Navegando Posts marcados como Bezerrão

Gama 0 x 0 Santos

Data: 20/07/2016, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Terceira Fase – Jogo de ida
Local: Estádio Bezerrão, no Gama, DF.
Público: 12.066 pagantes
Árbitro: Adriano Milczvski (PR)
Auxiliares: Ivan Carlo Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (PR).
Cartões amarelos: Gustavo Henrique e Paulinho (S).

GAMA
Maringá; Dudu Gago, Pedrão, Murilo e Felipe Assis; Eduardo, David, Michel, Jeferson Paulista (Italo) e Marcos Bahia (Marlon); Rodrigo Pítio (Raone).
Técnico: Reinaldo Gueldini

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Yuri, Leo Cittadini (Vecchio), Vitor Bueno (Paulinho) e Lucas Lima; Copete e Rodrigão (Joel).
Técnico: Dorival Júnior



Santos joga sem inspiração e não sai do 0 a 0 com o Gama

Ninguém vai poder alegar que o Santos não tentou todas as alternativas que tinha disponíveis para sair com a vitória diante do Gama, no Estádio Bezerrão, pela terceira rodada da Copa do Brasil, na noite desta quarta-feira. O problema foi que o futebol apresentado ficou bem abaixo do que a equipe tem demonstrado na temporada. Desta forma, o resultado não podia ser outro se não um empate por 0 a 0.

Sem contar com os titulares Zeca, Thiago Maia e Gabriel (na seleção olímpica), além de Renato e Ricardo Oliveira (poupados), faltou contundência para o Peixe e sobrou disposição para o Gama, que mesmo sem atuar oficialmente nos últimos dois meses, se entregou na marcação e conseguiu sustentar o empate. Depois do apito do juiz, torcedores do Gama brigaram entre si e a polícia teve que intervir para separar a confusão.

Na próxima semana, as duas equipes voltam a se enfrentar, no dia 27, na Vila Belmiro. O vencedor passará às oitavas de final. Empate com gols classificará o Gama. Um novo 0 a 0 levará a definição para as penalidades. Antes disso, o Peixe volta a campo para enfrentar o Vitória, no sábado, às 18h, em Salvador, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O jogo

O Santos começou a partida com a posse de bola, mas alternou toques cadenciados, sem pretensão de chegar ao ataque. O Gama, por sua vez, tentava impedir que o Peixe jogasse.

Com uma bola parada forte, os donos da casa até chegaram a ameaçar o gol de Vanderlei em duas ocasiões. Somente depois de 20 minutos de jogo os santistas tentaram a primeira jogada pelas pontas. Nesse momento, Leo Cittadini era a principal figura da equipe, com presença no ataque e nas finalizações.

Com desempenho fraco, o Santos não correu riscos. Em contrapartida, deu um ritmo lento ao jogo e deixou o tempo passar. Em suma, o time teve a posse de bola e rodava no ataque, mas encontrava dificuldades para furar o bloqueio adversário.

Logo na volta do intervalo, aos dois minutos, o Santos teve a grande chance de abrir o marcador, quando Copete, pela esquerda, recebeu na área, tirou o goleiro da jogada e tocou para Victor Ferraz escorar e Cittadini chutar forte, mas com desvio de Pedrão.

O Peixe voltou para a etapa final diferente, com mais velocidade e inversões de jogo. Aos quatro minutos, novamente Copete pela esquerda, cortou para dentro e chutou rasteiro para defesa de Maringá para escanteio.

Aos 14, em lance de extremo perigo, o Gama quase complicou a vida do Santos, quando Roberto foi acionado na área, mas bateu em cima de Vanderlei. Aos 23, Lucas Lima recebeu de frente para o gol, mas finalizou para boa defesa de Maringá. Na sobra, Rodrigão mandou para a rede, mas pelo lado de fora. Mas o esboço de melhora se foi com o passar do tempo e o Santos voltou a demonstrar um futebol com pouca inspiração.

Santos TV – Bastidores:

Dorival Júnior reconhece que desfalques fizeram falta no Bezerrão

As ausências de cinco titulares na escalação do Santos diante do Gama comprometeram o desempenho da equipe. Esta foi a avaliação do técnico Dorival Júnior após o Peixe empatar em 0 a 0 no Centro-Oeste.

Nem mesmo surtiu efeito o fato de alvinegro praiano atuar com muitos titulares, acostumados com o padrão de jogo habitual da equipe, ao contrário do que havia feito nas duas primeiras fases da Copa do Brasil, quando escalou somente reservas.

“A equipe teve uma quebra de ritmo e até conseguimos uma recomposição. Vamos ter que nos adaptar e sairmos vivos de algumas rodadas até readquirirmos a nossa condição anterior“, reconhece o comandante santista.

Na avaliação do treinador, o Santos esteve bastante abaixo do que tem apresentado nas últimas rodadas do Brasileirão.

“Tivemos muitos problemas na nossa transição, que foi morosa, lenta. Isso comprometeu a criação e o momento do passe final. O Gama fez uma boa partida, com muita agressividade na marcação. Isso aumentou ainda mais a nossa dificuldade por conta de muitos jogadores que tivemos de fora“, explicou.


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Atlético-GO 2 x 1 Santos

Data: 10/11/2012, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Estádio Bezerrão, no Gama, DF.
Público: 7.276
Renda: R$ 451.250,00
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Auxiliares: Jossemar Diniz Moutinho (PE) e Pedro Santos de Araujo (AL).
Cartões amarelos: Gustavo, Diego Giaretta e Ernandes (A); Adriano, Gérson Magrão e Neymar (S).
Gols: Bruno Rodrigo (45-1); Diogo Campos (38-2) e Márcio (43-2, de pênalti).

ATLÉTICO-GO
Márcio; Adriano, Diego Giaretta, Gustavo e Eron; Pituca (Marino), Dodó, Ernandes e Rayllan (Luciano); Diogo Campos e Ricardo Bueno (Patric).
Técnico: Jairo Araújo

SANTOS
Rafael; Rafael Galhardo (Bruno Peres), Bruno Rodrigo, Durval e Gérson Magrão; Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; Neymar e André (Victor Andrade).
Técnico: Muricy Ramalho



Neymar produz pouco e Santos perde de virada para o rebaixado Atlético-GO

Santos sai na frente, mas sem motivação, acaba derrotado pelo pior time do Brasileiro

Sem motivações neste Brasileirão, Santos e Atlético-GO fizeram uma partida em ritmo lento para a torcida brasiliense que compareceu ao estádio do Bezerrão, no Gama para ver Neymar. O santista não brilhou e acabou vendo sua equipe ser derrotada para os rebaixados do Atlético-GO, por 2 a 1, de virada.

Ainda sem ambições, Santos e Atlético-GO duelam na próxima rodada contra adversários que lutam por seus objetivos no Campeonato Brasileiro. Enquanto o time de meio de tabela recebe o Figueirense, que luta contra o rebaixamento e pode até já ter caído no próximo sábado, o primeiro rebaixado da temporada visita o Atlético-MG, na briga pelo título que pode nem durar até o próximo final de semana.

O jogo

A festa para Neymar estava preparada pela torcida que marcou presença em bom número no estádio do Bezerrão, em Brasília. Com base nas bolas paradas de seu capitão, o Santos tentou abrir vantagem nos primeiros minutos de bola rolando, mas o início da partida acabou disputado em ritmo lento, sem boas chances de gol. A primeira, por exemplo, só ocorreu aos 22 minutos, quando Galhardo tentou o chute de fora da área e a bola passou raspando a trave do goleiro Márcio. No lance seguinte, Ernandes lançou Ricardo Bueno, que bateu em direção ao gol para defesa segura de Rafael.

Mais eficiente com bola no chão do que nas cobranças de falta, o Santos se arriscou a construir algumas jogadas a partir da metade do primeiro tempo. Aos 28 minutos, Neymar abriu o jogo para Felipe Anderson, que dominou na entrada da área e bateu forte, para desvio de Diego Giaretta. A torcida presente no Bezerrão se empolgou pela primeira vez naquela ocasião. Na batida de Neymar, Bruno Rodrigo errou o alvo. Na sequência, foi a vez do camisa 10 cruzar para André não alcançar.

A mesma estratégia que falhou com o Peixe também foi utilizada pelos donos da casa: a bola parada. O lateral direito Adriano teve chance em cobrança de falta, aos 37, e acabou obrigando o goleiro Rafael a cair e fazer a primeira boa defesa da partida. Três minutos depois, o Atlético-GO exibiu sua fragilidade em nova batida de falta, desta vez ensaiada. Adriano exagerou na força ao rolar a bola para Diego Giaretta, que bateu muito longe do gol de Rafael.

Aos 45 minutos, o gol que acordou o torcedor. Em jogada de ataque do Santos, Diego Giaretta cometeu falta em Arouca, mas a bola seguiu viva e Eron acabou derrubando Felipe Anderson. O lateral Galhardo cobrou em cima de Eron, o único homem da barreira do Atlético-GO e partiu para a batida do escanteio. Por sorte, a bola acabou sobrando para Neymar, que levantou na segunda trave para André. O camisa 9 do Peixe escorou para o meio da área, onde Bruno Rodrigo concluiu de cabeça e abriu a vantagem santista.

Na etapa complementar, o Peixe claramente trabalhou para premiar o esforço de Neymar em sua centésima partida em Brasileiros. Logo no primeiro minuto, Arouca antecipou a marcação e conseguiu lançar o capitão santista, que invadiu a área, mas chutou ao gol durante uma queda, sem precisão. Cinco minutos depois, Felipe Anderson cobrou falta na marca do pênalti e o camisa 11 apareceu para se adiantar à marcação e dar de cabeça por cima da meta de Márcio.

No momento em que Neymar decidiu retribuir os favores, o Santos criou sua melhor chance no segundo tempo. O camisa 11 partiu em velocidade, esperou a passagem de Felipe Anderson, que recebeu o passe, mas atirou por cima do gol de Márcio. Mais tarde, Galhardo levantou a bola na segunda trave e Neymar fez graça na linha lateral, pela esquerda. Sem eficiência, o santista acabou desarmado.

Em cinco minutos, o Atlético-GO encontrou forças e acabou virando para cima do Santos: aos 38, Marino partiu em velocidade e fez cruzamento preciso para Diogo Campos, que se antecipou à marcação do Santos e bateu fraco. O goleiro Rafael não conseguiu se reposicionar e levou o gol por debaixo das pernas. Na sequência, o camisa 1 do Peixe acabou cometendo pênalti em Ernandes, convertido pelo goleiro Márcio.

No jogo 100 em Brasileiros, Neymar lamenta não presentear torcida candanga

Público do Distrito Federal, desacostumado a vê-lo jogar, acabou saindo decepcionado

O atacante Neymar completou, neste sábado, sua centésima partida em Campeonatos Brasileiros. Para apoiar seu ídolo e capitão do Santos na celebração desta marca, a torcida da cidade do Gama marcou presença no Bezerrão, mas voltou para casa sem ver um único gol do camisa 11. Pelo contrário, acabou conferindo a uma vitória do Atlético-GO, por 2 a 1 , em partida válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo sem ambições, o Peixe abriu o placar aos 45 minutos do primeiro tempo, com Bruno Rodrigo concluindo de cabeça uma jogada com participação de Neymar. Nos últimos minutos, o Dragão virou o placar sob protestos do principal jogador do Santos, que acabou reclamando da arbitragem de Emerson de Almeida Ferreira. O capitão do time visitante ainda recebeu um cartão amarelo aos 40 minutos.

“É ruim perder, a gente não gosta, mas é futebol, essas coisas acontecem. O que não acontece é tomar chute na cabeça, pontapé sem bola, aí a gente não pode aturar. Tem que ver”, protestou Neymar, antes de agradecer à torcida que compareceu ao Bezerrão: “Eles estão de parabéns pelo carinho, mas infelizmente eu não consegui dar a vitória para eles e para o Santos”.

Neymar já é o 14º maior artilheiro da história do Santos, com 205 partidas disputadas. Sem quebrar nenhum recorde neste sábado, o atacante ainda precisa de quatro gols para igualar Serginho Chulapa e se tornar o principal goleador do Peixe em uma única temporada, após a Era Pelé. A três partidas do fim do Brasileirão, o objetivo de se aproximar de Fred na artilharia da competição (são 12 gols contra 17) não seduz mais o camisa 11: “Ficou difícil demais, o Fred é fera”.

Muricy aponta omissão da arbitragem em derrota do Santos contra o Atlético-GO

Técnico reclamou de falta no final do jogo pouco antes de o Santos sofrer o segundo gol

Derrotado no Bezerrão mesmo contando com a maioria da torcida a seu favor na cidade do Gama, o técnico Muricy Ramalho evitou apontar culpados, mas deixou claro que a arbitragem pode ter prejudicado o Santos neste sábado, na derrota por 2 a 1 diante do Atlético-GO . Na visão do comandante santista, Émerson de Almeida Ferreira deixou de marcar uma série de faltas para sua equipe, que sofreu gols nos últimos minutos e acabou superada.

A principal reclamação de Muricy é a respeito de uma falta cometida pelo zagueiro Gustavo, aos 43 minutos do segundo tempo, sobre Victor Andrade, que havia entrado em campo vinte minutos antes. “A entrada no moleque foi perigosa, passou dos limites. O rapaz entrou forte. Ainda bem que ele subiu um pouquinho e pegaram ele no alto, senão seria muito perigoso”, disse o treinador, acompanhando o discurso de Neymar contra a arbitragem.

“É difícil ficar falando só de arbitragem, senão a gente acaba pondo a culpa na arbitragem. Isso não nos absolve da derrota. Acho que o Santos jogou bem até tomar o gol do empate, depois parou. A gente não merecia melhor sorte no segundo tempo porque atuamos bem diferente da semana passada”, resumiu o treinador santista, insatisfeito pela derrota no Bezerrão e pela falta de ambições do Santos, que apenas cumpre tabela na reta final do Campeonato Brasileiro.

Após a goleada por 4 a 0 aplicada sobre o Cruzeiro na última rodada, em pleno Independência, a expectativa santista era de vitória fácil sobre o já rebaixado Atlético-GO. Após a derrota, o Santos retorna a São Paulo ainda na noite deste sábado, tanto que a entrevista coletiva de Muricy foi concedida em apenas cinco minutos, na beirada do gramado. O próximo desafio será diante do Figueirense, no próximo sábado, na Vila Belmiro.

Santistas lamentam “vacilo” na derrota para o rebaixado Atlético-GO

Time saiu na frente com gol do zagueiro Bruno Rodrigo, mas permitiu a reação do oponente e saiu de campo derrotado pelo lanterna do Brasileiro

A derrota para o Atlético-GO, por 2 a 1, na noite do último sábado, no Bezerrão, deixou os jogadores do Santos irritados. Os atletas lamentaram o fato de a equipe ter permitido a reação do adversário, lanterna e já rebaixado, nos minutos finais da partida.

“Lamentável. O jogo estava nas nossas mãos. Demos dois vacilos e tomamos os dois gols”, disparou o volante Arouca, visivelmente inconformado com o resultado negativo no Gama (DF), onde o duelo foi realizado.

O autor do único gol santista no confronto, Bruno Rodrigo também não ficou satisfeito com a atuação do time. Assim como Arouca, o zagueiro apontou a falta de atenção nos minutos finais como razão principal para o revés no Bezerrão.

“Afrouxamos no final e levamos a virada. O time perdeu um pouco a concentração no final e aconteceu isso. Não podíamos vacilar dessa maneira”, comentou o defensor.

Com a derrota para o Atlético-GO, o Peixe agora ocupa o 12° lugar na tabela do Brasileirão. O próximo compromisso dos santistas é contra outra equipe rebaixada matematicamente para a segunda divisão nacional: o Figueirense. O jogo será disputado no próximo sábado, a partir das 19h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro.

Sem ambições, Santos desperdiçou 20 pontos contra times ameaçados

Time poderia estar brigando por uma vaga na Libertadores, caso ganhasse mais alguns jogos contra os times da parte de baixo da tabela

A três rodadas do encerramento do Campeonato Brasileiro, o Santos soma 46 pontos, ocupa a nona colocação e não tem qualquer ambição para a reta final do torneio. Após a derrota diante do Atlético-GO, neste sábado, no estádio do Bezerrão, o time do técnico Muricy Ramalho deixou evidente sua dificuldade para superar adversários mal posicionados na tabela de classificação.

Contra os seis clubes que ocupam as últimas posições do Brasileirão e disputam ponto a ponto para evitar o rebaixamento, o Santos travou dez confrontos até o momento. Destes, venceu apenas dois, e ainda somou quatro empates e quatro derrotas. Caso tivesse obtido melhores resultados, o time poderia ao menos brigar por vaga na próxima edição da Copa Libertadores.

Além da derrota contra o já rebaixado Atlético-GO, gols marcados por Diogo Campos em falha de Rafael e Márcio, em cobrança de pênalti cometido pelo camisa 1, o Santos soma um empate, no Pacaembu, diante do Dragão. Contra Portuguesa e Bahia, primeiros times fora da zona de degola, foram placares iguais: empate por 0 x 0 fora de casa e derrotas 3 x 1, no Pacaembu e na Vila Belmiro.Ainda derrotado pelo Sport na Ilha do Retiro, o time do técnico Muricy Ramalho venceu os outros dois integrantes da zona de rebaixamento: o Figueirense por 3 a 1, no Orlando Scarpelli, e o Palmeiras por 2 a 1, no Pacaembu. Na reta final do Brasileirão, o Santos ainda encara estes dois adversários, além do Corinthians.

Em preparação para enfrentar o Figueirense no próximo sábado, às 19h30 (de Brasília), pela antepenúltima rodada do Brasileirão, o Santos foca no planejamento para a temporada 2013 e já contratou o zagueiro Neto, do Guarani, a pedido de Muricy Ramalho.

Gama 0 x 0 Santos

Data: 26/09/2002
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 13ª rodada
Local: Estádio Bezerrão, em Brasília, DF.
Público e Renda: não divulgados
Árbitro: Álvaro Azeredo Quelhas (MG)
Cartões amarelos: Rafael, Jairo, Gerson (G); Paulo Almeida, Diego (S).
Cartões vermelhos: Jairo (G)

GAMA
Pitarelli, Valdir (Paulo Henrique), Gerson, Jairo e Rochinha; Rafael (Anderson), Deda, Lindomar e Jackson; Dimba e Rodriguinho (Romualdo)
Técnico: Giba.

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho, Preto, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Diego (William) e Elano; Robinho (Robert) e Alberto
Técnico: Émerson Leão.


Santos empata com o Gama e perde Diego para o clássico

Numa partida de baixo nível técnico, o Santos empatou com o Gama, fora de casa, por 0 a 0.

Com o resultado, foi a 22 pontos, ocupando a sétima colocação -empata em pontos e em saldo de gols com o Guarani, mas leva vantagem no número de gols marcados, 21 contra 15.

Já o Gama continua no bloco intermediário da tabela de classificação, agora com 15 pontos.

No primeiro tempo, as equipes estavam mais preocupadas em desarmar do que em tentar criar chances para abrir o placar.

O time da casa, por exemplo, só teve duas oportunidades para marcar -um lance com Rodrigo, que chegou a anotar logo no início do jogo, mas em posição de impedimento, outro com Dimba, que chutou forte, aos 6min, a bola bateu na zaga e foi para escanteio.

O Santos, por sua vez, teve sua melhor chance aos 13min, em cobrança de falta de Diego, que acabou indo para fora.

No intervalo, o meia Jackson, do Gama, reconhecia que a partida estava muito fraca. “Ninguém quer tomar gol, então fica difícil jogar. O 0 a 0 está mais do que bom”, comentou o jogador.

Do lado do Santos, o meia Diego, que recebeu o terceiro cartão amarelo e não poderá enfrentar o Palmeiras, domingo, na Vila Belmiro, reclamava do estado do gramado. “Pior impossível. Com tanto buraco, não é fácil tocar a bola, a gente erra muito passe.”

Sobre a ausência no clássico de domingo, diz não ter ficado muito chateado. “É um jogo a mais. Se o amarelo não viesse agora, certamente viria mais para a frente.”

No segundo tempo, depois de um início ruim por parte dos dois times, o Gama chegou a melhorar e criar algumas oportunidades.

Entre o 13º e o 18º minuto, o time desperdiçou três chances, uma com Jairo, outra com Dimba e a última com Lindomar.

O Santos só passou a atacar com mais constância nos últimos 15 minutos, quando criou suas duas únicas chances de gol na etapa final -uma delas com Renatinho, que chutou com perigo à direita do gol de Pitarelli.

Fontes: Jornal Folha de São Paulo e Revista Lance.

Gama 1 x 1 Santos

Data: 08/08/2001, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília, DF.
Público: 5.106
Renda: R$ 40.465,00
Árbitro: Getúlio Barbosa Souza Lima Júnior (MS)
Cartões amarelos: Deda, Rochinha, Gérson e Wilson Goiano (G); Canindé, Júlio César, Preto, Viola e Válber (S).
Gols: Renato (11-1); Lindomar (10-2, de pênalti).

GAMA
Ronaldo; Wilson Goiano (Paulo Henrique), Gérson, Jairo e Rochinha; Deda, Palhinha, Anderson (Alessandro) e Robston; Lindomar e Romualdo.
Técnico: Flávio Lopes

SANTOS
Fábio Costa; Russo (Valdir), Preto, Galván e Canindé (Weldon); Válber (Elano), Paulo Almeida, Renato e Robert; Júlio César e Viola.
Técnico: Geninho



Santos obtém terceiro empate no Brasileiro

O Santos ficou no 1 a 1 ontem com o Gama, em Brasília. Foi o terceiro empate do time do técnico Geninho no Brasileiro, o terceiro 1 a 1 -já havia empatado com o Santa Cruz, na Vila Belmiro, e com o Vitória, na Bahia.

A partida de ontem marcou a estréia do zagueiro-volante Válber no Santos (ontem, ele atuou à frente da zaga, como volante).

O time paulista abriu o marcador logo aos 11min do primeiro tempo. O volante Renato aproveitou cruzamento da esquerda e tocou de cabeça para o gol de Ronaldo (foi o primeiro gol sofrido pelo Gama no Brasileiro).

A equipe de Brasília conseguiu empatar no segundo tempo. Lindomar bateu um pênalti (cometido pelo estreante Válber) e fez 1 a 1.

O técnico Geninho tentou ainda a vitória com substituições ofensivas, mas o jogo acabou empatado -o Gama também obteve seu terceiro empate no torneio.



Fonte: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.com.br/fsp/2001/08/09/20//102490