Navegando Posts marcados como Bragantino

Santos 1 x 1 Red Bull Bragantino

Data: 09/08/2020, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: fechado devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG).
Auxiliares: Felipe Alan Costa de Oliveira e Ricardo Junio de Souza (ambos de MG).
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Cartão amarelo: Ricardo Ryller (B).
Gols: Marinho (19-2) e Claudinho (47-2).

SANTOS
Vladimir; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Marinho (Jean Mota), Soteldo e Kaio Jorge (Uribe).
Técnico: Cuca

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Fabrício Bruno e Edimar; Ricardo Ryller (Claudinho), Matheus Jesus e Weverson (Robinho); Morato (Bruno Tubarão), Artur e Alerrandro (Ytalo).
Técnico: Felipe Conceição



Na reestreia de Cuca, Santos sofre empate do Red Bull Bragantino no fim

Na reestreia do técnico Cuca, o Santos empatou em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O gol do Peixe foi marcado por Marinho, em mais um “míssil aleatório”, como ele mesmo define suas finalizações de fora da área. O goleiro Cleiton aceitou o chute de longe aos 19 minutos do segundo tempo.

O Bragantino empatou com Claudinho, cria do Alvinegro, aos 47, nos acréscimos, após Luan Peres afastar mal uma cobrança de escanteio. Vladimir, destaque até os minutos finais, não conseguiu evitar.

A partida foi muito equilibrada e com chances para os dois lados. Jean Mota e Fernando Uribe entraram na etapa final e perderam oportunidades de matar o jogo para o Santos, assim como Soteldo.

O jogo

O Red Bull Bragantino começou melhor e obrigou Vladimir a fazer duas boas defesas em sete minutos, após finalizações de Alerrandro e Weverson.

Após o susto, o Santos equilibrou as ações e passou a criar mais. No minuto 11, Soteldo cruzou e Kaio Jorge não alcançou. E aos 16, Kaio roubou de Fabricio Bruno e sofreu pênalti. Carlos Sánchez bateu para fora.

O Peixe seguiu no ataque e finalizou de fora da área com Marinho, aos 20, para defesa segura de Cleiton. No minuto 22, a resposta: Ryller chutou, a bola desviou e quase entrou.

Aos 39, o Alvinegro esteve perto novamente. Soteldo cruzou e Kaio Jorge, de ombro, finalizou muito perto da trave direita de Cleiton.

Assim como na etapa inicial, o Bragantino chegou primeiro. Artur recebeu na direita e e chutou forte para nova intervenção importante de Vladimir.

Aos 13, Arthur acionou Alerrando e Vladimir salvou novamente. O lance, porém, foi invalidado por impedimento do centroavante. E aí veio a surpresa.

Marinho arriscou de longe, a bola bate na grama e engana o goleiro Cleiton. Santos na frente aos 19 minutos do segundo tempo na Vila Belmiro.

O gol fez o Bragantino se expor e o Peixe passou a criar diversas chances. Novidade logo depois do 1 a 0 sair, Fernando Uribe vacilou.

No minuto 22, Sánchez cruzou e Uribe cabeceou de raspão. Aos 25, Pará cruzou, Cleiton desviou e Uribe, com o gol livre na frente, não conseguiu dominar. Soteldo, sem goleiro, chutou para fora na sequência.

Quando o placar marcava 27 jogados, os visitantes assustaram. Alerrando bateu de primeira e Vladimir, de novo ele, salvou. Árbitro havia marcado impedimento. Dois minutos depois, Matheus Jesus apareceu livre na entrada da área e isolou.

Nos minutos finais, o Santos tentou controlar o jogo e administrar a vitória, mas não conseguiu. O Red Bull empatou aos 47 minutos, com Claudinho, cria do Peixe, em chute de fora da área. Empate na reestreia de Cuca.

Bastidores – Santos TV:

Santistas reclamam da arbitragem após empate: “Palhaçada”

Na reestreia de Cuca, o Santos empatou em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro. E o time reclamou depois da arbitragem.

O gol do Bragantino saiu aos 47 minutos do segundo tempo. De acordo com o Peixe, o árbitro não autorizou as substituições e a equipe ficou sem todos na área. Madson e Jobson estavam prontos para entrar.

Cuca e vários atletas foram conversar com Ricardo Marques Ribeiro após o apito final. Luiz Felipe falou assim: “Ele precisa admitir o erro. Isso compromete o campeonato”.

Luan Peres deu entrevista ao Premiere e também repercutiu o lance.

“A gente treina bola parada a semana toda, conseguimos tirar todas… Cuca fez uma estratégia de 90 minutos, quisemos colocar um homem mais alto para tirar a bola, e o árbitro não autorizou, e por que? Era estratégia do time para ajudar na bola parada. Foram dois lances capitais, ele não deixou substituir, e aí o 4º árbitro levantou a placa, e o nosso homem do rebote tava saindo já”, disse Luan.

“Acabou saindo o gol nessa palhaçada da arbitragem”, completou o zagueiro.

Cuca explica ‘fatalidade’ com árbitro em empate do Santos: “Como dói”

O técnico Cuca explicou o desentendimento com o árbitro Ricardo Marques Ribeiro no empate do Santos em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O gol de Claudinho saiu aos 47 minutos do segundo tempo, após rebote de escanteio. Madson e Jobson estavam posicionados para entrar.

“Eu estava colocando Madson e Jobson, dois altos. Instruí os dois para irem ao primeiro pau. Juiz não autorizou a entrada. Houve um desentendimento de informação, de gestual. Eu fiz que ia trocar e ele entendeu que era para o próximo lance. Isso acontece, não vamos por a culpa. É um lance fatídico, dói, como dói. Se fosse há 20 anos, falaria besteira. Hoje faço diferente. Se reparar bem, Sánchez é homem do rebote pelo lado direito. E onde caiu a bola? Bem ali. E quando ele (Sánchez) vê que vai sair, vem correndo. Eu disse que trocaria, juiz entendeu que seria depois”, disse Cuca.

“Não é culpa do árbitro. Ricardo é integro, do bem, foi uma fatalidade”, completou o treinador.

Cuca vê falta de “moral” no elenco do Santos e visa “conexão” no ataque

Cuca falou sobre a falta de “moral” no elenco do Santos após o empate em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe criou as melhores chances, mas não matou o jogo e sofreu o gol nos acréscimos.

“1 a 0 até o fim abre o risco. Me queixo mais de não ter feito dois, três, quatro do que de termos tomado. Temos que saber administrar. Empate em cima da hora é horrível, mas faz parte. Um jogo em que sabíamos do conjunto forte do Bragantino. Não é equipe de destaques individuais. Estão bem treinados. Tiveram início melhor, 10/15 minutos, tomaram conta. Entendemos, tivemos posicionamento melhor, mais adaptado na marcação e posse de bola. Acabamos primeiro tempo melhor, perdemos o pênalti, Tem um baquezinho, principalmente para quem perde o pênalti, por mais experiente que seja (Carlos Sánchez). Comandamos as ações no segundo tempo, fizemos 1 a 0 e tivemos situações muito claras de matar o jogo”, avaliou Cuca.

“Jogamos com muita determinação, força de vontade, aplicação. Taticamente fez grande parte do jogo bom. Infelizmente, não estamos com moral elevado a ponto das coisas darem certo. Com moral, se faz resultado antes, não leva o jogo para o perigo como estava”, completou.

O treinador ainda avaliou o posicionamento de Sánchez mais próximo do jogo adversário e falou sobre “conectar” melhor o ataque.

“Sánchez jogou mais adiantado, um pouco mais à frente. Quero melhorar a participação dos extremos (Marinho e Soteldo). Quando tivermos a bola em um lado, que participem também, não fiquem do outro sem participar. Atacante precisa dessa companhia. Temos que trabalhar bastante esse posicionamento”, afirmou.

“Eu trabalhei dois dias apenas. Se você tem jogadores de velocidade, dificilmente vamos chegar com toques curtos. São velocistas. Temos que ter bola longa também, é uma saída, um desafogo”, completou.

Elogiado por Cuca, Kaio Jorge retribui: “Santos foi mais agressivo”

Cuca gostou do desempenho de Kaio Jorge no empate do Santos em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O atacante teve uma chance clara para marcar de cabeça no primeiro tempo, mas a bola passou perto da trave.

“Kaio Jorge fez bom jogo. Foi infeliz no cabeceio, bola passou à frente dele em outra hora. Tem evoluído bem. Vamos administrar o resultado e que tenhamos sorte melhor na quinta-feira (contra o Internacional)”, disse Cuca, antes de evitar comparação com Gabigol.

“Gabigol era um cara rodado, tinha jogado na Europa, diversos campeonatos. Kaio é o primeiro (ele estreou no Brasileirão de 2018), mas jogou bem. Não podemos deixar de enaltecer. Não teve a fortuna de fazer o gol, mas jogou bem e temos que valorizar o menino”, completou o treinador.

Animado com o retorno de Cuca, Kaio Jorge retribuiu o elogio e viu o time melhor contra o Bragantino.

“Professor Cuca é experiente, de grupo, sabe lidar com muitos tipos de situação. Modo de jogar já foi um pouco diferente, fomos mais agressivos. Ele me conhece, foi quem me subiu para o profissional. Agora é trabalhar bem para ter sequência”, afirmou Kaio, ansioso pelo gol.

“Está a mil. Centroavante tem que marcar sempre, independentemente de qualquer coisa. Estou trabalhando bem, forte, e espero marcar em breve”, concluiu.

Cuca dá conselho a Uribe no Santos e diz: “Confiança é tudo”

Cuca avaliou a má atuação de Fernando Uribe no empate do Santos em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O colombiano entrou no lugar de Kaio Jorge no segundo tempo e perdeu uma chance claríssima. Em outra oportunidade, furou um cabeceio.

O técnico deu um conselho para o centroavante e falou em ajudá-lo a readquirir a confiança.

“Hoje ele teve (chance), né? Bola para fazer o gol, sobrou para ele. Goleiro deu um tapinha. Pelo posicionamento, achei que faria gol de peito ou de coxa, do jeito que fosse. Sobrou para o Soteldo e também perdeu. Temos que recuperar confiança. Confiança é tudo”, disse Cuca.

“Confiança se faz com trabalho, merecimento. Se a técnica não está dando certo, vai com o coração. Aprendi isso na vida. Técnica já se tem”, completou.

Contratado há mais de um ano, Uribe ainda não fez gol pelo Santos. O vínculo termina em 2022 e ele recebe o segundo maior salário do elenco.


Santos 0 x 0 Red Bull Bragantino

Data: 23/01/2020, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.412 pagantes
Renda: R$ 511.705,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Risser Jarussi Corrêa e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Carlos Sánchez (S); Ligger, Edimar, Barreto e Artur (B).

SANTOS
Everson; Felipe Jonatan, Luan Peres, Luiz Felipe e Pará; Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca; Marinho (Derlis González), Kaio Jorge (Raniel) e Eduardo Sasha (Arthur Gomes).
Técnico: Jesualdo Ferreira

RED BULL BRAGANTINO
Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Edimar; Barreto (Vitinho), Bruno Tubarão (Thonny Anderson), Uillian Correa e Claudinho (Morato); Artur e Ytalo.
Técnico Vinicius Munhoz



Santos joga mal e só empata com o Red Bull Bragantino na estreia do Paulistão

O Santos não estreou bem no Campeonato Paulista. Na noite desta quinta-feira, o Alvinegro Praiano recebeu o Red Bull Bragantino na Vila Belmiro. Após um primeiro tempo com poucas chances para os dois lados, o Braga foi melhor na segunda etapa, mas o Peixe conseguiu segurar o 0 a 0.

Como o Guarani venceu na estreia e a Ferroviária empatou, o Massa Bruta está na terceira colocação do Grupo D. O Peixe, por sua vez, foi a única equipe que somou pontos no Grupo A.

O jogo

O Red Bull Bragantino começou o jogo com muita intensidade, atacando principalmente pela direita, com Artur. Do outro lado, as duas linhas de quatro do Santos mostraram muita solidez defensiva. Quando tinha a bola, a equipe de Jesualdo Ferreira tentava, mas não conseguia furar ao bloqueio do Massa Bruta.

Aos poucos, o Braga começou a esperar o Santos, que valorizava mais a posse de bola, porém, pecava muito na criação. A válvula de escape era Marinho, atleta responsável pela maioria das jogadas de perigo do Peixe. Apesar do apoio de Carlos Sánchez, o atacante não teve muito sucesso pelo lado direito.

Depois de 25 minutos sem qualquer chute na direção do gol, o Bragantino saiu em um rápido contra-ataque e a bola chegou em Claudinho. O meio-campista encheu o pé da entrada da área e obrigou uma bela defesa do goleiro Everson.

A resposta do Santos veio faltando sete minutos para o fim do primeiro tempo, com Sánchez. De três dedos, o uruguaio tentou vencer o Júlio César, que só olhou a finalização passar perto do gol.

Na volta do vestiário, Jesualdo promoveu a entrada de Raniel no lugar de Kaio Jorge, pouco acionado no jogo. Enquanto o Peixe se preocupava em arrumar o sistema ofensivo, o Red Bull Bragantino continuou com a mesma intensidade e criou a primeira oportunidade.

Em uma das suas primeiras participações, Ytalo recebeu dentro da área, girou para cima do zagueiro e chutou firme, mas só bateu na rede pelo lado de fora. Após a chance de Pará, que completou 200 jogos com a camiseta do Santos, exigir boa defesa de Júlio César, o camiseta 9 desperdiçou uma chance cara a cara com Everson.

Aos 24 minutos, Ytalo, sempre ele, quase inaugurou o marcador. Thonny Anderson, substituto de Bruno Tubarão, encontrou o companheiro livre de marcação. O atacante invadiu a grande área e, de cavadinha, mandou a bola no travessão.

Nos momentos finais da partida, o Santos foi ao ataque. No entanto, a boa defesa do Bragantino garantiu o placar zerado no confronto.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo explica estratégia e analisa postura do Santos na estreia

Após 12 dias de preparação, o Santos sofreu para empatar com Red Bull Bragantino, em partida válida pelo Campeonato Paulista. Depois da estreia no comando do Peixe, Jesualdo Ferreira concedeu entrevista coletiva na Vila Belmiro e passou suas primeiras impressões sobre o elenco.

“Vocês conhecem os jogadores melhores que eu. Jogamos em casa, primeiro jogo. Eles ainda têm muitas coisas na cabeça. No entanto, em grande parte do jogo, eles foram capazes de jogar da forma que eu quero. O intuito é dar pouco espaço para o adversário, ser rápido na troca de passes e explorar a velocidade dos atacantes. A segunda fase do jogo, que é chegar ao gol adversário, manter a bola, em alguns momentos fizemos”, analisou.

O treinador português também explicou a opção por escalar Alison, capitão do time na noite desta quarta-feira, como primeiro volante. Sob a visão dele, o camiseta 5 tem mais vigor físico em comparação com Diego Pituca, jogador com características mais ofensivas.

“Eu gosto mais do Alison nessa posição do que o Pituca. O Pituca tem uma capacidade importante que é de entrar em zonas ofensivas. Isso é mais importante. O Alison tem mais poder físico, capacidade de poder, quando a equipe abaixa, fazer um tampão. Não se esqueça que do lado direito tem o Carlos”, completou.

Por fim, Jesualdo destacou mais um defeito do Santos contra o Bragantino.

“Ainda falta intensidade para jogar no ritmo que eu quero”, finalizou.

Jesualdo Ferreira destaca defesa e elege o maior defeito do Santos

Apesar do Red Bull Bragantino ter criado as melhores oportunidades na partida desta quarta-feira, pelo Campeonato Paulista, Jesualdo Ferreira vê pontos positivos na estreia, uma vez que o Santos teve pouco tempo de preparação. No entanto, o técnico também destacou o principal defeito do Peixe, em entrevista concedida após o duelo.

“Depois de doze dias, estava pronto, não tinha outra alternativa, tinha que jogar. A equipe foi capaz, durante algum tempo, de deixar o adversário com pouco espaço. Não foi fácil para o Red Bull ganhar espaços para atacar. Mas não conseguimos fazer aquilo que acho importante, que é ter clareza no momento de decidir. A equipe jogou muito depressa. Acho que esse foi nosso problema maior. Agora temos que trabalhar”, analisou.

O comandante ainda destacou a presença do público na Vila Belmiro. Segundo o português, a torcida pode ser o trunfo do Santos em 2020.

“Quando torcedores vieram? 12 mil? Fantástico. Vou agradecer aos torcedores do Santos por terem comparecidos por essa capacidade de apoiar durante os 90 minutos. Se conseguirmos ter sempre uma presença dessa, dentro dos 12 ou 15 mil, vamos ter um ambiente muito bom ao nosso favor. Emocionou um pouco, me tocou, por isso o agradecimento”, completou.

Jesualdo elogia base do Santos e pede calma: “Ver como encaram o jogo”

Logo na sua partida de estreia pelo Campeonato Paulista, o Santos contou com a ausência de Yeferson Soteldo, que foi convocado pela seleção da Venezuela para a disputa do Pré-Olímpico. No lugar de uma das principais peças da temporada passada, Jesualdo Ferreira promoveu a escalação de Kaio Jorge. Já na segunda etapa, o comandante colocou outra joia da casa em campo, Arthur Gomes.

Em entrevista coletiva concedida após o duelo na Vila Belmiro, o técnico português elogiou a base do Peixe e pediu calma com os jovens.

“O elenco do Santos tem muitos jovens. É uma riqueza do clube. No entanto, como são jovens, nem sempre as coisas acontecem como o esperado. Nós, como vocês viram em termos defensivos, conseguimos resolver os problemas em alguns momentos. Mas eles puderam marcar em duas oportunidades. O mais importante era ver como encaram o jogo”, comentou.

Questionado sobre o motivo pelo qual Kaio Jorge foi substituído, Jesualdo revelou que o atacante sentiu um desconforto no tornozelo esquerdo. Sem o jogador da Seleção Brasileira Sub-20 em campo, o treinador explicou como armou o time.

“O Kaio Jorge jogou mais pelo corredor. O Marinho ficou mais aberto. São dois jogadores que tem essa característica. O Kaio teve uma entorse no pé e acabou saindo por isso. A tentativa de colocar um central não funcionou. Por conta disso, voltamos ao 4-3-3, que garantiu mais consistência”, finalizou.

Após empate, Alison fala sobre ritmo de jogo do Santos e exalta Bragantino

O Santos teve uma atuação abaixo das expectativas na estreia do Campeonato Paulista. Na noite desta quinta-feira, o Peixe recebeu o Red Bull Bragantino e viu o adversário criar as melhores chances de gol na Vila Belmiro. Após o duelo, o volante Alison, capitão do Alvinegro Praiano, falou sobre o ritmo do elenco.

“Claro que ainda nos falta um pouco de ritmo. Na minha visão, isso é natural. Vamos adquirindo ao longo do campeonato. Temos que continuar trabalhando forte para chegar no nosso auge o mais rápido possível”, destacou.

O camiseta 5 ainda elogiou o adversário e, apesar do Santos ter chutado apenas duas vezes na direção da meta do Bragantino, viu uma melhora na segunda etapa.

“Queríamos a vitória, pois sabíamos o quanto isso seria importante. Tentamos, lutamos e até melhoramos no segundo tempo. Infelizmente, não conseguimos o resultado positivo. Acho que o Red Bull Bragantino também teve méritos”, completou.

Santos confirma lesão no tornozelo esquerdo de dois atletas

Um dos jogadores mais acionados do Santos no empate diante do Red Bull Bragantino, pela estreia do Campeonato Paulista, Marinho sentiu um desconforto e foi substituído ainda no segundo tempo. Momentos depois do apito final, o clube confirmou que o atacante sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo. Kaio Jorge, de 18 anos, também foi diagnosticado com o mesmo problema.

A informação é que os atletas já iniciaram o tratamento e serão reavaliados na reapresentação do elenco, prevista para a tarde desta sexta-feira.

Na temporada passada, Marinho foi uma das principais peças do setor ofensivo santista. Em parceria com Eduardo Sasha e Soteldo, o atacante atuou em 40 partidas e mandou 12 bolas para a rede, média de 0,30 gol por jogo.

Com ou sem os jogadores à disposição, o Santos, líder do Grupo A, volta a campo já nesta segunda-feira. Em busca de primeira vitória sob o comando de Jesualdo Ferreira, o Peixe enfrenta o Guarani, às 20 horas (de Brasília), no Estádio Brinco de Ouro da Princesa.


Bragantino 1 x 4 Santos

Data: 31/01/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 4ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público e renda: não divulgado
Árbitro: Lucas Canetto Bellote
Assistentes: Daniel Luis Marques e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Matheus Peixoto (B) e Gustavo Henrique (S).
Gols: Carlos Sánchez (37-1), Derlis González (44-1) e Jean Mota (47-1); Carlos Sánchez (09-2) e Wesley (17-2).

BRAGANTINO
Alex Alves; Itaqui, Lázaro, Edimar (Juliano) e Léo Rigo; Magno, Acácio (Klauber), Rafael Chorão, Vitinho (Esquerdinha) e Wesley; Matheus Peixoto.
Técnico: Marcelo Veiga

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Yuri), Aguilar, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Copete; Alison, Carlos Sánchez e Jean Mota; Arthur Gomes (Soteldo) e Derlis González (Sandry).
Técnico: Jorge Sampaoli



Insaciável, Santos goleia o Bragantino e se mantém 100%

O Santos voltou a apresentar um grande futebol e goleou o Bragantino por 4 a 1, nesta quinta-feira, no Estádio Nabi Abi Chedid, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez (2), Derlis González e Jean Mota.

O Peixe, insaciável, não deixou de atacar em momento algum. Depois de ter dificuldade para furar a defesa dos donos da casa, a porteira abriu na segunda metade do primeiro tempo e a equipe foi para o intervalo com o 3 a 0. Na etapa final, o Alvinegro logo abriu o placar, o Braga diminuiu e parou por aí.

O jogo

Diferentemente das partidas contra Ferroviária, São Bento e São Paulo, o Santos teve dificuldade nos minutos iniciais. O Bragantino, com forte marcação, diminuiu os espaços e foi perigoso no jogo aéreo. Mas durou pouco.

O Peixe adiantou cada vez mais as linhas e, inteiro no campo de ataque, começou a criar chances. E abriu o placar na qualidade/sorte de Carlos Sánchez, em finalização de fora da área desviada aos 37 minutos.

Com o gol feito, o Alvinegro não se saciou, aproveitou o desespero dos donos da casa e garantiu a vitória. Derlis González fez aos 44 e Jean Mota aos 47. O apito final na primeira etapa foi um alívio para o Braga.

No segundo tempo, o cenário não mudou. O Santos parecia estar perdendo tamanha a construção ofensiva. No minuto 9, já veio o quarto. Arthur Gomes sofreu o pênalti e pediu para bater, mas Carlos Sánchez não deixou e, de cavadinha, converteu.

O Bragantino não desistiu e descontou com Wesley, depois do excesso de confiança de Luiz Felipe. O zagueiro tentou drible na defesa, errou e armou o contra-ataque da equipe do interior.

A reação, porém, parou por aí. O Santos poupou o fôlego, administrou o resultado e, com nova goleada, terminou a quarta rodada como único com 100% de aproveitamento no Estadual.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli se surpreende com início do Santos e diz que a alegria vence o cansaço

Jorge Sampaoli se surpreendeu com o bom início de temporada do Santos. As quatro vitórias no Campeonato Paulista, com 11 gols feitos e apenas um sofrido, superam as expectativas do técnico.

O argentino está satisfeito com a adesão da ideia de jogo e não está preocupado com o cansaço por atuar no campo adversário o tempo inteiro.

“Um sempre sonha com ir bem, com adesão da ideia, mas não imaginei esse início. Jogadores estão muito entusiasmados com a maneira de jogar. Rivais cansam mais que a gente, no segundo tempo tivemos mais controle e nos faltou um pouco. A alegria de jogar deixa para trás o cansaço”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva depois da vitória por 4 a 1 sobre o Bragantino.

“É o que buscamos, tem a ver com o aspecto físico, anímico e convicção, se sentindo melhor que o rival. Em alguns jogos vamos sofrer, temos que ver como a equipe reagirá para crescer a ideia com a dor da adversidade. Aí veremos se a ideia está canalizada independentemente do que ocorrer numa partida”, completou.

Derlis relembra início de carreira como “falso 9” e quebra recorde no Santos

No Santos de Jorge Sampaoli, Derlis González voltou a atuar como falso 9, posição onde fez sucesso pelo Rubio Ñú e Guaraní, do Paraguai, no início de carreira.

E relembrando os primeiros passos como profissional, Derlis bateu um recorde pessoal. Marcou três gols em jogos consecutivos pela primeira vez: São Bento, São Paulo e Bragantino.

“Usa um sistema diferente do acostumado pelo Santos em anos anteriores. Dois jogadores rápidos à frente e dificulta para os defensores. É meu caso, trato de aproveitar oportunidade e é uma posição que conheço desde que comecei, iniciei nessa posição e fiz muitos gols no Paraguai. Hoje volto a jogar nessa posição e trato de aproveitar sempre”, disse Derlis, em entrevista coletiva.

“Não me lembro de três jogos seguidos, creio que é a primeira vez com três. Fico feliz pela situação, espero que esse Santos siga e que não seja só o início, mas que termine assim. Se continuarmos assim, Santos terá muitas coisas boas nesse ano”, completou.

Depois de se desentender com a diretoria por conta de atraso no direito de imagem, Derlis foi convencido a ficar por Sampaoli e é peça-chave no início do trabalho do argentino.


Santos 0 x 1 Bragantino

Data: 22/01/2017, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.508 pagantes
Renda: R$ 223.615,00
Árbitro: Salim Fende Chavez
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Bruno Salgado Rizo.
Cartões amarelos: David Braz, Alison e Jean Mota (S); Fabiano e Bruno Sávio (B).
Gol: Guilherme Mattis (36-2).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, David Braz e Romário (Eduardo Sasha); Alison, Renato (Jean Mota) e Vecchio; Arthur Gomes (Rodrygo), Copete e Rodrigão.
Técnico: Jair Ventura

BRAGANTINO
Alex Alves, Ewerton (Diego Macedo), Lázaro, Guilherme e Fabiano; Adenilson, Evandro e Vitinho; Léo Jaime (Bruno Sávio), Gerley (William) e Matheus Peixoto.
Técnico: Marcelo Veiga



Santos perde pênalti, tem gol mal anulado e é derrotado pelo Bragantino

A defesa do Bragantino venceu o ataque do Santos na noite desta segunda-feira, na Vila Belmiro. Depois de controlar a maior parte do jogo, o Peixe viu o Braga vencer com gol do zagueiro Guilherme Mattis, aos 36 minutos do segundo tempo.

O placar poderia ser diferente se não fosse a arbitragem e Rodrigão. O juiz anulou, de forma equivocada, um gol de Arthur Gomes no segundo tempo. E nos acréscimos, o centroavante desperdiçou uma cobrança de pênalti. O Peixe ainda reclamou de duas supostas penalidades, um em Copete e outro em Rodrygo no segundo tempo.

O jogo:

A boa defesa do Bragantino levou a melhor no primeiro tempo. O Santos criou algumas chances, mas teve dificuldade para infiltrar na área dos visitantes. As melhores oportunidades vieram da bola área, com jogadas de Arthur Gomes pela ponta esquerda.

Aos dois minutos, foi o Braga quem criou a primeira chance. Após bate-rebate na área, Léo Jaime chutou de perna esquerda, para fora, assustando o goleiro Vanderlei, mero espectador nos primeiros 46 minutos.

Na dobradinha com Romário, Arthur era a aposta do Peixe. O atacante levava a melhor nos dribles, mas pecada no cruzamento. Foram três consecutivos direto pela linha de fundo.

Aos 20 minutos, a dupla funcionou. Romário lançou Arthur Gomes em profundidade, e o garoto chutou fraco com a perna esquerda. O goleiro Alex Alves deviou para escanteio.

Na sequência, Copete deixou Victor Ferraz sozinho na ponta direita. O lateral-direito errou o cruzamento. O camisa 4 fez um primeiro tempo ruim.

Aos 25 minutos, Arthur Gomes apareceu de novo. O atacante fez lançamento longo para Rodrigão. O centroavante dominou com dificuldade e bateu fraco, de fora da área, nas mãos de Alex.

O jogo seguia com a mesma tônica: ataque do Santos contra a defesa do Bragantino. Nos minutos finais, o Peixe passou a encontrar mais espaços. Aos 34, Arthur cruzou, Rodrigão ajeitou e Copete, quase na pequena área, chutou torto de perna direita.

E aos 43 minutos, veio a melhor chance para o alvinegro. Vecchio cobrou falta na área. Rodrigão, no segundo pau, cabeceou firme para ótima defesa de Alex.

Na segunda etapa, o Santos martelou, mas esbarrou na falta de criatividade e foi surpreendido.

Aos 2 minutos do segundo tempo, Léo Jaime driblou Romário com facilidade e cruzou. Vanderlei não achou nada e a bola passou raspando a trave. Segundos depois, Rodrigão deu bom passe para Arthur Gomes marcar, mas a arbitragem anulou o gol. Posição do atacante era legal.

O Bragantino, ainda de forma defensiva, passava a assustar mais. Aos oito minutos, de novo Léo Jaime. O atacante arriscou de fora da área para Vanderlei espalmar.

Quando o placar apontava 17 de jogo, Arthur Gomes fez mais uma boa jogada. Foi à linha de fundo e cruzou rasteiro. Rodrigão, na marca do pênalti, isolou com a canhota. Três minutos depois, Copete reclamou de empurrão na área. A arbitragem nada marcou.

Jair Ventura fez alterações, promoveu as entradas de Jean Mota e Eduardo Sasha, e o Santos se lançou ao ataque. Aos 26 minutos, Jean Mota finalizou de fora da área para boa defesa de Alex.

Aos 36 minutos, veio o castigo para o Santos. Gerley acertou a trave em chute de fora da área. No rebote, Guilherme Mattis, livre, bateu de primeira para fazer o gol da vitória.

O Peixe, nervoso, não tinha forças para reagir, mas, nos acréscimos, veio a luz no fim do túnel. O árbitro, responsável por atuação questionável, marcou pênalti em Vecchio.

Rodrigão foi para a bola, lentamente, e bateu mal, no meio do gol. O goleiro Alex Alves defendeu com o pé.

Jair Ventura minimiza derrota do Santos: “Não é terra arrasada”

Jair Ventura manteve a tranquilidade após a derrota do Santos por 1 a 0 para o Bragantino na noite desta segunda-feira, na Vila Belmiro. O técnico minimizou o resultado.

“Não é a estreia que queríamos em casa. Depois de 3 a 0 na estreia fora, perder em casa é algo que não queríamos, mas é início de temporada. Ideal é a gente melhorar, mas observar que não foi terra arrasada. Tivemos controle, as melhores ações… Vou falar para a torcida que a tendência é melhorar. Agora é juntar os cacos para ir em busca da classificação, primeiro objetivo, e depois a liderança do grupo”, disse Jair, em entrevista coletiva.

Na primeira derrota do Peixe na temporada, parte da torcida já protestou com vaias após o apito final. Jair reconhece a cobrança desmedida, mas vê como comum no futebol brasileiro.

“Está cada vez mais insano, mas estamos preparados. Somos profissionais, remunerados para isso. Temos que buscar alternativas para a torcida. Estou no Santos porque tive um trabalho de um ano e meio sem essa oscilação (no Botafogo). Agora é um novo momento, trabalho, novos jogadores. Requer tempo. Temos que dar as vitórias para a torcida o quanto antes”, analisou.

Sem comentar a arbitragem polêmica na Vila Belmiro, que anulou gol legítimo de Arthur Gomes e deixou de dar um pênalti de Copete, Jair defendeu Rodrigão, que perdeu uma penalidade nos acréscimos.

“Converso com ele e com todos. Quando acaba o jogo, é hora de falar pouco. Vou ter a semana toda. Passamos uma mensagem, uma situação reservada, mas temos que conversar, botar grupo para cima. É muito fácil estar junto nas vitórias, e nas derrotas? É equilíbrio. Foi a melhor estreia entres os estaduais. E com uma derrota em casa, não somos os piores. Que haja mais vitórias que derrotas. Não vou expor falhas individuais, jogar para leões, é esporte coletivo. Vamos perder e vencer juntos”, completou.

Mesmo com a derrota, o Santos se mantém como líder do Grupo D do Campeonato Paulista, com três pontos após duas derrotas. O Peixe enfrentará a Ponte Preta na próxima quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), em Campinas.

Jair defende Renato e não descarta poupar titulares no Santos

Renato foi um dos destaques negativos do Santos na derrota por 1 a 0 para o Bragantino na noite desta segunda-feira, na Vila Belmiro. O capitão do time, porém, ganhou a defesa do técnico Jair Ventura

“Dentro da ciência, temos a individualidade biológica. Renato é privilegiado, e não é pela idade (38 anos). Há meninos atrás dele fisicamente”, afirmou Jair.

Com o desgaste de dois jogos em seis dias – Linense e Bragantino -, Jair não descarta poupar titulares no Peixe para enfrentar a Ponte Preta nesta quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Moisés Lucarelli.

“Não adianta poupar e time estar sem conjunto. É preciso ter equilíbrio, mas temos individualidades biológicas. E cada jogador responde de uma maneira. É hora de sentar com departamento de fisiologia. Se tiver algum jogador com tendências a lesões, vamos preservar. Lucas (Veríssimo) não tinha e machucou (a coxa direita). Para não perder jogador por tempo grande, é melhor poupar. Vamos sentar e estudar isso individualmente”, analisou.

Jair promove garoto da base e elogia personalidade de Arthur no Santos

O técnico Jair Ventura confirmou na noite desta segunda-feira que vai promover Gabriel Calabres ao elenco profissional do Santos. O meia foi o destaque do Peixe na Copa São Paulo de Futebol Júnior – o alvinegro caiu nas quartas de final, após derrota por 4 a 0 para o Internacional, em Franca.

“Assisti à derrota para o Internacional, mas vinha assistindo a todos os jogos. Gosto muito de olhar a base. O Calabres um pedido meu para se reintegrar (ao elenco profissional). Demos tempo para descansar, mas o engraçado é que ele disse que não queria (risos). Vamos com calma. É mais do que justo trazê-lo para observamos”, disse o treinador.

Ainda falando sobre as categorias de base, Jair elogiou Arthur Gomes, promovido ao elenco profissional do Santos em 2017 e substituto de Bruno Henrique na derrota por 1 a 0 para o Bragantino na noite desta segunda-feira, na Vila Belmiro.

Na reapresentação no CT Rei Pelé após a vitória por 3 a 0 sobre o Linense, na estreia em Lins, Arthur Gomes já se posicionou no grupo titular, antes mesmo de ser confirmado por Jair na vaga de Bruno, que tem uma contusão na retina do olho direito.

“Sempre chamo um a um nos treinos. Quando olhei, ele estava do meu lado. Perguntei o que ele estava fazendo, e ele disse que estava tentando (se mostrar no time titular). Gostei da personalidade. Temos que usar os meninos, gostei da entrada do Rodrygo também, tem mostrado muito talento, é diferenciado. Temos que lançar com calma. Ele tem futuro brilhante pela frente. A personalidade, vista pelo Arthur, ajuda muito na carreira”, explicou.




Santos 5 x 0 Bragantino

Data: 27/02/2014, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.424 pagantes
Renda: R$ 56.457,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Rogerio Pablos Zanardo e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Cartões amarelos: Jubal e Rildo (S); André Astorga e Gustavo (B).
Cartão vermelho: Yago (B).
Gols: Cícero (41-1); Gabriel (01-2), Geuvânio (06-2), Geuvânio (23-2) e Leandro Damião (32-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Jubal, Neto (David Braz) e Mena (Bruno Peres); Arouca e Cícero; Gabriel, Geuvânio (Lucas Lima), Rildo e Leandro Damião.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

BRAGANTINO
Rafael Defendi; Guilherme Mattis, Yago e Alexandre; Robertinho, Gustavo, Francesco, Magno (Wagner), Leo Jaime e Cesinha (Renatinho); Tássio (André Astorga).
Técnico: Marcelo Veiga



Santos volta a apresentar bom futebol e goleia o Bragantino na Vila Belmiro

Com a vitória por 5 a 0, time retoma o posto de dono da melhor campanha do Campeonato Paulista, com 26 pontos

O Santos voltou a apresentar um bom futebol e não deu chances para o Bragantino , nesta noite chuvosa de quinta-feira, na Baixada Santista. Em partida válida pela décima primeira rodada do Campeonato Paulista, o time venceu por 5 a 0, com gols de Cícero, Gabriel, Geuvânio, duas vezes, e Leandro Damião.

Cerca de três horas antes do início da partida, um dilúvio atingiu a cidade de Santos, e a partida por pouco não foi suspensa. A drenagem do Estádio da Vila Belmiro mostrou ser de primeira linha, e o campo se mostrava em condições perfeitas para a prática do futebol. Ao entrar na Vila Belmiro, jogadores dos dois lados carregavam bandeiras brancas, em uma forma de pedir o fim da violência dentro e fora dos estádios.

Após algumas má exibições, o Santos voltou a convencer na Vila Belmiro e retomou o posto de melhor campanha do Campeonato Paulista, com 26 pontos. Já o Bragantino perdeu a sua primeira partida para os considerados “grandes”, após duas vitórias por 2 a 0, contra São Paulo e Corinthians. O time de Bragança é o segundo do Grupo D (Chave do Palmeiras), com 16 pontos, e segue firme na luta pela classificação para segunda fase.

O jogo:

O primeiro grande lance da partida aconteceu aos 10 minutos do primeiro tempo, em cobrança de falta de Cícero. O número oito santista chutou forte e obrigou o goleiro do Bragantino a espalmar para escanteio.

A tarefa do Bragantino em conquistar um bom resultado ficou complicada, quando o zagueiro Yago foi expulso, após o segundo cartão amarelo, em falta em cima de Cicinho. Tentando arrumar o time, o treinador Marcelo Veiga tirou o atacante Tássio e colocou o zagueiro André Astorga, porém a superiodade do Santos só aumentou.

Aos 26 minutos, o Santos quase inaugurou o placar. Damião e Cícero bombardearam o goleiro do Braga, com duas finalizações seguidas. A primeira, depois de um cruzamento na área, a bola sobrou para Damião, porém a zaga travou o chute, mas a bola ficou limpa para Cícero, que tentou de voleio e obrigou Defendi a fazer a terceira grande defesa na partida.

O Bragantino descontou no ataque seguinte. Na verdade, nos pés de Léo Jaime o time de Bragança teve a sua única grande chance na partida. O meia dominou na entrada da área e soltou a bomba cruzada. A Bola quase entrou no ângulo do goleiro Aranha. Aos 31 minutos, Damião recebeu cruzamento de Mena e e livre na pequena área, encheu o pé e a bola acabou explodindo no travessão.

Após muito pressionar, o Santos abriu o marcador aos 41 minutos do primeiro tempo, através de Cícero em chute longo de fora da área. O meio-campista dominou a bola e soltou uma bomba rasteira no canto do goleiro Rafael Defendi, que mesmo se esticando todo, não conseguiu alcançar a redonda.

No segundo tempo, logo no primeiro minuto, a surpresa do treinador, Oswaldo de Oliveira, o atacante Rildo avançou pela esquerda e cruzou na medida para Gabriel, outra novidade e atuando mais como meio-campista, completar com classe para o gol do Bragantino. O Peixe fazia 2 a 0 na partida.

Aos seis minutos, o Santos ampliou o marcador. Geuvânio tocou para Cicinho e recebeu de volta livre na área, e com muita classe bateu para o gol, deixando sua marca na Vila Belmiro. Aos 21, o atacante marcou o seu segundo gol na partida, após nova troca de passes da equipe alvinegra praiana. O número do Peixe, mais uma vez foi um dos destaques da partida.

Aos 32 minutos, virou goleada. O estreante da noite, Lucas Lima, fez sua primeira assistência com a camisa do Santos. Em jogada na linha de fundo, o meia cruzou na pequena área, e Damião se antecipou à zaga para fazer de carrinho. Na comemoração, o tradicional bigode grosso.

Bastidores – Santos TV:

Artilheiro, Geuvânio comemora renovação com beijo no escudo

Atacante se iguala a Gabriel e Cícero como goleador do Santos no Paulistão e diz que renovação de seu vínculo, agora válido até 2017, o deixou mais tranquilo

O atacante Geuvânio marcou duas vezes na vitória do Santos sobre o Bragantino por 5 a 0, na Vila Belmiro, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. Após a partida, o jogador celebrou a fase goleadora – ele é o artilheiro do time na competição com cinco gols, ao lado de Cícero e Gabriel – e a renovação de seu contrato com o Peixe, agora válido até dezembro de 2017.

Vale ressaltar que, ao ser substituído por Lucas Lima aos 26 do segundo tempo, quando o jogo já estava 4 a 0, Geuvânio foi aplaudido pelos pouco mais de 3 mil torcedores na Vila e retribuiu o carinho com beijos no escudo do Santos na camisa.

– O melhor mesmo é a equipe sair vencedora. Estou muito feliz. O contrato renovado deu ainda mais tranquilidade – comemorou Geuvânio, elogiando a aposta do técnico Oswaldo de Oliveira em uma formação ofensiva, com três atacantes e o apoio de Gabriel e Cícero.

– A gente ficou bem ofensivo, com um ataque forte. Deu certo. O professor (Oswaldo) mexeu certinho e está de parabéns – destacou.

Oswaldo, por sua vez, aprovou o desempenho de Geuvânio, revelando que o jogador não andava satisfeito com as próprias atuações.

– O Geuvânio é um garoto muito sensível. Ele estava um pouco chateado com as últimas atuações dele. Ele não me disse, mas eu percebi. Fiquei muito feliz que tenha restabelecido alegria dos primeiros jogos. Dei um abraço de irmão mais velho – comentou.