Navegando Posts marcados como Campeonato Paulista

Santos 0 x 0 Palmeiras

Data: 29/02/2020, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 8ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.371 presentes (18.662 pagantes e 1.709 não pagantes)
Renda: R$ 752.580,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Alex Ang Ribeiro.
Cartões amarelos: Felipe Jonatan, Lucas Veríssimo e Sanchez (S); Felipe Melo (P).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Luiz Felipe); Alison (Jobson), Carlos Sánchez e Diego Pituca (Arthur Gomes); Yuri Alberto, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira

PALMEIRAS
Weverton; Gabriel Menino, Felipe Melo, Gustavo Gomez e Viña (Diogo Barbosa); Bruno Henrique, Zé Rafael e Raphael Veiga (Gabriel Veron); Dudu, Willian e Luiz Adriano (Rony).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos e Palmeiras fazem jogo franco no final, mas ficam no empate

O Estádio do Pacaembu recebeu um clássico com poucas emoções até o final do segundo tempo na tarde deste sábado, pelo Campeonato Paulista. Santos e Palmeiras fizeram uma disputa franca nos últimos minutos, mas o duelo que marcou a esperada estreia de Rony terminou com empate por 0 a 0.

Com 12 pontos, três a mais do que o Água Santa, o Santos permanece na liderança do Grupo A do torneio estadual. Já o Palmeiras desperdiçou a chance de estabelecer a melhor campanha e, com 17 pontos, fica no segundo posto do Grupo B, dois atrás do Santo André.

O jogo:

Palmeiras e Santos fizeram um primeiro tempo sem grandes oportunidades de gol no Estádio do Pacaembu. Após vacilo de Felipe Jonatan na saída de bola, Zé Rafael poderia ter acionado Luiz Adriano livre pela direita, mas preferiu chutar em cima da marcação.

Pouco depois, foi Bruno Henrique quem falhou na saída de bola e proporcionou um momento de perigo ao Santos. Soteldo recebeu de Yuri Alberto e, de frente para o gol, chutou de fora da área. A bola, porém, não saiu muito forte e passou à direita de Weverton.

Em mais uma chegada do Santos, Yuri Alberto sofreu falta de Felipe Melo na entrada da área. Sanchez bateu direto e Weverton defendeu. O time alvinegro dominou durante a maior parte do primeiro tempo, mas o Palmeiras conseguiu equilibrar nos minutos finais.

Colocado no lugar de Luiz Adriano, o estreante Rony recebeu lançamento longo de Weverton logo no começo do segundo tempo e tentou dominar. A bola bateu no braço de Pará dentro da área e o árbitro pensou em marcar pênalti, mas o assistente apontou impedimento do atacante palmeirense de forma equivocada.

O Santos contou com vacilo de Diogo Barbosa para responder. Ao cortar lançamento de Sanchez para Soteldo, o lateral esquerdo, colocado no lugar de Viña, acabou ajeitando na entrada da área. Atento, Sasha completou e a viu a bola passar à direita do gol defendido por Weverton.

Com Dudu como articulador desde a entrada de Gabriel no Veron no lugar de Raphael Veiga, o Palmeiras cresceu. Na melhor chance da partida, Willian recebeu do camisa 7 pela esquerda e bateu cruzado, com muito perigo. O clássico foi aberto nos minutos finais, mas não teve gols.

Soteldo se vê mais protagonista em 2020 e diz que Santos ganhou confiança no clássico

O Santos ficou apenas no empate com o Palmeiras neste sábado, porém a avaliação da comissão técnica e do elenco foi positiva. Além de Jesualdo ter elogiado a performance da equipe, Soteldo destacou a confiança que o Peixe ganhou após o clássico e ressaltou que não ficou surpreso pelo Alvinegro ter encarado o Alviverde de igual para igual.

“Não surpreendeu. Gostei, porque a gente conseguiu um pouco do ano passado. Para mim foi bom, apesar do 0 a 0, o que o time mais precisava era ganhar confiança”, afirmou o atacante.

Neste sábado, Soteldo atuou aberto pela direita. O atacante fez questão de demonstrar que está disposto a jogar em posições diferentes, além de dizer que ganhou um maior protagonismo em 2020.

“Estou pegando mais na bola. Agora sou mais protagonista do que no ano passado, quando jogava mais aberto. Tenho que me adaptar às posições de cada jogo”, completou.

Com o resultado deste sábado, o Santos chegou aos 12 pontos, ainda na liderança do grupo A do Paulistão.

Sánchez enxerga mudanças após semana de trabalho e vê Santos no caminho certo

Com uma semana inteira livre para se preparar após a derrota para o Ituano, o Santos apresentou uma melhora no desempenho neste sábado, no clássico com o Palmeiras. Para Carlos Sánchez, o Peixe teve uma postura diferente durante os dias que antecederam a partida e essas mudanças tiveram impacto na performance contra o Alviverde.

“Nessa semana, já tivemos uma mudança muito grande em relação ao que vínhamos fazenda. Trabalhamos muito ligados, com todos concentrados, sabendo do que queríamos. Acho que hoje foram vistas as mudanças da semana”, afirmou o uruguaio.

Sánchez lamentou o fato do Santos não ter saído do Pacaembu com os três pontos, porém acredita que a equipe está evoluindo.

“Fizemos um grande clássico. Não conseguimos chegar à vitória, que era muito importante, mas sabemos que temos coisas importantes pela frente. Temos que manter a tranquilidade, porque estamos no caminho correto”, finalizou.

Jesualdo rebate críticas recebidas no Santos: “Atingem os jogadores”

Desde que chegou ao Santos, Jesualdo Ferreira ainda não conseguiu tornar o Santos regular em campo e, por conta do desempenho abaixo do esperado, já recebeu diversas críticas. Apesar de ser o grande alvo das reclamações, o treinador prefere mostrar preocupação com o impacto delas nos jogadores.

Na entrevista concedida após o empate com o Palmeiras, destacou que as críticas atrapalham o desenvolvimento técnico do elenco, que acaba perdendo confiança.

“Eu tenho que ficar com aquilo que a gente faz e com aquilo que os jogadores fazem. Porque essas críticas não me atingem, atingem os jogadores. Eles sofrem com as críticas e acabam tendo menos tranquilidade para jogarem no nível em que são capazes”, afirmou o treinador.

Jesualdo avaliou positivamente seu trabalho à frente do Santos até o momento. Além disso, o técnico condenou a avaliação feita apenas focada nos resultados obtidos pela sua equipe.

“Só tenho que olhar para o meu trabalho. Estou feliz, acho que fizemos um grande trabalho até agora, com boa capacidade de adaptação. Estamos trabalhando com jogadores que não conhecíamos, assim como não conheciam a gente”, pontuou Jesualdo.

“Pouca gente se lembra das dificuldades que enfrentamos desde o início do ano, das ausências dos jogadores. Fico feliz quando fazemos o jogo que fizemos hoje, apesar de analisarem apenas os resultados. Já percebi que ganhar, empatar ou perder gera sempre críticas negativas”, completou.


Ituano 2 x 0 Santos

Data: 22/02/2020, sábado, 16h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 7ª rodada
Local: Estádio Novelli Junior, em Itu, SP.
Público 3.959 pagantes
Renda: R$ 166.680,00
Árbitro: Edina Alves Batista
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Alex Ang Ribeiro.
Cartões amarelos: Gabriel Tagliari, Luizinho e Suéliton (I); Soteldo e Jean Mota (S).
Gols: Yago (11-1) e Corrêa (26-1).

ITUANO
Pegorari; Pacheco, Ricardo Silva, Suéliton e Breno Lopes; Baralhas, Marcos Serrato e Corrêa; Yago (Gabriel Barros), Luizinho (Léo Duarte) e Gabriel Tagliari (Luiz Paulo).
Técnico: Vinicius Bergantin

SANTOS
Everson; Pará (Lucas Venuto), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca (Jean Mota) e Carlos Sánchez; Arthur Gomes (Renyer), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos de Jesualdo não evolui e perde para o Ituano antes de decisões

O Santos perdeu por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Yago e Corrêa, ainda no primeiro tempo.

O Peixe não apresentou evolução depois de atuação ruim diante da Ferroviária e preocupa o torcedor antes das partidas contra o Palmeiras, pelo próprio Paulistão, e a estreia na Libertadores da América frente ao Defensa y Justicia, na Argentina.

Mesmo com desempenho instável, o Alvinegro lidera o Grupo A do Estadual, com 11 pontos. O Ituano ainda é o lanterna do D, com nove.

O jogo

O Santos teve bom início e chegou a animar o torcedor depois de partida muito ruim contra a Ferroviária. A empolgação, porém, durou pouco.

Aos 11 minutos, Yago recebeu pela direita sozinho. Soteldo não voltou para marcar o lateral Pacheco, Diego Pituca estava distante e Felipe Jonatan ficou com dois na marcação. Resultado: o meia-atacante teve tempo de ajeitar, pensar e colocar a bola no ângulo direito de Everson.

O gol desestabilizou o Peixe, que ficou inofensivo. Desorganizada, a equipe não conseguia trocar três passes consecutivos para frente. Para piorar, o Ituano ampliou em golaço de falta do veterano Corrêa aos 26 minutos.

O Santos se lançou ao ataque na etapa final, porém, seguiu sem organização suficiente para aproximações, tabelas, atacantes no mano a mano. O técnico Jesualdo Ferreira optou pelas entradas de Jean Mota e Renyer nos lugares de Diego Pituca e Arthur Gomes no intervalo. E não funcionou.

A correria não foi suficiente e o Peixe terminou o jogo com poucas chances claras. Na melhor delas, Jean Mota acertou a trave perto do fim. Alerta ligado antes das partidas contra Palmeiras e a estreia na Libertadores.

Jesualdo vê 2º tempo em derrota como “futuro do Santos” e minimiza cobranças

O técnico Jesualdo Ferreira admitiu a atuação ruim do Santos, principalmente no primeiro tempo da derrota por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista.

“Foi o jogo típico de uma equipe que não foi feliz. Na primeira parte, tínhamos controlado. A equipe do Ituano é difícil. Até que surgiram Yago e Correa com dois gols fora do contexto, dois grandes gols. A partir do primeiro gol, a equipe perdeu a confiança, não foi a mesma equipe. Na segunda parte, vocês todos perceberam a reação da equipe, a intensidade, a agressividade, o controle de bola, a criação de algumas situações. Se tivesse acontecido um gol, o jogo poderia ter outra cor e poderíamos ter um resultado melhor. Mas prefiro reter as coisas que fizemos bem. A equipe está muito mais forte fisicamente, muito mais capaz, e a equipe é capaz, quando tem confiança, quando perde a timidez, de subir, de pressionar, de jogar bem, de criar dificuldades para o adversário”, analisou.

“Na primeira parte o que marcou a diferença foi o 1º gol. No segundo tempo, demos uma resposta que eu pretendo que seja o futuro do Santos. Que vai ser o futuro do Santos. Quando os jogadores acreditarem que podem jogar bem melhor que na primeira parte”, completou.

Jesualdo ainda projetou o clássico contra o Palmeiras, sábado, no Pacaembu, e minimizou a cobrança do torcedor.

“O jogo com o Palmeiras é diferente. Tem que ser sempre diferente quando queremos evoluir. A resposta é que temos uma semana para evoluir e sermos melhores no próximo jogo. Aqui, fica um pedido: vamos jogar em São Paulo, temos muitos torcedores, e espero que incentivem a equipe por um jogo melhor e um resultado melhor. É diferente o jogo. Acho que é bom o próximo jogo ser o Palmeiras. Acho ótimo”, avaliou.

“Eu vejo essa cobrança em qualquer lugar. Vi no Corinthians, no São Paulo, teve no Palmeiras e agora acabou. É normal e não me preocupa. Essa questão me preocupa mais quando é feita em cima dos jogadores. A mim não. Acho que é normal. Não sei se cobra mais ou não (do que na Europa), mas no Brasil se cobra bastante”, concluiu.

Felipe Jonatan revela temor por goleada e diz que “tudo vai mudar” no Santos

Felipe Jonatan foi sincero na avaliação da derrota do Santos por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista.

O lateral-esquerdo falou sobre o temor de nova goleada – o Ituano fez 5 a 1 no ano passado -, e prometeu “vida nova” no Peixe.

“Equilíbrio (foi o papo no vestiário). Não poderíamos sair daqui como o Santos no ano passado. Professor pediu equilíbrio, disse que poderíamos reverter, mas goleiro deles estava numa tarde inspirada. Temos que evoluir muito”, disse Felipe.

“No clássico tudo vai mudar. Vamos nos empenhar para mudar esse quadro no fim de semana”, emendou – lembrando que o Alvinegro enfrentará o Verdão sábado, no Pacaembu.

Felipe Jonatan também comparou os times de Jesualdo Ferreira em 2020 e Jorge Sampaoli em 2019.

“Tudo se resume ao trabalho. Estamos dando a nossa vida, mas as coisas precisam de tempo. Fizemos boa campanha ano passado no Brasileiro, método do Jesualdo é diferente. Sampaoli mais agressivo na marcação, time mais em cima. Jesualdo pede para esperarmos um pouco mais, mas ele já falou que isso vai mudar durante os treinamentos. Nessa semana mudamos um pouco, fomos mais agressivos no segundo tempo. Ele pediu isso no intervalo. Ele pediu para guardarmos esse segundo tempo para a gente”, concluiu.

Santos tem pior início ofensivo do século; compare ano a ano

O Santos de Jesualdo Ferreira tem o pior início de ano em termos ofensivos no século – mais precisamente, desde 1994, temporada do tetra da seleção brasileira.

O Peixe fez seis gols em sete partidas do Campeonato Paulista, menos de um por jogo em média. Esse desempenho só foi pior há 26 anos, quando o Alvinegro marcou quatro vezes.

Em termos defensivos, o Santos não está mal. São cinco gols sofridos, melhor retrospecto desde 2015. Para efeito de comparação, o Peixe de Sampaoli teve 20 pró e sete contra no mesmo período do ano passado.

O Alvinegro voltará a campo para enfrentar o Palmeiras, sábado, no Pacaembu, pela oitava rodada do Estadual. O presidente José Carlos Peres prometeu nova chance a Jesualdo, mesmo com o futebol ruim apresentado.

Veja abaixo o retrospecto nos sete primeiros jogos de cada ano desde 1994:

2020: 06 feitos e 05 sofridos
2019: 20 feitos e 07 sofridos
2018: 11 feitos e 07 sofridos
2017: 12 feitos e 09 sofridos
2016: 12 feitos e 08 sofridos
2015: 13 feitos e 04 sofridos
2014: 17 feitos e 04 sofridos
2013: 15 feitos e 09 sofridos
2012: 14 feitos e 08 sofridos
2011: 19 feitos e 08 sofridos
2010: 18 feitos e 07 sofridos
2009: 08 feitos e 09 sofridos
2008: 06 feitos e 08 sofridos
2007: 14 feitos e 07 sofridos
2006: 14 feitos e 09 sofridos
2005: 16 feitos e 05 sofridos
2004: 22 feitos e 08 sofridos
2003: 17 feitos e 10 sofridos
2002: 11 feitos e 08 sofridos
2001: 19 feitos e 06 sofridos
2000: 08 feitos e 16 sofridos
1999: 14 feitos e 08 sofridos
1998: 17 feitos e 11 sofridos
1997: 15 feitos e 11 sofridos
1996: 13 feitos e 10 sofridos
1995: 12 feitos e 07 sofridos
1994: 04 feitos e 08 sofridos


Ferroviária 0 x 0 Santos

Data: 16/02/2020, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 6ª rodada
Local: Estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara, SP.
Público: 6.904 presentes
Renda: R$ 255.810,00.
Auxiliares: Alberto Poletto Masseira e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Luiz Felipe (S); Max (2), Lucas Mandes e Mazinho (F).
Cartão vermelho: Max (F).

FERROVIÁRIA
Saulo; Lucas Mendes, Max, Elton e Bruno Recife; Mazinho, Tony e Claudinho; Felipe Ferreira (Patrick), Henan (Yuri) e Hygor (Léo Artur).
Técnico: Sérgio Soares

SANTOS
Everson; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca (Jean Mota) e Carlos Sánchez; Raniel (Arthur Gomes), Soteldo e Eduardo Sasha (Kaio Jorge).
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos sofre para segurar empate com a Ferroviária

Em uma atuação sofrível na noite deste domingo, o Santos segurou o empate por 0 a 0 com a Ferroviária pela sexta rodada do Campeonato Paulista. A equipe da casa pressionou e mereceu os três pontos na Fonte Luminosa, mas a trave e Everson impediram o triunfo dos mandantes em Araraquara.

O resultado levou o Peixe aos 11 pontos, na ponta do Grupo A. Já a Ferroviária segue na lanterna do Grupo D, com cinco pontos.

O jogo

Jesualdo Ferreira promoveu o retorno de Everson ao gol e, com a sombra de Vladimir, o goleiro mostrou serviço ao treinador português. Isso porque o Santos foi amassado pela Ferroviária durante todo o primeiro tempo.

Hean, Felipe Ferreira e Hygor perderam chance atrás de chance e o intervalo chegou para o alívio dos santistas.

Na etapa final, os visitantes até conseguiram ficar mais tempo com a bola. Ainda assim, com apenas nove minutos, Patrick acertou a trave de Everson depois de linda caneta em cima da Pará.

Nos minutos finais, Max foi expulso e o Santos conseguiu impor pressão. Jean Mota por pouco não marcou.

E acabou assim, sem gols. E vaia para os dois times oriundas das arquibancadas.

Sánchez admite que faltou atitude ao Santos contra a Ferroviária

O Santos ficou no 0 a 0 com a Ferroviária neste domingo. O placar, por si só, já não é bom, mas o desempenho do Peixe em campo foi pior ainda. Carlos Sánchez admitiu, na saída de campo, que a equipe praiana ficou devendo em Araraquara.

“Faltou atitude. Com time grande isso não pode acontecer, temos que trabalhar, fizemos uma partida difícil hoje. Temos que trabalhar e não ter desculpas, porque ainda faltam coisas. São pontos que às vezes valem muito. É levantar a cabeça, apesar de não ter saído com a vitória”, disse, ao Premiere.

No intervalo do confronto, Sánchez fez pelo menos a alegria de um torcedor santista que levou uma grande faixa ao estádio, escrita em espanhol, e que pedia uma camisa do uruguaio.

“Sim, com coisas pequenas fazemos crianças, torcedores, muito felizes. Eles sabem que podemos dar mais e assim temos de seguir trabalhando”, concluiu.

Jesualdo fala em pior jogo do Santos e não consegue explicar o motivo

Jesualdo Ferreira não escondeu sua insatisfação pelo desempenho do Santos na noite deste domingo, no empate com a Ferroviária por 0 a 0. Em entrevista coletiva ainda no estádio da Fonte Luminosa, em Araraquara, o técnico português não conseguiu explicar o motivo dos santistas terem jogado tão mal.

“Foi nosso pior jogo, eu esperava que fosse a continuação do jogo anterior e a verdade é que isso não aconteceu. Muitas vezes não consigo explicar muito bem, os jogadores não conseguem explicar como as coisas aconteceram. Não começamos bem o jogo e depois não tivemos a capacidade para fazer o gol e controlar as situações, como vínhamos fazendo”, avaliou.

“Acabamos por ter um resultado que não é positivo para nós. É um jogo para nós conversarmos, tentar encontrar as razões. Muitas vezes as coisas não acontecem na lógica que queremos. Foi um jogo fora da lógica em função do que fizemos lá atrás”,
Agora, o Santos vai visitar o Ituano, sábado que vem. E Jesualdo espera que a resposta seja imediata.

“Jogamos mal, isso acontece, mas vamos trabalhar para o próximo jogo já, se possível, que as coisas sejam melhores”, concluiu.

Sánchez revela discussão no vestiário do Santos após empate com a Ferroviária

Após o empate do Santos em 0 a 0 com a Ferroviária, pela 6ª rodada do Campeonato Paulista, Carlos Sánchez deu uma entrevista polêmica na saída do gramado, dizendo que faltou atitude da equipe e que isso não poderia acontecer em um time grande. Nesta terça-feira, em entrevista coletiva, o meio-campista voltou a comentar sobre o tema e revelou que teve cobrança no vestiário.

“A discussão foi grande no vestiário. Era um jogo que não podíamos deixar de jogar o que havíamos planejado. Foi difícil. Um primeiro tempo muito ruim de todos, em que não conseguimos achar a forma, atuar como estávamos nas outras partidas”, disse.

Em Araraquara, o Peixe não fez uma boa partida e graças a boa atuação do goleiro Everson, o time de Jesualdo Ferreira não conheceu sua segunda derrota no estadual.

Apesar da crítica, Sánchez fez questão de frisar que não faltou entrega dos companheiros e reconheceu que é necessária uma melhora para a sequência.

Sánchez freia empolgação com Jesualdo e culpa jogadores por não apresentar melhor futebol

O futebol do Santos segue sendo alvo de críticas. Com o pouco tempo de trabalho, Jesualdo Ferreira ainda não conseguiu implementar sua ideias de jogo. Carlos Sánchez acredita que os principais responsáveis pelas atuações do Peixe são os próprios jogadores.

“Ainda não encontramos a forma de jogar, mas isso é nossa culpa, por ainda não se adaptar ao estilo de Jesualdo. Vamos trabalhar melhor, concentrar mais para que não aconteça lá na frente o que aconteceu domingo contra a Ferroviária”, comentou.

O uruguaio não poupou críticas ao futebol apresentado pelo Santos no empate do último domingo, em Araraquara. Na saída do gramado, o meio-campista alegou que faltou atitude ao time e que isso não deveria se repetir.

Apesar da falas contundentes, Sánchez acredita que o momento se deve pelo período de adaptação do novo treinador à frente do Alvinegro da Vila Belmiro. Evitando comparações, o atleta de 35 anos lembrou o começo de Sampaoli, em que a equipe também recebeu críticas e depois deslanchou.

“Todo início tem um período de adaptação. No começo do Sampaoli, nós também não conseguíamos fazer tudo que ele pediu e foi um bom amadurecimento. Agora acontece a mesma coisa. São sistemas diferentes, formas diferentes de se trabalhar, sem querer fazer comparação”, disse.

Em seis jogos, Jesualdo tem 61,1% de aproveitamento, com três vitórias, dois empates e uma derrota. O próximo desafio será diante do Ituano, em Itu, no sábado, às 16h30.


Santos 2 x 0 Botafogo-SP

Data: 10/02/2020, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.504 pagantes
Renda: R$ 115.525,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Fabrício Porfírio de Moura e Leonardo Tadeu Pedro.
Cartões amarelos: Luiz Felipe (S); Didi (B).
Gols: Carlos Sánchez (20-1) e Eduardo Sasha (10-2).

SANTOS
Vladimir; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca (Jobson) e Carlos Sánchez; Raniel (Kaio Jorge), Eduardo Sasha (Renyer) e Soteldo.
Técnico: Jesualdo Ferreira

BOTAFOGO-SP
Darley; Sa, Reginaldo, Jordan e Gilson; Didi, Edson Júnior (Ferreira), Jonata Machado (Calabres) e Francis; Guilherme Romão (Ronald) e Diego Cardoso.
Técnico: Wagner Lopes



Santos joga para o gasto e vence fácil sob regência de Soteldo

O Santos nem precisou de tanta intensidade para vencer, sem maiores problemas, o Botafogo-SP por 2 a 0, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista.

O domínio foi completo dos santistas, que tiveram Carlos Sánchez e Soteldo como principais destaques. O camisa 10 venezuelano, aliás, voltou muito bem do Pré-Olímpico.

O Peixe não deu show e poderia ter acelerado mais a partida. Ainda assim, amenizou a derrota para o Corinthians, sofrida como visitante. Sob chuva e com o apoio de apenas 3.504 torcedores, os comandados do português Jesualdo Ferreira fizeram bem o “arroz com feijão”.

No primeiro tempo, Soteldo deu uma bela cavada para Sasha, que abriu na esquerda e cruzou para Sánchez pegar de primeira, bonito, e abrir o placar.

Na etapa final, Soteldo fez jogada individual pela esquerda e cruzou para Sasha completar para as redes, de peixinho.

A partir disso, o Santos passou a se poupar no campo, Jesualdo promoveu suas substituições e o Botafogo se viu incapaz de incomodar. O time do interior foi embora sem chutar sequer uma bola ao gol.

O resultado levou o Santos aos 10 pontos em cinco rodadas, na liderança do Grupo A, bem diferente do seu adversário desta noite, que continua com apenas 1 pontinho somado, na lanterna do Grupo B.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo explica situação de Soteldo no Santos e admite orientação nova

Soteldo foi o grande destaque do Santos na vitória sobre o Botafogo-SP, nesta segunda-feira. O técnico Jesulado Ferreira não poupou elogios ao seu camisa 10 e aproveitou para explicar que a condição física do venezuelano ainda não é a ideia.

“Soteldo veio de um processo diferente do nosso, pouco trabalho aqui, cerca de uma semana apenas. Foi para o torneio (Pré-Olímpico) em que são muitos jogos com pouco espaço de recuperação. Ele não chegou em boas condições, chegou cansado e não pôde estar à disposição com o Corinthians. Não esperava muito mais do que ele fez hoje, porque ainda não está muito bem, mas é um jogador que dá mais agressividade no ataque, vai ser alguém que não só marca gols, como alguém que dá assistência. É diferente dos outros”.

O treinador português não percebeu nenhuma alteração em Soteldo por causa da proposta do Atlético-MG, explicou que vê com naturalidade esse tipo de situação nessa época do ano.

Dentro de campo, o técnico europeu admitiu que pediu para Soteldo começar a rodar por um setor em que não está tão acostumado.

“Qualquer atacante deve conhecer muito bem as três zonas em que se joga: na esquerda, central e à direta. É importante que todos pisem e saibam jogar nessas posições. Soteldo tem capacidade de jogar de um lado e do outro. Hoje, depois do gol, era importante que ele mudasse”.

Jesualdo elogia Sánchez, mas fala em busca por alternativa no Santos

Carlos Sánchez abriu o placar para o Santos e comandou o meio de campo da equipe na partida desta segunda-feira, contra o Botafogo-SP. Jesualdo Ferreira falou com entusiasmo sobre o uruguaio depois da vitória santista por 2 a 0, na Vila Blemiro.

“Sanchez é um jogador muito experiente, tem uma grande qualidade na forma como finaliza, é também dentro do campo um líder que é importante termos, temos de criar mais líderes, no ultimo terço é muito forte. É um jogador que incomoda os adversários”.

Aliás, o trio formado por Sánchez, Soteldo e Pituca funcionou bem em alguns momentos do confronto. Essa empolgação, porém, Jesualdo tratou de acalmar.

“Vamos tentar encontrar alternativas para todos os jogadores que temos. Há uma rotação durante os jogos, a ansiedade de conhecer melhor alguns, dar confiança a quem está jogando menos, mas a jornada é longa e esses três não são suficientes. Temos de criar a possibilidade de outros sistemas e com outros jogadores. Ninguém consegue fazer um time em um mês”, disse, antes de uma breve avaliação sobre a partida.

“Conseguimos controlar o jogo adversário e nem sempre a bola gira com a velocidade que nós queremos. Isso são aspectos que com o tempo vão sendo normais, mas a equipe foi capaz de imprimir sua força contra uma equipe muito fechada”.

Jesualdo diz que viu Vladimir em 2019 e promete dar confiança ao goleiro no Santos

Vladimir fez parte do grupo do Avaí que acabou rebaixado à Série B no Campeonato Brasileiro, em 2019. Ainda assim, o goleiro conseguiu se destacar com atuações individuais.

O resultado do trabalho no ano passado pode ser colhido agora, com Jesualdo Ferreira. O técnico português, pelo visto, assistiu aos vídeos de Vladimir e resolveu dar a primeira oportunidade em 2020 nessa segunda, contra o Botafogo-SP.

“Quando você tem uma temporada longa e tem quatro goleiros, não faz sentido que se faça muitos jogos só com os mesmos. Vladimir tem que encontrar confiança também. Com tanto jogo pela frente, com calma, vou fazendo isso, dar chance para que outros goleiros joguem”, explicou o técnico.

É bom Everson ligar o sinal de alerta, porque Jesualdo conseguiu elogiar Vladimir mesmo em um jogo que o adversário não chutou sequer uma bola no gol.

“Saiu em uma bola no chão, no alto não teve problemas. Foi uma noite tranquila, aquilo que eu esperava dele eu consegui, acho que ele tem muita qualidade, aquilo que já tive oportunidade de ver no ano passado. É um goleiro com grande qualidade e precisa de confiança”, concluiu.


Corinthians 2 x 0 Santos

Data: 02/02/2020, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Arena Corinthians, o Itaquerão, em São Paulo, SP.
Público: 40.669 pagantes (40.935 total)
Renda: R$ 2.355.356,04
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Janderson, Tiago Nunes e Cássio (C); Jobson (S).
Cartão vermelho: Janderson (C, 03-2)
Gols: Everaldo (01-1) e Janderson (01-2).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Gil e Sidcley; Camacho (Gabriel) e Cantillo; Everaldo (Mateus Vital), Luan (Lucas Piton) e Janderson; Boselli.
Técnico: Tiago Nunes

SANTOS
Everson; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson (Uribe), Diego Pituca e Sandry (Evandro); Kaio Jorge (Jean Mota), Eduardo Sasha e Raniel.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Corinthians joga bem e vence o Santos com gols de Everaldo e Janderson

Com um gol no inicio de cada tempo, o Corinthians venceu o Santos por 2 a 0, na manhã deste domingo, na Arena. Everaldo e Janderson balançaram as redes para o Timão, que voltou a vencer depois de dois tropeços no Campeonato Paulista. Os mandantes dominaram um frágil Peixe, que pouco conseguiu assustar, mesmo com o jogador a mais durante praticamente todo o segundo tempo.

Com a vitória, o Corinthians chegou aos sete pontos, alcançando a liderança do grupo D. Enquanto isso, o Santos estacionou nos sete pontos, ainda na primeira posição da chave A. O próximo compromisso do time é contra o Botafogo-SP, no dia 10, na segunda-feira, às 20h.

O jogo

O Corinthians pressionou o Santos desde o apito inicial e conseguiu abrir o placar antes mesmo do segundo minuto da partida. Cantillo fez bela inversão para Fagner, que trouxe para a esquerda e cruzou na área. A bola ficou oferecida para Everaldo, que dominou e chutou cruzado para vencer Everson. O atacante do Timão chorou na comemoração.

O Timão não diminuiu o ritmo e quase ampliou logo em seguida. Janderson desceu pela direita e cruzou na cabeça de Luan, que testou à direita do gol. Outro que perdeu grande chance para o Timão foi Sidcley. Outra vez Fagner apareceu bem pela direita e cruzou rasteiro até o lateral-esquerdo, que desperdiçou oportunidade incrível debaixo do gol.

O roteiro do início do segundo tempo foi igual ao da primeira metade. Antes do segundo minuto, Boselli recebeu a bola pela esquerda e lançou grande bola por cima da zaga até encontrar Janderson, que dominou e finalizou cruzado para ampliar. Na comemoração, o atacante subiu na plataforma que dá acesso à arquibancada para celebrar com a torcida. Como já tinha amarelo, recebeu o segundo cartão e foi expulso.

A primeira chance de perigo do Santos na partida veio em um escanteio. Pará bateu pela direita, Luan Peres cabeceou e a bola passou muito perto da trave. Mesmo com um a mais, o Peixe pouco conseguiu construir no ataque. O Corinthians voltou a levar perigo, dessa vez com Gabriel, que aproveitou sobra de bola dentro da área e finalizou rasteiro, exigindo defesa de Everson.

O Santos até chegou a balançar as redes com Uribe, mas o árbitro assinalou falta de Sasha em disputa com Fagner na origem da jogada. A partida terminou com o Corinthians controlando tranquilamente as ações defensivas.

Jesualdo mostra preocupação com intensidade do Santos e exalta marcação do Corinthians

Neste domingo, o Santos foi derrotado pelo Corinthians. Após o revés por 2 a 0, que marcou o fim da invencibilidade do Peixe no Campeonato Paulista, o técnico Jesualdo Ferreira concedeu entrevista coletiva na Arena em Itaquera e comentou a respeito de mais uma atuação discreta da sua equipe.

“Primeiro porque o Corinthians é uma boa equipe. Marcou o gol muito cedo e isso tem um peso muito grande, claro. Foram duas equipes que se encontraram em dois momentos diferentes. Sobre a intensidade, esse é um problema para a gente tratar internamente. Clássico é assim. Muito jogo ofensivo do Santos foi parado pela boa marcação do Corinthians”, comentou.

O comandante português ainda explicou o motivo pelo qual optou por escalar o Santos com três volantes.

“Minha intenção, em função do elenco, era aproveitar o melhor de cada um. Nós tivemos um dificuldade em um nível muito grande. Não se trata só dos três médios (Sandry, Diego Pituca e Jobson). Não houve nenhuma intenção que não fosse recuperar a bola no tempo certo e atacar”, destacou.

Com o resultado, o Santos está ameaçado na liderança do Grupo A. Isso porque a Ponte Preta, vice-líder, tem um ponto a menos que o Alvinegro Praiano e ainda não entrou em campo pela quarta rodada do Paulistão.

Everson elege ponto fraco do Santos na derrota para o Corinthians

Neste domingo, o Santos visitou o Corinthians e perdeu sua invencibilidade no Campeonato Paulista. Mesmo com os gols sofridos, Everson foi importante para garantir que a partida não terminasse com uma vantagem ainda maior para o Timão. Após a derrota, o goleiro elegeu o ponto fraco do Peixe durante o Clássico Alvinegro.

“Não suportamos a pressão. A gente sabia que o Corinthians pressionar bastante. Conseguiram fazer gol com um minutos e meio e isso dificultou todo o esquema tático na partida. Perder clássico é ruim, mas agora é levantar a cabeça e trabalhar para que no próximo a gente possa vencer”, comentou.

Mais uma vez, o técnico Jesualdo Ferreira não teve à disposição todos os atletas do elenco. Carlos Sánchez e Soteldo, dois dos principais jogadores, foram desfalques. Questionado a respeito do tema, o arqueiro minimizou.

“Não podemos encostar a cabeça ou colocar a desculpa que eles não jogaram. Temos um elenco, todos estão tendo oportunidades. Infelizmente não conseguimos fazer um bom jogo e agora é tirar um aprendizado desse clássico para que nos próximos não se repita os erros e possamos ganhar, porque é importante ganhar em clássicos”, destacou.

Raniel analisa derrota no Clássico Alvinegro: “Desestabilizou nossa equipe”

Depois de duas vitórias consecutivas, contra Guarani e Inter de Limeira, o Santos perdeu a sua invencibilidade no Campeonato Paulista diante do Corinthians. A equipe de Jesualdo Ferreira até teve mais posse de bola durante a segunda etapa do Clássico Alvinegro, mas pouco agrediu o Timão.

Após a derrota por 2 a 0, o atacante Raniel analisou a atuação do Santos.

“A gente sabe que aqui eles pressionam bastante, tem um bom ritmo de jogo, a gente tomou dois gols no início, querendo ou não, isso desestabiliza a nossa equipe. Infelizmente não foi o resultado que nós queríamos, mas agora é trabalhar e erguer a cabeça porque tem muita coisa pela frente”, destacou.

Com o resultado, o Santos está ameaçado na liderança do Grupo A. Isso porque a Ponte Preta, vice-líder, tem um ponto a menos que o Alvinegro Praiano e ainda não entrou em campo pela quarta rodada do Paulistão.

Luan Peres admite superioridade do Corinthians no Clássico Alvinegro

Apesar da derrota por 2 a 0 diante do Corinthians, o principal destaque do Santos foi Luan Peres. O zagueiro não só foi importante para dar consistência na saída de bola, como também evitou que o Timão fosse para o vestiário com uma vantagem ainda maior.

Em entrevista concedida na zona mista da Arena em Itaquera, o defensor admitiu que o rival foi merecedor do resultado.

“No primeiro tempo eles foram muito superiores a nós. Eles fizeram um a zero no começo, e isso foi total falta de atenção da nossa equipe. No segundo tempo tivemos mais posse de bola, mas era óbvio, estávamos com um jogador a mais, tínhamos que fazer isso”, comentou.

Questionado a respeito da escalação do técnico Jesualdo Ferreira, Luan Peres evitou polêmicas.

“O Jobson tem muita qualidade na saída. O Evandro também equilibra o meio campo e tem experiência e isso conta porque é clássico, mas as alterações foram opção do professor”, completou.

Everson defende trabalho de Jesualdo no Santos e comenta comparação com Sampaoli

Titular absoluto da meta do Santos, Everson sofreu dois gols na derrota do Peixe diante do Corinthians, mas foi importante para evitar que o placar fosse ainda mais elástico. O revés marcou a primeira derrota de Jesualdo Ferreira, que vem sendo criticado por alguns torcedores.

Em entrevista concedida na zona mista da Arena em Itaquera, o arqueiro saiu em defesa do treinador e projetou uma semana importante para o elenco assimilar suas ideias. Isso porque o Alvinegro Praiano só volta a campo na outra segunda-feira, às 20 horas (de Brasília), contra o Botafogo-SP.

“A próxima semana será muito importante para nós, porque teremos toda a semana para trabalhar, entender cada vez mais as ideias do professor Jesualdo e reproduzir nos jogos. As ideias dele são atuais, ele tem uma comissão técnica qualificada, todos os auxiliares dele também tem ideais novas de futebol. Só hoje que não conseguimos impor nossa metodologia de hoje, mas o trabalho dele é muito bom”.

Na noite em que Jesualdo conquistou a sua primeira vitória à frente do Santos, o treinador se incomodou quando foi comparado ao ex-comandante do Peixe, Jorge Sampaoli. Assunto esse que também foi abordado com o goleiro.

“Isso pode irritar ele, mas é impossível evitar. Foi um ano bom que nós tivemos, mas isso vem mais de vocês. Para nós jogadores não incomoda. Nós somos profissionais, tentamos nos adaptar o mais rápido possível à uma filosofia nova”, comentou.

Jesualdo explica ausências de Soteldo e Sánchez contra o Corinthians

A primeira derrota de Jesualdo Ferreira no comando do Santos foi justamente contra o Corinthians, neste domingo, na Arena em Itaquera. Como tem sido desde a sua chegada, o treinador português novamente não pôde contar com todos os atletas à sua disposição.

Após o revés, Jesualdo falou a respeito das ausências de dois dos seus principais destaques da equipe, Carlos Sánchez e Soteldo.

“Soteldo voltou recentemente da disputa do Pré-Olímpico e disse que estava muito cansado, que não tinha condições de jogar. Por conta disso, falei para ele ir descansar. Há momentos que é muito melhor preservar o jogador, que pode sofrer com uma lesão grave. Com o Sánchez foi a mesma coisa. A vida do clube não acabou hoje. Isso é futebol. Futebol também é relacionamento, conversa e entendimento”, comentou.

Sob a visão de Jesualdo, a condição física dos jogadores do Santos deve melhorar com o passar do tempo.

“Temos praticamente três semanas. Quando jogamos, também é parte do trabalho físico e tático da equipe. O trabalho que estamos fazendo não é para agora, é pensando na Libertadores e outras competições. Nesta semana cheia vamos focar na questão física, além da questão tática. Também vamos trabalhar o emocional e a confiança”, completou.