Navegando Posts marcados como Brinco de Ouro

Guarani 0 x 1 Santos

Data: 02/10/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 34ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas, SP.
Público: 6.134
Renda: R$ 66.633,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP).
Cartões amarelos: Jean e Aílton (G), André Luís e Bóvio (S).
Gol: Deivid (17-2).

GUARANI
Jean; Simão (Catatau), Carlinhos, Thiago e Patrick; Careca (Marcos Paulo), Roberto, Harison e Aílton (William); Sandro Hiroshi e Valdeir.
Técnico: Agnaldo Liz

SANTOS
Mauro; Paulo César, Ávalos, André Luís e Léo; Fabinho, Bóvio (Basílio), Ricardinho e Elano (Luis Augusto); Robinho (Domingos) e Deivid.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos bate lanterna Guarani, mas continua atrás do líder Atlético-PR

O poderoso ataque do Santos bateu o lanterna Guarani por um magro 1 a 0, neste sábado, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas, mas continua atrás do líder Atlético-PR, que goleou o Atlético-MG por 5 a 0, em Curitiba.

Com o resultado positivo, o vice-líder Santos tem 64 pontos –três a menos do que os paranaenses. Os rivais tem o mesmo número de vitórias (20).

O Guarani, que não vence há quatro rodadas, continua com 31, em último lugar na competição.

Desde que perdeu a liderança na última rodada, ao ser derrotado pelo Internacional por 2 a 1, em Porto Alegre, o Santos persegue o Atlético-PR na briga pelo título do Nacional.

Naquela oportunidade, os paranaenses bateram o Vitória por 3 a 2, fora de casa, assumindo o topo do torneio, posição mantida após 34 rodadas.

Neste sábado, o Santos, dono do melhor ataque do torneio (77), teve muitas dificuldades para superar o pior ataque da competição (27). Para marcar, os santistas precisaram contar com um gol polêmico, mas legal, anotado por Deivid.

O atacante santista fez o gol da vitória aos 17min do segundo tempo. Basílio cruzou da esquerda, Deivid cabeceou, o goleiro Jean espalmou e a bola bateu na trave e entrou. Jean ainda tentou evitar, mas a bola ultrapassou a linha.

O fator sorte esteve do lado do Santos quando aos 38min do primeiro tempo Aílton desperdiçou uma cobrança de pênalti, anotado erroneamente pelo árbitro Paulo César de Oliveira –o zagueiro Paulo César derrubou Harison fora da área.

Antes, aos 11min da etapa inicial, Elano acertou a trave de Jean.

O Santos atuou desfalcado do volante Preto Casagrande e o Guarani não teve o atacante Viola, artilheiro da equipe do Nacional (nove gols), suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Guarani 0 x 3 Santos

Data: 07/03/2004
Competição: Campeonato Paulista – Primeira Fase – Grupo B – 9ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, SP.
Público: 7.813 pagantes.
Renda: R$ 100.450,00.
Árbitro: Paulo José Danelon (SP).
Cartões amarelos: Carlinhos (G), Claiton, Elano (S).
Gols: Elano (20-1); Róbson (06-2) e Róbson (16-2).

GUARANI
Jean; Marlon, Paulo André, Carlinhos, Patrick; Alex, Roberto, Reinaldo (Ludemar), Loscri; Viola (Liberman) e Roncatto (Ricardo Lobo).]
Técnico: Joel Santana.

SANTOS
Mauro; Paulo César, Alex, Pereira, Léo; Claiton (Paulo Almeida), Renato (Lopes), Elano (Preto Casagrande), Diego; Basílio e Róbson.
Técnico: Emerson Leão.



Santos vence o Guarani e garante vaga na próxima fase do Paulista

O Santos venceu o Guarani por 3 a 0, neste domingo, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas, em jogo válido pelo Grupo 2, e garantiu, com uma rodada de antecedência, vaga para as quartas-de-final do Paulista-2004.

Com o resultado, o time de Emerson Leão atingiu os 20 pontos e retomou a vice-liderança da chave, dois pontos atrás do Paulista, que perdeu na rodada para o São Caetano por 5 a 1, no ABC.

Com o tropeço do líder, o Santos pode terminar em primeiro lugar do Grupo 2 caso ganhe do Ituano, no estádio da Vila Belmiro, no próximo domingo, na última rodada. O Paulista já encerrou sua participação.

O time da Baixada abriu o placar aos 20min do primeiro tempo. Elano cobrou escanteio e a bola desviou no atacante Viola. O juiz Paulo José Danelon assinalou o gol para meio-campista santista.

O Guarani, que entrou em campo já sem chances de obter uma vaga para a próxima fase, criou boas oportunidades na etapa inicial, mas parou no goleiro santista. O time campineiro chegou a acertar uma bola na trave.

Os comandados de Leão ampliaram o placar aos 8min do segundo tempo. O atacante Basílio recebeu lançamento na área e chutou cruzado. O goleiro do Guarani defendeu parcialmente e, no rebote, Róbson marcou.

O Santos definiu o placar oito minutos depois, novamente com Róbson. Após cobrança de escanteio de Diego pela esquerda, o atacante subiu mais alto que a defesa e desviou de cabeça, fazendo 3 a 0.



Créditos:
Ficha técnica: Fernando Ribeiro

Guarani 1 x 2 Santos

Data: 07/06/2003, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas, SP.
Público: 17.591
Renda: R$ 197.929,00
Árbitro: Cleber Wellington Abade (SP)
Auxiliares: Carlos Donizetti Pianosqui (SP) e Nilson de Souza Monção (SP).
Cartões amarelos: Simão (G); Pereira e Paulo Almeida (S).
Cartão vermelho: Emerson (G)
Gols: Wagner (31-1); Douglas (30-2) e Elano (32-2).

GUARANI
Jean; Paulão, Bruno Quadros e Juninho; Simão, Emerson, Reinaldo (Esquerdinha), Marquinhos (Rinaldo) e Alex; Wagner e Rodrigão (Leandro Guerreiro)
Técnico: Pepe

SANTOS
Fábio Costa; André Luís, Pereira e Preto (Reginaldo Araújo); Elano, Paulo Almeida (Rubens Cardoso), Renato, Diego e Léo; Robinho (Douglas) e Nenê
Técnico: Emerson Leão



Santos vira e vence o Guarani em Campinas

Com muito sofrimento e sem apresentar um grande futebol no primeiro tempo, o Santos virou para cima do Guarani e venceu o adversário por 2 a 1, na tarde deste sábado, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O resultado deixa o Santos com 24 pontos, empatado com o Cruzeiro na liderança, mas em desvantagem no saldo de gols (10 contra 15 dos mineiros). Já o Guarani, que ainda não havia perdido em Campinas no Brasileiro (eram quatro vitórias e um empate), permanece com 15 pontos ganhos e é o 11º na tabela de classificação.

Douglas, que entrou no intervalo no lugar de Robinho, marcou o milésimo gol do Santos na história do Campeonato Brasileiro. Elano, em seguida, anotou o gol de número 1001.

O técnico Emerson Leão não pôde contar com o zagueiro Alex e o meia-atacante Fabiano, ambos suspensos. Com isso, o treinador optou por escalar o Santos com três zagueiros, André Luís, Pereira e Preto, e Nenê no ataque ao lado de Robinho.

No Guarani, depois do mistério, o técnico Pepe colocou Reinaldo no meio-campo e Alex na ala-esquerda, deixando Gilson e o experiente Esquerdinha como opções no banco de reservas.

No primeiro tempo, quem levou a melhor foi o Guarani. A equipe não teve um bom começo, mas cresceu depois dos 10min e abriu o placar aos 31min, com um golaço de Wagner, que encobriu Fábio Costa em um chute de fora da área.

Já o Santos teve um bom começo, mas caiu de produção e foi abaixo da média no primeiro tempo. Na saída para os vestiários, os jogadores santistas demonstraram total descontentamento com o desempenho da equipe.

No intervalo, Leão sacou Preto e Robinho, colocando em campo Reginaldo Araújo e Douglas. Com as mudanças, a equipe santista voltou a jogar com dois zagueiros. Já o Guarani voltou a campo com a mesma formação.

Com as alterações, o Santos cresceu em campo e dominou toda a segunda etapa. Além disso, a expulsão de Emerson, aos 7min, facilitou as coisas para a equipe santista. Aos 30min, Douglas, de cabeça, marcou o gol de empate, o milésimo do Santos na história do Brasileiro. Dois minutos depois, foi a vez de Elano contar com a sorte para marcar o gol da virada.

As duas equipes voltam a campo no próximo fim de semana, para a disputa da 13ª rodada do Brasileiro. No sábado, às 16h, o Guarani enfrenta a Ponte Preta, no dérbi campineiro, no estádio Moisés Lucarelli. Já o Santos recebe o São Caetano, domingo, às 16h, na Vila Belmiro.

O jogo

O Guarani começou a partida tocando a bola, enquanto o Santos tentava mais o ataque. Aos 9min, Robinho avançou livre pela esquerda, invadiu a área e bateu cruzado. A bola passou raspando ao travessão.

Depois do susto inicial, o Guarani passou a dominar a partida e criar boas chances de gol, mas não conseguia acertar a portaria. Rodrigão, aos 12min, da entrada da área, e Wagner, aos 14min, se livrou de André Luís e bateu para fora.

A partida ganhou em velocidade a partir dos 20min, com o time de Campinas buscando mais o gol e encontrando espaços na zaga do Santos, que tinha dificuldade em conseguir sair jogando.

E foi assim que, aos 29min, o time campineiro quase abriu o placar. Depois de bobeira de Léo na saída de jogo, Wagner roubou a bola e, já dentro da área, mandou por cima.

Mas aos 31min, a equipe alviverde acertou o alvo. Wagner recebeu lançamento longo e, ainda na intermediária, observou Fábio Costa adiantado. O atacante do Guarani colocou por cobertura e marcou um golaço, abrindo o placar para o time de Campinas.

O Santos quase chegou ao empate aos 36min. Diego cobrou falta da direita, Nenê subiu livre de cabeça e tocou com violência na bola. Jean fez bela defesa e espalmou para escanteio.

O Santos voltou melhor para o segundo tempo e foi beneficiado com a expulsão de Emerson, logo aos 7min. O volante do Guarani recebeu cartão amarelo aos 5min e, dois minutos depois, fez falta por trás em Léo e acabou deixando sua equipe com 10 jogadores.

Mesmo com um jogador a mais, o Santos passou a dominar, mas encontrava dificuldades em chegar ao ataque e finalizar com perigo. Aos 8min, Douglas tentou de cabeça, mas Jean fez defesa fácil no meio do gol. Léo, aos 10min, arriscou de fora da área, mas o goleiro alviverde fez outra boa defesa.

Aos 22min, o time santista perdeu grande oportunidade de empatar. Depois de boa troca de passes, a bola chegou para Nenê, na risca da pequena área. O atacante chutou rasteiro, mas Jean operou um milagre e salvou o Guarani.

Dois minutos depois, Nenê cruzou rasteiro e Bruno Quadros tentou afastar, mas acertou as pernas de Paulão. A bola ia entrando no gol, mas o goleiro bugrino teve reflexo e fez mais uma boa defesa.

Aos 30min, o Santos chegou ao empate. Reginaldo Araújo ganhou dividida na direita e a bola sobrou para Elano, dentro da área. O meia bateu para o gol, a bola explodiu na zaga e subiu. Douglas cabeceou para o chão e colocou no canto direito, matando o goleiro Jean.

A torcida santista ainda comemorava quando o time alvinegro fez o segundo. Depois de bate-rebate, a bola sobrou para Rubens Cardoso, que cruzou rasteiro. Elano chutou para o gol e acertou o travessão. A bola voltou em cima de Elano e, com Jean caído, foi para o gol vazio.

Depois do gol, o Guarani ainda tentou o empate, mas o Santos continuava melhor em campo. Nos minutos finais, o time santista administrou bem a vantagem e garantiu importante vitória fora de casa.


Guarani 1 x 1 Santos

Data: 09/09/2001, domingo, 15h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas, SP.
Público: 7.787 pagantes
Renda: R$ 67.080,00
Árbitro: Romildo Correia (SP)
Auxiliares: Adriano Augusto Lucas (SP) e Evandro Luiz Silveira (SP)
Cartão vermelho: Fábio Costa (S, 50-1).
Gols: Marcelinho Carioca (10-2, de pênalti) e Élder (12-2).

GUARANI
Gléguer; Luciano Baiano, Marcelo Souza, Edu Dracena e Jadílson; Sangaletti (Fausto), Élder (Cléber), Henrique e Eduardo Marques (Marcinho); Fumagalli e Sinval.
Técnico: Zé Mário

SANTOS
Fábio Costa; Preto, Galván (Pitarelli) e Cléber (Pereira); Russo, Paulo Almeida, Renato, Robert e Léo; Marcelinho Carioca e Viola (Marcelo Silva).
Técnico: Serginho Chulapa (interino)



Serginho deixa o Santos após empate com Guarani

Sem obter nenhuma vitória, treinador entrega o cargo em Campinas

Em uma partida marcada pela demissão de Serginho Chulapa, pelo primeiro gol de Marcelinho em seu novo time e pelo desequilíbrio emocional do goleiro Fábio Costa, o Santos não passou ontem de um empate por um gol com o Guarani, forte candidato ao rebaixamento no Brasileiro-2001.

Insatisfeito com os resultados negativos e com as críticas que vinha recebendo, Serginho anunciou ontem sua saída do comando do time. Em quatro jogos no Brasileiro, ele obteve dois empates e duas derrotas. Cabralzinho, Oswaldo Alvarez e Emerson Leão são os nomes mais fortes para assumir o cargo.

Jogando no Brinco de Ouro, em Campinas, o Santos começou melhor, explorando as jogadas pelas laterais. Mesmo assim, o primeiro tempo foi fraco tecnicamente, com as duas equipes truncadas.

O Guarani, que estreou o técnico Zé Mário e o atacante Sinval, criou raras oportunidades.

O meia Robert se livrou facilmente da marcação de Sangaletti e tentou jogadas com o meia Marcelinho, que teve atuação melhor que na estréia contra o Flamengo.

Aos 13min do primeiro tempo, Élder chutou, e Fábio Costa defendeu. No rebote, Sinval acertou a cabeça do goleiro, que agrediu o atacante e levou cartão amarelo.

O jogo só voltou a ter um lance de perigo 11 minutos depois, com Léo, que driblou dois adversários e, num chute cruzado rasteiro, pela esquerda, quase marcou.

O Guarani chegou ao gol de Fábio Costa aos 31min, em um chute forte de Luciano Baiano pela direita. Aos 39min, Fábio Costa espalmou um chute de Jadílson.

Em lance pela esquerda, Henrique fez falta em Robert, que agrediu o adversário e recebeu cartão amarelo. Fábio Costa atravessou o campo em direção ao lance. Em seguida, dirigiu-se ao auxiliar, foi expulso e discutiu com os companheiros Pereira e Preto. Chulapa optou pela saída de Galván para a entrada do goleiro Pitarelli.

Ainda nos acréscimos do primeiro tempo, Marcelinho cobrou escanteio, a bola esbarrou na zaga do Guarani e bateu na trave.

Na segunda etapa, o Guarani não soube aproveitar a vantagem de um jogador a mais. Aos 9min, Robert lançou Marcelinho, que entrou na área e sofreu pênalti de Edu Dracena. O próprio meia cobrou e marcou o seu primeiro gol com a camisa do Santos.

Marcelinho comemorou com a torcida, com os companheiros do banco de reservas e beijou o distintivo do clube. “Foi legal porque eu estava sem jogar havia 40 dias. Dei dribles, passes e fiz gol. Deu para tirar a ansiedade”, disse Marcelinho.

O empate do Guarani aconteceu três minutos depois, com um chute forte de Élder no canto esquerdo de Pitarelli. Após os gols, as equipes criaram, mas não conseguiram ampliar o marcador.

Corinthians replica Marcelinho

O Corinthians reinicia hoje a batalha jurídica que trava com o meia-atacante Marcelinho. Hoje, o clube deve entrar no TST (Tribunal Superior do Trabalho) com pedido de agravo regimental (revisão) à decisão do corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Vantuil Abdala, que cassou a liminar que impedia Marcelinho de atuar pelo Santos.

O Corinthians havia obtido liminar na quarta-feira passada da juíza Maria Aparecida Pellegrina, da 2ª Região do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), de São Paulo, impedindo que o atleta jogasse pelo Santos.

A tendência, no entanto, segundo advogados ouvidos pela Folha, é que o TST mantenha a decisão favorável a Marcelinho.

Como ele já atuou pelo Santos, se o Corinthians obtiver sucesso com a medida no TST hoje, Marcelinho estaria impedido de atuar no Brasileiro, de acordo com a lei, que não permite que um atleta defenda mais do que um clube na mesma competição.

O embate principal, no entanto, deve ocorrer em 30 dias, quando Marcelinho entrará com medida definitiva na 74ª Vara do Trabalho de São Paulo para rescindir seu contrato com o Corinthians.

A ação se baseia em declarações do técnico Wanderley Luxemburgo, do vice de futebol Antonio Roque Citadini e de alguns jogadores de que não queriam mais trabalhar com o jogador por ser ele “mau-caráter” e “traíra”.

Marcelinho é acusado por eles de ter telefonado para jornalistas e dito que o meia Ricardinho apanhara de alguns companheiros durante a fase de preparação do time em Extrema (MG).

Outra reclamação do meia-atacante é de que ele teria tido seu direito de trabalho cerceado durante seu período de afastamento.
O clube, porém, nega que tenha impedido o jogador de trabalhar. Durante seu afastamento, Marcelinho treinou em separado no CT de Itaquera, supervisionado por membros da comissão técnica.

Confirmada ou não a decisão do TST em favor de Marcelinho, entretanto, o Corinthians terá duas saídas para tentar receber os R$ 7 milhões que reivindica pelos direitos federativos do jogador. Ou por meio de um acordo com o jogador e com o Santos, o que é muito difícil. Ou pelo contrato de imagem que Marcelinho mantém com o clube por meio da Divina Inspiração Publicidade e Produções Artísticas Ltda. e MPF Produções Comerciais.

“Quando o Marcelinho entrar com a ação na 74ª Vara, terá de mostrar o contrato de imagem dele com o Corinthians”, disse o advogado Leonardo Serafim, especialista em direito esportivo do escritório Demarest & Almeida.



Créditos:
– Vídeo indicado por Danilo Barbosa

Guarani 3 x 2 Santos

Data: 16/11/2000, quinta-feira, 21h40.
Competição: Copa João Havelange (Campeonato Brasileiro) – Módulo Azul – 1ª Fase – 23ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas, SP.
Público: 11.999 pagantes
Renda: R$ 81.275,00
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (SP).
Gols: Marcinho (31-1) e Dodô (34-1); Marcinho (13-2), Robert (25-2) e Renato (31-2).

GUARANI
Gleguer; Edu Dracena, Gilmar Lima, Gláuber e Rafael; Otacílio, Fernando Fumagalli (André Gomes), Renato (Capitão) e Martinez; Marcinho e Jaques (Marcos Vinicius).
Técnico: Carlos Alberto Silva

SANTOS
Pitarelli; Michel (Júlio Cesar), André Luis, Claudiomiro e Leo; Anderson Luiz (Eduardo Marques), Rincón, Valdo (Renato) e Robert; Edmundo e Dodô.
Técnico: Carlos Alberto Parreira



Guarani vence em casa e elimina o Santos

Time de Campinas só precisa de um empate contra o Palmeiras, no domingo, em São Paulo, para passar à 2ª fase

O Guarani venceu o Santos por 3 a 2, em Campinas, e deu um grande passo para garantir uma das 12 vagas para a próxima fase da Copa JH.

Já o time do litoral foi eliminado da competição. Com 30 pontos, não tem mais nenhuma chance.

O Guarani chegou à 11ª colocação na tabela, com 35 pontos, e precisa de um empate contra o Palmeiras, no Parque Antarctica, no domingo, para se classificar para a próxima fase. O time do técnico Carlos Alberto Silva manteve a invencibilidade de sete jogos na Copa JH.

Nas últimas 14 partidas, o Guarani, que chegou a ocupar a última colocação na tabela, contabiliza nove vitórias, quatro empates e apenas uma derrota.

O destaque da partida de ontem foi o atacante Marcinho, do Guarani, que marcou dois dos três gols do time de Campinas.

O Santos começou a partida recuado, tentando explorar os contra-ataques. O Guarani tomou a iniciativa do jogo e tentava o gol por meio de cruzamentos.

O volante Rincón, que não deveria participar da partida por ter sido suspenso pelo FTJD (Supremo Tribunal de Justiça Desportiva), conseguiu o efeito suspensivo e participou do jogo de ontem.

O Guarani insistiu nas bolas cruzadas na área, mas não obteve sucesso. Aos 31min, o volante Otacílio roubou a bola de Rincón no meio-de-campo e lançou para Jaques. O atacante cruzou para Marcinho, que fez o primeiro gol do Guarani, de cabeça.

Dois minutos depois, o atacante Edmundo, em boa jogada individual na entrada da área do Guarani, tocou para Robert, que cruzou para a área. Dodô, também de cabeça, empatou para o Santos.

Na melhor chance do primeiro tempo, o atacante Marcinho, do Guarani, cruzou para Fumagalli. O atacante cabeceou e o goleiro Pitarelli fez boa defesa. As duas equipes voltaram para o segundo tempo sem alterações.

Aos 3min, Edmundo chutou de fora da área. A bola bateu na trave e voltou nas mãos de Gléguer.

O Guarani, como no primeiro tempo, tomava iniciativa na partida. Após algumas chances de gol, aos 13min, o atacante Marcinho foi lançado na entrada da área do Santos. Na saída do goleiro Pitarelli, o atacante tocou por cobertura, marcando seu segundo gol.

Após o gol, o Santos se abateu e não criou mais nenhuma possibilidade real no jogo. Na única chance do time santista, no segundo tempo, aos 25min, o meia Robert cobrou o escanteio, o goleiro Gléguer falhou, e a bola entrou. Com o gol olímpico, o Santos empatou a partida.

Sabendo da necessidade da vitória, o Guarani continuou no ataque. Aos 31min, Fumagalli driblou dois zagueiros na entrada da área e tocou para Renato. O meia dominou e chutou sem chances de defesa para o goleiro Pitarelli, decretando a vitória do Guarani.

Derrota piora crise financeira

Com a eliminação do Santos da Copa João Havelange, a diretoria do clube enfrentará mais dificuldades para cumprir os compromissos financeiros da equipe.

A derrota de ontem por 3 a 2 para o Guarani fará com que o Santos deixe de receber a cota do Clube dos 13 para os times que chegarem à segunda fase.

A equipe do litoral paulista também perderá a oportunidade de conseguir boas rendas nas séries eliminatórias que vão se iniciar.

A diretoria do Santos já vinha enfrentando problemas para conseguir manter os salários dos jogadores em dia.