Navegando Posts marcados como Carlos Sánchez

Fortaleza 2 x 1 Santos

Data: 28/11/2019, quinta-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Arena Castelão, em Fortaleza, CE.
Público: 33.925 pagantes
Renda: R$ 271.260,00
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA).
VAR: Rodrigo D’Alonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Felipe, Juninho e Rogério Ceni (F); Luan Peres, Pará, Derlis González, Eduardo Sasha, Lucas Veríssimo, Jorge Sampaoli, Evandro, Jean Mota e Soteldo (S).
Cartão vermelho: Soteldo (S).
Gols: Edinho (04-2), Osvaldo (19-2) e Carlos Sánchez (23-2).

FORTALEZA
Felipe Alves; Gabriel Dias, Paulão, Quintero e Bruno Melo; Felipe (Araruna) e Juninho; Romarinho, Edinho (Tinga), Osvaldo (Kieza) e Wellington Paulista.
Técnico: Rogério Ceni

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Jean Mota) e Luan Peres (Evandro); Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca (Felipe Jonatan); Derlis González, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Sánchez perde pênalti no fim, e Fortaleza acaba com invencibilidade do Santos

Em jogo muito movimentado do início ao fim, o Fortaleza venceu o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Castelão, em jogo válido pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os donos da casa abriram 2 a 0 no segundo tempo com Edinho e Osvaldo. O Peixe diminuiu com Carlos Sánchez e teve chance para pontuar quando o uruguaio desperdiçou pênalti perto do fim.

O Fortaleza acaba com uma invencibilidade de sete jogos do Alvinegro no Brasileirão. A última derrota santista havia sido contra o Atlético-MG, em 20 de outubro. Além disso, foi a primeira vitória diante desse adversário na história, depois de 14 encontros.

O Tricolor assume a 10ª colocação do Nacional, com 46 pontos. O Santos segue na vice-liderança, com 68. O Palmeiras perdeu para o Fluminense no Maracanã.

O jogo

O Santos quase abriu o placar antes mesmo do placar marcar um minuto. Eduardo Sasha roubou a bola do goleiro Felipe Alves e ela sobrou limpa para Carlos Sánchez, de canhota, errar o gol aberto.

No minuto 10, novamente Sánchez: o uruguaio recebeu na direita, cortou e tentou de novo com a perna esquerda. Felipe Alves espalmou de mão trocada.

O Fortaleza equilibrou as ações e só voltou a levar susto aos 33, quando Derlis González foi acionado por Diego Pituca no contra-ataque e cruzou. Quintero fez corte providencial antes de Sánchez aparecer para marcar o gol.

Na sequência, os donos da casa ficaram perto de abrir o placar. Edinho ganhou de Luan Peres e cruzou, Luiz Felipe cortou mal e Osvaldo tentou voleio. A bola pintou, encobriu Everson e raspou o travessão.

Ainda deu tempo do Peixe, mais perigoso na etapa inicial, obrigar Felipe Alves a fazer outra boa intervenção em cabeceio de Luan Peres no minuto 33.

O Fortaleza voltou mais agressivo para a etapa final e foi recompensado logo aos quatro minutos, em cobrança de falta bem batida por Edinho. Everson foi mal no lance, tocou na bola e não conseguiu evitar o gol.

O Santos buscou a reação e esteve perto no minuto 8, quando Sánchez foi derrubado na área e o árbitro marcou pênalti. O uruguaio, porém, estava impedido. Aos 12, Derlis perdeu enorme oportunidade depois de cruzamento de Pituca.

E depois das chances perdidas pelo Peixe, o Fortaleza ampliou no minuto 19. Romarinho fez boa jogada pela direita e cruzou, Luiz Felipe falhou e Osvaldo deslocou Everson. 2 a 0.

O Alvinegro mostrou poder de reação e diminuiu aos 23. Diego Pituca botou a bola na cabeça de Sánchez e o uruguaio foi preciso para marcar o primeiro.

O Santos se lançou inteiro ao ataque e quase foi surpreendido em contragolpe aos 30. Osvaldo tabelou com Romarinho, adiantou demais e chutou para fora. Na sequência, o Peixe ficou perto de buscar o empate.

Evandro roubou a bola de Juninho na área e sofreu o pênalti confirmado depois do auxílio do vídeo. Carlos Sánchez bateu e acertou a trave de Felipe Alves. O Santos insistiu nos minutos finais, mas não conseguiu fazer o gol. 2 a 1 para o Fortaleza no apito final.

Sampaoli se irrita, despista sobre futuro no Santos e reclama de “vergonha” em Fortaleza

Jorge Sampaoli concedeu uma entrevista coletiva no “modo pistola” após a derrota do Santos por 2 a 1 para o Fortaleza na noite desta quinta-feira, no Castelão, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Na primeira pergunta, ele interrompeu o repórter durante fala sobre as escolhas de Sampaoli: Luan Peres na lateral, depois Diego Pituca e por fim Felipe Jonatan.

“Você está me contando do jogo? Me pergunte… Coloquei o primeiro Luan, depois Pituca e depois Felipe Jonatan. Isso se responde sozinho”, disse o técnico.

No segundo questionamento, despistou sobre o futuro no Peixe e reclamou da “vergonha do século passado” com as bolas murchas no estádio.

“Expliquei mil milhões de vezes. Penso em ganhar cada jogo. Hoje se escapou resultado em cenário difícil, perdemos sem merecer. Parecia jogo do século passado, murcharam bolas. Uma vergonha. É como atrasar o jogo em 50 ou 100 anos”, disse Sampaoli, antes de interromper mais pergunta, dessa vez sobre a ausência de Jorge, cortado por “incômodo no joelho direito.

“Não está em condições. Se estiver recuperado, sim (joga). Hoje não está em condições”, afirmou.

Na sequência, o suposto interesse do Palmeiras foi levado em pauta. E mais uma resposta seca do argentino.

“Especulações midiáticas. Não falaria com nenhum clube estando nessa instituição”, concluiu.

Jean Mota diz que gandulas murcharam bolas em derrota do Santos

Jean Mota disse que gandulas furaram bolas nos minutos finais da vitória do Fortaleza por 2 a 1 sobre o Santos na noite desta quinta-feira, no Castelão.

O Peixe reclamou demais da arbitragem por causa dos cartões amarelos recebidos. Pará e Soteldo foram expulsos no fim da partida.

“O jogo parou seis minutos e ele deu seis de acréscimo. O Felipe Alves ficou quatro minutos para ser atendido, e os gandulas murcharam as bolas e a gente ficou mais três minutos parados. Aí ele deu mais um minuto. Não existe. Essa foi a reclamação”, disse Jean Mota, ao Premiere.

Sánchez admite nervosismo do Santos por causa da falta de “categoria” do árbitro

Carlos Sánchez admitiu o nervosismo do Santos e justificou com a “falta de categoria” do árbitro Diego Pombo Lopez (BA) na derrota por 2 a 1 sobre o Fortaleza na noite desta quinta-feira, no Castelão, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe reclamou demais da arbitragem por causa dos cartões amarelos recebidos e falta de acréscimos. Pará e Soteldo foram expulsos no fim da partida.

“Sim, ficamos nervosos. Árbitro não tem categoria e não pode trabalhar neste jogo. Era só amarelo para nós. Tomou muito o protagonismo”, disse Sánchez, ao Premiere.

O uruguaio diminuiu o placar, mas perdeu pênalti aos 39 minutos do segundo tempo.

Santos tem cinco desfalques por suspensão para enfrentar a Chape: “Arbitragem horrível”, diz Pará

O técnico Jorge Sampaoli, o zagueiro Luan Peres, o lateral-direito Pará, o meia Jean Mota e o atacante Soteldo desfalcarão o Santos na partida contra a Chapecoense, domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli, Luan e Jean Mota receberam o terceiro cartão amarelo na partida contra o Fortaleza desta quinta-feira, no Castelão. Sampaoli, mais uma vez, por reclamação. Luan e Jean por faltas fortes na defesa. Soteldo e Pará levaram duas advertências e foram expulsos.

“Arbitragem horrível. Não disse nada, ele só fez uma arbitragem horrível”, disse Pará, ao Premiere.

O auxiliar Jorge Desio substituirá Sampaoli mais uma vez na área técnica. Na defesa, Gustavo Henrique retorna depois de cumprir suspensão e Victor Ferraz deve atuar. Jean Mota seria provável reserva. Soteldo tem Felipe Jonatan, Tailson, Derlis González e Venuto como possíveis suplentes.

Outra novidade do Peixe será Marinho. Em ótima fase, o atacante também foi desfalque em Fortaleza por causa dos cartões.


Santos 1 x 1 São Paulo

Data: 16/11/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 33ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 14.062 pagantes
Renda: R$ 602.192,50
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP) e Alex Ang Ribeiro (SP).
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira de Amaral (SP)
Cartões amarelos: Felipe Jonatan (S); Pablo, Vitor Bueno e Bruno Alves (SP).
Gols: Carlos Sánchez (07-1) e Daniel Alves (08-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Jorge; Alison (Jean Mota), Evandro (Tailson) e Carlos Sánchez; Felipe Jonatan (Diego Pituca), Sasha e Marinho.
Técnico: Jorge Sampaoli

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Juanfran, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Jucilei (Liziero); Daniel Alves (Gabriel Sara), Igor Gomes, Tchê Tchê e Vitor Bueno; Pablo.
Técnico: Fernando Diniz



Com presença de Bolsonaro, Santos e São Paulo empatam na Vila Belmiro

Deu empate no clássico San-São deste sábado. Recebendo o São Paulo na Vila Belmiro com direito à presença do presidente Jair Bolsonaro, o Santos até dominou o primeiro tempo e abriu o placar, mas acabou sofrendo o empate na etapa complementar, quando o time de Fernando Diniz melhorou consideravelmente, e teve de se conformar com a igualdade em 1 a 1 no marcador, em partida válida pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol do Peixe foi marcado por Carlos Sánchez, de pênalti. Daniel Alves balançou as redes para o Tricolor.

Com o resultado, o Santos perdeu a oportunidade de assumir a vice-liderança provisória da competição, já que, se ganhasse, empataria com o Palmeiras em número de pontos, mas teria uma vitória a mais – o Verdão entra em campo neste domingo, contra o Bahia, na Fonte Nova. Já o São Paulo desperdiçou a chance de encostar no Grêmio na briga por uma vaga no G4.

O jogo

O São Paulo mal teve tempo para se aclimatar ao jogo e já sofreu um duro golpe. Logo aos seis minutos, Jucilei errou um passe no meio-campo e deu o contra-ataque de presente para o Santos. Evandro recebeu em profundidade, chegou antes de Arboleda e acabou sendo derrubado pelo zagueiro dentro da área. O juiz não teve dúvidas e prontamente marcou pênalti. Carlos Sánchez foi para a cobrança e não desperdiçou, abrindo o placar na Vila Belmiro.

Em dia nada inspirado, o São Paulo só foi responder aos 18 minutos, e não necessariamente com uma jogada de perigo. Daniel Alves recebeu por elevação e, ao tentar se livrar de Gustavo Henrique, foi tocado pelo zagueiro dentro da área, indo ao chão. Mas, desta vez, o árbitro não apontou para a marca da cal, mandando o jogo prosseguir.

Sem demonstrar qualquer tipo de agressividade dentro de campo, o São Paulo parecia cada vez mais entregar o jogo de bandeja para o rival. Aos 36 minutos, o Santos só não ampliou porque faltou sorte a Carlos Sánchez. Daniel Alves foi desarmado ao tentar chapelar um adversário no meio-campo, e Marinho foi acionado em velocidade. Ligado no lance, Tiago Volpi saiu do gol para afastar o perigo, mas acabou entregando a bola nos pés de Sánchez, que tentou encobri-lo, mas mandou para fora.

Antes de as equipes irem para o intervalo, o Peixe ainda teve outra ótima oportunidade para ficar ainda mais confortável na partida, mas novamente desperdiçou. Aos 42, Sasha recebeu pela direita e cruzou rasteiro, para trás, encontrando Evandro, que chegou batendo de primeira, mas mandou por cima do gol.

Com Liziero na vaga de Jucilei, o São Paulo voltou para o segundo tempo mais ligado, só que foi o Santos quem chegou com perigo pela primeira vez. Aos sete minutos, Sasha aproveitou bate-rebate dentro da área para ficar com a sobra do carrinho de Arboleda e bateu cruzado, forçando Tiago Volpi a fazer grande defesa.

Se o Santos não aproveitou a grande oportunidade logo no início da etapa complementar, melhor para o São Paulo. Aos nove minutos, Vitor Bueno fez boa jogada individual para cima de Sánchez e cruzou rasteiro, na medida para Daniel Alves, que teve toda a calma do mundo para, na cara do gol, dominar e bater forte, empatando o jogo na Vila Belmiro.

Após o empate, o São Paulo se empolgou e só não chegou à virada graças ao goleiro Everson. Aos 11 minutos, Pablo recebeu dentro da área, se livrou do primeiro marcador, driblou outro e bateu de canhota, rasteiro, mas fraco. Ainda assim, pela proximidade do arremate, o santista fez ótima defesa. Depois aos 17, o camisa 9 recebeu excelente cruzamento de Daniel Alves, mas não pegou em cheio na bola.

Antes do apito final, o Tricolor ainda teve mais duas chances de acabar com o jejum de mais de 1000 dias sem vencer um clássico fora de casa, mas faltou sorte. Primeiro, aos 36, Arboleda ficou com a sobra do cruzamento na área e bateu em cima de Victor Ferraz, à queima-roupa. Depois, aos 42, Igor Gomes cabeceou no cantinho, mas Everson se esticou todo para fazer a defesa. Desta maneira, coube às duas equipes se conformarem com o empate em 1 a 1 na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Ferraz vê San-São equilibrado e quer buscar campanha histórica do Santos

O San-São foi equilibrado e o placar final de 1 a 1 representou bem o que foi visto na Vila Belmiro neste sábado. Na saída de campo, o capitão do Santos, Victor Ferraz, analisou a partida e declarou que a equipe não vai desanimar após ter a sequência de quatro jogos com vitórias quebrada.

“A gente fez um primeiro tempo muito bom, mas no segundo eles fizeram mudanças táticas e encaixaram melhor. Sendo bem justo, foi um tempo para cada lado. Eles foram melhor no segundo tempo, mas é clássico, a gente jogou bem e teve chance de fazer mais gols”, disse Ferraz aos canais Premiere.

O Peixe vinha de quatro jogos seguidos com vitórias, mas ainda assim a equipe de Jorge Sampaoli continua com uma sequência de seis jogos sem derrota.

Ferraz ainda falou sobre a campanha do Santos e deixou claro que o objetivo é continuar pontuando para até quebrar recordes no clube.

“Estamos com seis jogos de invencibilidade, vínhamos de quatro vitórias consecutivas. A gente tem feito um grande campeonato. Infelizmente o Flamengo está fora da curva, mas a nossa pontuação é uma das maiores da história do clube. A gente tem condições de passar os maiores times que disputaram os pontos corridos aqui, como a geração de Neymar, de Robinho. Temos objetivo de pontuar o máximo possível e vamos continuar tentando”, declarou.

O empate garante o Santos ao menos na Pré-Libertadores de 2020. A equipe ocupa a terceira colocação com 65 pontos. Os comandados de Sampaoli voltam a campo no próximo sábado, às 21h, quando recebe o Cruzeiro na Vila Belmiro.

Santos garante vaga na Pré-Libertadores em 2020

O Santos garantiu a vaga na Pré-Libertadores em 2020 ao empatar com o São Paulo por 1 a 1 neste sábado, na Vila Belmiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com 67 pontos, o Peixe não pode mais sair do G-6. Se vencer o Cruzeiro no próximo sábado, de novo na Vila, o Alvinegro terá a vaga confirmada na frase de grupos da competição continental.

O Santos segue na terceira colocação do Brasileirão, agora a nove pontos do Grêmio, mas dois a menos que Palmeiras e a 13 do líder Flamengo.

O Peixe não disputou a Libertadores deste ano e foi eliminado da primeira fase da Sul-Americana pelo River Plate (URU).

Sampaoli confirma reunião com Autuori para definir futuro no Santos

A campanha “Fica, Sampaoli” ganha cada vez mais força entre os torcedores do Santos. No empate contra o São Paulo, neste sábado, foi possível ouvir os gritos na Vila Belmiro pedindo a permanência do treinador, quando ele entrou em campo.

Após a partida, Sampaoli confirmou que fará uma reunião na próxima semana com o superintendente Paulo Autuori para definir o seu futuro no clube.

“Sobre 2020 e planejamento, antes do clássico adiamos reunião com o Paulo Autuori. Para ele manifestar seu ponto de vista e eu o meu, analisando o ano para saber se há possibilidade de estarmos juntos no projeto do Santos 2020. Devemos ter a reunião na próxima semana. Ideia é se classificar para a Libertadores, objetivo importante para clube e cidade. Veremos se essa semana teremos reunião para ver algo.”, declarou.

Sampaoli ainda definiu o que espera para poder continuar no Peixe no ano que vem.

“Clube tem que definir a postura para meu segundo ano. Não posso estar pendente de um sonho sem outorgar o que a torcida quer. Se posso me erradicar onde gosto e tenho projeto bom, não há motivo para não ficar. Depende do planejamento e se coincide. Amanhã esse carinho se transformará em ódio se não ganharmos. Não quero que digam que sou mal, por isso temos que ganhar sempre, ou ao menos com jogadores baseados num estilo. Se não posso dar o que a torcida quer, não posso ficar”, disse o argentino.

A campanha com Sampaoli no Campeonato Brasileiro coloca o Santos na terceira colocação com 65 pontos até aqui. O Peixe volta a campo no próximo sábado, às 21h, quando recebe o Cruzeiro na Vila Belmiro.

Venda de cativas funciona, e Santos tem maior público e renda na Vila em 2019

O Santos teve o maior público e renda de 2019 na Vila Belmiro no empate em 1 a 1 com o São Paulo no último sábado, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe esgotou os ingressos na terça-feira e recebeu 14.062 torcedores no clássico, com arrecadação bruta de R$ 602.192,50.

“O que me deixou feliz foi o público de hoje… Mais de 14 mil. Melhor público do Santos na Vila nos últimos anos”, disse o presidente José Carlos Peres, à Gazeta Esportiva.

O Alvinegro comercializou cerca de 1000 cadeiras e potencializou o setor social do estádio. A medida de colocar no sistema de vendas as cativas inadimplentes surtiu efeito.

Sampaoli comenta visita de Bolsonaro à Vila e defende democracia

A presença de Jair Bolsonaro na Vila Belmiro, para assistir ao clássico entre Santos e São Paulo, causou polêmica. Entre notas de repúdio das torcidas organizadas e pedido de respeito do presidente José Carlos Peres, o técnico Jorge Sampaoli também comentou sobre o tema.

Auto-declarado como de “centro-esquerda” no espectro político, Sampaoli falou que não poderia proibir a presença de Bolsonaro no estádio. O treinador colocou as diferenças políticas de lado e entendeu o direito do Presidente comparecer ao jogo.

“É democracia. Temos que defender liberdade e democracia. Sou treinador. Não sei em que cabeça cabe que posso proibir a presença do Bolsonaro, vindo de outro país é até uma falta de respeito”, iniciou o treinador.

Sampaoli voltou a falar sobre defender a democracia. O argentino foi ativista político na sua juventude, nos tempos de ditadura militar no país vizinho, e relembrou a época, fazendo um paralelo com a situação política na Bolívia.

“Mais do que pensamentos políticos, temos que defender a democracia. Vivi ditadura no país e nunca deixarei de defender a democracia. Olhem a Bolívia. O que eu mais desejo é não voltar a um lugar de execução como vivi na minha infância”, finalizou.

Bolsonaro chegou à Vila Belmiro minutos antes da bola rolar. O Presidente visitou o Memorial das Conquistas do clube, passou pelas cativas, onde tirou fotos com alguns torcedores, e assistiu a partida no camarote da presidência, com a camisa do Santos.

“Minha vontade era ter dado um soco na cara dele”, diz Sasha após confusão com Jorge ( Em 18/11/2019 )

Eduardo Sasha foi sincero em coletiva realizada nesta segunda-feira. Quando questionado sobre o desentendimento com Jorge no clássico com o São Paulo, o atacante do Santos revelou que passou por sua cabeça dar um soco no companheiro e ainda disse que perdeu o respeito pelo defensor.

No primeiro tempo, Jorge optou por finalizar uma jogada a gol em vez de tocar para Sasha, que reclamou da opção do defensor. O lateral foi em direção ao centroavante e colocou o dedo no rosto do companheiro durante a confusão.

“Admito que fiquei muito chateado pela situação que aconteceu, por eu ser um cara que respeito muito as pessoas, principalmente meus companheiros. Confesso que a minha vontade foi de, na hora, ter dado um soco na cara dele, mas o profissionalismo falou mais alto, porque eu sabia que se eu reagisse da forma que eu quisesse, ou de cabeça quente, eu ia acabar prejudicando demais a equipe. Depois do jogo ele me pediu desculpas, para os companheiros, mas o carinho e o respeito que eu tinha por ele acabou naquele momento”, disse Sasha.

“No meu ponto de vista, eu poderia estar errado na hora do jogo. Eu estava sozinho e ele poderia ter efetuado o passe para eu ter a oportunidade de finalizar. Não foi o que aconteceu, reclamei, normal do jogo, mas ele se excedeu”, completou.

Sasha ainda refletiu sobre a postura de não prolongar a discussão, uma vez que o atacante saiu de perto do lateral. “Se eu tivesse tido a mesma atitude de reagir no calor do jogo, todo o grupo seria prejudicado. O juiz acabaria expulsando os dois. Eu tive calma. Com o tempo eu aprendi que a gente deve bem pensar antes de falar alguma coisa. Pensando bem, foi a melhor coisa que eu fiz”, analisou.

Por fim, o atacante afirmou que o desentendimento não prejudicará a equipes no decorrer da temporada, revelou que Jorge pediu desculpas pela atitude e declarou Sampaoli não interviu na situação mesmo depois da partida.

“Não (vai afetar a equipe), até porque, se eu consegui me controlar naquele momento que estava de cabeça quente e não atrapalhou muito, daqui para frente não acontecerá mais nenhum incômodo dessa postura que aconteceu no jogo”, ponderou.

“Muita gente acabou nem vendo. Apenas algumas pessoas, não sei se na hora do intervalo ele (Sampaoli) estava ciente da situação. Ele (Jorge) me pediu desculpa particularmente, depois na frente do grupo. Como sou uma pessoa tranquila e tenho respeito, aceitei a desculpa. Já passou, mas o respeito que eu tinha por ele acabou naqueles segundos que ele tomou a atitude”, finalizou.


Santos 1 x 0 Bahia

Data: 31/10/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 29ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.634 pagantes
Renda: R$ 209.580,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (ambos do RJ).
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartões amarelos: Pará, Alison, Marinho, Jean Mota e Lucas Veríssimo (S); Gregore, João Pedro e Ronaldo (B).
Gol: Carlos Sánchez (08-2, de pênalti).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Alison, Evandro e Carlos Sánchez; Marinho (Tailson), Soteldo (Felipe Jonatan) e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

BAHIA
Douglas Friedrich; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho, Moisés; Gregore (Ronaldo), Flávio e João Pedro (Marco Antonio); Élber (Rogerio), Artur e Gilberto.
Técnico: Roger Machado



Santos sofre susto, mas vence o Bahia e fica mais perto da Libertadores

O Santos venceu o Bahia por 1 a 0 na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Carlos Sánchez, de pênalti.

O Peixe não foi brilhante, mas pouco sofreu na defesa e teve uma leve melhora na etapa final, suficiente para conquistar os três pontos em casa. O Tricolor teve um gol de Juninho anulado após auxílio do VAR.

O Alvinegro segue na terceira colocação, agora com 55 pontos, a seis do São Paulo e cada vez mais perto da Libertadores da América em 2020. O Bahia é o nono, com 41, distante da maior competição do continente.

O jogo:

O Santos passou longe de ter a mesma intensidade de outros momentos no Campeonato Brasileiro. O Peixe parecia achar que faria o gol a qualquer momento.

As principais chances do Alvinegro vieram em jogadas individuais. Soteldo, Sánchez e Jorge passaram perto e fizeram Douglas trabalhar. Eduardo Sasha, aos 17, marcou após bate-rebate, mas o árbitro de vídeo anulou por impedimento.

O Bahia marcou bem e só assustou o Santos uma vez, em finalização cruzada de Gilberto no quinto minuto da partida.

O Santos aumentou um pouco o ritmo na etapa final e abusava dos cruzamentos. Quando entrou na área por baixo, Marinho sofreu pênalti claro de Juninho. Carlos Sánchez converteu com categoria aos oito minutos.

O Peixe seguiu em cima do Bahia e esteve perto de abrir o placar aos 19, quando Sasha chutou na defesa do Tricolor duas vezes. Na sequência, Marinho cruzou e Evandro isolou.

O Alvinegro não soube administrar a vantagem como poderia e levou um susto. No minuto 38, Moisés ajeitou de cabeça e Juninho fez um golaço. O árbitro de vídeo anulou o lance por impedimento do lateral-esquerdo.

O Santos se recompôs nos minutos finais e garantiu a vitória suada na Vila Belmiro. Peixe longe do título, mas cada vez mais perto da Libertadores em 2020.

Bastidores – Santos TV:

Sánchez admite “um pouco de raiva”, mas entende opção de Sampaoli no Santos

Reserva no clássico contra o Corinthians, Carlos Sánchez voltou a ser titular e fez o gol do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Bahia nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Ao Esporte Interativo, Sánchez admitiu “um pouco de raiva”, mas disse entender o rodízio feito pelo técnico Jorge Sampaoli.

“Trabalho no dia a dia para que o técnico me escale. Depende dele. Temos que trabalhar sempre bem, sem cruzar os braços. Um pouco de raiva, mas temos que ter tranquilidade. Lutar, fazer um bom trabalho e depende da gente assimilar se jogar ou não”, disse Sánchez.

“Eu falo sempre com ele (Sampaoli). Temos boa relação. Se ele pensa em outro jogador que pode estar melhor ou com outra característica, tudo bem. Depende dele me colocar ou não. Quero somar. Apoiamos o trabalho dele”, completou.

Sánchez é artilheiro (com 15 gols) e garçom (com oito assistências) na temporada. O Santos voltará a campo para enfrentar o Botafogo, domingo, novamente na Vila.

Sampaoli pede “novo” Santos para 2020: “Não me encontro capacitado para fazer o que fiz neste ano”

O técnico Jorge Sampaoli voltou a fazer fortes críticas à diretoria do Santos na noite desta quinta-feira, após a vitória sobre o Bahia por 1 a 0, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treinador disse que não se preparado para repetir o trabalho deste ano, sem ter os pedidos atendidos pelo presidente José Carlos Peres na montagem do elenco.

“Se os melhores saírem e Santos precisa fazer um time novo com incapacidade financeira desse ano, será uma loteria. Não me encontro capacitado para fazer o que fiz nesse ano. Sofreria muito”, afirmou Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador coloca o futuro em aberto. Seu contrato termina em dezembro de 2020, mas a permanência, neste momento, parece improvável.

“Expliquei na coletiva anterior que não sabemos onde estaremos. Por decisão da diretoria, que rompe contratos, ou por decisão do próprio treinador. Nunca se sabe a realidade. É um clube que nesse ano me deu possibilidade e felicidade de estar aqui. Tenho muita alegria por passar ano aqui, me sinto um cidadão a mais, me fazem sentir assim, parte do povo de Santos. Essa felicidade me dá um grande compromisso com o clube e os jogadores que lutamos todos os dias para continuar acima”< disse Sampaoli. Minha realidade é vir ao Brasil, criar uma história e tratar de em dois anos o Santos ser campeão. Esse é meu sonho. Não sei o que passará ainda, não tenho tempo para pensar também. Temos que pensar no próximo jogo. Ninguém acreditava e esse grupo faz coisas muito importantes para o clube. Me obrigo a pensar no agora, não no depois. Há uma realidade que como pessoa física adoraria estar aqui. Viver em Santos foi o melhor que ocorreu comigo. Depois está o profissional, não quero enganar a torcida, vender situações que não existem”, emendou o treinador. Sampaoli ainda não teve uma conversa clara com o superintendente Paulo Autuori sobre reforços para 2020. Uma coisa até aqui é clara: o Santos tem pouco dinheiro para investir. “Tentei me reunir com Paulo (Autuori), mas não temos claro ainda o próximo ano, necessidades, balanço. Na próxima semana livre conversaremos sobre os jogadores que pensarão, não tenho claro. Me apresentaram projeto com dificuldade para 2020, mas não sei se clube pode gerar recursos para fazer essa campanha, para mim excelente, se transforme em título. Não tenho claro. Há diferença como cidadão de Santos e de resolver com sensatez e profissionalismo meu futuro”, concluiu. Sampaoli se frustra com Cueva e diz que peruano não era prioridade no Santos

Jorge Sampaoli disse na noite desta quinta-feira que Cueva não era prioridade no Santos e lamentou o descomprometimento do peruano.

O treinador admitiu não ter conseguido fazer o meia ser parte do processo e destacou a atuação do Flamengo no mercado da bola.

“Pedidos podem ter chegado a 100. Clube não conseguiu contratar as prioridades e fomos decantando. Para brigar por um campeonato precisamos fazer o que fez Flamengo. Trazer as necessidades e conservar os melhores. O resto é tudo mentira, enganar. Lamentavelmente Cueva não conseguimos colocar dentro desse universo comprometido com cidade, equipe e projeto. Tentamos, mas não conseguimos. Teve inconveniente pessoal que não fez com que fizesse parte de nós. Não concordo contigo sobre as contratações. A desordem é o que não pode ocorrer no próximo ano. Não podemos brigar até o último minuto para saber quem pode vir. Enquanto isso, outros se preparam muito bem para o campeonato”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva após a vitória contra o Bahia.

Fora dos planos do Peixe, Cueva viajou ao Peru e ficará pelo menos uma semana em seu país para resolver problemas pessoais e procurar clubes interessados.

Sampaoli explica discussão com torcedor do Santos e lamenta preço do ingresso na Vila

O técnico Jorge Sampaoli discutiu com um torcedor do Santos após o apito final da vitória por 1 a 0 sobre o Bahia na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O santista reclamou durante todo o tempo. Depois do Peixe confirmar a vitória, Sampaoli e o auxiliar Jorge Desio tiraram satisfação e pediram apoio.

“Sobre o torcedor, me incomodei porque qualquer pessoa que tente provocar alguém do Santos me incomoda. Esse torcedor é seguramente do Bahia com a camisa do Santos. Por isso fiquei incomodado”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também criticou a diretoria pelo preço do ingresso na Vila – o mais barato foi R$ 40. O estádio recebeu 5.634 torcedores.

“A Vila estava no 50%, cada vez que vamos jogar fora diminuem os preços dos ingressos e aqui não. Há distância institucional com a torcida. Necessitávamos da Vila cheia, gente fervorosa apoiando a equipe. Temos limitações, mas precisamos da torcida e não contamos com isso”, completou o treinador.

Sampaoli não deve definir futuro no Santos antes do fim do Brasileirão; permanência é improvável

O técnico Jorge Sampaoli não deve definir o futuro no Santos antes do fim do Campeonato Brasileiro. O último adversário será o Flamengo, em 8 de dezembro.

Sampaoli espera saber quanto o Peixe poderá investir para 2020 e prioriza as últimas rodadas do Brasileirão em busca da vaga direta na Libertadores da América – o título é sonho distante.

Neste momento, pelas informações iniciais passadas pelo Alvinegro à comissão técnica, a tendência é de saída antes do fim do contrato, que termina em dezembro de 2020. Mais do que reforços, Jorge Sampaoli não vê chance de manutenção do atual elenco.

“Há uma realidade que como pessoa física adoraria estar aqui. Viver em Santos foi o melhor que ocorreu comigo. Depois está o profissional, não quero enganar a torcida, vender situações que não existem. Tentei me reunir com Paulo (Autuori), mas não temos claro ainda o próximo ano, necessidades, balanço. Na próxima semana livre conversaremos sobre os jogadores que pensarão (para reforçar o elenco), não tenho claro. Me apresentaram projeto com dificuldade para 2020, mas não sei se clube pode gerar recursos para fazer essa campanha (atual), para mim excelente, se transformar em título. Não tenho claro. Há diferença como cidadão de Santos e de resolver com sensatez e profissionalismo meu futuro”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva na última quinta-feira.

O Santos tem sérios problemas financeiros e deve, atualmente, dois meses em direito de imagem. O Peixe precisa diminuir a folha salarial para 2020 e não prevê grandes investimentos. Para piorar, precisa vender pelo menos um titular – Lucas Veríssimo e Soteldo são os mais cotados. Gustavo Henrique, em fim de contrato, e Jorge, emprestado pelo Monaco (FRA), devem sair.


Santos 2 x 0 CSA

Data: 29/09/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 22ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.615 pagantes
Renda: R$ 263.000,80
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (ambos do RJ).
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo (S) e Naldo (CSA).
Cartão vermelho: Lucas Veríssimo (S, 32-2).
Gols: Carlos Sánchez (34-1, de pênalti) e Eduardo Sasha (11-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Evandro (Felipe Jonatan), Carlos Sánchez, Jean Mota (Derlis González); Soteldo e Eduardo Sasha (Luiz Felipe).
Técnico: Jorge Sampaoli

CSA
Jordi; Dawhan, Alan Costa (Ronaldo Alves), Luciano Castán e Carlinhos (Rafinha); Naldo, João Vitor e Jonatan Gomez (Euller); Apodi, Bustamante e Ricardo Bueno.
Técnico: Argel Fucks



Santos derrota CSA na Vila e volta a vencer após quatro jogos no Brasileirão

Neste domingo, o Santos derrotou o CSA por 2 a 0, na Vila Belmiro, e voltou a vencer após quatro jogos sem triunfos no Campeonato Brasileiro. Mesmo sem ter uma atuação brilhante, o time comandado por Jorge Sampaoli dominou a frágil equipe alagoana e garantiu os três pontos com gols de Carlos Sánchez, de pênalti, e Eduardo Sasha.

O primeiro tempo teve ritmo lento na Vila, com o Peixe tendo dificuldade para criar. Dominando a posse de bola, os mandantes abriram o placar em cobrança de pênalti de Sánchez. Na segunda etapa, o Santos voltou a campo com mais intensidade, pressionando o adversário e logo marcou o segundo com Sasha.

Com a vitória, o Santos permaneceu na terceira posição do Brasileirão, com 41 pontos somados.

O jogo:

Com os dez jogadores de linha no campo de ataque, o Santos dominou de maneira expressiva a posse de bola na primeira etapa, tendo um meio-campo bastante povoado. No entanto, a equipe encontrou dificuldades para ser vertical e criar lances de perigo. A primeira chance só surgiu aos 28 minutos, em finalização de Jean Mota de fora da área, que foi defendida pelo goleiro Jordi.

Aos 34 minutos, o Peixe abriu o placar. Soteldo fez boa jogada pela esquerda e Jean Mota cruzou na área, encontrando Eduardo Sasha. O atacante finalizou no ar, a bola bateu no braço aberto de Naldo e o árbitro assinalou pênalti. Na cobrança, Sánchez bateu no canto direito e deslocou o goleiro. Jordi ainda impediu que o uruguaio fizesse um belo gol no fim do primeiro tempo, após lançamento de Soteldo e finalização de primeira de Sánchez.

Logo no início da segunda etapa, o Santos levou perigo com Jorge. O lateral-esquerdo conduziu a bola por dentro, passou pela marcação e arriscou de direita da entrada da área, parando em boa defesa de Jordi. No lance seguinte, o Peixe marcou o segundo: após escanteio batido pela esquerda, Lucas Veríssimo tocou de cabeça e Evandro ajeitou para Sasha, que só teve o trabalho de empurrar para o gol.

Quando o jogo já estava tranquilo e controlado, Lucas Veríssimo subiu para disputar uma bola pelo alto com o braço aberto, acertando o rosto do jogador do CSA. O zagueiro recebeu o segundo cartão e foi expulso. Dessa forma, o defensor está suspenso para enfrentar o Vasco. Mesmo com um a menos, o time alagoano não assustou a defesa do Peixe e o placar foi mantido até o final.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli destaca confiança trazida por vitória e cita pressão “ridícula” por resultados

Neste domingo, o Santos derrotou o CSA por 2 a 0 e voltou a vencer no Campeonato Brasileiro após quatro partidas sem triunfos na competição. Mesmo sem uma atuação brilhante, Jorge Sampaoli celebrou a confiança que a vitória traz à equipe e lamentou a pressão excessiva por resultados em cima dos clubes do Brasil.

“Ganhar e ter confiança são coisas que vêm da vitória. Mas quando perdemos é o contrário. Vitória gera satisfação para nós. A pressão que se gera em uma derrota chega a ser ridícula. São críticas que chegam ao ponto de se invadir um CT. É assim que funciona e o que temos que viver nesta profissão. Mas o grupo está tranquilo e é isso que temos que implementar por aqui. Temos que estar preparados”, analisou o treinador.

Antes de vencer o CSA, o Santos vinha de empates contra Athletico Paranaense e Fluminense e derrotas para Flamengo e Grêmio. Com a sequência negativa, o Peixe se afastou dos primeiros colocados do Brasileirão.

Além de comentar sobre a pressão sofrida pelo Santos por conta dos resultados adversos, Sampaoli citou o exemplo do Fluminense como um episódio que não deve acontecer. A torcida da equipe carioca invadiu o CT do Tricolor das Laranjeiras e cobrou o elenco por vitórias e melhor desempenho.

“Não falo só do Santos, falo de outros lugares, como no Fluminense. Aqui no Santos não reclamo porque aqui não recebi nenhum protesto nem incômodo. Mas pode acontecer. As coisas saem de controle. Isso acontece em todos os lugares. As pessoas que invadiram o prédio do Fluminense estão soltas. Invadiram local privado e estão soltas. Nada acontece”, completou o técnico.

Sasha celebra Santos mais regular e foca em vitória contra o Vasco

O Santos derrotou o CSA, neste domingo, e voltou a vencer no Campeonato Brasileiro após quatro jogos sem triunfos na competição. Autor do segundo gol da equipe no jogo, Eduardo Sasha citou o desempenho distinto entre os dois tempos das últimas partidas como empecilho para melhores resultados.

“É importante estar vencendo, ainda mais em casa. Vínhamos fazendo bons jogos nos primeiros tempos, mas acabava caindo nos segundos e acabamos saindo com resultados que não queríamos. O time está de parabéns, voltamos a vencer a agora temos a semana inteira para trabalhar e conseguir os três pontos fora de casa”, afirmou o atacante ao Premier.

O gol de Sasha saiu aos 11 minutos do segundo tempo, após escanteio batido pela esquerda. Lucas Veríssimo escorou de cabeça e Evandro ajeitou para o atacante, que apenas teve o trabalho de empurrar para as redes. Foi o nono gol do camisa 37 no Brasileirão.

Lucas Veríssimo é expulso e não poderá enfrentar o Vasco

Neste domingo, o Santos derrotou o CSA na Vila Belmiro e voltou a vencer após quatro partidas. O ponto negativo ficou por conta de Lucas Veríssimo, que recebeu um cartão amarelo no primeiro tempo do jogo contra a equipe alagoana e, na segunda etapa, foi novamente advertido, sendo expulso. Dessa forma, o zagueiro não poderá atuar contra o Vasco, na 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Veríssimo é um dos jogadores mais importantes para a equipe comandada por Jorge Sampaoli. O defensor pode atuar como zagueiro central ou posicionar-se como um lateral-direito, trazendo flexibilidade tática para o Peixe.

Com a suspensão de Veríssimo, Felipe Aguilar, Luiz Felipe e Luan Peres disputarão a vaga como titular para atuar ao lado de Gustavo Henrique. Contra o CSA, Sampaoli optou pela entrada de Luiz Felipe no lugar de Sasha para recompor a linha de defesa.

De qualquer maneira, a tendência é que Sampaoli não utilize o esquema com três zagueiros para enfrentar o Vasco, já que Veríssimo é o único que pode transformar-se em lateral durante a partida.


Santos 1 x 1 Athletico-PR

Data: 08/09/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 18ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.569 pagantes
Renda: R$ 476.930,00
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Diego Pituca, Lucas Veríssimo e Marinho (S); Léo, Adriano, Matheus Rossetto, Lucho González, Thonny Anderson e Tiago Nunes (A).
Cartão vermelho: Pablo Fernandez (Preparador físico do Santos).
Gols: Braian Romero (41-1); Carlos Sánchez (45-2, de pênalti).

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Pará), Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Jean Mota (Venuto); Marinho, Eduardo Sasha e Uribe.
Técnico: Jorge Sampaoli

ATHLETICO-PR
Léo; Madson, Pedro Henrique, Léo Pereira e Adriano (Abner); Matheus Rossetto, Lucho González (Erick) e Everton Felipe (Tomás); Vitinho, Braian Romero e Thonny Anderson.
Técnico: Tiago Nunes



Santos tenta até o fim, mas só empata com reservas do Athletico na Vila

O Santos empatou com o time reserva do Athletico-PR por 1 a 1 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram de Braian Romero, na etapa inicial, e Sánchez, de cavadinha em pênalti, nos acréscimos.

O Peixe sentiu as ausências de Victor Ferraz (suspenso), Evandro (machucado) e Jorge, Derlis e Soteldo (nas seleções do Brasil, Paraguai e Venezuela, respectivamente). O Furacão atuou melhor no primeiro tempo mesmo com os suplentes e contou com várias defesas de Léo na etapa final para segurar o empate.

Com o empate, o Alvinegro fica com 37, ainda em segundo, e a dois pontos do líder Flamengo (mas com desvantagem de 12 de saldo). O Athletico sobe para 26, na décima colocação.

O Santos voltará a campo para enfrentar justamente o Flamengo, no Maracanã, domingo. O Furacão tem a ida da final da Copa do Brasil contra o Internacional, quarta-feira, na Arena da Baixada, e depois recebe o Avaí, no domingo, no fechamento do turno.

O Santos acuou o Athletico-PR nos primeiros minutos. Com a linha de defesa no meio-campo, o Peixe jogava solto e parecia questão de tempo para abrir o placar. Parecia.

O Alvinegro teve grande chance aos sete minutos, quando o goleiro Léo saiu jogando errado, Marinho dominou e chutou forte, antes de Léo Pereira salvar de carrinho.

O Athletico adiantou as linhas, equilibrou a partida e passou a jogar melhor. No minuto 27, Everton Felipe buscou o ângulo e a bola passou perto. Aos 33, Everson fez duas grandes defesas em chutes de Thonny Anderson e Vitinho. Na sequência, o Santos sucumbiu.

Quando o placar marcava 41 jogados, Lucho González lançou Thonny Anderson, o atacante girou sobre Aguilar e chutou cruzado – Everson não alcançou e Braian Romero só empurrou.

Após sair atrás, o Santos buscou a reação e ficou perto com Uribe, aos 45, e Jean Mota, 47. Léo fez duas boas intervenções para salvar o Athletico.

O Santos voltou para o segundo tempo ainda desorganizado, mas disposto a reagir na base do “abafa”. Aos oito minutos, Gustavo Henrique cabeceou após escanteio e o goleiro Léo fez mais uma defesa impressionante. No minuto 10, Jean Mota cruzou e Uribe cabeceou perto da trave.

O Peixe seguiu em cima, mas continuava bem marcado pelo Athletico. O Alvinegro abusou dos cruzamentos e viu Léo continuar fazendo milagres.

Aos 32, Felipe Jonatan bateu cruzado e o goleiro espalmou. No minuto 33, Lucas Veríssimo cabeceou e Léo se esticou inteiro para defender. E quando o placar marcava 34, Uribe tentou e Léo defendeu novamente. Ainda deu tempo do colombiano, aos 34, cabecear sozinho por cima.

E no fim, a pressão funcionou. A arbitragem marcou pênalti em Marinho após acionar o VAR. Sánchez, de cavadinha, converteu aos 45. O Santos tentou a virada nos minutos finais, mas não conseguiu. Empate na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli condena “cera” do Athletico e minimiza discussão

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, reclamou da “cera” do Athletico-PR no empate em 1 a 1 neste domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli valorizou o esforço do Peixe em busca da vitória até o último minuto. Sánchez empatou aos 45 minutos do segundo tempo, de pênalti.

“Buscamos desde o início ganhar contra uma equipe que tentou cortar o jogo. Só uma equipe quis jogar. Posturas defensivas são legais, mas cair ao chão mais de 50 vezes atrapalha quem busca a vitória. Recriminamos, cortaram o jogo o tempo todo. Desenvolvimento fica incômodo para quem quer protagonizar”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Jorge Sampaoli também comentou sobre a discussão com Tiago Nunes, técnico do Athletico. O auxiliar Pablo Fernández foi expulso.

“Jogo foi tenso, respeito muito o trabalho dele. Jogo foi muito cortado, responsabilidade também dos que conduzem o jogo. A partida que nos tocou foi mais grosseiro, caíram o tempo todo. Partida acabou e não fica nenhum rancor”, concluiu.

Com o empate, o Alvinegro fica com 37, ainda em segundo, e a dois pontos do líder Flamengo. O Santos voltará a campo para enfrentar justamente o Rubro-Negro, no Maracanã, domingo.

Santistas analisam empate e destacam goleiro do Athletico

Os jogadores do Santos lamentaram a grande atuação do goleiro Léo no empate em 1 a 1 com o Athletico-PR neste domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os zagueiros Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique destacaram as chances criadas pelo Peixe e as intervenções do goleiro reserva do Furacão.

“Jogamos em cima deles, tivemos várias oportunidades. Jogamos bem, sim. Faltou capricho e a bola entrar. Goleiro deles estava em um grande dia. Mérito dele”, disse Veríssimo.

“Temos que ganhar sempre em casa, mas campeonato é difícil. Goleiro deles foi melhor em campo. Não foi falta de vontade, às vezes futebol não é como a gente quer”, avaliou o capitão Gustavo Henrique, antes de falar sobre a cera do goleiro Léo.

“Falei para o juiz que caíram toda hora. Goleiro caiu sete vezes, atrapalhou ritmo do jogo. Quem tenta ter intensidade… Fica difícil”, completou.

Sampaoli elogia estreante Venuto no Santos: “Entrou muito bem”

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, aprovou a estreia de Lucas Venuto no empate em 1 a 1 com o Athletico-PR no último domingo, na Vila Belmiro, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro

Após quase um mês no clube, o atacante ex-Vancouver Whitecaps, do Canadá, entrou no segundo tempo e “colocou fogo” no jogo.

“Entrou muito bem. Tivemos esperança para ele entrar num jogo muito difícil. Fez diferença pelas pontas, teve o mesmo rendimento do Marinho e brigará por um lugar. Bom termos a possibilidade de ter um extremo com tanta intensidade e drible”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Venuto ganhará mais minutos, mas deve seguir entre os reservas contra o Flamengo no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã, pela 19ª e última rodada do primeiro turno.

Com mais um tropeço na Vila, o Peixe agora está a dois pontos do Rubro-Negro e precisa vencer para terminar a primeira etapa da competição na dianteira.

Pituca recebe 3º amarelo e desfalca o Santos em “decisão”

Diego Pituca recebeu o terceiro cartão amarelo neste domingo, no empate do Santos com o Athletico-PR na Vila Belmiro, e não enfrentará o Flamengo, no próximo domingo, no Maracanã, pela 19ª rodada e última do primeiro turno do Campeonato Brasileiro.

A partida diante do Rubro-Negro será uma “decisão”. O Peixe está a dois pontos do rival na tabela e precisa vencer para reassumir a liderança e alcançar o título simbólico da primeira etapa da competição.

O técnico Jorge Sampaoli não contará com Pituca, mas, em compensação, terá Jorge, Derlis González e Soteldo de volta. O trio foi convocado para as seleções do Brasil, Paraguai e Venezuela, respectivamente.

Outros reforços devem ser Victor Ferraz e Evandro. O lateral-direito esteve suspenso e ainda teve um trauma no joelho direito. O meio-campista ficou fora por uma contratura na coxa esquerda. A dupla deve ficar à disposição no Maracanã.