Navegando Posts marcados como Benedito Teixeira

Santos 5 x 0 Fluminense

Data: 30/10/2004, sábado
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 39ª rodada
Local: Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP)
Público: 21.760
Renda: R$ 297.906,00
Árbitro: Clever Assunção Gonçalves (MG)
Auxiliares: Marco Antônio Gomes e Márcio Eustáquio Santiago (ambos de MG).
Gols: Robinho (07-1), Laerte (19-1, contra); Deivid (02-1), Robinho (10-2) e Deivid (36-2).

SANTOS:
Mauro, Paulo César, Leonardo, André Luís e, Léo; Fabínho, Ricardo Bóvio (Zé Elias), Ricardinho (Marcinho) e Elano; Robinho (Basílio) e Deivid.
Téc. Vanderlei Luxemburgo.

FLUMINENSE:
Fernando Henrique, Leonardo Moura, Antônio Carlos, Laerte e Júnior César (Mineiro); Marciel, Diego, Esquerdinha (Marcão) e Roger; Alessandro e Rodrigo Tiuí.
Téc. Alexandre Gama.



Com grande atuação de Robinho, Santos goleia o Fluminense e mantém a liderança

O Santos goleou o Fluminense por 5 a 0, neste sábado, no estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP), e manteve a liderança do Campeonato Brasileiro, com 72 pontos ganhos, em partida que teve como destaque o atacante Robinho, que marcou dois gols e fez ótimas jogadas.

A partida aconteceu no interior de São Paulo porque o time da Baixada perdeu o mando de dois jogos por causa da punição sofrida pela equipe após um torcedor ter atirado um copo d’água no treinador Hélio dos Anjos, então no Vitória, em partida realizada no dia 26 de setembro, em Santos.

Antes do jogo deste sábado, os jogadores das duas equipes se reuniram no centro do campo e rezaram abraçados em homenagem ao jogador Serginho, do São Caetano, que morreu na última quarta-feira, após parada cardíaca, durante a partida do time do Grande ABC contra o São Paulo.

A partida contra o Fluminense, pela 39ª rodada do Nacional, marcou também o jogo de número 200 do meia Elano com a camisa do Santos.

O primeiro gol da partida aconteceu logo aos 8min. Após falha da zaga carioca, Robinho partiu em velocidade e bateu com força, sem chances para o goleiro Fernando Henrique.

Aos 20min, após boa jogada de Robinho, que passou pelo lateral-direito Leonardo Moura, o zagueiro Laerte fez gol contra e a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo, amplamente superior, aumentou.

Após os 30min, os cariocas melhoraram. Aos 35min, Roger cruzou e Alessandro cabeceou com perfeição, mas o auxiliar marcou impedimento do atacante, que estava em posição duvidosa, anulando o gol do Fluminense.

No segundo tempo, a partida continuou aberta e o Santos aproveitou. Aos 3min, Zé Elias, que entrou no lugar de Bóvio, tocou para Deivid, na grande área, que tocou na saída do goleiro Fernando Henrique e marcou o terceiro gol santista.

Desanimado, o Fluminense permitiu o quarto gol santista logo depois. Aos 11min, Zé Elias fez boa jogada pela lateral e cruzou para Deivid. O atacante foi travado, mas, na sobra, Robinho chutou forte para marcar seu segundo na partida e o 21º no Brasileiro.

Aos 37min, o Santos fez mais um. Basílio cruzou com perfeição e Deivid concluiu com força para marcar o quinto gol da equipe paulista, sem chance para Fernando Henrique.


América-SP 1 x 3 Santos

Data: 09/02/1997, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, SP.
Público: 10.310
Renda: R$ 113.985,00
Árbitro: José Mocelin
Gols: Alessandro (12-1), Alexandre (23-1); Robert (14-2) e Marcelo Sergipano (42-2).

SANTOS
Zetti; Anderson Lima, Sandro, Ronaldão (Narciso) e Rogério Seves; Marcos Assunção, Vágner, Alexandre (Piá) e Robert (Caíco); Macedo e Alessandro.
Técnico: Wanderlei Luxemburgo

AMÉRICA-SP
Neneca; Juninho, Flávio Santos, Herbert e Soares; João Lima (Flávio), Hugo e Pestana (Everson) e Sinha (Vanderlei); Marcelo Sergipano e Reides.
Técnico: Carlos Alberto Zanata



Santos vence e mantém fase ascendente

Equipe bate o América, em São José do Rio Preto, por 3 a 1; o atacante Alessandro foi o destaque do jogo

Três dias depois de vencer o Torneio Rio-São Paulo, o Santos mostrou por que é um dos favoritos ao título de campeão do Paulista, ao vencer o América por 3 a 1 ontem em São José do Rio Preto (451 km a noroeste de São Paulo).

Aos 30 segundos do primeiro tempo, o Santos deixou claro que iria impor velocidade ao jogo. Numa jogada pelo meio, o ponta-direita Alessandro invadiu a área sozinho e bateu para o gol. Neneca jogou para escanteio.

Alessandro comandou as melhores jogadas do Santos, pela esquerda, pela direita e pelo centro, no primeiro e no segundo tempo. Dos seus pés saíram o primeiro gol, aos 11 minutos, e os dois passes para o segundo e o terceiro gols do Santos. Numa jogada individual, o atacante driblou dois zagueiros e abriu o placar.

O segundo gol veio aos 24 minutos. O zagueiro Flávio Santos tentou sair jogando e entregou a bola de graça para Alessandro. O ponta do Santos tocou para Alexandre, que chutou forte no lado direita de Neneca.

O América não mostrou resistência. Parecia um time cansado, com erros de passe e dificuldades para penetrar na área adversária.

O time do interior paulista voltou melhor no segundo tempo, dominou os dez primeiros minutos mas voltou a se entregar, depois que o Santos fez o terceiro gol. Alessandro driblou dois zagueiros, teve chance de bater mas preferiu rolar a bola para Robert, que chutou no ângulo direito de Neneca, sem chance de defesa.

O placar só não foi maior por desperdício. Piá, que entrou no lugar de Alexandre no segundo tempo, perdeu um gol cara a cara no final da partida. Aos 21 minutos do segundo tempo, Alessandro cabeceou sozinho de frente para Neneca e errou o alvo.

Aos 42 minutos do segundo tempo, o América marcou seu único gol, nos pés de Marcelo Sergipano. O atacante driblou dois zagueiros na pequena área e chutou forte.

Destaque: Alessandro

O ponta-direita Alessandro, que vive no Santos sua melhor fase profissional, disse que a vitória de ontem foi a comemoração do título do Torneio Rio-São Paulo.

No jogo de ontem, ele fez o primeiro gol e foi autor dos passes que resultaram nos dois outros gols do time de Vila Belmiro. Alessandro atribui a si próprio e ao técnico Wanderley Luxemburgo sua boa fase e disse esperar ser lembrado para a Seleção Brasileira. “O jogo de hoje foi a comemoração do título. Nós quisemos dar sequência. Tínhamos que provar que nosso time é campeão mesmo. No segundo tempo, o time deu uma caída, mas foi por causa do calor”, disse.

Depois da vitória de ontem, Alessandro passou a considerar o Santos o grande favorito para conquistar o Paulista-97. “O Santos é um time grande. Vamos brigar pela classificação primeiro e depois pelo título.”

América-SP 1 x 0 Santos

Data: 09/03/1996, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1º turno – 10ª rodada
Local: Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, SP.
Público: 6.500 pagantes
Renda: R$ 55.725,00
Árbitro: José Mocellin
Gol: Adriano (33-2).

AMÉRICA-SP
Neneca; Carlão, Leonardo, Douglas e Vanderlei Jacomin; Serginho Carioca, Negão, Agnaldo (Cacaio) e Adriano; Serginho Fraldinha (Berg) e James (João Lima).
Técnico: Júlio César Leal

SANTOS
Edinho; Cláudio, Sandro, Narciso e Marcos Paulo; Gallo, Baiano (Batista), Giovanni e Robert; Clóvis (Marcelo Passos) e Vágner (Macedo).
Técnico: Candinho



América daz 1 a 0 e leva Santos à quarta derrota no Paulista

O América derrotou o Santos por 1 a 0, ontem, em São José do Rio Preto (450 km de São Paulo) e chegou a 11 pontos no Paulista.

O gol da vitória do América foi marcado por Adriano, que cobrou bem uma falta próxima à área, aos 34min do segundo tempo.

O jogo começou equilibrado, com as duas equipes desperdiçando boas chances de gol.

A primeira oportunidade foi perdida por Clóvis, que chutou para fora, estando frente a frente com o goleiro Neneca, do América.

Aos 11min, Adriano recebeu pelo meio e chutou a bola no travessão do gol de Edinho.

Com um primeiro tempo muito lento, a resposta do Santos só foi dada aos 31min. Após um cruzamento da esquerda, Giovanni cabeceou na trave, com o gol aberto.

O América voltou melhor para o segundo tempo e passou a dominar a partida, envolvendo com facilidade a equipe santista, que parecia desorientada em campo.

As instruções transmitidas pelo técnico Candinho não traziam efeito para sua equipe e a substituição de Clóvis por Marcelo Passos também não deu resultado.

Após o gol de Adriano, aos 34min, a equipe santista não conseguiu reagir.



Santos quer equilíbrio psicológico ( Em 09/03/1996 )

O Santos acredita que um bom desempenho hoje, às 16h, contra o América, em São José do Rio Preto, será fundamental para o equilíbrio psicológico da equipe.

A goleada contra o Rio Branco (4 a 2, anteontem, na Vila Belmiro) parece ter dado “coragem” aos jogadores, que passavam por uma crise causada pela sucessão de maus resultados.

“Uma vitória hoje, fora de casa, coloca o Santos novamente nos eixos”, disse o lateral-direito Cláudio.

Hoje, o Santos não terá Jamelli e Marcos Adriano. O atacante recebeu o terceiro cartão amarelo e o lateral-esquerdo, contundido, ficará 15 dias parado.

Na lateral esquerda, o treinador confirmou a entrada de Marcos Paulo. No ataque, Candinho deve escalar o meia defensivo Batista.

O meia Vágner, que por contusão não enfrentou o Rio Branco, deve retornar no jogo de hoje.

Os jogadores acreditam que, no segundo turno do Paulista, o Santos voltará a mostrar o futebol apresentado no Brasileiro.

Para o meia defensivo Gallo, o problema da equipe é não conseguir repetir a escalação por dois jogos consecutivos.

O América tenta superar suas falhas defensivas. A equipe tem a pior defesa da competição, com 20 gols em nove partidas (média de 2,2 gols sofridos por jogo).

O lateral-esquerdo Wanderley, que não atuou contra o Botafogo por causa de dores musculares, volta ao time, no lugar de Itamar.

Robert acha que seu gol espantou a crise

O meia Robert, autor do gol mais bonito contra o Rio Branco, afirmou que o resultado de anteontem “serviu para espantar a bruxa que ronda a Vila Belmiro”.

Robert negou que a má fase do time tenha alguma relação com o técnico Candinho. Ele descartou a existência de desavenças dentro do elenco e afirmou que o grupo não tem reclamação contra a diretoria.

Pelé, que ontem esteve na Vila Belmiro, também elogiou o gol de Robert, mas disse estar preocupado. “Não podemos tapar o sol com a peneira. A vitória foi importante, mas o time não jogou bem. O gol de Robert salvou o espetáculo. Há muito não se via um gol como este”, disse.

Pelé também elogiou o técnico Zagallo, que levou o Brasil à conquista do Pré-Olímpico.



Fonte: Estadão