencer. Agora é pensar todo jogo como uma final, pensar que no domingo tem outro jogo importante fora de casa e temos que buscar mais vitórias”, considerou Aylon ao canal Sportv.

O atacante de 24 anos ainda contou com a sorte nesta noite. Quando o placar ainda apontava o empate por 1 a 1, Aylon se posicionou bem após rebote em cobrança de escanteio, a bola tomou grande altura, mas caiu no peito do atleta, que só teve o trabalho de ficar parado para anotar o gol da virada colorada.

Aylon, no entanto, fez questão de dividir os méritos da vitória. “Teve ajuda dos companheiros, todo mundo correu, batalhou, as coisas mudaram um pouco. A bola bateu e voltou no meu peito. Agora no final tive a felicidade de tocar na bola senão o Copete ia fazer o gol, e ela saiu por muito pouco”, acrescentou, ressaltando o público de mais de 34 mil torcedores presentes no Beira-Rio.

“Acho que as coisas agora voltam ao normal, a confiança volta, temos que agradecer a torcida que nos empurrou e foi fundamental”, concluiu.

Certo é que, com a vitória, o Internacional, enfim, deixa a zona de rebaixamento ao somar 27 pontos, colocando-se no 15º lugar, superando Sport e Figueirense nos critérios de desempate.

Árbitro do jogo do Santos é retirado de escala pela CBF

Depois das declarações do presidente do Santos, Modesto Roma Junior, que criticou o árbitro da partida entre Santos e Internacional, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) retirou o juiz Rodrigo Raposo da escala da rodada deste final de semana do Campeonato Brasileiro.

O árbitro iria participar da partida entre Ponte Preta e América-MG, neste domingo, às 18h30 (de Brasília), como quarto árbitro, no entanto, a CBF realizou uma mudança na escala, retirando Rodrigo Raposo e o substituindo por Christiano Gayo Nascimento.

A principal polêmica envolvendo o árbitro no jogo entre Santos e Internacional, vencido pelo Colorado por 2 a 1, foi a expulsão do meia Lucas Lima ainda no primeiro tempo da partida, quando o jogo se encontrava empatado em 1 a 1. O primeiro cartão amarelo recebido pelo meia santista foi por retardar a partida, enquanto o segundo foi apresentado após o jogador se dirigir para a batida de escanteio e depois chamar o lateral Victor Ferraz para fazer a cobrança.

Além da expulsão de Lucas Lima, Rodrigo Raposo foi criticado pelo presidente Modesto por apresentar o cartão amarelo ao atacante Ricardo Oliveira e ao lateral Victor Ferraz, que estão suspensos para o próximo jogo da equipe, contra o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro.

Internacional 1 x 0 Santos

Data: 28/06/2015, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 9ª rodada
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 26.143 pessoas (22.495 pagantes)
Renda: R$ 618.895,00
Árbitro: Dewson Freitas Silva (PA)
Auxiliares: Rodrigo Corrêa (RJ) e Celso Luiz da Silva (MG).
Cartões amarelos: Jorge Henrique, William e Lisandro López (I); Neto Berola (S).
Cartão vermelho: David Braz (S)
Gol: Valdívia (31-2).

INTERNACIONAL
Alisson (Muriel); William, Ernando, Alan Costa e Alan Ruschel (Valdívia); Rodrigo Dourado, Anderson, Jorge Henrique e D’Alessandro; Nilmar (Rafael Moura) e Lisandro López.
Técnico: Diego Aguirre

SANTOS
Vladimir; Daniel Guedes (Caju), Werley, David Braz e Victor Ferraz; Lucas Otávio, Thiago Maia e Lucas Lima; Geuvânio (Marquinhos Gabriel), Ricardo Oliveira e Gabriel (Neto Berola).
Técnico: Marcelo Fernandes



Valdívia sai do banco e define vitória do Inter sobre o Santos no Beira-Rio

Depois de passar algumas rodadas fora da equipe do Internacional por lesão, o garoto Valdívia voltou a ver sua estrela brilhar. Neste domingo, ele saiu do banco e marcou o gol de uma difícil vitória colorada sobre o Santos, no Beira-Rio, por 1 a 0. Aos 31 minutos da etapa final, ao tentar efetuar um cruzamento para a área em falta lateral, ele bateu fechado demais e encobriu o goleiro Vladimir, marcando um golaço.

O jogo foi bastante aberto no Beira-Rio, com boas chances para os dois lados no primeiro tempo. Na etapa final, o Inter conseguiu se impor e chegou ao gol. A expulsão do zagueiro David Braz logo após o gol, por reclamação, facilitou a administração do resultado por parte da equipe gaúcha.

O jogo

O Beira-Rio viu um primeiro tempo agradável e aberto, com apenas seis faltas ao todo e muito tempo de bola rolando. O Santos começou melhor, chegando com perigo em um chute de Geuvânio e numa cabeça de Gabriel, esta defendida por Alisson. Aos 13 minutos, o goleiro colorado sentiu lesão e teve de sair do jogo. Muriel, seu irmão e reserva, entrou e já teve trabalho aos 16, pegando falta batida por Geuvânio em dois tempos.

Depois de um começo morno, o Inter saiu de trás e ensaiou uma pressão. Primeiro, D’Alessandro fez boa jogada individual e chutou por cima, com perigo. Aos 20, o argentino lançou Nilmar, que dominou na área e bateu cruzado para defesa de Vladimir. A melhor chance viria aos 22, em cabeçada de Ernando no travessão após escanteio curto levantado na área por Anderson.

O jogo caiu um pouco de ritmo a partir dos 25, mas ainda assim algumas oportunidades foram criadas. Ricardo Oliveira e Victor Ferraz obrigaram Muriel a boas defesas em chutes de fora da área. Aos 32, D’Alessandro lançou Nilmar na cara do gol, mas Vladimir abafou a conclusão e salvou o Peixe. O time paulista ainda teve boa chegada aos 44, com chute de primeira de Gabriel por cima, aproveitando sobra dentro da área.

O Santos voltou novamente mais aceso no segundo tempo. Aos três minutos, Geuvânio arriscou de longe e Muriel pegou em dois tempos com dificuldade. Aos 11, Lucas Lima cruzou da direita para Ricardo Oliveira, mas Ernando salvou de carrinho. O Inter respondeu em cabeçada de Valdívia, que entrara no começo da etapa complementar, por cima.

O Inter passou a pressionar mais a partir dos 20 minutos. Primeiro, Nilmar tabelou com D’Alessandro e cruzou para um lindo sem pulo de Lisandro López por cima. Aos 25, Jorge Henrique cruzou, Nilmar escorou e D’Alessandro pegou de primeira, para fora. Aos 31, o gol: em falta ao lado da área, Valdívia levantou fechado demais e acabou encobrindo o goleiro santista. Após o lance, o zagueiro David Braz foi expulso por reclamação.

Valdívia ainda quase marcou outro aos 35, quando um chute seu da entrada da área se desviou na zaga e por pouco não entrou. A melhor chance do Peixe para empatar veio aos 45: Lucas Lima bateu na entrada da área, a bola desviou na defesa do Inter e quase enganou Muriel.

Fernandes lamenta “gol achado” e se diz cansado de não vencer jogando bem

Marcelo Fernandes julgou a derrota por 1 a 0 para o Internacional incompatível com o que produziu o Santos em Porto Alegre. Ele lamentou muito o lance que decidiu a partida – Valdívia admitiu ter tentado cruzar a bola que entrou – e a “sortezinha” que tem faltado à sua equipe.

“Não vou abrir mão de o Santos jogar o que está jogando porque vai pegar A ou B fora de casa. Infelizmente, mais um detalhe nos prejudicou hoje. Com todo o respeito, o Inter achou um gol, o gol foi achado. É um resultado até mais decepcionante do que outros que a gente teve”, afirmou o técnico.

“Cansa. A gente jogou bem, teve tantas finalizações e não ganhou. Os caras tão chateados. A gente sai muito chateado porque tinha totais condições de conseguir outro resultado. Vem faltando o detalhe, faltando a sortezinha, o arremate final. São situações de jogo, que acontecem no Beira-Rio e em qualquer outro lugar”, acrescentou.

A derrota no Rio Grande do Sul ampliou o jejum do Santos como visitante – a última vitória aconteceu no distante dia 14 de março, contra o Marília, no Campeonato Paulista. Chateado, Fernandes fez uma defesa não tão empolgada de Vladimir, encoberto por Valdívia no gol colorado.

“Não, eu não cogito nada”, disse o treinador, questionado sobre a possibilidade de sacar o goleiro. “Só não posso tomar gol em bobeiras nossas, como foi com Lucas Lima outra vez, com David Braz em outra. Mas o grupo é fechado. O Vladimir já salvou o Santos em várias partidas. Não tem essa, não tem caça às bruxas.”

David Braz reclama de cartão vermelho e diz que juiz “quis aparecer”

Expulso por reclamação pelo árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva, David Braz deixou revoltado o gramado do Beira-Rio na derrota por 1 a 0 do Santos para o Internacional. Mesmo bem mais calmo no vestiário, o zagueiro insistiu veementemente que não mereceu o cartão vermelho em Porto Alegre.

“Ele quis aparecer, na verdade”, resumiu. “Não pode ser assim, cara. Não dá nem para trocar ideia. É futebol. Futebol é comunicação também. Eles podem errar, como nós, faz parte. Eu procurei ter equilíbrio ali, tive muita tranquilidade para falar com ele. Na minha opinião, quis aparecer.”

David Braz tinha recebido um cartão amarelo no primeiro tempo ao perder disputa com Lisandro López e agarrar o argentino. Após o gol de falta de Valdívia, aos 34 minutos da etapa final, o beque se aproximou do árbitro, falou com ele por alguns instantes e acabou levando mais um cartão.

“Foi uma bola à queima-roupa, não tinha como o Lucas Otávio tirar o braço”, disse o zagueiro, referindo-se ao lance que originou o tento colorado. “Saiu o gol, eu comentei dessa regra para ele. Falei que vi a regra nessa semana. Ele não lembrava que eu tinha amarelo. Se lembrasse, não daria outro cartão.”

Há uma determinação da comissão de arbitragem responsável pelo Campeonato Brasileiro para não admitir reclamações. A orientação é que se puna com rigor as queixas feitas pelos jogadores dentro de campo, especialmente quando há gesticulação com os braços.

“Foi isso mesmo. Ele falou que fui acintoso. Em nenhum momento falei palavrão, não teve nenhuma situação para ele me dar cartão. Falei tranquilo, mas ele quis aparecer”, acrescentou Braz, lembrando que Robinho já havia sido vítima de Dewson no ano passado, quando ainda nem havia essa determinação aos juízes.

“Ele já teve essa falha. No Botafogo e Santos da Copa do Brasil, expulsou o Robinho. Todo o mundo criticou porque foi muito rigoroso. Expulsou o Robinho em um lance em que ele nem reclamou”, comentou. “Todos os jogadores estão sendo perseguidos. Não dá para falar com o juiz. Nada”, concluiu.

Acha que é Dewson?
Victor Ferraz se mostrou tão irritado quanto David Braz na saída do gramado do Beira-Rio. Ao ser questionado sobre a derrota do Internacional, começou a disparar contra Dewson Fernando Freitas da Silva, assegurando que as palavras foram ditas pelo zagueiro em tom respeitoso.

“A bola pegou na mão do Lucas Otávio. Depois, ele expulsou o David Braz. Estava ali, sou testemunha. O David Braz não falou um palavrão para o juiz. Isso não existe. Qualquer coisa que diz, o cara é expulso. Expulsou por quê? Agora, é Deus”, esbravejou o lateral.

Internacional 0 x 0 Santos

Data: 15/07/2012, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 9ª rodada
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 14.044 pessoas (11.791 pagantes)
Renda: R$ 238.220,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ).
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Rodrigo Henrique Corrêa (RJ).
Cartões amarelos: Guiñazu, Fabrício, Nei, Dagoberto (I); Gérson Magrão, João Pedro, Aranha (S).
Cartão vermelho: Juan (S).

INTERNACIONAL
Muriel; Nei, Bolívar, Índio e Fabrício; Elton (João Paulo), Guiñazu, Mike (Otavinho) e Lucas Lima; Jajá (Maurides) e Dagoberto.
Técnico: Dorival Júnior

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Juan; Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; Dimba (Gérson Magrão) e Miralles (João Pedro).
Técnico: Muricy Ramalho



Com um a menos, Santos empata sem gols com o Inter no Beira-Rio

Time gaúcho não consegue aproveitar vantagem numérica durante praticamente todo o segundo tempo

Desfalcados de seus principais jogadores, que estão servindo a seleção brasileira olímpica, Internacional e Santos se enfrentaram neste domingo no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro. Com um a menos durante praticamente todo o segundo tempo por causa da expulsão do lateral-esquerdo Juan, o time paulista criou chances, mas também deu espaço para os donos da casa desperdiçarem algumas oportunidades. No fim, o placar não se alterou, e a partida terminou empatada em 0 a 0.

O resultado não foi bom para nenhum dos dois times, que não conseguiram subir na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. Os Internacional chegou a 16 pontos, enquanto o Santos vai a nove pontos ganhos na competição.

Na próxima rodada, o time paulista retorna à Vila Belmiro para receber o Botafogo. O jogo será na quarta-feira, às 19h30 (horário de Brasília). No mesmo dia, mas às 21h50, o Internacional visita o líder Atlético-MG no Estádio Independência.

O jogo

Muito desfalcados, os times começaram a partida se estudando bastante. A primeira oportunidade de gol do jogo surgiu aos oito minutos, em um erro de passe do Santos no setor no ofensivo, que abriu espaço para o contra-ataque dos gaúchos. Mike recebeu boa assistência e, cara a cara com Aranha, chutou para boa defesa do goleiro santista, que fechou o ângulo do adversário e abafou o arremate.

Durante a maior parte do primeiro tempo, o Inter buscou mais o ataque, só que pouco incomodava o gol defendido por Aranha. A equipe local ainda reclamou de um lance polêmico, no qual Durval se atrapalhou ao rebater uma falta cobrada por Dagoberto. Os donos da casa pediram pênalti, alegando toque no braço do zagueiro santista, mas a arbitragem ignorou as reclamações da equipe gaúcha.

Nos minutos finais da etapa inicial, o Santos se aventurou no ataque e criou duas boas chances. Na primeira, aos 41, o estreante Miralles foi acionado por Arouca, dentro da grande área, porém errou o passe para Dimba fazer o gol. Dois minutos depois, Felipe Anderson cobrou falta, Bruno Rodrigo desviou e a bola passou rente a trave esquerda de Muriel. No entanto, como o argentino Miralles estava adiantado e atrapalhou o goleiro colorado, a jogada foi anulada por impedimento.

Na volta para o segundo tempo, Dorival Júnior sacou Jajá para a entrada do jovem Maurides, visando dar uma maior movimentação ao seu setor ofensivo, atuando dentro de casa.

Entretanto, a principal mudança para a etapa complementar foi a expulsão do lateral santista Juan, aos dois minutos, por falta em Lucas Lima. Após muita pressão dos atletas do Internacional, o árbitro expulsou Juan, que havia recebido cartão amarelo no primeiro tempo. Para recompor o setor, o técnico Muricy Ramalho sacou o atacante Dimba para a entrada do ala Gérson Magrão.

Mesmo com um homem a menos em campo, o Santos esteve perto de balançar as redes adversárias. Aos seis, Miralles quase aproveitou cruzamento vindo da esquerda e marcou o gol. Mais tarde, aos 20, o time paulista teve a melhor oportunidade de gol do duelo, quando Henrique tocou para Miralles e o argentino tocou na saída de Muriel, só que Bolívar chegou antes de a bola ultrapassar a linha do gol.

O Santos sentiu o melhor momento no jogo e passou a se arriscar ainda mais no campo de ataque. Aos 23, Felipe Anderson cobrou escanteio, Henrique cabeceou forte e Muriel precisou defender em dois tempos para evitar o gol dos visitantes.

O Colorado respondeu e, aos 31, João Pedro cruzou para Ovatinho, que havia acabado de entrar, no lugar de Mike e completou bem a jogada, só que o chute saiu ao lado esquerdo da metade defendida por Aranha. No minuto seguinte, Guiñazu exigiu grande defesa do camisa 1 do Peixe.

No final da partida, o Inter pressionou os santistas, que conseguiram resistir bem ao sufoco imposto pelos gaúchos, segurando o empate até o apito final do árbitro.

Mesmo com um jogador a menos, santistas lamentam empate contra o Inter

Mesmo com um homem a menos durante praticamente todo o segundo tempo, devido a expulsão do lateral-esquerdo Juan, o Santos criou boas chances, mas empatou em 0 a 0 com o Internacional-RS.

Mesmo com um homem a menos durante praticamente todo o segundo tempo, devido a expulsão do lateral-esquerdo Juan, o Santos criou boas chances, mas empatou em 0 a 0 com o Internacional. Para os jogadores do time da Vila Belmiro, o resultado deste domingo, no Beira-Rio, poderia ter sido melhor.

“Jogando com um homem a menos e sofrendo pressão, ainda assim poderíamos sair vencedores, pois tivemos boas oportunidades para marcar”, analisou o volante Henrique, na saída de campo.

O meia Felipe Anderson também deu a sua opinião sobre o empate fora de casa. O jovem atleta não crê que os santistas devam comemorar o ponto conquistado, mas elogiou a atuação do time diante do Colorado.

“Não vamos festejar o empate, pois a gente queria vencer. Só que jogar com o Inter aqui é difícil, ainda mais com um jogador a menos. Quando nós perdemos o Juan ficou complicado, mas dava para a gente ter matado a partida”, comentou.

Felipe Anderson destacou que o Santos não se acomodou com a possibilidade de apenas se defender. Explorando os contra-ataques, o time visitante ameaçou o clube gaúcho.

“Criamos duas boas jogadas, só que não fizemos os gols. Mas é coisa de futebol. E como eles também pressionaram e a gente estava com um a menos, pelas circunstâncias do jogo, foi um bom resultado”, encerrou.

Após empate com Inter, Muricy confirma renovação até o fim de 2013

Para o técnico, as condições de trabalho oferecidas pelo time alvinegro e o bom relacionamento que mantém com a direção foram decisivos

Após o empate com o Internacional por 0 a 0 neste domingo, no Beira-Rio, o técnico Muricy Ramalho confirmou a sua permanência no Santos. O treinador, cujo vínculo atual se encerra no final deste ano, acertará a renovação do contrato com o clube até o final de 2013.

Segundo Muricy, todos os detalhes do acordo foram ajustados e falta somente a assinatura do novo vínculo com o Santos. “Já está renovado praticamente. Está tudo acertado, falta apenas colocar no papel”, afirmou o treinador na saída do gramado.

Para o técnico, as condições de trabalho oferecidas pelo Santos e o bom relacionamento que mantém com a direção foram decisivos para que ele decidisse prorrogar por mais um ano o vínculo com o clube.

“Sei do momento do Santos e, por conta disso, não pedi nada de exagerado”, disse Muricy. “No Santos, nós temos um ambiente excelente, uma estrutura muito boa e eu acredito na diretoria. Não quero sair tão cedo de lá”, completou.

Desde abril do ano passado na Vila Belmiro, o treinador conquistou três títulos desde que chegou ao Peixe. Muricy foi duas vezes campeão paulista (2011 e 2012), além de ter faturado a Copa Libertadores no último ano.

Internacional 1 x 1 Santos

Data: 04/04/2012, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 1 – 5ª rodada
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 35.530 torcedores
Renda: R$ 1.025.415,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Auxiliares: Roberto Braatz e Fabrício da Silva.
Cartão amarelo: Sandro Silva, Nei, Élton, Rodrigo Moledo (I); Durval, Neymar (S).
Cartão vermelho: Rodrigo Moledo (I)
Gols: Nei (08-1); Alan Kardec (20-2).

INTERNACIONAL
Muriel; Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Kléber; Sandro Silva, Élton, Tinga (Gilberto), Dátolo (Bolívar) e Dagoberto (Jajá); Leandro Damião.
Técnico: Dorival Júnior.

SANTOS
Rafael; Fucile (Alan Kardec), Edu Dracena, Durval e Juan; Arouca, Henrique, Ibson e Ganso; Neymar e Borges (Elano).
Técnico: Muricy Ramalho.



Santos busca empate e frustra festa de aniversário do Inter

No dia em que completou 103 anos, clube gaúcho segurou Neymar mas levou gol de Alan Kardec

No dia em que o clube completou 103 anos, a torcida do Internacional ganhou meio presente. Quem foi ao Beira-Rio viu um jogão entre Inter e Santos, pela 5ª rodada da fase de grupo da Libertadores. Porém, o resultado não foi o esperado pelos gaúchos: 1 a 1.

Até o craque Neymar foi convidado. A defesa gaúcha se redimiu e conseguiu segurar o atacante do Santos, depois de ele fazer três gols no jogo da Vila Belmiro. Nei, lateral-direito do Inter, até tentou dar um presentão fazendo um belo gol de falta logo aos 8 minutos de jogo. A festa parecia pronta, mas Alan Kardec apareceu de penetra. O atacante havia acabado de entrar e marcou o gol do Santos aos 20 minutos do segundo tempo.

O resultado não classificou nenhum dos dois. O Santos segue líder do grupo 1, com 10 pontos. O Inter é 2º colocado com 8. O The Strongest, que visita o Juan Aurich na quinta-feira, pode pular também para 10.

O jogo foi do nível que se esperava para um encontro dos dois últimos campeões da Libertadores: muito bom. O Inter se atirou para o ataque logo no início. O Santos não deixou por menos e respondeu nos contra-ataques. O gol de Nei acabou saindo em uma cobrança de falta, mas com a bola rolando os times também deram espetáculo.

O Inter fez uma blitz em Neymar. O craque do Santos produziu bem menos em relação ao jogo da Vila Belmiro, quando marcou três gols. Caiu pelo lado do campo, veio para o meio. Sempre tinha alguém do Inter pronto para roubar a bola. Porém, a defesa gaúcho não contava com Alan Kardec. Dois minutos depois de entrar em campo, o atacante empatou o jogo no segundo tempo.

Domingo, o Inter vai visitar o São Luiz, pela última rodada da fase de grupos do Gauchão. No mesmo dia, o Santos entrará em campo pelo Paulistão. Vai jogar fora de casa contra o São Caetano. Na última rodada da Libertadores, o Santos jogará contra o Strongest na Vila Belmiro, enquanto o Inter terá de encarar o Juan Aurich, no Peru.

O jogo

O Inter começou com uma disposição incrível. Se atirou para cima do Santos. Escanteios, cruzamentos. Logo deu resultado. Dagoberto sofreu falta perto da área. Nei cobrou com perfeição, na gaveta. Inter 1 a 0 aos oito minutos de jogo.

Resposta do Santos aos 13, Neymar colocou a bola na frente e apareceu na cara do gol. Muriel pegou firme. Aos 16, foi Kleber quem arriscou o chute assustando o goleiro Rafael.

Chance claríssima para o Santos aos 27 minutos. O cruzamento de Neymar deixou Ibson de frente para o gol. Muriel espalmou. Aos 41, Neymar arriscou um chute de fora da área. Nova defesa do camisa 1 colorado.

O Santos tentou acionar Neymar ainda mais vezes no início do segundo tempo. A marcação do inter foi perfeita, sempre com alguém pronto para tirar a bola do atacante. A primeira boa chance apareceu aos 15 minutos e foi do Inter. Chute de Dagoberto, passando perto do gol. Aos 17, Neymar conseguiu se livrar da marcação, driblou Moledo e chutou no cantinho. Outra bela intervenção de Muriel.

Se não dava com Neymar, o técnico Muricy Ramalho tirou um coelho da cartola. Colocou Alan Kardec em campo. Dois minutos depois, ele subiu no meio da área e cabeceou para fazer 1 a 1.

Dorival Júnior quase respondeu da mesma forma. Colocou Jajá em campo. Segundos depois, a bomba do meia-atacante explodiu nas luvas de Rafael. Mas Neymar conseguiu se soltar. Aos 28, o chute do craque tocou em Muriel e parou no travessão.

O Inter ensaiou uma pressão final. O Santos, comandado por Neymar, seguiu assustando. O atacante ainda conseguiu a expulsão do zagueiro Rodrigo Moledo nos minutos finais. Jogão de bola. 1 a 1 no Beira-Rio.

Bastidores – Santos TV:

Muricy exalta atuação “a la Barça” e comemora ponto conquistado

Treinador aprovou a posse de bola do Santos, que teve maior domínio em relação ao Inter

O técnico Muricy Ramalho lembrou da derrota do Santos para o Barcelona no Mundial de Clubes de 2011 para exaltar a atuação santista contra o Internacional nesta quarta-feira em Porto Alegre. O empate por 1 a 1 no Beira-Rio praticamente garantiu o Santos na próxima fase da Libertadores. O resultado foi conquistado depois de um grande jogo em que os visitantes tiveram mais de 60% da posse de bola, principalmente característica do time espanhol, campeão do mundo.

“No fim do ano aprendemos muito e estamos a cada jogo ficando mais com bola. Vimos que eles não entregam a bola de mão beijada então temos que continuar com a bola no pé. Jogar aqui (no Beira-Rio) não é fácil”, disse Muricy após a partida.

A classificação do Santos para a próxima fase da Libertadores passa exclusivamente por uma vitória santista contra o The Strongest, dia 19 de abril, na Vila Belmiro. Até um empate pode ser satisfatório. O Santos tem 10 pontos. O Inter, oito e o time boliviano, sete. Nesta quinta o Strongest visita o Juan Aurich no Peru.

Muricy comemorou que depois de cinco rodadas na Libertadores o Santos depende apenas dele para se classificar. E ainda teve uma vitória especial contra o Inter nos dois duelos pela fase de grupos. “Fizemos quatro dos seis pontos que disputamos com o Inter e isso é fantástico”, comentou o treinador.