Navegando Posts marcados como Bruno Henrique

Cruzeiro 1 x 2 Santos – 3 x 0 pênaltis

Data: 15/08/2018, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 49.513 presentes (43.464 pagantes e 6.049 não pagantes).
Renda: R$ 1.432.225,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA).
Cartões amarelos: Gustavo Henrique, Gabriel e Vladimir (S); Edilson (C).
Cartão vermelho: Vladimir (S).
Gols: Thiago Neves (09-1), Gabriel (41-1) e Bruno Henrique (38-2).
Pênaltis: Lucas Silva (gol), Bruno Henrique (defesa), Raniel (gol), Rodrygo (defesa), David (gol) e Jean Mota (defesa). Fábio fez 3 defesas.

CRUZEIRO
Fábio; Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho (Rafinha), Thiago Neves e De Arrascaeta (David); Hernán Barcos (Raniel).
Técnico: Mano Menezes

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Gustavo Henrique) e Dodô; Renato (Daniel Guedes), Diego Pituca e Artur Gomes (Jean Mota); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabriel.
Técnico: Cuca



Cruzeiro vence o Santos nos pênaltis e avança na Copa do Brasil

O Santos foi guerreiro. Ao iniciar o jogo, no Mineirão, na noite desta quarta-feira, em confronto válido pelas quartas de final da Copa do Brasil, o Peixe entrou em campo com o placar contrário. Na partida de ida, a Raposa venceu por 1 a 0. Na volta, o clube da Vila Belmiro resolveu complicar: no tempo normal conseguiu vencer por 2 a 1, de virada. Nos pênaltis, no entanto, o goleiro Fábio brilhou, defendeu todas as cobranças e o Cruzeiro classificou-se com 3 a 0.

O Cruzeiro foi superior na maior parte do jogo. Nos dois tempos, a Raposa conseguiu criar mais e ter chances para fazer gols. O Santos, porém, em alguns momentos chegava, mas ainda foi um Peixe travado, com pouca criatividade.

Precisando do resultado, o Santos entrou em campo com uma postura ofensiva. O técnico Cuca colocou sua equipe com quatro homens de frente, em busca de um gol logo no início da partida para dar tranquilidade do empate no placar agregado.

Nos primeiros minutos o técnico Cuca precisou fazer uma substituição em sua equipe. O zagueiro Luiz Felipe sentiu a coxa esquerda e precisou deixar o gramado. Gustavo Henrique foi chamado.

O Cruzeiro marcava a saída de bola do Santos. Os primeiros minutos começaram intensos e para a Raposa o resultado apareceu. Aos 12 minutos, Thiago Neves recebeu na direita, cortou para o meio e chutou rasteiro para abrir o placar.

Aos 14, o Santos teve uma grande chance. Em cruzamento na área, após falta em Rodrigo, Gustavo desviou de cabeça e levou muito perigo ao time do Cruzeiro.

O tento deixou o jogo mais lento. O Cruzeiro passou a estudar mais as jogadas e deixava o confronto amarrado. O Santos não conseguia infiltrar na defesa azul. Vale ressaltar que o time de Mano Menezes não estava fechado. A principal aposta de Cuca era Rodrygo, mas o setor ofensivo do Peixe não vivia bom momento.

Quando o primeiro tempo caminhava para o final, aos 41 minutos, o Santos conseguiu o empate na partida. Em ótimo chute de Gabriel, de fora da área, a bola pegou na bochecha da meta de Fábio.

O gol colocou o Santos novamente na partida. No placar agregado, neste momento, a partida estava em 2 a 1.

Na volta para a etapa complementar, o Cruzeiro assustou o Santos logo aos 9 minutos. Em cobrança de escanteio, a bola chegou até o zagueiro Dedé. Ele desviou de cabeça e a redonda parou na trave do goleiro Vanderlei. No rebote, a defesa conseguiu proteger a redonda e o arqueiro segurou firme.

Na medida que o tempo ia passando, o Cruzeiro mostrava quem mandava no jogo. No lance seguinte, o Cruzeiro fez uma bela jogada, uma troca de passes envolvente entre seus homens de meio campo, Robinho, Arrascaeta e Thiago Neves, finalizando com o lateral Edilson, na cara do gol, mas a zaga tirou em cima da linha.

O Santos seguia com grande dificuldade para criar seus lances no meio campo. Com isso, a bola chegava com mais dificuldade na frente. Rodrygo que não estava acostumado a jogar centralizado, praticamente como um armador, tinha dificuldades para cumprir a função.

Após os 30 minutos, o Santos passou a ficar com a bola nos pés. O Cruzeiro se fechou. O Peixe trocava passes, tentava de todos os lados. Em cruzamento da direita, a bola chegou em Bruno Henrique que mandou para o fundo das redes.

O Cruzeiro se mandou para o ataque. Aos 42, a Raposa quase conseguiu o empate. Rafinha aproveitou o rebote dentro da área e chutou e Vanderlei fez uma defesa milagrosa.

Lance polêmico ao final da partida:

Árbitro acaba a partida antes de terminar os acréscimos, quando o Santos saia em contra-ataque perigoso com atacante Gabriel do saindo sozinho na cara do goleiro Fábio do Cruzeiro. Jogadores do Santos cercam o árbitro para reclamar e o goleiro reserva Vladimir é expulso. Veja o vídeo abaixo.

Cuca destaca ‘jogo precioso’ dos ‘guerreirinhos’ do Santos em eliminação

Cuca ficou orgulhoso da vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Cruzeiro nesta quarta-feira, no Mineirão, com eliminação na sequência por meio das penalidades máximas nas quartas de final da Copa do Brasil.

O técnico destacou a entrega do time e lamentou a decisão da arbitragem nos acréscimos. O apito final ocorreu quatro segundos antes dos 50 minutos previstos, durante contra-ataque com passe de Victor Ferraz para Gabigol sair sozinho contra o goleiro Fabio. Nos pênaltis, Bruno Henrique, Rodrygo e Jean Mota perderam e a Raposa venceu por 3 a 0.

“Acho que foi um grande jogo, digno de duas equipes grandes, com muita tradição, camisa, acostumadas a ganhar competições assim. Temos que enaltecer o espírito, a postura, estratégia. É difícil jogar aqui, campo cheio, sairmos atrás, ter equilíbrio para tocar e desenhar jogadas. Buscamos empate, com paciência de definir e virar o jogo, viramos. Não quero culpar a arbitragem, acho que Rodolpho fez grande arbitragem, mas deu 49, um minuto a mais na falta para o Cruzeiro e não fechou o 50. FIFA pede tanto para deixar jogo aberto, colocar o VAR para sair mais gols e jogo acabar assim? Não foi prejuízo só do lance, mas emocional. Eu sabia que ia perder. Cruzeiro foi se preparar e meu time inteiro em cima da arbitragem, entrei para tirá-los e não estávamos com cabeça boa. Perdi assim no Maracanã, Flamengo e Botafogo com Dodô expulso e derrota nos pênaltis. Desestabilizou. Cuca não está culpando, um se preparou e outro foi reclamar. Normal”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Estou muito orgulhoso dos meninos pelo que fizeram. Temos elenco reduzido, queria muito passar, mas podemos cuidar das outras duas frentes. Viemos aqui e vencemos, são os meninos deles que precisam da ajuda no sábado contra o Sport descansado. Precisamos de apoio e compreensão”, completou.

Perguntado sobre o interesse em Vagner Love e Marcelo Moreno, antecipado pela Gazeta Esportiva, o técnico Cuca confirmou, mas preferiu enaltecer os atuais atletas.

“Estamos em busca desse nomes que você falou (Vagner Love e Marcelo Moreno), provavelmente podemos fechar um e temos outras opções. Mas quero enaltecer meu grupo, esses guerreirinhos que deram o máximo, venceram. Falar em outros jogadores seriam um crime”, concluiu.

Luiz Felipe sente músculo “abrir” e passará por exame no Santos

Com dores na coxa esquerda, Luiz Felipe foi substituído aos seis minutos da vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Cruzeiro na noite desta quarta-feira, no Mineirão, com a eliminação nos pênaltis nas quartas de final da Copa do Brasil.

O zagueiro sentiu o músculo posterior “abrir” e está preocupado. Ele será tratado e reavaliado pelo departamento médico nesta quinta-feira, de acordo com a assessoria de imprensa do clube.

Se não reunir condições, Luiz Felipe será substituído por Gustavo Henrique contra o Sport, sábado, na Vila Belmiro, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.



Abaixo a análise do ex-árbitro Sálvio Spínola, comentarista da ESPN, sobre o lance polêmico ao final da partida.




Fluminense 0 x 1 Santos

Data: 13/06/2018, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.438 presentes (6.745 pagantes)
Renda: R$ 173.580,00
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Matheus Norton e Douglas (F); Alison, Diego Pituca, Renato (S).
Gol: Bruno Henrique (40-2).

FLUMINENSE
Julio Cesar; Ibañez (Sornoza), Nathan e Luan Peres; Matheus Norton, Gilberto, Richard, Jadson (Dodi), Marlon e Douglas; Pablo Dyego (Dudu) e Pedro
Técnico: Abel Braga

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Dodô; Diego Pituca, Alison (Copete), Léo Cittadini e Jean Mota (Renato); Bruno Henrique e Gabigol (Vitor Bueno)
Técnico: Jair Ventura



Sem Rodrygo, B. Henrique salva o Santos em retorno ao time titular

Enquanto dirigentes se reuniam para tratar sobre a venda de Rodrygo, o Santos tentava, em campo, vencer o Fluminense no Maracanã para ao menos amenizar a crise instaurada no clube. O problema é que sem a jovem promessa, o que já estava difícil ficou ainda mais complicado. O pragmatismo e a falta de criatividade voltaram a assolar o Santos no último compromisso antes da pausa para a Copa do Mundo.

Mas se por um lado o Peixe está prestes a perder umas de suas promessas e o desempenho do time está longe de honrar seu dito DNA, a partida dessa quarta-feira serviu para resgatar uma das grandes apostas do elenco santista: Bruno Henrique. Enfim, o atacante voltou a iniciar um jogo como titular depois de sofrer com duas lesões sérias, e foi justamente dele o gol da vitória por 1 a 0, marcado já aos 40 minutos do segundo tempo. Jair Ventura, que nem assim deixa de correr risco de demissão, extravasou à beira do campo, Bruno Henrique chorou, e a noite, que parecia desastrosa, terminou com sentimento de alívio.

A situação ficou feia mesmo foi para Abel Braga, outro que está na berlinda e teve de ouvir vaias e xingamentos após o apito final. Apesar do tricolor não ter podido contar com uma Gilberto, Ayrton Lucas, Léo, Gum, Renato Chaves, Marcos Junior e Matheus Alessandro, a tolerância com a má fase parece ter se esgotado diante da quarta derrota seguida, o quinto jogo consecutivo sem sair de campo com uma vitória.

A situação na tabela do Campeonato Brasileiro ainda é um pouco pior para os paulistas depois de 12 rodadas – o Santos tem um jogo a menos, a fazer com o Vasco –. O resultado levou o Santos aos 13 pontos, na provisória 15ª colocação, e ao menos livrou o clube do risco de passar todo o período de Copa do Mundo na zona de rebaixamento. Em 11º, também enquanto a rodada não termina, com 14 pontos, o Flu não vive situação mais cômoda, na prática.

No dia 19 de julho, os dois times voltam a campo para retomar a competição por pontos corridos. O Peixe, logo de cara, terá o clássico com o Palmeiras, no Pacaembu. Em São Januário, o Fluminense também fará clássico regional com o Vasco.

Bastidores – Santos TV:

Jair exalta Bruno Henrique, diz viver “loucura” e comemora pausa

A vitória do Santos em cima do Fluminense nessa quarta-feira esteve longe de mostrar uma nova cara do Peixe, ou de agradar com um desempenho vistoso. Mesmo assim, os três pontos, quer queira quer não, aliviam um pouco da pressão em cima da equipe e, principalmente sobre o técnico Jair Ventura, que no Maracanã voltou a falar sobre a situação de pressão que tem vivido no comando do Alvinegro Praiano.

“É a situação de todos os treinadores do Brasil. Eu me preparei bastante para isso. Tento fazer o mesmo e ser a mesma pessoa sempre. A minha permanência não depende de mim. Não vou pedir demissão. Sigo fazendo o meu melhor. Quando a bola entra, as coisas aliviam um pouco para a vida do treinador”, comentou o carioca, dono do retrospecto de 14 vitórias, 14 derrotas e sete empates.

“Um marco nosso foi a goleada contra o Vitória (goleada por 5 a 2). Fizemos um grande jogo, mas não conseguimos vencer o Corinthians. Aí perdemos em casa e hoje a gente retoma. Torcedor é paixão. Quando não vence, querem te matar, mas quando vence e joga bem, vem para o seu lado. Vida de treinador é essa loucura, sempre pressionado”, completou.

Nessa quarta, o herói do jogo para os santistas foi Bruno Henrique, atacante que não iniciava uma partida como titular ou ficava em campo por 90 minutos desde dezembro do ano passado por causa de duas lesões, uma no olho e outra na coxa esquerda.

“Um jogo bem equilibrado. Acho que o Santos teve as melhores chances. Aquela cabeçada do Bruno… Depois de tudo o que passamos contra o Corinthians, de jogar melhor e criar as melhores chances na casa do adversário, e a bola não entra, volta aquele filme. Falei para ele que a gente não poderia se abater. E acabou fazendo um lindo gol. É o primeiro jogo do ano dele (como titular). É um cara que eu falo desde que cheguei aqui, de quanto o Santos cresceria com ele. Ainda não está na melhor forma, mas foi importantíssimo”, comemorou.

Os elogios se estenderam ao grupo, já que mesmo sem tempo para treinar, Jair Ventura posicionou seu time em um novo sistema tático, no 4-2-2, diferente do que seus jogadores estão acostumados, muito em função dos desfalques de Rodrygo, Yuri Alberto, Sasha e Arthur gomes.

“Foi (mudança) tática. Perdemos quatro atacantes para esse jogo. Tive de fazer uma mudança tática. Tivemos de mudar por ordem de tudo que aconteceu. Mostra a força do grupo. Mesmo com tantas perdas, tivemos as melhores chances. Importante conseguir jogar no campo do adversário. Vitória estava batendo na trave algumas vezes e agora primeira vitória jogando fora”.

Agora, o Santos terá toda a intertemporada pela frente. Com a realização da Copa do Mundo, o elenco alvinegro ganhará dez dias de folga antes de voltar aos trabalhos, de olho no segundo semestre, que começará, na prática, dia 19 de julho, contra o Palmeiras, no Pacaembu, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para Jair, a pausa vem em boa hora.

“Positivo (parada), porque tivemos 12 jogos sem pausa. Praticamente não treina. Fiz mudança hoje sem treinar, essa é a verdade… Nossos melhores resultados foram com a semana cheia. Mas sabemos que não é só o Santos. Só vejo como benéfico (o tempo sem jogos). Muitos desfalques por conta dessa loucura do calendário e pela intensidade que se tornaram os jogos. A importância dessa paralisação é voltar com mais energia. Agora, vem os grandes jogos, os grandes momentos… Eliminatórias da Libertadores, e esperamos conseguir os objetivos”, concluiu.

Bruno Henrique se emociona com gol e comenta drama pessoal

Assim que soou o apito final no Maracanã, Bruno Henrique se entregou à emoção. E não é para menos. O herói do Santos nessa quarta-feira viveu uma noite especial na partida contra o Fluminense, a última antes da pausa para a Copa do Mundo, e ficou até meio perdido, sem saber ao certo o que fazer no gramado carioca com uma clara alegria que transbordava do seu interior.

“Todos sabem o que aconteceu, minha lesão, que me deixou afastado bastante tempo. Sempre fiquei falando: ‘Será que vou conseguir jogar?’ E os médicos que me trataram me incentivaram muito”, comentou, ao Sportv, para em seguida citar o momento de irritação pessoal pelo gol perdido minutos antes de balançar as redes.

“Hoje fui glorificado. O Gabriel falou ‘vai aparecer mais’ depois que perdi o gol. Na outra, tive calma e consegui mandar entre as pernas do goleiro. Dedico o gol à minha mulher, Gisele, e ao meu filho que vai nascer, Lorenzo”, concluiu.

Desde sua estreia na temporada, dia 17 de janeiro, Bruno Henrique não iniciava um jogo como titular do Peixe. Naquele fatídico dia, em Lins, com apenas oito minutos de bola rolando, o atleta de 27 anos sofreu cinco lesões na retina de seu olho esquerdo por causa de uma bolada.

Cirurgia, tratamento no exterior, receio de ser obrigado a deixar o futebol e, enfim, pouco mais de três meses depois, Bruno Henrique voltou a vestir a camisa alvinegra. Entrou no segundo tempo contra o Bahia, na Fonte Nova. Substituiu Rodrygo, ficou cerca de 20 minutos em campo e acabou sofrendo uma lesão no músculo posterior da coxa esquerda.

Lá se foram mais 36 dias afastado, no departamento médico. Aos poucos, Jair Ventura foi colocando Bruno Henrique no ritmo de seus companheiros. Até que nessa quarta, o treinador não só bancou a titularidade do camisa 27, como o deixou na partida até o fim, o que não acontecia desde 3 de dezembro do ano passado, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

A recompensa de Jair, a alegria de Bruno Henrique e o alívio para os torcedores santistas foram concretizados com o gol salvador marcado aos 40 minutos da etapa final. O tento livra o Peixe do risco de passar o período de Copa do Mundo da zona de rebaixamento e enche de esperança um dos principais jogadores do elenco alvinegro para o restante da temporada.

Diego Pituca e Alison vão desfalcar o Santos contra o Palmeiras

O Santos terá 35 dias para se preparar para a sequência da temporada por causa da pausa para a disputa da Copa do Mundo da Rússia. Mas, é bom o time ficar esperto, pois o primeiro desafio na retomada do Campeonato Brasileiro será logo contra o Palmeiras, no Pacaembu, dia 19 de julho.

Jair Ventura, se estiver no cargo até lá, já sabe que terá problemas para escalar sua equipe, pois nessa quarta-feira, durante a vitória em cima do Fluminense, Diego Pituca e Alison receberam cartões amarelos. Como estavam pendurados, ambos são desfalques certos no clássico.

Ex-jogador do Botafogo-SP, Pituca foi integrado ao time principal do Peixe depois de chamar atenção no Santos B. Desde a goleada em cima do Vitória, o volante vinha sendo titular absoluto.

Já Alison voltou ao time nessa quarta-feira ao se recuperar de um entorse no joelho direito, sofrido no clássico com o São Paulo, dia 20 de maio. Dessa forma, a dupla só fica à disposição para o confronto com a Chapecoense, fora de casa, dia 22 de julho.



Flamengo 1 x 2 Santos

Data: 26/11/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada (penúltima)
Local: Estádio Luso-Brasileiro, a Ilha do Urubu, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 15.456 presentes (13.798 pagantes)
Renda: R$ 288.083,00
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC/FIFA) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Diego e Felipe Vizeu (F); Jean Mota e Alison (S).
Gols: Lucas Paquetá (06-1), Bruno Henrique (10-1) e Arthur Gomes (28-2).

FLAMENGO
Alex Muralha; Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Renê; Willian Arão (Vinícius Júnior), Gustavo Cuéllar e Diego (Geuvânio); Everton Ribeiro, Lucas Paquetá e Felipe Vizeu (Lincoln).
Técnico: Reinaldo Rueda

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Fabián Noguera e Jean Mota; Alison, Renato e Vecchio (Kayke); Bruno Henrique (Matheus Jesus), Copete (Arthur Gomes) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Elano Blumer



Santos bate Flamengo e se garante na fase de grupos da Libertadores

O Santos garantiu presença na fase de grupo da Copa Libertadores 2018 durante a noite deste domingo. Na Ilha do Urubu, o time alvinegro começou em desvantagem diante do Flamengo, mas conseguiu no segundo tempo a virada por 2 a 1, resultado que assegura a classificação.

Com 62 pontos ganhos, o Santos dorme na terceira colocação do Campeonato Brasileiro, enquanto o Flamengo, com os mesmos 53 pontos, permanece no sexto lugar. A posição dos dois times pode ser influenciada pelo jogo entre Palmeiras (60) e Botafogo (52), que duelam às 20 horas (de Brasília) de segunda-feira, no Palestra Itália.

Pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos volta a campo para enfrentar o Avaí, time que ainda luta para evitar o rebaixamento. Já o Flamengo pega o também ameaçado Vitória, no Estádio Barradão. Todos os jogos serão disputados às 17 horas de domingo.

Antes de pensar no Brasileiro, o Flamengo tenta garantir vaga na decisão da Copa Sul-Americana. Às 22h15 da próxima quinta-feira, na Colômbia, o time rubro-negro encara o Junior Barranquilla precisando de um empate para avançar à final do torneio continental.

O jogo

Em um começo de jogo movimentado na Ilha do Urubu, o Flamengo saiu na gente logo aos seis minutos do primeiro tempo. Após escanteio pela esquerda, o zagueiro Rafael Vaz cabeceou, Victor Ferraz não conseguiu afastar e a bola sobrou para cabeçada certeira de Lucas Paquetá.

O Santos não sentiu o gol e conseguiu empatar quatro minutos depois, com a colaboração de Alex Muralha. O goleiro falhou na tentativa de driblar Ricardo Oliveira e perdeu a bola. O centroavante, então, tocou para Bruno Henrique completar com o gol vazio.

O time visitante marcou o gol da virada aos 28 minutos da etapa complementar, em nova falha de Alex Muralha. Colocado pelo técnico Elano no lugar de Copete, Arthur Gomes limpou a marcação pela esquerda e bateu para outro vacilo do goleiro adversário.

O Flamengo pressionou e buscou o empate nos minutos finais da partida, especialmente com o jovem Vinícius Júnior, posicionado na ponta esquerda. No entanto, o Santos soube como se defender na Ilha do Urubu e garantiu o triunfo para avançar à fase de grupos da Copa Libertadores 2018.

Bastidores – Santos TV:

Elano fala em “noite memorável” e valoriza vaga na Copa Libertadores

Encarregado de comandar o Santos após a saída do técnico Levir Culpi, Elano conduziu o time a uma vaga antecipada na fase de grupo da Copa Libertadores 2018. Satisfeito, o interino valorizou o feito após a vitória por 2 a 1 sobre o Flamengo, alcançada na noite deste domingo, na Ilha do Urubu.

Com 62 pontos ganhos, o Santos dorme na terceira colocação do Campeonato Brasileiro e ainda pode ser ultrapassado pelo Palmeiras, que tem 60 e ainda enfrenta o Botafogo na noite desta segunda-feira, no Palestra Itália. De qualquer maneira, o time praiano terminará, na pior das hipóteses, no quarto posto.

“É uma noite muito memorável. Estou vivendo uma experiência que não é simples. Enfrentar uma equipe da grandeza do Flamengo… Estive aqui e sei o que significa. É um clube fantástico e dirigido por pessoas capacitadas. Poder vir aqui, fazer um grande jogo e vencer é memorável”, declarou Elano.

O Flamengo chegou a sair na frente com um gol marcado por Lucas Paquetá, mas Bruno Henrique empatou para o Santos ainda no primeiro tempo. Na etapa complementar, colocado por Elano no lugar de Copete, Arthur Gomes marcou o gol da vitória.

“Estou muito feliz, porque é uma noite em que vou conseguir dormir muito melhor. É especialíssima para mim. Agradeço aos atletas e à diretoria pela confiança, mas o mais importante nesse momento é que o objetivo de Libertadores foi alcançado”, declarou Elano, evitando comentar o desempenho do vulnerável Alex Muralha.

“O Ricardo Oliveira foi muito bem, muito rápido. Acho que é mérito dos nossos atletas, que fizeram o que treinamos. Foi tudo muito bem executado e eles estão parabéns por uma noite memorável. Estamos na Libertadores, classificados à fase de grupos”, reiterou o interino.


Bahia 3 x 1 Santos

Data: 16/11/2017, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 23.185 presentes (22.896 pagantes)
Renda: R$ 478.586,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC/FIFA)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP/FIFA).
Cartões amarelos: Renê Júnior, Tiago e Éder (B); Jean Mota e Lucas Lima (S).
Gols: Bruno Henrique (16-1), Mendoza (22-1, de pênalti), Alison (09-2, contra), Edigar Junio (33-2, de pênalti).

BAHIA
Jean; Eduardo (Éder), Tiago, Thiago Martins e Juninho Capixaba; Renê Júnior, Juninho (Edson), Zé Rafael e Allione (Régis); Edigar Junio e Mendoza.
Técnico: Paulo César Carpegiani

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz (Luiz Felipe) e Jean Mota; Alison, Renato (Yuri Alberto) e Lucas Lima; Bruno Henrique, Arthur Gomes (Vladimir Hernández) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Elano Blumer



Santos perde de virada para o Bahia e não garante vaga direta na Liberta

O Santos não repetiu o tenebroso jogo que fez contra a Chapecoense, na última segunda-feira, na Arena Condá, mesmo assim, a equipe comandada por Elano não conseguiu administrar a vantagem após abrir o placar com Bruno Henrique e acabou levando a virada por 3 a 1 para o Bahia, nesta quinta, na Fonte Nova, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo com o revés e estacionado nos 56 pontos, o alvinegro permaneceu na quarta colocação e ficou muito próximo de garantir vaga direta na fase de grupos da Libertadores de 2018, já que o Botafogo, sexto na tabela, perdeu em casa para o Atlético-GO e ficou com 51. O tricolor baiano, por sua vez, chegou aos 49 pontos e encostou no G7 do Brasileirão.

O jogo

O jogo começou elétrico em Salvador. Jogando em casa, o Bahia começou tentando pressionar. Porém, o Santos entrou muito ligado na Fonte Nova. Apático e desorganizado contra a Chapecoense, na última segunda-feira, o Peixe mudou a postura e agrediu os donos da casa logo nos primeiros minutos.

Aos 5, Lucas Lima deu belo lançamento para Ricardo Oliveira, que bateu de primeira, mas pegou fraquinho e a bola morreu nas mãos do goleiro Jean. Depois, aos 15, Bruno Henrique soltou uma bomba de fora da área e o arqueiro baiano salvou.

Na jogada seguinte, porém, Jean não conseguiu fazer nada quando David Braz apareceu no ataque pela direita e cruzou rasteiro para Bruno Henrique só escorar e abrir o placar na Fonte Nova.

Mesmo após o tento, o Santos seguiu melhor em campo. Aos 20, Ricardo Oliveira recebeu na esquerda, entrou na área e bateu cruzado. A bola passou muito perto da trave de Jean.

Porém, quem acabou marcando em Salvador foi o Bahia. Após falta boba de Lucas Veríssimo em cima de Zé Rafael dentro da área, o árbitro Sandro Meira Ricci assinalou pênalti. Na cobrança, Mendoza deslocou Vanderlei e deixou tudo igual.

Na reta final da primeira etapa, a partida seguiu lá e cá, porém, ninguém voltou a balançar as redes e o duelo foi para o intervalo empatado em 1 a 1.

O segundo tempo começou mais lento em Salvador, com as duas equipe buscando menos o ataque. Porém, aos 9 minutos, um rápido contragolpe reacendeu a torcida do Bahia na Fonte Nova. Após cobrança de escanteio do Santos, Zé Rafael avançou em velocidade e cruzou para Mendoza. Antes do atacante pegar na bola, Alison tentou cortar e mandou contra a própria meta, matando o goleiro Vanderlei e virando o jogo para o tricolor.

Em vantagem, o time baiano recuou e o Peixe cresceu no confronto. Aos 15, Vladimir Hernández cruzou da direita, Ricardo Oliveira desviou e a bola sobrou para Bruno Henrique, que dividiu com a marcação e mandou próximo da trave de Jean.

Cinco minutos depois, Jean Mota recebeu de Ricardo Oliveira pelo lado esquerdo e bateu firme. Porém, o goleiro baiano desviou e afastou o perigo.

O Tricolor de Aço respondeu na jogada seguinte, quando Zé Rafael bateu cruzado e Vanderlei defendeu.

No decorrer da segunda etapa, o alvinegro foi diminuindo o ímpeto e acabou sendo castigado aos 33 minutos, quando Sandro Meira Ricci viu pênalti de Jean Mota em Edigar Junior. Na cobrança, o atacante do Bahia deslocou Vanderlei e decretou o 3 a 1 no placar.

Bastidores – Santos TV:

Elano releva derrota do Santos para o Bahia: “Tivemos bom volume de jogo”

Contra o Bahia, o Santos não repetiu a tenebrosa atuação do jogo contra a Chapecoense, na última segunda-feira, na Arena Condá. Mesmo assim, o Peixe acabou perdendo de virada por 3 a 1 para o Tricolor de Aço, nesta quinta-feira, na Fonte Nova, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo com o revés, o terceiro seguido na temporada, o técnico Elano acredita que a equipe se comportou bem em Salvador e não merecia voltar para casa sem os três pontos.

“Tivemos bom volume de jogo, todos se esforçaram. Levamos gol de pênalti no melhor momento. Saímos para jogar, criamos. Tem que levantar a cabeça. Foram duas ou três bolas na trave, muitas defesas. Foram dois de pênalti e um contra. Fico triste pela derrota, mas o Santos procurou a todo momento”, disse o comandante em entrevista coletiva após o confronto.

Mesmo com o revés e estacionado nos 56 pontos, o alvinegro permaneceu na quarta colocação e ficou muito próximo de garantir vaga direta na fase de grupos da Libertadores de 2018, já que o Botafogo, sexto na tabela, perdeu em casa para o Atlético-GO e ficou com 51.

Na 36ª rodada, os santistas recebem os reservas do Grêmio na Vila Belmiro, às 19h (de Brasília) do próximo domingo.

“Estamos todos chateados. Mas tem que ter tranquilidade para levantar a cabeça. Esse momento acontece. Estamos na frente do Botafogo e vamos jogar em casa. Se não pontua, os times que estão atrás se aproximam. Futebol é assim. Temos que ter coragem, levantar a cabeça, sacudir a poeira”, concluiu Elano.

Bruno Henrique evita criticar erros do Santos e diz: “Temos que trabalhar”

Bruno Henrique ficou fora contra a Chapecoense, na última segunda-feira, e o Santos fez uma partida horrível, perdendo por 2 a 0 na Arena Condá. Nesta quinta, o atacante retornou diante do Bahia e até ajudou, afinal, ele abriu o placar na Fonte Nova. Porém, o Peixe não segurou a vantagem e acabou levando a virada por 3 a 1, em confronto válido pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Na saída do gramado, o camisa 27 evitou fazer criticas ao futebol apresentado pela equipe comandada por Elano e deu a receita para voltar a vencer.

“A gente dominou o jogo e fez o gol. Fizemos bom primeiro tempo. Voltamos e levamos gol de contra-ataque. Isso desestruturou. Agora não é hora de falar de erro. Tem que trabalhar para chegar ao objetivo”, disse Bruno Henrique.

Com o revés desta quinta, o terceiro seguido, o Peixe terminou a rodada na quarta colocação, com 56 pontos, e não garantiu a vaga direta na fase de grupos da Libertadores.


Santos 1 x 0 Atlético-PR

Data: 23/09/2017, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.257 pagantes
Renda: R$ 118.835,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo e Sidmar dos Santos Meurer (ambos de MG).
Cartões amarelos: David Braz (S) e Lucho (A).
Gol: Bruno Henrique (34-1).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Alison (Matheus Jesus), Vecchio (Serginho) e Jean Mota; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

ATLÉTICO-PR
Weverton; Jonathan, Paulo André, Wanderson e Fabrício; Pavez, Lucho (Rossetto), Felipe Gedoz (Lucas Fernandes), Nikão e Sidcley (Ribamar); Guilherme.
Técnico: Fabiano Soares



Santos ‘esquece’ trauma da Libertadores e vence Atlético-PR na Vila

A melancólica eliminação do Santos na Libertadores vai demorar muito para sair da cabeça dos santistas. Neste sábado, porém, o Peixe conseguiu afastar um pouco a má impressão que deixou na derrota para o Barcelona de Guaiaquil. Estreando seu novo uniforme, o time comandado por Levir Culpi venceu o Atlético-PR por 1 a 0, na Vila Belmiro, espantou uma possível crise e manteve-se vivo na luta pelo título do Campeonato Brasileiro.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 44 pontos, ultrapassando Grêmio, com 43, e diminuindo a diferença para o líder Corinthians, que tem 53. Os dois rivais, porém, jogam neste domingo. O time paranaense, por sua vez, parou nos 34 pontos e não encostou no G6 do Brasileirão.

O jogo confirmou que o Peixe é o grande carrasco do Furacão em 2017. O Rubro-Negro foi superado dentro de casa no primeiro turno – 2 a 0 dentro da Arena da Baixada. De quebra, os paranaenses foram eliminados nas oitavas da Libertadores com duas derrotas – 3 a 2 na Vila Capanema e 1 a 0 no litoral paulista.

O jogo:

Assim como aconteceu contra o Barcelona de Guaiaquil, na última quarta, o Santos optou por deixar a bola no pé do Atlético-PR no início do jogo. Porém, a equipe paranaense não conseguiu assustar e quem chegou primeiro foi o Peixe. Aos 16 minutos, Bruno Henrique chutou de fora da área e Weverton salvou.

Já aos 23, foi a vez de Copete lançar para Ricardo Oliveira, que finalizou de primeira, mas mandou por cima.

A resposta do Furacão veio dois minutos depois, quando Gedoz driblou Alison com facilidade e soltou uma bomba de longe. Porém, Vanderlei foi firme na bola e defendeu. Aos 33, a cena se repetiu. O atleticano passou tranquilamente pelo volante santista, mas acabou chutando para fora.

O Peixe avançou no lance seguinte e foi fatal. Após bomba de Jean Mota manda de fora da área, Weverton espalmou, mas soltou nos pés de Bruno Henrique, que só empurrou para abrir o placar na Vila Belmiro.

Em desvantagem, o Atlético-PR se lançou ao ataque antes do intervalo, mas parou em Vanderlei, que fez linda defesa após voleio de Nikão e manteve o 1 a 0 no primeiro tempo.

Mesmo com a vitória parcial, o Peixe voltou melhor que o Furacão para o segundo tempo. Logo aos 3 minutos, Bruno Henrique entortou a marcação na entrada da área, mas acabou mandando por cima do gol de Weverton.

A equipe comandada por Fabiano Soares, por sua vez, não conseguia assustar a meta defendida por Vanderlei. Em compensação, o Santos perdeu boas oportunidades aos 14 minutos. Na primeira, Daniel Guedes fez belo cruzamento para Copete, que bateu de ombro e mandou pra fora. Na sequência, o próprio colombiano aproveitou erro do Furacão bateu colocado da entrada da área, obrigando Weverton a fazer boa defesa.

O Atlético-PR ‘acordou’ aos 24, quando Fabrício bateu firme pelo lado e a bola chegou a tocar na trave de Vanderlei. Dois minutos depois, Nikão cortou o goleiro santista e tocou para Ribamar dentro da área. O atacante bateu para o gol, mas David Braz cortou em cima e salvou o Peixe.

Na reta final do confronto, o Furacão se lançou ao ataque, mas abriu um buraco em sua defesa, proporcionando bons contra-ataques ao Santos e deixando a partida aberta. Porém, ninguém balançou as redes e a partida terminou mesmo com o triunfo santista.

Levir comemora ‘recuperação psicológica’ do Santos após eliminação

Ser eliminado de uma Libertadores nunca é fácil. Porém, o Santos caiu no torneio continental após perder dentro de sua própria casa, o que traumatizou ainda mais o elenco e a torcida. Mesmo assim, os santistas precisam erguer a cabeça rapidamente para enfrentarem o Atlético-PR, neste sábado, na Vila Belmiro, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.

E apesar de toda a pressão depois da queda na Libertadores, o Peixe conseguiu bater o Furacão por 1 a 0 e segue sonhando com a conquista do Brasileirão. Para o técnico Levir Culpi, porém, a recuperação da confiança foi até mais importante do que o triunfo em si.

“O tamanho da decepção do jogo passado, transportado para essa noite, dava pra imaginar um resultado negativo contra o Atlético. É uma carga pesada. E tivemos apenas três dias de preparo para jogar contra um time de grande porte. Quero dedicar a vitória a todos os jogadores. Nós ficamos decepcionados, mas do lado de fora. Eles ficam do lado de dentro e têm que se recuperar. Então eu dedico aos jogadores que participaram da partida e aos torcedores que vieram torcer pelo Santos. Eu acho que depois de uma derrota, nós devíamos encher o estádio. Colocar o estádio para cima. O maior valor foi a recuperação psicológica. O poder de fogo deles foi impressionante, eu gostei muito de ver”, disse Levir em entrevista coletiva após a partida deste sábado.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 44 pontos, ultrapassando Grêmio, com 43, e diminuindo a diferença para o líder Corinthians, que tem 53. Os dois rivais, porém, jogam neste domingo. Na próxima rodada, o Peixe visita o Palmeiras, no sábado que vem, às 19h (de Brasília), em São Paulo.

“O próximo adversário é simplesmente o Palmeiras. Imagine se tivéssemos perdido hoje. A repercussão que seria. Por isso eu quero agradecer as pessoas que vieram torcer por nós. Eles (Atlético-PR) tiveram uma semana, enquanto nós três dias. Eu penso que podemos fazer um bom jogo pelo Palmeiras também. Nós traçamos uma meta. Faltam 13 jogos. Nós tivemos 16 jogos sem perder. Nós queremos completar a temporada sem perder. Passou. Você desliga o fator “Libertadores” e liga outro. Só nos restou o Brasileiro. A parte psicológica é envolver todos nessa situação e é a parte mais difícil do futebol”, concluiu Levir.

Guilherme crê que Santos mereceu a vitória e lamenta erros de passe

O atacante Guilherme lamentou a derrota sofrida para o Santos na noite deste sábado, por 1 a 0, entretanto, não crê que o Atlético-PR tenha tido uma má atuação coletiva. Na visão do jogador que pertence ao Corinthians, o time acabou pecando nos detalhes e relembrou o bom desempenho recente para garantir que o Furacão seguirá firme na briga por uma vaga na Libertadores do próximo ano.

“A gente tem feito um final de primeiro turno e início de segundo muito bom. Nosso intuito aqui era vencer. Por uma questão de detalhe tomamos um gol, talvez faltou a gente ser mais incisivo ali no ataque, ser mais forte no último lance. É um resultado que o Santos mereceu, tiveram até mais chances no final. Agora é seguir o trabalho, porque ainda temos a meta de alcançar o G6”, disse Guilherme ao Premiere após a partida.

O atacante também negou que o gol do Santos já na reta final do primeiro tempo tenha abalado a equipe, que foi para o intervalo em desvantagem. Ainda assim, Guilherme admitiu que os erros protagonizados pelos jogadores do Atlético-PR na etapa complementar não podem se repetir.

“A gente continuou conseguindo jogar, quando iniciou o segundo tempo tivemos um número grande de erros de passe até estabilizar novamente. É algo que não dá para explicar, vai do jogo, de cada um. Um erra, o outro acaba errando também, vira uma bola de neve. Aí no início do segundo tempo demorou para a gente reequilibrar o jogo, talvez tenha demorado para encontrarmos o jogo novamente, aí já era tarde”, completou.

Após prejuízo de R$ 30 mil na Vila, Santos leva duelo com Vitória para o Pacaembu (Em 27/09/2017)

Apenas alguns dias após registrar o seu menor público no Campeonato Brasileiro, o Santos decidiu tirar o seu próximo jogo como mandante na Vila Belmiro. A CBF anunciou que o clube optou por levar o duelo com o Vitória, pela 28ª rodada e agendado para 16 de outubro, para o estádio do Pacaembu.

Ainda de ressaca pela eliminação nas quartas de final da Copa Libertadores para o Barcelona de Guayaquil, o Santos voltou a campo no último sábado para encarar o Atlético Paranaense. O time venceu o compromisso por 1 a 0, mas a partida registrou o seu pior público como mandante neste Brasileirão, com apenas 4.257 pagantes.

A baixa presença da torcida acabou provocando prejuízo de R$ 29.189,08 ao Santos, de acordo com o borderô publicado pela CBF no seu site oficial. E a situação pode ter pesado para a decisão da diretoria de mudar o palco do próximo jogo como mandante no Brasileirão – antes, o time fará partidas como visitante contra o Palmeiras e a Ponte Preta.

Afinal, o Santos já entrou em campo oito vezes no Pacaembu nesta temporada, sendo sete delas em competições oficiais, com média de público de mais de 22 mil pagantes por compromisso. Os números são bem superiores, portanto, aos da Vila Belmiro, onde o Santos tem média de cerca de 8.600 pessoas em 20 partidas disputadas no seu estádio.

Além disso, os bons resultados esportivos levam a diretoria a levar mais jogos do Santos ao Pacaembu, onde o time está invicto há 23 jogos. Agora, então, em 16 de outubro, o time tentará ampliar o retrospecto positivo e atrair mais público no duelo com o Vitória.