Navegando Posts marcados como Campeonato Paulista

Santos 1 x 0 Ponte Preta – 4 x 5 pênaltis

Data: 10/04/2017, segunda-feira, 20h00.
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo de volta
Público: 37.145 presentes (33.236 pagantes e 3.909 não pagantes)
Renda: R$ 1.515.650,00
Árbitro: Rafael Gomes Felix da Silva
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis.
Cartões amarelos: Vitor Bueno, Victor Ferraz (S); Clayson, Reynaldo e William Pottker (PP).
Gol: David Braz (15-1).
Pênaltis:

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique (Copete), Vitor Bueno (Jean Mota) e Ricardo Oliveira (Kayke).
Técnico: Dorival Junior

PONTE PRETA
Aranha; Nino Paraíba (Jeferson), Marllon, Yago e Reynaldo; Jádson, Elton e Wendel (Naldo); Clayson, Lucca (Ravanelli) e Pottker.
Técnico: Gilson Kleina



Braz vai de herói a vilão e Ponte despacha o Santos nos pênaltis

O Santos entrou no Pacaembu, na noite desta segunda-feira, disposto a reverter a vantagem da Ponte Preta e avançar para as semifinais do Campeonato Paulista. Empurrado por mais de 37 mil torcedores, o Peixe deixou de lado a apatia demonstrada no duelo de ida, em Campinas, pressionou a Macaca desde os primeiros minutos e venceu por 1 a 0, com um golaço marcado por David Braz.

Porém, como a equipe comandada por Dorival Júnior perdeu pelo mesmo placar no Moisés Lucarelli, o confronto foi decidido nos pênaltis. Ironicamente, Braz foi único jogador que perdeu uma penalidade, defendida pelo goleiro Aranha, e a Ponte ficou com a vaga na semifinal do Estadual.

Com a classificação, a Macaca terá pela frente o Palmeiras na semifinal do Paulistão. Como o Verdão ostenta a melhor campanha do torneio, o primeiro duelo será em Campinas e a confronto decisivo acontece na casa do alviverde.

O jogo

Como já era esperado, o duelo começou quente no Pacaembu. Precisando de dois gols para avançar, o Santos começou em cima da Ponte. Logo aos cinco minutos, Ricardo Oliveira recebeu lançamento, avançou para dentro da área e bateu cruzado. A bola passou raspando a trave direita do goleiro Aranha.

No lance seguinte, Lucas Lima mandou uma bomba de longe e assustou novamente o arqueiro da Macaca. Mostrando um futebol diferente das últimas partidas, o Peixe abandonou a lentidão e pressionava a saída de bola da Ponte. Acuado, o time de Campinas tentava colocar morosidade na partida, pensando na vantagem de ter vencido o primeiro jogo por 1 a 0.

Os minutos foram passando, a equipe comandada por Dorival Júnior continuou pressionando e foi premiada aos 15 da primeira etapa. E foi em grande estilo. Após cobrança de falta de Lucas Lima, Bruno Henrique desviou de cabeça para dentro da área. Lucas Veríssimo tentou uma bicicleta e bola sobrou para David Braz. Mesmo sendo zagueiro, ele mostrou extrema categoria para emendar um lindo voleio e abrir o placar no Pacaembu. Golaço!

Após a abertura do marcador, o Santos diminuiu um pouco o ímpeto inicial e deixou a Macaca ‘respirar’ um pouco na partida. Mesmo assim, o time comandado por Gilson Kleina não conseguia incomodar o goleiro Vanderlei, que não fez uma defesa sequer durante todo o primeiro tempo.

Antes do intervalo, ainda sobrou tempo para os santistas reclamarem de um pênalti em cima de Bruno Henrique. O atacante foi empurrado dentro da área, mas o árbitro Rafael Gomes Felix da Silva, o mesmo daquela polêmica vitória do Peixe sobre o Red Bull Brasil, mandou o lance seguir, revoltando torcedores e atletas do Peixe.

Ao contrário do que aconteceu na etapa inicial, a equipe comandada por Dorival Júnior voltou do intervalo com um ritmo mais tranquilo. A Ponte, por sua vez, não se mostrava disposta a arriscar e apenas apostava nos contra-ataques. Porém, não demorou muito para o Santos retomar as rédeas do jogo e ter a primeira oportunidade.

Aos 9 minutos, Victor Ferraz cruzou na área e a defesa da Macaca afastou. No rebote, Zeca dominou, cortou para a perna direita e soltou uma bomba, obrigando o goleiro Aranha a fazer boa defesa e salvar o time de Campinas. Logo depois, aos 12, Vitor Bueno cobrou falta para dentro da área, a bola passou por todo mundo e assustou o arqueiro pontepretano.

A pressão continuou. Aos 17 minutos, Zeca recebeu de Lucas Lima, avançou na entrada da área e arriscou mais um chute. A bola foi no cantinho esquerdo de Aranha, mas bateu na trave.

Após sofrer novamente com a pressão santista, a Ponte finalmente ‘acordou’ aos 26 minutos e teve sua primeira grande oportunidade com Ravanelli. O meia bateu falta direto para o gol e Vanderlei salvou o Peixe. No lance seguinte, Elton cruzou na área e Yago mandou para o fundo das redes. Porém, o defensor estava impedido e o empate da Macaca foi anulado.

A pequena pressão da Ponte parou por aí. Porém, o Santos também ‘pregou’ no gramado e pouco assustou Aranha. No último suspiro, aos 47 minutos, o colombiano Jonathan Copete recebeu fora da área, dominou no peito e mandou um vôlei. A bola passou muito perto da trave direita. Após a chance perdida, o árbitro Rafael Gomes Felix da Silva apitou o fim da partida, decretando a decisão por pênaltis no Pacaembu.

Na primeira cobrança, Kayke marcou para o Santos. Ravanelli empatou. David Braz, autor de um golaço no primeiro tempo, parou em Aranha. Depois, Yago venceu Vanderlei e colocou a Ponte em vantagem. Jean Mota, que entrou na reta final da partida, bateu com categoria e marcou o segundo do alvinegro.

A Macaca, porém, seguia mostrando categoria nas penalidades. Clayson tirou Vanderlei e manteve o time de Campinas na frente. Na sequência, Copete também deslocou Vanderlei. Jadson anotou mais um para a Ponte.

Já Lucas Lima, por sua vez, bateu no ângulo e manteve o Peixe vivo. Porém, William Pottker marcou o último e confirmou a Macaca na semifinal do Campeonato Paulista.

Bastidores – Santos TV:

Zeca destaca bom jogo e defende técnico após queda nos pênaltis

Após apatia e lentidão na primeira partida, em Campinas, o Santos ‘acordou’ contra a Ponte Preta, no duelo desta segunda-feira, no Pacaembu, alcançou a vitória por 1 a 0 e igualou a vantagem construída no confronto de ida. Porém, a boa apresentação não foi suficiente para o Peixe conquistar a classificação, já que a Macaca venceu nos pênaltis e conquistou a vaga na semifinal do Campeonato Paulista.

Apesar da eliminação precoce, o lateral-esquerdo Zeca, que acertou uma bola na trave no segundo tempo, valorizou a partida feita pela equipe comandada por Dorival Júnior.

“Fizemos uma boa partida e não merecíamos sair daqui eliminados. Infelizmente perdemos, mas a equipe jogou bem”, ressaltou.

A derrota coloca mais pressão em cima do técnico Dorival Júnior, que vem sendo criticado por parte da torcida alvinegra. No duelo desta segunda, inclusive, o comandante foi vaiado e chamado de ‘burro’ após tirar Bruno Henrique para promover a entrada de Copete. Apesar das cobranças, Zeca defendeu o técnico santista.

“O treinador levantou esse time, tirou a gente da zona de rebaixamento em 2015. Essa pressão é criada pela mídia. Estou bem chateado pela derrota, mas agora é levantar a cabeça e pensar na Libertadores”, concluiu o lateral-esquerdo.

Dorival se diz tranquilo com pressão e mira vaga na Libertadores

O Campeonato Paulista já é passado para o Santos. Pelo menos é o que acredita o técnico Dorival Júnior. Após a derrota nos pênaltis para a Ponte Preta, nesta segunda-feira, no Pacaembu, que culminou com a eliminação no Estadual, o comandante santista mostrou ter certeza de que o Peixe conseguirá se reerguer e buscará a classificação para as oitavas de final da Copa Libertadores.

“Nós vamos buscar nossa classificação. Hoje nós não temos somente uma equipe. Temos um grande elenco, montado e preparado. Tivemos algumas derrotas no Paulistão em que dificilmente fomos envolvidos. Vejo o Santos muito bem encaminhado e pronto para grandes conquistas. O time vai corresponder. Eu não tenho dúvidas”, ressaltou o treinador, em entrevista coletiva após a partida desta segunda.

Apesar de acreditar na classificação santista no torneio continental, Dorival conviverá com uma intensa pressão até o próximo compromisso pela Liberta, no próximo dia 19, contra o Independiente Santa Fe, em Bogotá, na Colômbia. O comandante, porém, não se vê ameaçado no cargo.

“Estou muito tranquilo em relação ao que venha acontecer futuramente. Esse tipo de pressão existe a partir do momento que você não faça um momento de um resultado ou outro. Na primeira derrota contra o São Paulo já aconteceu uma manifestação. Isso faz parte. Meu trabalho está sendo desenvolvido. Diretoria mantém até ter confiança no trabalho”, concluiu Dorival.

Modesto banca Dorival e dispara contra árbitro: “Incompetente”

Logo após o pênalti anotado por William Pottker, na noite desta segunda-feira, no Pacaembu, que decretou a eliminação do Santos no Campeonato Paulista, muitas especulações quanto ao futuro do técnico Dorival Júnior no clube já começaram a surgir.

Porém, o presidente Modesto Roma Júnior nem esperou o ‘calor do jogo’ terminar e já tratou de garantir a permanência do treinador. O mandatário, inclusive, demonstrou muita irritação quando foi perguntado sobre uma possível saída do comandante.

“O Dorival não vai sair do Santos. Não se ganha título com treinador ping-pong”, resumiu Modesto, em entrevista após o duelo desta segunda.

Se estava demonstrando alguma irritação com a pergunta sobre Dorival, o presidente santista se revoltou de vez ao comentar a atuação ao árbitro Rafael Felix. Segundo Modesto, a Federação Paulista errou ao escalá-lo para a partida.

Ainda no primeiro tempo, Bruno Henrique foi empurrado dentro da área. Porém, a arbitragem não​ anotou o pênalti e deixou o jogo seguir. Vale lembrar que Rafael também apitou a polêmica vitória santista sobre o Red Bull Brasil, na primeira fase do Paulistão.

“O lance do Bruno foi pênalti. Ele reconheceu a agressão e não marcou como deveria. Juiz incompetente. Disseram que escolheram entre os oito melhores árbitros. Esse aí está entre os oito piores. Não digo que é má pessoa, mas não tinha competência para o jogo mais complicado das quartas de final. Mesmo que o Santos tivesse marcado 11 gols, o árbitro seria no máximo nota 8”, esbravejou o mandatário.

Capitão revela profecia e Aranha se emociona com classificação

A Ponte Preta suportou mais de 30 mil santistas no estádio do Pacaembu, muita pressão do veloz ataque do Peixe, viu a trave salvar a equipe no segundo tempo para, só após os pênaltis, ‘cair na real’ e comemorar a classificação à semifinal do Campeonato Paulista. Emocionados, os atletas valorizaram a campanha e a força psicológica do grupo, mas, no meio de tanta euforia, o capitão Wendel revelou uma profecia sua feita poucos minutos antes da bola rolar contra o Santos.

“Falei para o Aranha que a gente iria levar para os pênaltis e que ele daria a classificação à Ponte. Agora é ir em frente, concentrar e contar com a torcida para lotar mais uma vez o Moisés Lucarelli e nos ajudar na busca da vaga à final do Estadual”, contou o próprio volante.

E, no fim, o camisa 1 da Macaca acabou mesmo sendo decisivo ao defender a cobrança de David Braz, o único a desperdiçar entre todos os atletas das duas equipes. Após o apito final, Aranha intercalava o sentimento de emoção e de companheirismo com o grupo do time campineiro.

“A gente fez um campeonato muito bom, poderia ter até se classificado com uma certa facilidade, acabamos nos complicando em casa, mas a gente lutou bastante, tivemos competência, não fomos desleais, e todo mundo colaborou da maneira que pôde. O pessoal me passou todas as cobranças de pênalti. Até na hora eu tive ajuda ali de trás, isso influencia”, comentou, antes de lembrar da semifinal de 2008, quando também foi crucial para colocar a Ponte na decisão do Estadual depois do duelo com o Guaratinguetá.

“Estou muito feliz, não tinha como ser diferente, mas o mérito não é apenas meu. Todos os jogadores tiveram a competência para fazer os gols aqui dentro, com o estádio lotado e uma pressão imensa. Eu pensei naquela decisão (de 2008) a todo momento. Eu não estou aqui à toa. Tudo tem seu tempo. Hoje era para eu estar aqui. Aonde vamos chegar eu não sei, mas vamos lutar bastante pela Ponte”, concluiu.

Talvez o jogador mais empolgado e eufórico após a confirmação da classificação da Ponte Preta, William Pottker, responsável por converter a última cobrança e acabar com qualquer esperança santista, valorizou o poder de superação do time sobre um adversário mais forte e melhor, tecnicamente.

“Garra, garra, pensamento positivo, a força está na cabeça. O que diferencia é só a camisa, a força está na cabeça”, disse.

Agora, a partir do próximo fim de semana, o desafio da Macaca será contra o Palmeiras, líder da primeira fase do Campeonato Paulista. O primeiro confronto será no Moisés Lucarelli, em Campinas, enquanto o duelo da volta deve ocorrer no Allianz Parque, na Capital, uma semana depois.


Ponte Preta 1 x 0 Santos

Data: 01/04/2017, sábado, 15h00.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo de ida
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, SP.
Público: 11.545 pagantes
Renda: R$ 227.280,00
Árbitro: Salim Fende Chavez
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Bruno Salgado Rizo.
Cartões amarelos: Jadson e Fernando Bob (PP).
Gol: William Pottker (20-1).

PONTE PRETA
Aranha, Nino Paraíba, Marllon, Yago e Reynaldo; Fernando Bob, Elton e Jadson (Renato Cajá); Clayson, Lucca (Wendel) e Pottker (Lins).
Técnico: Gilson Kleina

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato (Rafael Longuine), Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique, Vitor Bueno (Copete) e Ricardo Oliveira (Kayke).
Técnico: Dorival Júnior



Pottker decide, Ponte bate Santos e fica em vantagem nas quartas do Paulistão

A Ponte Preta saiu na frente na disputa pela semifinal do Campeonato Paulista. Pressionando nos minutos iniciais e contando com a lentidão do Santos, a Macaca venceu por 1 a 0, com gol do artilheiro William Pottker, na tarde deste sábado, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, e assegurou a vantagem para o duelo de volta contra os santistas.

Com a vitória, a Macaca precisa somente de um empate no jogo de volta para alcançar a classificação às semifinais do Paulistão. O Santos, por sua vez, se vê obrigado a vencer por dois gols de diferença para conquistar a vaga direta. Caso o alvinegro vença por apenas um gol, o confronto será decidido na disputa de pênaltis.

O jogo

O duelo começou movimentado no Moisés Lucarelli, com as duas equipes buscando o ataque. Porém, a Ponte rapidamente dominou as ações e teve a primeira grande oportunidade com o artilheiro William Pottker. Aos 6 minutos, o atacante aproveitou indecisão de David Braz e Lucas Veríssimo para avançar dentro da área e encobrir o goleiro Vanderlei. A bola até tocou na rede, mas pelo lado de fora.

Logo na sequência, Clayson deu lindo drible em Jean Mota e cruzou para Pottker. Mas antes da redonda chegar no centroavante, Lucas Veríssimo antecipou-se e salvou o alvinegro.

Mesmo após sofrer com duas oportunidades claras, o Santos não conseguia achar os espaços no meio de campo e sofria com a velocidade do time de Campinas. E foi justamente em uma jogada rápida que a Ponte abriu o placar.

Aos 20 minutos, Clayson lançou para Nino Paraíba dentro da área. Aproveitando-se da marcação atrasada da defesa santista, o lateral tocou para Pottker apenas empurrar para o fundo das redes e deixar a Macaca na frente.

O tento ‘acordou’ a equipe comandada por Dorival Júnior, que chegou duas vezes após os 30 minutos. A primeira chance foi com Ricardo Oliveira. O centroavante recebeu de Bruno Henrique dentro da área. Livre, ele soltou uma bomba, que parou nas mãos de Aranha.

No lance seguinte, Vitor Bueno tentou cruzamento pela esquerda e a bola desviou no defensor da Ponte. Porém, lá estava Aranha, que no reflexo, fez outra bela defesa e impediu o empate santista no primeiro tempo.

Após Vitor Bueno passar a etapa inicial apagado e com a equipe sofrendo pelo lado esquerdo, o técnico Dorival Júnior resolveu tirar o camisa 7 para promover a entrada de Copete. A mudança surtiu efeito nos minutos iniciais e o Santos voltou do intervalo ligeiramente melhor que a Ponte.

Aos cinco minutos, o colombiano avançou pela esquerda, driblou Fernando Bob e cruzou para Ricardo Oliveira. O centroavante bateu de primeira, mas a bola foi alta demais e passou por cima do gol de Aranha.

Apesar do domínio no meio, o alvinegro não conseguia traduzir o melhor momento em chances claras de gol. A Ponte Preta, por sua vez, apostava nos contra-ataques e quase ampliou o marcador em uma jogada dessas. Aos 17 minutos, David Braz falhou e deixou Pottker completamente livre para cabecear. O goleiro Vanderlei pegou, mas deu rebote e o atacante encheu o pé. A bola bateu em cheio no rosto do camisa 1 e foi afastada na sequência.

Depois da grande chance desperdiçada, a Macaca diminuiu o ritmo novamente e apenas esperava o Santos no campo de defesa. Os comandados de Dorival Júnior, porém, seguiram sem conseguir assustar o goleiro Aranha.

E quando o duelo parecia decidido, a Ponte chegou ao segundo gol. Renato Cajá cobrou falta na área e Wendel desviou para o fundo das redes. Porém, a arbitragem assinalou impedimento corretamente, definindo a vitória e a vantagem dos donos da casa.

Bastidores – Santos TV:

Braz culpa gramado por derrota do Santos: “Não é bom como o da Vila”

O Santos sofreu para jogar na tarde deste sábado, em Campinas. Muito lento na saída de bola e com seus principais atletas apagados, o Peixe viu a Ponte Preta fazer 1 a 0, com William Pottker, e largar na frente na disputa para avançar às semifinais do Campeonato Paulista. Para o zagueiro David Braz, que falhou no tento da Macaca, a principal dificuldade santista estava no gramado do estádio Moisés Lucarelli.

“O nosso primeiro tempo não foi bom. Tivemos dificuldade com o campo hoje, que não é tão como como o da Vila. Aqui tinha muitos buracos. A gente teve dificuldade para virar as jogadas, pois a Ponte também marcava muito bem”, ressaltou o defensor após o revés.

Com a derrota, o alvinegro se vê obrigado a vencer por dois gols de diferença para conquistar a vaga direta. Caso o Peixe vença por apenas um gol, o confronto será decidido na disputa de pênaltis.

“Vamos trabalhar nesta semana e com a apoio dos nossos torcedores, nós vamos conseguir essa classificação”, concluiu Braz.

Dorival reconhece atuação ruim: “Ponte foi melhor, ganhou e ponto”

Além da derrota por 1 a 0 e a desvantagem para o duelo de volta, o que mais preocupou a torcida do Santos foi a forma como a equipe perdeu para a Ponte Preta, na tarde deste sábado, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pelo confronto de ida das quartas de final do Campeonato Paulista. Apático, lento e sem criatividade, o alvinegro até conseguiu ter a posse de bola no segundo tempo, mas não conseguiu assustar o goleiro Aranha, que pouco trabalho na partida.

O técnico Dorival Júnior, por sua vez, evitou dar desculpas para o revés e reconheceu a fraca apresentação do Santos. “Faltou concentração, velocidade, transição. Santos criou muito pouco. Não jogamos bem e deixamos nos envolver. Na segunda etapa nós melhoramos um pouco, mas foi bem abaixo do que podemos produzir. Ponte foi melhor, ganhou e ponto”, ressumiu o comandante, em entrevista coletiva logo após o embate.

Com a derrota, o alvinegro se vê obrigado a vencer por dois gols de diferença para conquistar a vaga direta. Caso o Peixe vença por apenas um gol, o confronto será decidido na disputa de pênaltis.

“Hoje a Ponte mereceu. Temos que trabalhar e tenho certeza que faremos um jogo diferente no Pacaembu. Hoje não estávamos em um grande dia”, concluiu o treinador santista.

Santistas admitem partida fraca em Campinas: “Jogo não encaixou”

Vai ser difícil encontrar alguma pessoa que tenha a coragem de falar que o Santos jogou bem na derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta, neste sábado, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pelo duelo de ida das quartas de final do Campeonato Paulista. Isso porque além do técnico Dorival Júnior, os próprios jogadores do alvinegro admitiram a fraca apresentação contra a Macaca.

“Nosso jogo não encaixou. Nosso melhor momento foi nos 15, 20 minutos do segundo tempo. Eles acabaram anulando nosso jogo. Temos de pensar no jogo de volta”, resumiu o meia Vitor Bueno, que teve atuação apagada e foi substituído por Copete na volta do intervalo.

O atacante Ricardo Oliveira, por sua vez, acredita que os santistas não devem entrar em pânico, afinal, a vantagem da Ponte é de apenas um gol.

“Nós precisamos ajustar algumas coisas. A proposta deles era sair no contra-ataque. Não conseguimos achar os espaços necessários. É um placar que a gente jogando dentro da nossa necessidade a gente consegue reverter”, ressaltou o camisa 9 na saída do gramado.

Com a derrota, o alvinegro se vê obrigado a vencer por dois gols de diferença para conquistar a vaga direta. Caso o Peixe vença por apenas um gol, o confronto será decidido na disputa de pênaltis. As duas equipes voltam a se enfrentar apenas no próximo dia 10, uma segunda-feira às 20h (de Brasília), no Pacaembu.

Elenco queria a Vila, mas retrospecto do Santos é melhor no Pacaembu

O Santos não terá a Vila Belmiro como aliada na busca para reverter a vantagem da Ponte Preta e conquistar a vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. Afinal, a diretoria do Peixe decidiu transferir o duelo, que acontece no próximo dia 10, às 20h (de Brasília), para o Pacaembu. Elenco e comissão técnica do alvinegro, por sua vez, mostraram descontentamento com a mudança.

“Não vou comentar sobre o assunto. Vamos ao Pacaembu para fazer um grande jogo”, esbravejou o técnico Dorival Júnior ao ser questionado se concordava com a decisão da cúpula santista.

“Vamos jogar onde eles (diretoria) mandarem. Temos que jogar bola. Somos produtos”, ressaltou Ricardo Oliveira.

Apesar da preferência dos santistas pela Vila Belmiro, os números recentes mostram que o Pacaembu tem sido uma ‘casa’ melhor para o alvinegro. Isso porque o Peixe vem de uma sequência de 17 vitórias consecutivas no estádio paulistano. O último revés foi em abril de 2014, no jogo de ida da final do Paulistão daquele ano, contra o Ituano.

Enquanto isso, a equipe comandada por Dorival Júnior não tem conseguido fazer valer o ‘fator Vila’ nesta temporada. Afinal, em seis jogos disputados em Urbano Caldeira, o clube já sofreu três derrotas, para São Paulo, Ferroviária e Palmeiras, respectivamente.

No jogo de ida das quartas de final do Paulistão, o Peixe perdeu para a Ponte por 1 a 0, em Campinas, com gol de William Pottker. Para conseguir a classificação, a equipe comandada por Dorival Júnior precisa vencer por dois gols de diferença. Uma vitória simples levará a decisão para os pênaltis. Caso seja derrotado ou a partida termine empatada, o alvinegro estará eliminado do Estadual.

Santos 3 x 1 Novorizontino

Data: 29/03/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 12ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.195 pagantes
Renda: R$ 82.270,00
Árbitro: Salim Fende Chavez
Auxiliares: Risser Jarussi Corrêa e Vitor Carmona Metestaine
Cartões amarelos: Léo Cittadini, Yuri e Thiago Ribeiro (S); Guilherme Teixeira, Henrique Santos, Igor e Caíque (N).
Gols: Henrique (10-1) e Kayke (35-1, de pênalti); Kayke (13-2) e Thiago Ribeiro (42-2).

SANTOS
Vanderlei; Matheus Ribeiro, Cleber, Yuri e Jean Mota; Leandro Donizete, Léo Cittadini (Matheus Oliveira) e Rafael Longuine; Copete, Vladimir Hernández (Thiago Ribeiro) e Kayke (Arthur Gomes).
Técnico: Dorival Junior

NOVORIZONTINO: Michael; Railan, Jeci, Guilherme Teixeira e Igor; Vitor Tormena, Henrique Santos, Rodrigo e Caíque (Luis Henrique); Henrique (Klenisson) e Nilson (Artur).
Técnico: Silas



Kayke marca dois, Santos bate Novorizontino e confirma liderança

Os pouco mais de 3 mil torcedores que foram até a Vila Belmiro na noite desta quarta-feira, não assistiram a um grande jogo de futebol. Já classificados para as quartas de final do Campeonato Paulista, Santos e Novorizontino pouparam seus titulares e fizeram um jogo lento e de dar sono. Porém, o Peixe contou com a estrela de Kayke para sair com a vitória. Substituindo o titular Ricardo Oliveira, o atacante anotou dois tentos e ajudou o alvinegro a virar sobre o Tigre. Ainda sobrou tempo para Thiago Ribeiro marcar o terceiro e garantir a vantagem santista na próxima fase do Estadual.

Com a vitória, o Santos chegou aos 22 pontos e confirmou a liderança do grupo D do Paulistão. Agora, o alvinegro terá pela frente a Ponte Preta nas quartas de final da competição. O primeiro confronto acontece neste final de semana, em Campinas. Já o duelo de volta será na Vila Belmiro, entre os dias 8 e 9 de abril.

O jogo

Classificados e com reservas, Santos e Novorizontino começaram o duelo desta quarta-feira de uma forma bem lenta na Vila Belmiro, tanto que a primeira oportunidade real surgiu apenas aos 9 minutos. Após cruzamento de Jean Mota, a bola sobrou para Hernández. O colombiano bateu de fora da área e jogou pra fora, após desvio na zaga.

No lance seguinte, um novo escanteio cobrado por Jean Mota terminou com um gol do… Novorizontino. Isso mesmo! A zaga da equipe do interior afastou a cobrança do santista e a bola sobrou para o Yuri. O volante, porém, errou ao recuperar a redonda e armou o contra-ataque para o Tigre. Na sequência, o atacante Henrique recebeu livre, driblou Vanderlei e abriu o placar na Vila.

O Santos respondeu logo e quase empatou aos 11 minutos, Copete entrou na lateral esquerda da área e rolou para Vladimir Hernández. O baixinho se esticou para desviar, mas o goleiro Michael salvou o Novorizontino.

Após a chance desperdiçada, o Peixe passou a sentir a pressão por estar atrás no marcador. Nervoso, o alvinegro não conseguia trocar passes com facilidade e mostrava muita lentidão para entrar no campo de ataque.

Se as coisas estavam difíceis na base do toque de bola, um chute de longa distância acabou ajudando o Santos na reta final do primeiro tempo. Aos 34 minutos, Rafael Longuine arriscou de longe e Guilherme Teixeira deu uma ‘manchete’ na redonda. Pênalti para o Peixe e cartão amarelo para o zagueiro do Tigre. Na cobrança, Kayke bateu firme no canto direito, tirando do goleiro Michael e deixando tudo igual na Vila Belmiro antes do intervalo.

Se o primeiro tempo foi sofrível, apesar dos dois gols, os 10 minutos da segunda etapa conseguiram ser piores ainda. O Novorizontino, sem pretensões e satisfeito com o empate, apenas segurava a bola no meio de campo. Já o Santos, por sua vez, voltou do intervalo errando muitos passes e mantendo a lentidão para chegar ao ataque.

Porém, quando o alvinegro finalmente conseguiu fazer uma boa jogada, alcançou a virada no placar. Aos 13 minutos, Jean Mota fez longo lançamento para Vladimir Hernández, que dominou e tocou para Rafael Longuine. Inspirado, o meia driblou dois marcadores e deu lindo passe para Kayke. O atacante avançou dentro da área e soltou uma bomba para marcar o seu segundo tento na partida e colocar o Peixe em vantagem.

A virada animou um pouco a equipe comandada por Dorival Júnior. Mais confiantes, os santistas passaram a dominar o confronto. Aos 19 minutos, Matheus Ribeiro mandou um chutaço de longa distância. O goleiro Michael precisou se esticar todo para fazer linda defesa e salvar o Novorizontino.

Após o bom chute do lateral-direito, o Peixe diminuiu o ritmo novamente e passou apenas a administrar o marcador. Tanto que o lance que mais empolgou a torcida santista no minutos seguintes foi a saída de Nilson. Muito marcado pelo gol incrivelmente perdido contra o Palmeiras, na final da Copa do Brasil de 2015, quando ainda jogava no alvinegro, o atacante foi alvo de xingamentos e vaias dos torcedores quando foi substituído por Artur.

Antes do apito final, porém, ainda sobrou tempo para Jean Mota mandar belo lançamento para Copete e o colombiano achar Thiago Ribeiro sozinho dentro da área. O atacante só teve o trabalho de empurrar para o fundo da rede, marcando o terceiro e decretando a vitória santista.

Bastidores – Santos TV:

Thiago Ribeiro vê retomada de confiança do Santos ‘na hora certa’

O Santos começou 2017 desanimando parte da torcida. Mesmo mantendo os principais nomes do elenco e ainda trazendo seis reforços, o alvinegro perdeu três clássicos, fez campanha ruim dentro da Vila Belmiro e penou para alcançar a vaga nas quartas de final do Campeonato Paulista. Porém, a vitória sobre o Novorizontino, nesta quarta-feira, garantiu a liderança do grupo D e a vantagem de fazer o jogo de volta em casa contra a Ponte Preta.

O triunfo sobre o time de Novo Horizonte, inclusive, foi o terceiro seguido do alvinegro na temporada. Para o atacante Thiago Ribeiro, autor do último gol santista nesta quarta, o Peixe retomou a confiança e o caminho das vitórias no melhor momento possível.

“Vencer é sempre bom. A primeira colocação ainda não estava decidida. É uma vitória a mais e nos dá a primeira colocação. Valeu muito. Os jogadores que entraram conseguiram corresponder. A gente sabe como é o futebol, cada vitória é uma confiança a mais. A gente cresceu na hora certa e agora é a hora de mostrar quem é quem, porque vai começar um campeonato diferente”, explicou o atacante na saída do gramado.

Decisivo, Kayke comemora chance de ‘mostrar a força do grupo’

Quando foi contratado por empréstimo no começo de janeiro, Kayke chegou ao Santos com o peso de ser o substituto ideal para Ricardo Oliveira. No começo do ano, porém, ele acabou sendo preterido por Rodrigão. Mas com o passar da temporada, o atacante retomou o posto de ‘sombra’ do camisa 9 e deu uma resposta positiva na noite desta quarta-feira, na vitória santista por 3 a 1 sobre o Novorizontino, pela última rodada da fase de grupos do Campeonato Paulista.

Já classificado para as quartas de final, o técnico Dorival Júnior decidiu poupar os titulares e deu a chance de Kayke, assim como outros nove reservas, começar jogando diante do time de Novo Horizonte. O atacante foi decisivo, marcou duas vezes e garantiu o triunfo do Peixe. Na saída do gramado, ele comemorou o placar e também exaltou o elenco do alvinegro.

“Foi um jogo importante para a gente (reservas). Mostra a força do grupo. Estou feliz pela atuação em conjunto com a equipe. Não é a primeira vez que esse time “reserva” mostra seu valor. Estamos preparados e por isso vestimos a camisa do Santos”, resumiu Kayke.

O técnico Dorival Júnior, por sua vez, elogiou o desempenho do atacante, que voltará para o banco de reservas no duelo contra a Ponte Preta, pelas quartas de final do Paulistão.

“Kayke é um atacante e naturalmente vive de gols. Porém, ele já tem sido muito útil durante as partidas que entra. E hoje e teve a felicidade de definir o resultado”, explicou o comandante.

Dorival vê campanha ‘aquém do esperado’ e Ponte como rival mais difícil

Santos não começou a temporada da melhor forma possível. Afinal, mesmo com a chegada de reforços, a equipe comandada por Dorival Júnior perdeu três clássicos, fez campanha fraca dentro da Vila Belmiro e só conseguiu garantir a vaga nas quartas de final do Campeonato Paulista no último final de semana. Porém, o alvinegro ‘deslanchou’ nas últimas rodadas, alcançou sua terceira vitória consecutiva ao bater o Novorizontino, nesta quarta-feira, e confirmou a liderança do grupo D do Estadual.

Mesmo com a retomada da ponta na reta final, Dorival Júnior acredita que a campanha do Peixe na primeira fase foi abaixo do esperado. Apesar disso, o comandante vê a equipe em uma ascensão no momento certo.

” É uma campanha que foi crescendo aos poucos. Perdemos alguns pontos que nos custaram muito caro. Em um ano e oito meses, nunca tivemos mais do que duas derrotas seguidas. Um pouco aquém do esperando, mas com um espírito de recuperação muito bom. E isso dá ânimo. Vejo a equipe em crescente. Mas agora é mata-mata”, explicou o treinador, em entrevista coletiva logo após a vitória desta quarta-feira.

Com o triunfo sobre o Novorizontino, o Santos chegou aos 22 pontos e confirmou a liderança do grupo D do Paulistão. Agora, o alvinegro terá pela frente a Ponte Preta nas quartas de final da competição. O primeiro confronto acontece neste final de semana, em Campinas. Já o duelo de volta será na Vila Belmiro, entre os dias 8 e 9 de abril.

Para Dorival, a Macaca é o adversário mais difícil entre todos os times que enfrentarão os grandes na próxima fase.

“Olhem os números da Ponte Preta. Isso não nos deixa nenhuma dúvida (de que é o rival mais difícil). Estávamos no grupo mais equilibrado até três rodadas. Ficamos até a última rodada brigando pela posição. A Ponte é um time que se reinventa muito fácil. Mudam os nomes, mas eles mantêm o ritmo de trabalho. Há cada ano que passa eles conseguem uma superação que os deixam sempre bem colocados no Brasileirão. Tenho muito respeito e também expectativa de que tenhamos dois bons jogos contra eles”, concluiu o comandante santista.

Santos cresce ‘na hora certa’ e vence três seguidas pela primeira vez no ano

O Santos finalmente retomou a confiança na temporada. Após um período de altos e baixos, com uma campanha fraca dentro da Vila Belmiro e três derrotas em clássicos, o alvinegro se viu com grandes riscos de ficar fora das quartas de final do Campeonato Paulista. Porém, uma sequência inédita de três vitórias seguidas no ano, contra São Bento, Santo André e Novorizontino, respectivamente, não só recolocou a equipe na zona de classificação, como garantiu a liderança do grupo D do Estadual.

Agora, o Peixe terá pela frente a Ponte Preta nas quartas. A Macaca, por sua vez, também vem de três jogos sem derrota e é vista como o adversário mais difícil dos clubes ‘grandes’ do estado. Mesmo assim, o técnico Dorival Júnior crê que a equipe cresceu ‘no momento certo’ e está pronta para as decisões do Paulistão.

“Eu já vinha falando que com o retorno de todos os jogadores dificilmente aconteceria algo que não o equilíbrio. E foi assim que aconteceu depois do jogo no Peru. Tivemos uma derrota para o Palmeiras que não mostrou o que foi o jogo nos 90 minutos. O Santos voltou a jogar com confiança. Entra em um momento decisivo com a confiança de que teremos bons jogos e dentro do padrão que estamos acostumados”, explicou o comandante.

“A gente vem de três vitórias seguidas, então já estamos no embalo. Cada vitória é uma confiança a mais e a cada derrota te tira a confiança, vem as críticas. Agora vem o mata-mata e é a hora de mostrar. É um campeonato totalmente diferente que vai começar agora”, ressaltou Thiago Ribeiro, autor do terceiro gol na vitória sobre o Novorizontino, nesta quarta-feira.

Santo André 0 x 1 Santos

Data: 25/03/2017, sábado, 15h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 11ª rodada (penúltima)
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André, SP.
Público: 9.286 total
Renda: R$ 273.780,00
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo
Auxiliares: Mauro André de Freitas e Alberto Poletto Masseira
Cartões amarelos: Tiago Ulisses (SA, 2).
Cartão vermelho: Tiago Ulisses (SA).
Gol: Copete (29-2).

SANTO ANDRÉ
Zé Carlos; Cicinho Vieira, Leonardo, Reniê (Diogo Borges) e Aelson (Paulinho); Renato, Tiago Ulisses, Garré e Serginho (Deivid); Henan e Claudinho.
Técnico: Sérgio Soares

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz (Cléber) e Jean Mota; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique (Copete), Vitor Bueno (Hernández) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Copete entra, marca e garante o Santos na próxima fase do Paulistão

Depois de temer ficar de fora das quartas de final do Campeonato Paulista, o Santos conseguiu mudar esse cenário nas últimas rodadas e agora vive uma situação tranquila. Na tarde deste sábado, o Peixe mais uma vez jogou para o gasto, mas fez o suficiente para derrotar o Santo André no estádio Bruno José Daniel, na região do ABC Paulista, pela 11ª e penúltima rodada do Estadual. O nome do jogo foi Jonathan Copete, que entrou no segundo tempo a pedido dos torcedores e marcou o único gol do confronto.

Agora, com 19 pontos, o Santos já está classificado, graças aos seus concorrentes. O Mirassol, que iniciou a rodada com com 14 pontos, apenas empatou com o Novo Horizontino fora de casa. Com isso, o Peixe não pode mais ser superado pela equipe que iniciou a competição com a grande sensação do Estadual. A briga agora é entre Mirassol e Ponte Preta. A Macaca, com 16 pontos, visitará o São Bento também às 18h30, mas nesse domingo. Por outro lado, o Santo André estacionou nos 11 pontos deu adeus ao sonho de jogar as quartas de final.

o jogo

Com Jean Mota na vaga de Zeca, poupado por precaução, mas com os retornos de Vanderlei e Ricardo Oliveira, o Santos entrou em campo com o objetivo de fazer sua parte para garantir a classificação às quartas de final ainda nesse fim de semana. Apesar disso, os comandados de Dorival Júnior não conseguiram mostrar em campo a gana pelos três pontos que o torcedor esperava no ABC Paulista.

A primeira etapa foi marcada por muito perde e ganha na região central do gramado, os erros de passes foram muitos das duas equipes e a lentidão do Peixe chegou a irritar os torcedores em alguns momentos.

Mesmo assim, o Alvinegro Praiano teve duas chances claras de balançar as redes. Primeiro com Vitor Bueno, já aos 39 minutos, mas o meia acabou carimbando o goleiro Zé Carlos. Na última jogada antes do intervalo, foi a vez de Ricardo Oliveira falhar de frente para a meta do Ramalhão. Desequilibrado, o camisa 9 isolou de dentro da pequena área.

Na segunda etapa, tanto Sergio Soares quando Dorival Júnior buscaram dar mais velocidades aos seus times. Deivid entrou na vaga de Serginho pelo Santo André e Vladimir Hernández substituiu Vitor Bueno no Santos.

A partida seguiu muito equilibrada, correndo até com um certo marasmo e cada vez mais foi ficando marcada por uma tarde ruim de Ricardo Oliveira. O centroavante santista teve três oportunidades de estufar as redes no segundo tempo, aos 14, aos 20 e aos 27, de cabeça, no miolo da área e pela direita, mas em todas acabou errando o alvo, para desespero dos visitantes.

Quem apareceu, então, para decidir o jogo foi Jonathan Copete. A torcida pediu sua entrada e Dorival atendeu. Dez minutos depois, aos 29, o colombiano apareceu livre pela esquerda, em contra-ataque do Peixe, e não falhou após cruzamento milimétrico de Lucas Lima.

O Santos esteve longe do futebol arte que tanto venera, mas fez o suficiente para derrotar o Ramalhão no Bruno José Daniel.

Bastidores – Santos TV:

Dorival valoriza superação física do Santos para vencer mais uma

O Santos não fez uma grande partida nesse sábado. Apenas o suficiente para vencer o Santo André por 1 a 0. De qualquer forma, foi a segunda vitória seguida da equipe no Campeonato Paulista e, depois de passar por apuros, agora vê a classificação às quartas de final muito perto, com o time na liderança do Grupo D. E após o confronto no Bruno José Daniel, Dorival Júnior fez questão de valorizar muito o resultado por causa de um fator em especial: sua equipe teve menos tempo de recuperação que seus últimos três adversários.

“Acho que nós temos que ficar satisfeitos, porque nessas últimas três rodadas, desde o jogo contra o Palmeiras, jogamos sempre com a defasagem de um dia (de descanso em relação aos adversários). E agora, sábado, 15 horas, num sol que… Isso ai acaba tirando um pouco da velocidade do espetáculo, tanto de um lado quanto de outro. Sentimos mais pela falta de recuperação”, ressaltou o treinador santista logo em sua primeira resposta na entrevista coletiva concedida no vestiário.

E Dorival tem razão sobre sua reclamação. Antes de fazer o clássico com o Palmeiras no domingo passado, o Peixe atuou pela Libertadores na quinta, enquanto o rival alviverde jogou no dia anterior. Na rodada seguinte, o desafio foi contra o São Bento na quarta, mas a equipe de Sorocaba teve um dia a mais de recuperação por ter jogado no sábado. E diante do Santo André, os comandados de Dorival encararam um rival que entrou em campo pela última vez na terça-feira passada.

“Mesmo com a derrota para o Palmeiras, vejo o time crescendo de produção, amadurecendo, e espero um bom final de competição”, ponderou o técnico do Peixe, valorizando a superação de seus atletas. Nem mesmo as diversas oportunidades de gol desperdiçadas frente ao Ramalhão, que por pouco não complicaram o objetivo da equipe, foram motivo para uma crítica mais acentuada de Dorival Júnior.

“Um fato natural, vai acontecer e daqui a pouco vamos voltar a fazer gols dentro da normalidade que a equipe sempre fez. Talvez me preocupasse mais se a equipe não estivesse conseguindo criar, isso, sim, traria uma preocupação maior. São jogadores que sabem fazer gols e que têm a nossa confiança”, disse, se referindo principalmente a Ricardo Oliveira, que nesse sábado perdeu pelo menos quatro chances claras.

Reservas entram bem e disputa por posição empolga Dorival Júnior

Em uma tarde em que Vitor Bueno e Bruno Henrique não conseguiram fazer em campo o que o técnico Dorival Júnior esperava de ambos, Vladimir Hernández e Jonathan Copete saíram do banco de reservas para dar mais velocidade e eficiência ao time do Santos. Após as duas substituições, o Peixe conseguiu criar oportunidades ofensivas e chegou ao gol da vitória sobre o Santo André no estádio Bruno José Daniel. E essa demonstração de força do elenco, para o técnico santista, foi mais relevante do que as decepções com seus titulares nesse sábado.

“O que nós queremos é isso, todo mundo preparado dentro da necessidade, entrando e dando uma reposta. Isso é elenco. Todo mundo focado e se respeitando, as coisas acontecem. Eu falei para ele (Copete) ‘você vai entrar e ser decisivo’. E graças a Deus deu certo”, comentou Dorival depois do jogo que encaminhou a classificação do Santos para as quartas de final do Campeonato Paulista.

Jonathan Copete, aliás, perdeu a vaga de titular para Bruno Henrique e agora corre atrás para retomar seu espaço. Nesse sábado, diante do empate sem gols, o colombiano viu a torcida pedir sua entrada em coro. O atacante, então, entrou aos 19 minutos do segundo tempo. Dez minutos depois, marcou o gol da vitória do Santos.

“Fico muito agradecido com meus companheiros e pelos torcedores, que me ajudaram hoje. A equipe do Santo André joga muito bem, com jogadores muito rápidos, mas nós marcamos o gol e conseguimos a vitória”, disse o jogador.

“Aparecendo uma condição, eles estão entrando. O Copete vinha como titular, o Bruno apareceu em numa crescente, não posso tirar isso do jogador. De repetente, o Bruno cansou (nesse sábado), sai e entra o Copete. Essa é uma resposta muito boa e tem feito com que a nossa equipe cresça. Esse foi o maior ganho para o Santos esse ano”, comemorou Dorival Júnior.

Copete prega compromisso do Peixe em ir às quartas em primeiro lugar

Autor do gol da vitória santista sobre o Santo André no último sábado, fora de casa, Jonathan Copete começou essa nova semana em alta. Entrando na vaga de Bruno Henrique, o colombiano aproveitou a oportunidade para assegurar mais três pontos à sua equipe, que vai para a última rodada, contra o Novorizontino, na Vila Belmiro, confiante em encerrar a primeira fase na primeira colocação do Grupo D.

Empatado com a Ponte Preta com 19 pontos, o Peixe quer confirmar seu favoritismo diante do próximo rival para ir às quartas de final no topo da tabela e ter o direito de decidir o jogo das quartas na Vila Belmiro. E será justamente a Ponte a adversária do Santos na próxima fase do Paulistão.

“Sabemos que ficar em primeiro lugar dá um pouco de tranquilidade. Nos dá a possibilidade de jogarmos com a nossa torcida e isso é melhor para nós. O primeiro lugar é o nosso objetivo”, disse Copete, sinalizando que o Santos deve entrar com o time titular nesta quarta-feira.

Disputando diretamente contra o adversário que terá nas quartas de final a primeira colocação do Grupo D, o Peixe ligou o alerta para não acabar vacilando na última rodada e ceder o mando de campo do jogo de volta à Ponte Preta, time que, segundo Copete, merece cuidados.

“A Ponte Preta tem um bom time, rápido, de qualidade, então temos que ter muita paciência para igualar as jogadas e lutar dentro de campo para cumprir o objetivo”, comentou o atacante.

Se antes o Santos foi alvo de duras críticas da torcida, que chegou a pichar os muros da Vila Belmiro após a derrota no clássico contra o Palmeiras, agora o time do técnico Dorival Jr parece, enfim, ter encontrado seu equilíbrio em campo. Vindo de duas vitórias consecutivas no Paulistão, o clube planeja contar com a força da torcida na próxima fase do campeonato, mas sabe que para isso precisa demonstrar um bom futebol.

“No futebol a gente vive de resultados. Às vezes, quando tudo não vai bem, acontecem muitas coisas. Mas sabemos do nosso trabalho, da entrega. Isso dá sentido para tudo o que fazemos. As pessoas pensam o que quiser, mas nós trabalhamos”, finalizou Copete.

Copete não desanima com reserva no Santos e vê ‘competição saudável’

Assim que foi contratado, em julho de 2016, Jonathan Copete assumiu a titularidade do Santos e se tornou um dos principais destaques da equipe comandada por Dorival Júnior. Porém, o colombiano acabou perdendo espaço para Bruno Henrique nos últimos anos. Mesmo assim, o camisa 36 não mostrou chateação e diz até que já esperava a mudança.

“Não surpreendeu. Respeitamos o professor e trabalhamos para seguir ajudando. Não fiquei mal quando saí. Uns jogam, outros descansam, é uma das coisas que acontecem. O que sempre joga vai poder fazer as coisas da melhor forma, mas é uma competição saudável, que todos precisamos e certamente vai ser assim até o final do ano”, disse Copete, em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, no CT Rei Pelé.

O colombiano perdeu a vaga para Bruno Henrique no duelo diante do The Strongest, pela Libertadores. Desde então, Copete tem entrado apenas no decorrer das partidas. E foi justamente assim que ele anotou o gol da vitória sobre o Santo André, no último sábado, no ABC.

“Não sou artilheiro, entrego mais em campo do que faço gols. É bom fazer gols e dar assistências, mas é preciso ter tranquilidade para trabalhar, dar tudo nos treinos para acontecer as coisas no jogo. Fiquei tranquilo porque dou meu máximo”, concluiu.

Apesar do tento decisivo, Copete sabe que dificilmente voltará para o time principal. Isso porque o técnico Dorival Júnior acredita que Bruno Henrique vive uma fase melhor. O comandante, inclusive, não pretende poupar os titulares diante do Novorizontino, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Vila Belmiro, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores.


São Bento 0 x 2 Santos

Data: 22/03/2017, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Estádio Municipal Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Público: 6.690
Renda: R$ 272.535,00
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Eduardo Vequi Marciano
Cartões amarelos: Giovanni (SB) e Lucas Lima (S).
Cartão vermelho: Bebeto (SB).
Gols: Vitor Bueno (05-2) e Lucas Lima (13-2).

SÃO BENTO
Rodrigo Viana; Bebeto, Pitty, Gabriel Santos e Régis; Fábio Bahia, Itaqui, Renan Mota, Morais (Diego Oliveira) e Giovanni (Guilherme Queiroz); Ricardo Bueno (Lucas Mendes).
Técnico: Paulo Roberto Santos

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato (Rafael Longuine), Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique (Arthur Gomes), Vitor Bueno (Vladimir Hernández) e Kayke.
Técnico: Dorival Júnior



Santos bate São Bento, afasta pressão e assume liderança no Paulista

O Santos retomou o caminho da tranquilidade nesta quarta-feira. Após a derrota de virada para o Palmeiras, no último domingo, a torcida do Peixe voltou a pressionar a equipe e até pichou os muros da Vila Belmiro. Porém, os comandados de Dorival Júnior não precisaram fazer muito esforço para baterem o São Bento por 2 a 0, em Sorocaba, e findarem com a desconfiança dos santistas. Depois de um primeiro tempo murcho, o alvinegro contou com o brilho de Lucas Lima para marcar duas vezes na segunda etapa e garantir a vitória.

Com o triunfo, o Santos chegou aos 16 pontos e não só voltou para a zona de classificação como assumiu a liderança do grupo D do Campeonato Paulista, ultrapassando Ponte Preta e Mirassol. A Macaca, também com 16, perde no número de vitórias. Já o Leão foi derrotado pelo Palmeiras, nesta quarta-feira, e parou nos 14 pontos.

O São Bento, por sua vez, estacionou nos 10 pontos, é o último do grupo C, viu o sonho de chegar às quartas ficar mais distante e ainda segue com risco de rebaixamento.

O jogo

Desde o ano passado, a torcida do Santos reclama da demora que o time tem para arriscar uma finalização. Tendo como característica a posse de bola, a equipe comandada por Dorival Júnior sempre espera o momento certo para tentar um chute. E na primeira etapa diante do São Bento, a tônica foi a mesma.

Dominando as ações, o Peixe passou praticamente o jogo inteiro no campo de ataque. Porém, os santistas arriscaram poucas finalizações, erraram todas elas e não conseguiram abrir o placar em Sorocaba.

A primeira oportunidade surgiu aos 9 minutos. Após lindo passe de Thiago Maia, Kayke invadiu a área e bateu cruzado. Porém, o atacante acabou tirando demais do goleiro Rodrigo Viana e a bola passou raspando a trave.

Nulo dentro de campo, o São Bento apenas tentou chegar em alguns contra-ataques. O problema é que a equipe comandada por Paulo Roberto demonstrou uma grande dificuldade técnica e pouco assustou na etapa inicial.

O alvinegro, por sua vez, seguiu com a posse, mas não acertou o pé. Aos 32 minutos, Lucas Lima bateu escanteio fechado para dentro da área. David Braz quase conseguiu desviar, mas a bola acabou saindo direto pela linha de fundo, assustando Rodrigo Viana.

Antes do apito final, o volante Thiago Maia apareceu novamente e achou Vitor Bueno dentro da área. O meia, porém, acabou sendo travado e chutou para fora, finalizando um primeiro tempo com poucas emoções em Sorocaba.

O início do segundo tempo serviu para mostrar como o Santos é dependente de Lucas Lima. Na etapa inicial, o meia pouco produziu e o Peixe ficou aquém do esperado. Porém, logo aos 5 minutos após o intervalo, o camisa 10 recebeu de Victor Ferraz dentro da área, não foi fominha, e rolou para Vitor Bueno. O camisa 7, pressionado após perder um gol inacreditável contra o Palmeiras, no último domingo, bateu no canto do goleiro Rodrigo Viana e abriu o placar em Sorocaba, tirando um peso enorme das costas e deixando o alvinegro em vantagem.

O tento também aliviou a pressão sob todo o time comandado por Dorival Júnior. Mais ‘relaxado’, o Santos aproveitou a fragilidade do São Bento e ampliou o marcador sem fazer esforço. Aos 13 minutos, Kayke aproveitou uma saída errada do Bentão, avançou pela esquerda e mandou para Lucas Lima dentro da área. Com muita tranquilidade, o meia limpou o goleiro e anotou o segundo do Peixe.

Avassalador, o alvinegro quase fez o terceiro dois minutos depois. Bruno Henrique escapou no mano a mano e sofreu falta. Inicialmente, o bandeira anotou pênalti. O árbitro, porém, confirmou a falta fora da área. Mesmo assim, o zagueiro Bebeto acabou expulso. Na cobrança, Victor Ferraz bateu com categoria e a bola passou raspando a trave de Rodrigo Viana.

Após os dois gols e a expulsão, o Peixe ‘tirou o pé’ e apenas administrou o resultado, que levou o alvinegro de voltar para a liderança do grupo D.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê Santos maduro e estranha pressão: “Continuo trabalhando”

O início de ano do Santos vem sendo de altos e baixos. Inicialmente, a chegada de reforços e a estreia arrasadora contra o Linense animaram os torcedores. Porém, após uma sequência com apenas uma vitória em cinco jogos, o técnico Dorival Júnior se viu pressionado. O triunfo sobre o The Strongest e a liderança da Libertadores até aliviaram a tensão na semana passada. O problema é que o revés de virada para o Palmeiras, no último domingo, trouxe de volta o clima pesado para os arredores da Vila Belmiro, que chegou a ser pichada na última segunda-feira.

Nesta quarta-feira, porém, o alvinegro bateu o São Bento por 2 a 0, em Sorocaba, e retomou a liderança do grupo D. Com isso, Dorival espera acabar de vez com a ‘estranha’ pressão que vem acontecendo no clube.

“Esse é o futebol brasileiro. Perdemos um jogo para o São Paulo e foi aquela pressão toda. Pressão já se tem todo dia. Quando é excessiva, a gente estranha. Parece que não enxergam o que se faz no clube. Continuo trabalhando. Temos a confiança de quem comanda a equipe. Não vejo essa pressão toda acontecendo. Estranho em determinados momentos. As pessoas que fazem o dia a dia do Santos sabem do que estou falando. Jogadores trabalham com alegria e buscam fazer o melhor. Os resultados não foram o que produzimos”, explicou o comandante, em entrevista coletiva após o duelo diante do Bentão.

Com o triunfo, o Santos chegou aos 16 pontos e ultrapassou Ponte Preta e Mirassol. A Macaca, também com 16, perde no número de vitórias. Já o Leão foi derrotado pelo Palmeiras, nesta quarta-feira, e parou nos 14 pontos.

“Equipe fez boa partida, jogou no campo do São Bento. Jogaram com consistência. O Santos faz um campeonato que joga de maneira superior, porém os resultados não vinham. Espero que voltemos à normalidade. A equipe mostra maturidade grande. A derrota no domingo apagou muita coisa. Temos mostrado comportamento maduro”, concluiu Dorival.

Bueno ‘esquece’ gol perdido no clássico e agradece confiança de Dorival

Os últimos três dias não foram nada fáceis para Vitor Bueno. Após perder um gol inacreditável contra o Palmeiras, no último domingo, na Vila Belmiro, o meia foi alvo de críticas através de redes sociais e a torcida chegou a pedir para o técnico Dorival Júnior sacá-lo da equipe. Porém, o comandante bancou a permanência do camisa 7 e ele correspondeu na noite desta quarta-feira, quando abriu o placar para o Peixe na vitória por 2 a 0 sobre o São Bento, em Sorocaba.

Artilheiro do alvinegro no Campeonato Paulista, com quatro gols, Bueno agradeceu a confiança do treinador e também acredita que a chance perdida contra o Verdão já é página virada em sua carreira.

“Aquele lance foi infeliz, não pode errar, assumo, peço desculpas, ninguém merece. Não foi porque errei o gol que perdemos, jogamos bem. Já passou. Vamos esquecer. Fui contestado nas redes sociais. Procuro absorver tudo e no jogo pude mostrar o valor. Agradeço ao Dorival pela confiança, sempre me ajudou. Nunca falou que eu estava ameaçado no time. Acho que fiz uma boa partida hoje e fui premiado com o gol. Mas o importante foi ter saído com os três pontos”, ressaltou o camisa 7 na saída do gramado.

Destaque na vitória santista, Lucas Lima dedica gol a irmão internado

A vitória de 2 a 0 sobre o São Bento, nesta quarta-feira, em Sorocaba, serviu para mostrar como o Santos é dependente de Lucas Lima. No primeiro tempo, o meia pouco produziu e o Peixe ficou aquém do esperado. Porém, em apenas 13 minutos da etapa final, o camisa 10 deu assistência para Vitor Bueno marcar e logo depois anotou o seu gol, decretando o triunfo alvinegro.

Decisivo, Lucas Lima comemorou a aliviada na pressão em cima da equipe e ainda revelou um drama familiar. O irmão mais novo do meia possui autismo e está internado por ter sofrido um acidente. O camisa 10, inclusive, dedicou o gol à família.

“Sem dúvida (alivia a pressão). Uma partida onde tínhamos que sair com o resultado, contra uma equipe difícil, com jogadores rodados. Essa vitória é para o meu irmão, que está internado. Não foi uma semana tranquila, mas a minha família me deu todo o suporte para vir a campo”, explicou o santista.

Frágil na Vila, Santos alcança topo do Paulista com vitórias fora de casa

O Santos sempre foi conhecido pela força que tem dentro da Vila Belmiro. Porém, o estádio centenário não vem ajudando o Peixe nesta temporada. Afinal, foram três derrotas em cinco jogos, número superior a temporada inteira de 2016, quando o alvinegro perdeu apenas duas vezes durante todo o ano. Em contrapartida, a equipe comandada por Dorival Júnior foi buscar bons resultados fora de casa, como o triunfo sobre o São Bento, nesta quarta-feira, em Sorocaba, e alcançou a liderança do grupo D do Campeonato Paulista.

Ao todo, os santistas conquistaram três vitórias longe de seus domínios, contra Red Bull Brasil, São Bernardo e São Bento, respectivamente. Além disso, o clube ainda arrancou um empate diante do Ituano. A única derrota fora da Vila foi para o rival Corinthians, em Itaquera, no último dia 4 de março.

E para seguir no topo do grupo D e alcançar a vagal nas quartas de final do Paulista, o Santos terá mais um compromisso longe da Baixada. No próximo sábado, o Peixe visita o Santo André, às 15h (de Brasília), no estádio Bruno José Daniel, no ABC.

Já na última rodada da primeira fase, os comandados de Dorival Júnior recebem o Novorizontino, na quarta-feira, às 21h45. Teoricamente, o alvinegro conta com a força da Vila Belmiro para concretizar a classificação. Porém, o retrospecto recente pode deixar o torcedor santista apreensivo.

DESEMPENHO DO PEIXE NO PAULISTÃO:

Santos na Vila (duas vitórias e três derrotas: seis pontos conquistados)
Santos 6 x 2 Linense
Santos 1 x 3 São Paulo
Santos 0 x 1 Ferroviária
Santos 2 x 0 Botafogo
Santos 1 x 2 Palmeiras

Santos fora (três vitórias, um empate e uma derrota: 10 pontos conquistados)
Red Bull Brasil 2 x 3 Santos
Ituano 0 x 0 Santos
Corinthians 1 x 0 Santos
São Bernardo 1 x 4 Santos
São Bento 0 x 2 Santos